6 benefícios do alho para a saúde e como usar

Cúrcuma: benefícios, receitas e como usar para reforçar a imunidade

6 benefícios do alho para a saúde e como usar

1 de 6
Tempero muito usado na culinária indiana, cúrcuma conta com diversas propriedades, como efeitos antioxidante e anti-inflamatório — Foto: Istock Getty Images

Tempero muito usado na culinária indiana, cúrcuma conta com diversas propriedades, como efeitos antioxidante e anti-inflamatório — Foto: Istock Getty Images

Doutora pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), a nutricionista Lara Natacci, membro da Comissão de Comunicação da Sban, afirma que há uma variedade de estudos que destacam os benefícios desse alimento para a saúde.

Dentre os efeitos, ela destaca a capacidade antioxidante, decorrente dos curcuminoides curcumina, desmetoxicurcumina e bisdesmetoxicurcumina, como sendo a mais importante. Natacci comenta que é possível prescrever a cúrcuma como tempero ou mesmo em suplementação para prevenir inflamações e estresse oxidativo.

Estudos sugerem inclusive que a cúrcuma proporciona recuperação muscular mais rápida e menor dano muscular em atletas. Porém, a nutricionista chama a atenção para alguns aspectos relacionados a esse tempero.

– A cúrcuma é um antioxidante bem interessante. O problema é que sua absorção é um pouco difícil. Por isso, deve ser associada a alguma gordura. A cúrcuma também tem contraindicações. Durante a gestação, por exemplo, alguns trabalhos mostram que estimula a contração uterina – comenta Natacci, acrescentando que, por esse motivo, gestantes devem consumi-la em pequenas quantidades.

A seguir, com o apoio da nutricionista o EU Atleta detalha benefícios, contraindicações e dicas para tirar proveito da cúrcuma na alimentação.

  • Antioxidante;
  • Anti-inflamatória;
  • Atua na recuperação muscular pós-treino;
  • Hepatoprotetora;
  • Anticancerígena, uma vez que pode bloquear o crescimento descontrolado de células cancerosas;
  • Cardioprotetora;
  • Regulação de pressão arterial;
  • Neuroprotetora. O cérebro apresenta uma atividade metabólica muito alta e gera estresse oxidativo. Rica em antioxidantes, a cúrcuma pode ajudar a evitar a produção excessiva de radicais livres. Estudos demonstram que esse alimento é capaz ainda de estimular a cognição e a atividade cerebral, bem como pode prevenir e melhorar o déficit de memória e cognição associado à idade. O açafrão-da-terra também oferece proteção contra a degeneração dos neurônios, promove a neurogênese e contribui para a plasticidade neuronal;
  • Melhora das alterações nos neurotransmissores em casos de ansiedade e depressão;
  • Antidepressiva.

2 de 6
Mulheres grávidas devem ter moderação ao consumir cúrcuma, que, segundo estudos, estimula a contração uterina — Foto: Unsplash

Mulheres grávidas devem ter moderação ao consumir cúrcuma, que, segundo estudos, estimula a contração uterina — Foto: Unsplash

Na alimentação de gestantes e crianças, a cúrcuma deve ser usada com muita moderação, recorrendo a pitadas, apenas. Além disso, pode causar obstrução nos dutos de quem sofre com cálculos biliares. Portanto, de forma preventiva, o açafrão-da-terra deve ser evitado por quem tem problemas na vesícula.

Ademais, é importante considerar a interação da cúrcuma, considerada um composto bioativo, com outros nutrientes. O consumo desse alimento pode afetar a absorção de ferro. Dessa maneira, pessoas com anemia, que não é uma condição incomum, devem consultar nutricionista para mais orientações.

3 de 6
Azeite de oliva e pimentas podem ser combinados com a cúrcuma para ajudar na sua absorção — Foto: Pixabay

Azeite de oliva e pimentas podem ser combinados com a cúrcuma para ajudar na sua absorção — Foto: Pixabay

Dicas para incorporar a cúrcuma à alimentação

  1. Primeiramente, lembre-se de que o açafrão-da-terra não é tão facilmente absorvido pelo organismo. Algumas substâncias antioxidantes presentes em outros alimentos também têm esse processo dificultado. Para melhorar a capacidade de absorção da cúrcuma, é recomendável associá-la a alguma gordura. Pode ser um azeite de oliva ou uma oleaginosa, por exemplo.

    A combinação com pimenta também ajuda na sua absorção;

  2. Opte tanto pela cúrcuma em pó, mais facilmente encontrada em lojas de produtos naturais ou redes de supermercado, ou in natura, quando tem um aspecto bem semelhante ao do gengibre, embora com uma cor alaranjada;
  3. Se esse tempero é uma novidade para você, use pitadas ao preparar os alimentos.

    A cúrcuma tem um sabor forte e diferente daqueles usados na culinária brasileira. Portanto, ao usar pitadas, é possível treinar o seu paladar para o sabor desse rizoma.

    Contudo, se na sua casa há gestante ou crianças, é importante manter esse cuidado ao adicionar o açafrão-da-terra às receitas que serão consumidas por toda a família;

  4. Adicione a cúrcuma ao temperar carnes brancas.

    Esse ingrediente vai bem com frango e peixe, embora haja quem opte por usá-la no preparo de carnes vermelhas;

  5. Aposte na combinação de batata assada com cúrcuma e azeite de oliva;
  6. Ao preparar creme de milho, recheios para tortas salgadas, sopas e até arroz, adicione pitadas de cúrcuma para agregar os benefícios e coloração desse alimento à receita;
  7. Considere criar temperos caseiros em que o açafrão-da-terra pode ser adicionado. Em um recipiente, misture a cúrcuma com alho e cebola picados, azeite, vinagre, sal e ervas, como salsa e cebolinha, a gosto. Quando armazenado na geladeira, o tempero tem validade de 15 dias. A mistura também pode ser congelada por até três meses.

4 de 6
Ainda que a cúrcuma conte com importante efeito antioxidante, não se esqueça de incluir outros alimentos com essa propriedade em sua dieta — Foto: Pixabay

Ainda que a cúrcuma conte com importante efeito antioxidante, não se esqueça de incluir outros alimentos com essa propriedade em sua dieta — Foto: Pixabay

É verdade que a cúrcuma proporciona diversos benefícios à saúde e pode fazer parte da alimentação de muitas pessoas. Mas não é preciso tratá-la como um alimento milagroso ou que deva estar presente em todas as refeições. Isso não apenas pelo risco de enjoar de consumi-la, mas porque há outros alimentos ricos em substâncias antioxidantes e anti-inflamatórias.

É o caso do gengibre, alho e cebola, mas também de vegetais como brócolis, couve-flor, couve e frutas vermelhas e roxas. A recomendação é variar as opções ao longo do dia.

Para tanto, seguindo a orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de consumir 400 g diários de vegetais, inclua ao menos três cores diferentes nos pratos do almoço e do jantar e diversifique na escolha de frutas para os lanches.

Receitas do chef Ipe Aranha

Para ajudar você a incorporar a cúrcuma à alimentação, o chef Ipe Aranha indica algumas receitas. Ele ensina a preparar mousse de maracujá em que a cúrcuma realça o amarelo e agrega suas propriedades ao doce e também sugere incorporar esse tempero ao homus, a tradicional pasta de grão de bico da culinária árabe.

5 de 6
Cúrcuma realça a cor de mousse de maracujá e agrega mais benefícios à receita — Foto: Divulgação/Chef Ipe Aranha

Cúrcuma realça a cor de mousse de maracujá e agrega mais benefícios à receita — Foto: Divulgação/Chef Ipe Aranha

  • 2 xícaras de castanha de caju (crua e demolhada)
  • 6 a 8 polpas de maracujá
  • 4 colheres de sopa de xilitol ou stevia (opcional)
  • 1 cúrcuma in natura ou uma colher de sopa de cúrcuma em pó
  1. Para demolhar a castanha, deixe-a de molho na água durante a noite, por pelo menos oito horas;
  2. Escorra a água e coloque as castanhas no liquidificador com uma xícara de água e a cúrcuma. Separe um pouco da polpa do maracujá para finalização e adicione o suco de quatro maracujás coados no liquidificador.

    Para coá-los, basta colocar a polpa da fruta na peneira e separar o suco da semente;

  3. Bata as castanhas, a água, o suco de maracujá e a cúrcuma até obter um creme homogêneo;
  4. Adicione de duas a três colheres de polpa de maracujá com semente e bata novamente;
  5. Prove e, se necessário, acrescente o xilitol, stevia ou mel;
  6. Separe em porções individuais e coloque uma colher de chá de polpa por cima de cada taça ou copo. E aproveite!

6 de 6
Tradicional receita árabe, homus também pode contar com um toque de cúrcuma — Foto: Divulgação/Chef Ipe Aranha

Tradicional receita árabe, homus também pode contar com um toque de cúrcuma — Foto: Divulgação/Chef Ipe Aranha

  • 2 xícaras de grão de bico cozido
  • 1 colher de sopa de tahini
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 1 dente de alho
  • 1 colher de sopa de cúrcuma
  • 1 colher de chá de sal rosa
  • 1 limão (suco)
  • 1 colher de chá rasa de cominho ou zatar
  1. Misture todos os ingredientes e bata ou processe até obter um creme homogêneo;
  2. Se ficar muito denso, para alcançar a textura desejada, adicione água. Pode ser aquela usada para o cozimento do grão de bico, inclusive.

Источник: https://globoesporte.globo.com/eu-atleta/nutricao/noticia/curcuma-beneficios-receitas-e-como-usar-para-reforcar-a-imunidade.ghtml

6 benefícios do alho para a saúde e como usar

6 benefícios do alho para a saúde e como usar

O alho é uma parte de uma planta, o bulbo, que é muito utilizado na cozinha para temperar e condimentar os alimentos, mas que também pode ser usado como um medicamento natural para complementar o tratamento de vários problemas de saúde, como infecções por fungos ou pressão alta, por exemplo.

Este alimento é rico em compostos sulfurados, em que o principal é a alicina, que proporciona o cheiro característico do alho, sendo um dos grandes responsáveis pelas suas propriedades funcionais. Além disso, o alho também é rico em vários minerais que nutrem o organismo, como potássio, cálcio e magnésio.

Os principais benefícios do alho são:

1. Combater vírus, fungos e bactérias

O alho possui um composto sulfurado, conhecido como alicina, que confere lhe ação antimicrobiana, inibindo o crescimento e proliferação de bactérias, vírus e fungos. Aliás, ajuda até a eliminar as toxinas e bactérias patológicas que afetam a flora intestinal, sendo muito útil para completar o tratamento de infecções por vermes.

2. Prevenir o câncer de cólon

Graças à ação da alicina, da aliina e do alhoeno, que são compostos sulfurados, o alho também tem potente ação antioxidantes que previne a formação de radicais livres e protegem as células do organismo. Além disso, estes compostos também ajudam a estimular algumas enzimas que desintoxicam o organismo de agentes que causam o câncer de cólon.

3. Proteger a saúde do coração

O alho ajuda a reduzir os níveis de colesterol “ruim” LDL, e de triglicerídeos no sangue, pois inibe a sua oxidação, reduzindo assim o risco de aterosclerose que pode levar ao surgimento de várias doenças cardiovasculares.

Além disso, o alho ajuda a regular a pressão arterial por possuir um ligeiro efeito anti-hipertensor, assim como a capacidade para melhorar a circulação do sangue, diminuindo a pressão sobre os vasos. Também evita a formação de coágulos por inibir a agregação plaquetária excessiva.

4. Melhora doenças inflamatórias

Os compostos sulfúricos do alho também têm ação anti-inflamatória, diminuindo a resposta do organismo a algumas doenças que causam inflamação crônica. Assim, o alho pode ser usado em algumas doenças inflamatórias, para diminuir a dor e regular a resposta dos sistema imune.

5. Evitar doenças respiratórias

O alho ajuda a estimular as funções respiratórias graças às suas propriedades expectorantes e antissépticas que facilitam a respiração. Por isso, o alho pode ser usado para tratar gripes, tosse, resfriados, ronco, asma, bronquite e outros problemas pulmonares.

6. Manter o cérebro saudável

Devido à ação antioxidante e anti-inflamatória proporcionada pela alicina e pelo enxofre, e devido ao seu teor em selênio e colina, o consumo frequente de alho ajuda a proteger as células do cérebro e a diminuir os danos causados ​​pelos radicais livres, que estão envolvidos no surgimento de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e demência.

Por isso, o alho é um alimento com um grande potencial para melhorar a memória e promover o aprendizado, melhorando a saúde do cérebro.

Para obter os seus benefícios, deve-se consumir 1 dente de alho fresco por dia. Uma dica para aumentar o seu poder benéfico é picar ou amassar o alho e deixá-lo descansando por 10 minutos antes de usar, pois isso aumenta a quantidade de alicina, a principal responsável pelas suas propriedades.

O alho pode ser usado para temperar carnes, saladas, molhos e macarrão, por exemplo. Além disso, também se pode preparar chá de alho ou água de alho, que, quando consumidos frequentemente ajudam a diminuir o colesterol e a proteger o coração.

Conheça também os benefícios do alho negro e como pode ser usado.

Informação nutricional e como usar

A tabela a seguir traz a composição nutricional em 100 g de alho:

Quantidade em 100 g de alho fresco
Energia: 113 kcal
Proteína7 gCálcio14 mg
Carboidratos23,9 gPotássio535 mg
Gordura0,2 gFósforo14 mg
Fibras4,3 gSódio10 mg
Vitamina C17 mgFerro0,8 mg
Magnésio21 mgAlicina225 mg
Selênio14,2 mcgColina23,2 mg

O alho pode ser usado para temperar carnes, massas, saladas e para fazer molhos e patês. Além disso, também pode-se utilizar o chá ou a água de alho para obter seus benefícios de diminuir o colesterol e proteger o coração. Veja como fazer aqui.

Como comprar e como armazenar

No momento da compra, deve-se preferir cabeças de alho redondas, sem manchas, cheias e bem formadas, com os dentes de alho unidos e firmes, evitando os que estejam soltos, moles e murchos.

Além disso, para preservar o alho por mais tempo e evitar o mofo, ele deve ser armazenado em local fresco, seco e levemente arejado.

Efeitos colaterais e contraindicações

O consumo excessivo de alho pode causar problemas digestivos, cólicas, gases, vômitos, diarreia, cabeça, dor nos rins e tonturas.

Além disso, o consumo de alho cru como remédio natural está contraindicado para recém nascidos, durante a cicatrização de cirurgias e em casos de pressão baixa, dor no estômago, hemorragias e uso de remédios para afinar o sangue.

Opções de receita com alho

Algumas formas para utilizar o alho e obter todos seus benefícios incluem:

1. Chá de alho

O chá deve ser preparado com 1 dente de alho por cada 100 a 200 mL de água. Para isso, deve-se colocar o alho picado e amassado na água fervente e deixar repousar por 5 a 10 minutos. Depois retirar do fogo, coar e deixar esfriar.

Para melhorar o sabor do chá pode ser adicionado à mistura gengibre ralado, umas gotas de limão ou 1 colher de sobremesa de mel, por exemplo.

2. Água de alho

Para preparar a água de alho, deve-se colocar 1 dente de alho esmagado em 100 mL de água e depois deixar repousar por toda a noite ou, pelo menos, por 8 horas. Esta água deve ser ingerida em jejum, para ajudar a limpar o intestino e reduzir o colesterol.

3. Creme de alho para carnes

Ingredientes

  • 1 copo americano de leite;
  • 3 dentes de alho;
  • 1 pitada de sal, de salsa e de orégano;
  • Azeite.

Modo de Preparo

Bater no liquidificador o leite, o alho, o sal, a salsa e o orégano. Em seguida, adicionar o azeite aos poucos até encontrar o ponto de creme da receita. Pode-se usar esse creme para acompanhar carnes de churrasco ou para fazer pão de alho.

Berinjela, linhaça e alcachofra também podem ser usados para proteger o coração, por isso veja mais remédios caseiros para baixar o colesterol.

Источник: https://www.tuasaude.com/alho/

Da gripe ao colesterol: saiba se o alho ajuda mesmo nessas 6 doenças

6 benefícios do alho para a saúde e como usar

Se você é fã de alho, vai ficar feliz em saber que não só ele faz parte da medicina popular como seus benefícios para a saúde já foram comprovados em estudos científicos.

“Ele apresenta compostos fitoquímicos sulfurados e não sulfurados, que têm papel no controle do colesterol total, pressão arterial, além de auxiliarem no combate a vírus, bactérias e fungos”, resume a nutricionista Vanderli Marchiori, presidente da Associação Paulista de Fitoterapia.

Entre essas substâncias, se destaca a alicina, responsável pelo odor característico do vegetal. Flavonoides e o mineral selênio, com poder antioxidante, também são encontrados nos bulbos.

No entanto, nem tudo que nossas avós creditam ao alho foi comprovado pela ciência. Veja a seguir quais benefícios do alho já foram comprovados e quais seguem sendo estudados mais de perto. Vale lembrar que nos casos em que o benefício do alho é embasado pelos experimentos dos cientistas, ele deve sempre entrar como coadjuvante e não deve substituir os tratamentos tradicionais

Benefícios comprovados

Colesterol

O uso diário e constante de alho já mostrou diminuir entre 10 e 15% do colesterol total e/ou LDL, o considerado ruim, em adultos com níveis altos dessa molécula.

Os mecanismos por trás desse efeito não estão totalmente compreendidos, mas parece que ele atua tanto na absorção de colesterol no intestino quanto na síntese do colesterol endógeno —aquele que produzimos no fígado, e é responsável pela maior parte do colesterol circulante.

Uma revisão sistemática de quase 40 ensaios clínicos randomizados (tipo de estudo robusto, que compara o efeito de um remédio com o de um placebo, sem que os grupos saibam o que estão tomando) envolvendo 2.300 adultos comprovou esse efeito benéficos em quem tem níveis de colesterol “levemente elevados”, maiores do que 200 mg/dL.

A pesquisa foi feita pela Universidade de Adelaide, na Austrália, em 2013, e publicada no periódico Nutrition Reviews.

É importante dizer neste caso (e em todos os outros que falaremos mais abaixo), que o alho é um coadjuvante e não deve substituir tratamentos convencionais.

Diabetes

A relação com o controle do diabetes foi alvo de uma revisão sistemática de 2017, publicada no periódico Food and Nutrition Research por pesquisadores chineses. A investigação envolveu mais de dez estudos que davam uma dose diária entre 0,05 g a 1,5 g (um dente tem cerca de 5 g, para se ter ideia) do suplemento de alho a pacientes diabéticos e os comparava com um placebo.

No fim, o alho realmente impactou positivamente os níveis de glicose. Uma diferença de quase 10 mg/dL depois de 12 semanas e depois de mais de 20mgl/dL, na 24ª semana de suplementação.

O mecanismo ainda está sendo estudado, mas, aparentemente, a alicina e seus outros compostos melhoram o transporte de glicose para dentro das células, além de diminuir os produtos finais da glicação avançada, proteínas que levam às complicações do diabetes.

Ainda em estudo

Pressão arterial

Imagem: iStock O alho é um vasodilatador, ou seja, pode dilatar as artérias criando uma espécie de relaxamento, que beneficia quadros de hipertensão arterial. Nesta doença, os vasos sanguíneos tendem a ficar mais “tensos” em vez de contrair e relaxar, como deveria ser.

Esse efeito é estudado há bastante tempo pela ciência. Uma revisão sistemática de 2015, publicada no periódico The Journal of Clinical Hypertension, avaliou 17 pesquisas anteriores e mostrou uma redução média de 3,75 mmHG na pressão sistólica de pessoas hipertensas e 3,39 mmHG na diastólica. A benesse foi observada com a suplementação do vegetal em cápsulas, extrato e pó.

Outra revisão conduzida pela Cochrane, entidade independente que reúne as evidências científicas mais sólidas sobre saúde, aponta que o alho de fato parece reduzir a pressão arterial, mas não há evidências o suficiente para bater o martelo sobre o assunto.

Saúde do coração

Sua ação antioxidante pode contribuir para a saúde do endotélio, a parede das artérias. Isso porque boa parte das doenças cardiovasculares comuns ocorrem quando as partículas de colesterol no sangue se oxidam, um processo chamado de estresse oxidativo, e se depositam no endotélio, formando placas de gorduras que levam a entupimentos.

Uma revisão de literatura publicada em 2016 no Journal of Nutrition mostrou que a suplementação de até 960 mg de extrato de alho pode reduzir marcadores de aterosclerose (acúmulo dessas placas nas artérias).

Outro fator de proteção contra infartos importante do alho é controlar a agregação plaquetária —nome técnico da formação de coágulos que leva a entupimentos nos vasos sanguíneos. Um outro estudo, conduzido por pesquisadores ingleses, verificou esse efeito em amostras sanguíneas de 14 participantes.

Os estudos nessa seara pesam a favor das cápsulas. Nesta segunda pesquisa, disponível também no Journal of Nutrition, o extrato de alho envelhecido foi novamente apontado como mais eficaz.

Câncer

Essa alegação é bem interessante. Estudos mostram que o alho pode diminuir o risco de câncer de estômago, câncer de pulmão, câncer de mama e até colo de útero. A hipótese aqui é a de que os compostos sulfurados como a alicina protejam o DNA de danos que levam à produção de células cancerígenas.

Só vale dizer que a maioria das pesquisas sobre o tema em humanos é observacional —ou seja, avaliam o consumo do alho e a incidência de câncer numa população e relacionam os dois números.

Estudos in vitro demonstram atividade dos compostos do alho em combater células cangerígenas, mas o Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos ressalta que, apesar de promissores, faltam estudos para compreender melhor questões como o mecanismo de ação, o tamanho da dose e as interações de outros nutrientes.

Ou seja, não dá para cravar que o alho previne câncer, mas pode ser benéfico dentro de uma dieta com frutas, legumes, verduras e grãos in natura. Além da alimentação equilibrada, fazer exercícios regularmente, não fumar e beber com moderação são atitudes que oficialmente diminuem o risco de tumores.

Não comprovados

Tosse e gripe

Alguns estudos até indicam que ele pode melhorar a resposta do sistema imune a infecções, mas o efeito mais conhecido mesmo é antimicrobiano. Uma revisão da Cochrane diz, aliás, que não há evidências de que o alho seja capaz de prevenir ou curar gripes e resfriados.

Ou seja, provavelmente o alívio que as pessoas sentem ao tomar um chá com alho para a tosse vem da sua ação discreta anti-inflamatória e contra micro-organismos que podem estar desencadeando uma irritação local na garganta.

Como consumir para aproveitar os benefícios

Imagem: iStock Embora os estudos mais bacanas envolvam o suplemento de alho (que facilita o controle da dosagem dos micronutrientes presentes), os especialistas ouvidos pela reportagem concordam que consumir um dente de alho por dia, cerca de 5 g, já é o suficiente para obter ao menos parte desses benefícios.

Para que a alicina fique disponível, é preciso amassar, triturar ou picar o alho, e o ideal é que ele seja consumido cru. Picar e acrescentar no fim dos preparos, em saladas ou cremes pode ajudar a disfarçar o sabor forte —uma dica é misturar no molho que você já adicionaria à salada. E é bom consumir junto com as refeições para que o estômago não fique ressentido.

O alho pode ser indigesto para algumas pessoas, e seu excesso pode levar a alterações no processo de coagulação, o que deve ser levado em conta por quem está em pré ou pós-operatório. Um limite considerado seguro da versão in natura, crua, é de 10 g, cerca de dois dentes, ou 4 a 6 g de alho em pó.

Com tudo isso dito, melhor confirmar com o profissional de saúde se suplementar alho é útil pra você antes de comprar as cápsulas por conta própria. E, por último, vale destacar que a transformação da alicina com o calor produz outros compostos sulfurosos com potencial ação no organismo. Assim, não precisa cortar o alho refogado das receitas tradicionais da sua casa.

Outros alimentos benéficos

A alicina permanece por 72 horas no organismo, daí a sensação de ficarmos “conversando” com o alho muito tempo depois de comê-lo. Portanto, se você não gosta de alho, pode tentar outros compostos da família são a cebola, alho-poró e cebolinha. Eles trazem vantagens semelhantes para o corpo.

Ah, e os compostos sulforados são encontrados ainda nos crucíferos como o brócolis e na couve-flor. Se o objetivo é manejar doenças crônicas, prevenir câncer, reduzir inflamações e melhorar a saúde cardiovascular, invista nesta categoria, no ômega 3 dos peixes, da chia, nas oleaginosas e em uma dieta rica em verduras, legumes e frutas.

Fontes: Francisco Tostes, endocrinologista fundador da Clínica Nutrindo Ideias; João Motarelli, nutricionista assessor científico do Departamento de Nutrição da SOCESP (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo); João Paulo Burian, nutricionista e mestre em alimentos e Nutrição pela UNESP (Universidade Estadual Paulista); Maria Fernanda Vischi D´Ottavio, nutricionista do Check-up do Hospital do Coração (HCor); Marina Andres, ginecologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo; e Vanderli Marchiori, presidente da Associação Paulista de Fitoterapia; Thais Manfrinato, nutricionista do A.C. Camargo Cancer Center.

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2020/02/20/de-gripe-a-colesterol-saiba-se-o-alho-ajuda-mesmo-nessas-6-doencas.htm

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: