14 DIFERENÇAS ENTRE GRIPE E RESFRIADO

Qual a diferença entre gripe e resfriado?

14 DIFERENÇAS ENTRE GRIPE E RESFRIADO

Chegou a época em que sintomas como febre, dor no corpo, espirros e tosse se manifestam com mais frequência. Estamos falando da gripe… ou será que é do resfriado? Afinal, existe alguma diferença entre as duas?

Para tirar suas dúvidas sobre esse tema, SAÚDE conversou com a imunologista Kelem Chagas, gerente médica da Sanofi Pasteur, a divisão de vacinas da farmacêutica Sanofi.

O que é a gripe e quais são seus sintomas

A gripe é causada pelo vírus influenza, que pode ser dos tipos A ou B. Cada uma dessas categorias se divide em outros subtipos – dentro do A, está o H1N1; e, do B, o Yamagata, por exemplo.

Seus principais sintomas são febre alta, dor intensa no corpo, tosse, dor de garganta e cansaço. Geralmente, eles aparecem quatro dias após o contato com o agente infeccioso e persistem por mais de uma semana.

“O paciente não consegue se levantar direito e sente maior necessidade de procurar auxílio médico”, arremata Kelem Chagas.

Ela também é marcada por desencadear outros problemas. “O influenza tem maior afinidade pelo pulmão. Por isso, a pneumonia é uma complicação mais frequente”, afirma a imunologista.

E mais: a gripe pode agravar quadros de saúde já existentes, como problemas cardíacos, asma ou doença pulmonar obstrutiva crônica. Ela é, portanto, mais grave do que o resfriado. Hora de falar dele…

O que é o resfriado e quais são seus sintomas

Está aí outra infecção respiratória, mas que é desencadeada por diversos tipos de vírus. O rinovírus está entre os mais comuns.

“Sua manifestação clínica é menos intensa”, diferencia a especialista. Os sintomas incluem coriza, febre baixa, tosse e espirros. A recuperação tende a ser mais rápida.

Como é a transmissão?

É igual nas duas chateações. Ela ocorre quando gotículas de saliva do indivíduo infectado entram em contato com as vias aéreas de outra pessoa (por meio de espirro, beijos, tosse…).

Objetos contaminados com essas gotículas também espalham a enfermidade. “Isso acontece principalmente em lugares fechados, como escolas, transporte coletivo e ambientes de trabalho”, exemplifica Kelem. Lavar as mãos ajuda muito nesse sentido.

Entretanto, existe uma diferença na época mais comum de contágio. “A sazonalidade é uma característica da gripe. Ela é mais comum no outono e no inverno, até por causa de uma especificidade do vírus. Já o resfriado pode aparecer o ano todo”, relata a profissional.

Agora, o fato de que nessas estações mais frias as pessoas costumam ficar em ambientes fechados favorece o surgimento das duas.

Continua após a publicidade

Quem são as pessoas mais atingidas?

A gripe afeta mais o chamado grupo de risco (crianças, idosos, gestantes, pacientes com doenças crônicas). E também pode ser mais grave neles. “A resposta imunológica nesses casos é menos efetiva do que a de indivíduos saudáveis”, justifica Kelem.

O resfriado é, digamos, mais democrático. “Porém, o quadro tende a melhorar brevemente”, complementa a gerente médica.

Como funciona o diagnóstico?

Ele começa com a avaliação dos sintomas. Se for um resfriado, só isso já basta.

Já em casos suspeitos de gripe com potencial mais grave, talvez seja necessário recorrer a exames de sangue para confirmar a presença do vírus influenza. Isso porque, ao termos certeza de que se trata da gripe, certos tratamentos podem entrar em cena.

Tem cura?

Sim. E quem faz isso é o próprio corpo: com o tempo, ele produz anticorpos que eliminam os inimigos causadores da gripe ou do resfriado.

Só que, conforme já dissemos, o vírus influenza pode causar complicações mais severas. Ou seja, nem sempre o organismo dá conta do recado.

De janeiro até a segunda semana de julho de 2018, por exemplo, o Brasil registrou 839 mortes pela doença. Foi um aumento de 194% em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo relatório do Ministério da Saúde.

Tem tratamento? Como funciona?

Para se livrar das duas doenças, é importante repousar e ingerir bastante líquido.

O tratamento do resfriado é baseado nos sintomas, com medicamentos analgésicos e antitérmicos, por exemplo. Muitas vezes, o especialista faz uma receita parecida em casos de gripe.

“Mas, para ela, podemos usar um antiviral que ficou conhecido: o Tamiflu”, conta Kelem. O fármaco ganhou fama por abreviar o tempo dos sintomas e por minimizar as complicações. Quanto antes o tratamento começar, melhor a resposta.

Dá para prevenir?

Medidas de higiene são necessárias para evitar os dois problemas. Lave as mãos, limpe o nariz com lenço descartável, e por aí vai.

“Mas, pelo risco de complicações e óbito, a gripe pede uma proteção adequada”, enfatiza a especialista. Ela está se referindo à vacinação.

Existem dois tipos de vacina: a trivalente, que protege contra dois vírus do tipo A e um do B (é a que está disponível na rede pública), e a quadrivalente, que ainda combate mais um da cepa B. Essa última você encontra apenas na rede privada.

A campanha nacional de vacinação contra a gripe, que começou no dia 10 de abril, é focada no grupo de risco. “Quem não é elegível consegue se imunizar em clínicas particulares”, conclui Kelem.

Continua após a publicidade

  • Dores
  • Febre
  • Gripe
  • Temporada de Inverno
  • Vacinação
  • Vacinas

Источник: https://saude.abril.com.br/medicina/qual-a-diferenca-entre-gripe-e-resfriado/

COVID, gripe ou resfriado? Saiba quais são as diferenças

14 DIFERENÇAS ENTRE GRIPE E RESFRIADO

É muito comum ouvir que os sintomas da COVID-19 se assemelham aos de uma gripe ou resfriado. Os sinais das diferentes infecções podem ser confundidos, já que as pessoas infectadas pelo vírus podem apresentar sintomas como tosse, falta de ar, dificuldade em respirar e febre.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), todas essas infecções atingem o sistema respiratório, mas se diferenciam quanto à evolução e duração. 

Acompanhe o artigo a seguir para entender as particularidades da COVID-19, da gripe e do resfriado e saber como se prevenir.

Quais são as diferenças entre a COVID-19, a gripe e o resfriado?

O que faz a população ter dúvidas sobre os sintomas, é o fato de que essas infecções apresentam sinais respiratórios semelhantes. Veja o comparativo entre as três doenças respiratórias:

Dentre as doenças, o resfriado é a que desaparece mais rapidamente. Já a COVID-19 assemelha-se mais à gripe. É um quadro febril que pode ter uma intensidade como a da gripe comum, com dor de cabeça e dor de garganta.

No entanto, como os sintomas são muito semelhantes, a comparação entre as doenças sem uma avaliação médica pode ser prejudicial ao paciente e à população, uma vez que o vírus que causa a COVID-19 é altamente transmissível.

Quem possui suspeita de coronavírus pode fazer uma auto avaliação de saúde prévia baseada nas informações do Ministério da Saúde, para ajudar a direcionar as ações conforme seus sintomas. 

Além disso, o Ministério da Saúde atende a população à distância através do canal TeleSUS, deixando disponível o número 136 para quem precisa tirar dúvidas e fazer uma avaliação prévia dos seus sintomas, que são relatados na chamada. 

Quais as diferenças entre os vírus?

Ao analisar fatores microbiológicos das três doenças, cada enfermidade possui grandes diferenças. Biologicamente, as famílias dos vírus causadores da gripe, resfriado e da COVID-19 são distintas.

O vírus Sars-CoV-2 causador da COVID-19, faz parte da família dos coronavírus, que agrupam diversos agentes infecciosos que provocam desde problemas respiratórios simples até graves complicações. Além da COVID-19, outras doenças causadas por coronavírus conhecidas são a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV) e a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS-CoV).

Enquanto isso, a gripe é causada pelos vírus da família influenza, existindo os tipos A, B e C. Com suas constantes mutações virais, os tipos A e B são os maiores causadores de doenças.

Com relação ao resfriado, existe uma variedade de agentes infecciosos diferentes em sua causa, como Rinovírus, Adenovírus e Parainfluenza, que apresentam baixo risco para a saúde.

Como acontece a transmissão dessas doenças?

A transmissão das três doenças ocorre através do contato com o vírus por meio de partículas de secreções respiratórias de pessoas infectadas, que podem estar em objetos contaminados ou suspensas no ar.

Após a contaminação de gripe ou resfriado comum, o portador do vírus pode levar de três a quatro dias para manifestar os primeiros sintomas, diferentemente do período de incubação da COVID-19, que leva de 5 até 14 dias para começar a gerar os sintomas. 

Em ambos os casos, mesmo sem apresentar sintomas, pessoas infectadas que são assintomáticas são capazes de transmitir as doenças à outras pessoas.

Qual é o nível de propagação desses vírus? 

Comparando o nível de propagação, o novo coronavírus é considerado mais contagioso.

As pesquisas ainda não dão resultados claros, mas estima-se que a taxa básica de reprodução para o Sars-CoV-2 varia entre 2 e 3, o que significa que, em média, cada portador passa a doença, para outras dois ou três pessoas.

No entanto, outros estudos chegam a atribuir uma taxa de aproximadamente 6. De qualquer maneira, a quantidade é superior à dos vírus da gripe e resfriados.

Qual é o risco de mortalidade? 

Para o resfriado, o risco de mortalidade ou complicações é extremamente baixo. Com relação à gripe, o risco depende de fatores como sazonalidade, região e outras condições. 

Como o tratamento para coronavírus ainda é incerto, o risco de morte se torna maior, dependendo das condições de saúde do infectado. Outro fator que afeta a letalidade da COVID-19 é a qualidade e o acesso aos cuidados médicos. Devido à demanda recebida pelos hospitais em meio à pandemia, as pessoas infectadas pelo vírus correm o risco de não terem esses cuidados supridos.

Quais são os grupos de risco?

A gripe e o resfriado comum atinge com mais gravidade crianças, grávidas, idosos, imunodeprimidos e também pessoas com doenças crônicas como diabetes. 

No entanto, qualquer pessoa pode ter complicações ao ser infectada com o novo coronavírus, como mostra alguns casos. Além disso, há a possibilidade de um infectado não apresentar os sintomas e ser um transmissor assintomático.

Como prevenir a COVID, a gripe e o resfriado?

A prevenção das três infecções é parecida: lavar as mãos com água e sabão frequentemente, usar álcool gel e manter distância principalmente de quem apresenta os sintomas (tosse, coriza, febre e outros sintomas respiratórios). Ao tossir ou espirrar, é necessário cobrir o rosto com o braço ou um lenço descartável. 

Porém, diante a situação pandêmica de COVID-19, a prevenção se dá pelo uso de máscara e de medidas de isolamento social.

Essas medidas são essenciais para diminuir a incidência de novos casos do coronavírus, o que ajuda os profissionais e estabelecimentos de saúde a lidarem com a doença, garantindo que as unidades de saúde não ficarão lotadas e que haja atendimento e recursos de qualidade para a assistência do paciente com COVID-19.

Para a COVID-19 ainda não há vacina, embora os primeiros testes já tenham sido iniciados. No entanto, existe vacina para a Influenza.

O interessante é que essa vacina facilita o diagnóstico em caso de suspeita de COVID-19.

Caso uma pessoa que foi vacinada para Influenza apresente sintomas respiratórios comuns à gripe e à COVID-19, a chance de o  diagnóstico de coronavírus ser positivo é maior, o que pode adiantar os cuidados médicos.

Atualmente, a principal maneira de lidar com a COVID-19 é a prevenção. Isso porque ainda não há tratamento ou medicação para o novo coronavírus. Assim como ocorre com a gripe e resfriados, a eliminação do vírus ocorre com o passar do tempo, onde os anticorpos produzidos pelo organismo eliminam os agentes virais. 

Mesmo com a ação dos anticorpos, a maior preocupação com relação à COVID-19 é que o vírus pode trazer complicações para o aparelho respiratório, em especial para os grupos de risco. Por isso, a prevenção é a principal ação contra o coronavírus.

Conhece alguém que confunde os sintomas do novo coronavírus? Compartilhe esse conteúdo e tire as dúvidas!

Источник: https://fazumhilab.com.br/covid-gripe-ou-resfriado-saiba-quais-sao-as-diferencas/

14 DIFERENÇAS ENTRE GRIPE E RESFRIADO

14 DIFERENÇAS ENTRE GRIPE E RESFRIADO

Gripe e resfriado são doenças distintas, causadas por vírus diferentes, mas que partilham vários sintomas em comum, motivo pelo qual muitas pessoas acham que ambas são sinônimos. Entretanto, apesar de serem parecidos, gripe é gripe e resfriado é resfriado.

Vejamos as semelhanças entre resfriado e gripe:

  • São infecções extremamente comuns.
  • São causados por vírus.
  • Costumam causar sintomas respiratórios, como coriza, tosse e espirros.
  • Apresentam forma de contágio semelhante.
  • São facilmente transmissíveis de uma pessoa para outra.

Pronto, as semelhanças param por aí. A gripe é uma infecção mais forte que o resfriado, costuma durar menos tempo e apresenta maior taxa de complicações, como problemas pulmonares e cardíacos.

A gripe pode ser perigosa em idosos, bebês e pessoas com imunidade baixa. O resfriado, por sua vez, raramente causa complicações.

Neste artigo vamos nos ater apenas às diferenças entre resfriado e gripe. Se você está à procura de informações sobre a gripe, acesso o seguinte link: GRIPE COMUM – Sintomas e tratamento.

Informações em vídeo sobre a gripe

Antes de seguirmos em frente, assista a esse curto vídeo sobre os principais sintomas da gripe e do resfriado.

Como distinguir?

A gripe é uma infecção respiratória causada pelos vírus da família Influenza. Existem vários subtipos de Influenza, capazes de provocar quadros de gripas mais ou menos graves.

O resfriado também é uma infecção respiratória viral, mas existem dezenas de vírus diferentes que podem provocar o resfriado, como Rinovírus, Adenovírus, Parainfluenza, etc. Mais à frente vamos falar detalhadamente sobre estes vírus.

Duas das principais diferenças entre a gripe e o resfriado são a febre e o estado geral do paciente. Enquanto o resfriado não costuma provocar febre (exceto em crianças pequenas), na gripe a febre é comum e costuma ser acima de 38ºC, principalmente nas crianças.

Na gripe, o paciente apresenta-se mais prostrado, com dor de cabeça e, frequentemente, com dor nos músculos e articulações. No resfriado, o paciente tem coriza, tosse e espirros, mas encontra-se mais ou menos bem disposto, apenas incomodado com estes os sintomas.

A tabela abaixo resume as principais diferenças e semelhanças entre a gripe e o resfriado:

Caraterísticas Resfriado Gripe
Tipo de vírusRinovírus na maioria dos casos, mas também pode ser causado por Adenovirus, Vírus sincicial respiratório, Coronavirus, Parainfluenza, entre outros.São causados pela família do vírus Influenza.
FebrePouco comum nos adultos, mas frequente em crianças pequenas. Costuma ser baixa.Muito comum, geralmente acima de 38º. Em crianças, a febre pode passar dos 40ºC.
Dor de cabeçaRaro.Muito comum.
Dores pelo corpoRaro, quando presentes são leves.Comum e habitualmente bem incômodas.
Coriza nasalMuito comum.Pode haver ou não.
EspirrosMuito comum.Pode haver ou não.
Dor de gargantaMuito comum e surge habitualmente já no primeiro dia de doença.Pode haver ou não.
FraquezaPouco comum.Muito comum e pode durar vários dias.
TosseTosse seca leve a moderada.Comum, pode haver expectoração.
Tempo de incubação24 a 72 horas.24 a 96 horas.
Duração da doença3 a 7 dias na maioria dos casos, mas em 1/4 dos pacientes, a doença persiste por até 14 dias.2 a 5 dias, mas a tosse e o cansaço podem durar semanas para desaparecer.
Período contagiosoInicia-se 12 a 24 horas após o primeiro contato com o vírus, mas o pico ocorre entre o 2º e 4º dias de sintomas.Inicia-se 12 horas após o primeiro contato com o vírus, mas o pico ocorre entre o 1º e 6º dias de sintomas.
Abertura do quadroPiora gradual ao longo dos 2-3 primeiros dias.Início súbito, com pico dos sintomas em poucas horas.
Complicações comunsOtite média e sinusite.Otite média e pneumonia.

Baseado apenas no quadro clínico, conseguimos ter uma ideia de qual vírus estamos lidando. Por exemplo:

  • Rinovírus: é a principal causa dos resfriados comuns. É uma doença branda, que raramente causa febre nos adultos e costuma durar de 5 a 7 dias. Pode causar problemas apenas nos pacientes asmáticos por desencadear exacerbações do quadro. Existem mais de 100 sorotipos diferentes do rinovírus.
  • Coronavírus – Também causa sintomas de resfriado, além de poder causar diarreia em algumas pessoas, principalmente em pacientes imunodeprimidos. A pneumonia asiática, que recebeu bastante atenção da mídia no início da década de 2000, é causada por um sorotipo de coronavírus.
  • Parainfluenza – É causa de traqueobronquite e pneumonia, costuma ser mais grave em crianças pequenas e imunocomprometidos. No adulto causa quadro brando, semelhante a um resfriado.
  • Adenovírus – Costuma causar um quadro um pouco mais rico, com febre, faringite, rouquidão e conjuntivite. Pode ser causa de pneumonia, diarreia e meningite viral. É um vírus que provoca um resfriado um pouco mais forte.
  • Vírus sincicial respiratório – Causa um quadro mais sintomático ainda, com sinusite, otite, conjuntivite, tosse. Em idosos, crianças e imunodeficientes pode causar pneumonia e levar ao óbito. É o tipo de resfriado mais agressivo, mas costuma não causar problemas em adultos ou crianças mais velhas saudáveis.
  • Influenza – É o agente causador da gripe. Provoca uma infecção respiratória alta bastante sintomática. Pode ser causa de pneumonia viral ou facilitar o aparecimento de pneumonia bacteriana. Eventualmente, mutações nos vírus levam a grandes epidemias, como a da gripe espanhola no início do século XX, a gripe aviária e a gripe suína (gripe A do subtipo H1N1). Mesmo assim ,em adultos saudáveis, ela não provoca maiores problemas na maioria dos casos.

O quadro clínico das viroses que acometem o trato respiratório alto, seja gripe ou resfriado, é muito semelhante.

Como essas infecções costumam ser autolimitadas e não requerem tratamento específico, na maioria dos casos, não faz sentido realizar exames caros e causar transtornos ao paciente somente para se saber exatamente qual é o vírus responsável.

Na maioria das pessoas, a gripe e o resfriado se curam espontaneamente sem causar grandes problemas.

Resfriado

O resfriado (chamado de constipação em Portugal) é uma infecção branda das vias aéreas. Como já explicado, pode ser causado por vários tipos de vírus, sendo o Rinovírus o mais comum. É extremamente contagioso e a transmissão é feita através de aerossóis da tosse ou espirro e pelo contato com mãos infectadas.

Os sintomas surgem de 24h a 72h após o transmissão do vírus. Costuma durar de 5 a 7 dias, porém em 25% dos casos, os sintomas persistem por até 2 semanas. A maioria das pessoas apresenta de 3 a 5 quadros de resfriado por ano.

Os sintomas mais comuns são a rinite, tosse e espirros. Pode ocorrer dor de garganta de curta duração nos primeiros dias. A tosse seca pode durar até semanas depois do fim dos sintomas. Em adultos, raramente ocorre febre.

O resfriado é contagioso durante apenas os 3 primeiros dias de sintomas.

As complicações são raras e incluem exacerbação de asma e presença de infecção bacteriana associada como sinusite (leia: SINUSITE / RINOSSINUSITE) ou otite (leia: OTITE MÉDIA | Dor de ouvido).

Gripe

A gripe é causada pelo vírus Influenza e apresenta um quadro clínico mais rico que o resfriado, com febre alta, dores pelo corpo, dor de cabeça, mal estar, perda do apetite, dor de garganta e tosse. Na gripe, os sintomas costumam aparecer subitamente ao contrário do resfriado, onde eles surgem gradualmente. A tosse e a febre são sintomas precoces.

O modo de transmissão é igual ao do resfriado. O tempo de doença pode ser de até 2 semanas, mas, em geral, dura de 4 a 7 dias. O tempo em que o paciente mantém-se contagioso dura de 1 a 2 dias após a resolução da febre.

A gripe também apresenta uma maior taxa de complicações, como pneumonia pelo próprio Influenza ou por bactérias oportunistas (leia: SINTOMAS DA PNEUMONIA), que se aproveitam do estado debilitado do paciente para atacar seus pulmões.

Tanto a gripe comum, quanto a gripe A (H1N1) apresentam quadro clínico e taxas de complicação semelhantes, sendo impossível a sua distinção sem exames laboratoriais (leia: GRIPE SUÍNA).

Além da vacina contra a gripe, já existem remédios específicos contra o influenza, que quando indicados, devem ser administrados nas primeiras  48 horas doença. O mais conhecido é o Tamiflu®.

O tratamento específico é indicado em crianças, idosos e pessoas com comprometimento do sistema imunológico.

O Tamiflu® não cura imediatamente a gripe, mas reduz bastante seu tempo de duração e ajuda a prevenir as complicações.

Apesar da imagem de doença branda, a gripe é responsável por milhares de morte todos os anos, em todos os países. As pessoas do grupo de risco descrito acima são as mais propensas a apresentar complicações.

De fato, trata-se de uma doença com uma taxa de mortalidade muito baixa, ao redor de 0,3%, mas por ser altamente contagiosa (infecta mais de 1 bilhão de pessoas a cada ano) acaba causando muitas mortes, mesmo que percentualmente esses números sejam baixos.

É importante lembrar que a imensa maioria das pessoas terão vários episódios de gripe durante a vida sem nunca desenvolver complicações. O tratamento com antivirais só deve ser feito após avaliação médica, pois 99% das gripes não apresentam indicação de serem tratadas com Tamiflu®.

Explicamos os sinais e sintomas da gripe com mais detalhes no artigo: 10 SINTOMAS DA GRIPE E SUAS COMPLICAÇÕES.

Sinais de gravidade da gripe

Os sinais de gravidade da gripe são:

  • Dificuldade respiratória.
  • Dor torácica para respirar.
  • Pressão baixa.
  • Alterações da consciência.
  • Desorientação.
  • Vômitos persistentes.

Prevenção

A gripe e o resfriado são viroses altamente contagiosas. Quando se mora na mesma casa de alguém infectado, é quase impossível não entrar em contato com o vírus. Algumas dicas de como reduzir o risco de transmissão:

  • Evitar contato próximo com pessoas contaminas (pelo menos 2 metros).
  • Evitar contato direto das mãos com olhos e boca sem antes as terem lavado.
  • Lavar as mãos com água e sabão (ou solução alcoólica apropriada) frequentemente (leia: A IMPORTÂNCIA DE LAVAR AS MÃOS).
  • Evitar ficar em ambientes com pouca circulação de ar e com muitas pessoas.
  • Idosos devem ser vacinados anualmente (leia: VACINA DA GRIPE – Benefícios e Efeitos Colaterais).

Perguntas e respostas

É verdade que os vírus da gripe estão em constante mutação e por isso não conseguimos criar uma defesa imunológica permanente?

Sim, inclusive a vacina contra a gripe é alterada frequentemente, levando em contas esses novos vírus mutantes.

Posso pegar gripe através da vacinação?

Não, os vírus usados são mortos e incapazes de causar doença.

Algumas pessoas dizem que nunca tiveram gripe e depois da vacinação começaram a tê-la frequentemente, isso é possível?

Não. Isto não faz o menor sentido. O que acontece é que 10% dos subtipos de Influenza não são cobertos, por isso, alguns pacientes vacinados podem pegar gripe. Muitas pessoas apresentam resfriados e os confundem com gripe.

Podemos pegar resfriado ou gripe sendo expostos ao frio?

Em geral, os meses mais frios são aqueles onde há maior circulação de vírus, e as pessoas ficam mais tempo em contato umas com as outras em locais fechados. Não existe relação direta entre pegar frio e pegar gripe ou resfriado. Ninguém pega gripe porque pegou chuva ou abriu a geladeira com o corpo molhado. Para se pegar a doença é necessário contato com o vírus.

Vitamina C previne viroses?

Não há evidências científicas que comprovem a eficácia da vitamina C na prevenção de viroses.

Canja de galinha é bom para curar gripe?

Não é bom nem é ruim. Como um dos tratamentos é aumentar a ingestão de líquidos, a canja de galinha serve a esse propósito. Alimentos quentes aliviam os sintomas de dor de garganta. Mas a galinha em si, não tem nada com isso.

A gripe H1N1 (gripe A ou gripe suína) é mais grave que a gripe sazonal?

Não. As taxas de mortalidade e de complicações são semelhantes.

Referências

Источник: https://www.mdsaude.com/doencas-infecciosas/diferencas-gripe-resfriado/

Gripe e resfriado: afinal, qual é a diferença entre ambas?

14 DIFERENÇAS ENTRE GRIPE E RESFRIADO

Tosse, coriza, mal-estar, dor de garganta, febre. Em tempos de pandemia por coronavírus, esses sintomas realmente preocupam, especialmente no caso de pessoas que fazem parte dos grupos de risco. No entanto, tais sinais também podem indicar outras doenças, como gripe e resfriado, que ocorrem com frequência a partir do outono.

Em um contexto de aumento de casos de COVID-19 e das orientações para o isolamento social, outros microrganismos, como os vírus que causam doenças respiratórias mais comuns, continuam circulando. O grande problema é que eles provocam sintomas semelhantes, os quais podem confundir as pessoas e gerar preocupações desnecessárias, sobrecarregando os serviços de atendimento médico.

Mas, afinal, quais são as diferenças entre gripe e resfriado, e como não confundir os seus sintomas com os da COVID-19? Confira em nosso post todos os detalhes!

Quais são as diferenças entre gripe e resfriado?

Para o paciente, a principal diferença é a intensidade dos sintomas. No caso dos resfriados, a febre (se houver) é mais baixa, assim como o mal-estar. Porém, em ambos as situações, é possível ter tosse, dor de garganta, rouquidão, nariz escorrendo ou congestão nasal.

No entanto, os sintomas dos resfriados desaparecem em cerca de dois a quatro dias, enquanto os da gripe permanecem por uma semana ou mais. Além disso, as complicações de um resfriado são otite, bronquite ou sinusite. Já a gripe pode evoluir para pneumonia.

“A gripe não é a mesma coisa que o resfriado comum. As duas doenças são confundidas, pois têm sintomas em comum, como dores no corpo, tosse e fadiga. Mas são enfermidades distintas, causadas por vírus diferentes”, destaca o médico Dr. Fábio Freire José.

O profissional, que é especialista em Clínica Médica pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica e pela Associação Médica Brasileira, explica que os resfriados são provocados pelo rinovírus, vírus influenza ou vírus sincicial respiratório (VSR). Já a gripe é causada pelo vírus influenza, que pode ser classificado como A, B ou C.

De acordo com o médico, o vírus influenza C provoca infecções respiratórias brandas e não causa grande impacto na saúde das pessoas. As cepas A e B, por sua vez, são responsáveis por epidemias sazonais, como a gripe H1N1, com maior gravidade. 

Como identificar os diferentes sintomas?

Segundo Fábio José, os resfriados são bem mais comuns e quase não geram alteração na temperatura corporal. “Quando ocorre, a febre é baixa. Além disso, há pouca fadiga. O nariz entupido é característica singular”, ressalta.

Já a gripe, conforme o especialista, causa febre mais elevada, dores musculares e fadiga intensa. Mas, habitualmente, não há congestão nasal. Quando a febre perdura por cerca de três dias ou mais, provavelmente é sinal de gripe. Porém, a tosse, com diferentes intensidades, pode aparecer tanto em gripes quanto em resfriados.

Indivíduos alérgicos, portadores de doenças crônicas como rinite, podem desenvolver quadros de tosse persistente, causada por sinusite ou outras infecções decorrentes do resfriado.

“É preciso prestar atenção aos principais sintomas que diferem as duas doenças, como nariz congestionado para resfriado e febre e mialgia para gripe. Vários indicativos podem estar presentes nos dois casos, mas esses são os mais distintivos”, orienta o médico Dr. Fábio José.

Por que os sintomas podem ser confundidos com a COVID-19?

Vários sintomas, tanto da gripe quanto dos resfriados, podem ser confundidos com a COVID-19, ainda mais diante da grande preocupação da população com uma possível contaminação pelo novo coronavírus.

Por isso, em caso de suspeita, é fundamental ter atenção aos sintomas e à sua intensidade, antes de buscar atendimento médico. Afinal, tal ação pode não apenas agravar a sobrecarga de hospitais e postos de saúde, mas também expor pessoas não infectadas ao contágio.

Dito isso, saiba quais são os principais sintomas do coronavírus:

  • febre (em 88% dos casos) e/ou calafrios;
  • dores musculares(15%);
  • tosse, geralmente seca (68%);
  • falta de ar ou dificuldade para respirar (19%);
  • cansaço (38%);
  • dores de cabeça (14%);
  • dor de garganta (5%);
  • diarreia (4%).

De acordo com o médico Dr. Fábio José, há ainda relatos de pacientes que perdem o paladar ou o olfato quando infectados pelo coronavírus. “Essas queixas têm sido relatadas numa proporção de até 30% em alguns países”, afirma.

Ainda segundo o especialista, a principal diferença é que nos casos da COVID-19, ocorre tosse seca, sensação de cansaço e falta de ar em proporção de até 20%. “Essas manifestações podem ser graves, a ponto de levar o paciente ao pronto-socorro”, ressalta.

Como se proteger dessas doenças?

Atualmente, a principal recomendação para se proteger da COVID-19 é a intensificação dos cuidados com a higiene. É fundamental lavar as mãos com frequência (até perto da dobra do cotovelo) e, na impossibilidade disso, higienizá-las com álcool em gel.

Além disso, o isolamento social é um grande aliado para evitar a disseminação não apenas do coronavírus, mas também das demais doenças respiratórias. Assim, na necessidade de sair de casa, seja para comprar itens básicos, seja em função de compromissos que não possam ser adiados, os cuidados devem ser redobrados.

Vale atentar para a higiene das mãos, que devem ser lavadas por 20 segundos, com sabão e água, ou limpas com álcool 70%. Além disso, é importante ter atenção às roupas, às bolsas, aos aparelhos celulares e aos demais objetos com os quais sair. Outros cuidados essenciais, conforme orientação do médico Dr. Fábio José, são:

  • cubra o nariz e a boca com um lenço descartável ou com cotovelo flexionado ao tossir ou espirrar;
  • evite contato próximo (um metro ou três pés) com pessoas que não estão bem;
  • fique em casa e se auto-isole dos outros em sua residência, caso se sinta mal;
  • evite tocar no nariz, na boca ou nos olhos, especialmente caso as mãos não estejam limpas;
  • quando for ao banheiro, dê descarga com a tampa fechada e evite, se possível, usar banheiros públicos;
  • tenha cuidado ao tocar em superfícies de uso comum, como maçanetas e botões de elevador, por exemplo, mas caso tenha este tipo de contato, higienize bem as mãos depois.

Esses cuidados evitam não apenas a contaminação pelo novo coronavírus, mas também reduzem as chances de contrair outras doenças, como gripe e resfriado. Caso você ou alguém de sua família tenha sintomas de doenças respiratórias, adote medidas extras de higiene e isolamento e, se possível, só procure os serviços de emergência em casos realmente graves.

Muitas vezes, estamos apenas com um resfriado, mas ao buscarmos um serviço de saúde, acabamos nos expondo a novas infecções. Por isso, é importante ter atenção aos principais sintomas dos quadros de gripe e resfriado para saber como lidar com eles da melhor forma.

Esclareceu suas dúvidas sobre o assunto? Aproveite a visita ao blog e saiba, agora, quais são as causas e os sinais da congestão nasal para ficar alerta!

Источник: https://conteudo.omronbrasil.com/gripe-e-resfriado/

Diferenças entre COVID-19, gripe e resfriado

14 DIFERENÇAS ENTRE GRIPE E RESFRIADO

COVID-19, gripe e resfriado são três doenças que afetam o trato respiratório.

Essas  doenças são causadas pordiferentes agentes e não apresentam tratamento específico, com exceção de alguns tipos de gripe e em casos específicos, sendo realizado apenas o tratamento dos sintomas.

Embora se assemelhem em muitos dos sintomas, elas também apresentam algumas diferenças, como a dor de cabeça, comum em gripes e rara em resfriados, podendo ocorrer, às vezes, na COVID-19.

Leia também: Quarentena – medida de saúde pública para impedir disseminação de doenças

COVID-19

A COVID-19 é uma doença respiratóriacausada pelo vírus SARS-CoV-2, pertencente à família dos coronavírus. Em março de 2020, a Organização Mundial de Saúde declarou pandemia de COVID-19. Os principais sintomas dessa doença são  febre, tosse seca e dificuldade respiratória.

O período de incubação (período entre o contágio e o surgimento dos sintomas) é de cerca de 14 dias.

A transmissão ocorre principalmente por meio de contato com o doente, que, ao espirrar ou tossir, elimina gotículas que podem contaminar outras pessoas e objetos. Ao tocar objetos contaminados e levar a mão à boca, olhos e nariz, o indivíduo pode infectar-se.

Atualmente, não existe tratamento específico nem vacina contra a COVID-19. Para saber mais detalhes sobre essa doença, acesse: COVID-19.

A COVID-19, a gripe e o resfriado são doenças respiratórias causadas por diferentes agentes.

A gripe (influenza) é uma doença que afeta o trato respiratório e é causada por vírus da família Orthomyxoviridae, da qual fazem parte os vírus influenza A, B e C, que, além do homem, podem causar doenças também em aves e outros mamíferos. A gripe pode ser transmitida por meio do contato com o doente, quando ele tosse ou espirra, bem como pelo contato com a sua saliva, secreções nasais e, também, fezes de animais contaminados.

A gripeapresenta um período de incubação de um a quatro dias. Dentre os seus sintomas, podemos destacar febre, dor de garganta, coriza, dor de cabeça, tosse, fadiga, mal-estar e calafrios. Esses sintomas geralmente desaparecem após sete dias. No entanto, a tosse, que normalmente surge à medida que a doença progride, pode permanecer por algumas semanas.

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade ;)

É importante destacar que a gripe pode apresentarcomplicações, como o agravamento de algumas comorbidades – a asma, por exemplo –, além do surgimento de sinusite, otite e até mesmo pneumonias, que podem, inclusive, levar a óbito, principalmente indivíduos imunocomprometidos, crianças e idosos.

Idosos com 60 anos ou mais devem ser imunizados contra a gripe.

Geralmente, na gripe, apenas os sintomas são tratados. Medicamentos antivirais só são indicados em casos específicos e para alguns tipos gripais. A melhor forma de prevenção contra a gripe é a vacinação, que ocorre anualmente.

A vacina contra a gripe é disponibilizada gratuitamente pelo Ministério da Saúde para grupos de risco, como idosos, gestantes, crianças entre 6 meses e 5 anos, 11 meses e 29 dias, portadores de doenças crônicas, povos indígenas, trabalhadores da área de saúde e da educação, entre outros.

Veja também: Gripe H1N1 ou gripe A – um tipo de gripe mais propenso a complicações

Resfriado

O resfriado éuma infecção que afeta as vias aéreas superiores, sendo causado por vírus, principalmente os rinovírus. Os coronavírus são o segundo tipo que mais causam resfriados, mas é importante destacar que, entre os causadores do resfriado comum, não está o SARS-CoV-2, causador da COVID-19.

Esses vírus estão em circulação entre a população durante todo o ano e seu período de incubação varia de um a nove dias.

Geralmente seus sintomas mais comuns são  coriza e obstrução nasal, podendo ocorrer também tosse aguda. Os sintomas do resfriado são brandos e duram cerca de quatro dias.

Não existe tratamento específico para o resfriado, sendo realizado apenas o tratamento de alguns sintomas.

Veja também: Quais são as diferenças entre gripe e resfriado?

Como visto, essas doenças apresentam alguns sintomas que as tornam semelhantes, mas também algumas diferenças. Dentre suas diferenças, podemos destacar o fato de os agentes causadores de cada doença serem diferentes, assim, apenas o médico poderá determinar a doença apresentada pelo paciente, pois pode ser necessária a realização de exames laboratoriais para o diagnóstico.

Alguns sintomas também são diferentes, como a falta de ar, que pode ocorrer às vezes na COVID-19, mas é rara em gripes e resfriados, e a febre, comum na COVID-19 e na gripe, mas rara em resfriados.

A seguir, apresentamos uma tabela, disponibilizada pelo Ministério da Saúde, na qual podem ser observados os sintomas presentes em cada doença.

Alguns sintomas de COVID-19 (coronavírus), resfriado e gripe são similares.[1]

As formas de se prevenir contra essas doenças e evitar sua transmissão também são semelhantes. É importante destacar que, até o momento, apenas a gripe apresenta vacina como forma de prevenção. A seguir apresentamos alguns cuidados que devem ser tomados:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão e, na ausência desses,  higienizar utilizando álcool em gel 70%;
  • Ao tossir e espirrar, cubra o nariz e a boca utilizando um lenço ou então a parte interna do seu cotovelo (Ao utilizar um lenço, descarte-o em seguida e higienize as mãos.);
  • Se estiver doente, permaneça em casa;
  • Mantenha os ambientes arejados;
  • Evite tocar nos olhos, boca e nariz com as mãos sem a devida higienização;
  • Não compartilhe objetos de uso pessoal, como copos, talheres e pratos;
  • Higienize objetos que são manuseados com frequência, como celulares;
  • Mantenha-se a uma distância de pelo menos 1 metro das pessoas que apresentem sintomas dessas doenças;
  • Evite aglomerações em casos de surtos dessas doenças.

Por Helivania Sardinha dos Santos

Источник: https://www.biologianet.com/doencas/diferencas-entre-covid-19-gripe-e-resfriado.htm

Covid-19, gripe e constipação. Quais as diferenças entre os sintomas?

14 DIFERENÇAS ENTRE GRIPE E RESFRIADO

© OMS

Febre, tosse, dores musculares. Estes podem ser os sintomas de uma gripe comum, causada também por um coronavírus, mas não aquele que recebeu o nome de Covid-19 e que já causou a morte a mais de 4000 pessoas em todo o mundo.

Francisco George, ex-diretor-geral da Saúde, disse há dias que o novo vírus, oriundo da China mas que já chegou a Portugal e a outros países da Europa, é mais mortal do que o vírus da gripe. Os sintomas da doença podem ser muito parecidos até com os de uma simples constipação.

Como os poderemos distinguir?

sintomas coronavirus
Infogram

Quais as diferenças?

Os coronavírus humanos comuns – que não devem ser confundidos com o novo coronavírus, ou SARS-CoV-2, atualmente em circulação – podem causar doenças leves a moderadas do trato respiratório superior, como a constipação comum, que causa, por exemplo, nariz a pingar e espirros, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Fechar

Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Segundo Marie-Louise Landry, MD, especialista em doenças infecciosas da Yale Medicine e diretora do Laboratório de Virologia Clínica de Yale, citada pela Health, são quatro os coronavírus humanos comuns que causam 15 a 30% das constipações.

O Inverno é também altura de outro tipo de coronavírus – a comum gripe, que é diferente do SARS-CoV-2.

Os sintomas mais comuns na gripe são, segundo a OMS, febre, fadiga (fraqueza muscular), tosse (normalmente seca), dores no corpo e dores de cabeça.

E as semelhanças?

De acordo com o CDC, os sintomas de constipação geralmente atingem o pico em dois a três dias e geralmente incluem o seguinte: espirros, nariz entupido ou com corrimento, dor de garganta, tosse, olhos lacrimejantes e febre – ainda que seja rara. A verdade é que a maioria das pessoas que fica constipada não apresenta febre.

Alguns destes sintomas – espirros, secreção e obstrução nasal e tosse – podem durar de 10 a 14 dias, e geralmente melhoram durante este período, aponta o CDC.

No que diz respeito aos coronavírus, o CDC diz que todas as doenças relatadas variam de sintomas leves a doenças graves e morte nos casos confirmados de COVID-19.

Os sintomas da nova doença geralmente aparecem dois a 14 dias após a exposição e incluem: febre, tosse e falta de ar.

Apesar do número de mortes por Covid-19, a maioria dos casos confirmados apresenta sintomas leves, de acordo com um estudo publicado na revista científica de medicina The Lancet.

Há, no entanto, sintomas menos comuns, refere o estudo, e que incluem dor de garganta e corrimento nasal, relatados por apenas 5 por cento dos pacientes; e diarreia, náusea e vómitos, relatados por 1-2 por cento dos pacientes.

A pneumonia também é comum entre os pacientes com COVID-19, mesmo em casos que não são considerados muito graves.

Quão grave é o covid-19 em comparação com uma gripe?

As constipações normalmente não evoluem para problemas graves de saúde, como pneumonia, infeções bacterianas, hospitalizações ou mortes – um cenário muito diferente da gripe, que resulta em 290.000 a 650.000 mortes a nível mundial em cada ano, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A gravidade do novo coronavírus não é tão fácil de definir. Sabe-se que é mais grave do que uma constipação. Não se sabe se será mais grave do que uma gripe.

A OMS revelou recentemente que a taxa de mortalidade global do COVID-19 é de 3,4% – um número que reflete principalmente a incidência do surto na China. Este número, de acordo com o New York Times, não pode ser lido de forma literal: há especialistas que afirmam, sobre o novo coronavírus, que a taxa de mortalidade será consideravelmente menor.

Quais as diferenças no tratamento?

A constipação não tem cura – podem aliviar-se os sintomas, mas a doença passará em alguns dias. Também não há cura para o Covid-19 (embora os cientistas estejam a trabalhar para encontrar um tratamento e uma possível vacina).

Se tiver febre e outros sintomas relacionados ao novo coronavírus, é aconselhável ligara Linha de Saúde 24 (808 24 24 24).

Prevenção é igual para constipação e Covid-19

Em comum, o novo coronavírus e uma constipação têm a prevenção, que é exatamente a mesma para ambas: lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos; não tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas; evitar contacto próximo com pessoas doentes; ficar em casa quando estiver doente; e desinfetar objetos e superfícies que sejam frequentemente tocadas.

sintomas coronavirus
Infogram

Источник: https://www.dn.pt/vida-e-futuro/covid-19-gripe-e-constipacao-quais-as-diferencas-entre-os-sintomas-11909316.html

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: