Cigarro: doenças associadas e como parar de fumar

Cigarro é um dos maiores causadores de doenças cardiovasculares | HCor

Cigarro: doenças associadas e como parar de fumar

O tabagismo custa à economia global mais de 1 trilhão de dólares por ano e matará um terço a mais de pessoas até 2030 do que agora.

Os dados fazem parte de um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos publicado neste mês.

O número de mortes relacionadas ao tabaco deverá aumentar de cerca de 6 milhões para 8 milhões anualmente até 2030, sendo que mais de 80% delas vão ocorrer em países de baixa e média renda.

No HCor (Hospital do Coração), de 54 pacientes infartados e fumantes que internaram no período de janeiro a abril deste ano, 35% ainda permanecem fumando – mesmo sabendo que o cigarro pode ajudar em uma recidiva da doença, além de gerar acometimentos mais graves. E por que uma pessoa com uma doença instalada tem dificuldade em ficar sem fumar após o evento? Neste caso, entram questões emocionais mais fortes, e faz com que estes pacientes permaneçam fumando.

O cigarro é a principal causa de morte evitável no mundo e chega a reduzir a expectativa de vida em 20 anos.

E para auxiliar as pessoas a deixarem o cigarro e parar de fumar, o HCor (Hospital do Coração), possui o Programa Vida Sem Cigarro, um serviço que, em sua maior parte, é realizado por meio de consultas online – ideal para quem tem dificuldade de deslocamento ou para aqueles que viajam com frequência.

Como o cigarro afeta o coração?

Se não bastasse os estragos aos pulmões e a estreita relação com o aparecimento de câncer, o tabagismo também figura entre os vilões quando o assunto é doenças cardiovasculares. O cigarro é um dos maiores agressores do endotélio – aquela parede de células que recobre os vasos sanguíneos.

“Essa ação interfere com a produção de uma substância protetora conhecida como óxido nítrico e faz como que as artérias fiquem mais vulneráveis ao acúmulo de gordura. Há também uma interferência no mecanismo de contração e relaxamento, o que resulta numa maior dificuldade para o sangue circular”, explica Dr.

Abrão Cury, cardiologista do HCor.

A nicotina, substância encontrada no produto, é exercida pelos sistemas simpáticos e parassimpáticos e, quando a adrenalina é liberada, influencia na redução de consumo de oxigênio, e faz com que o corpo passe a absorver mais colesterol.

“A fumaça do cigarro contrai os vasos capilares dos pés e das pernas e, um único cigarro, já é suficiente para contrair todos os vasos sanguíneos do corpo.

A cada tragada, ocorre um endurecimento das artérias do fumante, fazendo com que o coração trabalhe mais intensamente”, diz o cardiologista do HCor.

Quer reduzir as chances de ter um infarto? Então chegou a hora de parar de fumar!

Qualquer tipo de tabaco pode estimular a produção de novas placas nas artérias e piorar a aterosclerose (acúmulo de gordura nas paredes das artérias).

“Os homens fumantes têm três vezes mais chances de ter um infarto, se comparado aos homens não fumantes. Nas mulheres, esse risco é ainda maior. E não só os fumantes que têm mais chances de sofrer um infarto.

O fumante passivo tem aproximadamente 30% a mais de risco do que uma pessoa que não se expõe a fumaça do cigarro”, alerta.

Para o cardiologista, a única forma de reduzir as chances de ter um infarto é parar de fumar. “É importante lembrar que optar por cigarros com baixo teor de alcatrão e nicotina não significa diminuição do risco de infarto.

Para facilitar o processo de parar de fumar, há opções de medicamentos no mercado, além de adesivos de nicotina e outros métodos. Mas acima de tudo, o bom resultado vai depender da determinação e força de vontade do fumante”, aconselha Dr.

Abrão Cury.

INCA adverte sobre os riscos do tabagismo para o coração: a Organização Mundial da Saúde (OMS) escolheu o tema “Tabaco e Doença Cardíaca” para celebrar o Dia Mundial Sem Tabaco.

A campanha alerta para a ligação entre tabaco e doenças cardiovasculares, incluindo acidentes vasculares cerebrais que, combinados, são as principais causas de morte do mundo (17,7 milhões de pessoas por ano).

De acordo com a OMS, 7 milhões de pessoas morrem anualmente pelo tabagismo. Destas, 900 mil são vítimas de fumo passivo.

Com o slogan “Com o coração não se brinca. Faça a melhor escolha para a sua vida: não fume!”, a campanha tem o objetivo de alertar a população brasileira quanto aos danos sociais, políticos, econômicos e ambientais causados pelo tabaco, visto que o uso do tabaco é uma das principais causas de infarto, angina e acidente vascular cerebral (AVC).

Segundo a psicóloga Silvia Cury Ismael, os jovens começam a fumar na idade de 10 a 15 anos e, muitas vezes, por influência dos pais (meninos) e por questões emocionais (meninas).

A ligação emocional com o cigarro é mais forte nas mulheres do que nos homens – daí uma dificuldade maior em parar de fumar no sexo feminino.

“O narguilé entre jovens têm sido um grande vilão por causar dependência, e ser um passo para outras drogas além do cigarro”, pontua Silvia.

Programa Vida Sem Cigarro HCor

O programa online tem início entre a primeira e a última avaliação presencial realizada pelo médico, psicólogo e, se necessário, por um nutricionista. “A maior parte do programa é realizada a distância e prioriza o bem-estar de cada paciente, com a finalidade de superar as dificuldades e prestar o apoio necessário quando houver recaídas”, esclarece a coordenadora.

De acordo com a gerente do Serviço de Psicologia do HCor, Silvia Cury Ismael e coordenadora do Programa, o projeto consiste em sessões de 30 minutos, com o objetivo de orientar o processo de parar de fumar cigarro cessação do cigarro, além de entrega de material de apoio. “Ele é fácil de usar e pode ser utilizado por meio de dispositivo instalado no computador, tablet e celular”, explica Silvia.

Consultas presenciais: equipe multidisciplinar (psicólogo, médico e nutricionista, se for necessário), especializada de tabagismo para avaliação e reavaliação do paciente, bem como a orientação para melhor dinâmica do programa.

Consultas online: acompanhamento a distância com psicólogo por vídeo consulta com o objetivo de orientar, apoiar dificuldades e prevenir recaídas.

Para conhecer o programa e se cadastrar, basta acessar o site www.vidasemcigarro.com.br ou entrar em contato com o Núcleo de Atendimento Psicológico do HCor pelo telefone (11) 3053-6611 ramais: 7600 ou 7610 ou por e-mail: vidassemcigarro@hcor.com.br

Controle do Fumo do HCor

O Programa de Controle do Fumo do HCor mantém uma equipe de psicólogos e médicos de diferentes especialidades que oferece um tratamento com duração de nove sessões individuais distribuídas em três meses de acompanhamento. Ao longo do tratamento, os fumantes são medicados, de acordo com as suas respectivas necessidades, e acompanhados por terapia psicológica com o objetivo de tratar a dependência física e emocional do cigarro.

Источник: https://www.hcor.com.br/imprensa/noticias/cardiologista-do-hcor-alerta-cigarro-e-um-dos-maiores-causadores-de-doencas-cardiovasculares/

Tosse? Falta de ar? Sintomas que podem indicar sinal amarelo para o fumante

Cigarro: doenças associadas e como parar de fumar

A dificuldade para respirar alerta: chegou a hora de parar!

Poluição, exposição a produtos químicos ou poeira, fatores genéticos, infecções respiratórias recorrentes. Existem várias condições que podem desencadear uma doença nas vias aéreas. Mas quando o assunto é tabagismo, o risco de adquirir esse tipo de enfermidade aumenta exponencialmente.

Muito se fala sobre o surgimento do câncer, mas o cigarro também é um grande causador de doenças respiratórias como asma, enfisema pulmonar, bronquite crônica e a doença pulmonar obstrutiva (DPOC), considerada atualmente a segunda causa de mortalidade no mundo de acordo com um estudo recente publicado no periódico Lancet. Segundo a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), o fumo é responsável por cerca de 80% dos casos da DPOC.

Além de fazer mal para quem fuma, os componentes do cigarro prejudicam também os fumantes passivos. Conforme dados da SBPT, a exposição de gestantes e crianças à fumaça reduz o desenvolvimento dos pulmões e piora a função pulmonar com o tempo, por exemplo. Fora isso, quem convive com os fumantes também tem chance de desenvolver doenças respiratórias.

No fim das contas, além de ser responsável pelo surgimento das doenças, o cigarro também é capaz de agravar sintomas quando eles já existem. Se você é fumante e anda por aí sofrendo com tosse, falta de ar, respiração ofegante, chiado, muco e cansaço, esses podem ser sinais de alerta para algumas doenças respiratórias importantes.

Leia também: 15 motivos para deixar de fumar

O que é:

A asma, condição multifatorial determinada pela interação de fatores genéticos e ambientais, é uma das doenças respiratórias mais comuns.

A doença consiste na inflamação das vias aéreas inferiores, que causa o estreitamento dos bronquíolos.

Essas minúsculas ramificações que estão dentro do pulmão transportam o ar até os alvéolos pulmonares, que por sua vez se assemelham a cachos de uva, e é neles que ocorre a troca gasosa.

Sintomas:

Dificuldade para respirar, tosse seca, chiado no peito, respiração rápida e curta.

O que é:

O enfisema é caracterizado pela destruição dos alvéolos. Com a doença, essas estruturas inflamam, começam a se romper e formam pequenas bolhas. Esse processo dificulta a passagem do ar e a oxigenação do sangue.

É bom saber

A medida mais eficiente para preservar ou melhorar a saúde dos pulmões é reduzir ou cessar completamente o uso do cigarro. Isso vale para qualquer tipo deles: cachimbo, narguilé, cigarro normal, de tabaco ou eletrônico.

Não importa o seu nível de dependência ou seu tempo como fumante, sempre vale a pena parar. Para se ter uma ideia, bastam 8 horas sem cigarro para que os níveis de oxigênio aumentem na corrente sanguínea.

Após três semanas, a sua respiração já volta ao normal.

Aposte no SUS

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza um tratamento gratuito para dependentes da nicotina, que integra o Programa Nacional de Controle do Tabagismo. Disque 136 e descubra em quais Unidades Básicas de Saúde e hospitais de seu município esse auxílio está disponível.

E ainda: Quer parar de fumar? Escolha um dos três métodos

Источник: http://saudebrasil.saude.gov.br/eu-quero-parar-de-fumar/tosse-falta-de-ar-sintomas-que-podem-indicar-sinal-amarelo-para-o-fumante

As 5 doenças mais perigosas causadas pelo cigarro

Cigarro: doenças associadas e como parar de fumar

Infelizmente ao decorrer de nossas vidas acabamos atraindo vários problemas graves para a nossa saúde causados pelo vício. Dentre diversas dependências, o fumo é uma das mais populares em meio a sociedade. E a partir do uso constante dessa droga, estamos abrindo a porta da nossa saúde para que várias doenças causadas diretamente pelo cigarro.

Nesta matéria você vai conhecer as principais doenças causadas pelo cigarro e seus sintomas. Antes de começar o nosso texto, queremos deixar um alerta sobre o uso dessa substância e os problemas cruciais que ela pode trazer à sua vida.

Cigarro: o mal de várias gerações 

Não é de hoje que convivemos com pessoas fumantes, mesmo não sendo da nossa família, sempre avistamos ou conhecemos alguém que é viciado em nicotina. Lamentavelmente, quando vamos alertar ou avisar sobre os principais males desse vício, as pessoas acabam ignorando ou citando a famosa frase: “a vida é minha”.

Tenho certeza que você conhece fumantes de todas as idades, notamos que ninguém está livre de sofrer de algum mal causado por essa substância, seja ele fumante ativo ou passivo.

1. Câncer de Pulmão

Esse é um dos cânceres mais comuns no Brasil, ele surge devido ao contato das substâncias do cigarro com os finos tecidos dos pulmões. O câncer de pulmão trás vários sintomas, como: falta de ar, tosse excessiva ou com sangue, e emagrecimento.

Vale lembrar que essa doença é silenciosa, e só causa indícios quando o problema já está em um estágio avançado. Por isso, é importante se prevenir desse problema, e caso você seja fumante, chegou a hora de parar com esse vício, antes que ele afete a sua vida!

Leia também:
– 5 primeiros sinais mais comuns do câncer de pulmão

2. Úlceras Gástricas

O uso do cigarro aumenta 4 vezes mais a chance de desenvolver úlcera gástrica ou outras doenças da área gastrointestinal, como: gastrite, refluxo, e doença inflamatória intestinal. Por isso, é muito comum que pessoas fumantes passem a sentir dores no estômago, queimação, má digestão e alterações no ritmo intestinal.

3. Infarto e AVC

Para quem é fumante, o uso constante do cigarro acaba causando inflamações na parede dos vasos sanguíneos, aumentando as chances do desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como: infarto, AVC, trombose e aneurismas.

Logo, a pessoa que fuma tende a apresentar sintomas de pressão alta, dores no peito, e afins. É muito importante, se você sentir algum desses sinais, procurar um médico rapidamente, pois nesses casos qualquer minuto perdido pode ser fatal.

4. Problemas na gravidez

Grávidas que usem ou inalem a nicotina em excesso, não sabem do grande problema que estão trazendo para as vidas dos seus filhos. As toxinas do cigarro podem provocar o aborto espontâneo. Além disso, elas ainda retardam o crescimento do feto, provocam o nascimento prematuro ou até mesmo a morte do bebê.

Então é viável largar esse vício rapidamente, e se afastar de pessoas que consumem essa substância. Para as grávidas que estão passando por essa situação, fiquem atentas às cólicas intensas, sangramentos ou alterações no crescimento do útero. Clique aqui e saiba quais são os riscos para o bebê caso a mãe fume durante a gravidez.

Assuntos relacionados:
Os alimentos certos que ajudam na luta contra o tabagismo – Tabagismo passivo: o que é e como ele afeta a sua saúde?

– Como apoiar alguém que está tentando vencer o tabagismo?

5. Impotência Sexual 

Quando o homem passa a ter o cigarro como vício, surgem vários problemas como a impotência.

Isso ocorre, pois a nicotina altera a liberação de hormônios importantes para o contato íntimo, e inibe o fluxo sanguíneo que bombeia o sangue para o músculo que mantém a ereção.

Logo, os fumantes tendem a ter dificuldades para manter o contato íntimo até o final, o que causa vários constrangimentos. Mas, se você largar esse vício hoje, esse problema pode ser revertido.

Abandone o que te faz mal

A única forma de prevenir todas essas doenças é abandonar o uso do cigarro. No início, pode ser difícil conseguir largar esse vício. Porém, pense no seu bem-estar, na sua saúde e principalmente, no tempo de vida em que você quer aproveitar.

Às vezes, quando temos que alertar sobre esse assunto, devemos ir à fundo em todas as dores. Mostrar toda a realidade da situação é fundamental, pois é somente dessa forma, que você pode valorizar mais a sua vida.

Não jogue sua saúde fora por um vício!

Este conteúdo ajudou você? Estas são apenas algumas das doenças causadas pelo cigarro. Como você viu, o tabagismo é um perigo para a saúde, por isso, é preciso compreender o mal para combatê-lo. Nós criamos um e-Book exclusivo sobre o assunto, onde você pode conferir:

– Os principais males causados pela dependência. – Teste para medir o grau de dependência do tabagismo.

– Tratamentos disponíveis e dicas para uma vida mais saudável.

Источник: https://drogariasantoremedio.com.br/doencas-causadas-pelo-cigarro/

10 doenças provocadas pelo cigarro e o que fazer

Cigarro: doenças associadas e como parar de fumar

O cigarro pode causar quase 50 doenças diferentes, e isso acontece devido às substâncias químicas presentes na sua composição, que têm consequências ruins para a saúde e são responsáveis por causar câncer em diversos órgãos, doenças pulmonares, como bronquite e enfisema e doenças cardiovasculares, como pressão alta, infarto e AVC.

Mesmo as pessoas que fumam pouco ou que não fumam, mas inalam a fumaça de outras pessoas, podem sofrer consequências, pois as substâncias tóxicas da fumaça do cigarro podem causar inflamações e alterações na genética das células. Além disso, não só o cigarro tradicional industrializado faz mal, como também as versões fumo mascado, palha, cachimbo, charuto, narguilé e cigarro eletrônico.

Algumas das doenças que podem ser causadas pelo uso do cigarro são:

1. Enfisema pulmonar e bronquite

O enfisema e a bronquite, conhecidos como doença pulmonar obstrutiva crônica, ou DPOC, é mais frequente em pessoas com mais de 45 anos e surgem porque a fumaça do cigarro causa inflamação no tecido que reveste as vias respiratórias, dificultando a passagem do ar e levando a lesões permanentes e que reduzem a capacidade do pulmão para efetuar as trocas gasosas de modo eficiente.

Os principais sintomas que surgem neste tipo de doença são falta de ar, tosse crônica e casos de pneumonia frequente. A falta de ar, inicialmente, surge ao realizar esforços, mas à medida que a doença se agrava, pode surgir mesmo estando parado e resultar em complicações, como hipertensão pulmonar e infecção respiratória. Entenda como identificar e como tratar a DPOC.

O que fazer: É recomendado ir ao clínico geral ou pneumologista para que sejam feitos exames e seja indicado o tratamento mais adequado, que normalmente inclui o uso de bombinhas inalatórias contendo medicamentos que abrem as vias respiratórias, facilitando a passagem do ar. Nos casos em que é observada piora dos sintomas, o médico pode indicar o uso de corticoides ou de oxigênio. Além disso, é fundamental deixar de fumar para evitar a progressão da inflamação dos pulmões e piora dos sintomas.

2. Infarto e AVC

O cigarro produz alterações cardiovasculares, acelerando os batimentos cardíacos e contraindo as principais artérias, o que leva à alteração no ritmo dos batimentos cardíacos e aumento da pressão arterial, o que pode provocar infarto, angina, AVC e aneurisma.

O cigarro causa inflamação na parede dos vasos sanguíneos e, por isso, aumenta as chances do desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como infarto, AVC, trombose e aneurismas.

A pessoa que fuma pode apresentar mais chances de ter pressão alta, apresentar dores no peito, como a angina, e ter placas de gorduras nos vasos, por exemplo, o que aumenta o risco de doenças cardiovasculares, principalmente se associadas com outras situações de risco, como pressão alta, colesterol alto e diabetes.

O que fazer: É importante consultar um cardiologista para que seja avaliada a saúde do coração e seja iniciado o tratamento, que nesses casos pode incluir o uso de remédios que controlem a formação de coágulos sanguíneos, como o Ácido Acetil Salicílico (AAS) e o Clopidogrel, e de remédios que controlem a pressão arterial. Em casos mais graves, pode ser recomendada a realização de cirurgia e, no caso do AVC, pode ser necessário fazer um cateterismo cerebral, que é um procedimento que tem como objetivo remover o coágulo. Entenda como é feito o cateterismo cerebral.

3. Impotência sexual

O fumo causa impotência em homens, especialmente com menos de 50 anos, tanto por alterar a liberação dos hormônios importantes para o contato íntimo, como por inibir o fluxo sanguíneo que bombeia o sangue para o pênis, necessário para manter a ereção, além de também interferir na qualidade do esperma.

Assim, a pessoa que fuma pode ter dificuldades para iniciar ou manter o contato íntimo até o final, causando alguns constrangimentos. Entretanto, parar de fumar costuma reverter parcial ou totalmente esta situação.

O que fazer: Nesses casos o mais recomendado é parar de fumar, já que dessa forma é possível ter a capacidade sexual restabelecida. Em alguns casos pode ser interessante também ter sessões com psicólogo ou sexólogo, pois podem ajudar a reverter a impotência.

4. Doenças reumáticas

O tabagismo aumenta o risco de desenvolver a artrite reumatoide, com presença de dor, inchaço e vermelhidão nas articulações, principalmente nas mãos, e aumentam a gravidade e dificuldade do seu tratamento, já que diminui a eficácia dos medicamentos para tratar artrite.

O tabagismo também aumenta o risco do desenvolvimento de doenças cardiovasculares nas pessoas com doenças reumáticas devido ao aumento da inflamação e disfunção das células do organismo.

O que fazer: No caso de doenças reumáticas, além de parar de fumar, é importante que a pessoa seja acompanhada pelo reumatologista e faça exames regulares com o objetivo de verificar se há alterações e se há necessidade de alteração na dose do medicamento devido ao fumo.

5. Úlceras gástricas

O cigarro favorece o surgimento de novas úlceras, atrasa a sua cicatrização, interfere na efetividade do tratamento para erradicá-las e aumenta as complicações relacionadas às úlceras.

O cigarro aumenta em 4 vezes as chances de desenvolver uma úlcera gástrica, assim como outras doenças do trato gastrointestinal, como gastrite, refluxo e doença inflamatória intestinal, por exemplo, devido ao aumento das inflamações também nas mucosas do estômago e intestino.

Por isso, é comum que pessoas que fumam tenham mais sintomas como dor no estômago, queimação, má-digestão e alterações no ritmo intestinal.

O que fazer: Para tratar as úlceras gástricas, o gastroenterologista ou clínico geral indicam o uso de medicamentos que diminuem a acidez do estômago, evitando a piora dos sintomas e a progressão da úlcera.

Além disso, pode ser indicado o uso de medicamentos analgésicos para controlar as dores e mudança nos hábitos alimentares, devendo ser evitados alimentos muito ácidos, quentes e que promovem a liberação do ácido gástrico, como é o caso do café, molhos e do chá preto.

Veja como deve ser o tratamento para úlcera gástrica.

6. Alterações visuais

As substâncias da fumaça do cigarro também aumentam o risco de desenvolvimento de doenças oculares, como catarata e degeneração macular, por aumentar as chances de disfunção e inflamação das células.

A catarata causa embaçamento ou deixa a visão com aspecto borrado, o que dificulta a capacidade visual, principalmente à noite. Já na degeneração macular, ocorrem alterações no centro da visão, que fica embaçada, podendo piorar com o tempo.

O que fazer: Nesses casos, é recomendado consultar o oftalmologista para que a visão seja avaliada e, caso seja necessário, pode ser indicada a realização de cirurgia para corrigir o problema.

7. Alterações da memória

O cigarro está associado ao aumento do risco de desenvolver demência, tanto pela doença de Alzheimer, quanto por lesões cerebrais decorrentes de micro-AVCs.

As síndromes demenciais provocam perda de memória, que piora ao longo do tempo, e podem causar alterações, também, no comportamento e na capacidade de comunicação.

O que fazer: Uma das formas de estimular a memória é por meio da realização de exercícios com jogos de palavras ou de imagens, além de ter uma alimentação rica em ômega 3, que é uma substância que promove a saúde do cérebro, e ter uma boa noite de sono. Confira mais dicas para melhorar a memória.

8. Complicações na gravidez

No caso das grávidas que fumam ou inalam fumaça de cigarro em excesso, as toxinas do cigarro podem provocar diversas complicações, como aborto espontâneo, retardamento de crescimento do feto, nascimento prematuro ou mesmo morte do bebê, por isso, é muito importante que a mulher deixe de fumar antes de ficar grávida.

É importante observar a presença de sangramentos, cólicas intensas ou alterações no crescimento do útero, sendo muito importante fazer o pré-natal corretamente para identificar qualquer alteração, o mais cedo possível.

O que fazer: Caso seja verificada qualquer sinal de alteração durante a gravidez que possa ser devido ao cigarro, o melhor a se fazer é ir ao obstetra para que sejam feitos exames para verificar se o bebê está se desenvolvendo corretamente.

Veja mais sobre os riscos do cigarro na gravidez.

9. Câncer de bexiga

Grande parte das substâncias cancerígenas presentes no cigarro que entram na circulação, podem chegar nas vias urinárias e não serem eliminadas, aumentando também o risco de desenvolver câncer de bexiga, por ficarem em contato com estas estruturas.

Alguns dos sinais e sintomas que podem ocorrer em pessoas com câncer de bexiga são presença de sangue na urina, dor abdominal, vontade de urinar com mais frequência, dor na zona pélvica e perda de peso, por exemplo. Saiba mais sobre os sintomas do câncer de bexiga.

O que fazer: Na presença de sinais e sintomas de câncer de bexiga, e recomendado consultar o urologista ou oncologista para que sejam feitos exames com o objetivo de confirmar o diagnóstico e verificar a extensão do tumor, podendo, assim, ser indicado o tratamento mais recomendado, que pode ser feito com cirurgia, quimioterapia, radioterapia ou imunoterapia. Conheça mais sobre o tratamento do câncer de bexiga. 

10. Câncer de pulmão

Quando as substâncias do cigarro entram em contato com os finos tecidos dos pulmões que fazem as trocas respiratórias, existe o risco de se desenvolver câncer, devido às inflamações e disfunções induzidas por elas.

O câncer de pulmão leva ao surgimento de sintomas como falta de ar, tosse excessiva ou com sangue e perda de peso. Entretanto, muitas vezes, o câncer é silencioso e só causa sintomas quando está avançado, por isso, é importante deixar de fumar o quanto antes, além de fazer acompanhamentos regulares com o pneumologista.

O que fazer: Nesse caso a primeira coisa a se fazer é deixar de fumar, além de seguir as orientações de tratamento recomendadas pelo médico.

O tratamento para o câncer de pulmão é definido pelo oncologista de acordo com o tipo, classificação, tamanho e estado de saúde da pessoa, podendo ser indicada cirurgia, radioterapia, quimioterapia, imunoterapia ou terapia fotodinâmica, por exemplo. Entenda como é feito o tratamento do câncer de pulmão.

Além do câncer de pulmão e bexiga, o cigarro é responsável por aumentar o risco de quase 20 tipos de câncer. Isto acontece porque as substâncias cancerígenas do cigarro são capazes de interferir na informação genética das células, além de causar inflamação.

Assista o vídeo seguinte, em que a nutricionista Tatiana Zanin e o Dr. Drauzio Varella conversam sobre os malefícios do cigarro para a saúde:

Como evitar as doenças causadas pelo cigarro

A única forma de evitar estas doenças é parando de fumar. Apesar de ser difícil abandonar este vício, deve-se ter em mente a importância desta atitude para a saúde, e dar o primeiro passo. Confira algumas para conseguir parar de fumar.

Caso seja difícil conseguir sozinho, existem tratamentos que podem auxiliar no abandono do tabagismo, prescritos pelo pneumologista, como adesivos ou pastilhas de nicotina, além da possibilidade de frequentar grupos de apoio ou ter um acompanhamento psicológico. Normalmente, ao parar de fumar, o risco de desenvolver doenças associadas ao consumo do cigarro diminui.

Источник: https://www.tuasaude.com/doencas-que-o-tabagismo-provoca/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: