Como identificar um psicopata

Psicopatia e suas principais características

Como identificar um psicopata

Segundo especialistas, de 1 a 3% da população apresenta características de psicopatia.

Isso significa que 1 em cada 30 pessoas podem ser diagnosticada com o transtorno, tendo, no total, 6 milhões de psicopatas no Brasil.

Não é pouco, por isso, é importante falarmos sobre esse transtorno que atinge muita gente bem como as suas causas, fatores que o influenciam e como você consegue ajudar alguém nessa situação.

O que é psicopatia?

Psicopatia, sociopatia ou transtorno da personalidade antissocial é um distúrbio, de difícil diagnóstico, caracterizado por falta de empatia em relação ao outro e desprezo pelas obrigações sociais.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a psicopatia também tem as seguintes características:

Há um desvio considerável entre o comportamento e as normas sociais estabelecidas. O comportamento não é facilmente modificado pelas experiências adversas, inclusive pelas punições.

Existe uma baixa tolerância à frustração e um baixo limiar de descarga da agressividade, inclusive da violência.

Existe uma tendência a culpar os outros ou a fornecer racionalizações plausíveis para explicar um comportamento que leva o sujeito a entrar em conflito com a sociedade.

Esse tipo de transtorno pode ser identificado a partir de um aprofundamento maior na relação social, que deve envolver a observação da conduta da pessoa, suas relações e interações diante das diversas situações.

Características de um psicopata

Abaixo, iremos detalhar, de forma geral, as principais características de um psicopata.

  • Falta de empatia: é comum acharmos que os psicopatas não possuem qualquer sentimento de empatia por outras pessoas, mas na verdade, eles são capazes de eleger indivíduos e momentos para demonstrar algum tipo de afeto. Essa escolha seletiva os faz ainda mais manipuladores e dissimulados em suas relações;
  • Impulsividade: dificilmente aceitam ser contrariados, rejeitados ou frustrados, por isso reagem impulsivamente de forma mais agressiva e explosiva, sem se importar com o sentimento ou envolvimento de outros ao redor;
  • Egocêntricos e megalomaníacos: possuem orgulho exacerbado e sempre acham que estão certos. Essa certeza de seus atos os fazem nunca sentirem medo das suas ações, renegam reconhecer os seus atos e, consequentemente, não são capazes de sentir remorso;
  • Mentirosos: sua mentira é patológica a ponto de nem saberem mais quando estão inventando algo. Não há também uma preocupação em não se aproveitar da boa-fé de outras pessoas a partir da enganação que seu discurso provoca;
  • Busca aventuras: a sua incapacidade de sentir medo ou preocupação em gerar o medo em outras pessoas, faz o psicopata buscar sempre desafios que coloquem à prova a sua capacidade de quebrar regras e de fugir da monotonia atrás de adrenalina;
  • Antissociais: regras e parâmetros sociais não entram no mundo dos psicopatas, que constantemente buscam quebrar esses fatores para se sentirem grandiosos e orgulhosos de si;
  • Falta de emoção: psicopatas não costumam se relacionar com outras pessoas por questões emocionais verdadeiras, como amor e afeto, mas sim para se aproveitar do que essas pessoas podem lhe oferecer.

Psicopatia na infância

Os sinais da psicopatia já podem ser observados na infância, mas são classificados até os 18 anos como Transtorno de Conduta.

É importante que os pais observem o comportamento dos filhos como: atitudes desobedientes e desrespeitosas, de maldade com outros e mentiras constantes, sem remorso ou culpa.

Veja a lista com os principais sinais de psicopatia na infância:

  • Hábito de mentir;
  • Não sentem culpa, remorso ou constrangimento ao serem flagrados cometendo atos errados;
  • Desafiam a autoridade de pais e professores;
  • Maltratam irmãos, colegas e até bichos de estimação;
  • Não toleram frustrações;
  • Violam as regras sociais;
  • Se preocupa apenas com seus interesses e ganhos;
  • Frieza emocional;
  • Sexualidade precoce acentuada;
  • Introdução precoce ao mundo do álcool, drogas e outros vícios.

Vale ressaltar que essas são características gerais e que é muito importante que os pais e responsáveis ao perceber qualquer sinal busquem ajuda de um especialista, como psicólogos e psiquiatras, para ter acesso a melhor forma de ação e tratamento.

Quanto mais precoce é feito um diagnóstico, maiores são as chances de reverter quadros mais graves na vida da pessoa.

Como identificar um psicopata?

O psicólogo canadense Robert D. Hare, especialista em psicologia criminal e psicopatia, idealizou, em 1991, um “checklist” de 20 itens que podem identificar ou diagnosticar uma pessoa como psicopata.

Esse checklist recebeu o nome de Escala de Robert Hare, e diz que uma pontuação igual ou acima de 30 (o máximo são 40), além de considerações como a anatomia cerebral, a genética e o ambiente em que ela se encontra, podem determinar a psicopatia.

Para entender a pontuação, considere que a cada item do checklist há uma escala de 3 pontos, em que 0 é para itens que não se aplicam, 1 item que se aplica um pouco e 2 item que definitivamente se aplica.

Entre as perguntas estão questões que medem seu grau de impulsividade, afeto, autoestima, culpa, agitação, histórico comportamental, sexuais, capacidade de manipulação, versatilidade criminal e relação com negações e frustrações.

No Brasil, a escala e o teste de psicopatia foi validado e traduzida apenas nos anos 2000, e, tanto no Brasil como no mundo, só pode ser aplicado e avaliado por um especialista.

Sociopatia X psicopatia

Muitos especialistas ainda discutem se há diferenças entre pessoas sociopatas e psicopatas.

Em comum, nota-se características como o desrespeitos por normas, leis e costumes; desacato ao direito de outros; tendência a um comportamento violento e falta de culpa e remorso. Mas as diferenças são perceptíveis também.

Os sociopatas são normalmente agitados e nervosos, convivem à margem da sociedade e raramente conseguem se manter em relacionamentos, empregos ou a ambientes por muito tempo.

São inconstantes e apresentam desabafos violentos emocionais, como ataques de raiva. A principal diferença que podemos notar em relação aos psicopatas, é que os sociopatas conseguem criar vínculo e apego com determinada pessoa ou grupo, de forma menos planejada ou manipuladora.

3 mitos da psicopatia

Como toda generalização de conceitos, a psicopatia também tem seus mitos que devem ser compreendidos por serem de suma importância:

  • Todo psicopata é violento“: A raiva e as explosões desmedidas são realmente uma característica marcante entre eles, mas não é uma regra.
  • Todo psicopata sofre de psicose“: Psicopatas costumam ser muito realistas, racionais e têm a capacidade de ter a consciência sobre os seus atos.
  • Psicopatia não tem tratamento ou cura“: Muitas pessoas acreditam que seja impossível tratar ou curar um paciente diagnosticado, mas a verdade é que quanto mais cedo o diagnóstico e o tratamento for encontrado, melhor.

Psicopatia no cinema

Não é difícil encontrar grandes títulos do cinema com o tema psicopatia e para quem gosta de conhecer mais sobre transtornos mentais e sociais através da tela do cinema, há algumas dicas de filmes com psicopatas como:

  • Seven – Os sete crimes capitais (1995);
  • Funny Games – Violência Gratuita (1997);
  • A Tortura do Medo (1960);
  • Hannibal (2001);
  • Na Companhia de Homens (1997);
  • Os Homens que Não Amavam as Mulheres (2011).

Como oferecer ajuda

Como reforçamos aqui algumas vezes, é importante a identificação dos sinais de psicopatia desde a infância ou juventude. Essa difícil tarefa cabe, principalmente, aos pais que precisam ter a sensibilidade de compreender os atos dos filhos e de não deixar de estarem próximos.

A qualquer sinal, em crianças e adultos, deve-se buscar ajuda de um especialista, seja para tratar a quem precisa ou para buscar apoio a si próprio, de compreender melhor como agir nas situações de crise ou desconforto.

O mais importante é entender que não se está só nesse desafio e que há muitos especialistas que podem contribuir para dar chances de recuperar um estilo de vida socialmente aceito e produtivo.

Источник: https://zenklub.com.br/blog/saude-bem-estar/psicopatia/

Psicopatia ou relacionamento abusivo? Saiba identificar

Como identificar um psicopata

  • WhatsApp
  • Pinterest
  • Linkedin
  • Copiar Link

Psicopatia ou relacionamento abusivo? (Foto: Reprodução)

Ele parece um cara tranquilo e apaixonado, mas aos poucos se mostra stalker e obsessivo. Quem assistiu a primeira temporada de Você (You) na Netflix acompanhou o comportamento de Joe, vivido por Penn Badgley.

Se você ainda não viu, a gente explica: o dono solitário de uma livraria se sente atraído por Beck (Elizabeth Lail), começa a vasculhar todos seus rastros nas redes sociais, segui-la pelas ruas, vigiá-la em casa e até a manipular situações e pessoas ao seu redor.

A história, que já tem segunda temporada confirmada, gerou uma polêmica tão grande que chegou a preocupar o ator que vive o protagonista.

O motivo? Enquanto alguns fãs da série acreditam que o comportamento de Joe é um absurdo, outros romantizam a relação dos dois (sim, acredite!).

Em um momento em que a gente discute tanto sobre relacionamento abusivo, igualdade de gênero e trocas saudáveis, justificar comportamentos como esse é um alerta vermelho.

+ “Cinquenta Tons de Cinza”: Quando o fetiche vira relacionamento abusivo?
+ Paquera ou Assédio: Qual o limite de um flerte saudável?
+ Elas quebraram o silêncio sobre casos de assédio e agressão

É por isso que, para quem vive algo parecido ou conhece alguém que passa por situações como essa, conversamos com psicólogas para tirar dúvidas sobre quando o amor passa a ser cilada, seja por um transtorno de personalidade antissocial, como pscicopatia ou sociopatia, ou por sinais que ajudam a definir um relacionamento abusivo.

Psicopatia X Sociopatia

A diferença entre os dois gera dúvidas, mas a verdade é que não existe um diagnóstico oficial para psicopatia ou sociopatia. Esses são termos populares para pacientes com Transtorno de Personalidade Antissocial. O que diferencia os dois é o grau do transtorno e o limite da capacidade de impor o mal aos outros.

Sociopatas têm dificuldades de se ajustar nas normas sociais e de comportamento (como criminosos, golpistas e impostores religiosos), mas conseguem minimamente estabelecer vínculos e podem até sentir culpa em algumas situações. Já os psicopatas são incapazes de ter empatia, estabelecer uma relação saudável ou sentir remorso por alguma dor causada ao outro.

 Ainda assim, os dois costumam manipular, ser violentos e abusivos.

Cena de You, da Netflix (Foto: Reprodução)

O transtorno tem como principal característica a falta de empatia. As causas para esse quadro ainda não são claras para os médicos, mas podem envolver fatores genéticos, experiências em ambientes familiares caóticos ou situações de trauma na infância.

Entre os sinais frequentes dos indivíduos com TPA estão egocentrismo, isolamento, desconsideração do que é certo ou errado, excesso de mentiras para persuasão, irritabilidade significativa quando contrariados, comportamentos perigosos e relacionamento abusivo.

“Pessoas com esse perfil não pensam no bem-estar alheio e não estão interessadas em ouvir um ‘não’ do limite do outro”, explica a psicóloga Claudia Puntel,especializada em Trauma e Experiências Somáticas.

De olho nos sinais!

Como pessoas com TPA costumam ser manipuladoras, nem sempre é fácil identificá-las, mesmo que seja alguém muito próximo. Por isso, a dica principal é prestar atenção a como ela reage quando você diz “não”. Na dúvida, responda a essas perguntas:1.

Você sente que sua autoconfiança diminuiu desde que se conheceram?2. Você se afastou de amigos ou familiares por causa dessa relação?3. Essa pessoa tem uma reação exagerada ao lidar com fracasso?4. Você sente medo de discordar dela?5. Como ela reage quando é contrariada?6.

Em algum momento, ela já foi violenta com você, seja verbal ou fisicamente?7. Ela consegue se colocar no lugar dos outros?

“Vale observar se essa pessoa demonstra respeito pelo o que você está construindo e também o quanto ela rouba a sua energia.

Esses indivíduos costumam fazer com que você se sinta em falência emocional e usam de violência para concluir seus objetivos”, afirma Claudia. Resumindo: o sinal está também no seu mal-estar nessa relação.

+ Conheça 10 tipos de abusos que vão além do físico
+ Sabia que mentir demais pode ser sinal de doença? Entenda!
+ App oferece apoio a mulheres vítimas de violência

Relacionamento abusivo

O assunto tem sido foco de vários debates nos últimos tempos. Até porque, só no Brasil, 503 mulheres são vítimas de violência física a cada hora, o que representa 4,4 milhões de brasileiras ao ano – ou 9% do total das maiores de 16 -, de acordo com o Datafolha. Relacionamento abusivo tem a ver com controle, que pode ir desde a roupa que você usa até os amigos com quem sai.

Também envolve a falta de valorização do parceiro, seja com seu o trabalho, família ou as ideias que coloca numa conversa. “É uma constante pressão psicológica, com chantagens emocionais e, muitas vezes, ameaças. Envolve frases 'como se você não fizer isso, quer dizer que você não me ama'”, detalha Camila Moura, psicóloga especialista em relacionamentos, do Amor&Classe.

 

Vale dizer que nem sempre o relacionamento abusivo é causado por um psicopata ou sociopata.

Independentemente disso, situações como essa costumam ter violência como desfecho, o que pode causar traumas e deixar marcas profundas, então é preciso saber identificar.

Se você vive um relacionamento em que tudo o que faz não é considerado bom o suficiente pelo parceiro suficiente, é hora de rever a relação.

+ Kéfera fala sobre ter vivido relacionamento abusivo
+ Letícia Almeida: “Estou bem e em paz. Na realidade, nunca me senti tão forte como estou hoje”
+ Sofri violência doméstica. E agora?

O que fazer

Ainda que os sinais de relacionamento abusivo sejam óbvios e a vítima se perceba nessa situação, é comum que tenha dificuldade de sair dessa.

“No caso de sociopatas ou pscicopatas, é comum que o indivíduo manipule e se coloque em situações de destaque na sociedade como se fosse uma pessoa do bem, como trabalhando numa ONG ou como pastor de igreja, para poder encobrir os atos de maldade.

Assim, outras pessoas acham que ele é incrível e a vítima não consegue se explicar”, detalha Claudia. 

É por isso que, de acordo com as psicólogas, o primeiro passo é se afastar e construir uma rede de apoio, seja com familiares ou amigos, pessoas que você confie e acreditem na sua história.

“É importante tentar entender os motivos pelos quais entrou nesse relacionamento e os motivos pelos quais não consegue sair”, explica Camila. Também é essencial trabalhar o amor próprio e o autocuidado.

Estabeleça uma regra de manter longe tudo o que te faz mal e criar vínculos com o que te traz proteção. E, claro, procure um profissional para compartilhar e compreender suas dores.

Por fim, como diria a escritora Ryane Leão no livro Tudo Nela Brilha e Queima, “nunca se esqueça o motivo de nenhuma de suas partidas.” Você é boa o suficiente para seguir em frente.

Источник: https://revistaglamour.globo.com/Lifestyle/noticia/2019/04/psicopatia-ou-relacionamento-abusivo-saiba-identificar.html

Estudo acha biomarcadores da psicopatia. Dá para reconhecer um psicopata?

Como identificar um psicopata

A análise biomarcadores pode ajudar os médicos a criar novos medicamentos para tratar a psicopatia, considerada uma forma extrema do transtorno de personalidade antissocial.

Em um novo estudo, publicado no final de agosto no periódico Molecular Psychiatry, do grupo Nature, cientistas da University of Eastern Finland, da University of Helsinki e do Karolinska Institutet na Suécia compararam células-tronco de psicopatas violentos e de pessoas normais para analisar a expressão de alguns genes e algumas proteínas associados ao transtorno no cérebro de psicopatas violentos.

O resultado mostrou que a psicopatia está associada a alterações importantes na expressão de alguns genes e nas vias moleculares relacionas à resposta imune do organismo.

A expressão desses genes explicou entre 30% e 92% na variação de sintomas da psicopatia.

O transtorno também foi associado à expressão alterada de proteínas relacionadas ao metabolismo da glucose e do sistema opioide, presente no sistema nervoso humano.

Com essa descoberta, os cientistas acreditam que o uso por longos períodos de medicamentos como naltrexone ou buphrenorphine, que regulam o sistema opioide, podem ser um tratamento com bons resultados para quem sofre do transtorno.

Por ser pouco compreendida, é comum que a psicopatia desperte sentimentos contraditórios como medo e curiosidade.

Não à toa, muitas novelas tentaram explorar algumas características desse tipo de personalidade em seus vilões.

É o caso, por exemplo, de Nazaré Tedesco (Renata Sorrah), de Senhora do Destino (2004); ou Flora (Patrícia Pillar), de A Favorita (2008), ambas exibidas pela Rede Globo.

Mais recentemente, o folhetim A Dona do Pedaço (da mesma emissora) levantou novamente a bola ao tratar da suposta psicopatia de Josiane (Agatha Moreira), filha da protagonista Maria da Paz (Juliana Paes). A menina se une ao padrasto Régis (Reynaldo Gianecchini), que também é seu amante, para roubar a fortuna da mãe.

Embora seja um diagnóstico difícil, ao agir de maneira fria e sem escrúpulos, seu comportamento foi imediatamente associado à psicopatia por alguns personagens da trama.

De acordo com a descrição do DSM-V (5ª edição do Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Americana de Psiquiatria) —considerado livro de referência da psiquiatria mundial, como uma das faces do transtorno de personalidade antissocial — esses indivíduos se caracterizam por serem frios, não sentir compaixão ou remorso, agir em causa própria e, principalmente, serem incapazes de sentir empatia. No entanto, são extremamente sedutores e envolventes, copiando atitudes que consideram aceitáveis e admiradas para conseguir o que desejam.

De acordo com o neurologista e neuropsiquiatra Ricardo de Oliveira Souza, pesquisador do IDOR (Instituto D'Or de pesquisa e Ensino) que se dedica principalmente a estudar o tema, entre 1% e 3% da população parece conviver com o transtorno. “Ele também é mais frequente em homens do que em mulheres”, diz o especialista.

Segundo ele, o transtorno de personalidade antissocial descreve de forma geral a sociopatia —um termo mais abrangente que inclui indivíduos capazes de atos antissociais durante a vida.

“Mentir para conseguir algo, gastar demais sem medir as consequências e agir de forma impulsiva, mas sem necessariamente para prejudicar alguém e sim para ganhar algo para si, são características de sociopatas”, explica o médico.

Os psicopatas, por outro lado, vão além e são um tipo “melhorado” dos sociopatas, já que praticam atos antissociais não apenas em seu próprio benefício, mas também pelo prazer em cometer uma maldade. “Eles são incapazes de sentir remorso ou compaixão, então cometem transgressões pelo prazer em ver a dor do outro”, diz.

Dá para reconhecer um psicopata?

Na década de 1970, o psicólogo canadense Robert Hare foi um dos primeiros a estudar a psicopatia em presídios de alta periculosidade —locais que costumam ter uma concentração mais alta de pessoas com esse perfil.

Seus estudos resultaram em uma lista chamada “Lista de Verificação de Psicopatia” (ou Psychopathy Checklist) com 20 itens que podem ser pontuados de 0 a 2.

Quando o indivíduo atinge uma pontuação maior que 30, o diagnóstico de psicopatia é estabelecido.

Mesmo assim, ainda hoje o diagnóstico de psicopatia não é fácil de ser alcançado.

“Algumas características são bastante evidentes, mas outras são mascaradas”, explica Antônio de Pádua Serafim, coordenador de psicologia do Núcleo Forense do IPq do HC-FMUSP (Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo). “Eles são mestres em se adaptar à realidade do ambiente em que vivem para conseguir o que querem”, diz. Por isso, estudos com biomarcadores podem ser um diferencial nesse diagnóstico.

De acordo com o especialista, algumas características, quando aparecem de forma constante, são indícios do transtorno. Ausência de remorso e empatia, tendência a manipular tudo e todos para benefício próprio, dificuldade de manter uma rotina, egocentrismo, impulsividade e gosto por comportamentos arriscados são indícios de que algo pode estar errado.

Isso quer dizer então que, se meu parceiro me manipula diariamente ou se meu chefe é frio e calculista com a equipe, então eles são psicopatas? Nem sempre.

“Algumas pessoas são mais frias, outras são menos empáticas, mas esses são traços de uma personalidade”, explica Serafim.

“A psicopatia só é constatada quando esses traços são constantes e, mesmo assim, o diagnóstico só pode ser feito por um médico especializado”, reforça.

Mas todo psicopata é um assassino?

Felizmente, a maioria dos psicopatas não se torna violento ao ponto de cometer crimes bárbaros. “Há mais psicopatas assassinos no cinema do que na vida real”, diz Souza. “No entanto, a letalidade deles é altíssima”.

Alguns dos casos mais chocantes vieram dos Estados Unidos. Além de Teddy Bundy, um famoso psicopata que aterrorizou jovens americanas na década de 1970, Charles Manson, líder de um grupo que matou cinco pessoas, incluindo a atriz Sharon Tate, grávida de oito meses quando foi assassinada, é frequentemente lembrado como um exemplo de quão eficientes esses predadores podem ser.

Tem tratamento?

Dificilmente. Egocêntricos, eles simplesmente acreditam que não precisam de ajuda e, por isso, não se adaptam ao uso de medicamentos nem querem frequentar as terapias comportamentais.

Por outro lado, de acordo com Souza, já existem grupos americanos e canadenses formados para investigar se é possível modificar o comportamento antissocial para tornar esses indivíduos mais ajustados à sociedade —mesmo que, internamente, eles continuem sendo frios.

Dá para conviver?

É praticamente impossível conviver com um psicopata sem sair machucado — emocionalmente e, muitas vezes, fisicamente. “A dinâmica social deles é diferente da nossa”, acredita Serafim. “A relação com os filhos, quando existem, é distante, por exemplo. Não existe troca afetiva, só interesse próprio”, explica.

Além disso, por serem extremamente egocêntricos, eles não compreendem nossos sentimentos. “Psicopatas são seres funcionais. Eles se adaptam à sociedade, mas não pertencem ao grupo”, afirma o especialista.

De fato, um estudo feito por cientistas da Universidade de Chicago mostrou que pacientes com traços de psicopatia tiveram dificuldade em decifrar expressões faciais ligadas à tristeza e ao medo. “A relação com eles é destrutiva e, em algum ponto, o choque dessa realidade é inevitável”, afirma Serafim.

Psicopatia x narcisismo

Igualmente considerado um transtorno de personalidade antissocial, o transtorno de personalidade narcisista tem algumas características em comum com a psicopatia, como a ausência de empatia.

Contudo, os narcisistas julgam-se superiores e especiais, exigindo de todos atenção e admiração. Como nem sempre recebem tudo aquilo que acham merecer, acabam frustrados e podem se tornar agressivos.

“Como as características que o tornam especial só existem na cabeça dele, o narcisista logo é 'desmascarado' e enxerga isso como perseguição, injustiça e má vontade das pessoas ao seu redor”, explica Souza.

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2019/09/05/voce-sabe-reconhecer-um-psicopata.htm

Como identificar um psicopata? – Fepo Psicólogos Online

Como identificar um psicopata

Hoje em dia, os filmes que retratam a psicopatiaestão cada vez mais em ascensão e esse destaque é importante por conta da discussão cada vez mais presente. Afinal, como identificar um psicopata?

É muito comum encaixar qualquer transtorno na psicopatia, pois esse distúrbio não é muito conversado e, consequentemente, não conhecido na sua integralidade. Colocar todos os transtornos ou distúrbios em uma caixinha só é complicado, até por interferir no tratamento. 

Hoje vamos conversar um pouco sobre a psicopatia e entender os seus sintomas e causas. Lembrando que esse texto não tem de forma alguma diagnosticar o leitor. Nossa intenção é informar a população e disseminar o conhecimento. 

Não tome as informações aqui discutidas como verdade absoluta, sendo somente base para suas dúvidas. Ao primeiro sinal de problema, procure um psicólogo, podendo atuar também de forma preventiva. 

O que é a psicopatia? 

Em resumo, o indivíduo que tem a psicopatia (psicopata) ele age sempre de forma irresponsável frente a sociedade e comete alguns crimes. Nesse caso, a vida não imita a realidade. 

Os psicopatas agem muito mais como algum político envolvido com corrupção ou chefes mais durões, pouco parecidos na prática como aqueles personagens de série, como Dexter ou Hannibal. 

Os psicopatas têm dificuldade para criar algum tipo de relação emocional ou social com as pessoas, mas a dificuldade parte do fato de que eles não querem, na verdade. A manipulação é uma característica forte na psicopatia, sendo que as emoções exprimidas são completamente não condizentes com a realidade deles. 

Muito confundida com os sociopatas, sendo que neste caso, as relações não são tão prejudicadas, na verdade são possíveis de serem estabelecidas, com uma certa dificuldade que é superável. Os crimes causados pelos sociopatas não são planejados, ocorrem por conta do seu comportamento impulsivo e raivoso. 

Quais os sintomas da psicopatia? 

Primeiramente, é importante ressaltar que somente os maiores de 18 anos podem ser diagnosticados na psicopatia, mas os sintomas começam a aparecer desde cedo. Vejamos os sintomas mais frequentes e recorrentes: 

– Muita dificuldade em seguir e respeitar as normas de algum lugar, e essa característica se torna muito aparente na contínua prática de crimes; 

– Os psicopatas têm práticas reiteradas relacionadas a mentira, sempre utilizam de artifícios para enganar ou tirar vantagem, proveito das situações. Inclusive, a mentira é tão natural que chegam a nem perceber as vezes que estão mentindo, então para ele quem vence é o melhor; 

– A comunicação em si é muito boa, consegue enganar com muita facilidade e se passa por outra pessoa sem nenhum problema. Porém, as relações não são nada proveitosas nem duradouras; 

– A autoestima e o ego são muito elevados, sempre se acham os melhores e não permitem um diálogo para discussão, mas já é o dono da razão. Sempre acha que os outros estão na mão dele e ele tem controle de toda a situação; 

– A adrenalina é a força motriz para esse indivíduo. Ficar parado ou sem fazer nada não preenche a vida dele, mesmo no trabalho, se ele ocupar um cargo em que as atividades sejam paradas ou monótonas, ele não vai ficar ali.

– As reações do psicopata são as mais impulsivas possíveis. Se ele se sentir ameaçado, a reação com certeza vai ser em dobro do que ele achou o “ataque”, porém, logo após vai fingir que nada aconteceu e seguir normalmente. Ele não consegue guardar ou cultivar nenhum tipo de rancor.

É possível mudar a mente de um psicopata?

– A culpa nunca é um problema para o psicopata. Onde esse indivíduo estiver, ele vai conseguir deixar alguém mal com suas atitudes, mas ele nunca vai se sentir culpado por isso, justamente porque ele não tem sentimentos ou nenhum tipo de emoção. O que ele tiver que fazer, ele vai fazer, independentemente de quem saia ferido;

– O psicopata não tem nenhum tipo de compromisso com as pessoas, sempre sendo uma pessoa instável e nada confiável. Quem sofre realmente é a família ou pessoas mais próximas que sempre vão acreditar na mudança e melhora. 

Como identificar um psicopata?

Claro, você deve procurar um profissional da área de Psicologia. O que podemos fazer hoje por você é expor alguns pontos que devem ser considerados e ditos na hora da sua consulta psicológica. 

1) O seu ego é tão inflado que chega a ser maior que o comum? 

2) Sua autoestima é de forma tão excessiva que chega a ser inflexível em relação a ouvir e entender o ponto de vista de outras pessoas? 

3) Você não consegue ficar parado, a monotonia sempre foi e é um problema para você? 

4) Você mente tanto que sempre precisa mentir para cobrir outra história, e você sente orgulho de enganar a todos com facilidade? 

5) Constantemente você manipula as pessoas? 

6) Em qualquer situação, você não sente nenhum tipo de remorso ou até mesmo culpa, se isentando de responsabilidades? 

7) Você não consegue nutrir nenhum tipo de sentimento, e sempre que tem que ser emotivo, essas emoções são superficiais? 

8) Você não apresenta uma sensibilidade ou empatia em relação as pessoas? 

9) Por mais que não fique parado, quando está fazendo algo, procura sempre o caminho mais rápido, mesmo que tenha que tirar proveito das pessoas? 

10) Suas atitudes são incontroláveis, sendo sempre uma dificuldade para você manter uma normalidade? 

11) Você mantém relações sexuais de forma promíscua? E as suas relações sempre foram curtas, nunca mantendo algo duradouro com ninguém? 

12) Na sua infância ou na fase da adolescência, você apresentou algum tipo de problema comportamental? 

13) Você não consegue manter e planejar um foco, objetivo a longo prazo? 

14) Suas reações e atitudes são sempre impulsivas? 

15) Ser responsável é (e sempre foi) uma dificuldade enorme para você, sendo sempre um obstáculo? 

16) Você não sente problema nenhum em ter que infringir alguma norma ou lei, mesmo que as consequências sejam a prisão? 

Claro que alguns sintomas podem ser encaixados em outros transtornos, por isso, sempre prefira ir a um profissional de Psicologia, para obter um diagnóstico certo e individual com as suas particularidades.

Esperamos ter ajudado e que você tenha gostado em como identificar um psicopata.

Источник: https://www.fepo.com.br/psicologia/como-identificar-um-psicopata/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: