Câncer de cólon: o que é, sintomas e tratamento

10 sintomas inusitados do câncer

Câncer de cólon: o que é, sintomas e tratamento

Se o rastreamento de alguns tumores por meio de exames ainda gera debates acalorados entre os médicos, existe uma estratégia mais simples (e muito recomendada) que ajuda a detectar a doença mais cedo: prestar atenção nas pistas que o organismo oferece. “Muitas vezes, elas são ignoradas por temor ou comodidade, e aí o indivíduo não procura o especialista”, lamenta o oncologista Alan Azambuja, do Instituto do Câncer do Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre.

Um levantamento realizado pelo Cancer Research UK, fundação inglesa que patrocina pesquisas na área, listou dez sinais da doença ignorados com frequência. Para chegar a eles, cerca de 1 700 pessoas com mais de 50 anos responderam a questionários sobre os incômodos que eles haviam sentido nos três meses anteriores.

Metade dos participantes declarou ter experimentado algum sintoma relacionado ao desenvolvimento de um tumor. Os autores selecionaram 50 indivíduos do grupo para uma apuração mais criteriosa e descobriram que 45% nem chegaram a consultar o doutor para ver o que estava acontecendo.

Como você verá a seguir, esses sintomas são bastante triviais e, na maioria dos casos, sugerem problemas fáceis de lidar, como um resfriado ou diarreia. Por outro lado, existe a possibilidade de essas manifestações serem o primeiro vestígio de uma condição mais séria.

Então, a pergunta que fica é: quando se inquietar de verdade sem precisar cair na hipocondria? A resposta está na intensidade e no tempo de duração desses sinais.

“Se eles persistirem acima de três semanas, é preciso realizar uma investigação aprofundada”, diz a oncologista Maria Del Pilar Estevez Diz, do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo.

Em casos específicos, em que há outros fatores de risco envolvidos, não dá nem pra esperar esse período. Se um fumante está com tosse e dificuldades para engolir, por exemplo, já passou da hora de visitar o consultório.

Confira agora a relação entre dez sintomas menos conhecidos e o surgimento do câncer:

1.Caroços (pode indicar vários tipos de câncer)

Esses inchaços ocorrem no sistema linfático, rede de vasos e gânglios essenciais para a imunidade. Uma célula cancerosa pode sair de seu lugar de origem e acabar presa ali. “Os caroços são duros e não doem”, diz o oncologista Marcelo Cruz, do Hospital São José, em São Paulo.

2.Dificuldades para engolir (câncer de garganta ou de esôfago)

Lesões malignas nesses órgãos dificultam a deglutição. “Essa obstrução parcial causa um desconforto ao engolir a comida“, conta Maria Del Pilar. Para aliviar o mal-estar, muitos indivíduos adotam uma dieta pastosa e exageram nos líquidos.

3.Tosse e rouquidão (câncer na garganta ou nos pulmões)

São sinais de encrenca nas vias respiratórias. Se um tumor aflige algum setor nos caminhos por onde passa o ar, como os pulmões, o reflexo pode ser uma tosse chata e persistente.

“Já o câncer de garganta é capaz de acometer algum nervo que irradia as cordas vocais, prejudicando a fala”, aponta o cirurgião de cabeça e pescoço Carlos Roberto dos Santos, do Hospital de Câncer de Barretos, no interior paulista.

Leia mais: Os tipos de câncer mais comuns nas mulheres e nos homens

Continua após a publicidade

Embora esses sintomas sejam ligados a alergias e resfriados, é bom examinar mais a fundo o que está acontecendo se eles teimarem por várias semanas.

4.Mudança na rotina intestinal (câncer colorretal)

Ok, é natural ir mais vezes ao banheiro ou sofrer constipação quando você experimenta novos pratos durante uma viagem, tem uma quebra de hábitos muito brusca ou passa por uma situação de estresse.

Mas, se não há nada que justifique o desajuste, é prudente ficar atento.

“Dependendo de sua localização, os tumores de intestino grosso aumentam a frequência das fezes e propiciam quadros de diarreia intensa”, informa Maria Del Pilar.

Leia mais: Por que os peixes são recomendados contra o câncer?

Caso a enfermidade se situe na porção final do órgão, perto do reto, o formato do cocô se modifica: ele se torna fino e quebradiço. A colonoscopia, um exame que vasculha as paredes do órgão, é a melhor maneira de verificar se existe uma multiplicação anormal de células na região.

5.Perda de peso sem motivos (vários tipos de câncer)

Tumores conseguem sequestrar parte do combustível que abasteceria as células saudáveis. “Eles usam a energia do organismo para se desenvolver”, esclarece o oncologista Gustavo Fernandes. Não é raro que a condição também abale o apetite, o que faz o peso cair.

6.Alteração no hábito de urinar (câncer de próstata ou de bexiga)

Esse sinal é mais comum em homens. “O crescimento da próstata provoca um estreitamento do canal da uretra, por onde passa a urina”, detalha Alan Azambuja. Aí o sujeito visita o banheiro repetidamente e sente irritação ao liberar o xixi. “O jato de urina fica fraco e há uma sensação de não conseguir esvaziar a bexiga”, descreve Azambuja.

7.Sangramento sem razão (tumores ginecológicos, colorretal e de medula)

A perda de sangue não pode ser considerada normal. “A formação de úlceras na parede de órgãos com câncer leva a sangramentos”, esclarece Cruz. Para piorar, a doença afeta a coagulação. Daí, o líquido vermelho pode ficar fluido demais e escorrer com facilidade.

8.Dor inexplicável (vários tipos de câncer)

Ramificações do sistema nervoso, que gerencia as sensações dolorosas, podem ser afetadas por uma massa tumoral. “Ela aperta os nervos e causa um desconforto constante”, resume Fernandes.

A dor é contínua e não passa com analgésicos. Tal sintoma varia de acordo com a posição em que a doença se alastra.

“As únicas formas de solucionar a dor é retirar o tumor ou diminuir sua extensão”, diz o médico.

9.Ferida que não cicatriza (vários tipos de câncer)

“O primeiro sinal de câncer na boca ou na garganta é um machucado que não fecha”, alerta Santos. Porém, não basta checar só essas bandas do corpo. Qualquer ferimento na pele que não melhora com remédios e curativos merece cuidados. Isso acontece porque tumores podem interferir na coagulação do sangue e desestabilizar o processo de cicatrização.

10.Modificação na aparência de verrugas (câncer de pele)

Manchas, pintas e verrugas devem ser acompanhadas de perto. “Principalmente aquelas com saliências, bordas irregulares e cores variadas”, detalha Cruz. Também vale cuidado dobrado com estruturas que coçam e sangram. É preciso vigiar a pele no banho e consultar o dermatologista se notar essas marcas estranhas.

Continua após a publicidade

Источник: https://saude.abril.com.br/medicina/10-sintomas-inusitados-do-cancer/

Câncer no Intestino: sintomas, diagnóstico e tratamentos

Câncer de cólon: o que é, sintomas e tratamento

O câncer do intestino ou câncer colorretal é um tumor que pode surgir no intestino grosso, também  chamada de cólon ou no reto. Na maioria dos casos, pode ser tratado e curado, principalmente se detectado precocemente.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), ocorreram 36.360 novos casos de câncer de intestino somente em 2018. Destes, 17.380 eram mulheres e 18.980, homens.

É muito importante reconhecer os principais sintomas dos tumores do reto e intestino, para que o diagnóstico possa ser realizado o mais precoce possível.

Neste artigo, você vai saber mais sobre câncer de intestino, seus sintomas, fatores de risco e tratamento. Conhecerá, ainda, como se prevenir. Boa leitura!

O que é câncer de intestino?

Também conhecido como câncer de cólon e reto ou colorretal, é o tumor que pode acometer todo o intestino grosso, incluindo o reto. A doença costuma iniciar com uma lesão benigna, chamada de pólipo, e, lentamente, vai evoluindo até se transformar em um tumor maligno.

O tipo mais comum de câncer de intestino é o adenocarcinoma do cólon, que tem origem na mucosa que reveste o intestino. Porém, existem outros tipos histológicos mais raros como:

  • Tumores estromais  gastrointestinais (GIST);
  • Linfomas;
  • Melanoma;
  • Tumores neuroendócrinos

Quais são os principais sintomas?

Na fase inicial, o câncer colorretal é assintomático, o que dificulta o diagnóstico precoce. Conforme o tumor evolui, pode levar ao surgimento de alguns sintomas, que variam de acordo com o paciente e a localização da lesão. São eles:

  • Alterações do hábito intestinal, que pode tanto deixar o intestino mais preso (prisão de ventre) ou mais solto (diarreia);
  • Alteração no formato das fezes, que podem ficar afiladas;
  • Sangramento intestinal, geralmente misturado às fezes – conhecido como hematoquezia;
  • Perda de peso;
  • Anemia;
  • Fraqueza;
  • Dor ou desconforto abdominal;
  • Sensação de urgência para evacuar e dor a evacuação (desconforto na região do reto).

Fatores de risco

O câncer de intestino é das neoplasias malignas mais estudadas pela medicina e diversos fatores de risco são bem conhecidos. Os principais são:

  1. Histórico Familiar de câncer colorretal;
  2. Obesidade;
  3. Alimentação rica em gordura e proteína animal;
  4. Alimentação pobre em verduras;
  5. Idade
  6. Exposição ocupacional à radiação ionizante, como raio X e gama.

Dentre esses fatores, a questão genética é a que mais preocupa. Cerca de 30% dos pacientes portadores da doença têm alterações genéticas que predispõem a presença de um tumor.

Algumas doenças também aumentam os riscos de desenvolver esse tipo de câncer, incluindo:

  • Doenças inflamatórias do intestino, como doença de Crohn e retocolite ulcerativa crônica;
  • Doenças hereditárias, como polipose adenomatosa familiar, que é uma rara doença genética que causa câncer em 100% das pessoas que têm a mutação genética promotora da doença.

Como é feito o diagnóstico do câncer no intestino?

O câncer de cólon e reto é diagnosticado, sobretudo, através da realização da colonoscopia. Trata-se de um exame fundamental para os pacientes que apresentam, principalmente, os sintomas de alteração no hábito intestinal e sangramento.

Ele permite diagnosticar lesões em diversas fases, sejam os tumores avançados ou os precoces. Eventualmente, os precoces podem até ser tratados via colonoscopia, não havendo a necessidade de cirurgia ou outros tratamentos complementares.

Uma vez feito o diagnóstico, é necessário realizar outros exames para determinar o estágio da doença. Neles, é avaliada a extensão do tumor, tanto do ponto de vista de invasão local quanto disseminação à distância (metástases).

Os exames que podem ser solicitados são:

  1. Tomografia computadorizada de tórax, abdome e pelve;
  2. Coleta do marcador tumoral, para a dosagem de concentração do antígeno carcinoembrionário (CEA).

Nos casos de tumores retais, é importante realizar, ainda, a ressonância magnética de pelve, a fim de avaliar a extensão local da doença.

Como a doença pode ser tratada?

A escolha do tratamento do câncer de intestino depende da localização da lesão. Tumores localizados no cólon são tratados eminentemente através de cirurgia.

Durante o procedimento, é feita a ressecção da parte do cólon afetado, sempre deixando uma margem de segurança.

Também deve ser realizada a linfadenectomia, que consiste na retirada dos gânglios linfáticos que acompanham o mesentério do intestino.

Esta ação é essencial, pois esses gânglios também podem estar afetados pela doença. Posteriormente, todo esse material é enviado para o patologista, para que seja definida a extensão da doença.

Indicações para o tratamento

Atualmente, grande parte dos pacientes com tumor de cólon avançado têm feito quimioterapia para complementar o tratamento cirúrgico e aumentar as chances de cura. É a chamada quimioterapia adjuvante, que é realizada após a cirurgia.  

Nos casos de câncer de reto, o tratamento muda um pouco, principalmente quando a lesão se encontra em estágio avançado. Geralmente, é necessário realizar ações antes da cirurgia, conhecida como terapia neoadjuvante. Nela, o paciente é exposto à radioterapia associada a quimioterapia antes do tratamento cirúrgico.

O objetivo é diminuir as chances de recidiva local e aumentar as taxas de preservação do esfíncter anal. Isso porque pacientes com lesões muito baixas têm grandes chances de serem submetidos à amputação do ânus, também chamado de amputação abdominoperineal do reto.

Como a cirurgia é realizada?

A maioria das cirurgias é realizada de forma minimamente invasiva, através de pequenos furos na parede abdominal. As principais vantagens dessa técnica são:

  • Menor tempo de internação hospitalar;
  • Redução da dor;
  • Menor Sangramento;
  • Retorno precoce às atividades.

O pós-operatório das colectomias ou retossigmoidectomias realizadas de forma minimamente invasiva é muito mais favorável do que na época em que eram feitas as cirurgias abertas. Em até 2 semanas, a maior parte dos pacientes já está apta a retomar suas atividades corriqueiras.

É possível prevenir o câncer no intestino?

A maioria dos casos avançados da doença poderiam ter sido evitadas com rastreamento das lesões precoces do intestino, como no caso dos pólipos. Estima-se que, desta maneira, seria possível prevenir cerca de 90% dos tumores. A melhor forma de rastreamento é a realização de colonoscopia.

A recomendação é que indivíduos com baixo risco para o câncer de intestino iniciem o rastreamento através do exame de colonoscopia a partir dos 45 anos de idade.

Já quem possui parente de primeiro grau com a lesão, esse rastreamento deve iniciar 10 anos antes, ou seja, aos 35 anos. Ou, ainda, 10 anos antes do parente mais jovem que tenha sido diagnosticado com a doença.

Realize exames de rotina!

É importante ter em mente que a prevenção é fundamental para que o diagnóstico e o tratamento possam ser feitos em fases mais precoces da doença. Isso porque, nesses casos, não é necessário passar por cirurgias de alta complexidade, nem pela quimioterapia ou radioterapia, ou seja, o tratamento é menos mórbido com maiores chances de cura.  

Ficou com alguma dúvida sobre o câncer no intestino ou em relação a seus sintomas? Escreva nos comentários para que eu possa esclarecer para você!

Источник: https://guilhermenamur.com.br/cancer-no-intestino-sintomas-diagnostico-tratamento/

Câncer de colon e reto

Câncer de cólon: o que é, sintomas e tratamento

O câncer de cólon e reto abrange tumores na parte do intestino grosso, que é chamada de cólon, no reto e no ânus. Ele pode atingir homens e mulheres, geralmente por volta dos 50 anos de idade.

Costuma se desenvolver de forma lenta e, se descoberto em estágio inicial, tem altas chances de cura. Saiba quais os fatores de risco e os principais sinais e sintomas para ficar atento.

Como o câncer de cólon e reto se desenvolve

Como todos os outros tecidos e órgãos do corpo, o cólon e o reto são formados por células que se dividem e se reproduzem de forma ordenada e controlada. Quando acontece alguma alteração, pode ser produzido um excesso de tecido que dá origem ao tumor, que pode ser benigno ou maligno. 

O câncer pode crescer, comprimindo e invadindo órgãos sadios à sua volta. Além disso, as células cancerosas podem se desprender e se espalhar por meio da corrente sanguínea e/ou vasos linfáticos. Quando isso acontece, o câncer migra para outras partes do corpo, geralmente para o fígado, nódulos linfáticos, pulmão e ossos. 

Ainda não se sabe exatamente as causas do câncer de cólon e de reto, mas alguns fatores de risco influenciam o desenvolvimento, tais como: 

Má alimentação – há evidências de que o câncer de cólon e de reto está associado a dietas gordurosas, hipercalóricas, pobres em fibras e com excesso de carne vermelha e/ou processada.

Constipação intestinal – o contato das fezes com as paredes do cólon e do reto por períodos prolongados aumenta as chances de desenvolver a doença. 

Pólipos – são um tipo de crescimento anormal de tecido nas paredes colorretais, como se fossem verrugas. Costumam aparecer após os 50 anos de idade e, apesar de benignos, deveriam ser retirados por precaução, pois um grande número de tumores se desenvolve a partir desses pólipos. Pessoas com essa condição devem fazer acompanhamento regular com o médico.

Histórico familiar – apesar da maioria dos casos de câncer colorretal ocorrer sem histórico familiar, 30% das pessoas que desenvolvem têm outros familiares que foram acometidos pela doença. Pessoas com histórico de câncer ou pólipos em parentes de primeiro grau têm risco aumentado. 

Doenças inflamatórias – pessoas com doença de Crohn e colite ulcerativa, por causa da inflamação nas paredes colorretais, têm mais risco de desenvolver o câncer. Deve ser feito acompanhamento regular com o médico.

Doenças hereditárias – correspondem a apenas 5% dos casos de câncer colorretal. São pessoas que herdaram mutações genéticas que causam a doença.

As mais comuns são: síndrome de Lynch e polipose adenomatosa familiar. Outras, mais raras, são: síndrome de Gardner, síndrome de Turcot, síndrome de Peutz-Jeghers e polipose MUTYH.

Pessoas com alguma dessas condições devem fazer acompanhamento regular com o médico.

Sinais e sintomas do câncer de cólon e reto

No estágio inicial, o câncer colorretal não costuma apresentar sinais e sintomas, o que dificulta sua detecção precoce. Mas é muito importante ficar atento a alguns sinais:

  • Mudança injustificada de hábito intestinal; 
  • Diarreia ou prisão de ventre recorrentes; 
  • Sangue nas fezes (pode ser de coloração clara ou escura); 
  • Evacuações dolorosas;
  • Afinamento das fezes;
  • Constante flatulência (gases);
  • Desconforto gástrico;
  • Sensação de constipação intestinal;
  • Perda injustificada de peso;
  • Cansaço constante.

Importante: a presença de um ou mais destes sinais e sintomas não significa que você está com câncer. Eles podem ser causados por diversas doenças gastrointestinais, como úlceras ou inflamação do colón. Procure o médico para ele identificar a causa e indicar o melhor tratamento para o seu caso.

Como é feito o diagnóstico do câncer de cólon e reto 

Para determinar a razão dos sinais e sintomas, o médico vai avaliar tudo o que você disser que está sentindo, seu histórico e fará o exame clínico, incluindo o toque retal. Outros exames são necessários para detectar o câncer colorretal:

Teste de sangue oculto – por meio de uma amostra de fezes, é possível identificar se há sangue que não pode ser visto a olho nu.

Colonoscopia – para examinar o cólon por dentro, o médico usa um tubo fino com uma pequena câmera na ponta. Se necessário, é retirada uma amostra de tecido para análise (biópsia). Independentemente de ter ou não sinais e sintomas que indicam câncer, pessoas com mais de 50 anos devem fazer esse exame de forma regular.

Radiografia – é feita com contraste para que as paredes do intestino fiquem visíveis, permitindo que qualquer anormalidade seja visualizada.

Tratamentos para o câncer de cólon e reto

Se o diagnóstico for positivo, o tratamento será decidido de acordo com a extensão da doença, idade da pessoa, histórico e estado de saúde. Há quatro métodos principais de tratamento para o câncer colorretal: cirurgia, radioterapia, quimioterapia e imunoterapia. O médico poderá indicar um único método ou a combinação deles.

Cirurgia para câncer de cólon e reto – o tipo de cirurgia dependerá da localização e do tamanho do tumor. Na maioria dos casos, é possível retirar a parte afetada do intestino.

Esse procedimento chama-se ressecção do intestino. Durante a cirurgia, são retirados os gânglios linfáticos próximos para verificar se têm células cancerosas.

Após a cirurgia, é colocada uma bolsa especial na abertura do abdome para coletar as fezes (colostomia).

  • A colostomia temporária é feita para que as fezes sejam desviadas do baixo cólon e o reto até que eles se recuperem;
  • A colostomia definitiva é necessária quando o baixo reto é inteiramente retirado. 

Radioterapia – costuma ser aplicada antes ou após a cirurgia, especialmente em câncer de reto. É indicada, também, para casos em que é impossível remover o tumor cirurgicamente por localizar-se muito perto do ânus. Combinada com outros tratamentos, costuma ser muito eficaz para diminuir a volta da doença. 

Quimioterapia – não costuma ser muito eficiente no combate a casos recorrentes ou muito avançados de câncer colorretal. Entretanto, em grupos de pacientes em estágio moderado, a quimioterapia tem apresentado bons resultados.

Imunoterapia – o sistema imunológico do organismo humano tem uma capacidade natural de reconhecer células cancerosas e combatê-las. A imunoterapia ou terapia biológica é um tratamento que estimula e fortalece esta função e costuma ser indicada como tratamento complementar à cirurgia, radioterapia ou quimioterapia. 

Referências

PP-PFE-BRA-1869

Источник: https://www.pfizer.com.br/sua-saude/oncologia/cancer-de-colon-e-reto

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: