10 estratégias para Melhorar a Concentração na escola ou no trabalho

Contents
  1. Como melhorar a concentração: 10 dicas
  2. 1. Pratique atividades físicas
  3. 2. Não tente ser multitarefas
  4. 3. Medite
  5. 4. Tenha uma boa noite de sono
  6. 5. Não se esqueça do lazer
  7. 6. Desconecte-se
  8. 7. Alimente-se bem para melhorar a concentração
  9. 8. Liste as suas tarefas
  10. 9. Estimule a sua mente
  11. 10. Memorize as coisas
  12. A importância da concentração
  13. 8 dicas para combater a dificuldade de concentração e ser mais produtivo
  14. Fatores que atrapalham a concentração no trabalho
  15. Como aumentar a concentração no trabalho?
  16. 1. Mantenha o seu espaço de trabalho sempre limpo e organizado
  17. 2. Defina horários específicos para a consulta de emails
  18. 3. Faça pausas de 10 minutos a cada 2 horas
  19. 4. Deixe o seu celular no modo silencioso
  20. 5. Desligue-se das redes sociais
  21. 6. Faça uma coisa de cada vez
  22. 7. Evite conversas paralelas
  23. 8. Estabeleça prioridades
  24. 9 atividades para melhorar a concentração das crianças
  25. 1. Leitura
  26. 2. Adivinhas e jogos da memória
  27. 3. Atividades manuais
  28. 4. Prática de esportes
  29. 5. Programação
  30. 6. Brincadeiras em grupos
  31. 7. Cartas e jogos de tabuleiros
  32. 8. Práticas de estudo
  33. 9. Teatros e faz de conta
  34. Crianças com falta de concentração: como atuar?
  35. Como saber se uma criança tem problemas de concentração?
  36. Causas da falta de concentração
  37. 01. Valorizar comportamentos positivos
  38. 02. Dedicar mais tempo à(s) tarefa(s)
  39. 03. Menos tempo em frente à televisãoe eliminar elementos que causem distração
  40. 04. Contacto com a natureza
  41. 05. Meditação para melhorar o foco
  42. 06. Jogos didáticos e estimulantes
  43. 07. Programar intervalos
  44. 08. Cuidar da saúde
  45. 10 dicas cientificamente comprovadas para melhorar seus estudos
  46. 1. Impeça a “curva do esquecimento”
  47. 2. Utilize material impresso
  48. 3. Faça conexões
  49. 4. Estude quando estiver cansado – e descanse em seguida
  50. 5. Não releia, relembre
  51. 6. Use o sistema Leitner
  52. 7. Pense sobre o pensar
  53. 8. Varie o conteúdo
  54. 9. Mude de cenário
  55. 10. Assuma o papel de “professor”
  56. 10 dicas para melhorar a concentração nos estudos
  57. 1. Leia, mas escreva também
  58. 2. Escreva à mão
  59. 3. Afaste interferências
  60. 4. Mapas mentais e uso de cores
  61. 5. Estude sozinho
  62. 7. Organize o local de estudo
  63. 8. Faça um cronograma de estudo e respeite seu tempo
  64. 9. Esteja fisicamente bem
  65. 10. Crie um “ritual” e mentalize a rotina daquele dia

Como melhorar a concentração: 10 dicas

10 estratégias para Melhorar a Concentração na escola ou no trabalho

O bip do celular anuncia uma nova notificação das redes sociais ou recebimento de uma nova mensagem. Você já parou para contar quantas vezes isso acontece por dia?

Um estudo mostrou que quase metade dos brasileiros tem o hábito de checar os seus celulares de maneira compulsiva.

Em meio a tanto estímulo, trabalhar para melhorar a concentração é um desafio — mas não é impossível! A seguir, separamos algumas dicas primordiais para ajudá-lo a se concentrar nas suas atividades diárias.

1. Pratique atividades físicas

Um artigo publicado no jornal The Guardian mostrou uma série de pesquisas que comprovam a forte influência dos exercícios físicos sobre o cérebro.

Além de tornar as memórias mais consistentes, os exercícios são comprovadamente um dos responsáveis por ajudar na concentração.

De acordo com a reportagem, cerca de 20 minutos de exercícios aeróbicos intercalados com aulas ajudaram a melhorar a atenção dos alunos em escolas holandesas.

Outro relato mostrou que os adolescentes alemães que ficaram 10 minutos praticando atividades de coordenação lúdica conseguiram melhorar os seus resultados nas escolas. Portanto, escolha seu esporte e comece a praticar!

2. Não tente ser multitarefas

O pesquisador do Laboratório de Pesquisas Cognitivas do Inserm (Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica) em Lyon, Jean-Philippe Lachaux, desmistificou o fato de que ser multitarefas é algo positivo. Para ele, fazer duas coisas que exigem atenção ao mesmo tempo pode prejudicar a concentração.

Sendo assim, se você precisa fazer tarefas importantes, organize-se para fazer uma de cada vez. Isso o ajudará a se concentrar nas prioridades e a manter a alta qualidade das suas ações.

3. Medite

A meditação é uma prática milenar na qual o indivíduo utiliza técnicas para manter o foco da mente, seja em um pensamento ou atividade particular. Por atuar no córtex pré-frontal, ela impacta diretamente na concentração e no aprendizado.

Portanto, se você quer se concentrar melhor, pratique a meditação. Ela ativa a região do córtex, aumentando o volume da matéria cinzenta, o que tem efeito direto no cérebro.

Além disso, a prática reduz a atividade do lobo parietal, o que consequentemente faz com que não fiquemos tão sensíveis aos estímulos externos.

4. Tenha uma boa noite de sono

Já percebeu que quando temos uma boa noite de sono, no dia seguinte, nós conseguimos ter mais disposição? Assim como os outros órgãos de nosso corpo, o cérebro precisa descansar. Dessa maneira, se você quer melhorar a concentração, foque em dormir bem.

Isso acontece porque, durante o sono, o sistema nervoso central é restaurado, fazendo com que os neurônios repassem informações adequadas entre eles. Logo, isso impacta na atividade cerebral, nos ajudando a desenvolver uma capacidade superior de focar em determinadas tarefas.

5. Não se esqueça do lazer

O cérebro não é uma máquina. Se você não der um descanso a ele, com tempo, a sua concentração vai falhando e as atividades começam a ser feitas de qualquer maneira.

Desse modo, separe alguns momentos do seu dia para dar uma pausa e relaxar — isso o ajudará a ter mais fôlego para fazer as tarefas que exigem foco.

Ter momentos de lazer é fundamental não só para garantir o bem-estar, mas também melhorar a concentração. Por isso, invista nesses momentos de descontração.

Faça atividades que te deem prazer e que não tenham caráter de obrigação, como passear em um parque ou assistir a um filme.

6. Desconecte-se

Uma certa medida de estresse é fundamental, pois nos ajuda a responder de maneira ágil a situações de emergência. No entanto, é preciso cuidado para que isso não se torne um fardo.

Hoje, estamos recebendo estímulos constantes, além de estarmos expostos a informações em excesso, o que acaba sobrecarregando nosso cérebro.

Já percebeu que a ansiedade aumenta quando estamos o tempo todo conectados?

Logo, se você deseja melhorar a concentração, desconecte-se, desligue o seu computador e celular e fique sem checar as redes sociais. A desconexão ajuda a exercitar uma parte do cérebro conhecida como rede neural padrão, permitindo espaço para sonhar e consolidar a memória.

7. Alimente-se bem para melhorar a concentração

Alguns alimentos ajudam na regeneração dos neurônios, impactando na concentração. A hipoglicemia, que é a falta de glicose no organismo, pode prejudicar o raciocínio. Portanto, escolha fontes dessa substância, como cereais integrais e frutas, para melhorar o foco.

O zinco é outro elemento importante, pois atua contra os radicais livres, preservando as membranas dos neurônios, contribuindo, assim, para a troca de informações entre eles.

Nesse caso, consuma alimentos como ovos, laticínios e carne vermelha para ter um cérebro mais concentrado.

8. Liste as suas tarefas

Está precisando focar em determinadas tarefas, mas não consegue manter o foco? Faça uma lista!

Para isso, você pode usar, por exemplo, aplicativos de produtividade.

Listar as coisas que precisam ser feitas o ajudará a se concentrar no que de importante você tem que realizar em determinado dia.

Assim, é possível estabelecer prioridades — como o trabalho. O documento também ajuda a evitar que a concentração se perca no meio do caminho, pois você sabe que precisa terminar uma tarefa para começar outra.

9. Estimule a sua mente

Assim como o corpo, o cérebro também precisa se exercitar. A ginástica mental é essencial e deve ser aplicada à sua rotina. Um neurocientista americano, Larry Katz, até criou um nome para isso: neuróbica.

Para ele, práticas como fazer palavras-cruzadas, jogar xadrez, usar a mão que você não usa normalmente e fazer contas à moda antiga, sem ajuda de calculadora, são ótimas alternativas para estimular a concentração. Isso acontece porque essas ações ajudam o cérebro a aprender diferentes maneiras de fazer as coias.

10. Memorize as coisas

Você costuma praticar a memorização? Se ainda não, você deveria começar.

Decorar frases, poemas e até músicas ajuda não só na ampliação do vocabulário, mas também treinam o cérebro para que ele se concentre em atividades importantes.

Lembre-se de que a memória forma a base para a aprendizagem e que, sem ela, não podemos nos concentrar. Portanto, tenha hábitos diários para exercitar a mente: isso impactará diretamente o seu sucesso profissional e pessoal.

A importância da concentração

O vício no uso de aparelhos eletrônicos é o vilão da concentração, um problema típico do século 21. A tecnologia domina praticamente todos os aspectos da vida durante o tempo em que estamos acordados, e isso tem um custo cognitivo.

Assim, se você deseja melhorar a sua concentração, procure colocar em prática as dicas apresentadas.

Você verá que conseguirá ter uma habilidade maior para realizar os seus compromissos diários e ainda conseguirá relaxar a mente, aumentando a sua qualidade de vida.

Esperamos que você tenha gostado das nossas dicas.

Confira também nossas dicas para vencer a procrastinação!

Источник: https://blog.hotmart.com/pt-br/melhorar-a-concentracao/

8 dicas para combater a dificuldade de concentração e ser mais produtivo

10 estratégias para Melhorar a Concentração na escola ou no trabalho

Estamos vivendo um momento no qual o tempo é cada vez mais escasso e as pessoas precisam se desdobrar para realizarem todas as suas tarefas diárias corretamente e dentro do prazo.

Isso é fundamental para manter o emprego ou para ser mais produtivo no seu próprio negócio. Se houver dificuldade de concentração a situação pode ser ainda pior.

Com as inúmeras funções e acessibilidades atribuídas aos aparelhos de celular, manter o foco no trabalho fica cada vez mais difícil.

E não são só os dispositivos móveis contribuem para atrapalhar a concentração: existem inúmeros fatores ambientais e pessoais que podem impedir a sua produtividade de ser maior e melhor.

Se você se encaixa nesse perfil, veja o que pode estar atrapalhando a sua concentração e quais medidas deve adotar para manter o foco no trabalho.

Fatores que atrapalham a concentração no trabalho

Antes de dar início a uma estratégia para reforçar a sua concentração no trabalho, é necessário descobrir o que exatamente está causando essas distrações.

Algumas serão simples e fáceis de resolver. Porém, outras serão um pouco mais profundas, mexendo com o seu estado de tranquilidade mental.

Veja abaixo as principais causas para a dificuldade de concentração:

  • diversas tarefas sendo realizadas ao mesmo tempo;
  • páginas de redes sociais abertas no computador;
  • alimentação de conversas paralelas;
  • celular vibrando a todo instante;
  • preocupações particulares;
  • procrastinação.

Como aumentar a concentração no trabalho?

Muita gente acredita que a falta de concentração no trabalho pode indicar algum problema pessoal de foco.

Mas, mesmo que ela realmente tenha o problema, algumas estratégias devem contribuir para solucionar de forma parcial ou definitiva as distrações e aumentar consideravelmente o nível de concentração.

Agora, sem mais delongas, confira 8 dicas simples — porém, eficientes — de como superar a dificuldade de concentração no trabalho e aumentar o seu potencial produtivo:

1. Mantenha o seu espaço de trabalho sempre limpo e organizado

Poucas pessoas possuem o hábito de organizar a mesa antes de iniciar as tarefas e no fim do dia, após o expediente de trabalho.

Pode parecer uma coisa simples, mas isso ajuda você a manter sobre o alcance dos olhos e das mãos tudo o que precisa para executar as suas funções, eliminando bastante o tempo com a procura no meio da bagunça.

Nesses casos, quanto mais tempo você dedicar à procura do que precisa, mais vai se desligando do que estava fazendo até perder totalmente o foco. E vai levar um bom tempo para recuperá-lo novamente.

Então, dedique-se a limpar e organizar o seu ambiente de trabalho todos os dias, pelo menos uma vez. Repita esse processo até que ele se torne um hábito.

2. Defina horários específicos para a consulta de emails

O email, seja pessoal ou corporativo, pode se tornar mais um problema do que uma solução para o trabalho. Tudo vai depender da forma como você utiliza a ferramenta.

Consultá-la várias vezes ao dia não é uma forma recomendável de uso, pois você pode gastar o dia inteiro só lendo e respondendo mensagens.

O ideal é que, para melhorar o seu foco no trabalho, reserve a 1ª e a última hora do dia para acessar o email.

Se a sua função exige mais do que isso, reserve também um horário logo após o almoço e lembre-se: seja sempre rápido e objetivo para não ficar preso às mensagens.

3. Faça pausas de 10 minutos a cada 2 horas

Pequenas pausas programadas depois de um determinado período de trabalho contínuo, físico e/ou mental, será suficiente para repor as suas energias.

10 minutos de descanso a cada 2 horas de trabalho ininterruptas, por exemplo, são intervalos aceitáveis e considerados excelentes métodos para criar um padrão de recompensa pessoal pelo esforço dedicado.

Isso vai ajudar você a manter a concentração no trabalho por mais tempo.

4. Deixe o seu celular no modo silencioso

Como disse, o celular pode ser um dos maiores problemas para quem tem dificuldade de concentração.

Por isso, em vez de deixá-lo vibrando a todo momento em cima da mesa, tirando o seu foco do trabalho, mude o status para silencioso ou desligue o aparelho.

Passe a usar os seus momentos de pausa das atividades para verificar as notificações de mensagens que receber.

5. Desligue-se das redes sociais

A menos que você dependa diretamente das redes sociais para executar as suas tarefas diárias, o ideal é se manter desconectado no horário de trabalho.

As conversas por chat e os sons de notificações são fortes candidatos a interromper a sua concentração, podendo tirar totalmente o foco do seu trabalho.

Assim como o email e o celular, estabeleça horários específicos para acessar as redes sociais. Os seus momentos de pausa também podem ser utilizados para isso, se preferir.

6. Faça uma coisa de cada vez

Quando você faz mais de uma coisa por vez, pode comprometer seriamente a qualidade dos serviços entregues.

Você pode até ser multitarefa, mas o tempo gasto total diminui consideravelmente quando elas são realizadas separadamente.

O ideal é que cada tarefa seja executada individualmente para ter o máximo da sua atenção. Assim, você pode reduzir o índice de erros e o tempo gasto com retrabalhos.

7. Evite conversas paralelas

As pessoas podem perder horas conversando sobre assuntos pessoais no trabalho. Além de tirar o foco da tarefa, fica difícil retomar a concentração devido ao processamento cerebral das informações que acabou de receber.

Conversas pessoais não te trazem benefícios. Pelo contrário, impedem você de ser mais produtivo e crescer profissionalmente.

Mude isso, evitando as conversas paralelas durante o trabalho. Deixe isso para os momentos de pausa, almoço e lanche e procure focar no que está fazendo enquanto trabalha.

Se as pessoas continuarem puxando assunto com você, use a técnica do fone de ouvidos. Isso ajuda a inibir essas ações e demonstra que está focado no que está fazendo e que não quer ser interrompido.

8. Estabeleça prioridades

Você se lembra de quando falamos sobre fazer uma coisa de cada vez? Bem, você precisa saber o que fazer antes e o que pode esperar para depois.

Os trabalhos mais urgentes devem vir sempre em 1º lugar.

Focar no que é mais importante ajuda a manter a sua concentração devido ao senso de urgência que a tarefa possui. Além disso, você passa a entregar os seus trabalhos sempre dentro do prazo.

Se você tem dificuldade de concentração no trabalho, essas dicas ajudarão muito. No entanto, você pode buscar outras alternativas que combinem mais com o seu perfil.

O mais importante é reduzir ou eliminar totalmente as distrações para você focar nas tarefas e se tornar um profissional mais produtivo.

Gostou das dicas? Aproveite para descobrir também como ser um bom vendedor com 15 dicas que vão fazer você arrebentar a meta todo mês!

Источник: https://rockcontent.com/br/blog/dificuldade-de-concentracao/

9 atividades para melhorar a concentração das crianças

10 estratégias para Melhorar a Concentração na escola ou no trabalho

Já reparou no quanto a capacidade de se concentrar é importante? Seja para estudar, trabalhar ou realizar tarefas, você precisa ter foco. De fato, essa habilidade é primordial para aprendermos qualquer coisa nova e estimular a concentração das crianças é essencial para formar adultos produtivos.

“Meu filho é muito desatento”, é uma das queixas mais frequentes dos pais de crianças em idade escolar. Por isso, vale a pena incentivar algumas atividades para a concentração das crianças desde cedo.

Além de ser capaz de se concentrar, a criança precisa desenvolver autocontrole e consciência corporal para conseguir se manter no mesmo lugar e concluir uma tarefa — só assim ela absorve as informações e processa o aprendizado.

Com tantas coisas disputando a atenção da criança — videogames, computador, televisão, celular etc. —, como melhorar a concentração das crianças? O primeiro passo é evitar sobrecarregar o pequeno com tantos estímulos. Além disso, você pode incentivar essa capacidade, já que atenção e foco são habilidades que podem ser aprendidas e estimuladas desde cedo.

Existem diversas brincadeiras e atividades que ajudam o seu filho a aprender a se concentrar. Confira algumas:

1. Leitura

A leitura é um hábito que deve ser ensinado à criança desde cedo. Ela estimula a concentração, a imaginação e a criatividade — lembrando que os livros sempre devem ser adequados à faixa etária da criança.

A leitura pode, inclusive, fortalecer os laços entre pais e filhos. Muitos pais gostam de contar histórias aos filhos antes de dormir, e os pequenos gostam de escolher suas histórias favoritas. Crianças mais novas gostam de olhar figuras e imaginar situações, o que deve ser encorajado e incentivado.

2. Adivinhas e jogos da memória

Adivinhas como “o que é, o que é” obrigam a criança a pensar no tema proposto e encontrar uma solução para a questão. Isso contribui para o desenvolvimento do raciocínio, a dedução, a observação e a atenção aos detalhes.

Jogos de memória também são muito úteis, visto que, ao lembrar da posição das peças, a concentração das crianças estará sendo desenvolvida. Ao observar e se atentar repetidamente às figuras, mantendo o foco de forma lúdica, a criança também estimulará a memorização, o senso de orientação espacial e a identificação de figuras.

Entretanto, não é aconselhável deixar a criança muito tempo sem a solução ou ridicularizá-la caso não acerte — isso pode desmotivá-la.

3. Atividades manuais

Crianças adoram atividades manuais, mesmo que isso signifique pintar toda a parede da sala com canetinha. Pintar, desenhar e brincar com massa de modelar são atividades fundamentais para o desenvolvimento infantil.

Todas essas atividades favorecem o raciocínio lógico, a coordenação motora, a criatividade, a imaginação, o desenvolvimento cognitivo e a concentração das crianças.

4. Prática de esportes

A atividade física é recomendada em qualquer fase da vida, da infância à maturidade. Especialmente para as crianças, a prática de esportes tem imenso valor, visto que encoraja os pequenos a terem disciplina, perseverança, cooperação, senso de justiça e espírito competitivo, sem contar os benefícios à saúde.

5. Programação

Já que nem sempre é possível tirar a criança da frente do computador e levá-la a brincar ao ar livre, por que não estimular da melhor maneira o interesse dela pela tecnologia?

Hoje em dia, programar se tornou uma atividade acessível a todos. As crianças podem aprender facilmente a criar seus próprios jogos, estimulando sua criatividade e o raciocínio lógico. O aprendizado de programação inclusive pode ajudar a criança a melhorar o desempenho escolar.

6. Brincadeiras em grupos

Além de incentivar o pensamento independente e a cooperação, o trabalho em equipe também ajuda a criança a ter paciência e se concentrar para tomar uma decisão em conjunto. Por isso, é muito interessante promover brincadeiras em grupos para estimular a concentração das crianças.

Até alguns jogos simples como mímica ou pular corda fazem com que a criança tenha que discutir sobre regras e entenda sobre ganhar e perder. Com isso, ela se diverte enquanto aprende a manter o foco e a esperar a sua vez.

7. Cartas e jogos de tabuleiros

Os jogos não só promovem o desenvolvimento da lógica infantil como ensinam a criança a não agir de maneira impulsiva. Essas brincadeiras dão a oportunidade dos pequenos aprenderem regras e pensarem em estratégias para ganhar.

Além disso, muitos jogos de tabuleiros permitem que a criança reflita sobre a realidade e a cultura, ou ainda assuma papéis diferentes na sociedade — como banqueiro ou detetive. Assim, a criança aprende, estimula a imaginação e ainda desenvolve a concentração.

8. Práticas de estudo

A curiosidade é algo natural das crianças, que são interessadas em tudo o que acontece ao seu redor e têm muita vontade de aprender. No entanto, muitas encontram dificuldades para ficar algum tempo sentadas fazendo os deveres da escola.

Para melhorar essa concentração nas tarefas, uma boa sugestão é fazer uma dinamização dos métodos de estudos. Permita que seu filho estude não só pelos livros e deveres, mas também por vídeos no , games educativos, aplicativos, filmes ou por meio de discussões.

Assim, a criança enriquece seu aprendizado, ganha mais autonomia nos estudos e se mantém concentrada por mais tempo — além de passar a ver o ato de estudar como algo mais leve e que pode sim ser divertido!

9. Teatros e faz de conta

Outra atividade interessante para instigar a imaginação e a concentração das crianças são os teatrinhos e as brincadeiras de faz de conta. As vezes, a criança fica a tarde inteira se divertindo com um teatro de fantoches, sem nem ver o tempo passar!

Essas atividades também podem ser úteis para que as crianças representem frustrações e situações que as incomodam, encontrando mais equilíbrio emocional e afetivo nos teatros e nas representações de personagens.

Apresentamos alguns exemplos de atividades que podem ajudar o seu filho a se concentrar melhor, mas não existe um padrão para todas as crianças. Enquanto algumas vão adorar os jogos de tabuleiro, outras vão desenvolver mais o foco em práticas esportivas. O importante é achar o que funciona melhor para o seu pequeno.

A criança aprende e se diverte bem mais quando ela faz algo do seu interesse. Assim, faça alguns testes e direcione-a para as atividades que ela se mostrar mais aberta. Com isso, você já estimula a capacidade de manter a concentração e pode propor novas brincadeiras futuramente.

Além de encorajar as atividades de concentração desta lista, é importante tomar outras medidas. Não esqueça também de estimular esse desenvolvimento nos hábitos do próprio dia a dia, por exemplo.

Com rotinas simples, como arrumar a mesa do almoço ou organizar os brinquedos, a criança já pratica essa capacidade.

Aí, a criança não somente se concentra para realizar as tarefas como pode acabar aprendendo coisas novas.

Gostou de conhecer melhor alguns tipos de atividade de concentração? Quer continuar estimulando habilidades importantes para o desenvolvimento do seu filho? Então entenda os benefícios do design thinking para crianças. Essa abordagem estimula os pequenos a usar a criatividade e a pensar de forma inovadora!

Источник: https://www.ctrlplay.com.br/5-atividades-para-melhorar-a-concentracao-infantil/

Crianças com falta de concentração: como atuar?

10 estratégias para Melhorar a Concentração na escola ou no trabalho

Um dia inteiro na escola, excesso de trabalhos de casa, atividades extracurriculares, pressão para os resultados e competitividade.

As crianças  estão, cada vez mais, expostas ao stress e à agitação. São, em muitos casos, vítimas do ritmo acelerado que os adultos lhes impõem.

 Tudo isso acompanhado pelo excesso de estímulos e informações que chegam por diversos meios, tais como os tablets, computadores, TV ou telemóveis.

Com isso, as crianças dedicam pouco tempo a investir no seu desenvolvimento, habilidades sociais e emocionais – justamente aquelas que a vão diferenciar num futuro cada vez mais competitivo.

Sabe-se que as crianças têm mais dificuldade de concentração que os adultos, isto porque os seus cérebros ainda não se encontram totalmente desenvolvidos. Porém, algumas dessas dificuldades de concentração registadas em criança tendem a ser ultrapassadas com a idade.

É comum vermos crianças agitadas, desinteressadas e desmotivadas. Estes sintomas podem ser reflexo da falta de atenção, sobretudo em ambiente escolar.

 Quando o assunto é desinteressante, tal como acontece em algumas aulas, os níveis de atenção tendem a agravar-se.

 A par disso, a exigência dos pais para com os filhos em relação aos estudos tem como consequência a diminuição dos momentos de brincadeira, o que, por sua vez, também provoca essa desmotivação.

Como saber se uma criança tem problemas de concentração?

Para efetuar esta avaliação é preciso estar atento aos sintomas. Pode-se dizer que uma criança tem problemas de concentração quando:

» Tem dificuldades de aprendizagem na escola;

» Não ouve sempre que falam com ela;

» Tem dificuldade na manutenção de níveis contínuos de concentração e de persistência nas tarefas;

» Apresenta ansiedade, problemas de comunicação, de relacionamento e comportamentos inadequados;

» Distrai-se frequentemente;

» É desorganizada e esquece-se facilmente das coisas;

» Tem dificuldade em concluir tarefas;

» Demonstra ter baixa autoestima e autoconfiança.

As crianças que apresentam estes sintomas são usualmente diagnosticadas como tendo TDAH (Transtorno do Deficit de Atenção e Hiperatividade), sendo inclusive medicadas em função de uma eventual disfunção cerebral caracterizada pela falta de dopamina na região do córtex pré-frontal, que afeta o normal desenvolvimento das funções executivas do cérebro.

Mas esse diagnóstico nem sempre será correto. Antes de se pensar em qualquer alternativa farmacológica, que não deixa de ser um tratamento mais invasivo, é importante estar atento às suas causas.  

Causas da falta de concentração

É fundamental fazer uma análise prévia às causas que podem estar a contribuir para que a criança tenha maiores dificuldades de concentração. Ao trabalhar sobre a sua origem pode ser possível reverter, em muitos dos casos, esse estado de défice de atenção.

Assim, algumas das causas poderão ser:

Causas emocionais: situações com elevada carga emocional tendem a desgastar a criança, impedindo-a de ter força e capacidade para manter a  concentração.

Descanso e sono deficiente: quando não damos ao nosso cérebro o tempo de descanso que necessita, seja por falta de tempo ou por motivos de stress, ele não funciona bem. Os problemas de concentração são um dos efeitos mais óbvios que resultam da falta de sono e descanso.

Fome e má alimentação: a fome é uma sensação muito desconfortável que o corpo ativa para avisar que faltam os nutrientes e energia. Essa sensação de fome também retém a capacidade de concentração. Por outro lado, uma má alimentação, com excesso de alimentos processados, resulta na ausência de nutrientes essenciais ao correto funcionamento do cérebro.

Há alimentos (mais açucarados) que estimulam a agitação na criança, estado este que é inimigo da concentração. Sendo alimentos de absorção rápida, fazem com que a sensação de fome regresse mais cedo. Deste modo, é fundamental escolher alimentos que para além de nutrir o cérebro, também prolongam o período de saciedade.

Preocupações e ansiedade: a preocupação absorve os pensamentos e retira o foco. Mesmo sendo situações momentâneas, crianças ansiosas tendem a preocupar-se excessivamente, reduzindo assim a sua capacidade de concentração.

Dor física: a concentração diminui na presença de dor física contínua, seja devido a lesão ou dor crónica.

Medicação: alguns medicamentos podem causar a diminuição da capacidade de concentração.

Ambiente de trabalho/estudo: havendo muitas distrações, tais como ruído, pessoas a falar ou demasiados objetos ao redor, é provável que as crianças fiquem mais distraídas.

Capacidade de concentração:  a concentração é como um músculo e como qualquer outro músculo, também pode e deve ser treinada.

01. Valorizar comportamentos positivos

É importante que os pais demonstrem valorizar tanto comportamentos positivos, como os negativos.

Não repreender a criança e falar-lhe com tranquilidade é essencial para que mantenha a calma e seja capaz de discernir o que é certo ou errado.

Reforços positivos têm um impacto direto no desenvolvimento de uma boa autoestima e autoconfiança, características que são determinantes para o aumento da sua capacidade executiva.

02. Dedicar mais tempo à(s) tarefa(s)

Além de ser fundamental fazer com que dedique mais tempo à tarefa, sobretudo às que lhes dão mais prazer para aumentar a confiança e o grau de realização pessoal, é importante também mostrar-lhe que é necessário aprender a priorizá-las.

Assim, deixar as tarefas mais complicadas de lado quando estão cansadas para as resolver mais eficientemente quando estiverem mais concentradas, ou começarem pelas tarefas mais difíceis enquanto estão mais concentradas, deixando as mais fáceis para o fim por não serem tão exigentes, são algumas dicas úteis a observar. Em suma, organizar as tarefas por ordem de prioridades de importância e grau de complexidade, pode ajudá-las bastante.

03. Menos tempo em frente à televisão e eliminar elementos que causem distração

Estudos revelam que crianças que passam mais de duas horas a ver televisão manifestam dificuldades em se concentrarem nas atividades escolares. 

Devem ser eliminados ou minimizados todos os estímulos que possam distrair a criança. Manter em cima da mesa de estudo apenas o estritamente necessário, manter tablets ou telemóveis afastados e, se trabalhar com o computador, evitar abrir páginas que não sejam úteis para a tarefa.

04. Contacto com a natureza

Passeios ao ar livre em áreas verdes ou brincadeiras no parque, entre outras atividades na natureza, têm um impacto muito positivo no bem-estar físico e psicológico da criança, pois na natureza há menos estímulos para se distraírem, contribuindo assim para tranquilizar a mente.

05. Meditação para melhorar o foco

Ensinar a prática da meditação é um hábito que deve fazer parte da rotina diária. Programas de Mindfulness ou Yoga oferecem ferramentas e inúmeros benefícios que contribuem para o aumento da atenção e para o crescimento harmonioso das crianças.

Estudos têm demonstrado que a meditação melhora a capacidade de atenção e reduz os sintomas de stress, ansiedade e depressão.

06. Jogos didáticos e estimulantes

Realizar jogos que estimulem a criatividade e o raciocínio, bem como a sua capacidade de concentração, são ótimos exercícios para trabalhar o “músculo da atenção”. 

07. Programar intervalos

No geral, a capacidade de concentração do ser humano tem uma duração muito limitada. Como tal, é contraproducente forçar uma criança a longos períodos que exigem concentração. Durante os estudos, por exemplo, agendar pausas de 10 minutos a cada hora ou hora e meia irá ajudar a criança a voltar ao estudo com as energias renovadas.

08. Cuidar da saúde

Para melhorar o desempenho cognitivo é essencial assegurar o seu bem-estar físico e psicológico. A criança deve ter uma alimentação saudável e equilibrada, fazer exercício físico, descansar o suficiente – entre 9 e 12 horas de sono por dia (para crianças dos 6 aos 12 anos) – e ter tempo para brincar, de modo a reduzir os níveis de stress e melhorar a concentração.

Bons hábitos, quando adotados com regularidade, contribuem para uma boa saúde mental, emocional e física. É de suma importância encontrar o equilíbrio numa sociedade cada vez mais materialista e competitiva.

Источник: https://www.hmcsports.pt/blog/criancas-com-falta-de-concentracao-como-atuar/

10 dicas cientificamente comprovadas para melhorar seus estudos

10 estratégias para Melhorar a Concentração na escola ou no trabalho

Estudar é mais uma das atividades em que focar na eficiência é mais benéfico do que na quantidade. Inclusive, segundo a ciência, estudar muito – prática chamada pelos especialistas de “overlearning” – prejudica o aprendizado.

Isso porque a capacidade das pessoas de relembrar um conteúdo tem limite proporcionalmente menor à capacidade de estudo.

Para aumentar a produtividade na hora de aprender – e diminuir tempo e estresse – o site americano que cataloga universidades Best Colleges compilou diversas dicas para estudar melhor (e menos!), comprovadas pela ciência.

10 dicas para estudar eficientemente, segundo especialistas

1. Impeça a “curva do esquecimento”

Os cientistas começaram a explorar o fenômeno psicológico “curva do esquecimento” em 1885. Ainda hoje, continua sendo um fator importante a ser considerado quando se estuda.

Essencialmente, ele diz que a primeira vez que você ouve uma aula ou estuda algo novo, tem a melhor chance de retenção, de até 80%, do que aprendeu apenas revendo o conteúdo novamente dentro de 24 horas.

E – bônus – isso tem um efeito cumulativo. Depois de uma semana, você terá capacidade de reter 100% das mesmas informações após apenas cinco minutos de análise.

Geralmente, os psicólogos concordam que este tipo de intervalo estudando – e não estudando – é o melhor. Para otimizar seu tempo de estudo, aproxime-o mais do dia em que você teve contato com o material do que do dia da prova.

2. Utilize material impresso

Tablets e outros meios eletrônicos são ótimos para conveniência e portabilidade. No entanto, pesquisas sugerem que, quando se trata de estudar na faculdade, os materiais impressos tradicionais ainda têm vantagem.

Mesmo que alguns pesquisadores argumentem que adotar novos hábitos ao usar uma interface digital melhora a experiência acadêmica, mais de 90% de alunos entrevistados em um estudo compreensivo disseram preferir uma cópia impressa a um dispositivo digital quando se trata de estudo e trabalho escolar.

Além disso, um professor de psicologia da Universidade de Leicester, na Inglaterra, descobriu que os alunos precisam de mais repetição para aprender quando leem na tela do computador em comparação a quando consultam apenas material impresso.

3. Faça conexões

Muitos especialistas consideram que a diferença entre quem aprende rápido e devagar é a maneira como estudam: em vez de memorizar, os alunos mais rápidos fazem conexões entre as ideias.

Conhecido como aprendizagem contextual, o processo é crucial e exige que cada aluno personalize seus próprios métodos de aprendizagem, fazendo conexões que relacionem as informações para começar a se encaixar e fazer sentido.

4. Estude quando estiver cansado – e descanse em seguida

Embora isso possa parecer contraintuitivo a princípio, de acordo com a ciência, faz sentido.

Estudar quando você está mais cansado imediatamente antes de dormir pode realmente ajudar seu cérebro a reter concentrações mais altas de habilidades novas, como falar uma língua estrangeira ou tocar um instrumento.

Existe até um termo para isso: “sleep-learning” (em português, “aprendizado do sono”).

Continua após a publicidade

Isso porque o processo de consolidação da memória está em seu melhor momento durante o sono “de ondas lentas”. O que significa que a revisão do material antes de dormir pode realmente ajudar o cérebro a reter as informações.

5. Não releia, relembre

Esse método de estudar foi tema em 2009, quando um professor de psicologia da Universidade de Washington em St. Louis publicou um artigo na Psychological Science aconselhando os alunos contra o hábito de leitura e releitura.

Segundo ele, ler e reler os materiais podem levar os estudantes a pensarem que conhecem bem o conteúdo, mesmo quando não é verdade.

Em vez disso, ele sugere que os alunos utilizem “recordação ativa”, fechando o livro e recitando tudo o que podem lembrar para praticar a memorização a longo prazo.

6. Use o sistema Leitner

O sistema Leitner é o mais conhecido para utilizar “cartões de memorização”. Ele serve para que os estudantes aprendam o conteúdo com o qual estão menos familiarizados pela repetição.

Na prática, o aluno coloca todos os cartões com perguntas na caixa 1. Em seguida, pega cada cartão e tenta responder a pergunta. Se acertar a resposta, coloca-o na caixa 2. Se errar, deixa-o na caixa 1.

O estudo passa para as caixas seguintes e a premissa permanece. A única diferença é que nas próximas se o estudante errar, deve voltar o cartão para a caixa anterior. Assim, os cartões na primeira caixa são estudados com mais frequência.

7. Pense sobre o pensar

Especialistas defendem o uso do método testado e comprovado de aprendizagem chamado metacognição, ou “pensar sobre o pensar”.

Aplicado ao estudo, os alunos precisam avaliar constantemente seu nível de habilidade e progresso. Além disso, monitorar cuidadosamente seu bem-estar emocional quando realizam atividades potencialmente estressantes. A premissa é de que a metacognição ajude em uma retenção mais consciente e efetiva do conteúdo.

8. Varie o conteúdo

Cientistas comprovaram que é melhor variar o tema ao estudar, em vez de se concentrar apenas em uma área. No entanto, é aceitável e até mesmo preferível unir campos de assuntos relacionadas ou semelhantes.

Por exemplo, em vez de apenas memorizar vocabulário em outro idioma, misture também a leitura. Se estiver estudando matemática, inclua vários conceitos juntos, em vez de apenas um.

9. Mude de cenário

Embora isso possa ser óbvio para alguns alunos, outros podem esquecer que uma mudança tão simples quanto de cenário pode ter um grande impacto nas habilidades de aprendizado.

Um psicólogo da UCLA, por exemplo, apontou que trocar de local de estudo aumenta pode aumentar os níveis de retenção de informações e concentração.

Mudar de cômodo já é o bastante, mas os especialistas também recomendam ir “um passo além” estudando ao ar livre.

10. Assuma o papel de “professor”

Pesquisas mostram que os alunos têm melhor chances de recordação ao aprenderem novas informações quando têm a expectativa de ensiná-las a outra pessoa. Além disso, estudos também sugerem que os alunos se engajam mais e instintivamente buscam métodos de recordação e organização para o papel de “professor”.

Se tiver oportunidade, experimente ensinar o que aprendeu a um colega ou até a um “colega imaginário”. O importante é ter a expectativa de “ser professor” desde o momento de estudo, porque é ela que proporciona os benefícios.

Esta matéria foi publicada originalmente no portal Na prática, da Fundação Estudar.

Continua após a publicidade

  • Dicas de estudo
  • produtividade

Источник: https://guiadoestudante.abril.com.br/estudo/10-dicas-para-melhorar-seus-estudos/

10 dicas para melhorar a concentração nos estudos

10 estratégias para Melhorar a Concentração na escola ou no trabalho

Estudar nem sempre é uma das melhores atividades que precisamos realizar. Além disso, o nosso cérebro parece estar treinado a nos boicotar: ele coopera na concentração em um jogo virtual, por exemplo, mas se distrai facilmente na hora de encarar um livro de estudos para uma prova.

A solução para esse impasse pode estar na organização e elaboração de estratégias de estudo para treinarmos o nosso cérebro a ser fiel.

Um estudo concentrado pode poupar tempo e gerar resultados mais satisfatórios e com qualidade, independentemente da quantidade de horas de estudo por dia.

Por isso, listamos dez dicas que podem ajudar a manter o foco. Teste cada uma delas e veja quais se adaptam melhor a você.

1. Leia, mas escreva também

O estudo feito só por meio da leitura não é tão eficiente. O estudante pode se pegar facilmente distraído no decorrer das páginas. Por isso, escreva! Faça esquemas, transcreva partes importantes e organize resumos. Quem escreve consegue assimilar melhor o conteúdo e tê-lo por mais tempo na mente.

2. Escreva à mão

Com as pessoas totalmente adaptadas aos teclados dos computadores, escrever à mão pode soar meio arcaico ou ainda gerar um pouco de preguiça. No entanto, estudos mostram que, enquanto a pessoa escreve, uma linha de raciocínio é formada e a atenção naquilo que se escreve é bem maior do que se ela estivesse digitando.

3. Afaste interferências

A hora do estudo deve ser sagrada, por isso, afaste tudo que possa lhe chamar a atenção e desviar o foco. Se possível, desligue ou mantenha no silencioso aparelhos telefônicos, feche páginas da internet alheias ao conteúdo de estudo, desligue a televisão. Separe apenas o material de estudo e concentre-se nele.

4. Mapas mentais e uso de cores

No tópico sobre escrever a mão, relatamos a importância dessa prática, mas não se trata de sair escrevendo todo trecho dito importante, pois, dessa forma, você escreveria outro livro, só que menor.

O ideal é utilizar esquemas, os ditos mapas mentais: informações sucintas que se inter-relacionam com outras. E mais: usar cores.

Setas coloridas, palavras grifadas em outro tom, “caixas de atenção”, que atraem o olhar do estudante para alguma informação em destaque.

5. Estude sozinho

Estudar em grupo pode até parecer interessante no sentido de compartilhar saberes, mas, em um primeiro momento, é melhor que o estudante opte por realizar a atividade sozinho.

Afinal, com os colegas, o estudo pode ser desfocado por conversas paralelas, e a qualidade do aprendizado, prejudicada.

Para os professores, uma boa ideia é explicar a matéria para si mesmo, como se estivesse dando uma aula.

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade ;)

De nada adianta você estudar um cronograma inteiro e só no final realizar a revisão. O processo de revisão deve ser contínuo, por isso, releia a matéria dada em sala de aula no mesmo dia. Além disso, tire um dia no final de semana para revisar a matéria da semana e realizar exercícios. Essa prática deixa seu cérebro mais acostumado à rotina.

7. Organize o local de estudo

Antes de começar a maratona, deixe tudo que você precisa organizado e separado: livros, cadernos, canetas, computador. Estudar em um local onde as coisas estão bagunçadas pode tirar sua concentração. O simples fato de ter que procurar por uma caneta já pode desviar a sua atenção para outras coisas.

8. Faça um cronograma de estudo e respeite seu tempo

É extremamente fundamental que o estudante elabore um cronograma de estudo e, principalmente, que esse cronograma atenda o seu ritmo de estudos. Estudar com organização de tempo e conteúdo pode ser mais eficiente e gerar bons resultados.

O estudo aleatório causa desconcentração, uma vez que não se segue uma rotina, e o cérebro acaba vendo cada dia uma coisa diferente. Além disso, é importante respeitar o seu tempo de estudo.

É melhor você estudar três horas por dia com bastante concentração do que seis horas sem a atenção devida.

9. Esteja fisicamente bem

Esteja fisicamente bem ao iniciar os estudos. Alimente-se e durma bem. Estudar com fome ou sono não será proveitoso. É preciso ter energia para ter um bom rendimento. Atividades físicas regulares também podem ajudar nesse período.

10. Crie um “ritual” e mentalize a rotina daquele dia

Todo dia antes de começar a estudar, crie um pequeno ritual, seja levar uma jarra de água para a mesa, seja organizar os livros de acordo com o que se vai estudar no dia.

Sente-se, respire fundo e mentalize todo o conteúdo que deverá ser visto, a sequência de estudos, os exercícios.

Dessa maneira, seu cérebro irá se acostumar que a partir daquele momento não tem brincadeira mais, é hora de estudar. Por Carolina Simiema

Equipe Brasil Escola

Источник: https://brasilescola.uol.com.br/dicas-de-estudo/10-dicas-para-melhorar-concentracao-nos-estudos.htm

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: