7 principais tipos de acne e o que fazer

10 principais causas de espinhas e como tratar

7 principais tipos de acne e o que fazer

A acne é uma doença que provoca a obstrução das glândulas de gordura da pele, formando inflamações e erupções, que são as espinhas. Ela é causada pela junção de vários fatores, que envolvem excesso de produção de oleosidade pela pele, acúmulo de bactérias, tendência à inflamação, desregulação hormonal e tendência ao acúmulo de células e tecidos mortos.

Para evitar o surgimento de espinhas é importante manter a pele limpa, utilizar produtos que retiram o excesso de oleosidade e células mortas, além de ter uma alimentação saudável, que diminua a inflamação da pele, à base de cereais integrais e alimentos ricos em ômega-3, como o salmão e a sardinha.

As alterações na pele que facilitam o aparecimento de espinhas são desencadeadas por fatores como:

1. Adolescência

No período da adolescência, principalmente entre os 12 e 18 anos de idade, é mais comum haver a formação de espinhas, pois neste período há o aumento da produção de hormônios androgênicos pelo organismo, como a testosterona, que estimulam a produção de oleosidade. 

Entretanto, as espinhas podem surgir em qualquer idade, não sendo incomum surgir em mulheres após os 30 anos, chamada de acne tardia, que pode ser causada por alterações na quantidade de sebo ou queratina produzidos na pele ou por um maior acúmulo de bactérias, por exemplo. 

Como tratar: é necessário consultar-se com o dermatologista para avaliação do tipo de pele e prescrição de medicamentos como loções ou cremes que poderão melhorar a saúde da pele e diminuir a produção de espinhas.

2. Limpeza incorreta da pele

A pele que não é bem higienizada pode ficar com acúmulo de oleosidade, o que obstrui os poros e facilita a formação de cravos e o desenvolvimento de espinhas.

Como tratar: o rosto deve ser lavado pelo menos 2 vezes ao dia, ao levantar e principalmente ao dormir, para remover o excesso de sujeira na pele ao longo do dia. A pele muito oleosa pode ser lavada até 3 a 4 vezes ao dia. De preferência, devem ser usados produtos específicos para o tipo de pele, orientados após avaliação do dermatologista. 

3. Não retirar a maquiagem

A maquiagem deve ser retirada assim que possível, pois o acúmulo na pele também causa obstrução dos poros e facilita a formação de cravos e espinhas, principalmente os produtos de baixa qualidade que são produzidos à base de óleos. 

Como tratar: para quem tem tendência à acne é recomendado usar maquiagens específicas para peles oleosas, à base de água, entretanto o ideal mesmo é tentar deixar a pele o mais natural possível, além, de sempre retirar toda a maquiagem com demaquilante ao chegar em casa.

4. Usar produtos muito gordurosos

O uso de protetor solar ou cremes hidratantes muito oleosos ou gordurosos, não ideais para cada tipo de pele, aumentam a formação de cravos e espinhas.

Como tratar:  deve-se sempre tentar escolher produtos específicos para o tipo de pele, e que são chamados de “não-comedogênicos”, pois são os que causam menor tendência à obstrução dos poros da pele.

Consumir alimentos inflamatórios para a pele, como leite, doces, carboidratos e frituras, podem aumentar as chances de acne, já que alteram a produção hormonal e estimulam a inflamação da pele e o surgimento de cravos e espinhas.

Como tratar: evitar alimentação rica em carboidratos, gorduras e preferir focar em uma dieta rica em frutas, legumes, verduras, ômega-3 e água, pois têm efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios.

6. Ter uma doença hormonal

A síndrome dos ovários policísticos é uma doença que aumenta a produção de androgênios, que são hormônios masculinos que atuam aumentando a produção de oleosidade pela pele e deixando-a mais tendenciosa à produção de acne. 

Como tratar: o tratamento para esta síndrome pode ser feito com o uso de anticoncepcionais ou outros capazes de regular os hormônios. Saiba mais sobre como identificar e tratar a síndrome dos ovários policísticos.

7. Reação a medicamentos

Certos medicamentos podem causar como efeito colateral reações de inflamação da pele, com formação de acne, e um exemplo comum é o uso do corticóide e anti-inflamatórios. 

Como tratar: quando possível, conversar com o médico sobre a possibilidade de mudança do medicamento, entretanto, é possível adotar medidas para redução da acne durante o uso do medicamento, como usar loções de limpeza ou cremes que diminuem a formação de acne, como ácido retinóico, por exemplo.

Se expor ao sol excessivamente pode formar espinhas, pois a radiação UV pode acelerar a inflamação e produção de oleosidade da pele, o que facilita a produção de acne.

Como tratar: evitar se expor demais ao sol, preferindo horários de menor incidência de radiação UV, como antes das 10h ou após às 16h. Além de sempre proteger-se com protetor solar adequado.

9. Predisposição genética

Ter uma genética propícia é um dos principais fatores para a formação de acne, principalmente naqueles que têm espinhas em excesso ou muito grandes, pois estas pessoas têm uma maior tendência à ter reações imunes e formar lesões inflamatórias na pele.

Como tratar: o tratamento é feito com produtos tópicos, prescritos pelo dermatologista, e nos casos mais graves,como na acne de grau II ou IV, por exemplo, pode ser necessário o uso de medicamentos em comprimidos, como antibióticos ou isotretinoína, por exemplo.

10. Gravidez

Estar grávida pode causar a produção de espinhas, o que acontece somente em algumas mulheres, devido ao aumento da progesterona, que aumenta a oleosidade.

Como tratar: é orientado optar por lavar a pele com sabão neutro ou suave 2 vezes por dia e aplicar uma loção tônica sempre após lavar e secar o rosto. Deve-se evitar tratamentos em comprimido, ácidos ou procedimentos estéticos neste período. Saiba mais o que fazer em caso de espinhas na gravidez.

A espinha pode ser tanto do tipo externa quanto interna, e esta acontece porque a obstrução da glândula sebácea não encontrou uma saída para fora da pele, ficando retido dentro de um cisto, o que pode ser muito doloroso, entretanto, o tratamento é o mesmo. Entenda melhor os diferentes tipos de acne e o que fazer. 

Normalmente, a acne não causa riscos à saúde, exceto se tiver uma inflamação excessiva e desenvolver uma infecção grave. Entretanto, se o excesso de espinhas não for tratado, pode provocar cicatrizes e manchas no rosto e no corpo que podem afetar negativamente o emocional da pessoa, sendo risco, até, para a depressão. 

Como evitar espinhas

Para evitar o surgimento de espinhas, deve-se ter alguns cuidados, como:

  • Evitar doces e frituras, além de bebidas alcoólicas e as gaseificadas, pois dificultam a digestão e danificam a pele;
  • Ter uma alimentação rica em omega 3, zinco e antioxidantes, como salmão, sementes de girassol, frutas e legumes porque são ricos em substâncias importantes para ajudar a reduzir a inflamação da pele;
  • Limpar a pele com produtos cosméticos próprios para a pele oleosa duas vezes ao dia, de manhã e à noite, sendo que os sabonetes com ácido acetil salicílico são uma boa opção;
  • Passar um protetor solar oil free para o rosto antes de passar a maquiagem, mesmo que esta já tenha algum fator de proteção, para proteger a pele contra os efeitos nocivos do sol;
  • Fazer uma esfoliação leve uma vez por semana para retirar as células mortas.

Confira mais dicas da nutricionista para uma alimentação que evita este problema:

Como é feito o tratamento

Quando não se pode evitar a acne, o tratamento deve ser feito, preferencialmente, com o uso de produtos tópicos, como loções de limpeza da pele ou cremes que impedem a formação de lesões, como ácido retinóico, ácido salicílico, adapaleno ou peróxido de benzoíla, por exemplo, prescritos pelo Dermatologista, e podem ser comprados ou preparados em farmácias de manipulação.

Outras opções, mais utilizadas na acne resistente ou mais grave, são o uso de antibióticos, como Tetraciclina ou Eritromicina, ou, em último caso, o uso da Isotretinoína, conhecido como Roacutan, por terem um efeito mais potente no controle da formação de espinhas. É importante que estes remédios só sejam utilizados sob orientação do Dermatologista, devido ao risco de efeitos colaterais. 

Para evitar o uso de medicamentos, também existem técnicas radiofrequência, fototerapia com luzes especiais, laser e luz pulsada que são muito úteis para diminuir e desinflamar a região da acne. Saiba mais detalhes sobre as opções de tratamento para espinhas.

Источник: https://www.tuasaude.com/o-que-causa-espinhas/

Tratamentos e causas para a pele com acne

7 principais tipos de acne e o que fazer
Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

A acne é um incômodo tão comum quanto tratável Foto: Dulla / Ilustração: Mayla Tanferri/SAÚDE é Vital

As espinhas são fruto de uma inflamação na pele e geralmente se concentram no rosto, no peito, nos ombros ou nas costas. Embora possa aparecer em qualquer idade, a acne é mais comum durante a adolescência, quando o aumento dos níveis hormonais estimula o trabalho das glândulas sebáceas.

Normalmente, essas glândulas fabricam uma espécie de gordura essencial à proteção da pele.

Essa secreção oleosa, juntamente com células mortas, atravessa os folículos pilosos (orifícios de onde saem os pelos) e acaba eliminada.

Mas, se a produção é excessiva, parte desse sebo fica retida, entupindo os poros. Quando isso acontece, o acúmulo oleoso atrai para o local bactérias, sobretudo a Proprionibacterium acnes.

Esse micro-organismo libera substâncias tóxicas que irritam a pele. Para barrá-lo, células de defesa são recrutadas e desencadeiam uma reação inflamatória. O resultado é visto no espelho: formam-se cravos, que podem aumentar de volume e ganhar coloração avermelhada — casos mais graves chegam virar abcessos com pus.

Sinais e sintomas

– Coceira e irritação na região afetada– Pontos pretos (cravos marcam o estágio inicial ou o tipo mais ameno da acne)– Espinhas (pontos brancos, arredondados, com uma área avermelhada em volta)– Pústulas (num estágio mais avançado da doença, aparecem protuberâncias com pus)

– Abcessos (complicação mais grave das espinhas e pústulas)

Fatores de risco

– Puberdade (por causa do aumento dos níveis de hormônios sexuais)– Período menstrual (também devido à variação hormonal)– Pele oleosa– Síndrome dos ovários policísticos

– Distúrbios de tireoide

– Estresse crônico– Medicamentos como os corticoides– Exposição exagerada ao sol– Transpiração em excesso– Uso de cremes faciais inadequados

– Predisposição genética

A prevenção

Como a acne está ligada ao excesso de produção de gordura na pele e à ação de bactérias, algumas medidas que contenham esse complô de fatores ajudam a prevenir o problema. Saber dosar o tempo de exposição ao sol é uma delas.

Os raios ultravioleta até têm um efeito antibacteriano, então ficar um tempinho a céu aberto ajuda a secar as espinhas. Mas o exagero, por sua vez, estimula a oleosidade, atraindo micróbios.

Por isso, indica-se cautela nos banhos de sol, e nada de usar protetores solares oleosos.

Continua após a publicidade

Manter a pele limpa, mandando embora o acúmulo de poluição e resíduos de cremes, evita a obstrução dos poros. O ideal é fazer a higienização com um sabonete facial pelo menos de manhã e à noite.

Mas atenção: lavar demais pode provocar o chamado efeito rebote.

O organismo entende que algum fator externo está acabando com a gordura protetora e por isso estimula uma superprodução de sebo, piorando cravos e espinhas.

As mulheres devem ficar atentas à maquiagem. Alguns cosméticos sobrecarregam a pele e contribuem para o aparecimento da acne. Vale optar pelos produtos oil free, livres de gordura. E remover tudo antes de dormir.

Alimentação equilibrada também entra nessa história. Embora não haja estudos comprovando que certos alimentos sejam responsáveis pelo aparecimento desses pontos indesejados na pele, observa-se que, em algumas pessoas, comidas muito calóricas e gordurosas se refletem em um aumento de oleosidade na pele.

O diagnóstico

Na consulta, o dermatologista avalia o estado geral da pele e faz o histórico do paciente, a fim de detectar o risco de outras doenças serem responsáveis pela presença de cravos e espinhas — como ovários policísticos e disfunções na tireoide, que quebram o balanço hormonal. É preciso, portanto, descartar possibilidades assim antes de orientar o tratamento.

O tratamento

Nas formas mais amenas da acne, em geral é suficiente lavar a área com sabonete suave, uma ou duas vezes por dia. Em seguida, usam-se cremes ou loções receitados pelo dermatologista, com substâncias como ácido retinoico, que ajudam a desobstruir os poros. Se o médico avaliar que é necessário, indicará também um antibiótico oral para conter a ação das bactérias.

Nos casos mais graves, com a presença de pus e inflamação e quando as alternativas anteriores falharam, é possível recorrer ao uso da isotretinoína, medicação que inibe a produção das glândulas sebáceas. Mas esse recurso, diga-se, provoca efeitos colaterais como ressecamento dos lábios e da pele em geral, dores musculares e até alteração no fígado.

Exige, portanto, acompanhamento médico. Sem contar que, durante o tratamento, ficam proibidos sol, bebidas alcoólicas e – mais importante ainda – gravidez, porque o remédio provoca malformação fetal. Para eliminar marcas na pele causadas pela acne, os dermatologistas podem empregar métodos como peeling, microdermoabrasão e laser.

Continua após a publicidade

Источник: https://saude.abril.com.br/medicina/tratamentos-pele-com-acne/

Cicatrizes de acne: como se formam, quais os tipos de marcas e manchas e como tratar cada uma

7 principais tipos de acne e o que fazer

Tão ruins quanto as espinhas, só mesmo as cicatrizes que essas lesões deixam na pele. A acne já é um grande incômodo quando surge na adolescência, mas o problema se torna ainda mais preocupante quando ela se estende até a vida adulta.

Independentemente do seu grau, a questão é que a acne, além de afetar a nossa imagem e a nossa auto-estima, ainda pode deixar marcas – das superficiais até as mais profundas – se não tiver o devido cuidado. A boa notícia é que para cada cicatriz existe um tratamento mais apropriado.

Quer saber como dar um fim nesses incômodos? Tudo isso e muito mais o DermaClub explica para você com ajuda da dermatologista Carolina Zaparoli, de São Paulo.

1. O que são cicatrizes de acne e como elas são formadas?

As cicatrizes de acne não surgem à toa. De acordo com a dermatologista a maior causa desse problema está diretamente relacionada com a manipulação das espinhas. Esse gesto, Ao contrário do que se pensa, não dá um fim à lesão, mas acaba piorando o caso, causando a piora do quadro inflamatório e evitando que a ferida se regenere corretamente.

Além disso, outro motivo que pode causar essas marcas no rosto é o grau de severidade da lesão de acne. Se o paciente tiver entre os graus 3 e 5, ele tem grandes chances de ficar com alguma cicatriz devido à gravidade do problema.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

2. Quais são as características de uma cicatriz de acne?

As cicatrizes de acne Podem ter diferentes aspectos, mas são sempre aquelas marquinhas indesejadas na pele que se formam após termos tido as lesões da acne.

Por outro lado a médica explica que essas marcas podem se apresentar de várias formas, muitas vezes bem profundas e com manchas.

Com isso, ela ressalta: “O tratamento varia muito em um mesmo paciente e, dependendo dos tipos, é possível fazer um planejamento para que o resultado do tratamento tenha sucesso!”

3. Graus de acne que podem causar cicatriz

Segundo a médica, quadros mais leves de acne ou quando são tratadas adequadamente possuem um risco menor de ficar com sequelas. Já aquelas com grau 3 a 5 podem deixar cicatrizes na pele. Entenda melhor:

Grau 3: cravos, pápulas e pústulas (lesões com pus);
Grau 4: além das características acima, possui cistos e nódulos (lesões maiores e com grande saída de secreção);
Grau 5: todas as características citadas + grande processo inflamatório na pele, com possibilidade de febre e mal estar.

4. Causas de uma cicatriz de acne

– Manipular as lesões;- Acnes do grau 3 até o 5;- Não seguir o tratamento recomendado pelo dermatologista;

– Exposição solar excessiva sem o uso do protetor.

5. Conheça os tipos de cicatrizes de acne

Atróficas: são aquelas com formato de buraquinhos na pele.

Hipertróficas: parecem estar inchadas e sobressaem na pele.

6. É possível corrigir totalmente essas lesões?

Vai depender muito do caso. Mas a profissional garante que a maioria dos pacientes, mesmo aqueles com cicatrizes mais graves, consegue responder bem aos tratamentos. É importante que todos os procedimentos sejam indicados por um dermatologista de acordo com o tipo de lesão.

7.1. Cicatrizes atróficas

De acordo com a especialista, as marcas atróficas mais superficiais e acabam respondendo melhor aos tratamentos que têm a função de renovar a pele, como:

– Peelings médios (químicos ou com aparelhos – laser, luz intensa, radiofrequência);
– Microagulhamento sozinho ou associado a estimuladores de colágeno;

Já as de profundidade média podem melhorar com técnicas combinadas:

– Subcisão (levantamento da pele com agulha);- Peeling médio com abrasão mecânica ou com aparelhos de laser;- Radiofrequência (com ou sem associação de princípios físicos entre os aparelhos);

– Técnica de CROSS (colocação de ácido super forte para renovar a pele, que causa inflamação e estimula a formação de colágeno para levantar a cicatriz) e complementação com preenchedores.

7.2. Cicatrizes hipertróficas

A Drª Carolina explica que as cicatrizes hipertróficas são aquelas que podem se apresentar muito ou pouco elevadas. “Quando muito elevadas, geralmente retiramos cirurgicamente o excesso e depois continuamos com outros métodos”.

Em algumas cicatrizes, é necessário entrar com outros tratamentos: “Como a infiltração de corticóide, congelamento com nitrogênio líquido, reorganização do colágeno através de microagulhamento ou aparelhos de laser tentando ‘nivelar’ a cicatriz para depois então tentar melhorar”.

De qualquer forma, o melhor tratamento para as cicatrizes é detectar precocemente se a acne está começando a evoluir para deixar essas marcas, mesmo que muito superficiais, e tratá-las de forma objetiva e efetiva!

8. Dermocosméticos que ajudam a atenuar as cicatrizes de acne

– Géis ou cremes esfoliantes;- Máscaras faciais com efeito peeling;- Dermocosméticos contendo ácidos como: ácido glicólico, ácido salicílico, ácido dióico, LHA, sozinhos ou associados para uma ação potencializada;- Fórmulas clareadoras contendo ácido tranexâmico, ácido glicólico, ácido kójico e ácido fítico, quando houver cicatrizes escurecidas;

– Dermocosméticos contendo Vitamina C.

9. Como prevenir as marcas de acne?

A melhor forma de prevenir as cicatrizes de espinhas é controlando a própria acne. “A presença das lesões de acne significa que sua pele está inflamada e a inflamação reduz a eficácia do tratamento das cicatrizes e espinhas. Além disso, se houver infecção local, a bactéria pode contaminar e infectar a área a ser tratada resultando em quadros muito graves”, atenta.

Para evitar que algo mais grave aconteça, é importante se consultar com um dermatologista para procurar o tratamento apropriado para o seu tipo de acne.

10. Cuidados que podem ajudar nessa prevenção:

– Remover a maquiagem com solução micelar;- Lavar o rosto duas vezes ao dia com sabonete específico para a pele acneica;- Usar um tônico adstringente para limpeza profunda dos poros;- Usar um produto antiacne recomendado pelo dermatologista;- Aplicar diariamente filtro solar com toque seco e função antiacne ou antioleosidade;- Borrifar ao longo do dia um spray antioleosidade para controlar a produção de sebo;

– Visitar o seu dermatologista regularmente para controlar o problema.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

**Essa matéria foi atualizada no dia 22 de Julho por Lívia D'Ambrosio

Publicada em: 05 de Abril de 2019
Modificada em: 22 de Julho de 2019

CRM: 111.618

Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia/SBD, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e AMB, formada pela Universidade Metropolitana de Santos , realizou residência em dermatologia no Hospital Guilherme Álvaro em Santos. Atua na área de Dermatologia clínica, estética, cirúrgica e laser. Participa de todos os principais congressos para estar sempre atualizada nos melhores tratamentos para seus pacientes.

Encontre aqui o seu dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia mas perto de você!

  • #Acne e espinha
  • #Tratamento de pele
  • #Reparação

continuar lendo

Источник: https://www.dermaclub.com.br/blog/noticia/cicatrizes-de-acne-como-se-formam-quais-os-tipos-de-marcas-e-manchas-e-como-tratar-cada-uma_a8933/1

Os sete principais alimentos que causam espinhas

7 principais tipos de acne e o que fazer
Imagem editada e redimensionada de Brian Suman, está disponível no Unsplash

Conhecer os alimentos que causam espinhas é um passo importante para iniciar o cuidado com a pele de maneira efetiva.

As espinhas e os alimentos

As espinhas, também chamadas de acne, são uma condição de pele comum e que afeta quase 10% da população mundial (confira aqui estudo a respeito: 1).

Os fatores que contribuem para o aparecimento desse quadro costumam ser produção de sebo e queratina, bactérias, hormônios, poros bloqueados e inflamação (confira aqui estudo a respeito:2). A ligação entre o consumo de determinados alimentos e o aparecimento de espinhas é controversa.

Entretanto, estudos mostraram que existem alguns alimentos que causam espinhas. Se você apresenta esse quadro, confira uma lista dos sete principais alimentos que causam espinhas e elimine-os (ou reduza) do seu cardápio:

1. Grãos refinados e açúcares

Pessoas que têm espinhas tendem a consumir carboidratos mais refinados do que pessoas com pouca ou nenhuma acne (confira aqui estudo a respeito: 4, 5). Esses alimentos ricos em carboidratos refinados incluem:

  • Pão, bolachas, cereais ou sobremesas feitos com farinha branca;
  • Macarrão feito com farinha branca;
  • Arroz branco e macarrão de arroz;
  • Refrigerantes e outras bebidas açucaradas;
  • Adoçantes como açúcar de cana, xarope de bordo, mel ou agave.

Um estudo constatou que as pessoas que consumem açúcar branco com frequência têm um risco 30% maior de desenvolverem espinhas, e aquelas que consomem doces e bolos com menos frequência apresentam um risco 20% maior. Esse risco pode ser explicado pelos efeitos que os carboidratos refinados têm sobre os níveis de açúcar no sangue e de insulina.

Os carboidratos refinados são absorvidos rapidamente na corrente sanguínea, o que aumenta os níveis de açúcar no sangue de forma muito rápida. Quando os açúcares no sangue aumentam, os níveis de insulina também sobem para ajudar a transportar esses açúcares para fora da corrente sanguínea e rumo às células. No entanto, altos níveis de insulina não são bons para quem tem espinhas.

  • O que é índice glicêmico?
  • Carboidratos: vilões ou mocinhos?

A insulina torna os hormônios andrógenos mais ativos e aumenta o fator de crescimento semelhante à insulina 1 (IGF-1). Isso contribui para o desenvolvimento das espinhas, fazendo as células da pele crescerem mais rapidamente e aumentando a produção de sebo (confira aqui estudos a respeito: 7, 8, 9).

  • Como substituir o pão comum com sete dicas incríveis

Por outro lado, dietas com baixo índice glicêmico, que não aumentam drasticamente os níveis de açúcar no sangue ou de insulina, estão associadas à redução da gravidade das espinhas (confira aqui estudos a respeito: 10, 11, 12).

2. Laticínios

Estudos descobriram uma ligação entre alimentos lácteos e gravidade das espinhas em adolescentes (confira aqui estudos a respeito: 13, 14, 15, 16). Além desses, outros dois estudos descobriram que adultos jovens que consumiam regularmente leite ou sorvete tinham quatro vezes mais chances de apresentar espinhas (confira aqui estudos a respeito: 17, 18).

Sabe-se que o leite aumenta os níveis de insulina, independente de seus efeitos no açúcar no sangue, o que pode piorar a gravidade da acne (confira aqui estudos a respeito: 19, 20, 21). O leite de vaca também contém aminoácidos que estimulam o fígado a produzir mais IGF-1, que tem sido associado ao desenvolvimento da acne (confira aqui estudos a respeito: 22, 23, 24).

Embora haja especulações sobre por que o consumo de leite pode piorar as espinhas, não está claro se os laticínios têm um papel direto. Mais pesquisas são necessárias para determinar se existe uma quantidade ou tipo específico de laticínios que podem causar espinhas.

  • Como substituir o leite com nove dicas

3. Fast Food

A acne está fortemente associada à ingestão de uma dieta ao estilo ocidental, rica em calorias, gordura e carboidratos refinados (confira aqui estudos a respeito: 25, 26). Alimentos fast-food, como hambúrgueres, cachorros-quentes, batatas fritas e refrigerantes podem aumentar o risco de acne.

  • O que é big food e alternativas

Um estudo com mais de 5.000 adolescentes chineses e adultos jovens constatou que dietas ricas em gordura estavam associadas a um risco 43% maior de desenvolver espinhas. A ingestão regular de fast food aumentou o risco em 17%.

Um estudo realizado com 2.300 homens turcos constatou que o consumo frequente de hambúrguer ou salsicha estava associado a um risco 24% maior de desenvolver acne.

Não está claro por que comer fast-food pode aumentar o risco de desenvolver espinhas, mas alguns pesquisadores sugerem que isso pode afetar a expressão gênica e alterar os níveis hormonais de maneira a promover o desenvolvimento da acne (confira aqui estudos a respeito: 28, 29, 30).

No entanto, é importante observar que a maioria das pesquisas sobre fast food e acne utilizou dados auto-relatados. Esse tipo de pesquisa mostra apenas padrões de hábitos alimentares e risco de acne e não prova que o fast food cause acne. Assim, são necessárias mais pesquisas.

4. Alimentos ricos em gorduras ômega-6

Dietas contendo grandes quantidades de ácidos graxos ômega-6, como a dieta ocidental típica, têm sido associadas a aumento nos níveis de inflamação e acne (confira aqui estudos a respeito: 7, 31).

Isso ocorre porque as dietas ocidentais contêm grandes quantidades de óleos de milho e soja, que são ricos em gorduras ômega-6 e poucos alimentos que contêm gorduras ômega-3, como peixes e nozes (32, 33).

Esse desequilíbrio dos ácidos graxos ômega-6 e ômega-3 coloca o organismo em um estado inflamatório, que pode piorar a gravidade das espinhas (confira aqui estudos a respeito: 34, 35). Por outro lado, a suplementação com ácidos graxos ômega-3 pode reduzir os níveis de inflamação e, descobriu-se, que reduz também a gravidade das espinhas (confira aqui estudo a respeito: 36).

5. Chocolate

O chocolate é um suspeito de desencadear a acne desde a década de 1920, mas até agora nenhum consenso foi alcançado (confira aqui estudo a respeito: 37). Várias pesquisas informais associaram o consumo de chocolate a um risco maior de desenvolver espinhas, mas isso não é suficiente para provar que o chocolate causa acne (confira aqui estudos a respeito:(38, 39).

Um estudo mais recente descobriu que homens propensos a acne que consumiam 25 gramas de chocolate amargo 99% diariamente tiveram um número aumentado de lesões de acne após apenas duas semanas. Outro estudo constatou que os homens que receberam cápsulas de 100% de cacau em pó diariamente tiveram significativamente mais acne após uma semana em comparação aos que receberam um placebo.

Não é claro exatamente por que o chocolate pode aumentar a acne, embora um estudo tenha descoberto que comer chocolate aumentou a reatividade do sistema imunológico a bactérias causadoras de acne, o que pode ajudar a explicar esses achados (confira aqui estudo a respeito: 42). Embora pesquisas recentes apoiem ​​uma ligação entre o consumo de chocolate e a acne, ainda não está claro se o chocolate realmente causa acne.

6. Proteína de soro de leite em pó

A proteína de soro de leite é um suplemento alimentar popular (confira aqui estudos a respeito: 43, 44). É uma fonte rica de aminoácidos leucina e glutamina. Esses aminoácidos fazem as células da pele crescerem e se dividirem mais rapidamente, o que pode contribuir para a formação de acne (confira aqui estudos a respeito:45, 46).

Os aminoácidos da proteína do soro de leite também podem estimular o corpo a produzir níveis mais altos de insulina, que tem sido associada ao desenvolvimento da acne (confira aqui estudos a respeito: 47, 48, 49).Vários estudos de caso relataram uma ligação entre o consumo de proteína de soro de leite e acne em atletas do sexo masculino (confira aqui estudos a respeito: 50, 51, 52).

  • O que são aminoácidos e para que servem

Outro estudo encontrou uma correlação direta entre a gravidade da acne e o número de dias em suplementos de proteína de soro de leite.

7. Alimentos aos quais você é sensível

A acne é, na sua raiz, uma doença inflamatória (confira aqui estudos a respeito: 54, 55). Por isso os anti-inflamatórios, como os corticosteróides, são tratamentos eficazes para a acne grave e que as pessoas com acne têm níveis elevados de moléculas inflamatórias no sangue (confira aqui estudos a respeito: 56, 57, 58).

  • 16 alimentos que são anti-inflamatórios naturais

Uma maneira pela qual os alimentos podem contribuir para a inflamação é através das sensibilidades alimentares, também conhecidas como reações de hipersensibilidade tardia (confira aqui estudo a respeito: 59).

As sensibilidades alimentares ocorrem quando o sistema imunológico identifica erroneamente o alimento como uma ameaça e inicia um ataque imunológico contra ele (confira aqui estudo a respeito: 60). Isso resulta em altos níveis de moléculas pró-inflamatórias circulando pelo corpo, o que pode causar espinhas (confira aqui estudo a respeito: 61).

Como existem inúmeros alimentos aos quais seu sistema imunológico pode reagir, a melhor maneira de descobrir seus gatilhos únicos é fazendo uma dieta de eliminação sob a supervisão de um nutricionista.

As dietas de eliminação funcionam restringindo temporariamente um número da sua dieta, a fim de eliminar gatilhos e obter alívio dos sintomas, adicionando sistematicamente os alimentos de volta ao rastrear seus sintomas e procurar padrões.

Os testes de sensibilidade aos alimentos, como podem ajudar a determinar quais alimentos levam à inflamação relacionada ao sistema imunológico e fornecer um ponto de partida mais claro para sua dieta de eliminação (confira aqui estudo a respeito: 62). Embora pareça haver uma ligação entre inflamação e espinhas, nenhum estudo investigou diretamente o papel específico das sensibilidades alimentares no seu desenvolvimento.

O que comer

Agora que você já sabe quais alimentos causam espinhas, confira uma lista dos alimentos que podem te ajudar a eliminá-las:

  • Ácidos graxos ômega-3: os ômega-3 são anti-inflamatórios e o consumo regular tem sido associado a um risco reduzido de desenvolver espinhas (confira aqui estudo a respeito: 64, 65, 66);
  • Probióticos: os probióticos promovem um intestino saudável e um microbioma equilibrado, que está relacionado à inflamação reduzida e a um menor risco de desenvolvimento de acne (confira aqui estudos a respeito: 67, 68, 69, 70);
  • Chá verde: o chá verde contém polifenóis que estão associados à inflamação reduzida e à produção reduzida de sebo. Verificou-se que os extratos de chá verde reduzem a gravidade da acne quando aplicados à pele (confira aqui estudos a respeito: 71, 72, 73, 74);
  • Açafrão: Açafrão contém o anti-inflamatório polifenol curcumina, que pode ajudar a regular o açúcar no sangue, melhorar a sensibilidade à insulina e inibir o crescimento de bactérias causadoras de acne, que podem reduzir a acne (confira aqui estudos a respeito: 75, 76);
  • Vitaminas A, D, E e zinco: esses nutrientes desempenham papéis cruciais na pele e na saúde imunológica e podem ajudar a prevenir a acne (confira aqui estudos a respeito: 77, 78, 79);
  • Dietas no estilo paleolítico: As dietas paleo são ricas em carnes magras, frutas, legumes e nozes e com baixo teor de grãos, laticínios e legumes. Elas foram associadas a níveis mais baixos de açúcar no sangue e insulina (confira aqui estudo a respeito: 80);
  • Dietas no estilo mediterrâneo: uma dieta mediterrânea é rica em frutas, vegetais, grãos integrais, legumes, peixe e azeite e baixa em laticínios e gorduras saturadas. Também foram associadas à redução da gravidade da acne (confira aqui estudos a respeito: 81).

Veja também:

Cadastre-se e receba nosso conteúdo em seu email. Comunicar erro

Источник: https://www.ecycle.com.br/7770-alimentos-que-causam-espinhas.html

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O TRATAMENTO DA ACNE

7 principais tipos de acne e o que fazer

É uma doença inflamatória crónica do folículo pilossebáceo.

Na base de cada pelo, encontra-se uma glândula sebácea que segrega sebo, necessária à superfície da pele, que é então bem hidratada por uma película hidrolipídica formada pelo sebo e pela água proveniente das glândulas sudoríparas e pela transpiração. No acne, a glândula sebácea é bloqueada pelo aparecimento de pontos negros e sebo que é muito espesso ou segregado em grande quantidade em pessoas com pele propensa a acne.

Além da alteração do funcionamento do folículo pilossebáceo, está também associada a presença de bactérias ( C. acnes ) que induzem inflamação na glândula sebácea e na superfície da pele (borbulhas de acne).

A acne começa geralmente na puberdade, principalmente sob a influência das hormonas sexuais. Diz respeito principalmente a adolescentes mas também a adultos. A doença afeta mais o rosto, mas também as costas e, mais raramente, a nuca ou o tronco.

A acne afeta cerca 85% de jovens.  Os adultos também são afetados, sendo a maioria mulheres em idade adulta.

Nos adolescentes, dura em média 3 a 4 anos e geralmente resolve-se espontaneamente entre os 18 e os 20 anos 1 . No caso dos adultos, pode ser decorrente de acne não curado na adolescência ou pode surgir mais tarde: neste caso, a causa deve ser identificada por um profissional de saúde e prescrito tratamento adequado.

A superprodução constante de sebo costuma ser a primeira manifestação de pele oleosa com tendência a acne. Os poros estão dilatados, a pele oleosa e brilhante.

 Este fenómeno ocorre principalmente em locais onde existe um grande número de glândulas sebáceas : todo o rosto (especialmente a zona “ T ” , também conhecida como testa, nariz e queixo), o tronco, os ombros e parte superior das costas.   

Esta secreção acompanhada pelo espessamento da camada superficial dos poros (aparecimento de pontos negros e borbulhas) causa a retenção de sebo na glândula sebácea e gera a proliferação de bactérias que se desenvolvem nos folículos sebáceos e causam inflamação. 

AS CAUSAS

O acne tem causas complexas como o aumento da secreção de sebo (a pele oleosa é uma das mais acneicas e com tendência a imperfeições), o aparecimento de pontos negros devido ao aumento da queratinização, inflamação induzida pela bactéria C. acnes e o aparecimento de borbulhas vermelhas.

Além da origem hormonal, o seu início tardio está ligado a fatores que podem ser identificados, tais como: 

  • Medicamentos / Anti cocepcionais/ tratamentos hormonais / ou à base de cortisona
  • Profissões – em contato com cloro ou alcatrão
  • Abuso de cosméticos ou uso de cosméticos de baixa qualidade (produtos muito gordurosos, muito oleosos, com risco de entupir os poros da pele)
  • Abuso de produtos de limpeza à base de sabão (efeito rebound da seborreia) 
  • Exposição ao sol , um verdadeiro falso amigo que funciona em duas etapas: vai de imediato diminuir a produção de sebo, mas a longo prazo o excesso de produção de sebo volta a verificar-se – em setembro

TIPOS DE IMPERFEIÇÕES DA PELE ACNEIA

  • Pontos negros ou comedões? abertos

A cor dos pontos negros é explicada pelo fato do sebo ser oxidado na superfície. São também chamados de comedões abertos e são reconhecíveis pela sua forma filamentar quando pressionados (o que não é recomendado, pois pode causar infeção).

Um comedão aberto não tratado pode evoluir para uma pápula ou pústula.

  • Microquistos fechados ou comedões (pontos brancos)

O microquisto, comedão fechado ou ponto branco, é um folículo pilossebáceo cuja abertura é recoberta por células da epiderme que o obstruem. A secreção contínua de sebo e queratina causa então uma pequena proeminência esbranquiçada, daí o seu nome de ponto branco (não deve ser confundido com pústula, que é purulenta).

Pápulas são inchaços vermelhos que podem ser dolorosos. Podem aparecer diretamente neste estágio ou desenvolver-se a partir de um comedões aberto ou fechado. Nesse estágio, a infeção do folículo ocorre na superfície da pele, mas pode levar rapidamente a uma infeção mais profunda, também chamada de pústula.

As pústulas são o próximo estágio das pápulas. São muito inflamatórias e contêm um líquido purulento amarelado vulgarmente chamado de “pus”. Este líquido pode evacuar na superfície ou levar ao desenvolvimento de nódulos, propagando-se nas camadas profundas da pele.  

Os quistos são comedões envolvidos por uma cápsula que não permite mais a evacuação natural da glândula sebácea para a superfície da pele.

Este tipo de lesão representa acne nodulo-quística predominantemente presente nas costas, mesmo que o rosto também possa ser afetado. Este tipo de acne pode deixar cicatrizes.

O nódulo acumula o pus mais profundo na pele, que pode eventualmente criar cicatrizes permanentes.

OS DIFERENTES TIPOS DE ACNE

O acne é frequentemente considerado ” polimórfico ” porque combina diferentes tipos de lesões que dependem da infeção ou inflamação do folículo sebáceo e da extensão da retenção de sebo.  

Acne retencional : pele oleosa e brilhante, poros dilatados, presença de pontos negros (comedões abertos) e borbulhas sob a pele (microquistos ou comedões fechados). 

Acne inflamatório : desequilíbrio da flora microbiana causando inflamação dos comedões. Quando a inflamação atinge a superfície da pele, aparecem pápulas (borbulhas vermelhas) e pústulas (borbulhas purulentas). 

A inflamação pode ser mais profunda e criar quistos ou nódulos duros, geralmente dolorosos. Observe que quanto mais grave, profunda e dura a inflamação, maior o risco de cicatrizes permanentes.

As formas mais graves e raras dessa doença crónica são acne conglobata e acne fulminante.

PORQUÊ PROCURAR UM DERMATOLOGISTA? 

A acne é uma doença e, como a maioria das doenças, existem tratamentos adequados disponíveis. É importante consultar o seu médico ou dermatologista por vários motivos : 

Independentemente da gravidade do acne e se é um adolescente ou mulher adulta, pode ser difícil e stressante lidar com o acne diariamente. É uma doença visível que pode ter um impacto na autoconfiança pelo receio do olhar dos outros. Certos tipos de acne também podem ser dolorosos e, portanto, sinónimos de desconforto.  

As cicatrizes são a complicação mais temida do acne. Inicialmente, podem ser vermelhas ou pigmentadas, essas são as etapas reversíveis. Mas o acne às vezes pode deixar cicatrizes permanentes, especialmente quando a inflamação é importante, profunda, persistente ou quando as borbulhas são manuseadas. As cicatrizes da acne podem parecer ocas (cicatriz atrófica).

Tratar a acne tarde demais ou com cuidados inadequados pode às vezes deixar cicatrizes permanentes, tanto no rosto quanto nas costas. Por isso, é altamente recomendável consultar um profissional de saúde e seguir bem o tratamento prescrito para evitar o seu aparecimento.

QUAIS AS SOLUÇÕES ? 

Os tratamentos dermatológicos mais comuns para acne são : 

1.

Derivados da vitamina A (aplicação local ou sistémica – proibida durante a gravidez e amamentação) 
Só são prescritos com a pílula anticoncecional porque podem causar malformações se a paciente engravidar durante ou dentro de dois meses após o tratamento. Estes tratamentos tornam a pele mais fina e, portanto, mais sensível ao sol. Evite qualquer tratamento com vitamina A durante o verão. Use proteção solar máxima em todas as circunstâncias.

2. AHAs (alfa- hidroxiácidos ) como o ácido glicólico ou málico (ou seus derivados) que induzem a descamação das camadas superficiais da pele e eliminam borbulhas. São usados em concentrações variadas (de 0,5 a 2-3% em produtos cosméticos e até 70% no consultório do dermatologista para peelings dermatológicos).

3. Antibióticos sistémicos são prescritos para acne inflamatório (como a doxiciclina, a ser evitada durante o verão)

4. Anti-andrógenos para reverter os efeitos da testósterona. Este é o caso de algumas pílulas anticoncecionais

5. O zinco também pode ser recomendado, aplicado localmente ou como suplemento

Fonte: Nast A, Dreno B, Bettoli Z, et al. Diretriz europeia baseada em evidências para o tratamento da acne. JEADV 2016; 30: 1261–1268

  1. Poli F, et al. J Eur Acad Dermatol Venereol 2001; 15: 541-5,908.
  2. Auffret N. Ann Dermatol Venereol 2003; 130: 101-106

Источник: https://www.uriage.pt/blog/7-resolucoes-para-um-facelift-1464-pt

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: