5 principais causas da gastrite

Gastrite: o que é, causas, sintomas, tratamento e alimentação adequada

5 principais causas da gastrite

A dor e a queimação, sintomas típicos da gastrite, são consequência de uma inflamação nas paredes internas do estômago.

E qual a causa disso?Pesquisas mostraram que a maioria dos episódios desse problema é provocado por uma bactéria, a Helicobacter pylori.

Esse micro-organismo se instala abaixo da camada de muco do estômago e vai liberando a urease, uma enzima capaz de mudar o pH das áreas próximas.

A multiplicação desenfreada desse agente infeccioso gera uma reação inflamatória. Se as células de defesa não conseguem conter o avanço, a mucosa que protege as paredes do estômago é corroída – e o órgão então sofre diretamente a ação do ácido gástrico, dando origem à ardência.

A H. pylori pode contaminar água e alimentos, mas o principal meio de transmissão é de pessoa para pessoa. Ainda assim o fato é que muita gente carrega esse inimigo, mas não sofre com suas consequências.

Alguns fatores, ou uma associação deles, também desencadeiam a irritação: alimentação inadequada, abuso de remédios (sobretudo anti-inflamatórios), e consumo exagerado de bebida alcoólica.

O estresse é outro componente importante na origem das crises de gastrite: em situações de tensão, nosso organismo aumenta a liberação de cortisol e de adrenalina, hormônios que, por sua vez, elevam a fabricação de ácido pelo estômago.

Sinais e sintomas

– Dor de barriga

– Sensação de queimação no estômago

– Enjoo

– Falta de apetite

– Perda de peso

Fatores de risco

– Predisposição genética

– Consumo excessivo de alimentos gordurosos e ácidos

– Abuso de anti-inflamatórios

– Estresse

– Consumo exagerado de bebida alcoólica

– Ingestão excessiva de itens com cafeína

Continua após a publicidade

– Tabagismo

– Doença de Crohn

A prevenção e a alimentação

Diminuir o consumo de alimentos que aumentam a acidez do estômago, como comidas picantes, álcool e café, é o caminho indicado para atenuar o ataque às paredes do estômago.

Alimentos mais gordurosos, que exigem mais quantidade de ácido para serem digeridos, também entram na lista dos desencadeadores da gastrite.

Cuidado também com o leite puro, que estimula a secreção de suco gástrico.

Só tenha em mente que, dependendo da severidade, do tempo sem crise e de questões individuais, é possível ingerir esses alimentos com moderação. Discuta isso com um profissional de saúde.

Ficar muito tempo em jejum é outro perigo. Sem alimentos na barriga, o ácido gástrico se acumula e começa a lesionar o estômago. Vale, portanto, fracionar as refeições. E comer devagar. A mastigação, como primeira fase da digestão, poupa os esforços do estômago.

Além disso, quem fuma tem mais este motivo para tentar abandonar o cigarro. O vício aumenta a produção de ácido no estômago e, dessa forma, favorece a queimação.

Por fim, fuja da automedicação: o uso de anti-inflamatórios sem receita e sem as devidas orientações do médico também contribui para o aparecimento das crises estomacais.

O diagnóstico

Sentir dores no estômago uma vez ou outra não significa que a pessoa tem gastrite. Agora, se os sintomas se arrastam por duas semanas, é melhor consultar um gastroenterologista.

O médico irá solicitar a realização de uma endoscopia. Nesse exame, feito com o paciente sob efeito de sedativo, uma microcâmera desce pela boca até o estômago, e as imagens registradas mostram se há inflamação na mucosa do órgão.

Para confirmar se o problema foi causado pela bactéria H. pylori, durante a endoscopia é feita uma biópsia. A análise do material revela se o micro-organismo está alojado por ali.

O tratamento

Controlar a alimentação é fundamental para aliviar o mal-estar digestivo, mas nem sempre uma dieta equilibrada basta. Para combater a inflamação já instalada, o médico pode receitar antibióticos, além de antiácidos para atenuar os sintomas.

Nos casos em que a H. Pylori é a causa da gastrite, às vezes só um revezamento de antibióticos consegue dar fim ao problema. Isso porque essa bactéria é muito resistente.

Ao término do tratamento, o especialista pode recomendar  outro exame para confirmar se o micro-organismo foi eliminado de vez. Esse teste detecta a presença a H. Pylori pelo ar expelido dos pulmões. Se o resultado der negativo, significa que foi exterminada. Caso contrário, é preciso tomar novas medidas contra ela.

Ao longo do tratamento, é preciso ficar longe de determinados alimentos. Até que a regeneração do estômago seja completa, deve-se evitar refrigerantes, águas gasosas e sucos cítricos. Chocolates, balas e doces também ficam de fora do cardápio – o açúcar fermenta na barriga e, para piorar, estimula a liberação de ácido clorídrico.

Uma vez que a causa da gastrite sai de cena, seja ela qual for, a pessoa fica curada em no máximo três semanas. Esse é o prazo necessário para o estômago recuperar suas rugosidades naturais, destruídas pela agressão.

Continua após a publicidade

  • Alimentação saudável
  • Bactérias
  • Dores
  • Saúde – Gastrointestinal

Источник: https://saude.abril.com.br/medicina/gastrite-o-que-e-causas-sintomas-tratamento-e-alimentacao-adequada/

DIFERENÇAS ENTRE GASTRITE E ÚLCERA

5 principais causas da gastrite

Gastrite, duodenite e úlcera péptica são problemas distintos do estômago e do duodeno (primeira porção do intestino delgado) que envolvem graus diferentes de lesão do epitélio, camada de tecido que recobre a parede interna desses órgãos.

Apesar de serem condições diferentes, as causas e os sintomas da gastrite/duodenite e da úlcera péptica são bem semelhantes.

O que é a gastrite e duodenite?

A mucosa do estômago é composta por um tecido resistente à acidez intensa, fato que faz todo sentido, uma vez que o material contido no estômago apresenta pH extremamente baixo (ácido).

A gastrite surge quando esse revestimento fica inflamado, seja por alguma infecção, uso de medicamentos ou por substâncias agressoras, como o cigarro ou álcool.

A duodenite é um processo semelhante, Porém, em vez da inflamação ocorrer na parede do estômago, ela ocorre no epitélio do duodeno.

O que é úlcera péptica?

A úlcera péptica, como próprio nome diz, é uma ulceração (ou erosão) do epitélio do estômago ou do duodeno, como se fosse uma grande afta.

A úlcera é chamada de úlcera gástrica quando acomete o estômago, ou úlcera duodenal, quando se faz presente no duodeno.

Causas

A gastrite é o resultado final de diversos tipos de agressão ao estômago.

As suas principais causas são:

Sintomas

Os principais sintomas da gastrite são:

  • Queimação estomacal.
  • Azia.
  • Dor na “boca do estômago”.
  • Náuseas.
  • Empanzinamento.
  • Eructações (arrotos)

Os sintomas listados acima são enquadrados em um quadro chamado dispepsia ou sintomas dispépticos.

A intensidade dos sintomas não tem, necessariamente, relação direta com a gravidade da gastrite ou com a presença de uma úlcera. O paciente pode ter dor intensa e apenas um gastrite leve ou pode ter uma gastrite grave com sintomas leves.

Falamos mais sobre os sintomas da gastrite e sobre a dispepsia nos artigos:

  • SINTOMAS DE GASTRITE.
  • DOR NO ESTÔMAGO – DISPEPSIA.

A gastrite pode ser aguda, quando se desenvolve rapidamente, ou crônica, quando a inflamação se instala lentamente e persiste por vários meses. A primeira é normalmente causada por álcool, medicamentos e intoxicações alimentares. Já a segunda costuma ter como causa a bactéria H.pylori.

As gastrites se não tratadas podem evoluir com erosões da mucosa do estômago, levando a formação das úlceras.

Dispepsia funcional

Também é possível que o paciente tenha sintomas dispépticos, mas ao fazer uma endoscopia digestiva não apresente lesão alguma no estômago ou no duodeno.

Quando isso ocorre dizemos que o paciente tem dispepsia funcional, que é um quadro clínico de gastrite/úlcera sem que haja efetivamente essas lesões. A dispepsia funcional é a situação responsável pelo que é erradamente chamado de gastrite nervosa.

Gastrite nervosa

Gastrite nervosa é um fenômeno que não existe de verdade. Ao contrário do estresse físico, o estresse emocional sozinho não é uma causa de lesões no estômago ou duodeno. Situações de estresse podem desencadear sintomas de dispepsia, podem também atrasar a cicatrização de lesões existentes, mas individualmente nunca causarão gastrite ou úlcera.

Úlcera péptica

As úlceras pépticas são aquelas causadas pela ação do suco gástrico na parede do duodeno, estômago ou esôfago.

As úlceras duodenais são mais comuns que as úlceras gástricas e acometem principalmente indivíduos entre 30 e 50 anos de idade. As úlceras gástricas são mais comuns em pessoas acima dos 60 anos.

Risco de câncer

Úlceras pépticas não viram câncer, mas alguns cânceres podem ter uma aparência semelhante à de uma úlcera.

Por isso, toda úlcera identificada na endoscopia digestiva deve ser biopsiada. Não é possível descartar a existência de uma neoplasia maligna apenas pela aparência da úlcera na endoscopia.

As úlceras gástricas da pequena curvatura do estômago são as que mais merecem atenção pois é neste ponto que os cânceres gástricos costumam surgir.

Diagnóstico

O diagnóstico das úlceras e da gastrite são feitos através da endoscopia digestiva alta.

A pesquisa do H.pylori só deve ser feita quando o paciente tiver úlceras.

Os laudos das endoscopias digestivas costumam causar algum grau de confusão. Alguns termos do laudo endoscópico que costumam gerar dúvidas são:

  • Gastrite antral ou de antro: significa gastrite da porção final do estômago.
  • Gastrite enantematosa: enantema significa lesão inflamatória avermelhada de uma mucosa. Logo, gastrite enantematosa é uma inflamação com lesão da mucosa do estômago.
  • Pangastrite: significa um inflamação difusa, acometendo grande parte do estômago.
  • Gastrite erosiva: é uma forma mais grave de gastrite, com erosão superficial da parede do estômago. Essa lesão é menos profunda que a ulcera.

Tratamento

O tratamento hoje em dia é feito com supressão da acidez gástrica. Existem duas classes de medicamentos com esse objetivo:

  • Antagonista do receptor H2: ranitidina.
  • Inibidores da bomba de prótons (IBP): omeprazol, esomeprazol, pantoprazol e lanzoprazol.

Atualmente, damos preferência aos IBP por serem estes fármacos mais eficazes (leia: REMÉDIOS PARA O ESTÔMAGO  e OMEPRAZOL – Para que Serve, Como Tomar e Efeitos Colaterais).

O tratamento deve ser feito por pelo menos 4 semanas.

Para que o tratamento tenha sucesso é preciso orientar o paciente a suspender ou evitar anti-inflamatórios, cortar o cigarro e as bebidas alcoólicas.

O tratamento do H.pylori só está indicado se houver úlceras. Para saber mais, leia: HELICOBACTER PYLORI – Causas, sintomas e tratamento.

Referências

Источник: https://www.mdsaude.com/gastroenterologia/gastrite-ulcera/

[ESTENDER + 500] Conheça os 5 principais tipos de gastrite

5 principais causas da gastrite

Hábitos alimentares incorretos, estresse e outros problemas do dia a dia podem influenciar no surgimento da gastrite. Essa inflamação afeta a mucosa que reveste a parte interna do estômago e causa diversos incômodos e dores. Contudo, para um diagnóstico preciso, é importante saber quais são os tipos de gastrite, já que cada um apresenta sintomas diferentes. 

Sendo assim, entender suas características específicas é fundamental para determinar o melhor tratamento. Além disso, cada tipo está associado a certas causas, como estresse, ingestão de alimentos, uso excessivo de remédios anti-inflamatórios e até alcoolismo. Pensando nisso, selecionamos 5 principais tipos de gastrite para você conhecer melhor. Continue acompanhando o post e saiba mais! 

Como diferenciar quais são os tipos de gastrite 

A inflamação das mucosas do estômago é conhecida como gastrite. Para ter certeza de que se trata da doença, é importante realizar um exame de endoscopia, que investiga tanto o estômago quanto o duodeno e o esôfago. Para saber qual é o tipo de gastrite, também é possível realizar: 

  • pesquisa sobre os hábitos de vida do paciente; 
  • análise dos medicamentos que o paciente usa;
  • exames de sangue; 
  • biópsia do tecido da mucosa; 
  • investigação da presença da bactéria H. pylori. 

5 tipos principais de gastrite e seus sintomas 

Antes de realizar exames e buscar um diagnóstico, também vale a pena saber quais são os tipos de gastrite e se os sintomas que você sente estão relacionados a eles. Veja a seguir 5 tipos que separamos para você conhecer melhor. 

1. Gastrite crônica 

Esse tipo está associado ao tempo de duração dos sintomas, sendo que eles são prolongados e o paciente sente dor e queimação por um longo período. Se não tratada adequadamente, pode evoluir para o câncer, como o de estômago. Outros sintomas relacionados a ela são dores de cabeça, perda de apetite e fraqueza. 

Geralmente, a gastrite crônica também está ligada à presença da bactéria H.pylori. Ela está presente em cerca de metade da população mundial. Portanto, é imprescindível sua identificação e o uso de medicamentos e soluções adequadas a seu combate.

2. Gastrite aguda 

Nesse caso, os sintomas surgem de maneira súbita e permanecem por um período curto. A pessoa pode sentir náuseas, queimação e incômodo durante as refeições. As causas comumente estão relacionadas ao uso de medicamentos, como corticoides e aspirina. Além disso, uma alimentação incorreta e o consumo excessivo de álcool também pode influenciar no surgimento da gastrite aguda. 

3. Gastrite nervosa 

Como o próprio nome sugere, esse tipo de gastrite é resultado do estresse. Os sintomas mais comuns são dor no estômago, enjoos e azia.

Se não for tratada por um médico especialista no início, ela pode agravar-se para o estado crônico e gerar complicações mais sérias para o paciente. Para o tratamento, é recomendado antiácido e outros medicamentos que controlam a ansiedade.

Também, é possível adotar a prática de exercícios físicos que diminuem o estresse e tratamento psicológico.

4. Gastrite enantematosa 

Podemos denominar gastrite enantematosa quando ocorre uma inflamação em camadas mais internas do estômago. As causas incluem o uso excessivo de anti-inflamatórios, doenças autoimunes, infecções ou alcoolismo. 

5. Gastrite Eosinofílica 

Esse tipo de gastrite é originada do aumento de células imunes no estômago. A partir disso, a pessoa sente dores, azia, náuseas e vômito. Nessa situação, o médico pode prescrever a utilização de medicamentos, como corticoides, para minimizar os efeitos. 

Causas da gastrite e como evitá-la 

A gastrite pode estar relacionada a diversos fatores, alguns de origem biológica e outros mais ligados ao estilo de vida. Portanto, é importante ter atenção aos sintomas. Além de fazer exames, é possível evitar certas práticas que podem originar ou piorar a gastrite. 

Alcoolismo  

No caso das bebidas alcoólicas, elas elevam a acidez do estômago, alterando o seu equilíbrio. Com isso, o estômago fica propenso às inflamações. 

Doenças autoimunes 

Nas doenças autoimunes, os anticorpos — que deveriam defender o organismo — passam a atacar o estômago, irritando-o e podendo causar úlceras. Esse é o caso de doenças como o Lupus. Outra condição é a AIDS, que não é uma doença autoimune, mas ao afetar o sistema imunológico torna a pessoa suscetível à gastrite. 

Estresse 

O estresse é tido como influenciador para muitas doenças. No caso da gastrite, estímulos estressores podem ter influência no desequilíbrio de sistemas e órgãos. Além disso, acredita-se que a própria tensão do estado nervoso se acumula no estômago, podendo dar origem à gastrite. 

Idade 

Com o avanço da idade, o revestimento do estômago se torna flácido e também ocorre mudanças na imunidade. Dessa forma, a pessoa fica mais sujeita ao desenvolvimento da gastrite. 

Má alimentação 

A má alimentação também é fator para o desenvolvimento da gastrite. Além do hábito de se alimentar mal, alguns alimentos também precisam ser evitados. Isso acontece porque promovem a acidez no estômago e favorecem irritações, que podem levar à gastrite. Dessa forma, alguns exemplos para não serem consumidos são: 

Como evitar a gastrite

Para prevenir a doença, práticas como ter uma dieta balanceada e mais fragmentada podem ser adotadas. Além disso, é importante mastigar bem os alimentos, não pular nenhuma refeição e não comer comidas pesadas logo antes de ir dormir. Para o estresse, realizar exercícios físicos e contar com apoio profissional também é importante. Outra dica é evitar o consumo de álcool, fumo e drogas. 

Saber quais são os tipos de gastrite é importante para identificar os sinais que podem ser associados, em muitos casos, com outros problemas ou doenças.

Ao sentir sintomas, é fundamental procurar um médico especialista para fornecer esclarecimentos e indicar qual é o melhor tratamento a ser feito.

Além disso, para evitar o surgimento da gastrite é necessário ter um estilo de vida saudável, considerando a realização de exames, procedimentos, uso de medicamentos e mudanças na rotina. 

Quer saber mais sobre o assunto? Descubra como a úlcera está relacionada à gastrite! 

Источник: https://blog.cirurgiacve.com.br/quais-sao-os-tipos-de-gastrite/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: