Classificação BI-RADS (categoria 0 a 6)

Classificação Bi-RADS | Colunistas – Sanar Medicina

Classificação BI-RADS (categoria 0 a 6)

O termo Bi-RADS, acrônimo em inglês para Breast Image Reporting and Data System, consiste em uma classificação criada em 1993 pelo American College of Radiology (ACR), com a finalidade de padronizar mundialmente os relatórios mamográficos, minimizando os riscos da má interpretação dos laudos da mamografia e facilitando a comparação de resultados para futuros estudos clínicos.

Foi traduzido para diversos idiomas, sendo a primeira versão em português produzida pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) em 2005 e a última versão publicada em 2013, conforme atualizações do ACR.

O Bi-RADS é adotado pelo CRB, e também pelasSociedades de Mastologia e Ginecologia e Obstetrícia, como padrão descritivo,análise e conduta das lesões mamárias.

A aplicação do Bi-RADS engloba a mamografia, aultrassonografia e a ressonância magnética das mamas. Neste material, focaremosnos achados mamográficos.

Existem, sequencialmente, categorias de 0 a 6 para classificação do Bi-RADS. Através desta classificação, o médico poderá distinguir a probabilidade de a lesão ser maligna ou benigna e a partir daí seguir a conduta recomendada, conforme demonstrado no quadro a seguir.

Agora vamos para o detalhamento de cadacategoria.

Categoria 0

Nesta categoria, o exame é considerado inconclusivo ou incompleto. Isso pode ocorrer devido a fatores técnicos, tais como imagens de baixa qualidade, devido ao posicionamento inadequado da mama ou à movimentação da paciente durante o exame.

Pode ser atribuída esta categoria quando a lesão está obscurecida pelo parênquima mamário. Nestes casos, há necessidade de reconvocação da paciente para repetir o exame ou para realização de avaliação adicional, que inclui a comparação com exames anteriores, uso de compressão localizada (com ou sem ampliação), incidências mamográficas especiais ou ultrassonografia.

Quando a categoria 0 for usada no contexto de espera de exames para comparação, é necessário assegurar que uma avalição final seja feita dentro de 30 dias (preferivelmente antes disso).

Categoria 1

Nesta categoria, o exame é normal, ou seja,nenhuma alteração, seja benigna ou maligna, é encontrada. A orientação aqui éseguir o rastreamento de rotina.

Categoria 2

Assim como na categoria 1, esta é umaavaliação normal, mas aqui o radiologista opta por descrever um achado benignono laudo mamográfico.

Fibroadenomas calcificados em involução, calcificaçõescutâneas, corpos metálicos estranhos (como marcadores de biópsia por agulha eclipes cirúrgicos) e lesões contendo gordura (como cistos oleosos, lipomas, galactocelese hamartomas de densidade mista), linfonodos intramamários, calcificações vasculares,implantes, distorção arquitetural claramente relacionada à cirurgia anterior,todos tem aparência benigna e podem ser descritos com segurança nesta categoria.A orientação é seguir o rastreamento de rotina.

Categoria 3

Um achado nesta categoria deve ter uma probabilidade ≤ 2% de malignidade e por isso são considerados provavelmente benignos. Três achados específicos são validados dessa forma: nódulo sólido circunscrito não calcificado, assimetria focal e agrupamento isolado de calcificações puntiformes.

Não se espera que haja alteração de um achado provavelmente benigno ao longo do período de seguimento sugerido. Dessa forma, orienta-se que seja realizado um seguimento inicial de curto prazo: a cada 6 meses no primeiro ano e anual nos demais, até completar 2 a 3 anos.

Caso a lesão permaneça estável, após esse período, ela deve ser classificada como categoria 2. Caso haja evolução com características de malignidade, recomenda-se classificar como categoria 4 e orientar a biópsia da lesão.

Categoria 4

Essa categoria é reservada para achados que temde 2 a 95% de chance de malignidade. Essa variação é bem ampla, sendo assim,esta categoria é subdividida em três subcategorias. A apresentação dessassubcategorias no laudo é opcional, visto que a orientação, independentemente dasua subdivisão, é a realização de biópsia. Assim temos:

  • Categoria 4Aengloba achados em que resultadomaligno não é esperado, pois a possibilidade de malignidade é < 10%.Exemplos de achados incluídos nessa categoria são: nódulo sólido parcialmentecircunscrito cujas características ultrassonográficas sugerem fibroadenoma, cistocomplicado palpável único e provável abscesso. O detalhe é que a biópsia nestasubcategoria pode até ser dispensável, sendo realizado acompanhamento após seismeses;
  • Categoria 4B – engloba achados cuja suspeita de malignidade éintermediária e a possibilidade de malignidade é de 10 a 50%. Exemplos de achadosincluídos nessa categoria são: grupo de calcificações amorfas ou pleomórficasfinas e nódulos com margens indistintas;
  • Categoria 4C – engloba achados cujo resultado benigno não éesperado, pois a possibilidade de malignidade é 50 a 95%. Exemplos de achados incluídosnessa categoria são: nódulo sólido novo, indistinto e irregular, e um novoagrupamento de calcificações finas lineares.

Categoria 5

Essa categoria é reservada para achados com ≥ 95% de chance de malignidade. Inicialmente, na categoria 5, estavam as lesões para as quais um tratamento cirúrgico num só tempo poderia ser considerado sem uma biópsia preliminar, numa época em que a localização pré-operatória com fio metálico era o principal procedimento intervencionista.

Atualmente, dada a ampla aceitação da biópsia percutânea guiada por imagem, proceder à cirurgia sem um diagnóstico tecidual raramente ocorre.

Portanto, a razão para se classificar uma avaliação como categoria 5 é identificar lesões para as quais qualquer diagnóstico não maligno decorrente de biópsia por agulha seja automaticamente considerado discordante, resultando na recomendação de repetição da biópsia (geralmente cirúrgica).

Exemplos de achados incluídos nessa categoria são: nódulo de alta densidade irregular, espiculado, associado com microcalcificações e novas calcificações finas lineares e ramificadas com distribuição segmentar.

Categoria 6

Essa categoria é reservada para lesões identificadas no exame de imagem realizado após comprovação da malignidade por biópsia, mas antes da ressecção cirúrgica.

Após a terapêutica cirúrgica realizada, quando clinicamente for apropriado, se não houver nenhum achado mamográfico além daqueles indicativos de cicatriz pós-cirurgia, a avaliação benigna (categoria 2) deverá ser feita. Por outro lado, caso haja achados suspeitos residuais ou novos, a avaliação apropriada será categoria 4 ou 5, a depender do achado suspeito encontrado.

Confira o vídeo:

Источник: https://www.sanarmed.com/classificacao-bi-rads-colunistas-2

Entenda melhor a classificação BI-RADS®

Classificação BI-RADS (categoria 0 a 6)

Quando seu médico solicitaum exame das mamas, como uma mamografia, o médico radiologista que realiza oexame emite um laudo por escrito. Com o objetivo de padronizar a comunicaçãoentre os médicos, foi criado nos Estados Unidos um sistema de classificaçãochamado BI-RADS®, que possibilita a comparação dos resultados dos exames emqualquer lugar do mundo.

Este sistema foi propostopela American College of Radiology em 1986 e o relatório original foidivulgado em 1993. O objetivo é estimar qual a chance de o exame de imagemmostrar um câncer na mama.

Assim, o BI-RADS® não mede o grau decrescimento ou o tipo de tumor, nem dá dicas do tratamento. Ele apenas diz achance de haver câncer.

A partir daí, o médico saberá como conduzir o caso epedirá mais exames complementares se necessário.

Oque significa BI-RADS®?

A sigla BI-RADS® se refere a Breast Imaging Reporting and DataSystem. Isto é,Sistema de Relatórios e Dados de Imagem da Mama. De acordo com a American College of Radiology, atualmente essa classificação forneceterminologia padronizada também para ultrassom e ressonância magnética da mama, além da mamografia.

No laudo, o médico radiologistavai descrever o achado (nódulos, cistos, calcificações, linfonodos etc.).Depois, ele classifica o achado dentro do BI-RADS®. Essa classificação vaiajudar o médico que solicitou o exame a adotar a melhor conduta terapêuticapara o paciente. Isso facilita a comunicação sobre os resultados e oacompanhamento após as terapias.

Como se preparar para a mamografia

Conheçaas classificações do BI-RADS®

Esse sistema classifica osresultados em categorias numeradas de 0 a 6. Entenda o que é o BI-RADS® em cadafase.

BI-RADS® (0)

Entram nessa categoriaachados que não são necessariamente graves. O médico radiologista entende quepodem ser usados outros exames para esclarecer.

Por exemplo, se o achado foidescoberto em uma mamografia, pode ser solicitado um ultrassom.

A American Cancer Society descreve a BI-RADS® 0 como necessáriauma avaliação adicional da imagem e/ou comparação com mamografiasanteriores.

BI-RADS® (1):

Esta categoria indica quenão foi encontrada nenhuma anormalidade significativa nas mamas a serrelatada. Ou seja, que não há massas ou calcificações suspeitas na área.

BI-RADS® (2):

Esta classificação indica umachado benigno que não acarreta nenhuma ameaça à paciente. Os achadosbenignos incluem calcificações secretoras, cistos simples, lesões contendo gordura,fibroadenomas, implantes e linfonodos na mama.

Linfonodos e câncer de mama: entenda a relação

BI-RADS® (3):

Nessa categoria o médicorelata o achado como provavelmente benigno. De acordo com a AmericanCancer Society, os resultados desta categoria têm uma chance muito alta(superior a 98%) de ser benigna. A recomendação, em geral, é acompanhamento doachado a cada 6 meses até que a descoberta seja estável.

BI-RADS® (4):

A categoria 4 mostra que oachado necessita de uma amostra física para ser melhor avaliada, ou seja, énecessário fazer uma biópsia ou punção das mamas. O achado ésuspeito e a chance de ser câncer nessa classificação é de cerca de 30%.Todos os achados precisam passar pela biópsia. Nessa categoria, há umasubclassificação:

4A – o risco de ser malignoé de 2% a 10%

4B – o risco de ser malignoé de 10% a 50%

4C – o risco de ser malignoé maior de 50% e menor que 95%.

*Este percentual estáinserido no percentual do total de até 30% conforme citado acima.

BI-RADS® (5):

Essa classificação indicaque o achado médico é altamente suspeito, com 95% de chance de sercâncer. Como não há certeza, a biópsia é sempre indicada.

BI-RADS® (6):

Nessa categoria entram osexames de pacientes que já são portadores de câncer e já realizaram outrosexames de imagem. O câncer que aparece, portanto, já é conhecido.

Conheça melhor os tipos de câncer de mama

Lembre-se que o laudo édirecionado para o seu médico e só ele pode interpretar corretamentequalquer exame. Muitas vezes, os pacientes ansiosos para saberem os resultadosdos exames, acabam sofrendo antecipadamente, de forma desnecessária. Conversecom seu mastologista, ele é a melhor pessoa para tirar suas dúvidas sobre asaúde das mamas.

Источник: https://silviobromberg.com.br/entenda-melhor-classificacao-bi-rads-2/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: