7 opções de tratamento para hemorroida interna

Autor: Andreia Correia, Júlio Costa Santos

Última atualização: 2016/10/25

Palavras-chave: Hemorroidas; Doença hemorroidária; Hemorragia; Doença do ânus; Hemorroidectomia

Resumo

As hemorróidas são veias existentes no canal anal, e a doença hemorroidária corresponde à dilatação dessas veias, podendo estar associada a perda de sangue, exteriorização das hemorróidas, comichão e/ou dor.

A condição médica mais frequentemente associada à patologia hemorroidária é a obstipação (“prisão de ventre”), sendo a perda de sangue local a queixa mais comum. O tratamento da hemorróida depende do grau da doença, estando a cirurgia reservada para casos mais complexos.

Alterações no estilo de vida, como aumento da ingestão de fibras e de líquidos, são a base da prevenção e tratamento da doença e evitam ou retardam a sua progressão.

O que são hemorroidas?

As hemorróidas são estruturas fisiológicas constituídas por redes de veias que formam umas “almofadas” na zona terminal do reto e do ânus e que têm como função ajudar na continência anal.

No entanto, se estas veias são sujeitas a um esforço contínuo podem dilatar e inflamar, surgindo formações salientes e arredondadas junto do ânus.

A doença hemorroidária ocorre com igual frequência em ambos os géneros, sobretudo entre os 45-64 anos, sendo rara em crianças.

Causas

Não existe uma causa exata para o desenvolvimento de doença hemorroidária. Vários fatores estão implicados:

  • Vasculares (parede das veias mais finas)
  • Inflamatórios (inflamação crónica dos intestinos)
  • Mecânicos (condições médicas que aumentem a pressão abdominal, como a obstipação ou o excesso de peso, ou que aumentem do tónus do músculo responsável pela continência anal)
  • Degenerativos (perda de tonicidade dos tecidos que suportam as veias ano-retais, envelhecimento)
  • Hormonais (gravidez)
  • Ambientais (alimentação excessiva, álcool, picantes)

Tipos de hemorroidas

As hemorroidas podem ser classificadas, quanto à sua localização, em internas e externas.

  • As hemorroidas internas desenvolvem-se dentro do ânus e manifestam-se habitualmente por perda de sangue vermelho vivo, sem dor, que pinga na sanita ou suja o papel no final da evacuação. Dividem-se em 4 graus:
    • Grau I – Hemorragias retais, sem prolapso (exteriorização da hemorroida);
    • Grau II – Prolapso com o esforço, mas reversível de forma espontânea;
    • Grau III – Prolapso com o esforço, reversível com manipulação das hemorróidas;
    • Grau IV – Prolapso permanente, não reversível sem cirurgia.
  • As hemorroidas externas desenvolvem-se perto do ânus, podem causar dor quando há formação de um trombo e raramente sangram.
  • As hemorroidas mistas têm componente de internas e externas.

Sintomas

Os sintomas da doença hemorroidária dependem da localização:

  • Perda de sangue após as dejeções (papel higiénico com sangue vermelho vivo e fezes ou sanita raiada de sangue)
  • Prurido (“comichão”)
  • Edema (“inchaço”)
  • Dor ou desconforto anal
  • Tumefação na região anal (“saliência”).

Na presença de um destes sintomas, a avaliação pelo médico assistente é recomendável.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico de doença hemorroidária é muito simples com base nos sintomas e na observação direta da área rectal.Na presença de perda de sangue, outras causas devem ser descartadas, pelo que pode ser importante complementar a avaliação com um exame como a colonoscopia.

Quais as complicações?

As complicações mais comuns da doença hemorroidária são anemia (por perda crónica de sangue pelo ânus) e a trombose hemorroidária, que se carateriza por acumulação de sangue na hemorróida dilatada, com formação de um coágulo no interior, provocando dor.

Qual é o tratamento?

O tratamento da doença hemorroidária depende da localização da hemorroida, do grau e dos sintomas associados. A base do tratamento consiste na modificação de fatores de risco implicados (se presentes), como por exemplo a obstipação.

Muitas vezes, a utilização de cremes ou pomadas para alívio da dor e inflamação, contendo um anestésico ou um corticoide, pode ser suficiente. Alguns venotrópicos sob a forma de comprimidos diminuem a inflamação das hemorróidas, produzindo alívio temporário na crise hemorroidária.

Quando existem trombos hemorroidários, os banhos de assento com água tépida durante 15 minutos duas a três vezes por dia ajudam o coágulo a desaparecer. Se o problema permanecer com estas medidas poderá consultar o seu médico que o ajudará a otimizar o tratamento.

Nas tromboses das hemorroidas externas, poderá ser necessária uma pequena intervenção cirúrgica para drenar o trombo com alívio rápido das queixas.

Outras opções cirúrgicas estão reservadas para as situações mais graves de hemorroidas internas, ou quando os episódios são frequentes.

As técnicas instrumentais são procedimentos minimamente invasivos, bem tolerados, realizados em regime ambulatório e com recuperação rápida:

  • Laqueação elástica
  • Injeção de produtos esclerosantes
  • Crioterapia
  • Aplicação de laser ou infravermelhos.

A cirurgia, hemorroidectomia, consiste na remoção da hemorróida ou laqueação com elásticos ou agrafos.

Que cuidados deve ter?

  • Para combater a obstipação é essencial uma dieta rica em fibras (frutas, vegetais e cereais integrais).
  • Ingestão adequada de líquidos.
  • Praticar exercício físico regularmente.
  • Evitar estar sentado por longos períodos.
  • Evitar alimentos e/ou bebidas irritativas (como especiarias, ácidos, picantes ou álcool).
  • Ir à casa de banho logo que surja essa necessidade, evitando conter ou fazer esforço na dejeção.
  • Preferir o papel higiénico humedecido ou toalhitas para a higiene da região anal, bem como um sabão neutro, evitando esfregar o ânus para não irritar.

Conclusão

A doença hemorroidária não é uma doença grave mas tem impacto na qualidade de vida. Modificações no estilo de vida, como uma dieta rica em fibras, beber água e manter uma atividade física regular, são fundamentais na prevenção e tratamento.

Referências recomendadas

{{| border=”0″|-

! style=”background: #efefef;” | ! style=”background: #efefef;” | Tem alguma dúvida? Fale connosco

! style=”background: #efefef;” |! style=”background: #efefef;” |! style=”background: #efefef;” |! style=”background: #efefef;” |! style=”background: #efefef;”||}

Andreia Correia • Júlio Costa Santos

Источник: http://www.metis.med.up.pt/index.php/Hemorroidas

Hemorroidas internas: o que são, principais sintomas e graus

7 opções de tratamento para hemorroida interna

As hemorroidas internas correspondem às veias dilatadas dentro do reto e que não são observadas no ânus, sendo diagnósticas muitas vezes quando se observa a presença de sangue vermelho vivo nas fezes ou no papel higiênico ao defecar, coceira e desconforto no ânus, o que dificulta a ida ao banheiro.

As hemorroidas internas podem ser classificadas em graus de acordo com os sintomas apresentados, o que interfere também no tratamento recomendado pelo proctologista.

Independente do grau da hemorroida interna, é importante mudar os hábitos alimentares, dando preferência ao alimentos ricos em fibras, pois assim é possível aliviar os sintomas e diminuir a dor e o desconforto no momento de evacuar.

Apesar da hemorroida interna não ser visível, os sinais e sintomas que surgem são característicos, havendo principalmente a presença de sangue vermelho vivo nas fezes. Além disso, outros sinais e sintomas que podem ser indicativos de hemorroida interna são:

  • Coceira no ânus;
  • Saída de muco pelo ânus;
  • Dificuldade e dor para defecar;
  • Desconforto anal;
  • Tenesmo anal, que corresponde à intensa vontade evacuar mesmo que não exista mais nenhum conteúdo fecal para ser eliminado;
  • Sensação de esvaziamento incompleto do reto após a evacuação.

Além disso, é possível perceber também o aparecimento de um pequeno nódulo no ânus durante a evacuação e que pode ou não voltar naturalmente para o local inicial, sendo esse nódulo correspondente às veias dilatadas que saem pelo ânus, caracterizando a hemorroida interna de graus 2, 3 ou 4, dependendo das características.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da hemorroida interna deve ser feito pelo gastroenterologista ou pelo proctologista por meio do exame proctológico, em que o médico irá avaliar a região anal com o objetivo de identificar qualquer alteração que seja indicativo de hemorroida interna. Para realizar o exame, o médico indica a posição que a pessoa deve ficar e em seguida faz a análise do ânus, sendo indicado para a pessoa fazer esforço como se estivesse defecando, pois assim é possível verificar a presença de hemorroidas ou de fissuras anais.

Além do exame proctológico, o médico avalia também os sintomas apresentados e o histórico da pessoa, principalmente com relação aos hábitos alimentares e da prática de atividade física, isso porque a alimentação pouco saudável e o sedentarismo favorecem o aparecimento das hemorroidas.

Graus das hemorroidas internas

De acordo com os sintomas apresentados, a hemorroida interna pode ser classificada em 4 graus, o que influencia no tratamento recomendado pelo médico:

  • Hemorroida interna de grau 1: é verificado apenas sangramento e as veias não saem para fora do ânus;
  • Hemorroida interna de grau 2: as veias saem para fora do ânus durante a evacuação, mas voltam à posição original naturalmente, além de também haver sangramento;
  • Hemorroida interna de grau 3: há também sangramento e as veias só voltam à posição normal quando são cuidadosamente empurradas;
  • Hemorroida interna de grau 4: há sangramento intenso e o prolapso é irredutível, ou seja, não voltam para a posição original nem quando empurradas.

De acordo com os sintomas apresentados e com as características verificadas pelo gastroenterologista ou proctologista, pode ser indicado o grau da hemorroida e iniciado o tratamento logo em seguida.

É importante ir ao médico quando for observado qualquer sinal ou sintoma indicativo de hemorroida interna, pois assim é possível que o médico inicie o processo diagnóstico.

Inicialmente, o diagnóstico acontece por meio da avaliação dos sintomas apresentados e dos hábitos de evacuação e alimentares da pessoa, história de uso de laxantes e história de cirurgias e de doenças gastrointestinais.

Em seguida, deve ser realizado o diagnóstico proctológico, que consiste na observação do ânus com o objetivo de identificar qualquer alteração.

Principais causas

O aparecimento das hemorroidas internas está muitas vezes relacionados com os hábitos da pessoa, como alimentação pobre em fibras, uso frequente de laxantes, hábito de ficar muito tempo sentado no vaso sanitário, tabagismo e sedentarismo.

Além disso, a alimentação inadequada faz com que o trânsito intestinal seja prejudicado, além de deixar as fezes mais ressecadas, o que faz que seja necessário a pessoa realizar excesso de força para evacuar, levando à formação das hemorroidas.

A hemorroida interna também pode estar relacionada com infecções locais, ser consequência de diarreia crônica ou acontecer durante a gravidez, o que é muito comum devido ao aumento do peso corporal e da pressão exercida na região pélvica pelo bebê. Entenda por que surgem hemorroidas na gravidez e como é o tratamento.

Como deve ser o tratamento

O tratamento para hemorroida interna deve ser orientado pelo proctologista de acordo com o grau da hemorroida, podendo ser recomendado mudança nos hábitos alimentares, dando preferência ao alimentos ricos em fibras, consumo de bastante líquidos durante o dia, banho de assento, uso de analgésicos e anti-inflamatórios, como Naproxeno, ou o uso de pomadas para hemorroida, como Proctyl ou Ultraproct. Outras opções de tratamento que podem ser recomendadas pelo médico de acordo com o grau da hemorroida são escleroterapia, fotocoagulação, crioterapia e uso de ligaduras elásticas. Entenda como é feito o tratamento para hemorroida interna.

Já nos casos mais graves, em que a hemorroida fica presa no ânus, existe risco de formação de coágulos que podem provocar trombose hemorroidária e, por isso, o médico pode aconselhar a cirurgia para reparação das veias dilatadas.

A mudança nos hábitos alimentares é importante em todos os tipos de hemorroida, pois ao consumir maior quantidade de fibras, acontece melhora do trânsito intestinal e as fezes ficam mais macias, sendo mais fáceis de serem eliminadas e não havendo força para defecar. Confira o vídeo a seguir para saber o que comer para aliviar os sintomas e evitar novas crises de hemorroidas:

Источник: https://www.tuasaude.com/hemorroidas-internas/

Como tratar Hemorróida

7 opções de tratamento para hemorroida interna

Frequentemente, quem sofre desta doença trata os seus sintomas sem aconselhamento médico, recorrendo à consulta médica apenas quando os sintomas se agravam4. A nível de sintomas, tanto as hemorróidas internas como as externas podem causar corrimento anal e prurido devido à dificuldade em realizar uma boa higiene4.

A abordagem terapêutica depende da gravidade dos sintomas. Nos graus I/II são recomendadas medidas como a alteração dos hábitos higiénico-dietéticos e do estilo de vida para combater a obstipação e diminuir os sintomas locais1 a 3.

Recomenda-se, igualmente, aumentar a ingestão de fibras na dieta e líquidos orais, reduzir o consumo de gorduras, realizar exercício regular, melhorar a higiene anal e realizar banhos de assento, evitar o esforço na defecação e permanecer muito tempo na sanita e, por fim, evitar tomar medicamentos que causem obstipação ou diarreia.2, 5, 6

Considera-se que os tratamentos farmacológicos são a medida mais adequada para os doentes dos graus I/II, que representam cerca de 90% dos casos1.

O tratamento médico deve ser iniciado com a terapêutica apropriada para amolecer as fezes, juntamente com terapêutica local para aliviar a inflamação e os sintomas4 que se baseia, essencialmente, em preparações tópicas que contêm anti-inflamatórios, incluindo esteróides, anestésicos, produtos adstringentes e anti-sépticos, isolados ou em associação.3 a 7

Existem inúmeras preparações tópicas sob a forma de pomadas, cremes e enemas para o tratamento sintomático das hemorróidas1. No entanto, os cremes que contêm esteróides não devem ser utilizados por períodos prolongados, devido aos seus efeitos atróficos, podendo causar ulceração da região perianal.4, 5

Vários estudos clínicos demonstraram a eficácia dos tratamentos tópicos na redução dos sintomas hemorroidais.

Por essa razão, o tratamento tópico é recomendado como primeira linha em diferentes doenças anais e perianais, incluindo as hemorróidas, sendo recomendada a sua utilização em orientações internacionais7.

Na presença de hemorróidas graves, em que o tratamento médico e instrumental não tenha alcançado os resultados, será necessário o recurso ao tratamento cirúrgico.4, 7

Os medicamentos anti-inflamatórios e pomadas para hemorróidas são úteis no tratamento para aliviar a dor e o desconforto, reduzindo as hemorroidas rapidamente. Cremes como o Procto-Glyvenol® ajudam a diminuir a inflamação e a aliviar a dor em alguns minutos.

Aconselhe-se com o seu médico ou farmacêutico sobre qual o tratamento mais indicado para o seu caso.

Quando as hemorróidas são muito grandes ou surgem com frequência, o proctologista pode indicar um tratamento médico. Estão disponíveis vários tratamentos médicos para hemorróidas: cirúrgicos e não-cirúrgicos.

Tratamentos cirúrgicos

Só deve recorrer à cirurgia apenas em casos muito graves. Esta situação ocorre em 10 a 15% dos casos quando não se obtêm resultados dos tratamentos não-cirúrgicos em lesões no ânus, na presença de hemorragia, de prolapsos ou quando ocorrem tromboses de repetição.

Hemorroidectomia

  • Indicada particularmente nas hemorróidas de grau 4.

    Neste procedimento removem-se os pedículos hemorroidários, deixando três feridas operatórias que cicatrizam espontaneamente de 6 a 8 semanas depois da cirurgia.

    É uma técnica aberta, ao contrário da Hemorroidectomia de Ferguson em que se procede ao encerramento da ferida no fim da cirurgia.

Hemorroidopexia mecânica ou PPH (Procedimento de Prolapso das Hemorróidas)

  • É geralmente conhecida como técnica de Longo e é indicada nos casos de hemorróidas grau 3 em que o objectivo é reduzir o prolapso da mucosa rectal.

    Esta técnica consiste em utilizar uma máquina circular com agrafos pequenos que coloca a sutura em círculo nas camadas mucosa e submucosa, deixando seco o excesso de tecido hemorroidário interno.

Técnica por THD

  • Utilizada geralmente nas hemorróidas de grau 2, 3 e 4.

    Mais conhecida por desarterialização hemorroidária transanal, é uma técnica feita sem cortes, ocorrendo a sutura dos vasos sanguíneos que fornecem sangue à hemorróida.

    A técnica de Longo ou PPH e a técnica por THD são praticamente indolores, no entanto podem causar algum desconforto dentro do reto. A recuperação pós-operatória é rápida, pelo que os doentes regressam às suas rotinas e trabalho normalmente.

Tratamentos não-cirúrgicos

A esclerose hemorroidária e a laqueação elástica são dois tratamentos que procuram secar e eliminar as hemorróidas internas respectivamente sem o recurso à cirurgia.

Esclerose hemorroidária

  • Consiste na injecção de uma substância (agente esclerosante) na submucosa que recobre os plexos hemorroidários internos, reduzindo o seu tamanho. São necessárias várias sessões de tratamento, pois a sua eficácia pode levar semanas.

Laqueação elástica

  • Consiste na aspiração dos plexos hemorroidários internos por um aparelho de laqueação.

    De seguida introduz-se um anel elástico na base da hemorróida de modo a produzir estrangulamento com formação de uma úlcera cuja cicatrização permite a fixação de mucosa aos planos profundos.

    4 a 5 dias após o tratamento a hemorróida cai, sendo eliminada pelo ânus. São necessárias várias sessões de tratamento para que seja eficaz.

Adaptado de www.naturalthrone.com, acedido a 11 de Janeiro de 2018

Источник: https://www.jaba-recordati.pt/procto-glyvenol/como-tratar-hemorroida

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: