Alimentos para combater o inchaço

Tudo o que precisa de saber para combater o inchaço abdominal, de acordo com um especialista

Alimentos para combater o inchaço

Já todas passámos por isso: chegamos a meio da tarde e temos (mesmo) de desapertar o botão das calças. Quer seja porque o almoço foi muito pesado, quer seja porque o nosso intestino não é tão regular como deveria ser ou porque estamos naquela altura do mês, ter a barriga inchada é incomodativo, por vezes doloroso, e não ajuda (em nada) a nossa autoestima.

A verdade é que o inchaço abdominal é normal e bastante comum, mas não sempre. Se passa de se sentir inchada um dia de vez em quando, a um desconforto quase constante causado pela distensão abdominal, é caso para averiguar o que se passa e tomar medidas para melhorar a situação.

Fomos tentar descobrir mais sobre o inchaço abdominal (as suas causas e formas de o evitar) e partilhamos consigo o que aprendemos com David Paiva, coordenador de Medicina Geral e Familiar no Hospital CUF Infante Santo.

O que causa o inchaço abdominal?

O inchaço abdominal não é mais do que “um aumento do volume da barriga”, uma situação que pode ser frequente, progressiva, episódica, isolada ou acompanhada por outros sintomas. De acordo com o especialista, as causas da distensão abdominal são “variadas e muito diferentes na sua origem e gravidade”.

No entanto, a causa mais comum é apenas a acumulação de gás. Isto pode acontecer porque engolimos demasiado ar (a chamada aerofagia), porque o processo de digestão produz demasiado gás ou porque este, dentro dos intestinos, aumenta de volume, provocando inchaço, cólicas e até mesmo flatulência excessiva.

Leia ainda…

Macrobiótica: muito mais do que uma dieta (um estilo de vida)

Porque é que eu estou sempre inchada, mas a minha amiga não?

É simples: somos todas diferentes e os nossos corpos funcionam de maneira distinta.

Existem várias explicações plausíveis para o facto de nos sentirmos inchadas. Podemos ter tendência para engolir mais ar, ter bactérias em excesso.

indesejáveis no intestino ou não digerir certos alimentos de forma eficaz.

Pode até estar relacionado com “a variação da pressão atmosférica do ambiente”, que faz variar o volume do gás dentro do tubo digestivo.

Se esse gás, contido no tubo digestivo, não for expelido ou corretamente absorvido pelo nosso organismo, a ocorrência de distensão abdominal é provável e comum.

Como reduzir o inchaço abdominal?

Agora que sabemos o que é e porque é que acontece, resta perceber quais as medidas que devemos adotar se queremos acabar com o desconforto do inchaço abdominal.

Para começar, é importante que conheçamos “o nosso padrão de comportamento digestivo e as nossas intolerâncias alimentares”, diz-nos David Paiva. Perceber quais são os alimentos que nos “caem mal” é vital se queremos evitar distensão e “flatulência excessiva”.

Alguns alimentos que são frequentemente mal tolerados são:

os lacticínios
as leguminosas secas (feijão e grão)
as couves
a cebola
os brócolos
a batata
a cenoura
algumas frutas (como a banana, a uva, o alperce ou a ameixa)
alguns cereais (como o trigo, o milho ou o centeio)

A evitar estão também os seguintes comportamentos:

comer depressa
fumar
mascar pastilha elástica
consumir bebidas gaseificadas
consumir alimentos que produzem eructação excessiva (como o chocolate e o mentol)

Finalmente, devemos entender que existem “características funcionais e orgânicas”, específicas a todas nós, que não podemos controlar.

Leia também…

Soja e derivados: sim ou não?

Pode ser caso para preocupação? Devo ir ao médico?

Com medo de cair na repetição, voltamos a frisar que o mais importante é conhecer e entender o nosso corpo. Todas temos “um padrão de comportamento intestinal e digestivo mais ou menos regular e, se esse padrão se altera de forma persistente, devemos ficar alerta”.

Alguns sintomas, como a diarreia, a prisão de ventre, a dor intensa, sangue ou muco nas fezes, a febre, o emagrecimento ou a falta de apetite, são “razões para consultar um médico, no sentido de despistar doença”.

O especialista explica ainda que podem existir várias “doenças e condições agudas ou crónicas que podem estar por detrás desses sintomas”, nomeadamente intolerâncias alimentares, síndrome do cólon irritável, doença celíaca, doenças inflamatórias intestinais (como a doença de Chron e a colite ulcerosa), infeções e até mesmo doenças oncológicas do aparelho digestivo ou dos intestinos.

De acordo com David Paiva, “consultar o médico assistente com regularidade será sempre um bom princípio”.

Conhece a dieta intuitiva?

Saiba como fazer escolhas equilibradas.

Источник: https://www.saberviver.pt/bem-estar/saude/como-reduzir-o-inchaco-abdominal/

10 alimentos contra inchaço que farão você se sentir melhor

Alimentos para combater o inchaço
Imagem Shutterstock

Inchaço é horrível. Nada pior que terminar uma refeição se sentindo enorme e pesado, com a sensação de estômago inflado. Mas sua alimentação pode fazer a diferença: alguns alimentos para inchaço podem te ajudar. Contudo, antes de partir para a ação, entenda porque isso acontece. 

Essa sensação de estufamento ocorre quando o abdômen retém líquido, gás ou fica inchado. Muitas vezes, está acompanhado de dor ou desconforto. É um dos problemas estomacais mais chatos e comuns.

As causas incluem constipação, comer demais, a síndrome do intestino irritável e até o hábito de engolir o ar quando você bebe ou come rapidamente. Tudo isso contribui para a protuberância na barriga.

Além disso, existem certas comidas que são menos digeríveis.

Alimentos que contém certos ingredientes, como lactose, açúcar adicionado ou fibras, que são difíceis de digerir por algumas pessoas, também pode causar inchaço.

Quando essas substâncias passam para o cólon, as bactérias se alimentam delas. Esse processo produz as bolhas de gás que fazem seu estômago inchar. Alô, feijão, couve-flor e companhia!

Além disso, quando o corpo absorve muita água e o líquido se acumula entre as células – depois de comer uma pizza bem salgada, por exemplo – isso também pode resultar em um estômago inchado.

Felizmente, você pode esvaziar o estômago se apostar nas comidas certas. Selecionamos 10 alimentos para inchaço que você pode adicionar ao carrinho de compras na próxima ida ao supermercado. 

Kefir

Foto: Shuttersotck

Às vezes, o gás e o inchaço aparecem quando as bactérias do trato digestivo ficam fora de controle. Quando é este o caso, os probióticos de certos alimentos fermentados, como o kefir, podem ajudar a restaurar o equilíbrio bacteriano para manter sua digestão eficiente.

+ Fermentados: tudo sobre kefir, kombucha, kimchi e outros

Você provavelmente já sabe que o iogurte é uma fonte confiável de probióticos. Mas talvez não saiba que o kefir tem até três vezes mais bactérias benéficas do que a opção tradicional. E se você tiver problemas para digerir a lactose, o kefir é quase desprovido dela.

Geralmente as pessoas trocam mudas de kefir em grupos online de compartilhamento. Ele pode ser comprado desidratado online também. Aí, faça seu próprio kefir deixando-o fermentar o leite por algumas horas ou de um dia para o outro.

Abacate

Foto: Shuttersotck

Você definitivamente precisa de um pouco de sódio em sua dieta se estiver correndo muitos quilômetros nos treinos.

Mas, para alguns, comer muitos alimentos salgados pode levar à retenção de líquido, que provoca inchaços. Por isso, invista em comidas ricas em potássio, como abacate.

O sódio suga a água nas células e o potássio a bombeia para fora, ajudando você a desinchar.

+ Veja quantas calorias tem o abacate e como incluí-lo na sua dieta

Pessoas adultas devem comer 4.700 miligramas de potássio por dia. Mas a maioria não chega nem perto disso. Os alimentos para inchaço que mais contém a substância incluem abacate, batata, banana, legumes no geral, espinafre e abóbora. O abacate funciona bem em qualquer refeição (café da manhã, almoço e jantar) e contém gorduras saudáveis ​​que o deixam satisfeito.

Gengibre

Foto: Shuttersotck

Um dos mais antigos remédios caseiros para tudo, desde dores musculares até dor na garganta, o gengibre também pode te ajudar. Os compostos do gengibre podem estimular os sucos intestinais do corpo. Eles ajudam na digestão e reduzem qualquer inchaço causado pela indigestão.

Além de comer, coloque algumas fatias de gengibre fresco na água quente e beba como chá. Gengibre fresco também pode ser adicionado em smoothies e molhos de salada, e a versão em pó seco pode se misturar na farinha de aveia para algo mais picante.

Leite A2

Foto: Shuttersotck

A lactose quase sempre recebe a culpa pelas dores de estômago que aparecem depois da ingestão do leite. Mas evidências sugerem que outro culpado –a proteína beta-caseína A1 – presentes no líquido também pode causar inchaço, dor abdominal e outros sintomas indesejáveis.

+ 8 alternativas ao leite de vaca e os benefícios de cada uma

Por isso, se o leite sem lactose não lhe traz alívio, vale a pena experimentar esta bebida que só contém proteína beta-caseína A2 (e não A1) nos seus cereais e smoothies. Um estudo publicado na revista Nutrients descobriu que beber o leite A2 depois de um treino é tão bom para a recuperação muscular quanto o leite normal.

Laranja

Foto: Shuttersotck

A maioria das pessoas precisa adicionar mais fibras à dieta. Mas depois de comer o ingrediente indigesto, gases e inchaços podem surgir como efeito colateral.

Especialmente se você não está acostumado a comer fibras, já que o gás é um subproduto da digestão delas. O consumo de água pode ajudar, incentivando o movimento do alimento através do sistema digestivo.

Mas, além da água, você também pode comer mais alimentos que sejam ricos em água, como laranjas, melão, frutas vermelhas, tomates e pepinos. 

Aspargos

Foto: Shuttersotck

A gente sabe que ele deixa sua urina com um cheiro um pouco desagradável. Porém, por ser um diurético natural, ele faz com que você faça mais xixi – ajudando a remover o excesso de água dos sistemas. Isso alivia o desconforto causado pela retenção de líquido. 

Aspargos também contém fibras prebióticas. Elas são o alimento dos probióticos (bactérias vivas encontradas em alimentos e suplementos). Por isso, ajudam a alimentar as boas bactérias em seu intestino para manter seu trato digestivo funcionando bem.

Hortelã

Foto: Shuttersotck

Se você está sentindo certo desconforto depois de uma refeição, faça um favor a si mesmo e pegue uma caneca de chá de hortelã. Os óleos da folha podem ajudar a relaxar os músculos do intestino e aliviar os espasmos que causam desconforto.

A infusão de folhas de chá frescas tende a manter melhor as propriedades anti-inchaço. Você também pode jogar folhas de hortelã fresca em saladas ou misturar com frutas.

Feijão

Foto: Shuttersotck

Parece contraditório, mas alimentos como o feijão e vegetais crucíferos – como o brócolis – fazem com que você sinta que engoliu uma bola de basquete, o alívio pode vir de comer mais deles, e não menos.

Expor seu corpo a esses alimentos para inchaço com mais frequência pode treiná-lo para a melhor digestão (justamente ao alimentar, estimular e reequilibrar a microbiota do seu sistema digestivo). Portanto, se você não costuma comer muito, tente adicioná-los à sua dieta regularmente. 

Sementes de erva-doce ou funcho

Foto: Shuttersotck

As sementes com sabor de anis não são apenas ótimas para disfarçar o hálito ruim. O ingrediente típico do Mediterrâneo também é usado tradicionalmente para aliviar problemas digestivos, como inchaço e dores. É por isso que muitos restaurantes indianos oferecem as sementes depois das refeições.

Quando você quiser que seu estômago se comporte, pode mastigar as sementes ou ingeri-las em água quente como chá. Você também pode usá-las como tempero ao preparar receitas como molho de macarrão e sopas.

Dente-de-leão

Foto: Shuttersotck

Muito mais do que uma erva daninha, ele é um diurético natural. Por isso, incentiva seu corpo a fazer xixi e melhora a distensão do estômago causada pela retenção de água. E com a remoção da água e do sódio no corpo, o dente-de-leão pode reduzir a pressão arterial, em alguns casos. 

Nos meses mais quentes, você pode colher dente-de-leão enquanto corre pelas trilhas ou encontrá-lo nos supermercados. Ele pode ser adicionado a saladas, sanduíches e receitas de pesto. Você também pode preparar um chá de dente-de-leão. 

Источник: https://gooutside.com.br/alimentos-para-inchaco-2/

Dicas para evitar a retenção de líquidos

Alimentos para combater o inchaço

A retenção de líquidos afeta principalmente as pernas, mãos, barriga e a região do tornozelo. Veja algumas dicas para evitar e alimentos que auxiliam.

Além do cansaço excessivo, dor de cabeça e queda de pressão, o verão traz consigo um outro problema: a retenção de líquidos, visível principalmente na forma de inchaço.

O inchaço ocorre quando fluidos dos vasos sanguíneos e linfáticos — principalmente dos muito finos, chamados de capilares — extravasam e se acumulam entre as células dos tecidos logo abaixo da pele, formando os chamados edemas. O problema afeta principalmente as pernas, mãos, barriga e a região do tornozelo.

Uma maneira simples de perceber a retenção em seu corpo é no momento de tirar as meias e sapatos, quando fica uma marca deixada pelo elástico ou por detalhes da meia. “Falta de movimentação, estresse e menstruação são alguns fatores desencadeantes”, alerta a nutricionista Cintya Bassi, do Hospital e Maternidade São Cristóvão.

Em relação à sensação de pés inchados no final do dia, ela explica: “Quando está calor, a nossa circulação fica mais lenta e temos mais dificuldade para absorver a água do organismo”.

Dessa forma, as extremidades são a região mais afetada, e os pés ainda mais por ficarem distantes do coração.

Então, mesmo que você trabalhe sentado ou em pé o dia inteiro, tente movimentar as pernas, para que o desconforto no fina do dia seja menor.

Alimentação para evitar a retenção de líquidos

Poderíamos pensar que ingerir líquidos pioraria o problema, mas não. A nutricionista afirma que beber água é fundamental (2 litros por dia), pois a desidratação é um dos fatores que pode estimular o aparecimento do problema. Por isso, quanto mais água você ingerir, mais toxinas irá eliminar pela urina.

É importante ficar atento também à dieta, pois existem alimentos que podem causar ou agravar o inchaço.

“Quando se consomem alimentos ricos em sal, como embutidos, enlatados, queijos amarelos, molho tipo shoyu e fast foods, o organismo precisa reter mais água para que seja possível fazer a diluição desse mineral. Então, o corpo não deixa a água ir embora por conta do acúmulo de sal”, explica a nutricionista.

Já os alimentos probióticos, como os iogurtes, são eficientes, pois os micro-organismos vivos tornam a flora intestinal mais saudável, além de ajudar a absorver melhor os nutrientes e diminuir o inchaço.

Em relação ao consumo de frutas, existem diversas com alto poder diurético e que possuem em comum uma boa quantidade de nutrientes que facilitam a eliminação de líquidos.

“Melancia, melão, abacaxi e pera são exemplos.

Seus nutrientes, potássio, magnésio, vitaminas do complexo B e água juntos aumentam o fluxo de urina e ajudam a eliminar toxinas com a renovação de líquidos corporais”, diz a nutricionista.

Propriedades das frutas diuréticas mais conhecidas

Essa fruta é conhecida pelo alto teor de água, o que a torna aliada da hidratação. Além do poder diurético, possui licopeno, uma substância que auxilia na prevenção contra o câncer, especialmente de próstata e mama, além de doenças do coração.

Essa também é uma fruta diurética, que possui ainda propriedades antioxidantes, que combatem os radicais livres responsáveis pelo envelhecimento. Pelo alto teor de potássio, possui também ação cardioprotetora, ajudando a equilibrar os níveis de pressão arterial, e fibras, que auxiliam na regulação do intestino, melhorando também o desconforto causado pela constipação.

Rica em nutrientes que auxiliam no combate à retenção de líquidos, tem também muitas fibras que melhoram o funcionamento intestinal, diminuindo o inchaço abdominal. Possui também uma enzima chamada bromelina, que auxilia na digestão.

Além de auxiliar na eliminação de líquidos, possui pectina, uma fibra também relacionada ao melhor funcionamento intestinal e que está envolvida no controle glicêmico e do colesterol.

É uma fruta diurética natural, graças à boa quantidade de potássio e vitamina B6. Assim como a pera, possui pectina.

Também é rico em potássio, fibras, manganês, e é conhecido por reforçar o sistema imunológico graças à quantidade de vitamina C.

Sua água possui alta quantidade de potássio e magnésio, o que auxilia na eliminação de líquidos.

Receita de suco diurético

Ingredientes

  • ¼ prato de sobremesa de couve manteiga, higienizada e picada;
  • 1 fatia grossa de melão;
  • 250 mL de água de coco;
  • 1 colher de sopa de hortelã, higienizado e picado;
  • ¼ de colher de sopa de suco de limão;
  • ¼ de maçã;
  • Cubos de gelo.

Preparo

Bata todos os ingredientes no liquidificador até que a mistura fique homogênea. Acrescente adoçante a gosto e beba em seguida.

Источник: https://drauziovarella.uol.com.br/angiologia/dicas-para-evitar-a-retencao-de-liquidos/

Como comer para ter uma barriga lisa (e menos inchada)

Alimentos para combater o inchaço

Os fatos de banho são tendência. Mas também há biquinis giros, há crop tops, há vestidos justos e, claro, há a auto-estima. A par de uns glúteos (que se querem definidos), a barriga é a zona do corpo que mais frustrações levanta e mais trabalho dá.

A acumulação de gordura nesta zona do corpo é muito comum, mas também é possível que estejam outros fatores na origem do volume. É possível que sinta as calças apertadas pela acumulação de gases, pela obstipação intestinal, pela retenção de líquidos ou devido a uma más digestões frequentes.

Mas concentre-se nisto: o corpo funciona como um todo. Está tudo ligado: uma dieta com maus hábitos e com os alimentos errados está na origem de uma barriga com gordura, mas também é quase sempre a génese de desequilíbrios no organismo que darão origem a estas condições que resultam em inchaço e proeminência abdominal.

“Estão todos encadeados”, diz Lillian Barros, a nutricionista — autora do blogue “Santa Melancia” — que deu à MAGG algumas ferramentas para ter uma barriga mais lisa, evitando estas reacções. “A alimentação saudável não passa só por pequenos truques. Tem de ser vista como um todo. De manhã à noite.”

Como evitar a acumulação de gases

“Quem tem acumulação de gases deve evitar alimentos com potencial para uma fermentação exagerada nos intestinos”, explica.

Os responsáveis são alguns dos alimentos que as nutricionistas mais aconselham: além do leite de vaca (o de cabra é bem tolerado), deve evitar as leguminosas e os vegetais crucíferos, onde se inserem, por exemplo, a couve-flor, a couve-de-bruxelas, repolho ou brócolos.

Como solução, deverá apostar em soluções que devolvam o equilíbro da família de bactérias do intestino.

Além de uma alimentação equilibrada (muito importante), a nutricionista sugere a ingestão de probióticos [bactérias e leveduras que agem na flora intestinal], presentes no kefir, por exemplo, ou em suplementos — que devem ser sempre ingeridos mediante aconselhamento médico. “O funcho e erva doce também ajudam”, explica, fazendo referência a infusões, em que basta misturar estas ervas com água.

Depois de começar a comer bem e a apostar nestas sugestões, é provável que deixe de acumular tantos gases — e que possa voltar a ingerir brócolos e couves. “Depois de normalizar, devem reeintroduzir-se estes alimentos e estar atento à resposta do organismo.”

Como combater a obstipação intestinal

Afaste-se de alimentos refinados. Evite o arroz, a bebida de arroz ou a banana porque estes prendem os intestinos. A sua alimentação deverá incluir mais alimentos integrais (aveia, pão escuro, quinoa, por exemplo), frutas e vegetais, porque são ricos em fibras, um micronutriente com um papel fundamental na regulação intestinal.

“Frutas como papaia, kiwi, laranjas, ameixas ou figos são muito interessantes do ponto de vista intestinal, pela composição em fibras solúveis e não solúveis. Têm efeito laxante e colocam o intestino a funcionar”, diz. “As sementes de linhaça também são um bom alimento porque, além da fibra, são ricas em ácidos gordos essenciais.”

Como evitar a acumulação de gordura

Estava à espera de chegar a este ponto? Adiantamos-lhe: não há receitas e infusões que tratem deste problema. Enquanto os gases, a retenção de líquidos ou a obstipação intestinal são condições concretas, “a perda de peso só se consegue com uma dieta equilibrada, que permita fazer uma reeducação alimentar”, em que se “perde peso, pela perda de gordura acumulada.”

Da mesma maneira que, quando engordamos, não escolhemos a zona do corpo onde a gordura se acumula, o mesmo acontece quando o perdemos.

Mas, aquilo que tende a acontecer é que se reduz o volume nas zonas onde há mais tendência para aumentar.

Se o seu tendão de Aquiles é a barriga então é provável que seja aí que comece a emagrecer mais: “Com uma perda de peso coerente e saudável, perde-se gordura nos locais onde ela se acumula”, diz.

Afaste-se dos alimentos processados, “ricos em gorduras de má qualidade, como as trans ou hidrogenadas.” Reduza drasticamente a quantidade de açúcar adicionado e cuidado com o excesso de sal.

Retenção de líquidos

E se falamos em sal, aproveitamos para referir a retenção de líquidos, tão comum nas mulheres e potenciado por este ingrediente. Esta condição, que nasce da acumulação de líquido, combate-se, acima de tudo, através da ingestão de água — e através do cuidado com aquilo que come. Acontece sobretudo com os membros inferiores, mas também pode afetar a barriga.

“O primeiro passo para tratar a retenção de líquidos é começar a beber mais água. Depois, pode apostar-se em infusões que, além de hidratarem, contribuam na drenagem, como é o caso das de cavalinho, de hibisco ou dente de leão, que ajudam a desinchar”, diz.

Comece o dia com uma destas bebidas (em que basta misturar o ingrediente em água) e veja os resultados. “São ervas medicinais que, pela sua composição, são diuréticas e drenantes, por ativarem as vias urinárias e ajudarem a expelir a água em excesso.

Para reduzir a quantidade de sal, a nutricionista sugere uma leitura atenta dos rótulos, bem como soluções mais equilibradas, como sal marinho, dos himalaias ou até salicórnia. As ervas aromáticas também são uma excelente ferramenta, por terem sabores intensos.

“Pode também fazer-se uma mistura em que se usam três partes de sal para nove de especiarias, que faz com que, ao temperar a carne, peixe ou salada, usemos um terço do sal, com o triplo do sabor.”

Como evitar as más digestões

“Temos más digestões por alterações do nosso equilibrio. Quando tratamos mal do organismo, podemos criar um défice de enzimas”, explica Lillian Barros, sobre as causas de uma má digestão.

Farto de ler que a solução é alterar os seus hábitos alimentares? Pois, mas esta é mesmo a mais eficaz. Mas se costuma sentir azia e enjoou depois de comer, há três ingredientes que podem ajudar o corpo a digerir a comida, sobretudo quando se tratam de pratos mais pesados: o gengibre, o ananás e a papaia.

“O ananás tem uma enzima que é a bromelina que ajuda a digerir depois das refeições mais elaboradas. A papaia tem a papaína, que é outra enzima, que tem o mesmo efeito.”

Pode optar por incluir estes alimentos no prato principal ou ingeri-los como sobremesa. Adicione o gengibre aos seus cozinhados. Além de ser um ótimo ingrediente para diminuir a quantidade de sal, pelo sabor intenso, é ainda conhecido pelas suas funções medicinais, onde se insere uma melhor digestão.

Источник: https://magg.sapo.pt/vida-saudavel/alimentacao/artigos/como-comer-para-ter-uma-barriga-lisa-e-menos-inchada

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: