Como fazer a Dieta da Carne

Dieta da proteína ajuda a emagrecer e a ganhar tônus muscular

Como fazer a Dieta da Carne

Lilechka75/ThinkStock/Getty Images /

Se o aumento de peso é uma preocupação real para você, experimentar a dieta da proteína revisitada pode ser uma boa ideia.

Após anos estudando todas as variações das dietas de proteína, o expert em obesidade George L.

Blackburn, da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, deu seu aval a uma releitura desse método, que se utiliza, basicamente, de suplementos de proteínas não produzidas pelo organismo e, portanto, tidas como essenciais.

Entenda: 5 hábitos antes dos 30 que garantem um cabelo lindo a vida toda

Por aqui, o programa alimentar americano foi adaptado pela médica homeopata Márcia Jablonka Kelman e pela nutricionista Letícia Okamoto, ambas da clínica Biodiet, em São Paulo. “Nosso plano, batizado de dieta das proteínas de alto valor biológico, atende aos hábitos alimentares da brasileira”, conta Letícia.

POR QUE EMAGRECE?

Carboidratos, proibidos na maioria das dietas proteicas, são nosso principal combustível. Sem eles, o organismo entra em processo de cetose, isto é, consome os estoques de gordura para gerar energia. Daí o emagrecimento.

O problema é que esse tipo de programa provoca desânimo, tontura e até lapsos de memória. Bem menos radical do que a original, criada pelo dr.

Atkins, a dieta das proteínas de alto valor biológico reduz a ingestão de carboidratos, em vez de aboli-los pura e simplesmente, assim como limita o consumo de gorduras, no lugar do passe livre.

E – eis o ponto principal – privilegia as proteínas das carnes, do ovo (sobretudo a clara), leite e derivados e, especialmente, do whey protein – suplemento extraído do soro do leite, que oferece uma proteína de alto valor biológico, ou seja, de fácil absorção.

Veja também: Suplementos sob medida para a mulher

Um dos motivos dessa dieta apostar na proteína é o efeito termogênico, que faz acelerar o metabolismo. É que o nosso organismo tem uma dificuldade 30% maior de digerir proteínas do que processar gorduras e carboidratos. E isso acelera a queima das gordurinhas estocadas.

Elas ainda prolongam a sensação de saciedade, dão firmeza à pele, contribuem para a manutenção da massa magra (ou aumento de músculos, se você fizer exercício com peso). Conclusão: mais do que queimar calorias, as proteínas evitam o efeito platô, em que a perda de peso estaciona depois de um tempo.

Mas a dose deve ser controlada. “A nova dieta concentra as proteínas numa quantidade que não sobrecarrega os rins e não provoca efeitos colaterais, como queda de cabelo, anemia e desmaios, entre outros.

E é benéfica sobretudo para as pessoas que não respondem aos programas de emagrecimento hipocalóricos”, diz Márcia.

E mais: Varie o whey protein para acelerar a dieta

Reforçando: as proteínas devem ser magras! É por isso que você vai encontrar o whey protein várias vezes no cardápio. “Esse suplemento tem menos gordura que a carne vermelha e o frango”, diz Letícia.

Mas que fique claro: carnes em geral são bem-vindas na dieta, pois estão lotadas das proteínas amigas do corpo. Porém, mesmo os cortes magros carregam gordura saturada.

Ao privilegiar o consumo de whey protein, você afasta esse ingrediente, que é nocivo sobretudo para o coração.

Dá pra perder até 7 quilos em 14 dias

A dieta das proteínas de alto valor biológico é dividida em três fases. A mais decisiva é a primeira: dura 14 dias e tem apenas 1000 calorias, mas derrete até 50% do peso que está em excesso.

Se você tem 1,60 metro de altura e pesa 70 quilos, pode eliminar até 7 logo no início. Mas é importante fazer exercício moderado especialmente nos três primeiros dias, quando o organismo pode se ressentir da falta de carboidrato.

Você quer emagrecer menos: de 3 a 4 quilos? Faça a primeira fase só até atingir essa meta.

A fase 2, seguida por cinco semanas e menos restritiva (começa com 1100 calorias e termina com 1500), vale por uma reeducação alimentar. Alguns itens, antes proibidos, voltam ao cardápio, mas só é liberado um tipo por semana. O ideal é priorizar verduras, legumes, castanhas, carnes e leite magros – alimentos com baixo e médio índice glicêmico.

Quando esse índice é alto, o açúcar sobe rapidamente na corrente sanguínea, o que resulta no aumento da insulina. Em grande quantidade, esse hormônio faz o corpo estocar gordura. Na fase 3, todos as alimentos são liberados, desde que consumidos com controle. Lembre-se: o sucesso depende de você ser fiel aos princípios da dieta.

Quanto mais tempo conseguir domar a balança, mais fácil será manter o ponteiro no lugar certo.

Fase 1: dá para perder até 7 kg

Em 14 dias, este cardápio com 1000 calorias, pode fazer você perder até 50% do peso excedente. Um exemplo? Se você mede 1,60 metro e pesa 70 quilos, consegue eliminar cerca de 7 quilos. Mas tem de seguir as regras direitinho.

Opção 1: Shake proteico: 1 copo (200 ml) de leite desnatado e 2 col. (sopa) de whey protein (no sabor de sua preferência).

Use mixer ou liquidificador para misturar bem o produto + 2 fatias médias de queijo minas frescal light 0% de gordura + 2 fatias de presunto magro
Opção 2: 1 pote (100 g) de iogurte desnatado e 2 col. (sopa) de whey protein (no sabor de sua preferência).

Use mixer ou liquidificador para misturar o produto + 1 queijinho fundido light + 4 fatias de peito de peru light
Opção 3: 1 taça de musse de morango com whey protein + 1 ovo cozido ou mexido

Opção 1: 1 pote (100 g) de iogurte desnatado (adoçante, opcional).
Opção 2: 2 fatias médias de queijo minas frescal light 0% de gordura + 2 fatias de peito de peru.
Opção 3: 1 xíc. (chá) de café com leite desnatado e adoçante

Opção 1: 1 filé (120 g) de frango grelhado + Salada mista: agrião, alface, espinafre, pepino, rabanete e brotos de feijão e alfafa, à vontade
Opção 2: 1 filé (120 g) de filé-mignon grelhado + Salada verde: alface, rúcula e agrião, à vontade
Opção 3: Salada completa: 4 col. (sopa) de atum e folhas verdes de sua preferência, à vontade

Opção 1: Shake proteico: 1 copo (200 ml) de leite desnatado e 2 col. (sopa) de whey protein (no sabor de sua preferência).

Use mixer ou liquidificador para misturar bem o produto
Opção 2: 1 pote (100 g) de iogurte desnatado e 2 col.

(sopa) de whey protein (no sabor de sua preferência)
Opção 3: 1 taça de gelatina cremosa de morango com whey protein (veja receita abaixo.

Opção 1: Omelete: 1 gema e 2 claras com 2 xíc. (chá) de brócolis cozidos no vapor
Opção 2: 1 filé (200 g) de peixe (pescada, merluza, badejo) ou 1 peito (120 g) de frango grelhado + Salada de folhas verdes de sua preferência, à vontade
Opção 3: 1 filé (120 g) de frango grelhado + 1 prato (fundo) de sopa de creme de brócolis 

Esta é a etapa que reduz as restrições alimentares e libera, gradualmente, alimentos antes proibidos, como fruta seca, pão integral, grãos e batata – um tipo a cada sete dias. Começa com 1100 calorias e termina com 1500. Em cinco semanas, você enxuga os 50% que faltavam perder dos extras. O cardápio básico é o mesmo da fase 1, com algumas alterações.

1ª SEMANA 

. Beba 2 shakes proteicos por dia (café da manhã e/ou lanches da manhã ou da tarde).

Continua após a publicidade

. No café da manhã, acrescente à opção escolhida 1 porção de fruta, a escolher: 1 maçã ou 1 banana-prata ou 1 pera ou 1/3 de papaia ou 1 fatia média de mamão ou 1 fatia média de melão ou 1 laranja ou 5 morangos ou 1 kiwi + 1 fatia de pão integral ou 1 pão francês integral ou 1 fatia de pão sírio pequeno.

. No almoço e no jantar, inclua na opção escolhida verduras e legumes à vontade (acelga, abóbora, abobrinha, couve-flor, berinjela, tomate, cenoura).

2ª SEMANA

. Beba 2 shakes proteicos por dia (café da manhã e/ou lanches da manhã ou da tarde).

. No lanche da manhã e da tarde, acrescente à opção escolhida 1 porção de fruta, a escolher.

3ª SEMANA 

. Beba 2 shakes por dia (café da manhã e/ou lanches da manhã ou da tarde).

. No almoço, acrescente à opção escolhida 1 porção de carboidratos (3 colheres/sopa de arroz integral ou 1 pegador de macarrão integral ou 2 fatias de pão integral) ou 1 porção de grãos (3 colheres/sopa de lentilha, ervilha, feijão ou feijão-branco ou grão-de-bico.

4ª SEMANA 

. Beba 2 shakes proteicos por dia (café da manhã e/ou lanches da manhã ou da tarde).

Continua após a publicidade

. No almoço, acrescente à opção escolhida 1 porção de carboidratos/amido: 2 batatas pequenas assadas ou cozidas ou 1/2 mandioca ou 1 pedaço de mandioquinha ou 2 col. (sopa) de abóbora + 1 porção de frutas: 1 banana-prata ou 1 maçã ou 1 pera ou 1/3 de papaia ou 1 fatia média de mamão ou 1 fatia média de melão ou 1 laranja ou 5 morangos ou 1 kiwi.

5ª SEMANA 

. Beba 2 shakes proteicos por dia (café da manhã e/ou lanches da manhã ou da tarde).

Continua após a publicidade

. No café da manhã, acrescente à opção escolhida 1 fatia de mussarela e 1 col. (chá) de margarina ou manteiga light.

Fase 3: mantém o peso

Agora que você alcançou sua meta, tudo pode, até doce (óbvio, moderadamente). Nesta etapa, o whey protein não é mais imprescindível, mas os demais alimentos com proteínas de alto valor biológico continuam no cardápio, que tem 1500 calorias – uma boa medida para você manter para sempre o peso conquistado.

Opção 1: 1 pote (100 g) de iogurte light + 2 col. (sopa) de granola light + 1 fatia de pão integral com 1 fatia de peito de peru e 2 fatias de queijo branco

Opção 2: 1 xíc. (chá) de café com leite desnatado e adoçante + 1 pão francês sem miolo com 1 col. (sopa) de queijo cottage + 1 fruta (banana, ameixa vermelha)

Opção 3: 1 copo (200 g) de suco light de fruta + 1 pão francês integral com 1 fatia de mussarela light e 1 fatia de peito de peru + 1 pote (100 g) de iogurte light

Opção 1: 3 nozes + 3 damascos + 1 queijinho fundido light

Opção 2: 1 fruta (maçã, pera, kiwi) + 1 pote (100 g) de iogurte light

Opção 3: 2 torradas integrais com 1 col. (sopa) de queijo cottage

Opção 1: Salada mista: 1 prato (sobremesa) de agrião, rúcula, alface e tomate + 1 pires (chá) de brócolis refogados + 4 col. (sopa) de arroz integral + 3 col. (sopa) de feijão + 1 filé (120 g) de peito de frango grelhado + 1 rodela de abacaxi

Opção 2: Salada mista: 1 prato (sobremesa) de tomate, alface-americana e repolho-roxo + 1 pires (chá) de escarola refogada + 3 col. (sopa) de purê de batata + 2 col. (sopa) de ervilha + 1 filé (120 g) de carne magra (alcatra, patinho) grelhada + 1 fatia de manga

Opção 3: Salada mista: 1 prato (sobremesa) de cenoura e beterraba raladas, pepino e alface-crespa+ 1 pires (chá) de abobrinha refogada + 3 col. (sopa) de arroz (integral, de preferência) + 3 col. (sopa) de grão-de-bico + 1 filé (120 g) de salmão grelhado + 1 fruta (1 fatia de melão ou de abacaxi)

Opção 1: 6 amêndoas + 1 caixinha (100 ml) de suco de soja light

Opção 2: 1 barrinha de cereal integral light + 1 pote (100 g) de iogurte light

Opção 3: 1 fatia de pão integral com 1 fatia de mussarela e 1 fatia de peito de peru

CARDÁPIO JANTAR

Opção 1: 1 prato (fundo) de sopa de legumes com carne ou frango (100 g) e macarrão integral (opcional) + 1 laranja

Opção 2: Omelete: 1 gema + 2 claras, tomate picado, cebola e cebolinha + 1 pires (chá) de legumes cozidos (brócolis, acelga, couve-flor, berinjela) + 1 pera

Opção 3: 1 prato (sobremesa) de folhas verdes, tomate, cenoura ralada, pepino, erva-doce) ou 2 xíc. (chá) de legumes cozidos (brócolis, couve-flor, acelga, abobrinha) + 1 filé (120 g) de peito de frango ou peixe assado cozido ou grelhado + 1 fruta (maçã, pera)

Opção 1: 2 fatias de queijo branco com 1 col. (chá) de geleia diet ou sem açúcar

Opção 2: 1 xíc. (chá) de leite desnatado com 1 col. (sobremesa) de achocolatado light

Opção 3: 1 pote (100 g) de iogurte light com 1 col. (sobremesa) de aveia

Tempero da salada: 1 col. (sopa) de azeite extravirgem, vinagre ou limão e pouco sal.Beba no mínimo 2 litros de água por dia, sempre entre as refeições.

ALIMENTOS LIBERADOS
Alimentos que podem ser consumidos nas fases 1, 2 e 3:  
Whey protein (proteína isolada do soro do leite),  clara de ovo, 3 ovos inteiros por semana, leite e iogurte desnatado ou light, queijo minas frescal light 0% gordura, ricota light, presunto light, peito de peru light ou frango, carne vermelha magra (patinho, lagarto, rosbife), carne branca (frango sem pele) e coelho, condimentos (vinagre, ervas aromáticas, alho, limão e sal em dose moderada), peixe (anchova, sardinha, salmão, atum, cação, pescada, tilápia e Saint Peter) e agrião, alface, brotos de feijão e alfafa, pepino, espinafre, brócolis, couve-flor, rabanete.

ALIMENTOS QUE DEVEM SER EVITADOS
Alguns voltam a entrar no cardápio na fase 2, outros apenas na 3: 
Açúcar branco e mascavo, farinhas refinada e integral, massa, doce,
sorvete (nem os de fruta), pão (nem os integrais), batata, mandioca, mandioquinha, batata-doce, cenoura, beterraba, abóbora, tomate, azeitona, sucrilhos, granola, aveia, queijo amarelo e embutidos em geral (salame, mortadela), refrigerante (nem os diet ou light), água com gás, fruta seca (passas, damasco, ameixa), oleaginosa (castanha, noz, amêndoa) e gelatina diet.

FRUTAS PERMITIDAS
Na fase 2, as frutas entram para a dieta. As indicas, são: maçã, banana-prata, pêra, papaia, melão, laranja, morango e kiwi.

Continua após a publicidade

  • Bloco_BOAFORMA_Dieta
  • Dietas à base de proteínas

Источник: https://boaforma.abril.com.br/dieta/dieta-da-proteina-enxuga-7-quilos-em-14-dias/

A Dieta da Carne – Como Funciona, Cardápio e Dicas

Como fazer a Dieta da Carne

Há inúmeras dietas com diversas promessas, mas será mesmo que você escolhe aquela que melhor oferece benefícios à sua saúde e também um emagrecimento eficiente? Pois é, podemos contar com diversas opções, mas a maioria delas proíbe ou limita o consumo de determinado nutriente que é fundamental ao funcionamento de seu organismo.

  Continua Depois da Publicidade  

É comum encontrarmos pessoas com dietas restritas a vegetais e proibições de carnes, mas essas pessoas não refletem sobre os aspectos positivos que a carne pode oferecer, principalmente para aqueles que desejam ganhar massa muscular. Quem não adora se deliciar com o sabor de um bife bem preparado?

A dieta da carne é similar à dieta criada pelo Dr. Melvin Anchell, que escreveu um livro no ano de 1998, onde expõe recomendações para uma dieta destinada para os amantes do sabor da carne que desejam reduzir o percentual de gordura.

As orientações alimentares podem auxiliar na redução do percentual de gordura e ainda contribuir para a saúde de seus músculos, mas para obter sucesso, é imprescindível que conheça as características da dieta da carne, para então iniciar a busca pela boa forma.

Como funciona a dieta da carne?

O objetivo inicial é que, ao cortar drasticamente o consumo de carboidratos, as reservas de gordura se tornem o principal combustível de energia. O resultado a ser conquistado é a queima de gorduras de forma eficiente.

Diversos estudos foram realizados com a finalidade de comprovar a perda de peso com essa dieta e também para auxiliar no controle de diabetes e triglicerídeos.

Devemos ressaltar que como qualquer dieta, esta pode se tornar um desafio para ser mantida a longo prazo.

A dieta pode ser estruturada em fases, para que assim você repense sobre os alimentos permitidos e proibidos, já que as restrições podem se tornar propósitos para a interrupção da conquista da boa forma. Dessa forma, você deve conhecer melhor sobre os alimentos que você pode e não pode comer nas fases.

A fase 1, a qual também pode ser conhecida como indução, possui as seguintes regras:

  • Não é permitido consumir mais que 20 gramas de carboidratos por dia, ou seja, é imprescindível que você se adapte a uma alimentação mais rica em legumes e vegetais.
  • Você pode consumir proteínas através de carnes de aves, peixes, carne vermelha.
  • É recomendado se manter longe de massas, pães, frutas, cereais, legumes ricos em amido, produtos lácteos e cremes.
  • Não é permitido comer nozes, sementes e inclusive feijão.
  • Bebidas alcóolicas e café também estão entre os alimentos que são proibidos nessa fase inicial.

Em seguida, ocorre a fase que objetiva a manutenção do peso conquistado, que é caraterizada por muitos como a fase mais difícil e que pode levar ao retorno de todo peso perdido.

Nessa fase, você deverá adicionar gradativamente mais vegetais ao seu plano alimentar.

A partir desse momento, será possível diversificar as refeições através da inserção de sementes, legumes, frutos, nozes e até vinho, que já foi submetido a diversos estudos para comprovação de que pode agir positivamente para a saúde, se consumido de forma segura. Bebidas alcóolicas com pouca quantidade de carboidratos também podem ser adicionadas.

Então vamos analisar: manter a dieta da carne é simples, apenas seguir as instruções, reduzir o consumo de alimentos gordurosos e ricos em carboidratos e priorizar o consumo de vegetais e fontes de proteínas. Devemos ressaltar que cada indivíduo possui necessidades particulares para seu corpo.

Na dieta da carne, você pode consumir duas ou três refeições, nas quais você estará autorizado a comer a porção de carne que desejar, mas não deverão conter nenhum carboidrato.

  Continua Depois da Publicidade  

Cardápio

Café da manhã:

  • Omelete simples ou com queijo e presunto;
  • Chá gelado ou Suco clight.

Almoço:

  • Salada à vontade;
  • Ovos cozidos;
  • 1 filé médio de carne;
  • Gelatina diet para sobremesa.

Lanche da tarde:

  • Chá gelado ou quente;
  • Café (a partir da segunda fase);
  • Queijo magro.

Jantar:

  • Salada à vontade;
  • 30 gramas de peito de frango.

Ceia:

  • 1 taça de gelatina diet ou 1 taça de salada de frutas.

Dicas

  • Você pode beber chás emagrecedores durante todo o dia, pois a bebida pode contribuir para que seu corpo se mantenha em estado de termogênese, assim queimando calorias continuamente.
  • Manter-se longe de alimentos gordurosos ou condimentados pode auxiliar na conquista do peso desejado. Eles podem contribuir para que seu corpo retenha líquidos e ocasionam inchaços que podem oferecer desconfortos a você.
  • A dieta da carne foi elaborada objetivando um maior consumo de carne, pois ela pode oferecer saciedade por um maior período de tempo. Dessa forma, evitar o consumo de carnes no período noturno pode garantir que você tenha um sono mais tranquilo, já que o processo de digestão delas não é tão rápido.
  • A água pode ser uma aliada que aproximará você do peso que deseja. Ela pode ser consumida nos momentos de ansiedade e desejo por doces e comida em horários impróprios.
  • Não dizemos que você não poderá ter dias livres ou refeições livres da dieta da carne, mas é importante que você reconheça o limite saudável a ser consumido. Você poderá contar com exceções, mas ter cuidado com as porções é fundamental na manutenção do peso conquistado.
  • Ao conquistar o peso desejado, não interrompa a dieta da carne de forma espontânea, busque se adequar à reeducação alimentar. Um corpo delineado requer uma alimentação saudável, por isso, priorize comer alimentos naturais.

Acompanhamento médico

A orientação médica pode ser o diferencial que você espera para conquistar o peso desejado. É interessante que você exponha as particularidades de seu corpo, para que assim, o profissional da saúde possa fazer uma avaliação das necessidades de seu organismo, para que ele se comporte de forma adequada para resultar na queima de gorduras.

Exercícios físicos

A dieta saudável é a melhor forma de entrar em forma, mas os exercícios físicos são os mais indicados para você auxiliar seu corpo a queimar mais calorias diariamente. Se você deseja perder peso, deverá consumir menos calorias e queimar mais, e é exatamente nesse aspecto que podemos destacar as atividades.

Manter seu corpo em movimento fará com que seu metabolismo se mantenha ativo e queimando calorias não só durante as atividades, mas também após.

É imprescindível que você reserve um período de seu dia para praticar exercícios físicos pelo menos de 3 a 5 vezes por semana.

Reflita, pois essas atividades e o percentual de gordura baixo não só contribuirá para sua saúde no presente, como também futuramente.

  Continua Depois da Publicidade  

Você já conhecia a dieta da carne? Tem vontade de adotá-la durante um período para conseguir emagrecer? Acha que seria possível? Comente abaixo

(16 votos, média: 3,81 de 5)
Loading…

Источник: https://www.mundoboaforma.com.br/dieta-da-carne-como-funciona-cardapio-e-dicas/

Dieta vegetariana

Como fazer a Dieta da Carne

Os carnívoros que nos desculpem, mas ser vegetariano é, sim, benéfico para a saúde. E essa afirmação não é ativismo, mas uma declaração oficial da maior organização do mundo voltada para a alimentação: a Academia Americana de Nutrição e Dietética (AAND).

Imagem: Arte/UOL Mas emagrece? “O objetivo não é a perda de peso, por essa razão temos muitos vegetarianos obesos ou com sobrepeso por alto consumo de carboidrato”, considera Andrea Pereira, nutróloga do Departamento de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein e jurada do Ranking das Dietas do VivaBem. Para conseguir resultados na balança, é preciso buscar orientação médica, mas é sim possível.

De qualquer modo, por ser tão saudável e precisar de ajustes simples para a perda de peso, ela ficou em 7º lugar no Ranking 2020. Saiba mais sobre como ela funciona a seguir:

O que é a dieta vegetariana

Imagem: iStock Nos Estados Unidos, o número de pessoas que adotam esse tipo de alimentação só cresce, especialmente entre os jovens de 18 até 34 anos. Os dados são de um estudo realizado pelo The Vegetarian Resource Group (VRG), entidade voltada para a educação em vegetarianismo e veganismo.

E não tem sido diferente no Brasil. Em 2018, uma pesquisa feita pelo IBOPE mostrou que 30 milhões de pessoas excluem carne do cardápio, o equivalente a toda a população da Venezuela.

Tipos de vegetarianismo

Essa forma de se alimentar descarta o consumo de todos os tipos de carne (ave, gado, peixe, porco), assim como produtos de origem animal como embutidos, gelatina etc. Mas é admissível a ingestão de ovos e leite, como se vê nos tipos de dieta vegetariana a seguir descritos:

  • Ovolactovegetariana: inclui ovos e laticínios
  • Lactovegetariana: admite produtos lácteos, mas não ovos
  • Ovovegetariana: permite ovos e produtos com ovos, e exclui leite
  • Vegana ou vegetariana estrita: exclui produtos à base de ovos e leite. Pode excluir mel.
  • Crudívera vegetariana: baseada em vegetais, frutas, sementes, nozes, legumes e brotos. O montante de alimentos não cozidos varia de 75% a 100% da alimentação diária.
  • Semivegetariana: são os menos restritos. Não consomem carne vermelha em hipótese alguma, mas se alimentam da carne branca, como a do frango e do peixe.

Ideologia ou dieta?

Os especialistas em nutrição entendem que o vegetarianismo não pode ser considerado uma dieta de emagrecimento. Afinal, essa escolha está mais relacionada a uma ideologia que promove menor exploração de recursos naturais e, consequentemente, menor dano ambiental. E a dieta é apenas um dos aspectos desse contexto.

O fato é que quem decide comer só vegetais reduz as chances de doenças crônicas como as do coração, diabetes, hipertensão, alguns tipos de câncer e a obesidade.

Esses benefícios decorrem de um programa alimentar pobre em gorduras saturadas (de origem animal) e ricas em vegetais, frutas, grãos integrais, legumes e produtos à base de soja, nozes e sementes – itens ricos em fibras, fitoquímicos e nutrientes importantes – que ajudam a reduzir as taxas de colesterol e equilibram a glicose (açúcar do sangue), levando ao controle e prevenção dessas enfermidades.

E quanto à segurança…

Imagem: iStock … a dieta vegetariana é tida como saudável e capaz de atender às necessidades nutricionais de crianças, jovens, adultos e idosos, desde que orientada por profissionais especializados como nutrólogos ou nutricionistas, garante a AAND.

A verdade é que todo regime alimentar deve corresponder às necessidades de cada pessoa, ou seja, precisa ser personalizado. Quando uma dieta restringe totalmente o consumo de um determinado grupo de alimentos, as vantagens esperadas podem ser prejudicadas pela presença de deficiências de vitaminas e minerais.

E cuidar desse fator é obrigatório: é comum acontecer de as pessoas abrirem mão da carne, sem apoio profissional e, depois, compensarem com o alto consumo de carboidratos simples (açúcar, farinha branca, bebidas gaseificadas) –ingerindo menos verduras, legumes e frutas, como deve ser proposto. Nesse caso, o resultado de ser vegetariano poder ser desastroso.
Nutrientes que podem faltar na dieta vegetariana

Outro detalhe que merece destaque é o fato de que alguns nutrientes essenciais só estão disponíveis, em grandes quantidades, nas carnes. Mais uma razão para estar atento a todo o conjunto da sua alimentação. Afinal, é o perfeito equilíbrio dela que garantirá o suprimento das necessidades nutricionais, especialmente a ingestão recomendada de vitamina B12 e proteína.

Para evitar problemas, o ideal é fazer acompanhamento das taxas de vitamina B12 e ferro todos os anos. Embora cada pessoa absorva minerais e vitaminas de forma individual, quando elas estiverem baixas, é preciso fazer a suplementação injetável ou por meio de comprimidos.

E tem mais, os especialistas advertem a ocorrência do uso indiscriminado de suplementos polivitamínicos e poliminerais: o excesso de alguns deles pode levar a alterações no funcionamento do seu fígado. Daí a necessidade de controle profissional.

Dieta vegetariana emagrece?

Imagem: iStock No caso dos quilos a mais e da obesidade, a própria AAND fundamenta suas diretrizes em resultados positivos de grandes estudos científicos que avaliaram, detalhadamente, o impacto da dieta vegetariana na redução do peso. As pesquisas foram publicadas no Journal of Academy of Nutrition and Dietetics e no Journal of General Internal Medicine.

Porém, na opinião dos especialistas brasileiros, esses benefícios podem ser consequência da disponibilidade pessoal de alimentar-se de forma mais saudável, sobretudo porque o objetivo da dieta vegetariana, essencialmente, não é perder peso.

Vale a pena fazer?

Imagem: iStock Embora a dieta vegetariana não seja considerada um regime para emagrecimento, a boa notícia é que muitas pessoas já estão procurando aconselhamento para adotá-la. A razão para isso é que aderir a essa nova forma de comer pode ser difícil.

Na opinião dos profissionais entrevistados, esta é a melhor coisa a fazer. Como o vegetarianismo pode ser praticado em longo prazo, o maior risco que se corre é a ingestão insuficiente de nutriente.

Portanto, o acompanhamento nutricional especializado é necessário, e deve ocorrer já no momento da transição, que deve ser gradual. A retirada da carne do cardápio nunca pode acontecer de forma abrupta.

Vantagens e desvantagens da dieta vegetariana

Prós

  • Redução do risco para doenças crônicas.
  • Controle e redução das taxas de colesterol, além de equilíbrio da glicose (açúcar no sangue).
  • Possível perda de peso no início da mudança alimentar.
  • Melhora do trânsito intestinal.

Contras

  • Prejuízo na ingestão de vitaminas e minerais relacionados a enfermidades como anemia, raquitismo, cáries, baixa imunidade, infecções e osteoporose.
  • Uso abusivo de suplementos quando a dieta e o seu consumo não são orientados por profissionais.

Imagem: iStock

Dicas dos especialistas para quem quer adotar a dieta vegetariana:

  • Consulte um nutrólogo ou nutricionista. Este deve ser o primeiro passo ao decidir mudar a dieta;
  • Prepare-se para a consulta anotando todas as suas dúvidas e perguntas;
  • Faça uma lista dos medicamentos que você usa diariamente;
  • Busque informações confiáveis antes de retirar a carne do prato;
  • Evite fazer mudança alimentar de forma radical. A introdução de alimentos novos deve ser gradual, correta e equilibrada;
  • Use suplementos somente se forem indicados por profissionais;
  • Fique atento à balança. Mesmo que esta não seja uma dieta de emagrecimento, pode haver perda de peso. Caso você perca mais de 1 kg por semana, fale com seu nutricionista ou nutrólogo.

Reportagem: Cristina Almeida

Fontes: Durval Ribas Filho, presidente da presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN); Ivone Ikeda Morimoto, nutricionista e professora de Nutrição Clínica dos cursos de graduação e pós graduação da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), mestre em Engenharia de Produção e especialista em Metodologia da Ciência); Nayara Massunaga, nutricionista funcional do Departamento Científico da VP Nutrição Funcional; (SP); Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics, Dezembro de 2016 (tipos de dieta vegetariana). Revisão técnica: Profa. Ivone Ikeda Morimoto.

Estudos: Barnard NB, Levin SM, Yokoyama Y. A systematic review and meta-analysis of change in body weight in clinical trials of vegetarian diets. J Acad Nutr Diet. 2015;115(6):954-969; Huang RY, Huang CC, Hu , Chavarro JE. Vegetarian diets and weight reduction: A meta-analysis of randomized controlled trials. J Gen Intern Med. 2015;31(1):109-116.

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/alimentacao/dieta/dieta-vegetariana.htm

Dieta da proteína: como fazer, o que comer e cardápio

Como fazer a Dieta da Carne

A dieta da proteína, também chamada de dieta hiperproteica ou proteica, baseia-se no aumento do consumo de alimentos ricos em proteínas, como carnes e ovos, e diminuição da ingestão de alimentos ricos em carboidratos, como pão ou macarrão. Comer mais proteínas ajuda a diminuir a fome e aumentar a sensação de saciedade, isso porque atua diretamente nos níveis de grelina e de outros hormônios responsáveis por regular o apetite.

Dessa forma, as proteínas podem aumentar o metabolismo, ajudando a queimar mais calorias, e a ausência de carboidratos na alimentação faria com que o organismo utilizasse outras fontes de gordura para produzir energia.

É normal que no início da dieta a pessoa sinta um pouco de fraqueza e tontura nos primeiros dias, no entanto esses sintomas normalmente passam após 3 ou 4 dias, que é o tempo necessário para o organismo se acostumar com a falta de carboidratos. Uma forma mais gradual de retirar os carboidratos e não sofrer é realizando uma dieta low carb. Saiba como fazer uma dieta low carb.

Os alimentos permitidos na dieta da proteína são os alimentos ricos em proteínas e que possuem baixo teor de carboidratos, como por exemplo:

  • Carnes magras, peixe, ovo, presunto, presunto de peru;
  • Leite desnatado, queijos brancos, iogurte desnatado;
  • Leite de amêndoas ou qualquer noz
  • Acelga, couve, espinafre, alface, rúcula, agrião, chicória, cenoura, repolho, tomate, pepino, rabanete;
  • Azeite de oliva ou de linhaça, azeitonas;
  • Castanhas, nozes, amêndoas;
  • Sementes como chia, linhaça, gergelim, abóbora, girassol;
  • Abacate, limão.

A dieta da proteína pode ser realizada durante 15 dias com 3 dias de intervalo, podendo ser repetida por no máximo mais 15 dias.

Alimentos que devem ser evitados

Os alimentos proibidos durante a dieta da proteína são as fontes de carboidratos, como cereais e tubérculos, como pão, macarrão, arroz, farinha, batata, batata doce e mandioca. Além de grãos como os feijões, grão de bico, milho, ervilha e soja.

É recomendado também evitar açúcar e alimentos que o contenham, como biscoitos, doces, bolos, refrigerantes, mel e sucos industrializados. Além disso, apesar de saudáveis, as frutas contêm grande quantidade de açúcar, devendo, por tanto serem evitadas ou não consumidas em grandes quantidades durante a dieta das proteínas.

É importante não consumir esses alimentos durante a dieta da proteína para evitar mudanças no metabolismo que façam o corpo parar de utilizar a proteína e a gordura como fonte de energia. 

Cardápio da dieta da proteína

Este é um exemplo de um cardápio completo da dieta da proteína para cumprir facilmente uma semana.

Café da manhãAlmoçoLancheJantar
SegundaLeite desnatado com abacate e ovos mexidos com cebola e pápricaPeixe cozido com espinafre temperado com gotas de limão1 iogurte desnatado com manteiga de amendoimSalada de alface e tomate com atum, temperada com creme de iogurte com coentro e limão
TerçaIogurte desnatado com sementes de linhaça, acompanhado com um rolinho de queijo e presunto de peruFrango grelhado com salada de pepino, alface, tomate, temperado com azeite de oliva e limãoOvo cozido e palitos de cenouraSalmão grelhado com salada de brócolis, cenoura e tomate, temperada com limão e azeite de linhaça
QuartaCafé com leite desnatado e 1 ovo cozidoOmelete com queijo e presunto e salada de rúcula temperada com azeite de oliva e limãoIogurte desnatado com sementes de chia e 2 fatias de queijoMacarrão de abobrinha com carne moída e molho de tomate natural
QuintaVitamina de abacate com leite desnatadoAtum fresco grelhado com acelga e temperado com azeite de linhaçaSuco de limão com ovo e 1 fatia de presunto de peruPeito de peru assado com tomate e queijo ralado com azeite de olive, acompanhado de salada de rúcula e cenoura ralada e temperada com limão
SextaIogurte desnatado e ovo mexido com acelga e queijoBerinjela recheada com peito de frango desfiado e refogado com páprica, cebola gratinada no forno com queijo raladoVitamina de abacate batido com leite de amêndoaOmelete com espinafre e cebolas salteadas
SábadoLeite desnatado com 2 rolinhos de queijo e presuntoSalada de alface, rúcula e pepino com abacate picado e queijo ralado e ovo cozido com molho de iogurte, salsa e limão3 nozes e 1 iogurte desnatadoCreme de cenoura com pedaços de queijo branco em cubos e coentro
DomingoCafé com leite de amêndoas e um omelete de queijo e presuntoBife grelhado com aspargos salteados no azeite de olivaFatias de abacate com manteiga de amendoimSalada de salmão defumada com alface verde e roxa, abacate picado, sementes de chia e nozes, temperada com azeite de oliva e limão

As proporções dos alimentos no cardápio apresentado variam de acordo com a idade, sexo, prática de atividade física e se a pessoa possui ou não doenças, por isso, é importante procurar um nutricionista para que seja realizada uma avaliação completa e sejam calculadas as proporções mais adequadas de acordo com a necessidade da pessoa.

O que saber antes de começar a dieta da proteína

Antes de iniciar qualquer dieta, é importante o aconselhamento médico ou de um nutricionista para não prejudicar a saúde. O nutricionista pode indicar um outro cardápio mais personalizado, levando em consideração as preferências pessoais e possíveis restrições alimentares.

Esta dieta não deve ser realizada por pessoas que possuam problemas renais, já que o consumo de grandes quantidades de proteínas podem causar ainda mais danos aos rins. A dieta só deve ser realizada por no máximo 1 mês, a partir daí é possível manter uma dieta baixa em carboidratos para manter o peso e evitar o déficit ou excesso de alguns nutrientes no organismo.

No caso de ser vegetariano existem alimentos que são ricos em proteínas vegetais, como feijão, grão de bico e quinoa, por exemplo.

Assista nesse vídeo quais são os melhores alimentos que combinados forma proteínas, assim como a carne:

Источник: https://www.tuasaude.com/dieta-da-proteina/

Dieta da proteína: cardápio e como fazer para emagrecer – Cuidaí

Como fazer a Dieta da Carne

Famosa por eliminar os insistentes quilinhos extras, ativar o metabolismo e contribuir para a manutenção de massa magra, a dieta da proteína nada mais é do que um plano alimentar que incentiva uma diminuição drástica na ingestão de carboidratos para focar na proteína e emagrecer (emagreça com o Tecnonutri) . 

Proposta

O princípio dieta se apoia na premissa de que, ao excluir o consumo de carboidrato, o corpo é forçado a utilizar as reservas de gordura como fonte de energia e, assim, ocorre à perda de peso e o efeito “seca barriga”.

Além disso, o carboidrato estimula a produção de insulina, hormônio que, entre outras funções, provoca a fome.

Diminuindo o nutriente, consequentemente, vai haver uma diminuição do hormônio, fazendo com que a pessoa sinta menos fome. Estas são explicações para o rápido emagrecimento proporcionado a quem segue a dieta.

Como fazer

Como você se sente sem batata, arroz, macarrão ou pão? Se a resposta for que a grande presença de carnes no cardápio te dará maior sensação de saciedade e que a restrição desses alimentos ricos em carboidratos não fará grande falta, siga em frente.

Inicialmente, será necessário se adaptar a uma menor variedade de alimentos, principalmente, na primeira fase da dieta. Passada a primeira fase, novos alimentos poderão ser adicionados, dando preferências aos alimentos integrais como, por exemplo, pão integral, arroz integral, massa integral.

O plano alimentar não exclui a ingestão de legumes e frutas. Entretanto, dependendo da fase em que se encontra, alguns poderão ser restringidos ou não poderão fazer parte do cardápio. A ingestão de bebidas alcoólicas é proibida, inclusive o vinho.

A composição tradicional das dietas são 55% a 60% de carboidratos, inferior a 30% de gorduras e 15% de proteínas. A sugestão para elaboração de dieta com maior teor proteico seria reduzir a quantidade de carboidratos da dieta para 40 a 50% e aumentar a proporção de proteínas de 22 a 45% do valor energético total.

Ação através do metabolismo

  • As proteínas são nutrientes de digestão lenta, o que pode contribuir para prolongar a sensação de saciedade.
  • Não há limitação de quantidade de alimentos a serem consumidos, somente os tipos de alimentos são restritos.
  • Redução de peso em curto prazo, mas não necessariamente de gordura, ocorre perda de massa também.
  • Com o consumo drasticamente limitado de carboidratos, ingestão abaixo do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) que são de 55 a 75% das calorias totais do dia, o organismo tende a converter gordura em energia acarretando na liberação de corpos cetônicos, componentes que em altos níveis podem ser prejudiciais às células, além de causar mau hálito.
  • Os adeptos da dieta também ficam expostos a quadros de tonturas, fraqueza e desmaios, e frequentemente são acometidos por constipação intestinal devido ao baixo consumo de fibras.
  • Em virtude do grande consumo de alimentos protéicos, a quantidade de gorduras saturada e colesterol é elevada ao ponto de contribuir para aumentar os níveis de colesterol ruim (LDL – colesterol) e favorecer a ocorrência de problemas cardiovasculares.
  • O excessivo consumo de proteínas pode também ocasionar sobrecarga renal e, se mantida a longo prazo, há o risco do desenvolvimento de insuficiência renal.

Fases da Dieta da Proteína

A Dieta da Proteína recomenda que seja realizada em um processo de quatro fases:

Indução

Durante duas semanas estão liberados carnes, queijos e outros produtos ricos em gordura enquanto apenas os vegetais com baixo teor de carboidratos são permitidos, como brócolis, tomate e alface, mesmo assim limitados a três porções pequenas por dia.

Perda de Peso Contínua

O objetivo dessa fase é descobrir o quanto de carboidratos pode-se comer e ainda perder peso, por isso a quantidade de legumes pode ser aumentada. Essa etapa dura até que se esteja de três a cinco quilos de seu peso ideal.

Pré-manutenção

Nesta fase se descobre o quanto de carboidrato pode comer sem ganhar peso. Dez gramas de carboidratos podem ser adicionados por dia. Esta fase dura de dois a três meses.

Manutenção

O objetivo é manter os hábitos alimentares adquiridos nas fases anteriores, com cerca de 100 gramas de carboidratos por dia.

Alimentos permitidos na dieta da proteína

Os alimentos que podem ser consumidos na dieta da proteína incluem aqueles ricos em proteínas, além de verduras, legumes e outros:

  • Peixes: atum, bacalhau e sashimi
  • Frutos do mar: camarão, lagosta, siri ou caranguejo e mexilhões
  • Carnes: todos os cortes de frango, aves, porco e boi
  • Derivados do leite: queijos, iogurtes, coalhada
  • Verduras: salsa, repolho, chicória, cebola, alface, agrião, espinafre, couve-flor, couve, brócolis, acelga, aspargos e salada verde
  • Legumes: vagem, chuchu, tomate, cenoura, sopa de legumes, pimentão, abobrinha verde, rabanete, quiabo, pepino, nabo, berinjela e cogumelo
  • Outros: sal, ovos, omelete, gelatina dietética, pimenta, azeitona com tempero, azeite, manteiga, margarina, limão e jiló
  • Bebidas: chá, café descafeinado, água com gás, água tônica diet e água natural.

Leia também: Alimentos ricos em proteína e seus benefícios

Источник: https://cuidai.com.br/dieta-da-proteina/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: