Ácido úrico alto: o que é, principais sintomas e causas

Contents
  1. Gota – Sociedade Brasileira de Reumatologia
  2. O que causa a gota?
  3. Quais são os sintomas?
  4. O que pode desencadear as crises de gota?
  5. Como é feito o diagnóstico?
  6. Qual é o tratamento?
  7. E se eu não tratar?
  8. Recomendações para os portadores de gota:
  9. Ácido Úrico- O que é, Principais Sintomas e Tratamento
  10. Porque os Níveis de Ácido Úrico Aumentam?
  11. Sintomas do Ácido Úrico
  12. Tratamento do Ácido Úrico
  13. O que Não Comer?
  14. Alimentos que Reduzem o Ácido Úrico
  15. Ácido Úrico Alto – Causa, sintomas e riscos
  16. Hiperuricemia
  17. Informações em vídeo
  18. Ácido úrico do ponto de vista evolutivo
  19. Como o ácido úrico deposita-se nos tecidos
  20. Riscos da Hiperuricemia
  21. Risco de gota em pacientes com ácido úrico elevado
  22. Risco de gota tofácea nos pacientes com ácido úrico elevado
  23. Risco de cálculo renal em pacientes com ácido úrico elevado
  24. Risco de nefropatia por urato em pacientes com ácido úrico elevado
  25. Outras possíveis doenças relacionadas com o ácido úrico elevado
  26. Quando o ácido úrico deve ser tratado
  27. Dieta para baixar o ácido úrico
  28. Referências
  29. Dor constante nas costas pode ser ácido úrico elevado
  30. Sintomas de ácido úrico alto
  31. O que causa ácido úrico elevado 
  32. Como tratar o ácido úrico alto
  33. O que não se deve comer
  34. Ácido úrico em excesso: saiba tudo sobre sintomas, prevenção e tratamento
  35. Quando se preocupar com o ácido úrico?
  36. Como manter o ácido úrico sob controle?
  37. O que é gota?
  38. Quais são os sintomas de gota?
  39. Como é o tratamento da gota?
  40. Qual especialista procurar?
  41. Ácido úrico alto
  42. POR QUE TEMOS ÁCIDO ÚRICO ALTO?
  43. COMO SABER SE O ÁCIDO ÚRICO ESTÁ ALTO
  44. QUEM TEM MAIS CHANCES DE TER ÁCIDO ÚRICO ALTO?
  45. 1. DIMINUIR ALIMENTOS RICOS EM PURINAS
  46. 2. EVITE ALIMENTOS AÇUCARADOS
  47. 3. EVITE BEBIDAS AÇUCARADAS
  48. 4. BEBA MAIS ÁGUA
  49. 5. EVITE BEBIDAS ALCOÓLICAS
  50. 6. PERDER PESO
  51. 7. EQUILIBRAR OS NÍVEIS DE INSULINA
  52. 8. COMA MAIS FIBRAS
  53. 9. ABUSE DA VITAMINA C
  54. 10. REDUZA O ESTRESSE

Gota – Sociedade Brasileira de Reumatologia

Ácido úrico alto: o que é, principais sintomas e causas

Baixe o material sobre Gota em formato PDF

Download do arquivo

A gota é uma doença inflamatória que acomete sobretudo as articulações e ocorre quando a taxa de ácido úrico no sangue está em níveis acima do normal (hiperuricemia).

O que causa a gota?

O aumento nas taxas de ácido úrico no sangue pode ocorrer tanto pela produção excessiva quando pela eliminação deficiente da substância. É importante saber que nem todas as pessoas que estiverem com a taxa de ácido úrico elevada (hiperucemia) desenvolverão a gota.

A maioria dos portadores de gota é composta por homens adultos com maior incidência entre 40 e 50 anos e, principalmente em indivíduos com sobrepeso ou obesos, com vida sedentária e usuários de bebidas alcoólicas com freqüência.

As mulheres raramente desenvolvem gota antes da menopausa e geralmente tem mais de 60 anos de idade quando a desenvolvem.

Quais são os sintomas?

Com o aumento da concentração de ácido úrico no sangue, ocorre a deposição de cristais nos tecidos, principalmente nas articulações, causando inflamação e consequentemente dor e inchaço acometendo principalmente as articulações do dedão, tornozelos e joelhos.

A gota é caracterizada, inicialmente, por ataques recorrentes de artrite aguda, provocados pela precipitação, nos espaços articulares, de cristais de ácido úrico. O quadro clássico consiste em dor que freqüentemente começa durante a madrugada e é intensa o suficiente para despertar o paciente.

Embora qualquer articulação possa ser afetada, sobretudo as dos membros inferiores, o hálux (dedão) é a articulação mais frequentemente envolvida na primeira crise. Além da dor a articulação comumente apresenta-se inflamada com presença de calor, rubor (vermelhidão) e inchaço.

Também pode haver formação de cálculos, produzindo cólicas renais e depósitos de cristais de ácido úrico debaixo da pele, formando protuberâncias localizadas nos dedos, cotovelos, joelhos, pés e orelhas (tofos).

O que pode desencadear as crises de gota?

Alguns fatores podem desencadear uma crise de gota em pessoas hiperuricêmicas como ingestão de álcool, principalmente vinho tinto e cerveja, dieta rica em determinados tipos de alimentos (ricos em purina), trauma físico, cirurgias, quimioterapia e uso de diurético.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da gota é feito sobretudo após um história clínica bem feita asssociada aos exames mostrando níveis elevados de ácido úrico no sangue. Outros exames podem ser solicitados como radiografias e dosagem de ácido úrico na urina.

Qual é o tratamento?

Não há cura definitiva para a gota. O tratamento visa diminuir a dor e inflamação nas crises agudas e a correção da hiperuricemia subjacente com o objetivo de prevenir episódios futuros e evitar lesões nas articulações.

É necessário evitar os fatores desencadeantes ou que propiciam a formação de ácido úrico, além de um aumento na ingestão de líquidos para otimizar a taxa de fluxo urinário. A crise aguda de gota pode ser controlada com o uso de colchicina, antiinflamatórios ou a associação de ambos com alívio em geral após 2 horas da dose inicial.

Essas medicações devem ser usadas sempre sob prescrição médica e com cautela em pacientes com insuficiência renal, hipertensão, ulceração péptica ou gastrite. Medicações com objetivo específico de diminuir os níveis de ácido úrico também devem ser iniciadas e mantidas a longo prazo, com o cuidado de se aguardar a resolução completa da crise aguda para o seu início.

Quando a presença de tofos prejudica a função articular a retirada cirúrgica também pode ser indicada. É importante frisar que a gota não é uma doença incapacitante e quando tratada adequadamente não interfere na qualidade de vida.

E se eu não tratar?

Sem tratamento as crises leves geralmente desaparecem depois de um ou dois dias, enquanto as crises mais graves evoluem rapidamente para uma dor crescente em algumas horas e podem permanecer nesse nível durante uma semana ou mais. O desaparecimento completo dos sintomas pode levar várias semanas.

Após a primeira crise em geral o paciente volta a levar uma vida normal, o que geralmente faz com que ele não procure ajuda médica imediata. Uma nova crise pode surgir em meses ou anos e a mesma ou outras articulações. Sem tratamento, o intervalo entre as crises tende a diminuir e a intensidade a aumentar.

O paciente que não se trata pode ter suas articulações deformadas e ainda apresentar depósitos de cristais de monourato de sódio em cartilagens, tendões, articulações e bursas.

Recomendações para os portadores de gota:

  • Evitar o consumo de frutos do mar, sardinha, miúdos (rim e fígado), excesso de carne vermelha e pele de aves quando os níveis de ácido úrico estiverem altos porque você pode desencadear uma crise. Sob tratamento, esses alimentos podem ser ingeridos sem exagero
  • O consumo de bebidas alcoólicas também pode ser feito sem exageros quando os níveis de ácido úrico estiverem controlados
  • Evitar uma dieta hipercalórica, pois leva à obesidade que é um fator de risco para os portadores de gota além do excesso de peso sobrecarregar as articulações inflamadas
  • Aumentar a ingesta hídrica
  • Procure o tratamento e acompanhamento médico adequado caso haja doenças associadas como hipertensão arterial, diabetes, etc.

Источник: https://www.reumatologia.org.br/doencas-reumaticas/gota/

Ácido Úrico- O que é, Principais Sintomas e Tratamento

Ácido úrico alto: o que é, principais sintomas e causas

Muito comum escutarmos que alguém tem ácido úrico, logo imaginando ser uma doença! Na verdade, o ácido úrico é uma das substâncias produzidas naturalmente pelo próprio organismo e o problema se encontra, quando os níveis dessa substância se encontram elevadas.

Ela ocorre devido à quebra de moléculas de uma proteína encontrada em diversos alimentos, a purina, devido a ação de uma enzima nomeada xantina oxidase. Após seu uso no organismo, essas proteínas são degeneradas e se transformam em ácido úrico.

Uma parte desse ácido permanece na corrente sanguínea e o restante deve ser eliminado pelos rins.

Normalmente o ácido úrico não provoca grandes males a saúde, já que deve ser eliminado pelos rins, mas quando isso não ocorre adequadamente devido a algum problema renal ou por uma ingestão em excesso de proteínas ou até mesmo a produção de ácido úrico está em excesso e o corpo não consegue reagir, o acúmulo nas articulações é inevitável. Esse acúmulo pode dar origem a uma doença nas articulações conhecida popularmente como gota ou pela medicina como artrite gotosa.

Porque os Níveis de Ácido Úrico Aumentam?

Os níveis de ácido úrico podem se elevar por diversos fatores, incluindo elevação na produção do ácido úrico ou porque o próprio corpo está eliminando pouca quantidade de urina, em alguns casos até por interferência de algum tratamento que esteja sendo realizado ou uso de alguns medicamentos. Esse aumento dos níveis de ácido úrico tem o nome de hiperuricemia.

Devido ao aumento desses níveis de ácido úrico no sangue são formados minúsculos cristais compostos de urato de sódio que tem a aparência de pequenas agulhinhas, que ficam distribuídos por toda extensão do corpo, mas em maior concentração nas articulações, rins e sob a pele.

IMPORTANTE: Pesquisas realizadas pelo Instituto do Coração em São Paulo afirmam que as taxas elevadas de ácido úrico aumentam o risco de o paciente sofrer acidentes vasculares.

Uma das principais causas do excesso de ácido úrico está na má alimentação e no consumo em excesso de proteínas, como carnes vermelhas e frutos mar. A ingestão de bebidas alcoólicas também é responsável pela elevação nos níveis de ácido úrico no organismo, que altera a produção do urato no organismo e provoca também alteração na eliminação pelos rins.

Sintomas do Ácido Úrico

A presença desses pequenos cristais de urato nas articulações provoca fortes dores e crises de artrite secundária, especialmente nas áreas inferiores do corpo como tornozelos, calcanhares, dedos dos pés e joelhos. Mesmo as os membros inferiores sendo os mais atingidos, qualquer outra área e articulações podem ser comprometidas.

É muito comum observar inchaço nas áreas dos pés, dedos, tornozelos e joelhos, assim como muita dificuldade em movimentar nessas regiões. As áreas podem ficar muito avermelhadas e mais quentes que o habitual. Em casos extremos, as áreas das articulações podem começar a ficar com deformidades devido ao excesso de cristais.

Outra área muito afetada são os rins, já que esse excesso nos níveis de ácido úrico no sangue é responsável por ocorrências de cálculos renais e até mesmo quadros de insuficiência renal crônica ou aguda. É muito comum pacientes com excesso de ácido úrico terem crises constantes de pedras nos rins, provocando dores intensas nas costas e muita dificuldade para urinar.

Tratamento do Ácido Úrico

Ao contrário do que muitas pessoas acreditam, o excesso de ácido úrico no organismo tem cura sim! Normalmente o tratamento é realizado e orientado por um médico especialista, o reumatologista.

O tratamento deve ser realizado a base de mudanças de hábitos alimentares e se necessário medicamento para ajudar a reduzir os níveis de ácido úrico no sangue, juntamente de anti-inflamatórios para controlar as dores nas articulações.

O que Não Comer?

É dada ao paciente uma dieta especifica com alimentos que devem ser reduzidos no consumo ou cortados de vez do cardápio alimentar. Carnes vermelhas, peixes e frutos do mar, comidas gordurosas, assim como o consumo de álcool devem ser evitados ao máximo!

O melhor cardápio para quem sofre com excesso de ácido úrico no sangue está nos alimentos orgânicos e naturais, sempre fugindo dos industrializados. Porém, alguns alimentos orgânicos também não são indicados ao tratamento, devido ao seu grande teor de purina, por isso vamos destaca-los.

  • Carnes vermelhas em geral;
  • Carne de frango;
  • Peixes, bacalhau, marisco, mexilhão, sardinha;
  • Frutas que costumam ser muito doces, principalmente quando maduras (manga, caqui, abacaxi)
  • Embutidos;
  • Bebida alcoólica, em especial a cerveja

Alimentos como pães, biscoitos e bolos que que são considerados carboidratos refinados também não são recomendados para pacientes com excesso de ácido úrico, devem ter seu consumo reduzido. Alimentos como tomate, couve flor, ervilha, cogumelos e aspargos também não são recomendados já que provocam a retenção de ácidos no organismo.

Alimentos que Reduzem o Ácido Úrico

Já que falamos o que não comer, agora listaremos os principais alimentos que ajudam a controlar os níveis de ácido úrico no sangue.

A primeira recomendação que deve ser seguida por todos, não só quando com excesso de ácido úrico, é ingerir bastante água.

O consumo adequado de água fará que urine mais e com isso elimine com maior facilidade o excesso de ácido úrico do organismo. Inclusive, não beber água devidamente pode ser uma das causas de o excesso de ácido úrico não conseguir ser eliminado.

Existem alguns alimentos que além de rico em vitaminas, atuam como eliminares de toxinas do organismo. Como é o caso da alcachofra que tem poder diurético e reduz a retenção de líquido no corpo, por isso é um ótimo item para incluir no cardápio de quem está em tratamento do excesso de ácido úrico.

A cenoura também devido a sua ação alcalinizante auxilia a dissolver os cristais e liberar as purinas alojadas nas articulações, aliviando os inchaços locais. O bom da cenoura é que pode ser consumida em sua versão crua, cozida, alimentos salgados e até mesmo em sucos.

A laranja e o limão também são ótimas opções de frutas a serem consumidas. A laranja, rica em vitamina C atua na redução dos cristais e de possíveis pedras.

O limão indicado para desintoxicação do organismo é um dos alimentos que apresentam melhores resultados para o quadro de excesso de ácido úrico.

Sua acidez quando chega ao estomago torna-se alcalino e auxilia a controlar a acidez sanguínea.

O alho e a cebola tão utilizados nos pratos diários, tem poder depurador do organismo, ajudando na redução da hiperuricemia, além de ajudar a reduzir o colesterol e a pressão arterial. O alho pode ser utilizado amassado em um copo de água e após 6 horas ser ingerido pelo menos 3x ao dia.

Visite regularmente seu médico e faça exames de rotina. Através de exames comuns é possível verificar os níveis de ácido úrico no sangue. Quanto antes descobrir e tratar, menor serão os desconfortos causados, além de claro, das gravidades causadas pelo excesso de ácido úrico no sangue.
Foto: anna carol

Источник: https://www.famivita.pt/acido-urico/

Ácido Úrico Alto – Causa, sintomas e riscos

Ácido úrico alto: o que é, principais sintomas e causas

O ácido úrico (AU) é uma substância produzida pelo fígado após a metabolização das purinas, um conjunto de compostos orgânicos, que inclui, entre outros, a xantina e a hipoxantina, que estão presentes em diversos tipos de alimentos, principalmente nos de origem animal. Cerca de 40% das purinas são obtidas pela dieta e os 60% restantes são produzidas pelo nosso próprio organismo.

O ácido úrico é uma substância com baixa capacidade de solubilização. Em geral, os níveis de AU no sangue precisam estar abaixo de 6,8 mg/dl para que ele fique totalmente diluído. Quanto mais acima desse limite o ácido úrico sanguíneo estiver, maior é o risco dele formar cristais de urato* e precipitar nas articulações, provocando o que chamamos de artrite gotosa ou, simplesmente, gota.

Portanto, uma dieta rica em purina é capaz de aumentar significativamente a quantidade de ácido úrico produzido pelo fígado, motivo pelo qual a dieta é uma das principais armas contra a gota.

* o urato de sódio é um tipo de sal produzido quando o ácido úrico solidifica-se.

Hiperuricemia

Hiperuricemia significa níveis elevados de ácido úrico no sangue. Quanto mais altos forem os níveis de ácido úrico, maior é o risco do paciente vir a desenvolver crises de gota.

Todos os pacientes com gota apresentam hiperuricemia, mas nem todos os pacientes com hiperuricemia desenvolvem gota. Muitos pacientes conseguem manter níveis elevados de ácido úrico por vários anos, mas nunca desenvolvem crises de gota.

Portanto, a dúvida que surge é: ter ácido úrico alto sem desenvolver sintomas traz algum risco à saúde do paciente?

Neste artigo vamos tratar exclusivamente da hiperuricemia. Se você procura informações sobre a doença gota, acesse o seguinte artigo: GOTA – Causas, Sintomas e Tratamento.

Informações em vídeo

Antes de seguirmos em frente, assista a esse curto vídeo que explica o que é e como surge a doença gota.

Ácido úrico do ponto de vista evolutivo

A gota é uma doença que no reino animal ocorre quase que exclusivamente nos seres humanos. Isso ocorre porque nos grandes primatas, principalmente nos humanos, gorilas e chimpanzés, o ácido úrico é o produto final da metabolização das purinas. Já nos outros mamíferos, o AU é transformado pelo fígado em alantoína, uma substância bem mais solúvel e de mais fácil excreção.

A transformação do AU em alantoína é feita através de uma enzima chamada uricase. Há cerca de 13 milhões de anos, o gene que produz a uricase sofreu uma mutação, e a linhagem dos primatas que deu origem aos chimpanzés, gorilas e humanos perdeu a capacidade de metabolizar o ácido úrico. A gota é, portanto, uma herança evolutiva dos primeiros hominídeos.

Como nós humanos costumamos ter uma dieta rica em purinas, somos a única espécie que acaba desenvolvendo níveis de ácido úrico sanguíneos acima da sua capacidade de diluição.

A concentração de AU no sangue é o resultado do balanço entre a produção pelo fígado e a capacidade dos rins, e em menor parte dos intestinos, de excretar o ácido úrico em excesso. A maioria dos pacientes com hiperuricemia, portanto, apresenta uma dieta rica em purinas e/ou uma redução da sua capacidade renal de excretar o ácido úrico.

Estima-se que cerca de 25% dos homens possuem níveis de AU acima de 6,8 mg/dl, valor a partir do qual dizemos que o paciente tem hiperuricemia. Nas mulheres, o risco de hiperuricemia é mais baixo, pois o estrogênio aumenta a capacidade renal de excreção do AU. No sexo feminino o limite da normalidade é de 6,0 mg/dl.

A imensa maioria dos paciente com doenças relacionadas ao ácido úrico são homens. Somente após a menopausa é que a hiperuricemia costuma ser um problema para as mulheres.

Como o ácido úrico deposita-se nos tecidos

Como já explicado, o ácido úrico apresenta maior risco de formar cristais de urato quando a sua concentração sanguínea encontra-se acima de 7,0 mg/dl. Porém, esse não é o único fator que interfere na sua capacidade de diluição.

O AU é mais solúvel em temperaturas elevadas e menos solúvel em temperaturas baixas. Ao contrário do sangue, que possui uma temperatura média de 37ºC, as articulações são sensivelmente mais frias, apresentando uma temperatura média de 32ºC. É por isso que o ácido úrico tem uma tendência a formar cristais e a precipitar ao redor das articulações.

Gota tofácea nos dedos da mão

A deposição de urato nas articulações provoca uma intensa reação inflamatória, levando ao quadro conhecido como artrite gotosa, que é uma forma de artrite extremamente dolorosa.

Se os níveis de ácido úrico permanecerem elevados por muito tempo, ele pode começar a se depositar em locais mais quentes, como a pele e os rins. Repare na foto acima, a presença de cristais de urato (pontos brancos) visíveis sob a pele dos dedos do paciente.

Para ver mais imagens da artrite gotosa e da gota tofácea, acesse o seguinte link: IMAGENS DA DOENÇA GOTA.

Riscos da Hiperuricemia

Nem todo mundo que tem o ácido úrico elevado acaba por desenvolver gota. Não é raro encontrarmos pacientes totalmente assintomáticos com níveis de AU ao redor de 9,0 ou 10 mg/dl. Isso não significa, porém, que o risco não seja elevado.

Os pacientes que apresentam ácido úrico alto apresentam maior chance de desenvolver três tipos de doença:

  • Gota.
  • Cálculos renais.
  • Nefropatia por urato.

Risco de gota em pacientes com ácido úrico elevado

O risco de desenvolver gota vai se tornando cada vez maior conforme os níveis sanguíneos de AU vão se elevando acima de 7,0 mg/dl.

Após 15 anos de hiperuricemia com valores entre 7,1 e 8,9 mg/dl, cerca de 10% dos pacientes acabam por desenvolver episódios de artrite gotosa. O risco de gota começa a se tornar muito alto a partir do valor de 9,0 mg/dl. Estudos mostram que após apenas 5 anos de ácido úrico maior que 9,0 mg/dl, cerca de 1/4 dos pacientes desenvolve crises de gota.

Algumas características clínicas dos pacientes aumentam a chance da sua hiperuricemia evoluir para gota. São elas:

Risco de gota tofácea nos pacientes com ácido úrico elevado

Após cerca de 20 anos de gota e hiperuricemia mal tratada, o paciente começa a desenvolver tofos nas suas articulações e pele. As lesões são provocadas por inflamação e deposição crônica de cristais de urato nestes sítios.

O tofos podem ser múltiplos, grandes e frequentemente provocam deformidades, principalmente nas mãos, cotovelos ou pés.

Risco de cálculo renal em pacientes com ácido úrico elevado

A hiperuricemia crônica também pode estar relacionada ao surgimento de cálculos renais compostos por ácido úrico.

Ao contrário da gota, que está intimamente ligada aos níveis sanguíneos de AU, a formação de pedras nos rins depende mais do pH da urina e da quantidade de ácido úrico excretado pelos rins.

Os pacientes sob maior risco são aqueles com pH da urina persistentemente abaixo de 5.5 e uma excreção urinária de ácido úrico maior que 1100 mg por dia (o valor normal é menos que 800 mg/dia). Um valor assim tão elevado de ácido úrico na urina só costuma ocorrer nos pacientes com hiperuricemia acima de 9,0 mg/dl.

Para saber mais sobre outras formas de cálculos renais, leia: CÁLCULO RENAL – Causas, Sintomas e Tratamento.

Risco de nefropatia por urato em pacientes com ácido úrico elevado

Uma outra forma de doença renal provocada pela hiperuricemia é a deposição de ácido úrico nos rins, o que provoca inflamação renal e risco de insuficiência renal crônica.

Felizmente, esse tipo de lesão só ocorre nos pacientes com valores muito elevados de ácido úrico, geralmente maiores que 13 mg/dl nos homens ou 10 mg/dl nas mulheres.

Outras possíveis doenças relacionadas com o ácido úrico elevado

Alguns estudos mostram uma clara relação entre os níveis de AU e uma maior incidência de doenças cardiovasculares, hipertensão e diabetes.

O problema é que não se conseguiu até o momento estabelecer uma relação causal entre esses dois fatores.

Por exemplo, sabemos que pacientes hipertensos costumam ter valores de AU elevados, mas isso não significa que a hiperuricemia seja a causa da hipertensão.

Corroborando com esse pensamento está o fato da redução dos valores do ácido úrico com medicamentos não alterar em nada a hipertensão do paciente.

Quando o ácido úrico deve ser tratado

A hiperuricemia deve ser tratada sempre que o paciente tiver alguma doença relacionada com a deposição de cristais de urato (nefropatia por urato, nefrolitíase ou gota).

Não há indicação para tratar os pacientes com hiperuricemia assintomática, a não ser nas seguintes situações:

  • Valores sanguíneos de ácido úrico persistentemente acima de 13 mg/dl nos homens ou 10 mg/dl nas mulheres.
  • Pacientes com hiperuricemia acima de 8 mg/dl e com excreção urinária de ácido úrico maior que 1100 mg por dia.

Em ambas situações, o medicamento indicado é o alopurinol (leia: ALOPURINOL – Para Que Serve, Doses e Efeitos Colaterais).

Dieta para baixar o ácido úrico

Todo paciente com níveis de AU que maiores que 7,0 mg/dl nos homens ou 6,0 mg/dl nas mulheres devem ser estimulados a evitar alimentos ricos em purinas.

Alguns exemplos de alimentos a serem evitados são:

  • Carnes: bacon, porco, vitela, cabrito, carneiro, miúdos (fígado, coração, rim, língua).
  • Peixes e frutos do mar: salmão, sardinha, truta, bacalhau, ovas de peixe, caviar, marisco, ostra, camarão.
  • Aves: peru e ganso.
  • Bebidas alcoólicas.

Além de evitar alimentos ricos em purinas, o paciente também deve tentar perder peso (se estiver com IMC acima de 25) e beber pelo menos 1,5 a 2 litros de água por dia.

Referências

Источник: https://www.mdsaude.com/reumatologia/acido-urico-alto/

Dor constante nas costas pode ser ácido úrico elevado

Ácido úrico alto: o que é, principais sintomas e causas

O ácido úrico é uma substância formada pelo organismo depois da digestão das proteínas, que formam uma substância chamada purina, que depois dão origem aos cristais de ácido úrico, que se acumulam nas articulações causando intensa dor. 

Normalmente o ácido úrico não causa nenhum problema de saúde sendo eliminado pelos rins, porém, quando existe algum problema renal, quando a pessoa ingere muitas proteínas ou quando seu corpo produz ácido úrico em excesso, este se acumula nas articulações, tendões e rins, dando origem a Artrite Gotosa, também conhecida popularmente como Gota, que é o tipo de artrite muito dolorida. 

O ​excesso de ácido úrico tem cura, pois os seus desiquilíbrios podem ser controlados através de uma alimentação equilibrada, aumentando a ingestão de água e fazendo uma alimentação com poucas calorias e com pouca proteína. Além disso, o sedentarismo também deve ser combatido, com a prática regular de exercício físico moderado. Em alguns casos, quando existem sintomas muito intensos, o médico pode orientar o uso de remédios específicos. 

A análise do ácido úrico pode ser feita através do exame do sangue ou de urina, sendo que os valores de referência são:

SangueUrina
Homem3,4 – 7,0 mg/dL0,75 g/dia
Mulher2,4 – 6,0 mg/dL0,24 g/dia

O exame de ácido úrico, normalmente, é pedido pelo médico para ajudar no diagnóstico, especialmente quando o paciente apresenta dor nas articulações ou quando existem suspeitas de doenças mais graves, como lesão renal ou leucemia.

O mais comum é que os valores do paciente estejam acima dos valores de referência mas também existe o ácido úrico baixo que está relacionado com doenças congênitas, como a Doença de Wilson, por exemplo. 

Sintomas de ácido úrico alto

Os principais sintomas de ácido úrico alto, que afeta principalmente os homens, são:

  • Dor e inchaço em uma articulação, especialmente o dedão do pé, tornozelo, joelho ou dedos;
  • Dificuldade em movimentar a articulação afetada;
  • Vermelhidão no local da articulação, que pode até ficar mais quente que o habitual;
  • Deformação da articulação, devido ao acúmulo excessivo de cristais.

Também é comum o aparecimento constante de pedras nos rins, que causam dor intensa no fundo das costas e dificuldade para urinar, por exemplo. Confira mais detalhes dos sintomas do ácido úrico elevado.

O que causa ácido úrico elevado 

O consumo exagerado de alimentos ricos em proteína, como carnes vermelhas, frutos do mar e peixes aumenta as chances do ácido úrico elevado, assim como o consumo exagerado de bebidas alcoólicas, tanto pelo aumento da produção de urato quanto pela redução da sua eliminação, e ainda o consumo de alimentos ricos em gordura saturada que aumenta o risco de resistência à insulina e a obesidade, que diminuem a eliminação de urato pelos rins. 

Como tratar o ácido úrico alto

O tratamento para ácido úrico alto deve ser orientado pelo clinico geral ou reumatologista, mas, geralmente, inclui o uso de remédios para baixar o ácido úrico como Alopurinol, Probenecida ou Sulfinpirazona, e o uso de anti-inflamatórios, como Indometacina ou Ibuprofeno, para aliviar as dores nas articulações. Mudanças no estilo de vida, especialmente na alimentação, prática de exercício e ingestão de água, também são de extrema importância.

Durante o tratamento, também é muito importante fazer uma dieta para ácido úrico, evitando o consumo de alimentos ricos em purina, como as carnes vermelhas, peixes e frutos do mar, assim como dar preferência a alimentos naturais ao invés dos industrializados. Assista o vídeo e saiba o que pode comer para controlar o ácido úrico no sangue:

O que não se deve comer

Idealmente o melhor tipo de alimentação para pessoas com excesso de ácido úrico é aquela que inclui apenas o uso de alimentos orgânicos, contendo pouca quantidade de produtos industrializados.

No entanto, dentro dos alimentos orgânicos também se devem evitar aqueles que são mais ricos em purinas, como:

  • Carne vermelha em excesso;
  • Marisco, mexilhão, cavala, sardinha, arenque e outros peixes;
  • Fruta muito madura ou muito doce, como manga, figo, caqui ou abacaxi;
  • Carne de ganso ou frango em excesso;
  • Bebidas alcoólicas em excesso, principalmente a cerveja. 

Adicionalmente, carboidratos mais refinados como pão, bolos ou biscoitos também devem ser evitados. Veja uma lista mais completa do que deve evitar para aliviar os sintomas.

Источник: https://www.tuasaude.com/acido-urico/

Ácido úrico em excesso: saiba tudo sobre sintomas, prevenção e tratamento

Ácido úrico alto: o que é, principais sintomas e causas

Sua articulação inchou, está vermelha e dolorida? Pode ser hiperuricemia, condição que ocorre quando a taxa de ácido úrico fica elevada.

Antes de tudo, é importante você saber que é normal ter ácido úrico no organismo. A substância é uma espécie de “resto”, material resultante do metabolismo de uma proteína chamada purina, presente em muitos alimentos. O problema é quando ela se acumula em grandes quantidades. Aí, pode gerar dores nas articulações, cálculos renais, hipertensão e até problemas cardiovasculares. 

Cerca de 40% das pessoas com excesso de ácido úrico apresentam histórico familiar do problema, o que permite afirmar que existe uma influência genética significativa. No entanto, outros fatores podem contribuir para seu surgimento, como alimentação, consumo excessivo de álcool, uso de certas medicaçõese a presença de outras doenças.

Os homens costumam ser os mais afetados pelo problema, pois o estrógeno (hormônio feminino) tem efeito uricosúrico — que estimula a eliminação do ácido úrico pela urina. Por isso, a hiperuricemia é rara em mulheres que ainda não estão na menopausa.

Algumas pessoas podem ter somente crises agudas de artrite, inflamação das articulações que causa dor e rigidez.

Em outros o excesso de ácido úrico gera um material parecido com um cristal que, ao ficar retido no corpo, dá origem a gota — problema em que, geralmente, punhos, cotovelos, tornozelos, joelhos ou dedos dos pés ficam muito doloridos, inchados, vermelhos e com aumento da temperatura na pele da região afetada.

Em excesso na urina, esses cristais ainda podem dar origem a alterações nas funções dos rins ou a cálculos renais, além de causar hipertensão, artrite e problemas cardiovasculares.

Quando se preocupar com o ácido úrico?

O paciente com hiperuricemia deve ser tratado sempre que tiver alguma doença relacionada ao surgimento de cristais de urato. Só indicado tratamento para pessoas sem qualquer sintoma (como gota e artrite) quando os valores sanguíneos de ácido úrico ficam, de forma persistente, acima de 13 mg/dl nos homens ou 10 mg/dl nas mulheres.

Pessoas do sexo masculino com índice maior do que 7,0 mg/dl e do sexo feminino acima de 6,0 mg/dl já devem tomar certas precauções para que a taxa da substância no organismo não aumente.

As principais medidas são: evitar alimentos ricos em purina, como bacon e outras carnes de porco, peixes e frutos do mar, vísceras (coração de galinha, rim, fígado, miolo etc.), embutidos, ovas de peixe e bebidas alcoólicas, especialmente a cerveja.

O paciente também precisa beber de um e meio a dois litros de água por dia e, se estiver com sobrepeso, emagrecer. 

Como manter o ácido úrico sob controle?

A principal recomendação é ter um estilo de vida saudável: praticar atividades físicas regularmente, evitar o sobrepeso e manter uma alimentação equilibrada.

Também é importante maneirar no consumo de bebidas alcoólicas.

Todas essas atitudes ajudam a controlar os fatores de risco para o ácido úrico e ainda trazem um melhor controle metabólico, reduzindo o risco de outras doenças e melhorando sua qualidade de vida de maneira geral.

O que é gota?

A principal consequência do nível elevado de ácido úrico é a artrite gotosa, conhecida popularmente como gota. Ela pode ser dividida em primária e secundária.

A primária acontece por um erro inato do metabolismo das purinas no organismo (um defeito enzimático específico).

Nesse caso, há a superprodução de ácido úrico e/ ou “falha” na excreção renal de urato –o mais comum.

Já a gota secundária é aquela que surge durante o desenvolvimento de algumas doenças, como leucemia, linfoma, anemia hemolítica, psoríase, hiperparatireoidismo, entre outras.

Também pode ser gerada pelo uso de medicamentos diuréticos, ácidos salicílicos e L-dopa.

Ou ainda quando o indivíduo segue uma dieta rica em purinas, fica debilitado por falta de alimentação ou sofre desidratação grave.

Quais são os sintomas de gota?

A gota pode ser dividida em três momentos: a artrite gotosa aguda, os períodos intercríticos e a gota crônica. A fase de artrite gotosa aguda é caracterizada por uma crise súbita de dor articular. Ela costuma comprometer uma única articulação, associada a calor, rubor e edema local.

A parte do corpo mais afetada costuma ser o dedão do pé, mas pode atingir as articulações dos outros dedos também, além do dorso, tornozelos, joelhos, punhos, mãos ou cotovelos. Durante uma crise aguda de gota, podem ocorrer febre e calafrios. A duração varia de horas a poucos dias.

Finalizada a crise aguda de gota, o paciente passa para o período intercrítico, quando não tem sintomas. A duração varia bastante, tanto que uma segunda crise de gota aguda pode acontecer no período de seis meses a dez anos. Porém, na maioria dos casos, ocorre entre seis e 24 meses após a primeira crise.

Se a gota não for tratada adequadamente, tende a favorecer ataques subsequentes mais graves e prolongados, além de reduzir o período intercrítico. Isso faz com que os sintomas não se resolvam completamente, havendo o comprometimento de mais de uma articulação. É aí que a pessoa chega à fase de gota crônica.

Nela, os períodos livres de sintomas desaparecem, e o paciente apresenta quadro de dor contínua em mais de uma articulação, associada a outros sinais de inflamação, como edema e calor, que levam a deformidades e ao surgimento de tofos (nódulos resultantes do acúmulo de cristais de ácido úrico).

Geralmente, os tofos são indolores, mas podem surgir em várias partes do corpo e limitar a mobilidade da articulação perto de onde se localizam, além de ulcerar e drenar uma secreção que lembra pó de giz molhado. Durante toda a evolução da gota, o aumento do ácido úrico no sangue (hiperuricemia) pode causar dano aos rins.

Como é o tratamento da gota?

Em princípio, o tratamento tem como principal objetivo controlar a crise aguda de gota e prevenir que ela retorne. Para isso, são utilizados medicamentos que amenizam a dor e inflamação das articulações, aliados a recomendações de repouso e compressas de gelo.

Também são indicados, pelo médico, remédios que reduzem o nível de ácido úrico no organismo, conhecidos como hipouricemiantes –que podem diminuir a produção de ácido úrico ou ainda aumentar a excreção da substância pela urina. 

A escolha do medicamento depende de fatores como idade, função renal, presença de cálculos nos rins e do histórico de alergias. Medidas de incentivo para que o paciente adote mudanças de hábitos de vida mais saudáveis devem sempre ser adotadas.

Qual especialista procurar?

O reumatologista é o profissional que possui especialização mais apropriada para diagnosticar e acompanhar pacientes com gota. Além do diagnóstico adequado, é igualmente importante uma visão global da doença, assim como do comprometimento articular, pois ela afeta o corpo todo, não sendo apenas um “tipo de artrite”.

Tanto nas fases de artrite gotosa aguda quanto na de gota crônica, uma avaliação cuidadosa é importante para afastar ou identificar outras enfermidades que possam se associar ou serem confundidas com a gota, como infecção da articulação (artrite séptica) e osteoartrite, além de doenças relacionadas à alteração de metabolismo de outros tipos de cristais, como a condrocalcinose.

Fontes: Ana Beatriz de Azevedo, reumatologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo (SP); e Roberto Bernd, Presidente da Comissão de Gota da Sociedade Brasileira de Reumatologia.

SIGA O VIVABEM NAS REDES SOCIAIS

: https://www..com/VivaBemUOL/
Instagram: https://www.instagram.com/vivabemuol/
Inscreva-se no nosso canal no : http://goo.gl/TXjFAy

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2018/02/27/quais-sao-os-sintomas-de-acido-urico.htm

Ácido úrico alto

Ácido úrico alto: o que é, principais sintomas e causas

O ácido úrico alto, também chamado de hiperuricemia, pode causar problemas como cálculos renais e acúmulo de cristais de ácido úrico nas articulações. O ácido úrico, a saber, é uma substância formada no nosso corpo após a digestão de proteínas. Essas proteínas, ingeridas e digeridas constituem uma substância chamada purina.

As purinas se decompõem em ácido úrico. Assim, níveis aumentados de ácido úrico pelo excesso de purinas podem se acumular em seus tecidos e formar cristais. Isso pode causar ácido úrico alto no sangue.

Em situação normal, o ácido úrico não causa problemas ao corpo e é eliminado através da urina. Assim, segundo o Dr. Arthur Frazão, se os rins não estão funcionando bem, é normal que o ácido úrico fique alto.

O resultado disso, é que o excesso acaba se alojando nas articulações, tendões e rins, dando uma doença chamada Gota. A gota é o pior e mais dolorido tipo de artrite que existe.

Um exame de sangue de Hemograma Completo, dificilmente indicará problemas é ácido úrico, é preciso, então fazer um exame de sangue específico.

POR QUE TEMOS ÁCIDO ÚRICO ALTO?

Como já dito, o ácido úrico é formado quando as purinas se decompõem em ácido úrico, no seu corpo. Alimentos que são ricos em purinas incluem:

  • Todas as carnes de órgãos (como fígado), extratos de carne e molho
  • Leveduras e extratos de levedura (como cerveja e bebidas alcoólicas)
  • Aspargos, espinafre, feijão, ervilhas, lentilhas, aveia, couve-flor e cogumelos

O ácido úrico alto ocorre quando ocorre uma produção em grande quantidade ou é incapaz de excretar o suficiente, pela urina. Isso geralmente acontece porque seus rins não estão eliminando o suficientemente rápido.

O excesso de níveis de ácido úrico no sangue pode levar à formação de cristais. Embora estes possam se formar em qualquer parte do corpo, eles tendem a se formar dentro e ao redor de suas articulações e nos rins, resultando em cristais na urina. Dessa forma, nosso sistema imunológico pode atacar os cristais, causando inflamação e dor.

COMO SABER SE O ÁCIDO ÚRICO ESTÁ ALTO

Vermelhidão e dificuldade de movimentar a articulação: como os cristais de urato de sódio se acumulam nas articulações o atrito leva a dor durante a tentativa de movimentar e vermelhidão. Ocorre, assim dor e inchaço nas articulações como dedos dos pés e das mãos, punhos, joelhos e tornozelos devido ao acúmulo dos cristais.

Sensação de areia nas articulações: Ao tocar no local onde os cristais se depositaram, sobretudo nas articulações, pode sentir sensação de “areia”. Como se tivessem grãos de areia arranhando as articulações.

Descamação da pele: Pode haver descamação da pele na região afetada. Assim, é comum que haja descamamento nas articulações das mãos e pés, especialmente.

Vermelhidão e descamação na articulação afetada

Dificuldade em urinar: Por causa dos problemas de dificuldade em eliminar o ácido úrico do organismo, os problemas renais podem ser frequentes. Então a dor nas costas, dor e dificuldade em urinar, são sintomas comuns de quem tem ácido úrico .

Calafrios e febre baixa: Não é comum, mas eventualmente, quando o ácido úrico está muito alto, a pessoa pode ter febres recorrentes, acompanhada de calafrios.

Artrite, principalmente nos dedos dos pés, calcanhares, tornozelos e joelhos

QUEM TEM MAIS CHANCES DE TER ÁCIDO ÚRICO ALTO?

Qualquer um pode ter hiperuricemia, mas é mais comum em homens do que mulheres e seu risco aumenta com a idade. Contudo, há vários fatores de risco estão associados ao ácido úrico alto:

  • pessoas que fazem uso de álcool em demasia
  • alguns medicamentos, particularmente aqueles com doenças cardíacas
  • exposição ao chumbo e pesticidas
  • pessoas com problemas renais e com pressão alta
  • níveis elevados de glicose no sangue
  • hipotireoidismo
  • obesidade
  • atletas com níveis extremos de atividade física
  • e, por fim, pessoas que ingere alimentos ricos em purina

1. DIMINUIR ALIMENTOS RICOS EM PURINAS

É possível limitar a fonte de ácido úrico na dieta. Como já citado acima, alimentos ricos em purinas incluem alguns tipos de carne, frutos do mar e legumes. Todos esses alimentos liberam ácido úrico quando são digeridos. Então, a dica é evite ou reduza a ingestão de alimentos como:

  • carnes de boi, porco, peru, vitela, carneiro
  • peixes, vieiras e mariscos
  • couve-flor, ervilhas verdes, feijões
  • e, por fim, cogumelos

2. EVITE ALIMENTOS AÇUCARADOS

Enquanto o ácido úrico é geralmente ligado a alimentos ricos em proteínas, um publicação da American Society Of Diabetes [1] mostra que o açúcar também pode ser uma causa potencial. Assim, açúcares adicionados aos alimentos como açúcar refinado, xarope de milho rico em frutose, entre outros, podem levar ao ácido úrico alto.

Então, a dica é que se verifique os rótulos dos alimentos quanto a açúcares adicionados. Ao mesmo tempo, ingerir mais alimentos integrais e menos alimentos embalados refinados .

3. EVITE BEBIDAS AÇUCARADAS

Um estudo publicado na BMC [2] garante que refrigerantes e até sucos de frutas frescas são concentrados de frutose. A frutose do suco, decerto, é absorvida mais rapidamente do que a dos alimentos. Isso aumenta os níveis de açúcar no sangue e também leva ao ácido úrico alto.

4. BEBA MAIS ÁGUA

Beber bastante líquido ajuda os rins a eliminar mais rapidamente o ácido úrico. Mantenha uma garrafa de água com você em todos os momentos. Defina um alarme a cada hora para lembrá-lo de tomar alguns goles.

5. EVITE BEBIDAS ALCOÓLICAS

Além de deixar o corpo mais desidratado, o álcool também pode desencadear altos níveis de ácido úrico . Isso acontece porque os rins devem primeiro filtrar os produtos que ocorrem no sangue devido ao álcool, em vez de ácido úrico e outros resíduos. Alguns tipos de bebidas alcoólicas, como a cerveja, também são ricos em purinas.

6. PERDER PESO

De acordo com uma publicação médica do Journal Of Biological Chemistry [3], juntamente com sua dieta, quilos extras podem elevar os níveis de ácido úrico .

Isso porque, as células de gordura produzem mais ácido úrico do que as células musculares. Além disso, carregar quilos extras torna mais difícil para os rins filtrarem o ácido úrico.

Então, quem está com sobrepeso, é melhor evitar dietas da moda e dietas radicais, pois perder peso rapidamente também altera os níveis de ácido úrico.

7. EQUILIBRAR OS NÍVEIS DE INSULINA

Sempre verificar a glicose do sangue é importante mesmo se você não tiver diabetes. Afinal, adultos com diabetes tipo 2 podem ter muita insulina na corrente sanguínea. Este hormônio, a saber, é necessário para mover o açúcar do sangue para as células. No entanto, muita insulina leva ao ácido úrico alto, bem como ganho de peso.

8. COMA MAIS FIBRAS

Comer mais fibras ajudará o corpo a se livrar do ácido úrico. Ao mesmo tempo, a fibra pode ajudar a equilibrar seus níveis de açúcar no sangue e insulina. Basta inserir entre 5 e 10 gramas de fibra solúvel por dia com alimentos como:

  • frutas frescas, congeladas ou secas
  • vegetais frescos ou congelados
  • aveia, nozes, cevada

9. ABUSE DA VITAMINA C

Um publicação médica da Arthrits Care & Research [4] mostram que a vitamina C pode ajudar seu corpo a se livrar do ácido úrico. Ao mesmo tempo, pode ajudar a reduzir a inflamação. Então, colocar alimentos ricos em vitamina C à dieta diária e/ou fazer suplementação é um ótima ideia para baixar o ácido úrico alto.

10. REDUZA O ESTRESSE

Que tal relaxar mais? Estresse, maus hábitos de sono e pouco exercício podem aumentar a inflamação. A inflamação pode desencadear um alto nível de ácido úrico no sangue.

A dica é praticar técnicas conscientes, como exercícios de respiração e ioga, para ajudar a lidar com seus níveis de estresse.

Ao mesmo tempo, médicos garantem que a “prática da boa higiene do sono” pode também ser eficiente:

  • evitar usar celular, tablet ou computador por duas antes de dormir
  • ter hora para dormir e acordar todos os dias
  • evitar cafeína depois da hora do almoço

ARTIGOS MÉDICOS-CIENTÍFICOS: AMERICAN SOCIETY OF DIABETES [1] BMC [2] JOURNAL OF BIOLOGICAL CHEMISTRY [3] ARTHRITS CARE & RESEARCH [4]

Atenção: O material neste site é fornecido apenas para fins educacionais, e não deve ser usado para conselhos médicos, diagnósticos ou tratamentos.

Fonte: Diário de Biologia

Источник: http://institutomelo.com.br/blog/acido-urico-alto-como-saber-se-voce-tem-e-como-baixar-sem-remedios/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: