Calores da Menopausa (Fogacho)

Contents
  1. Menopausa: como atenuar e prevenir as ondas de calor – Revista Seleções
  2. CAUSAS
  3. SINTOMAS
  4. 1. Faça terapia de reposição hormonal (TRH)
  5. 2. Tome um suplemento de soja
  6. 3. Experimente antidepressivos
  7. 1. Reduza seu manequim
  8. 2. Procure um homeopata
  9. 3. Tome vitamina E
  10. O Que São as Ondas de Calor Feminina | Plenitud®
  11. Descrição de uma onda de calor
  12. Fisiologia das Ondas de Calor 
  13. Recuperando o poder
  14. Hábitos saudáveis e estilo de estilo de vida
  15. Pratique exercícios aeróbicos:
  16. Consumo diário de proteínas vegetais:
  17. Descanso adequado:
  18. Terapia complementar e alternativa:
  19. Ervas e suplementos:
  20. Terapia hormonal:
  21. Colocando tudo junto
  22. Adeus, calorão: elimine os sintomas da menopausa com este remédio caseiro
  23. 2. Remédios para calor da menopausa
  24. Cuidados gerais para diminuir o calor da menopausa
  25. Dieta para evitar o calor da menopausa
  26. Remédios caseiros e suplementos naturais
  27. 10 opções naturais de remédio para menopausa
  28. Remédios naturais para menopausa
  29. 1. Soja
  30. 2. Erva-de-são-cristóvão (black cohosh)
  31. 3. Sementes de linhaça
  32. 4. Raiz de alcaçuz
  33. 5. Ginseng vermelho coreano
  34. 6. Erva-de-são-joão
  35. 7. Óleo de coco
  36. 8. Nozes
  37. 9. Chá verde
  38. 10. Folhas verde-escuras
  39. Veja também:
  40. De olho nos Sintomas Vasomotores da Menopausa: O papel da terapia hormonal no alívio de sintomas
  41. O que são Sintomas Vasomotores?
  42. Sintomas
  43. A menopausa tem tratamento?
  44. Tratamento Comportamental
  45. Tratamentos Medicamentosos – Terapia Hormonal
  46. Efeitos colaterais da reposição hormonal
  47. Buscando tratamento
  48.  Fontes: www.einstein.br | www.endocrino.org.br
  49. Alimentos para menopausa: o que comer para combater os sintomas
  50. Coloque no prato:
  51. Melhor evitar:
  52. Menopausa e climatério
  53. Causas
  54. Diagnóstico
  55. Tratamento
  56. Recomendações

Menopausa: como atenuar e prevenir as ondas de calor – Revista Seleções

Calores da Menopausa (Fogacho)

Eles começam como um calor no peito, que depois sobe lentamente para o pescoço e o rosto, como o mercúrio em um termômetro. Alguns minutos depois, você está tremendo, morrendo de frio.

Não se trata de febre, mas das ondas de calor – também chamadas de “fogachos” – que cerca de 80% das mulheres sentem na transição para a menopausa.

Para algumas, os calores e os suores noturnos podem tornar a vida um inferno.

CAUSAS

Níveis flutuantes de estrogênio e progesterona. Essas flutuações afetam o sistema de controle de temperatura no cérebro, de modo que ele reage exageradamente a pequenas mudanças na temperatura e dilata os vasos sanguíneos tentando indevidamente resfriar o corpo.

SINTOMAS

Sensação de calor, rubor, transpiração excessiva. Quando os calores ocorrem à noite, podem interromper o sono e deixá-la deitada em meio a lençóis molhados.

1. Faça terapia de reposição hormonal (TRH)

Estudos mostram que suplementos de estrogênio reduzem os episódios em até 90%. O segredo é tomar a menor dose possível pelo menor tempo possível.

Um amplo estudo descobriu índices mais altos de câncer de mama, doença cardíaca e AVC em mulheres que tomaram medicamentos de estrogênio com progestina (a progestina é incluída na terapia de estrogênio para diminuir o risco de câncer de colo do útero) e índices mais altos de AVC em mulheres que tomaram só estrogênio.

No entanto, as principais instituições médicas afirmam que é seguro fazer a TRH por um período de um ou dois anos para ajudar as mulheres a passar pela pior fase da menopausa. Os riscos são ainda menores se você tiver menos de 60 anos.

2. Tome um suplemento de soja

Escolha um que contenha isoflavonas agliconas, fitoestrogênios encontrados em derivados da soja. Em um estudo de 12 semanas realizado com 190 mulheres na menopausa que receberam placebo ou 40 a 60 mg diários de um suplemento com esses compostos, as que tomaram o suplemento tiveram a metade dos episódios de calor que experimentavam no início.

O grupo do placebo teve 39% menos calores. Em outro estudo, as mulheres que tomaram diariamente um extrato contendo 40 mg de isoflavonas, durante 10 meses, relataram que a intensidade de suas ondas de calor caiu 70%, em comparação com os 34% do grupo que recebeu placebo.

Mas não exagere na soja; grandes quantidades podem aumentar o risco de câncer de mama.

3. Experimente antidepressivos

Não para a depressão, mas para evitar os calores.

Pesquisadores que tentavam encontrar opções sem estrogênio para aliviar as ondas de calor em mulheres com câncer de mama depararam com os benefícios de certos antidepressivos em doses baixas.

Entre eles estão a venlafaxina, a fluoxetina e a paroxetina. Estudos comprovaram que eles conseguem reduzir em 63% os calores, comparados a placebo. Lembre-se sempre de procurar um médico e não se automedicar!

1. Reduza seu manequim

Um estudo feito com mulheres de 47 a 59 anos descobriu que aquelas com os maiores percentuais de gordura corporal eram 27% mais propensas a ter calores. O ideal é  ter um nível de gordura corporal menor que 33% (e maior que 5%). Existem instrumentos para medir o percentual de gordura corporal; sua academia deve ter um. O médico também pode realizar um exame mais acurado.

É verdade que perder peso certamente reduzirá sua gordura corporal como um todo, mas a musculação é a melhor opção para converter gordura em músculo (e reduzir o manequim, mesmo que o peso permaneça o mesmo). Considere algumas sessões com um personal trainer para começar.

2. Procure um homeopata

A homeopatia é uma opção de tratamento controversa, e poucas pesquisas foram feitas para avaliar seus efeitos com relação aos calores.

Em um estudo, no entanto, 99 médicos de oito países prescreveram remédios homeopáticos para 438 mulheres que passavam pelos calores da menopausa. Os medicamentos mais prescritos foram Lachesis, Belladona, Sepia, Sulphur e Sanguinaria.

Noventa por cento das mulheres disseram que seus sintomas desapareceram ou que não eram mais tão intensos. Mas procure um homeopata em vez de se automedicar.

3. Tome vitamina E

Estudos sobre os benefícios da vitamina E para evitar os calores apresentaram conclusões variadas.

Porém, uma pesquisa recente feita com 51 mulheres que receberam 400 UI de vitamina E ou placebo comprovou que aquelas que tomaram vitamina E tiveram cerca de dois episódios de calores a menos por dia. E os episódios foram também menos intensos.

Mas cuidado: doses altas aumentam o risco de AVC. Então certifique-se de falar com o seu médico antes de tomar suplementos de vitamina E, e não tome mais de 400 UI.

Источник: https://www.selecoes.com.br/saude/calores-menopausa-prevenir-e-atenuar/

O Que São as Ondas de Calor Feminina | Plenitud®

Calores da Menopausa (Fogacho)

Por Rebecca Hulem. 

Quase toda mulher já ouviu falar das ondas de calor, o sintoma mais comum durante a transição para a menopausa.

Mas o que é uma onda de calor? O que acontece dentro do corpo da mulher que causa a onda de calor? Toda mulher na menopausa experimenta esta fase? São perigosas? Existe algo que possa ser feito para minimizar ou interromper as ondas de calor?

Descrição de uma onda de calor

Uma onda de calor no que se refere à menopausa é simplesmente isso: uma sensação intensa de calor que geralmente começa na cintura e move-se rapidamente em direção ao rosto. Levar de 30 a 60 segundos para chegar ao rosto onde finalmente se dissipa.

  Em geral acompanhadas de vermelhidão no rosto e sudorese intensa, junto com a transpiração, você notará elevação da frequência cardíaca. Você vai se deparar com um enorme desejo de arrancar as roupas ali mesmo. Você terá a sensação de que as ondas de calor vão durar eternamente e vai desejar a morte.

  A frustração precisa ser controlada para não acabar em tragédia. Raramente, levam a quadros de náusea ou tontura. 

Depois dessa apresentação assustadora, fica evidente que as ondas de calor são um suplício à parte. Mas alívio de todas nós mulheres, nem todas as ondas de calor tem a mesma intensidade.

Algumas são acompanhadas de vermelhidão no rosto e sudoreses intensas, outras bem menos intensas e passam rapidamente. As ondas de calor são imprevisíveis, você nunca sabe quando vão começar e de que tipo são.

 

As ondas de calor afetam tantas mulheres e são tão comuns que são o indicativo de que a menopausa chegou.

Porém, não há motivos para generalizar, algumas mulheres sortudas talvez tenham tido apenas 1(uma) experiência de ondas de calor em toda sua vida.

Portanto, não se chateie se sua melhor amiga não esteja passando pelo mesmo sofrimento que você.

Fisiologia das Ondas de Calor 

Ondas de calor durante a transição da menopausa são causadas pela queda repentina do estrogênio, hormônio responsável pela regulação da temperatura corporal.

A temperatura do corpo é controlada por um processo denominado vasodilatação, que mantém os vasos sanguíneos abertos com o sangue fluindo.

Quando você está tendo uma onda de calor, os vasos são temporariamente contraídos, o que não é um processo perigoso, apenas incômodo.

Recuperando o poder

Há muitas opções quando se trata de controlar ondas de calor. Se as ondas estiverem arruinando o seu dia, procure um médico especializado para que possa ser feita uma avaliação do seu caso específico, lembre-se que cada caso é um caso, então nem sempre a prescrição que resolve o problema da sua melhor amiga vai resolver o seu. 

No entanto, se você não estiver desesperada com o problema, controlar a frequência das ondas de calor ajustando hábitos pode funcionar melhor. 

As opções para controlar as ondas de calor são divididas em três categorias:

  • Mudanças de estilo de vida: o mais simples e não invasivo
  • Terapia complementar e alternativa
  • Terapia hormonal

Hábitos saudáveis e estilo de estilo de vida

Tenho certeza que você já ouviu esse conselho antes; vista-se utilizando a técnica das camadas, diminuía a ingestão de cafeína e álcool, pare de fumar e controle o estresse. O uso de produtos de resfriamento: ventiladores de mão, rolos de resfriamento em gel e toalhas de refrigeração são ótimas opções. Um passo adicional seria:

Pratique exercícios aeróbicos:

de 4 a 5 vezes na semana – melhora a circulação, o que diminui a frequência e intensidade das ondas de calor.

Consumo diário de proteínas vegetais:

soja, leguminosas, lentilhas, feijão – aumentar a ingestão de peixes gordurosos ômega 3 – salmão, sardinha, atum – pelo menos três vezes por semana.

Descanso adequado:

pode ser difícil se você não está dormindo bem devido a suores noturnos, no entanto, quando você está bem descansado lidar com ondas de calor é muito mais fácil.

Terapia complementar e alternativa:

esta abordagem rapidamente ganhou popularidade no controle de ondas de calor, especialmente porque os hormônios caíram em desuso como primeira abordagem devido ao risco a longo prazo e efeitos colaterais. A terapia não tem risco ao longo prazo e pode ser interrompida a qualquer momento sem efeitos colaterais.

Exemplos seriam: 

  • Tai Chi, yoga, meditação e massagem terapêutica
  • Acupuntura
  • Aromaterapia

Ervas e suplementos:

experimente isoflavonas de soja, erva cohosh preto e / ou ômega 3 ácidos graxos

Terapia hormonal:

tratamento padrão por mais de cinquenta anos no controlo de ondas de calor. Lembre-se que uma diminuição dos níveis do estrogênio durante a transição da menopausa é a causa de ondas de calor.

Faz sentido que com a reposição do estrogênio, que o corpo já não produz mais, as ondas de calor sessem.

A liberação do estudo WHI, sigla do inglês “Women's Health Initiative” em 2002, demonstrou haver maior risco de doenças cardíacas entre as usuárias da combinação de estrogênios conjugados e outras substâncias, por via oral. 

Está além do escopo deste artigo discutir em profundidade os prós e contras da terapia hormonal. Apenas podemos afirmar que a maioria das mulheres de fato não precisa, algumas mulheres vão precisar, mas não há evidências de que sirva para todas. Somos todos únicos!

Colocando tudo junto

Como você pode ver, não há nada “normal” quando se trata de ondas de calor; quantas ondas de calor você terá em um determinado dia, a intensidade ou até mesmo o tempo que você vai tê-las. Cada mulher tem uma saúde única. Existem muitas variáveis, de mulher para mulher.

Embora algumas relatem que continuam a ter ondas de calor muito depois de terem concluído a transição para a menopausa, para a maioria, um período de dois a dez anos é mediano. Existem muitos tratamentos e hábitos que ajudam a lidar com as ondas de calor. Você não precisa sofrer.

Esteja aberto a explorar as opções, conversar com amigos, manter a mente aberta e sempre lembrar – isso também passará.

Mais artigos sobre A Vida com Incontinência.

Источник: https://www.vivaplenitud.com.br/sobre-a-incontinencia/a-vida-com/menopausa/o-que-sao-as-onda-de-calor-femininas

Adeus, calorão: elimine os sintomas da menopausa com este remédio caseiro

Calores da Menopausa (Fogacho)

As ondas de calor são um dos sintomas mais comuns da menopausa, que surgem devido à grande alteração hormonal que está acontecendo no corpo da mulher. Essas ondas de calor podem surgir alguns meses antes de se entrar realmente na menopausa e se manifestar repentinamente em vários momentos do dia, variando de intensidade de acordo com cada mulher.

Embora sejam bastante normais para essa fase da vida, as ondas de calor também são muito desconfortáveis e, por isso, acabam afetando o dia a dia de várias mulheres. Dessa forma existem algumas formas para reduzir esse desconforto e facilitar a entrada nessa nova fase da vida.

Para selecionar o melhor tratamento para o calor da menopausa, a mulher deve consultar o seu ginecologista e, junto com ele, discutir as várias opções disponíveis, que podem variar desde o uso de remédios, até reposição hormonal ou opções mais naturais, como suplementos, alimentação ou chás, por exemplo.

A terapia de reposição hormonal é o tratamento mais eficaz e, por isso, mais utilizado para ajudar a reduzir o desconforto da menopausa, especialmente as ondas de calor.

Neste tipo de tratamento, a mulher faz reposição de estrogênio, cuja produção pelos ovários está diminuindo.

Embora seja uma terapia com alguns riscos, como aumento do risco de câncer da mama, por exemplo, vários estudos indicam que mulheres com menos de 60 anos têm mais vantagens do que riscos.

Devido aos riscos associados, a terapia de reposição hormonal está contraindicada para mulheres com histórico de algum tipo de câncer hormônio-dependente, como câncer de mama, ovário ou útero. Entenda melhor como funciona esta terapia e quais os riscos.

2. Remédios para calor da menopausa

Caso a mulher não queira optar pela terapia hormonal, poderá também usar remédios para aliviar o calor da menopausa.

No entanto, estes medicamentos também devem ser receitados pelo ginecologista e, normalmente, só são utilizados nos casos em que as ondas de calor estão afetando a qualidade de vida da mulher.

Isto porque, todos os remédios podem ter alguns efeitos colaterais e, por isso, só devem ser usados se existir benefício.

Alguns dos remédios que podem ser indicados pelo médico incluem:

  • Paroxetina, Venlafaxina ou Escitalopram: são remédios antidepressivos, mas que também ajudam a aliviar as ondas de calor comuns da menopausa. Normalmente, são usados em uma dosagem inferior à indicada para o tratamento da depressão, mas que poderá variar de acordo com cada caso;
  • Gabapentina: é um remédio para epilepsia e enxaqueca, mas que também reduz o surgimento de calor na menopausa. Porém, este remédio pode causar sonolência excessiva e, por isso, é mais utilizado em mulheres que apresentam suor noturno, por exemplo;
  • Clonidina: é um medicamento para pressão alta que, além de aliviar enxaquecas, também permite diminuir a frequência das ondas de calor em algumas mulheres.

Além disso, para as mulheres que apresentam maior intensidade de ondas de calor durante a noite, com muitos suores noturnos, o médico pode também recomendar o uso de medicamentos para ajudar a dormir melhor, como Zolpidem, Eszopiclona ou Difenidramina, por exemplo.

Além dos remédios e da terapia de reposição hormonal, existem ainda várias alternativas naturais que ajudam a reduzir a frequência das ondas de calor e que podem, até, eliminar completamente o calor da menopausa, especialmente nos casos mais leves.

Dentro das alternativas naturais, é possível identificar algumas mudanças de hábitos de vida que podem ajudar, assim como alterações na dieta e, ainda, alguns remédios caseiros que podem ser usados durante o dia a dia:

Cuidados gerais para diminuir o calor da menopausa

Alguns cuidados de comportamento que podem ajudar a aliviar o desconforto do calor da menopausa, são:

  • Usar roupas leves e de algodão, para evitar o aumento da temperatura corporal;
  • Beber cerca de 2 litros de água por dia, para manter o corpo bem hidratado;
  • Evitar locais fechados e muito quentes, ou dar preferência para locais com ar condicionado;
  • Participar em atividades relaxantes, como ioga ou meditação, pois diminuem a ansiedade, reduzindo as chances de ter ondas de calor;
  • Tomar uma bebida refrescante, como água de coco ou uma limonada gelada, quando uma onda de calor estiver chegando;
  • Evitar fumar ou beber bebidas alcoólicas, pois podem estimular o surgimento do calor.

Além disso, pode ser útil ter sempre perto um leque ou um ventilador portátil, para se refrescar quando a onda de calor começar.

Dieta para evitar o calor da menopausa

A alimentação é um improntante fator que também pode ajudar a diminuir o aparecimento das ondas de calor típicas da menopausa. Mulheres nesta fase da vida devem dar preferência para o consumo de frutas cítricas, como a laranja, o abacaxi ou a tangerina, assim como para a ingestão de sementes de linhaça e derivados da soja, como o tofu.

Além disso, é importante evitar fazer refeições muito pesada, assim como se deve reduzir o consumo de alimentos açucarados, salgados ou muito condimentados. Veja mais sobre como a alimentação pode ajudar:

Remédios caseiros e suplementos naturais

Alguns remédios caseiros, assim como suplementos naturais feitos a partir de plantas medicinais, podem ajudar bastante a devolver o bem-estar das mulheres na menopausa. Alguns exemplos incluem:

  • Cohosh preto, ou cimicifuga: alguns estudos indicam que pode aliviar as ondas de calor, mas deve ser sempre indicado por um profissional, já que pode afetar o fígado;
  • Picnogenol: é uma substância retirada dos pinheiros marinhos que pode ajudar a aliviar vários sintomas da menopausa, incluindo os calores;
  • Dong Quai: é uma importante planta para a saúde feminina, ajudando nos sintomas da TPM e também da menopausa;
  • Trevo vermelho: é bastante rico em fitoestrogênios que combatem a intensidade e a frequência das ondas de calor.

Embora possam ter um efeito benéfico, estes remédios não substituem a orientação do médico e devem sempre ser discutidos com o profissional. Além disso, como os suplementos naturais podem ter vários efeitos no corpo, devem ser sempre orientados por um naturopata ou fitoterapeuta com experiência, especialmente para saber a dosagem e tempo de tratamento.

Источник: https://www.tuasaude.com/combater-o-calor-na-menopausa/

10 opções naturais de remédio para menopausa

Calores da Menopausa (Fogacho)
 
Imagem: Ava Sol on Unsplash

Usar produtos naturais como remédio para menopausa pode parecer utopia, mas existem opções e eles funcionam.

A menopausa é uma mudança natural no ciclo reprodutivo da mulher, marcada pelo fim da menstruação e da fertilidade. Ela costuma aparecer quando a mulher chega aos seus 40 ou 50 anos, mas em alguns casos pode apresentar seus primeiros sintomas logo aos 30 anos. O principal sintoma da menopausa é a ausência de menstruação durante um ano inteiro.

Apesar de ser um processo biológico, e não uma doença ou desordem que precise necessariamente de tratamento, os sintomas da menopausa podem ser bastante desconfortáveis.

Muitas mulheres experimentam ondas de calor, mudanças no humor, distúrbios do sono, secura vaginal, diminuição da libido e suores noturnos logo antes do início da menopausa (perimenopausa) até a menopausa propriamente dita, e, em alguns casos, até mesmo durante a pós-menopausa. Em média, pode levar de um a três anos para concluir as três etapas.

A terapia de substituição hormonal (TRH) é um tratamento popular para evitar esses sintomas incômodos e tem sido utilizada para compensar a perda de hormônios que acontece na menopausa.

Embora seja eficaz para essa função, um estudo da Women's Health Initiative de 2002 mostrou que esse tipo de tratamento também aumenta o risco de câncer de mama, doença cardíaca, acidente vascular cerebral e câncer de ovário.

Entretanto, há remédios naturais para menopausa que funcionam ajudando a passar pelo processo com saúde e bem-estar.

Remédios naturais para menopausa

Antes de seguir a lista de remédios naturais para menopausa, lembre-se: nem tudo que funciona para outras pessoas vai funcionar para você, pois cada organismo é dotado de suas particularidades. Então o ideal é verificar, a partir de orientação médica, qual opção é a mais adequada no seu caso.

1. Soja

Imagem disponível em Wikimedia sob licença CC BY 2.0

Na lista dos remédios naturais para menopausa que funcionam está a soja. Ela possui substâncias chamadas isoflavonas, capazes de aumentar o nível de hormônios (estrogênio) que decaem durante a menopausa, aliviando os sintomas indesejados, que podem persistir por até 11 anos.

Um estudo mostrou que as isoflavonas da soja podem ajudar a diminuir a frequência e a intensidade das ondas de calor da menopausa. De acordo com o mesmo estudo, consumir cerca de 54 mg de soja por dia pode reduzir significativamente a duração e intensidade de ondas de calor.

Mas antes de consumir soja, lembre-se: é preferível que seja orgânica, pois a transgênica é modificada geneticamente para ser capaz de receber mais agrotóxicos, os mesmos que estão relacionados à problemas de saúde femininos, como câncer de mama, fibromialgia, fadiga crônica, síndrome de hipersensibilidade química múltipla, entre outras.

Os alimentos derivados de soja como tofu, tempeh, missô e leite de soja colaboram com a proteção contra câncer de mama e uterino, ajudam a aumentar a massa óssea para prevenir a osteoporose, reduzem o risco de acidente vascular cerebral e o declínio cognitivo, entre outras doenças cardiovasculares. Não se esqueça de priorizar as opções orgânicas!

2. Erva-de-são-cristóvão (black cohosh)

Imagem de Pitsch por Pixabay

A erva-de-são-cristóvão é mais uma das opções de remédios naturais para menopausa. Ela é uma planta nativa da América do Norte, utilizada pelos nativos americanos para tratar dor, inflamação, depressão, distúrbios do sono, cólicas menstruais, dor pós-parto e sintomas da menopausa.

Estudos mostraram que a erva-de-são-cristóvão é eficaz no alívio de sintomas da menopausa como ondas de calor, distúrbios do sono, depressão, irritabilidade e secura vaginal.

Diferente da terapia hormonal, as mulheres que tomaram cerca de 40 mg de raiz de erva-de-são-cristóvão por dia não apresentaram espessamento do revestimento do útero, uma complicação que ocorre normalmente em quem faz uso de hormônios sintéticos e que aumenta o risco de câncer de endométrio.

Ao contrário das isoflavonas da soja, a erva-de-são-cristóvão não é um fitoestrógeno; portanto, não aumenta os níveis de estrogênio no corpo, sendo um tratamento seguro para quem possui câncer de mama.

3. Sementes de linhaça

As sementes de linhaça estão na lista de remédios naturais para menopausa por serem fonte de fibra, proteínas, gorduras ômega 3, manganês, fósforo, cobre, selênio e vitamina B1. Semelhante à soja, a semente de linhaça contém propriedades estrogênicas que podem ajudar a aliviar os sintomas da menopausa.

Um estudo que comparou os efeitos da linhaça com a terapia de reposição hormonal mostrou que mulheres menopáusicas que tomaram cinco gramas de linhaça diariamente durante 3 meses tiveram uma redução nos sintomas da menopausa semelhante às que fizeram terapia de reposição hormonal.

4. Raiz de alcaçuz

Imagem de gate74 por Pixabay

O alcaçuz é um adoçante natural que é de 30 a 50 vezes mais doce que o açúcar. Mas os usos da raiz de alcaçuz vão além das propriedades adoçantes.

Um estudo mostrou que mulheres menopáusicas que tomaram 330 mg de raiz de alcaçuz por dia durante oito semanas tiveram redução significativa na frequência e intensidade das ondas de calor da menopausa.

Outro benefício da raiz de alcaçuz é o seu potencial para ajudar a equilibrar o humor. Um estudo com animais mostrou que a raiz de alcaçuz possui efeitos antidepressivos que funcionam tão bem quanto os remédios Prozac e Tofranil. A raiz de alcaçuz aumenta os neurotransmissores dopamina e norepinefrina, substâncias químicas sensíveis ao cérebro.

5. Ginseng vermelho coreano

Imagem disponível em Wikimedia, em Domínio Público

O panax ginsen — também conhecido como ginseng asiático, chinês ou coreano — é uma planta perene cujo nome homenageia as cadeias de montanhas asiáticas de onde provém. O ginseng é conhecido na medicina tradicional chinesa por tratar diabetes, melhorar o sistema imunológico, reduzir o estresse, aumentar a disposição, melhorar a saúde do coração e tratar a disfunção erétil.

Um estudo mostrou que mulheres que tomaram seis gramas de ginseng vermelho por dia durante 30 dias tiveram uma melhoria nos níveis de ansiedade, cansaço, insonia e depressão.

Outro estudo constatou melhora no desejo sexual, excitação, lubrificação, orgasmo e satisfação sexual de mulheres que tomaram três gramas de ginseng vermelho por dia.

6. Erva-de-são-joão

Imagem de Manfred Antranias Zimmer por Pixabay

A erva-de-são-joão é conhecida por tratar a depressão e a inflamação, mas também pode ser usada como um dos remédios naturais para menopausa.

Um estudo mostrou que mulheres menopáusicas que receberam 900 mg de extrato de erva-de-são-joão três vezes ao dia durante 12 semanas melhoraram os sintomas de irritabilidade, fadiga, ansiedade, depressão, falta de concentração, distúrbios do sono, baixa libido e outras queixas psicossomáticas. Quase 80% dos sintomas melhoraram ou desapareceram após o uso da erva-de-são-joão.

7. Óleo de coco

Imagem de DanaTentis por Pixabay

Um dos sintomas desagradáveis da menopausa é a secura vaginal. Para remediar de forma natural esse sintoma é interessante utilizar óleo de coco orgânico (livre de agrotóxicos).

O óleo de coco é natural e não tem contraindicação se utilizado na parte externa da vulva. Além disso, ele tem uma textura muito agradável e, com o calor do corpo, acaba derretendo, podendo ser um ótimo lubrificante vaginal.

Para saber mais sobre o óleo de coco dê uma olhada na matéria: “Óleo de coco: benefícios, para que serve e como usar”.

8. Nozes

 Foto de Tom Hermans no Unsplash

A menopausa pode fazer com que haja queda nos níveis de serotonina, por isso, algumas mulheres sentem alterações no humor, sono de má qualidade e pouca energia. Assim, uma boa opção é inserir as nozes na alimentação, pois são ricas em triptofano, um aminoácido importante para a produção de serotonina.

9. Chá verde

 Foto de Matcha & CO no Unsplash

Um estudo revelou que o chá verde pode ser eficaz para fortalecer o metabolismo ósseo e diminuir o risco de fraturas, especialmente em mulheres que estão na menopausa.

10. Folhas verde-escuras

Foto de Leigh Skomal no Unsplash

As folhas verdes possuem muitos nutrientes, como vitamina K, ferro e cálcio. Com isso, elas podem melhorar a saúde digestiva e reduzir o risco de osteoporose. O magnésio, também presente nas folhas, pode ajudar a equilibrar os níveis hormonais do corpo. Algumas opções são: couve, espinafre, agrião, rúcula e mostarda.

Fontes: Just Naturally Healthy e Natural Living Ideas.

Veja também:

Cadastre-se e receba nosso conteúdo em seu email. Comunicar erro

Источник: https://www.ecycle.com.br/6308-remedio-para-menopausa.html

De olho nos Sintomas Vasomotores da Menopausa: O papel da terapia hormonal no alívio de sintomas

Calores da Menopausa (Fogacho)

Cada fase na vida das mulheres é marcada por diversas mudanças e descobertas, principalmente em relação ao corpo, uma máquina incrível e, ao mesmo tempo, complexa. Neste artigo falaremos um pouco a respeito dos Sintomas Vasomotores característicos do climatério e a importância dos tratamentos hormonais para o alívio desses sintomas. Não deixe de conferir!

O que são Sintomas Vasomotores?

Uma das fases mais marcantes na vida da mulher é o chamado climatério, período que inicia por volta dos 45 anos com a menopausa (última menstruação) e se estende até os 65 anos de idade (senescência). Essa época representa o término da produção dos hormônios do ciclo menstrual (estrogênio e progesterona), encerrando o ciclo reprodutivo na vida da mulher.

A chegada do climatério desencadeia uma série de sintomas, entre eles os sintomas vasomotores, que são ondas de calor e sudorese noturna, os conhecidos “fogachos” característicos da menopausa que consistem em sensação de calor, transpiração e ruborização da pele, principalmente no rosto.

Sintomas

Os Sintomas Vasomotores da Menopausa aparecem devido à desregulação no mecanismo de controle térmico corporal, muito provavelmente como resultado da diminuição dos níveis de estrogênio.

As ondas de calor costumam começar como uma sensação súbita de calor intenso na parte superior do tórax que sobe para a face, estendendo-se de forma generalizada para o restante do corpo.

A mulher se sente muito quente, mas sua temperatura se mantém normal, na faixa de 36,5ºC.

Essa sensação de calor pode durar entre dois e quatro minutos, sendo frequentemente associada à transpiração intensa e vermelhidão da pele, decorrentes da vasodilatação dos vasos da pele, que também causam sudorese e consequente perda de calor.

Essa perda de calor causa uma queda abrupta na temperatura corporal, levando a um quadro de leve hipotermia. Quando o fogacho começa a se dissipar, o corpo responde com calafrios, um mecanismo que tem o objetivo de gerar calor em uma tentativa de recuperar a temperatura ideal.

As ondas de calor podem ocorrer em diversos momentos do dia, inclusive durante o período noturno, um agravante que pode prejudicar bastante a qualidade de vida da mulher devido à privação de sono que pode, inclusive, originar a insônia.

O fogacho é um sintoma que acomete até ¾ das mulheres mediante a aproximação da menopausa. Cerca de 80% das mulheres que sofrem com as ondas de calor apresentarão o sintoma por mais de um ano, normalmente por volta de dois ou três.

A menopausa tem tratamento?

Vale lembrar que a menopausa não é uma doença, ou seja, é apenas um processo natural do organismo da mulher. Portanto, não é necessário tratar a menopausa em si, mas sim, buscar alternativas para aliviar sintomas que se apresentem muito agressivos e prevenir problemas crônicos decorrentes da falência dos ovários, como a osteoporose.

Tratamento Comportamental

Os tratamentos comportamentais são a base fundamental na recomendação de médicos e especialistas, pois promovem práticas que visam à melhoria da qualidade de vida da mulher no geral, como por exemplo:

– Alimentação saudável com dieta balanceada;

– Prática regular de atividades físicas;

– Abandono de vícios nocivos à saúde (abuso de álcool e tabagismo);

– Redução de peso com acompanhamento especializado;

– Desenvolvimento de hobbys;

– Investimento em momentos de lazer.

Tratamentos Medicamentosos – Terapia Hormonal

Os tratamentos medicamentosos aplicados dependem da avaliação dos sintomas e queixas da paciente. Entretanto, a terapia com reposição hormonal é o tratamento que mais tem se mostrado efetivo no combate aos sintomas vasomotores.

A terapia de reposição hormonal consiste na utilização dos hormônios que deixaram de ser produzidos naturalmente pelos ovários, o estrogênio e a progesterona, por um período determinado (de no máximo cinco anos) para amenizar os fogachos em mulheres com sintomas de moderada a forte intensidade.

Efeitos colaterais da reposição hormonal

Assim como todo tratamento, a reposição hormonal também apresenta prós e contras. É necessário verificar, antes de tudo, se há presença de contraindicações para o uso do estrogênio pela mulher, como histórico ou presença de câncer mamário ou uterino, fatores de risco para trombose, problemas vasculares, entre outros. Os efeitos colaterais mais comuns da reposição hormonal são:

– Dores nas mamas (mastalgia);

– Náuseas ;

– Cefaleia;

– Sangramentos de escape.

Buscando tratamento

Se você deseja iniciar um tratamento para reduzir os sintomas vasomotores da menopausa com terapia hormonal, converse com seu médico, ele irá orientar você a escolher a melhor opção para seu caso. Você também pode contar com o Centro Paulista de Investigação Clínica, o CEPIC! Conheça nossas opções de tratamento em um estudo clínico exclusivo para os Sintomas Vasomotores da Menopausa.

 Fontes: www.einstein.br | www.endocrino.org.br

Share article on

  • LinkedIn

Источник: https://www.cepic.com.br/blog/pesquisa-clinica/sintomas-vasomotores-da-menopausa-papel-da-terapia-hormonal/

Alimentos para menopausa: o que comer para combater os sintomas

Calores da Menopausa (Fogacho)

Uma das principais queixas das mulheres que estão passando pelo climatério, período que antecede a menopausa (data da última menstruação), são os fogaches –fortes ondas de calor que chegam a deixar a pele vermelha e, em alguns casos, até atrapalham o sono. Certos alimentos devem ser evitados para não desencadear estes calorões.

Por outro lado, alguns nutrientes são essenciais para este momento da vida, como o leite e os derivados, por conta do cálcio. Não tente, no entanto, controlar os sintomas apenas com alimentação.

Apesar de não ser indicada para todas mulheres, a reposição hormonal, feita com acompanhamento médico, auxilia a passar por esta fase da vida com maior facilidade.

Consulte seu médico e veja se este é seu caso.

Para listar alimentos importantes para quem está na menopausa, UOL VivaBem entrevistou Mara Diegoli, ginecologista pela FMUSP (Faculdade de Medicina da USP) e estudiosa da TPM e menopausa, e Maria Celeste Wender, presidente da Comissão Nacional Especializada em Climatério da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia).

Coloque no prato:

Imagem: Getty Images

Soja
O grão é conhecido por conter isoflavona, um fitoestrogênio que “imita” características do estrogênio –hormônio feminino que a mulher passa a produzir em menor quantidade quando entra no climatério.

Os alimentos ricos em isoflavona diminuiriam as ondas de calor, embora tenham pequena atividade estrogênica e os resultados de estudos que analisaram os benefícios para o alívio dos sintomas da menopausa são heterogêneos e discordantes. Algumas pesquisas mostram que teve melhora e outras mostram que não.

As fontes consultadas, no entanto, não descartam o efeito placebo que estes alimentos podem exercer em mulheres que estão passando pelos calorões. A soja pode ser consumida cozida.

Imagem: iStock

Framboesa e amora
Essas frutas também contêm a isoflavona citada a cima. Podem ser consumidas em forma de suco ou in natura. A vantagem da segunda forma é a maior quantidade de fibras, que contribuem para digestão e para o emagrecimento.

Imagem: iStock

Leite e derivados
Cálcio é obrigatório nesta fase da vida. Depois dos 50 anos, quando a mulher para de produzir o estrogênio, ela começa a sofrer osteopenia –queda na densidade óssea.

O cálcio deve ser reposto com leite (integral, de preferência) e derivados (queijo e iogurte, por exemplo). No entanto, é importante a mulher suplementar vitamina D, que ajuda o corpo a absorver o cálcio ingerido.

Fale com seu médico.

Imagem: Getty Images

Couve
Por conta do cálcio, os vegetais verdes-escuros também devem ser consumidos em abundância pela mulher que está nesta fase da vida. Além da couve, entram nessa categoria o agrião, chicória, espinafre e rúcula.

Veja também:

Melhor evitar:

Imagem: iStock

Sal
Por conta da falta de estrogênio, as mulheres, quando entram na menopausa, têm maior tendência a ter problemas cardíacos.

Portanto, devem consumir com moderação tudo que se relacione hipertensão, como o sal e qualquer outro item que contenha sódio. A quantidade diária de sal recomendada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) é de 5 gramas, cerca de 1 colher (chá) do condimento.

Ou seja, é bem pouco, levando em conta que o sal está “escondido” em diversos alimentos que consumimos no dia a dia.

Imagem: iStock

Carboidratos simples
A mulher deve prestar muita atenção neste período para não ganhar peso. Acontece que, por conta das alterações hormonais, ela tem mais tendência a acumular gordura.

Além disso, esta é uma fase da vida em que as pessoas tendem a ingerir mais alimentos e a fazer menos exercícios físicos.

E carboidratos simples, como o arroz branco e alimentos com açúcar refinado ou farinha branca, contribuem para o ganho de peso e acúmulo de gordura. Opte pelos cereais integrais.]

Imagem: iStock

Doces
Como esta é uma fase em que a mulher pode passar por altos e baixos emocionais, por conta de todas as mudanças que a menopausa promove no organismo, é comum que ela queira recorrer aos doces como uma “bengala emocional”, em alguns momentos. É preciso atentar para isso para evitar o aumento de peso e, consequentemente, o aparecimento de outras doenças decorrentes da obesidade.

Imagem: iStock

Sopas e chás
Os alimentos muito quentes ajudam a desencadear as ondas de calor. Se for consumi-los, portanto, opte por esperar eles ficarem mornos, assim corre menos risco de ter fogachos.

Imagem: Getty Images

Pimenta
Evite excessos para não aumentar a temperatura do corpo. Vale ressaltar que aquela pimenta-do-reino temperando a comida do dia a dia não fará mal algum. O problema seria comer comidas excessivamente apimentadas, como aqueles pratos bem picantes da culinária tailandesa ou mexicana, por exemplo.

Imagem: iStock

Café
Um estudo da conceituada Mayo Clinic, nos Estados Unidos, mostrou como a cafeína agrava os calorões. A pesquisa analisou 2.507 mulheres entre 2005 e 2015 e chegou a conclusão de que o uso de cafeína é associado a maiores fogachos em mulheres que estão no período pós-menopausa. Por ser estimulante, a bebida também prejudica o sono.

Imagem: istock

Bebidas alcoólicas
Também servem de gatilho para os calorões. Quando consumimos algo alcoólico, o fluxo sanguíneo aumenta por conta da vasodilatação que o corpo sofre quando o álcool circula pelas veias. Apesar desse efeito ser rápido, é o suficiente para aquecer o corpo e desencadear uma onda de calor.

VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
• Instagram •

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2018/08/24/alimentos-para-menopausa-o-que-comer-para-combater-os-sintomas.htm

Menopausa e climatério

Calores da Menopausa (Fogacho)

Menopausa é o nome que se dá à última menstruação, um episódio que ocorre, em geral, entre os 45 e 55 anos. Quando ocorre por volta dos 40 anos, é chamada de menopausa prematura ou precoce.

Muitas vezes, o termo menopausa é empregado indevidamente para designar o climatério, que é a fase de transição do período reprodutivo, ou fértil, para o não reprodutivo na vida da mulher.

A principal característica da menopausa é a parada das menstruações.

No entanto, em muitas mulheres, a menopausa se anuncia por irregularidades menstruais, menstruações mais escassas, hemorragias, menstruações mais ou menos frequentes. Outros sinais e sintomas característicos como ondas de calor (fogachos), alterações do sono, da libido e do humor, bem como atrofia dos órgãos genitais, aparecem em seguida.

Veja também: Riscos de doenças cardíacas aumenta após a menopausa

Causas

Todos os óvulos que a mulher produzirá ao longo da vida têm sua origem em células germinativas (ou folículos) dos ovários já presentes no instante do nascimento.

Essa reserva é usada desde a primeira menstruação (menarca) até a última (menopausa). Mulher nenhuma é capaz de formar novos folículos para repor os que se foram.

Quando morrem os últimos deles, os ovários entram em falência e as concentrações dos hormônios femininos, estrogênio e progesterona, caem irreversivelmente.

Entre outras causas possíveis da menopausa, estão as cirurgias ginecológicas que incluem a retirada dos ovários.

Diagnóstico

O diagnóstico da menopausa só pode ser feito “a posteriori”, depois que a mulher passou doze meses sem menstruar. Já o diagnóstico do climatério leva em conta os sintomas, o exame clínico e alguns exames laboratoriais de sangue. Mamografia, Papanicolaou, ultrassom transvaginal e densitometria óssea são exames complementares que devem ser repetidos com regularidade.

Tratamento

A terapia de reposição hormonal tem a vantagem de aliviar os sintomas físicos (fogachos), psíquicos (depressão, irritabilidade) e os relacionados com os órgãos genitais (secura vaginal, incontinência urinária) no climatério.

Além disso, funciona como proteção contra a osteoporose e assegura melhor qualidade de vida para a mulher.

No entanto, existem contraindicações que devem ser criteriosamente avaliadas, tais como o risco de doenças cardiovasculares, trombose, câncer de mama e de endométrio, distúrbios hepáticos e sangramento vaginal de origem desconhecida.

Estudos mostraram que a isoflavona de soja tem ação semelhante a do estrogênio no controle das ondas de calor.
Alimentação saudável, atividade física regular, não fumar e evitar o consumo de álcool, cuidados com a saúde bucal são algumas medidas simples, que incorporadas aos hábitos diários de vida, podem ser úteis para minimizar os sintomas negativos do climatério.

Veja também: Reposição hormonal: continuar ou descontinuar?

Recomendações

  • Não considere que depois da menopausa a mulher está dispensada do acompanhamento ginecológico que deve continuar sendo feito com regularidade;
  • Cuide da alimentação e evite ganhar peso;
  • Evite a ingestão de álcool e não fume;
  • Encontre tempo para a prática diária de atividade física. Além de ser importante para o bem estar físico, ela é fundamental para o controle da pressão arterial, prevenir a osteoporose e doenças cardiovasculares e atenuar as alterações do humor.

Источник: https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/menopausa-e-climaterio/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: