Candidíase no Homem: Sintomas e Tratamento

Candidíase em homem: coceira e inchaço no pênis são sintomas; saiba tratar

Candidíase no Homem: Sintomas e Tratamento
Imagem: sasun1990/iStock

Os primeiros sinais da candidíase em homens podem assustar: ao ver alterações como bolinhas e vermelhidão na genitália, muitos pensam se tratar de uma IST (infecção sexualmente transmissível). Mas o quadro não tem relação direta com a atividade sexual e existem tratamentos simples para controlar os sintomas.

Apesar de não ser tão comum quanto em mulheres, também acomete muitos homens. A infecção é causada pela Candida albicans, que assim como outros fungos faz parte do ambiente natural da genitália.

“Mudanças como alteração no Ph, hiperglicemia, falta de higiene, aumento da temperatura e do suor podem causar a proliferação do fungo, causando o quadro”, aponta Antônio Modesto, médico de família e comunidade e coordenador do Grupo de Trabalho de Saúde dos Homens da SBMFC (Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade).

Os homens também podem ter candidíase oral, mas o quadro é mais comum em crianças. “Em adultos, significa que o sistema está imunodepressivo, como em pacientes com HIV ou em pessoas que usam remédios orais que diminuem a defesa local, como a bombinha para asma, especialmente se a higiene for ruim”, explica Modesto.

Sintomas da candidíase genital em homens

  • Vermelhidão
  • Fissura
  • Pele do prepúcio rachada e dolorida
  • Ardência
  • Coceira
  • Placas brancas
  • Dificuldade para urinar
  • Dificuldade em ter relações sexuais

Fatores que facilitam o aparecimento da candidíase no pênis

  • Diabetes mellitus
  • Uso de fraldas em bebês ou idosos (por aumentar a umidade do local)
  • Má higiene do pênis
  • Quimioterapia (por prejudicar a imunidade)
  • Doenças imunossupressoras, como HIV
  • Uso de glicocorticoides ou outras fármacos imunossupressores
  • Uso recente de antibióticos (por eliminarem bactérias que antes competiam por alimentos com os fungos)

O tratamento é feito com antifúngicos orais e uso de pomadas. “Hábitos que dificultam a proliferação, como dormir sem roupa de baixo, ter boa higiene apesar do desconforto e atentar-se a umidez na região”, indica Carlos Ricardo Doi Bautzer, membro do Núcleo Avançado de Urologia do Hospital Sírio Libanês (SP) e Urologista da Clínica Medicina da Mulher.

Outra forma de evitar é ser exigente com a roupa de baixo: não use sungas ou cuecas emprestadas e prefira peças de algodão em vez de tecidos sintéticos, que proporcionam menor ventilação.

É raro que a candidíase leve a um quadro mais grave. No entanto, se não houver tratamento e não for feita a higiene correta, é possível que o paciente tenha uma infecção secundária a partir da área que, por ficar fica ferida e inchada, dificulta a possibilidade de uma boa limpeza.

É possível que a infecção seja transmitida durante a relação sexual?

Não é uma transmissão exclusivamente por sexo. No entanto, para pessoas que já apresentavam algum fator de risco, a relação sexual com uma parceira ou parceiro que possuíam o quadro ou maiores quantidades do fungo, as chances de infecção são maiores.

O Instituto Lado a Lado pela Vida, idealizador do Movimento Novembro Azul, criou uma campanha bem-humorada no Instagram chamada de 'Lave o Dito Cujo'.

O projeto visa conscientizar os homens brasileiros, de maneira lúdica, mas sempre com a seriedade que o assunto exige, sobre a importância da higiene diária do membro, essencial para evitar o câncer de pênis, que anualmente faz com que cerca de 1.600 homens tenham de amputar o pênis no Brasil.

A ação criou um calendário ilustrado com os nomes populares do órgão masculino.

O VivaBem está no litoral paulista com o VivaBem no Verão. São dois espaços na Riviera de São Lourenço (Bertioga) com diversas opções de atividades físicas, lazer, cultura e comidas para você curtir o calor com a família ou os amigos. Saiba mais sobre o evento aqui e venha nos visitar!

Data: de 26 de dezembro de 2019 até o dia 09 de fevereiro de 2020, de quinta a domingo
Horário de funcionamento: das 9h até as 13h (praia) e das 17h até a 1h (arena)
Endereço arena: Av. Riviera, s/n, próximo ao shopping
Local do espaço na praia: canto direito da praia de Riviera de São Lourenço
Entrada: gratuita

  • VivaBem no Verão 2020: conheça os espaços na arena e na praia

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2020/01/21/coceira-e-inchaco-no-penis-sao-sintomas-de-candidiase-saiba-como-tratar.htm

Candidíase no homem: sintomas, tratamentos e causas

Candidíase no Homem: Sintomas e Tratamento

A candidíase no homem é uma infecção causada pelo fungo Candida albicans que atinge principalmente a boca e os órgãos genitais. Em casos mais graves, a Candida pode até afetar órgãos internos e o sistema nervoso central.

O fungo Candida albicans é naturalmente presente no organismo humano na pele, boca, órgão genital ou trato gastrointestinal.Quando encontra-se nos locais habituais e em quantidade normal, não causa problemas.

Porém, o fungo é um germe oportunista e quando ocorre alguma alteração no sistema imunológico, candida passa a se proliferar com maior intensidade causando assim um quadro infeccioso.

A principal diferença entre a situação normal e a infecção, portanto, é a quantidade de fungo e a presença de sinais e sintomas neste último caso.

Vale lembrar que crianças e adultos podem ser afetados pelo fungo quando o sistema imunológico está enfraquecido e/ou por possíveis reações ao uso recorrente de certos antibióticos.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Tipos

A candidíase no pênis não é tão comum como a candidíase vaginal, porém merece cuidados quando se manifesta. Na maioria dos casos, a vulnerabilidade no organismo causada por problemas de saúde é fator primordial para que o fungo se reproduza em excesso no homem. Diabetes e higiene precária são fatores comuns;

A candidíase oral pode ser diagnosticada em crianças, idosos, diabéticos, em adultos após o contato íntimo desprotegido e pacientes em fase de tratamentos que comprometem o sistema imunológico. Ela é caracterizada por pequenas aftas na boca e dificuldade para engolir.

As esofagites de causa infecciosa causada pelo fungo Candida albicans é o mais raro dos tipos de inflamações no esôfago e predominam nos pacientes de baixa imunidade, principalmente os portadores de AIDS e câncer; A candidíase de esôfago é mais comum em idosos e raramente acomete crianças, exceto quando há comprometimento de imunidade.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O intertrigo candidiásico é uma infecção causada na pele que pode aparecer sem outros fatores associados. Ela ocorre principalmente pelo atrito entre as peles, criando assim pequenas lesões em que surge um ambiente propício (calor, umidade e alimento) para a proliferação de bactérias e fungos.

Candidíase disseminada ou candidíase sistêmica ocorre principalmente emhomens com um sistema imunológico enfraquecido, podendo assim atingir recém-nascidos de baixo peso e hospedeiros imunocomprometidos. Nesse caso, o fungo atinge a corrente sanguínea, podendo afetar qualquer órgão e causar complicações graves.

Causas

A candidíase no homem aparece quando há um crescimento excessivo de um fungo que está presente em todas pessoas. Por isso, o desequilíbrio da concentração desse fungo pode aparecer com mais facilidade em adultos ou crianças que possuem o sistema imunológico debilitado.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Fatores de risco

  • Alterações no Sistema Imunológico: Homens com baixa imunidade – como em terapia usando corticoides ou infectadas pelo HIV – são mais propensas a ter candidíase
  • Sexo sem proteção: Contato íntimo sem preservativo com uma parceira(o) infectado com o fungo Candida albicans
  • Uso de antibióticos: Uso frequente de antibióticos de largo espectro, corticoides ou antidepressivos geralmente comprometem o sistema imunológico de uma forma muito intensa, prejudicando a capacidade do organismo de combater microrganismos oportunistas como a Candida
  • Alterações provocadas pelo Diabetes Melito: Pessoas com pouco controle da glicemia são mais propensas a desenvolver infecções fúngicas
  • Em alguns casos, principalmente em adultos acima de 40 anos, a candidíase pode ser o primeiro sintoma de diabetes, tumor ou uma doença orgânica associada
  • Má higienização do pênis: A falta de higiene íntima pode acarretar inflamações e irritações – o que podem ser sinais de infecções graves no homem. Excesso de umidade também pode atrapalhar.
  • Outros fatores como alto nível de estresse, gripe forte e uso de drogas, podem cooperar com a proliferação dos fungos.

Sintomas de Candidíase no homem

  • Coceira, ardência e inchaço na ponta do pênis
  • Relações sexuais dolorosas
  • Ardência ao urinar
  • Feridas (rachaduras) na pele do pênis
  • Corrimento branco e agrupado
  • Odor forte.
  • Vermelhidão, ardência e desconforto na boca
  • Dor e dificuldade para engolir
  • Manchas brancas dentro da boca e na língua
  • Rachaduras no canto da boca.

NÃO PARE AGORA…

TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

  • Dor ao engolir
  • Dor no peito
  • Náuseas e Vômito
  • Dor abdominal
  • Perda do apetite.
  • Vermelhidão na região das dobras
  • Escurecimento da pele nesta região
  • Coceira e queimação na região das dobras
  • Saída de líquidos nas lesões.
  • Febre
  • Emissão de Urina Turva
  • Dor de cabeça
  • Vômitos
  • Articulações inflamadas.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Parte dos homens em que há evidências da Candida Albicans não apresentam sinais ou sintomas exuberantes da candidíase. Portanto, consulte seu médico regularmente.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar uma candidíase no homem são:

  • Clínico geral
  • Infectologista
  • Urologista (peniano)
  • Estomatologista (oral)
  • Dermatologista.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

  • Quais os sintomas que você tem?
  • Você percebe um forte odor vindo do pênis?
  • Há quanto tempo você tem esses sintomas?
  • Você já foi tratado para candidíase?
  • Você tomou antibióticos recentemente?
  • Você é sexualmente ativo? Utiliza preservativos?
  • Que medicamentos ou suplementos vitamínicos você toma regularmente?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito. Isso possibilita que você consiga respostas para as perguntas antes da consulta acabar. Para candidíase masculina, algumas perguntas básicas incluem:

  • Qual é o tratamento mais indicado para o meu caso?
  • Como posso me prevenir para evitar que a Candidíase seja recorrente?
  • Existe alguma restrição durante o tratamento? Qual?

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Candidíase no homem

Para diagnosticar uma Candidíase masculina, o médico poderá:

  • Fazer perguntas sobre seu histórico médico. Isso pode incluir a coleta de informações sobre infecções passadas ou doenças sexualmente transmissíveis
  • Realizar um exame da área. O médico examina visualmente seus órgãos afetados pela candidíase. O diagnóstico é clínico, por isso, o paciente nunca deve se automedicar. Através desse exame, é possível saber se existem outras doenças.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Tratamento de Candidíase no homem

O tratamento da Candidíase no homem geralmente é feita através de medicamentos antimicóticos e pomadas antifúgicas – ambos de uso local. Eles são facilmente encontrados em farmácias e drogarias. Em caso recorrente, há também a possibilidade de medicamentos de uso oral.

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e nunca se automedique. Lembre-se que a maioria das doenças sexualmente transmissíveis e/ou dermatológicas tem diagnóstico clínico, ou seja, o médico precisa examinar o local.

Alguns cuidados podem ser essenciais para ajudar no tratamento do homem. Além dos medicamentos, manter uma alimentação saudável e a higiene no local afetado são pontos importantes para o sucesso no processo de cura da Candidíase Masculina.

Convivendo/ Prognóstico

É importante tomar alguns cuidados desde o dia em que é diagnosticado com a Candidíase até o fim do tratamento:

  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas
  • Não fumar
  • Manter-se sempre hidratado
  • Evitar relações sexuais durante a fase inicial do tratamento
  • Usar preservativo em todas as relações sexuais
  • Evitar alimentos ricos em açucares e gordura
  • Usar cuecas de algodão largas para ajudar a manter a pele e o pênis seco e fresco
  • Evitar roupas quentes, apertadas ou molhadas
  • Usar o medicamento pelo tempo necessário definido pelo médico, pois o tratamento incompleto pode gerar a Candidíase recorrente.

Complicações possíveis

  • A candidíase masculina quando não tratada pode aparecer em intervalos cada vez menores e de forma mais intensa Esta irritação crônica da pele pode fazer com que ela perca a elasticidade e seja necessária cirurgia corretiva.
  • O risco de criar condições favoráveis para que sua (seu) parceira(o) sexual desenvolva candidíase peniana ou vaginal é cada vez maior
  • Em casos mais sérios, onde existe depressão do sistema imunológico, a candidíase é capaz de atingir órgãos vitais, e inclusive, gerar complicações nos rins, pulmões e levar a óbito.

Prevenção

  • Fazer a higiene íntima regularmente
  • Manter a pele limpa e seca
  • Uso de antibióticos apenas com orientação médica
  • Manter a alimentação saudável (Evite alimentos com alto teor de açúcar)
  • Usar preservativo em todas as relações sexuais.

Referências

Revisado por: Urologista Dr. Valter Javaroni (CRM RJ-52575160), Membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia. Chefe do Departamento de Medicina Sexual – SBU RJ

Urologista Dr. Diogo Mendes (CRM DF-6439), Membro da Sociedade Brasileira de Urologia

Gastroenterologista Dra. Maira Marzinotto (CRM SP-124994) da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo

Sociedade Brasileira de Urologia (SBU)

Источник: https://www.minhavida.com.br/saude/temas/candidiase-no-homem

Candidíase masculina: o que é e como tratar

Candidíase no Homem: Sintomas e Tratamento
Imagem redimensionada de Francisco Gonzalez, está disponível no Unsplash

Pouco se fala sobre a candidíase masculina, mas o fungo Candida albicans, causador da candidíase, pode afetar qualquer pessoa, em várias regiões do corpo – incluindo o pênis, a mucosa vaginal, as vias orais, a pele e o intestino.

  • Candidíase: conheça causas, sintomas, tipos e saiba como tratar

Se não tratada, a candidíase masculina pode causar sintomas dolorosos, desconfortáveis ​​e muitas vezes embaraçosos. Também pode levar a complicações graves se a infecção se disseminar para a corrente sanguínea.

Sintomas

Os primeiros sintomas de uma candidíase no pênis incluem vermelhidão, e, às vezes, manchas brancas espalhadas na região peniana.

A pele do pênis costuma ficar úmida e começa a escorrer uma secreção branca e espessa sob o prepúcio ou outras dobras da pele. Também pode haver coceira, sensação de queimação e descamação na pele do pênis.

A vermelhidão, coceira e dor no pênis também podem ser sinais de outras condições mais sérias, incluindo algumas doenças sexualmente transmissíveis (DSTs); portanto, não ignore os sintomas quando eles aparecerem. Um urologista ou seu clínico geral pode diagnosticar a condição, geralmente em uma única consulta.

Causas

A candidíase masculina é causada pelo fungo Candida Albicans. Esse fungo costuma estar presente no organismo em pequenas quantidades, mas quando há baixa na imunidade ou outras condições favoráveis ao fungo, ele pode apresentar um crescimento excessivo e causar uma infecção, a candidíase.

Apesar de não ser considerada uma doença sexualmente transmissível (DST), uma relação sexual desprotegida com outra pessoa que tenha candidíase pode favorecer o desenvolvimento de candidíase no pênis.

Má higiene; excesso de umidade (como uso de sunga molhada durante muitas horas); roupa apertada; alergias e dieta rica em açúcar, glúten, fermentados, refinados e álcool, são um cenário perfeito para a proliferação da candidíase.

Fatores de risco

Além do sexo desprotegido com alguém que tenha candidíase, não tomar banho regularmente ou limpar de modo inadequado os genitais também colocam o homem em risco.

Outros fatores de risco incluem o uso prolongado de antibióticos, diabetes, obesidade, sistema imunológico prejudicado por causa do tratamento do câncer e estar infectado por HIV.

Diagnóstico

O médico examinará os genitais da pessoa com suspeita de candidíase e diagnosticará seus sintomas. As placas brancas que se formam no pênis podem ser examinadas no microscópio ou cultivadas para confirmar o tipo de fungo que causou os sintomas.

Se você não conseguir ajuda médica, considere uma visita a um centro de atendimento de urgência ou até mesmo à sala de emergência. Quanto mais cedo o problema for diagnosticado e o tratamento começar, maior a probabilidade de evitar complicações.

Não diagnostique e inicie o tratamento por conta própria. Se você desconfia que está com candidíase, consulte um médico ou médica.

Tratamento

Na maioria dos casos, pomadas e cremes antifúngicos tópicos são suficientes para eliminar a infecção. Muitos dos cremes antifúngicos recomendados para uma infecção por fungos incluem:

  • Miconazol
  • Imidazole
  • Clotrimazol

O fluconazol oral e uma pomada de hidrocortisona podem ser aconselhados em infecções graves, como aquelas que evoluem para uma condição séria chamada balanite.

Às vezes, a candidíase retorna depois de parecer curada. Se isso ocorrer, seu médico provavelmente recomendará tratamentos semanais por vários meses após algumas semanas de tratamento diário.

A maioria dos cremes antifúngicos são bem tolerados. É pouco provável que você tenha efeitos colaterais graves. Verifique o rótulo, no entanto, e pergunte ao seu médico e/ou farmacêutico o que fazer se você tiver uma reação ruim.

Se a sua infecção não responde bem a uma pomada antifúngica e você não é circuncidado, você pode ser aconselhado a fazer uma circuncisão. Embora este procedimento cirúrgico seja feito com mais frequência em bebês, ele pode ser feito com segurança em um homem de qualquer idade.

Além de usar a pomada indicada pelo médico, você também deve praticar uma boa higiene para ajudar a mandar embora qualquer infecção persistente. Fatores como diabetes e um sistema imunológico enfraquecido podem contribuir para o risco de infecção por fungos.

Complicações

Uma das complicações potenciais da candidíase masculina é a balanite. A balanite é uma inflamação do prepúcio ou da cabeça do pênis. A diabetes pode aumentar o risco de balanite.

Se a balanite não for tratada de forma eficaz, pode ocorrer cicatrização do prepúcio. A condição pode ser dolorosa e tornar a micção mais difícil. Se não tratada, a balanite pode causar inchaço nas glândulas, dor, fraqueza e fadiga.

A candidíase pode se espalhar para a corrente sanguínea. Esse quadro é conhecido como candidemia ou candidíase invasiva, sendo mais comum no homem que demora muito para realizar o tratamento da candidíase no pênis ou que tem o sistema imunológico enfraquecido.

Se você esteve em um hospital e usou um cateter para urinar, é mais provável que você enfrente a candidíase invasiva. Esta forma avançada de infecção por fungos é muito grave. Medicamentos antifúngicos orais podem ser necessários por várias semanas. Em alguns casos, os medicamentos são administrados por via intravenosa.

Duração

Se a sua candidíase no pênis é tratada precocemente e responde bem à medicação antifúngica, ela pode desaparecer dentro de uma semana. Se você é sexualmente ativo, sua parceira ou parceiro também deve receber o tratamento para candidíase para evitar a reinfecção. A pessoa que mantém relações sexuais com você deve ser tratada independente de a infecção ter sido transmitida ou não.

Se você tem candidíase recorrente e descarta causas como higiene e contato sexual, converse com seu médico sobre outras possíveis causas. Você pode ter uma condição de saúde subjacente, como diabetes, alergia ou intolerância a alimentos que contenham glúten ou outras substâncias.

Homens são geralmente muito menos propensos do que as mulheres a desenvolver candidíase, mas é importante saber como tal infecção pode se desenvolver e como reconhecer seus sintomas.

Prevenção

Evite o contato sexual com uma pessoa que tenha candidíase. Você também deve evitar fazer sexo quando estiver com candidíase. Do contrário, você passa a candidíase para a pessoa e ela retorna para você.

Para evitar a candidíase no pênis:

  • Use preservativo;
  • Evite alimentos que facilitam a proliferação de fungos, como pão, doces, álcool e cerveja;
  • Pratique a monogamia sexual para reduzir riscos;
  • Pratique uma boa higiene e mantenha seu pênis limpo e seco;
  • Limpe bem a região do prepúcio com bastante água depois de manter relações sexuais.

Alimentação

O principal é não alimentar o fungo da candidíase. Esse fungo se alimenta de tudo o que você come. E ele adora massas como pães, álcool, doces e alimentos que demoram para ser digeridos como a proteína de glúten.

Portanto, procure matar a candidíase de fome consumindo alimentos probióticos e prebióticos, e evite açúcar, refinados, massas, glúten e fermentados como a cerveja. Se você tem diabetes, com ajuda médica, procure controlar os níveis de açúcar no sangue e cuide da sua imunidade.

Tome chá de barbatimão e utilize sabonete feito com esta planta. Na medicina popular, ele é muito utilizado como fitoterápico natural no tratamento de gonorreia, leucorreia, úlceras, diarreia e candidíase.

A casca do caule e as folhas possuem propriedades anti-inflamatórias, cicatrizantes, hemostáticas, antissépticas, antibacterianas, antifúngicas e adstringentes.

Por isso, pode ajudar no tratamento de feridas, infecções e outros problemas de pele.

A atividade farmacológica da planta se deve sobretudo ao seu alto teor de taninos, mas o barbatimão também apresenta outros compostos benéficos à saúde, como alcaloides e flavonoides.

Conheça a melhor forma de se alimentar para espantar a candidíase na matéria: “Candidíase: conheça alimentação que funciona como remédio natural”.

Veja também:

Cadastre-se e receba nosso conteúdo em seu email. Comunicar erro

Источник: https://www.ecycle.com.br/6815-candidiase-masculina.html

Candidíase vaginal

Candidíase no Homem: Sintomas e Tratamento

A candidíase é uma infeção fúngica (causada por um fungo, a Candida sp). É uma patologia (doença) que afeta frequentemente o sistema genital e que produz alguns sinais e sintomas muito caraterísticos (veja em sintomas), podendo no entanto, afetar qualquer órgão ou sistema do nosso organismo.

Este tipo de infeção vaginal da mulher (candidíase vaginal feminina) não é considerada uma infeção sexualmente transmissível, podendo ser mais frequente em algumas situações clínicas, como veremos mais à frente.

Existem diferentes tipos de infeção vaginal, estando cada uma associada a sintomas distintos. Estes tipos de infeções são responsáveis por uma das principais queixas da mulher, o corrimento vaginal.

Veja mais informação em sinais e sintomas da candidíase vaginal.

A candidíase vulvovaginal (da vulva e da vagina) é uma doença que afeta a mulher pelo menos uma vez na vida em 75% dos casos. Cerca de 40-45% das mulheres terão dois ou mais episódios desta infeção ao longo da sua vida.

Note que ao longo deste artigo debruçamo-nos apenas sobre a candidíase vaginal, contudo, esta infeção fúngica (causada pelo fungo Candida sp), pode afetar qualquer órgão ou sistema do nosso organismo, dependendo da condição clínica de cada doente. Este é um tipo de infeção oportunista, uma vez que em pessoas saudáveis este tipo de fungo não causa doença.

Dependendo do local onde ocorre a infeção, como a pele (por exemplo, candidíase mamária, candidíase peniana – no pénis), as mucosas (por exemplo, candidíase oral – na boca -, candidíase vaginal), o sistema gastro-intestinal (por exemplo, candidíase intestinal, do estômago ou do esófago), entre outros, a avaliação e o tratamento deve ser realizado por médicos de diferentes especialidades.

Causas da candidíase

A candidíase vulvovaginal é causada pelo crescimento excessivo do fungo Candida albicans em cerca de 90% dos casos. Nos restantes casos, o agente responsável pode ser de outra espécie de Candida sp. (Candida glabrata, Candida krusei, Candida tropicalis, etc.).

Existem alguns fatores de risco que facilitam esta condição clínica, como:

  • doenças endócrinas, como por exemplo a diabetes;
  • a utilização de alguns medicamentos como antibióticos, corticoides e citostáticos;
  • situações clínicas de estado geral e imunitário deficitário (baixa imunidade);
  • a gravidez;
  • alguns tipos de contraceção hormonal (pílula).

A candidíase pode ser considerada persistente, quando os sintomas associados à infeção inicial não desaparecem após o tratamento correto. Por outro lado, considera-se uma reinfeção quando surgem sintomas novamente, após um mês sem sintomas.

A candidíase recorrente ou crónica define-se quando ocorrem 4 ou mais episódios de infeção sintomática durante um ano, com diagnóstico confirmado e após terapêutica adequada.

De acordo com a apresentação clínica, o agente causal, as condições clínicas da doente e a resposta ao tratamento, a candidíase vulvovaginal pode ser classificada em não complicada e em complicada.

A candidíase não complicada inclui os casos de infeção esporádica, com sintomas ligeiros a moderados, causada por Candida albicans e que ocorre na mulher não imunocomprometida.

A candidíase complicada abrange os casos de infeção recorrente, com sintomas severos, causada por candidíase não-albicans e que ocorre na mulher imunodeprimida, com diabetes descompensada ou debilitada.

Sinais e sintomas na candidíase

A candidíase vulvoganial manifesta-se por sinais e sintomas que podem ser típicos na sua fase aguda.

Os sintomas iniciais passam, fundamentalmente, pela existência de prurido (“comichão”) e ardor vulvar intenso, que agrava à noite e na fase pré-menstrual (antes da menstruação), dispareunia (dor nas relações sexuais) e corrimento vaginal branco, grumoso, espesso (tipo requeijão), sem cheiro.

Na avaliação ginecológica observa-se eritema (vermelhidão), edema (inchaço) e fissuras (lesões de coceira) na região vulvar, e o corrimento descrito aderente às paredes da vagina.

Saiba, aqui, tudo sobre corrimento vaginal.

Outro tipo de sintomas ou com outras características, como por exemplo a cor do corrimento diferente, o corrimento com sangue ou sangramento ou dor pélvica, podem estar associados a outros diagnósticos. A avaliação por parte do médico ginecologista é importante para permitir diagnosticar e tratar de forma correta e atempada a patologia subjacente à sintomatologia.

A candidíase é contagiosa?

A candidíase vulvovaginal não é considerada uma infeção de transmissão sexual, isto é, habitualmente a transmissão da doença não ocorre através do contacto sexual. Ou seja, a candidíase não é uma doença contagiosa, ou a doença não passa ou não “se pega” de pessoa para pessoa através do contacto sexual.

No entanto, se um dos parceiros sexuais estiver debilitado e o outro tiver uma infeção ativa pode haver contágio. Assim, o homem e a mulher podem ter uma candidíase sintomática em simultâneo. Veja mais informação em prevenção da candidíase.

Diagnóstico na candidíase

O diagnóstico da candidíase é feito essencialmente pelos sintomas da doente e pode ser confirmado por exames complementares de forma a detetar o agente causal da infeção. Os sintomas típicos são os descritos anteriormente, que orientam para o provável diagnóstico de candidíase vulvovaginal.

De maneira a diagnosticar de forma definitiva o tipo de infeção podem ser realizados alguns tipos de testes como a medição do pH do fluído vaginal, o teste das aminas e o exame microscópico a fresco ou com coloração. Este tipo de informação pode permitir um atempado e correto diagnóstico de forma a instituir tratamento adequado.

Candidíase na gravidez

A gravidez é uma condição da mulher que pode propiciar a infeção fúngica vaginal. Assim, a candidíase durante a gravidez é frequente e pode ocorrer em qualquer fase da gestação. Este tipo de situação clínica habitualmente não está associada a complicações para o feto (bebé).

O tratamento da candidíase vulvovaginal na mulher grávida deve ser feito sempre que existem sintomas, tendo em atenção algumas especificidades. Portanto, a mulher deve fazer um teste de gravidez quando achar que pode estar grávida. Veja mais informação em tratamento da candidíase na gravidez.

Saiba, aqui, tudo sobre corrimento na gravidez.

Complicações da candidíase

O fungo da Candida existe de forma normal na pele e no intestino, e cerca de 10-20% das mulheres são portadoras sem haver infeção vaginal.

Nos casos de doenças que levam à imunodepressão (imunidade diminuída) ou de situações clínicas debilitantes (como doentes submetidos a algumas cirurgias mais invasivas) pode haver um crescimento excessivo deste fungo, levando à infeção.

Nestes casos pode resultar numa infeção superficial (da pele e das mucosas) ou sistémica.

A candidíase vulvovaginal pode ser considerada complicada nos casos de recorrência, em que os sintomas se tornam muito intensos ou nas situações de imunodepressão, estando indicado o tratamento inicial e de manutenção adequado. O doente nunca se deve automedicar sob pena de poder agravar o seu estado de saúde e deve procurar o seu médico ginecologista (especialista em ginecologia) no caso de agravamento dos sintomas.

Candidíase tem cura?

A candidíase vulvovaginal é uma infeção vaginal que, se tratada de forma adequada, tem cura. Pode haver casos de infeções de repetição, a candidíase recorrente ou crónica (como esclarecido acima), havendo indicação para tratamentos de forma intermitente (sempre que a infeção voltar) ou de maior duração.

Tratamento da candidíase

O tratamento da candidíase vulvovaginal está indicado na mulher que apresenta sintomas. O tipo de tratamento indicado é diferente nos casos de candidíase não complicada e complicada. O tratamento com medicamentos (ou remédios) de toma oral (comprimidos) ou o tratamento tópico (creme vaginal) têm eficácia semelhante.

O tratamento dos episódios agudos da candidíase não complicada é feito com os derivados do imidazol, de aplicação tópica local (pomada ginecológica), tendo um início de ação rápido e com grande eficácia. O tratamento oral pode ser feito com fluconazol ou itraconazol, em dose única.

Nos casos de candidíase complicada severa o tratamento consiste na administração de fluconazol com tomas de repetição (com intervalo de 3 dias) ou um derivado do imidazol durante 14 dias.

Na candidíase complicada recorrente o tratamento inicial inclui o fluconazol (com tomas de repetição) ou um derivado do imidazol (durante 7 a 14 dias), devendo continuar o tratamento de manutenção prolongando os dias de tratamento (fluconazol semanal durante 6 meses).

Quando os sintomas da infeção são muito intensos e incomodativos pode estar indicada a aplicação tópica de um corticoide ou de um anti-sético anti-inflamatório local, de forma a aliviar a dor.

Na gravidez, a candidíase deve ser tratada com formulações tópicas durante 6 dias, não estando indicados os tratamentos orais.

O tratamento do parceiro sexual está indicado quando este apresenta sintomas, como a balanite. Pode estar também recomendado nos casos de candidíase recorrente. O tratamento para candidíase masculina deve ser de dupla abordagem (oral e tópica).

O doente deve tomar a medicação descrita de acordo com a receita médica, na posologia indicada e até acabar, cumprindo assim o plano terapêutico estipulado. É importante realçar que o doente não se deve automedicar e que não existe tratamento caseiro ou natural com eficácia comprovada no tratamento da candidíase, exceto as medidas preventivas que descrevemos de seguida.

Como se previne a candidíase?

De forma a prevenir a candidíase vulvovaginal, devem ser adotados medidas de higiene íntima adequadas. A frequência diária de higienização deve ser ajustada ao clima, à atividade física e às doenças associadas, devendo ser de uma a três vezes por dia, durante dois a três minutos, com produtos apropriados (pH ácido e, idealmente, formulação líquida).

Algumas medidas podem ser eficazes para eliminar condições que são naturalmente propícias ao desenvolvimento de infeção.

Deve ser evitada a utilização sistemática de penso higiénico, a roupa não deve ser demasiado justa ou apertada e a roupa interior deve ser trocada diariamente.

Sempre que for frequentada a piscina ou praticado algum desporto, o fato-de-banho e o vestuário deve ser trocado o mais precocemente possível.

Após as relações sexuais, deve-se lavar a área genital externa com água e produto de higiene íntima, não estando recomendada a lavagem vaginal. Nas fases agudas de infeção está recomendada a evicção de relações sexuais ou a utilização de preservativo pelo agravamento dos sintomas.

É de primordial importância eliminar outros fatores de risco presentes na doente. Na presença de uma doente diabética descompensada é essencial fazer um bom controlo metabólico da doença. As doentes medicadas de forma crónica com alguns fármacos (medicamentos) pode estar indicada a instituição de tratamento profilático.

A utilização de probióticos pode ser considerada nos casos de candidíase recorrente, de forma a evitar o aparecimento de um novo episódio agudo.

Um estilo de vida saudável, nomeadamente fazer uma alimentação adequada, através de uma dieta rica e equilibrada e uma correta hidratação são medidas de prevenção. Alimentos ricos em lactobacilos podem ser úteis pois permitem uma melhor flora vaginal, de forma a combater de uma forma mais eficaz uma possível infeção vaginal.

Источник: https://www.saudebemestar.pt/pt/clinica/ginecologia/candidiase/

Candidíase no homem pode causar feridas e infecção grave: como identificar!

Candidíase no Homem: Sintomas e Tratamento

A candidíase masculina corresponde ao crescimento excessivo de fungos do gênero Candida sp. no pênis, levando ao aparecimento de sinais e sintomas indicativos da infecção, como dor e vermelhidão local, ligeiro inchaço e coceira.

A Candida sp.

é um fungo naturalmente presente na região genital e na pele de homens e mulheres, no entanto como consequência de alguma alteração no sistema imune, principalmente, pode ter seu crescimento favorecido, resultando na candidíase.

A candidíase genital é mais comum de acontecer nas mulheres, no entanto também pode acontecer nos homens principalmente quando não se realiza a higiene íntima adequadamente. Além de poder aparecer no pênis, a candidíase no homem também pode aparecer em outros locais do corpo, como entre os dedos do pé, virilha e interior da boca.

A candidíase é uma infecção que pode ser facilmente tratada desde que o tratamento recomendado pelo médico seja seguido, o que normalmente envolve o uso de pomadas e cremes que promovem a eliminação dos fungos em excesso, além de antifúngicos via oral em alguns casos. No entanto, o tratamento não garante a imunidade e, por isso, é importante que o homem mantenha os hábitos de higiene para evitar que a candidíase volte a acontecer.

Foto da candidíase no homem

Sinais e sintomas de candidíase masculina

Os sinais e sintomas de candidíase genital masculina surgem principalmente no pênis, no entanto pode também aparecer no saco escrotal ou atingir a virilha, por exemplo. Os principais sinais e sintomas de candidíase no homem são:

  • Dor e vermelhidão local;
  • Aparecimento de placas avermelhadas e/ou esbranquiçadas no pênis;
  • Ressecamento da pele;
  • Presença de secreção esbranquiçada;
  • Sensação de queimação ao urinar;
  • Coceira local.

O diagnóstico da candidíase genital masculina é confirmada pelo urologista a partir da observação dos sinais e sintomas apresentados pelo homem. Além disso, em casos recorrentes e atípicos, pode ser solicitado a realização de exames laboratoriais para confirmar a presença e a espécie do fungo.

No caso da candidíase masculina que não acomete a região genital, os sinais e sintomas apresentados devem ser avaliados pelo dermatologista, que irá identificar o tratamento mais adequando. Faça nosso teste online para saber quais as chances de estar com candidíase.

Principais causas e como prevenir

A candidíase masculina está principalmente relacionada com alterações do sistema imune que acabam por favorecer o crescimento excessivo de espécies de Candida na região genital, na boca ou no corpo, por exemplo.

Assim, situações como gripe, estresse, doenças crônicas, como diabetes descompensada ou não tratada, ou autoimunes, realização de quimioterapia ou tratamento com imunossupressores ou corticoides podem favorecer a proliferação de Candida sp.

Além disso, no caso da candidíase genital masculina, a falta de higiene da região genital e a umidade local também pode favorecer a proliferação fúngica. Assim, para prevenir a infecção, é importante realizar a higiene íntima diariamente e evitar usar roupas quentes, apertadas ou molhadas, já que também favorecem o crescimento fúngico.

Fortalecer o sistema imunológico é também uma forma de prevenir a infecção pelas espécies de Candida sp. e, por isso, é importante ter uma alimentação saudável e equilibrada e praticar atividade física diariamente.

Como tratar a candidíase

A candidíase tem cura e, na maior parte dos casos, o tratamento pode ser feito em casa com o uso de pomadas antifúngicas, como Miconazol, Imidazol, Clotrimazol ou Fluconazol e, nos casos mais graves, pode ser recomendado o uso de Antifúngicos via oral e Hidrocortisona. É importante que o tratamento da candidíase masculina seja feito de acordo com a recomendação médica, mesmo que não existam mais sintomas aparentes. Entenda como é feito o tratamento para candidíase masculina.

Uma outra estratégia que ajuda a curar a candidíase mais rápido é investir em alimentos como a salsinha e o limão que pode ser usados para temperar a salada ou espremido num pouco de água, sem adoçar. Veja outras receitas caseiras para tratar a candidíase.

O chá de gengibre e de poejo são outras ótimas opções para completar o tratamento médico. Veja mais dicas do que comer neste vídeo da nutricionista Tatiana Zanin:

Источник: https://www.tuasaude.com/candidiase-no-homem/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: