Câncer de rim (carcinoma de células renais claras)

Metástase Tardia Múltipla de Carcinoma Renal de Células Claras: relato de caso

Câncer de rim (carcinoma de células renais claras)
Relato de Caso

Luis Alberto Batista Peres, Sérgio Luiz Bader, José Roberto Leonel Ferreira, Alexandre Galvão Bueno, Rafael Agostinho Maioli, Mariana Costa Espiga, Rafaela Aline Gheller

Resumo:

Metástases para o pâncreas são raras, podendo ocorrer a partir do carcinoma renal de células claras.

Apresentamos um caso de metástase pancreática, envolvendo suprarrenal e hilo esplênico, em uma mulher de 49 anos, que teve carcinoma renal de células claras sete anos atrás.

Em seguimento após nefrectomia, a paciente teve o diagnóstico de metástase em pâncreas, suprarrenal e hilo esplênico. Tratada com cirurgia e interferon. Imunohistoquímica para gp200 e CD-10, foi positiva.

Tomografia computadorizada mostrou metástase para o estômago oito anos após a nefrectomia, estando a paciente em uso de interferon atualmente. Carcinoma de células renais pode recidivar anos após a nefrectomia. Identificação e tratamento cirúrgico podem proporcionar suporte paliativo e sobrevida em longo prazo.

Descritores: Carcinoma de células renais. Metástase pancreática. Metástases múltiplas.

Abstract:

Metastasis to the pancreas is uncommon; however, it may occur from clear renal cell carcinomas. We present a case of pancreatic metastasis involving adrenal and splenic hilum in a 49 year-old woman that had clear renal cell carcinoma seven years ago. The patient in post nephrectomy follow-up presented a diagnosis of metastasis in the pancreas, adrenal and splenic hilus.

The patients was treated by surgery and interferon. Immunohistochemistry for gp200 and CD-10 was positive and computed tomography showed metastasis in the stomach eight years after surgery. She is currently treated with interferon. Renal cell carcinoma can reappear years after nephrectomy, therefore, recognition and surgical treatment can provide palliation and long-term survival.

Descriptors: Renal cell carcinoma. Pancreatic metastasis. Multiple metastasis

INTRODUÇÃO

Metástases para o pâncreas são raras, geralmente carcinomas provenientes dos pulmões ou rins, que podem se manifestar anos após o tratamento do tumor primário1.

O carcinoma de células renais é um tumor maligno com alta taxa de metástases (> 25%)2. Carcinoma de células renais com metástase para o pâncreas ocorre raramente (1% a 3%), tanto para metástase solitária como para outros órgãos3. Devido a esta raridade, a literatura consiste de relatos de casos ou de pequenas séries de casos desta entidade4.

Apresentamos, a seguir, o relato de um caso de adenocarcinoma renal de células claras com metástases após sete anos para pâncreas, hilo esplênico e suprarrenal tratado com cirurgia seguida de quimioterapia.

RELATO DO CASO

Paciente do sexo feminino, branca, 49 anos, admitida com história de dor lombar e hematúria há alguns dias, sendo investigada com ecografia do trato urinário que se mostrou normal e tomografia computadorizada de abdome que revelou tumor em rim direito. Submetida à nefrectomia direita, tendo sido feito o diagnóstico de carcinoma renal de células claras cromófobo, bem diferenciado, grau I de Fuhrman pT3,Nx,Mx (Figura 1).

Figura 1. Hematoxilina Eosina (400x). Exame histológico de rim evidencia carcinoma de rim primário, células com núcleos pequenos pleomórficos, circundados por citoplasma amplo e claro, dispostas em arranjos trabeculares vascularizados.

Após sete anos de seguimento rotineiro, foi evidenciado massa em projeção de suprarrenal esquerda.

Admitida sem queixas, exame físico: bom estado geral, FC=80bpm, pressão arterial de 110/70mmHg, anictérica, acianótica, eupneica, ausculta cardíaca e pulmonar sem anormalidades, abdome sem visceromegalias e sem massas palpáveis, extremidades sem edemas.

Os exames complementares revelaram leucócitos 5.400/mm3, hemoglobina de 12,9g/dL, hematócrito de 42%, plaquetas de 300.000/mm3, glicemia de 85mg%, creatinina de 0,97mg/ dL e parcial de urina normal.

Ecografia abdominal revelou massa em loja renal esquerda (4,2 x 2,5 x 3,5cm).

Tomografia computadorizada mostrou massa expansiva entre cauda de pâncreas, baço, suprarrenal e rim esquerdo (Figura 2).

Submetida à laparotomia com ressecção do tumor, tendo sido enviado para anatomopatológico, que revelou adenocarcinoma de células claras primário de rim, grau II de Fuhrmann, metastático em glândula adrenal, pâncreas, hilo esplênico, com margens cirúrgicas livres (Figura 3), confirmando sítio renal primário por imuno-histoquímica, utilizando anticorpos monoclonais contra CD-10 e gp200 (Figuras 4a e 4b).

Figura 2. Tomografia computadorizada (reconstrução coronal) de abdome revela massa sólida expansiva entre baço e rim esquerdo.

Figura 3. Hematoxilina Eosina (100x). Exame histológico revela carcinoma renal metastático no centro e a direita, notando-se tecido pancreático no canto superior esquerdo.

Figura 4. a) CD-10 positivo (400x). As células do carcinoma renal de células claras demonstram membrana delineada em cor acastanhada pelo antígeno à imuno-histoquímica; b) gp200 positivo (400x). Padrão intracitoplasmático revelado em coloração acastanhada.

A paciente foi tratada com quimioterapia, utilizando interferon alfa três milhões de unidades, três vezes por semana, durante 20 semanas, por via subcutânea.

Evoluiu, após oito meses, com função renal normal (creatinina= 0,91mg/dL), transaminases, hemograma e parcial de urina normais, porém tomografia de controle mostrou lesão expansiva de 1,5 x 3,0cm em corpo gástrico. Atualmente, após um ano de seguimento, em uso de interferon com evidência de metástase para o estômago.

DISCUSSÃO

Relatamos um caso de metástase tardia de carcinoma renal de células claras para vários órgãos, incluindo pâncreas, suprarrenal e hilo esplênico. A paciente foi tratada com cirurgia e quimioterapia, apresentando evidência de nova metástase após um ano de seguimento.

Metástases para o pâncreas são raras. Amaioria delas não se apresenta antes do diagnóstico de um tumor primário e se originam de um carcinoma renal de células claras, sendo incomuns indicações de cirurgia pancreática.

Num estudo de 301 ressecções pancreáticas (34 pancreatectomias distais e 267 pancreaticoduodenectomias parciais e totais), somente 1% foi secundário às metástases de carcinomas renais de células claras5.

Em uma série de necropsias de 103 casos de metástases pancreáticas, somente 1% foi causado por um carcinoma de células renais6.

Aproximadamente 35% das metástases pancreáticas não causam qualquer sintoma e são detectadas durante programas de seguimento em Instituições que realizam nefrectomias devido a carcinomas de células renais7.

Na paciente em questão, o diagnóstico foi feito no seguimento pós-nefrectomia por carcinoma de células renais sem qualquer apresentação clínica.

Pacientes com metástases pancreáticas de carcinoma renal de células claras são candidatos à ressecção cirúrgica, mesmo na presença de outras metástases ou doença pancreática metastática multifocal8, 9. O procedimento cirúrgico incluiu pancreatoduodenectomia (cirurgia de Whipple), pancreatectomia distal ou pancreatectomia total4.

Existe uma pequena experiência reportada com ablação das metástases pancreáticas por radiofrequência10.

Em nossa paciente, o diagnóstico foi incidental em screening de rotina e o diagnóstico de metástases múltiplas de carcinoma renal de células claras foi feito 84 meses após a nefrectomia, sendo confirmado por imuno-histoquímica, utilizando anticorpos monoclonais contra CD- 10 e gp200.

O interferon tem sido usado para tratar carcinomas renais metastáticos e é um coadjuvante na abordagem terapêutica após o tratamento cirúrgico11. Apesar de abordagem cirúrgica e utilização de interferon, há evidência de metástase para o estômago.

O acompanhamento com exames de imagem é fundamental para o diagnóstico precoce das metástases. A tomografia computadorizada e a ressonância magnética são exames importantes no seguimento destes pacientes12.

Os radiologistas devem ser treinados para detectar precocemente estas lesões e há relato de que o reconhecimento de lesão hipervascular na fase arterial do estudo bifásico na tomografia com multidetector é o achado principal13. A tabela 1 apresenta as principais séries descritas e relatos de casos de metástases pancreáticas provenientes de carcinoma de células renais.

Reportamos um caso de metástase tardia de carcinoma renal de células claras para vários órgãos, incluindo pâncreas, suprarrenal e hilo esplênico confirmado por imuno-histoquímica. A paciente foi tratada com cirurgia e interferon, apresentando evidência de nova metástase após um ano de seguimento.

REFERÊNCIAS

1. Z´graggem FC, Rattner DW, Sigala H, Warshaw AL.Metastases to the pancreas and their surgical extirpation.

Arch Surg. 1998;133:413-7.

2. Ritchie AW, Chisholm GD. The natural history of renal carcinoma. Semin Oncol. 1983;10:390-400.

3. Marcote VE, Arlandis F, Baltasar A, Martinez C, Vierna G.Synchronous pancreatic metastasis of renal carcinoma. Rev Esp Enferm Diag. 1993;83:471-3.

4. Law C, Wei A, Hanna S, Al-Zahrani M, Taylor BR, Greig PD, et al. Pancreatic resection for metastatic renal cell carcinoma: presentation, treatment and outcome. Ann Surg Oncol.2003;10:922-6.

5. Kassabian A, Stein J, Jabbour N, Parsa K, Skinner D, Parekh D, et al. Renal cell carcinoma metastatic to the pancreas: a single institution series and review of the literature. Urology.2000;56:211-5.

6. Nakamura E, Shimizu M, Itoh T, Manabe T. Secondary tumors of the pancreas: clinicopathological study of 103 autopsy cases of Japanese patients. Pathol Int. 2001;51:686-90.

7. Chou Y, Chiou H, Hong T, Tiu CM, Chiou SY, Su CH, et al.
Solitary metastasis from renal cell carcinoma presenting as diffuse pancreatic enlargement. J Clin Ultrasound. 2002; 30:499-502.

8. Zerbi A, Ortolano E, Balzano G, Borri A, Beneduce AA, Di Carlo V. Pancreatic metastasis from renal cell carcinoma: which patients benefit from surgical resection? Ann Surg Oncol. 2008;15:1161-8.

9. Karimi KM, McFadden DW. Pancreatic resection for metastatic renal cell carcinoma to the pancreas. Am Surg. 2007; 73:1158-60.

10. Tannir N, Jonasch E, Pagliaro LC, Mathew P, Siefker-Radtke A, Rhines L, et al. Pilot trial of bone-targeted therapy with zoledronate, thalidomide, and interferon-gamma for metastatic renal cell carcinoma. Cancer. 2006;107:497-505.

11. Palmowski M, Hacke N, Satzl S, Klauss M, Wente MN, Neukamm M, et al. Metastasis to the pancreas: characterization by morphology and contrast enhancement features on CT and MRI. Pancreatology. 2008;8:199-203.

12. Mechó S, Quiroga S, Cuéllar H, Sebastià C. Pancreatic metastasis of renal cell carcinoma: multidetector CT findings.Abdom Imaging. 2008. [Epub ahead of print].

13. Sellner F, Tykalsky N, Santis M, Pont J, Klimpfinger M.
Solitary and multiple isolated metastases of clear cell renal carcinoma to the pancreas: an indication for pancreatic surgery. Ann Surg Oncol. 2006;13:75-85.

14. Akatsu T, Shimazu M, Aiura K, Ito Y, Shinoda M, Kawachi S, et al. Clinicopathological features and surgical outcome of isolated metastasis of renal cell carcinoma. Hepatogastroenterology.2007;54:1836-40.

15. Yachida S, Fukushima N, Kanai Y, Nimura S, Shimada K, Yamamoto J, Sakamoto M. Pancreatic metastasis from renal cell carcinoma extending into the main pancreatic duct: a case report. Jpn J Clin Oncol. 2002;32:315-7.

16. Aimoto T, Uchida E, Yamahatsu K, Yoshida H, Hiroi M.
Surgical treatment for isolated multiple pancreatic metastasis from renal cell carcinoma: report of a case. J Nippon Med Sch. 2008;75:221-4.

17. Ricci V, Carbone SF, Testi W, Malatesti R, Lo Gatto M, Dell’Avanzato R, et al. Single gallbladder and multiple pancretaic metástases from renal cell carcinoma sixteen years after nephrectomy. Chir Ital. 2008;60:311-4.

18. Schauer M, Vogelsang H, Siewert JR. Pancreatic resection for metastic renal cell carcinoma: a single center experience and review of the literature. Anticancer Res. 2008;28:361-5.

19. Matsutani T, Sasajima K, Miyamoto M, Yokoyama T, Maruyama H, Yanagi K, et al. Resection of pancreatic metastasis from ranal cell carcinoma and an early gastric cancer. J Nippon Med Sch. 2008;75:41-5.

20. Nagai T, Igase M, Ochi M, Nagai A, Takada K, Kohara K, et al. Multiple metastases from ranal carcinoma 15 years after nephrectomy. Nippon Ronen Igakkai Zasshi. 2007;44:747-51.

21. Kato D, Abe Y, Nishihara K, Katsumoto F, Tamae K, Mitsuyama S. Pancreatic metastasis from renal carcinoma 13 years after a nephrectomy: report of a case. Int Surg.
2007;92:230-4.

22. Bar C, Negru D, Ursulescu C, Crumpei F, Georgescus S.
Pancreatic metastases. A case report- solitatary pancretic metastasis from a clear cell ranal cell carcinoma. Med Chir Soc Med Nat Iasi. 2006;110:646-9.

23. David AW, Samuel R, Eapen A, Vyas F, Joseph P, Sitaram V.Pancreatic metastasis from renal cell carcinoma 16 years after nephrectemy: a case report and review of the literature.Trop Gastroenterol. 2006;27:175-6.

Trabalho realizado no Hospital Universitário da Universidade Estadual do Oeste do Paraná- UNIOESTE – PR, Brasil

Endereço para correspondência:Luis Alberto Batista PeresRua São Paulo 769-ap 901- Centro85801-020- Cascavel-PR, Brasil

e-mail: peres@certto.com.br

Metástase Tardia Múltipla de Carcinoma Renal de Células Claras: relato de caso

Источник: https://bjnephrology.org/article/metastase-tardia-multipla-de-carcinoma-renal-de-celulas-claras-relato-de-caso/

IUCR – Dr. Gustavo Guimarães

Câncer de rim (carcinoma de células renais claras)

Os rins são um par de órgãos localizados na parede póstero-superior da cavidade abdominal um a cada lado da coluna vertebral. Ambos estão protegidos pela parte inferior da caixa torácica.

Sobre cada um dos rins estão as glândulas suprarrenais. Os rins tem a função principal de filtrar o sangue e remover o excesso de água, sal e resíduos pela urina.

A urina segue pelos ureteres até a bexiga, onde é armazenada até o momento de ser eliminada.

Embora o carcinoma de células renais se desenvolva como uma massa única (tumor) dentro do rim, às vezes, existem 2 ou mais tumores em um dos rins ou em ambos simultaneamente. Os tipos de câncer de rim podem ser:

  • Carcinoma de células renais (CCR): é o tipo mais comum, também conhecido como câncer de células renais ou adenocarcinoma de células renais. Corresponde a cerca de 90% dos cânceres renais.

    Os tipos de carcinoma de células renais incluem alguns subtipos: carcinomas de células claras, papilares, cromófobos, CCR do ducto coletor, CCR cístico multilocular, Carcinoma medular, Carcinoma tubular mucinoso e de células fusiformes, CCR associado ao neuroblastoma.

  • Carcinoma urotelial: câncer do trato urinário que ocorre no rim ou no ureter. Esses carcinomas se iniciam no revestimento da pelve renal e esse revestimento é constituído por células de transição que se parecem com as células que revestem os ureteres e a bexiga. Os cânceres que se desenvolvem a partir destas células são parecidos com outros carcinomas uroteliais, como o de bexiga.

  • Tumor de Wilms: câncer renal infantil.

Segundo o Instituto do Câncer (INCA) estima-se 6.270 novos casos de câncer de rim em 2018.

Selecione o tipo de câncerCâncer de AdrenalCâncer de BexigaCâncer de MamaCâncer Colo de ÚteroCâncer de PênisCâncer de OvárioCâncer de PróstataCâncer de Testículo

Fatores de Risco

O maior risco de câncer renal é o tabagismo. Outros fatores são:

Idade: a maioria dos casos ocorre após os 50 anos.

Sexo: os homens têm duas vezes mais chances de ter câncer de rim do que as mulheres

Obesidade

Pressão alta

Exposição ao asbesto, ao cádmio e ao coque (usados na fabricação de aço), benzeno, herbicidas e solventes orgânicos

Doença renal avançada e uso prolongado de diálise

Raça: os afro-americanos têm uma taxa ligeiramente maior de câncer renal

Condições genéticas: doença de von Hippel-Lindau ou carcinoma de células renais papilífero hereditário

História familiar de doença renal

Sintomas

O câncer renal, geralmente, no início não apresenta sintomas. Nem sempre os sintomas abaixo caracterizam o câncer, eles podem estar associados a outras doenças. É importante sempre procurar o médico ao perceber algumas alteração.

  • sangue na urina (hematúria)

  • caroço ou massa na lateral ou na parte inferior das costas

  • febre sem explicação por algumas semanas

  • perda de peso sem justificativa

  • anemia

  • dor persistente na lombar, no abdômen ou na parte inferior das costas

  • fadiga

  • inchaço dos tornozelos e pernas

Diagnóstico

A maioria dos casos é diagnosticado no momento da avaliação de algum outro problema de saúde ou check-up de rotina. Não há um exame de sangue ou mesmo de urina que possa detectar o câncer de rim. É necessária a realização de um conjunto de exames:

  • Exames de sangue

  • Exames de urina

  • Exames de imagem (ultrassom, tomografia computadorizada e ressonância magnética)

  • Biópsia, com a remoção de uma amostra de tecido do rim, que é enviada e testada em laboratório

O diagnóstico precoce permite ao médico identificar o tumor quando ele está em estágios iniciais e quando as chances de sucesso no tratamento são muito maiores.

Estadiamento

O estadiamento é a forma de classificação do tumor considerando a sua extensão e ou o quanto ele afetou os gânglios linfáticos ou outros órgãos, o que auxilia o médico na definição da melhor conduta terapêutica.

Estágio 1

o tumor mede até 7 cm e está localizado apenas no rim

Estágio 3

o tumor aumenta de tamanho e se expande para além do rim e atinge o tecido que circunda o órgão, podendo se propagar até um nódulo linfático próximo

Estágio 4

o tumor se espalha para múltiplos nódulos linfáticos ou, ainda, para partes distantes do corpo, como o osso, fígado e pulmões – metástase

Leia Também

Источник: https://www.iucr.com.br/cancer-rim

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: