ANEMIA PODE VIRAR LEUCEMIA?

ANEMIA PODE VIRAR LEUCEMIA?

ANEMIA PODE VIRAR LEUCEMIA?

Hematologia

Anemia e leucemia são duas entidades completamente diferentes, mas que podem aparecer em conjunto em determinados pacientes. Talvez por isso seja muito frequente a dúvida sobre a possibilidade de uma anemia se transformar em leucemia, caso ela não seja tratada adequadamente.

Mas anemia pode realmente virar leucemia?

Não, anemia não vira leucemia. Mesmo que anemia não seja tratada adequadamente, não há nenhum risco dela virar leucemia nem a curto nem a longo prazo.

O inverso, porém, pode ocorrer. Pacientes com leucemia não só podem, como frequentemente desenvolvem um quadro de anemia.

Portanto, a associação entre anemia e leucemia é bastante comum, mas a primeira não provoca a segunda.

Vamos explicar o são a anemia, as hemácias, os leucócitos e a leucemia para você entender um pouco melhor a relação entre as duas situações.

O que é anemia?

Anemia é o nome que damos quando há redução na quantidade de hemácias na circulação sanguínea.

A hemácia, também chamada de eritrócito ou glóbulo vermelho, é o tipo de célula mais abundante no nosso organismo. Só para se ter uma ideia, em adultos saudáveis, podemos encontrar cerca de 5 milhões de glóbulos vermelhos em apenas 1 mililitro de sangue ou 250 mil dessas células em uma única gota.

A hemácia é a célula responsável pelo transporte oxigênio pelo sangue. Ela capta as moléculas de oxigênio que estão nos alvéolos dos pulmões e as leva para todos os tecidos do corpo.

Como sabemos, o oxigênio é essencial para a produção de energia pelas células. A redução no número de glóbulos vermelhos provoca uma diminuição na capacidade do organismo de levar oxigênio para as suas células, motivo pelo qual o cansaço e a fraqueza são sintomas típicos da anemia.

As hemácias são produzidas de forma contínua na medula óssea e têm uma vida média de 120 dias. Conforme ficam velhas, elas vão sendo destruídas no baço, e novas hemácias produzidas na medula óssea são lançadas na corrente sanguínea.

A quantidade de glóbulos vermelhos produzidos e destruídos é sempre mais ou menos igual, de forma que a quantidade de hemácias circulantes no sangue mantenha-se sempre estável.

A anemia surge quando esse balanço é quebrado, ou seja, ou a produção de glóbulos vermelhos novos encontra-se reduzida ou a destruição das hemácias está mais elevada que a capacidade do organismo de repô-la.

Geralmente, três situações são responsáveis por esse desbalanço:

1. A medula óssea está doente e com pouca capacidade de gerar hemácias novas. 2. Alguma doença está provocando a destruição precoce das hemácias circulantes no sangue, antes dos 120 dias habituais de vida.

3. O paciente está perdendo hemácias de forma rápida devido a sangramento em algum ponto do corpo.

Explicamos a anemia com mais detalhes no artigo: Anemia – O que é, tipos, causas e sintomas.

O que é leucemia?

A leucemia é um tipo de câncer do sangue provocado pela produção exagerada de leucócitos.

A hemácia não é o único tipo de célula presente no sangue. Os leucócitos, também chamados de glóbulos brancos, são outro tipo de célula sanguínea. Assim como as hemácias, os leucócitos também são produzidos na medula óssea.

Sua função, porém, é completamente diferente. Os leucócitos pertencem ao sistema imunológico e são um dos principais responsáveis pelo combate aos germes invasores do organismo.

Existem basicamente 5 tipos de leucócitos, a saber: neutrófilos, linfócitos, eosinófilos, basófilos e monócitos.

Em situações normais, temos entre 5 e 10 mil leucócitos por cada mililitro de sangue (bem menos que o número de hemácias). Em casos de infecção, o corpo pode começar a produzir mais leucócitos como uma forma de aumentar nossas células de defesa contra o germe invasor. A esse processo dá-se o nome de leucocitose.

Nos casos de leucemia, a medula óssea está doente e passa a produzir leucócitos defeituosos e de forma descontrolada, provocando também uma leucocitose. No entanto, enquanto na leucocitose provocada por infecções bacterianas o número de leucócitos costuma ficar ao redor de 20 mil por ml, na leucocitose da leucemia esse número frequentemente ultrapassa os 50 mil por mililitro.

Explicamos as leucemias com mais detalhes no artigo: Leucemia – Tipos, sintomas e tratamento.

Qual é a Relação entre anemia e leucemia?

Enquanto a leucemia é uma doença propriamente dita, a anemia é um sinal de doença, que pode ocorrer em várias situações, incluindo a própria leucemia.

Os leucócitos malignos produzidos excessivamente na leucemia costumam se acumular dentro da medula óssea, ocupando espaço que antes era reservado para a produção de outras células do sangue, como as hemácias, por exemplo.

Com o passar do tempo, a infiltração e a destruição da medula pelos leucócitos doentes começa a impedir a produção de novas hemácias, fazendo com que o paciente desenvolva anemia, ou seja, níveis inadequados de glóbulos vermelhos no sangue.

A anemia por outro lado possui diversas causas, que vão desde sangramentos, passando por doenças genéticas, até intoxicações ou infecções que atacam diretamente a medula óssea.

A anemia em si, porém, nada tem a ver com a produção dos leucócitos. O paciente com anemia, mesmo que de forma crônica, não encontra-se sob maior de risco de desenvolver leucemia. Existem diversos motivos para se tratar uma anemia, mas a prevenção da leucemia não é um deles.

Concluindo, a leucemia pode e costuma provocar anemia, mas a anemia não causa leucemia em hipótese alguma. Mesmo as anemias que duram anos não apresentam risco de se transformar em leucemia.

Источник: https://www.mdsaude.com/hematologia/anemia-leucemia/

Anemia e leucemia: qual a diferença e a relação entre as duas doenças?

ANEMIA PODE VIRAR LEUCEMIA?

Anemia e leucemia são problemas de saúde totalmente diferentes, mesmo que essas duas complicações ocorram no sangue. Apesar de haver diferenças, elas podem aparecer em conjuntos em determinados pacientes.

Muitas pessoas têm diversas dúvidas sobre elas, e, na maioria das vezes, algumas confundem a consequência de cada uma. Os sintomas são bastantes parecidos, mas existem coisas que precisam ser esclarecidas.

Por isso, a Santo Remédio vai explicar qual a diferença e a relação entre anemia e leucemia. Continue lendo!

Leia também:
– Causas da anemia: como a doença atrapalha a sua rotina e o trabalho?
– Alimentação saudável: idosos precisam de uma dieta diferenciada?

Qual a diferença entre anemia e leucemia?

Anemia é um problema de saúde que causa a redução dos glóbulos vermelhos no sangue, as chamadas hemácias ou eritrócitos. A hemoglobina é uma proteína que transporta o oxigênio dos pulmões para todos os órgãos do corpo, além de ser considerada a célula mais abundante no organismo.

Esse oxigênio é necessário para produção de energia das células, e a redução acaba provocando a diminuição dos glóbulos vermelhos. Por isso, uma pessoa que sofre de anemia tem menor oxigenação no organismo.

Existem diversos fatores que podem causar a anemia, alguns são:

  • Hemorragias intensas;
  • Doenças crônicas; 
  • Doenças genéticas;
  • Deficiência de vitaminas e sais minerais;
  • Falta de ferro.

Além disso, é importante destacar que a anemia não é uma doença, é um sintoma de uma deficiência na oxigenação dos ossos ou de outros problemas de saúde.

Apesar de não ser considerada doença, a anemia pode ser bastante grave, pois a principal consequência é o cansaço. Então, tarefas simples do dia a dia, como pentear o cabelo, podem se tornar exaustivas.

Leucemia é um tipo de câncer que atinge os glóbulos brancos do sangue. A doença ocorre quando a medula óssea produz em grande quantidade essas células. Dessa forma, elas sofrem mutações, sendo impossibilitadas de cumprir sua função normal.

Esse desequilíbrio permite que as células leucêmicas comecem a se infiltrar na medula, fazendo com que a produção dos glóbulos brancos, plaquetas e glóbulos vermelhos reduza. Dessa forma, os sintomas vão surgindo. Eles são:

  • Infecções frequentes;
  • Sensação de fraqueza ou cansaço;
  • Manchas roxas ou pontos vermelhos na pele;
  • Inchaço ou desconforto no abdômen;
  • Perda de peso;
  • Sangramento na gengiva e nariz.

Esses sãos os sintomas mais comuns da leucemia, no entanto, os sinais não se manifestam logo no início. Por isso, é importante consultar um médico e fazer exames de sangue sempre, para evitar graves complicações.

Anemia pode virar leucemia?

Não, anemia não pode virar leucemia. Uma pessoa que sofre de anemia, mesmo que não tenha tratamento adequada, não vai desenvolver a doença. A maioria dos pacientes pensam que isso pode ocorrer, mas o que acontece é totalmente ao contrário.

Com o desequilíbrio nas células, os glóbulos vermelhos acabam reduzindo. Por isso, uma pessoa que tem leucemia pode desenvolver a anemia.

Então, se o paciente vai ao médico e descobre que tem anemia, e mais tarde é diagnosticado com leucemia, não é porque a doença evoluiu. A anemia era apenas um sintoma da leucemia, o processo é inverso.

Pois, enquanto a leucemia é uma doença, a anemia é um sinal de alguma complicação de saúde.

Por isso, é importante sempre consultar um especialista e realizar exames de rotina, pois é possível diagnosticar tanto a anemia como a leucemia, assim tratando desde cedo esses problemas de saúde.

Agora que você já sabe a real diferença entre a anemia e leucemia, esteja sempre em dias com a sua saúde, assim seu bem-estar será garantido. Então não deixe de conferir nosso conteúdo sobre Leucemia: descubra os mitos e as verdades sobre a doença.

Источник: https://drogariasantoremedio.com.br/anemia-e-leucemia/

Anemia pode virar leucemia? – Revista Online ABRALE

ANEMIA PODE VIRAR LEUCEMIA?

Existe um conhecimento popular que afirma que a anemia pode virar leucemia. Isso acontece principalmente porque as duas doenças afetam as células sanguíneas. Mas será que elas realmente têm ligação de causa e consequência? 

O Dr. Eduardo Rego, Prof. Titular da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, coordenador da Hematologia da Oncologia D’Or e Diretor da ABHH, afirma que a anemia não evolui para nenhum outro tipo de doença. 

“A anemia não se transforma em outra doença! Existe um desconhecimento e este conceito popular ajuda a divulgar informação errada. O que na maioria das vezes acontece é que a causa da anemia não é investigada adequadamente. Depois, quando aparecem outras manifestações, é que fazem o diagnóstico da doença corretamente, causando essa confusão”, diz o médico.

É comum que primeiro seja identificada a anemia e, somente depois de realizados outros exames, chega-se ao diagnóstico de leucemia. Isso faz parecer que uma doença causou a outra quando, na verdade, a anemia é apenas um sintoma da leucemia.

“A anemia pode ser uma das manifestações das leucemias, mas tem várias causas diferentes”, explica o especialista.

Afinal, o que é anemia então?

Dentro dos glóbulos vermelhos do sangue existe uma molécula chamada hemoglobina, responsável por carregar oxigênio pelos tecidos. Quando uma pessoa está com anemia, há uma queda nos glóbulos vermelhos e, consequentemente, das hemoglobinas. Isso faz com que o oxigênio não chegue até os órgãos e a pessoa sinta cansaço, falta de ar e fique pálida. 

O Dr. Rego explica que existem três principais causas para o desenvolvimento da anemia.

Primeiramente, pode ser devido a uma falha na produção das hemoglobinas. “Seja porque está faltando um nutriente como o ferro, a vitamina B12 ou ácido fólico. Ou ainda porque existe uma doença genética hereditária, como a talassemia, que impede a formação normal da hemoglobina”, explica ele.

A segunda possível causa é por conta de alguma doença que se infiltra na medula óssea e impede a formação dos glóbulos vermelhos. Enquanto que a terceira causa acontece quando a pessoa desenvolve anticorpos que destroem os glóbulos vermelhos dentro da medula óssea. Por exemplo, as anemias hemolíticas.

Em comparação, as leucemias acontecem quando os glóbulos brancos do sangue sofrem uma mutação, perdendo a função de defesa, e passam a se reproduzir de maneira descontrolada. Não se sabe exatamente o que causa esse defeito nas células, mas acredita-se que a exposição a químicos e tabagismo estão envolvidos.

Existe relação entre a anemia e a leucemia?

É possível que durante o tratamento da leucemia, o paciente desenvolva um quadro de anemia. Isso acontece porque tanto as células cancerosas quanto os glóbulos vermelhos possuem características semelhantes.

“A anemia aparece no tratamento das doenças oncológicas principalmente por conta dos efeitos colaterais da quimioterapia. As células que dão origem aos glóbulos vermelhos se dividem muito rapidamente e muitos quimioterápicos têm ação contra o câncer exatamente porque atacam as células que se dividem rápido”, conta o Dr. Rego.

Além disso, é comum o paciente oncológico ter dificuldade para se alimentar, causando falta de nutrientes e a anemia. Ou ainda é possível que ele tenha sangramentos durante o tratamento e, com isso, a quantidade de glóbulos vermelhos diminua.

Quando a anemia aparece durante o tratamento oncológico é muito importante ter um acompanhamento médico para tratá-la corretamente. 

Mas a relação entre as doenças param por aí! 

O diagnóstico da anemia e da leucemia são feitos de formas diferentes!

“O diagnóstico de anemia geralmente é feito por meio de um hemograma, um exame extremamente simples e barato. Ele vai quantificar a hemoglobina e os glóbulos vermelhos”, conta o Dr. Rego.

O diagnóstico da leucemia também começa com um hemograma, mas são necessários outros exames para confirmar o câncer. Caso o hemograma aponte que há células malignas circulando, o especialista pode pedir um mielograma ou uma biópsia da medula. Isso o ajudará a chegar a confirmar a leucemia. 

Os tratamentos também são diferentes

Dependendo do tipo de anemia será escolhido qual a melhor forma de tratá-la. 

“Cada causa da anemia tem um tratamento específico. Se é por falta de produção por um nutriente específico, se é por um a falta de células progenitoras da medula óssea ou por uma destruição periférica”, considera o hematologista.

Entretanto, os principais tratamentos para essa doença são estimulantes medulares, hormônios, suplementos alimentares, vitaminas ou transfusão de sangue.

A leucemia também possui várias possibilidades de tratamentos, variando de acordo com o subtipo de doença e condição do paciente. Podem ser utilizadas a quimioterapia, terapias-alvo, imunoterapia, transplante de medula óssea (TMO) e, em casos raros, radioterapia.

Os sintomas também não são iguais

Os sintomas da anemia são: fadiga, mal-estar, tontura, dor de cabeça, palidez, falta de ar e unhas quebradiças.

Já os de leucemia são: febre, fadiga, infecções frequentes, perda de peso sem motivo aparente, hematomas recorrentes, dor nos ossos e suor noturno.

“São duas doenças completamente diferentes”, finaliza o Dr. Eduardo Rego.

Apesar de comum, emagrecer durante o câncer pede atenção 

Você sabe como cuidar dos alimentos?

Источник: https://revista.abrale.org.br/anemia-pode-virar-leucemia/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: