Cera no ouvido (cerúmen): sintomas e tratamento

Zumbido nos ouvidos é sinal de que algo com a saúde não vai bem

Cera no ouvido (cerúmen): sintomas e tratamento

A Academia Americana de Otorrinolaringologista e Cirurgia de Cabeça ePescoço descreve o zumbido, ou tinnitus, como a percepção do som sem a presença de uma fonte externa. O problema afeta 28 milhões de pessoas no Brasil e 278milhões no mundo, conforme dados da Organização Mundial de Saúde.

Considerando as pessoas acima de 60 anos, o zumbido pode atingir até33% da população, ou seja, 1 em cada 3 pessoas nessa faixa de idade.Cerca de 1 em cada 5 pessoas alega que a condição afeta negativamente suaqualidade de vida e/ou saúde funcional. Portanto, é um problema que deve ser devidamente tratado.

A seguir, vamos saber como reconhecer os sinais de zumbido.

Como identificar o zumbido nos ouvidos

O zumbido tem inúmeras características, e quando o paciente as consegueidentificar e relatá-las ao médico, facilita a possibilidade do diagnóstico e consequentemente a implementação dotratamento mais adequado.

As características que devem ser observadas:

  • Localização: em um ou nos dois ouvidos, ou ainda há quem fale perceber o zumbido na cabeça;
  • Frequência: se o barulho é contínuo ou intermitente;
  • Intensidade ou volume: pode ser única ou variar ao longo do tempo;
  • Monofônico (sempre o mesmo tipo de som) ou polifônico (quando há a percepção de vários tipos de sons);
  • Tipo: são descritos de diversas maneiras, tais como: chiado, apito, motor,chuva, cachoeira, pulsação do coração, som de sino, rádio fora de sintonia, etc;
  • Causa: o que precipitou o início de todo o quadro, sendo que nem sempre épossível determinar este;
  • Fatores que mudam o zumbido (para agravo e alívio): ambiente silencioso, stress, ingestão de cafeína, abuso de carboidratos, movimentos de cabeça e pescoço,apertar os dentes, etc;
  • Sintomas associados: perda de audição, tontura, cefaléia, dores na mandíbula, quedas,insônia ou incômodo com sons do ambiente.

Vale saber que o zumbido não é uma doença, mas sim um sintoma de algum outro problema que está afetando o organismo.

Por envolver a percepção de sons, isso é comumente associado ao sistemaauditivo. De fato, várias partes do sistema auditivo são frequentementeresponsáveis pelo zumbido nos ouvidos. Mas nem sempre é assim.

Vamos conhecer algumas possíveis causas a seguir.

Perda auditiva também pode acontecer na infância

Nem sempre um problema de ouvido é a causa do zumbido

Na maior parte dos casos de tinnitus, a condição está associada à danos na audição. Porém, nem sempre o paciente nota essa diminuição, inclusive sendo comum as pessoas perceberem primeiro o zumbido esomente tempos depois notar que está escutando menos.

Muitas vezes se deve a alterações no funcionamento e até mesmoo dano definitivo de pequenas células ciliadas sensoriais, localizadas na orelha interna, que pode ter como causa: otites, exposição excessiva a ruídos, uso de medicamentos e processo de envelhecimento, etc.

Outra possível causa é o excesso de cerumen, conhecido popularmente como “cera de ouvido”: quando este ocluir o conduto auditivo externo, aumenta a nossa percepção dos sonsgerados pelo próprio corpo, daí notamos o zumbido. Esta é uma situação similar aquela em que a pessoa coloca uma concha junto ao ouvido e refere estarescutando o mar. Na verdade, a percepção do som se dá devido ao efeito de oclusão.

Inúmeras pessoas têm zumbido como consequência de alterações na regiãoda articulação temporo-mandibular, assim, apresentando DTM (disfunção temporo-mandibular). Ela pode ser devido à bruxismo (ato de apertar ou ranger os dentes), alteraçõesde mordida (como mordida cruzada e alterações dentárias) ou má-formações.

O problema também pode se originar de uma anormalidade na parte auditiva do cérebro ou próximo a ela. Isso inclui uma variedade de distúrbiosincomuns, como danos causados por traumatismocraniano ou até mesmo tumores (por exemplo, o schwannoma vestibular, que é um tumor benigno que pode comprimir o nervo auditivo).

O zumbido nos ouvidos que soa como uma pulsação ou batimento cardíaco éconhecido como zumbido pulsátil. Isso pode sinalizar a presença de doença cardíaca (sopro cardíacoirradiado), vasos sanguíneos cervicais estreitados, aneurismas arteriais cervicais e/ou torácicos, e também tumores vasculares (no crânio, pescoço e ouvidos).

Finalmente, fatores nãoauditivos e referentes ao estilo de vida também pode ser causas de zumbido nos ouvidos. Condições médicas como artrites, depressão, ansiedade, insônia,estresse e fadiga muscular são exemplos.

A seguir, vamos saber como o zumbido nos ouvidos pode ser identificadoe tratado, melhorando a qualidade de vida de quem sofre com o problema.

Conheça os 4 diferentes tipos de tontura

Como são feitos diagnóstico e tratamento

Pessoas que sofrem de zumbido nos ouvidos precisam de uma abordagem médica que leve emconsideração critérios subjetivos e objetivos para a correta identificação dacausa do problema. Também é importante diferenciar o tempo de duração dosintoma.

Quando está presente há menos de 3 semanas, deve-se considerar condições de saúde emocional, exposições recentesa intenso ruído, trauma de cabeça e pescoço, otites ou uso de certos medicamentos. Também é preciso pesquisar a presençade cerumen, cefaléia, dores no pescoço ou articulação temporomandibular, além de déficits neurológicosfocais.

Se a duração do zumbido nos ouvidos for superior a três semanas, é importante se atentar se há outros fatores associados, por exemplo: quando além do zumbido, opaciente apresenta sensação de ouvido entupido (plenitude aural), perda de audição e tontura, há a suspeita de Doença de Menière.

Para um correto diagnóstico é fundamental uma anamnese detalhada (perguntas feitas em consulta) e um exame físico cuidadoso. Porém, muitas vezes necessitamos do auxílio de exames complementares.

Uma vez explorada todas as possibilidades, o tratamento é indicado com o objetivo de corrigir o fator que pode estar desencadeando odesconforto auditivo.

Comumente o paciente recebe orientações sobremudanças de estilo de vida, que podem influir no zumbido, que podem serassociadas a algumas técnicas, tais como: medicamentos, acupuntura, estimulação elétrica e magnética e até próteses auditivas, além decuidados dirigidos para a saúde emocional.

Os pacientes que recebem tratamento mais precoce para o zumbido têm um melhor prognóstico (sucesso de tratamento). Isto é, quanto antes procurar um serviço de saúde adequado, maiores são aschances de cura.

O importante é saber que o zumbido nos ouvidos é bastante incômodo, maspode e deve ser tratado. Se você se identifica com a condição, consulte um médico o mais rápidopossível para uma avaliação.

No meu site, você faz o agendamento online da consulta.

Quer saber mais? Visite o meu blog. 

Источник: https://otoneuro.med.br/zumbido-nos-ouvidos-pode-ter-diferentes-causas-conheca-algumas-delas/

Tampão de cerume – Como retirá-lo

Cera no ouvido (cerúmen): sintomas e tratamento

Em breves palavras

dois pontos fundamentais a reter na presença de um tampão de ouvido: não tentar extraí-lo sozinho com um objeto e evitar qualquer solução líquida no canal auditivo em caso de perfuração do tímpano ou otite.

Para além destas precauções, as soluções auriculares cerumenolíticas e cerumeno-dispersantes são preconizadas para eliminar suavemente os tampões. Caso a obstrução se torne demasiado grande, é fortemente aconselhada a intervenção de um médico especialista.

Contudo, as soluções auriculares adaptadas continuam a ser recomendadas em preâmbulo deste gesto, já que facilitam a extração.

O tampão do ouvido é uma patologia auricular frequente. Formado na sequência de uma acumulação anormal de cerume no fundo do canal auditivo externo, provoca diversas sensações desagradáveis: dores, impressão de ouvido obstruído, perda de audição… Existe algum método para o eliminar em casa suavemente? Quando se deve consultar um médico?

Tampão de cerume: quais são os sintomas?

Entre as diversas patologias do ouvido , a mais comum é o tampão de cerume . Também chamado tampão de cera ou tampão de ouvido, pode manifestar-se através dos seguintes sintomas:

  • Uma perda de audição,
  • Uma sensação de ouvido obstruído e sob pressão,
  • Irritações, formigueiro ou dores no canal auditivo,
  • Tinidos (zumbidos) ou ainda vertigens…

Saber mais sobre os sintomas do tampão de ouvido!

Como se forma o tampão de cerume?

Os ouvidos produzem cerume , uma substância oleosa, cuja função é oferecer ao canal auditivo externo e ao tímpano uma proteção contra as bactérias. Embora o cerume seja útil à nossa saúde, pode tornar-se nocivo quando a sua quantidade não for regulada. Em caso de acumulação anormal no canal, pode formar-se um tampão de cerume, provocando os sintomas referidos mais acima.

Sobreprodução de cerume ou dificuldade do ouvido em evacuá-lo naturalmente, as causas da formação de um tampão de cerume podem ser diversas.

Eliminar um tampão de cerume: os métodos diferentes

Antes de mais, saiba que é fortemente desaconselhado tentar retirar um tampão de cerume por sua iniciativa com qualquer objeto, quer se trate de uma cotonete ou de qualquer outro utensílio improvisado.

Retirar um tampão de cerume com uma solução auricular

Atenção! Em caso de otite ou de tímpano perfurado, é contraindicado utilizar um tratamento em solução auricular.

Salvo em situações particulares, é possível tratar suavemente ao domicílio. Existem soluções auriculares adaptadas. Disponíveis em farmácia, podem eliminar um tampão de cerume. Para um tratamento eficaz, prefira soluções aquosas com tensioativos bem tolerados que permitam a dissolução dos elementos constitutivos do cerume e a dissolução desses fragmentos.

A ação desses tensioativos sobre o tampão do ouvido vai provocar uma emulsão que será evacuada de forma fácil e natural para o exterior do canal auditivo externo.

Escolher bem o meu tratamento anti-tampão de ouvido: quero saber mais!

Descubra Audispray Ultra !

Lembre-se de que, em certos casos com obstruções muito graves, um tratamento com uma solução auricular adaptada pode ser insuficiente. Como tal, é recomendável a extração por um médico especialista. Contudo, a utilização desta solução não seria inútil: reduziria ou, pelo menos, amoleceria o tampão de cerume, o que facilita a extração a realizar pelo médico.

A extração do tampão de cerume realizada por um médico

Apesar da utilização de uma solução auricular adaptada, os sintomas continuam… Não demore mais: marque uma consulta com um médico para eliminar o seu tampão do ouvido.

Como isso é feito? O médico vai proceder a uma intervenção mecânica. Conforme a dimensão da obstrução, existem diferentes práticas: irrigação, curetagem, aspiração…

NNão se esqueça que as soluções auriculares cerumenolíticas e cerumeno-dispersantes são úteis para se preparar esta intervenção e facilitar a extração do tampão do ouvido.

Peça conselho ao seu farmacêutico, ao seu médico ou ao seu ORL.

Tampão de cerume: como prevenir a sua formação?

Qual a primeira coisa a fazer para evitar a constituição de um tampão de cerume ? Adotar uma higiene auricular regular . Limpar os ouvidos duas vezes por semana com uma solução adaptada permite regular a quantidade de cerume presente no seio do canal auditivo externo, evitando, assim, que este se acumule aí.

Abandonar a utilização de cotonetes também é recomendado para prevenir a formação de tampões de ouvido, resultantes da acumulação de cerume no fundo do canal auditivo.

Para limpar bem os ouvidos , prefira uma solução aquosa, idealmente à base água do mar: os seus benefícios para o corpo são imensos. Sabia que o sal marinho tem virtudes cerumenolíticas?

Ajudem-me a encontrar a solução de higiene auricular mais adequada!

Источник: https://new.audispray.com/pt/blog/como-desobstruir-uma-orelha-bloqueada

Acúmulo de cera nos ouvidos – Causas , sintomas e tratamento

Cera no ouvido (cerúmen): sintomas e tratamento

A cera que temos no ouvido é uma substância natural produzida por glândulas na pele do canal auditivo externo e age como um revestimento para o canal auditivo, portanto, a remoção não é necessária. No entanto, em casos de obstrução ou acúmulo de cerúmen, pode ser necessário retirar a cera impactada ou excessiva, pois isso pode prejudicar a audição.

O acúmulo de cera, pode ser causado pelo uso de aparelho auditivo, grampos de cabelo, fones de ouvido, cotonetes, etc. Colocar essas coisas no ouvido empurra a cera para o interior do canal auditivo.

Sinais e sintomas de acúmulo de cera nos ouvidos incluem:

  • Dor
  • Comichão e coceira
  • Irritação
  • Sensação de plenitude nos ouvidos
  • Perda de audição
  • Tonturas
  • Zumbidos

A cera em excesso, pode ser removida por um profissional de saúde geralmente um médico, que após o exame físico irá indicar a necessidade do procedimento

No entanto podemos ajudar a prevenir o acúmulo excessivo de cera não empurrarando ou colocando objetos nos  ouvidos. Atualmente, não há outros métodos eficazes disponíveis para evitar o acúmulo.

A pele na parte externa do canal auditivo tem glândulas especiais que produzem cera de ouvido, também conhecida como cerúmen. Essa cera natural serve  para proteger o ouvido de danos e infecções. Normalmente, uma pequena quantidade de cera se acumula e, em seguida, seca e cai do canal do ouvido, levando consigo partículas indesejadas de poeira e sujera..

A cera do ouvido é útil para revestir a pele do canal do ouvido, onde age como um repelente de água temporário. A ausência de cera no ouvido pode resultar em ressecamento, coceira  e até infecção e na  maioria  das  vezes  é formada no terço externo do canal auditivo.

O cerúmen varia em forma, cor e aparência de pessoa para pessoa, dependendo da sua composição. Secreções glandulares, células da pele desprendidas, bactérias normais podem estar presentes na superfície do canal auditivo e no cerúmen.

Os canais auditivos são considerados auto limpantes, o que significa que a cera dos ouvidos e as células da pele desprendidas normalmente passam do interior do canal auditivo para a abertura externa. Cerúmen antigo se move a partir das áreas mais profundas do canal até a abertura externa. Na abertura do canal, a cera normalmente seca e sai do canal.

O acúmulo de cera pode acontecer por:

  • Estreitamento do canal auditivo  resultante de infecções ou doenças da pele, ossos ou tecido conjuntivo
  • Produção de uma forma menos fluida de cerume (mais comum em idosos devido ao envelhecimento das glândulas que a produzem).
  • Superprodução de cerume em resposta a trauma  ou bloqueio do interior do canal.
  • Uso de dispositivos nos ouvidos para limpá-los, como cotonetes, grampos  de cabelo ou chaves.
  • Aparelhos auditivos
  • Fones de ouvido.

Diretrizes de tratamento para remoção de cera no ouvido

Em janeiro de 2017, a Academia Americana de Otorrinolaringologia – Cirurgia de Cabeça e Pescoço lançou novas diretrizes práticas para o tratamento da cera impactada no ouvido. Esta diretriz foi endossada por várias outras organizações médicas, incluindo a Academia Americana de Pediatria (AAP). Esta diretriz discute quatro maneiras de cuidar e gerenciar a cera impactada:

  1. Observar,  já que muitas impactações ou bloqueios podem desaparecer por conta própria
  2. Agentes amaciantes, conhecidos como cerumenolíticos. Estes são óleos ou gotas para os ouvidos que amolecem ou quebram a cera para ajudar na remoção.
  3. Irrigação ou seringas auriculares. Isso é limpar a cera usando um fluxo de água morna no canal auditivo. Deve ser feito por um profissional de saúde.
  4.  Remoção física usando um dispositivo de sucção ou instrumento. Isso deve sempre ser feito por um médico otorrinolaringologista.

A maioria das tentativas de limpar os ouvidos usando cotonetes só resulta em empurrar a cera mais para dentro do canal auditivo. A cera não é formada na parte profunda do canal perto do tímpano, mas apenas na parte externa do canal, perto da abertura externa. Esses objetos servem apenas como varetas para empurrar a cera mais fundo no ouvido e podem levar a problemas de audição futuros.

A pele do canal auditivo e do tímpano é muito fina e frágil e é facilmente lesada. O canal auditivo é mais propenso à infecção depois de ter sido removido da cera que protege o canal.

Fonte:

ROLAND, Peter S. et al. Diretriz de prática clínica: impactação de cerúmen. Otorrinolaringologia – Cirurgia de Cabeça e Pescoço , v. 139, n. 3_suppl_1, p. S1-S21, 2008.

SCHWARTZ, Seth R. et al. Diretriz de prática clínica (atualização): cera de ouvido (impactação de cerume). Otorrinolaringologia – Cirurgia de Cabeça e Pescoço , v. 156, n. 1_suppl, p. S1-S29, 2017.

Créditos de imagem

Kid image created by Evening_tao – Freepik.com

Источник: https://envelhecieagora.com/acumulo-de-cera-nos-ouvidos-causas-sintomas-e-tratamento/

Dor de ouvido: bactérias, má higiene e até umidade provocam o problema

Cera no ouvido (cerúmen): sintomas e tratamento

Ninguém merece ter dor de ouvido. E ela incomoda tanta gente que está em segundo lugar no ranking das situações que mais levam as pessoas ao pronto-socorro, perdendo apenas para a febre.

A literatura especializada no assunto mostra que até os 3 anos de idade, oito em cada 10 crianças terão um episódio de infecção no ouvido. A situação se repetirá seis ou mais vezes, para quatro em cada 10 delas, até a idade escolar. Entre os adultos, as previsões melhoram, mas o incômodo é frequente e acomete mais os homens do que as mulheres.

Conheça a estrutura dessa parte do seu corpo

O ouvido é considerado o órgão da audição e do equilíbrio. Sua estrutura é formada pelos ouvidos externo, médio e interno, que trabalham conjuntamente para transformar as ondas sonoras em impulsos nervosos que se comunicam com o seu cérebro. É assim que você consegue identificar os sons. O ouvido interno ainda tem a função de garantir a manutenção do equilíbrio.

Ao olhar no espelho, você visualiza o ouvido externo —formado pelo canal auditivo e o pavilhão auricular ou orelha. É ele que, como uma antena, capta as ondas sonoras e as leva até o tímpano pelo canal auditivo (membrana que separa o ouvido externo do ouvido médio).

As partes que você não consegue enxergar são o ouvido médio, formado pelo tímpano e por uma cavidade que contém pequenos ossos (ossículos): martelo, bigorna e estribo. Todos eles conectam o tímpano ao ouvido interno. Este último possui duas partes principais – a cóclea, órgão da audição e o sistema vestibular, ligado ao equilíbrio.

Como a dor se manifesta

Trata-se, geralmente, de uma dor aguda, isto é, aparece de repente. A depender do tipo do problema, a intensidade varia de leve a intensa. A sensação pode aumentar se a região for tocada ou pressionada. O incômodo pode ainda ser acompanhado dos seguintes sinais:

  • Vermelhidão;
  • Inchaço (eventualmente pode se estender para o pavilhão auricular);
  • Secreção de pus de odor intenso pelo canal auditivo;
  • Coceira;
  • Sensação de ouvido tampado ou surdez;
  • Febre;
  • Dor de cabeça;
  • Agitação e irritação;
  • Tontura e vertigem;
  • Perda de apetite;
  • Dor forte irradiada para o pescoço;
  • Mal-estar geral.

Por que isso acontece?

As causas mais comuns da dor de ouvido são infecções por vírus, bactérias e fungos, ou exposição à água. Traumas, especialmente a manipulação incorreta da parte externa da orelha (com hastes flexíveis ou objetos), além da presença de cera endurecida ou ressecada, podem ser a causa da dor.

Tipos de infecções

Elas são chamadas de otites e classificadas como mostramos abaixo.

– Otite externa aguda: afeta a parte mais externa da orelha, é mais frequente no verão devido ao calor, a umidade, e o excesso de exposição à água (piscina, praia etc.).

Tais circunstâncias favorecem o crescimento de bactérias e fungos.

A manipulação da região com os dedos, hastes flexíveis ou outros objetos como grampos, chaves ou tampas de caneta não só machucam a pele como favorecem a entrada de bactérias.

– Otite média aguda: costuma aparecer mais durante o inverno e decorre de gripe, resfriado, rinite, sinusite, adenoidite e exposição a ambientes fechados. Ela afeta a parte média do ouvido (tímpano e a porção onde estão os ossículos) – e é mais comum em crianças.

– Dor de ouvido reflexa: a região não apresenta problemas, mas a dor se manifesta em razão de outras situações como inflamação da garganta, alterações nos dentes ou na articulação temporomandibular (ATM), bem como tumores de cabeça e pescoço. Nesse último caso, porém, a dor não costuma ser o primeiro sintoma.

Quem precisa ficar atento?

No caso das otites médias, as crianças são as mais vulneráveis. A razão para isso é que a anatomia do ouvido e da tuba auditiva (canal que comunica ouvido e nariz), bem como o sistema de defesa (imunológico) dos pequenos leva mais tempo para amadurecer (dos 2 aos 5 anos). Nessa fase, a amamentação tem um papel essencial, pois é ela que garante proteção ao bebê.

Ultrapassada a primeira infância, as infecções, sejam elas médias ou externas, podem acometer pessoas de todas as idades.

Quando é hora de procurar um médico

Para os especialistas, a dor de ouvido é sempre um sintoma preocupante e precisa ser avaliado o mais rápido possível, especialmente quando se repete três ou quatro vezes ou mais ao ano, e mesmo após tratamento.

Como a região é próxima ao cérebro, as complicações podem ser sérias, sem falar na possibilidade de perda auditiva, déficit de aprendizagem e linguagem (nas crianças) e até o risco de a infecção tornar-se crônica, alastrando-se para o osso do ouvido.

Por outro lado, o desconforto vivenciado nessas inflamações ou infecções é sempre intenso, o que, por si, manifesta a urgência em buscar orientação de um otorrinolaringologista.

Como é feito o diagnóstico

Ao chegar ao consultório ou no pronto-socorro, o médico deve ouvir sua história e fazer um exame físico, que consiste em observar o ouvido por meio de um aparelho chamado otoscópio. Ele permite o exame da parte do ouvido que você não vê. A partir desses passos, já é possível definir o que está acontecendo.

Em alguns casos, pode ser necessário realizar outros exames audiológicos, além de testes sanguíneos e de imagem.

O que esperar do tratamento

Ele sempre é personalizado e dependerá de cada caso. Em geral, são prescritos analgésicos para reduzir a dor, antitérmicos, gotas otológicas, ceruminolíticos (para amolecer a cera), anti-inflamatórios e até antibióticos de uso local ou oral.

Por que tenho sempre dor de ouvido?

Quando as infecções se repetem, elas são definidas como otites de repetição.

Pode ser que haja uma predisposição familiar (hereditária), o canal do ouvido pode ser muito estreito ou podem estar presentes doenças como rinite ou sinusite crônicas, refluxo laringofaríngeo (na região da garganta). Além disso, a adenoide pode estar aumentada (especialmente em crianças), ou ser o caso de baixa imunidade ou tabagismo.

Falta de vacinação ou vacinação desatualizada, assim como o hábito de colocar bebês e crianças para mamarem deitados, o clima frio, exposição à água, manipulação do ouvido, eczemas ou fragilidade da pele do conduto também podem estar relacionados.

E atenção: otites de repetição podem indicar que houve falha no tratamento, tanto por erro no uso do medicamento quanto da resistência das bactérias ao antibiótico usado.

O risco da automedicação

Resista à ideia de usar remédios por conta própria. A inflamação ou infecção do ouvido pode não responder ao tratamento e ainda piorar ou complicar o quadro. Os especialistas afirmam que a meningite, por exemplo, pode resultar de uma complicação da otite média aguda.

E nada de usar antibiótico sem orientação médica. Existe uma classe específica que é usada nesses casos. E quando ele é usado na dose e tempo errados, pode até piorar o sintoma, especialmente caso não se trate de uma infecção. A atitude leva à resistência bacteriana, o que significa que você precisará usar medicamentos mais fortes.

Vale a pena apostar em soluções caseiras?

As soluções caseiras raramente funcionam. A única exceção é a compressa quente e seca. Ela, de fato, alivia a dor. Para aplicá-la você deve aquecer um tecido ou toalha com ferro de passar roupas ou secador de cabelos e colocar sobre a orelha. Teste a temperatura antes de cobrir o local afetado para evitar queimaduras.

Evite usar álcool, óleo morno ou quente, leite materno, café e outras substâncias. As gotas para amolecer a cera (ceruminolíticos), sem indicação médica, também devem ser evitadas. Todos esses itens podem agravar a dor e a inflamação.

Como prevenir a dor de ouvido

A melhor coisa a fazer quando a dor de ouvido aparece é procurar ajuda médica o mais rápido possível, bem como seguir corretamente o tratamento indicado para evitar complicações. Você pode colaborar para reduzir as inflamações ou infecções, adotando algumas medidas.

Para diminuir o risco de otite externa:

  • Proteja o ouvido para evitar a entrada de água durante o banho, na piscina ou no mar;
  • Seque a orelha imediatamente após sair desses ambientes;
  • Aprenda a higienizar a região corretamente;
  • Use protetores auriculares durante a prática de esportes aquáticos e até mesmo no banho diário, se você é predisposto a esse tipo de dor;
  • Procure não usar objetos ou mesmo o dedo para manipular a região;
  • Reduza o tempo de uso de protetores auriculares, fones de ouvido ou tampões. O uso prolongado abafa o local e favorece o aparecimento de fungos e bactérias.

Para afastar a otite média:

  • Trate e controle, com ajuda profissional, as alergias respiratórias, como a rinite;
  • Trate e controle, com ajuda profissional, gripes, sinusites e resfriados;
  • Evite fumar;
  • Atente-se para que bebês e crianças não tomem mamadeira deitados ou deitem logo após a ingestão de líquidos.

Fontes: Jeanne Oiticica, otorrinolaringologista, otoneurologista e chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo); Luiz Fernando Lourençone, otorrinolaringologista, membro da ABORL-CCF (Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facia), SBO (Sociedade Brasileira de Otologia) e diretor clínico do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais-Centrinho da USP-Bauru; Mayra de Freitas Centelhas Martinelli, membro da ABORL-CCF e do corpo clínico da Amil (SP). Revisão técnica: Mayra de Freitas Centelhas Martinelli.

Referências:

– Recurrent otalgia in adults. Samuel Finnikin, Alistair Mitchell-Innes. BMJ 2016;354:i3917.- Burden of Disease Caused by Otitis Media: Systematic Review and Global Estimates. Lorenzo Monasta, 1 , Luca Ronfani. PLoS One. 2012; 7(4): e36226.

– Update on otitis media – prevention and treatment. Ali Qureishi,1 Yan Lee, Infect Drug Resist. 2014; 7: 15-24.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
– Instagram –

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2019/03/26/esta-com-dor-de-ouvido-bacterias-ma-higiene-e-umidade-causam-problema.htm

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: