Como medir a pressão arterial corretamente?

Como medir a pressão arterial corretamente? Veja o passo a passo

Como medir a pressão arterial corretamente?

Se você tem problemas com a hipotensão ou hipertensão arterial, precisa acompanhar diariamente a sua pressão. E, mesmo aqueles que não se enquadram nesse grupo, podem precisar usar o aparelho a qualquer momento devido a um mal-estar. Porém, como medir a pressão?

Há, basicamente, dois tipos de aparelhos com os quais você pode fazer isso: o esfigmomanômetro mecânico ou o esfigmomanômetro digital. Com o mecânico, você precisará da ajuda de outra pessoa para medir a pressão e se houver alguém em casa para isso, é a melhor opção. Caso não, o aparelho digital é uma excelente ferramenta.

Vejamos agora como aferir a pressão usando esses aparelhos. Segue abaixo um passo a passo e informações essenciais! Acompanhe!

Quais os pontos em comum?

Primeiramente, vamos tratar dos pontos necessários para utilizar tanto um quanto outro aparelho de medir pressão. A posição, por exemplo, deve ser sentada e o antebraço deve estar flexionado na altura do coração. De preferência, use sempre o lado esquerdo como primeira opção.

O melhor horário é pela manhã, ainda em jejum. Caso precise urinar, faça isso antes e não pegue peso ou se movimente muito. Se isso acontecer, o ideal é que haja um descanso de, pelo menos, 5 minutos antes da aferição. Cigarros e bebidas alcoólicas também não são permitidos nos 30 minutos anteriores.

No momento da medida, não cruze as pernas. Isso dificulta o retorno venoso, fazendo o coração ter que trabalhar mais e a pressão arterial subir. Conversar também não é aconselhável nesse momento.

Tanto no medidor digital quanto no mecânico, a braçadeira deverá ficar posicionada acima do cotovelo (de 2 a 3 cm acima), com pressão suficiente apenas para que não escorregue. Apertar demais pode interferir nas medidas finais.

Esfigmomanômetro mecânico

Após o paciente estar corretamente posicionado e a braçadeira colocada, devem ser realizados os seguintes passos:

  1. encontre a pulsação na região do cotovelo, que deve estar levemente flexionado com a palma da mão virada para cima — assim que sentir, coloque o estetoscópio em cima;

  2. a válvula do esfigmomanômetro deve estar fechada e o esteto já deve estar no ouvido de quem verificará a medida;

  3. encha a braçadeira até que o ponteiro chegue a 180 mmHg — nesse momento, abra a válvula lentamente;

  4. enquanto isso, preste atenção no som que chega ao estetoscópio e no ponteiro do medidor: a batida mais forte (normalmente a primeira) é a pressão máxima e a última batida é a mínima.

Depois que isso for feito, pode liberar a válvula e remover todo o ar da braçadeira. Retire-a da pessoa.

Medidor de pressão digital

Essa é uma forma muito prática de medir a pressão e você não precisará da ajuda de ninguém. A braçadeira deve ficar posicionada da mesma forma que descrevemos acima, assim como a sua posição. Após isso, basta ligar o botão (se vier em inglês, deve ter a palavra “start” próxima). O medidor começará a insuflar e, por si só, parará quando chegar o momento.

Automaticamente ele esvazia a braçadeira aos poucos e, ao final, o medidor dará o sinal sonoro, avisando que o processo foi concluído. Na tela você verá a pressão máxima e a mínima. Alguns também mostram outras medidas, como a frequência cardíaca.

Outras opções

Há outros aparelhos que podem medir a sua pressão, como o aparelho digital de pulso, que também oferece muita praticidade e conforto. Normalmente, ele vem com um velcro para se ajustar facilmente ao tamanho do seu pulso, sendo ideal para pessoas obesas quando a braçadeira do medidor tradicional não for suficiente, por exemplo.

Assim como no medidor digital descrito no tópico anterior, o aparelho de pulso é bastante intuitivo. Os botões de liga e desliga são fáceis de identificar e o visor também indica todos os dados.

Lembre-se também de calibrar, periodicamente, o seu aparelho para não obter valores errados. Você pode fazer isso em locais que vendem artefatos para a área de saúde, por exemplo.

Mas afinal, o que é a pressão alta?

Agora que você já aprendeu como medir a pressão, chegou a hora de saber como identificar quando os valores estão adequados, quando estão baixos e, principalmente, quando eles estão elevados, apresentando um quadro de hipertensão. Nos últimos anos, por exemplo, as recomendações americanas para pressão arterial foram atualizadas.

Valores abaixo de 120 por 80 são considerados normais, enquanto é considerada hipertensão quando estão acima 130 por 80. Nas diretrizes brasileiras, até 139 por 89 é um quadro de pré-hipertensão, enquanto a pressão alta só é considerada quando acima de 140 por 90. Logicamente, o médico avalia outros pontos para fechar o diagnóstico.

Quais os sintomas da pressão alta?

A maioria das pessoas já sabe que a hipertensão pode ser assintomática em alguns pacientes. No entanto, é comum que surjam alguns sinais, como a dor de cabeça e na região da nuca. Náuseas, dores do peito, enjoos, visão embaçada e dificuldades para respirar também podem surgir, mas demandam uma visita urgente ao médico.

Vale lembrar que aumentos da pressão arterial em algumas situações são normais e fisiológicas, especialmente quando a pessoa toma um susto, passa noites mal dormidas, em atividades físicas extenuantes ou após uma discussão. Isso não significa, necessariamente, que haja um problema de saúde.

Qual o tratamento para a pressão alta?

Uma vez que você foi ao médico e ele fechou o diagnóstico de pressão alta, é natural que ele recomende mudanças no estilo de vida e, provavelmente, inicie o tratamento medicamentoso. É muito importante que você o siga à risca, não esqueça dos horários e tampouco abandone os remédios quando houver um sinal de melhora.

A escolha dependerá de uma série de fatores, que podem incluir desde o nível do seu colesterol, até a sua etnia e seu histórico familiar, uma vez que cada princípio ativo reage melhor em um grupo de pessoas. Em geral, os anti-hipertensivos mais comuns são os betabloqueadores, os IECAS, os nitratos e outras classes semelhantes.

Qual a dieta alimentar para combater a pressão alta?

Como dissemos, é muito provável e adequado que o médico recomende algumas mudanças no estilo de vida para o paciente que apresentar um quadro de pressão alta. A prática desportiva é muito vantajosa, visto que, além de ajudar na perda de peso, contribui para que o organismo fique mais saudável como um todo.  

Cuidar da alimentação também é imprescindível e você precisa diminuir o consumo de sódio e sal, dando preferência para outros temperos naturais, tais como ervas aromáticas, alho, cebola, tomilho, louro, orégano, salsinha, limão e manjericão, por exemplo. Evitar cafeína, frituras e carnes vermelhas também é muito importante.

Lembre-se de que os alimentos industrializados podem conter grandes quantidades de sódio e gordura escondidos, sobretudo aqueles molhos prontos, embutidos, conservas, congelados e lanches rápidos. Priorize, portanto, a ingestão de frutas, legumes, verduras e cortes mais magros, como peixes e peito de frango.

Como você pode ver, a pressão alta é um problema comum, mas que pode ser facilmente controlado se você monitorar o quadro e seguir as recomendações do seu médico de confiança!

Agora que você já aprendeu como medir a pressão, adquira o seu aparelho de pressão e cuide melhor da sua saúde!

Источник: https://www.drogarialiviero.com.br/blog/medir-a-pressao/

Aferição da pressão arterial

Como medir a pressão arterial corretamente?

Um padrão universal primárionas abordagens assistenciais nos estabelecimentos de saúde é a verificação dossinais vitais, sendo a pressão arterial (PA) um parâmetro de grande relevância.

É definida como a força exercida pelo sangue na parede dos vasos e serve comoindicador bastante importante caso esteja aumentado ou diminuído em comparaçãoaos valores considerados normais e/ou aceitáveis.

Por exemplo, uma elevação brusca poderia indicar um quadro decrise hipertensiva, uma hipotensão poderia representar um choque hipovolêmicodentre diversos outros cenários possíveis. Ou seja, a obtenção correta dosvalores da pressão arterial é de extrema importância.

Durante a formação do médico, geralmente noinício da graduação, os futuros profissionais aprendem a obter o valor dapressão arterial e, aparentemente o que seria um procedimento relativamentesimples, acaba sendo, de certa forma, menosprezado.

Isso foi confirmado peloConselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP) em sua avaliaçãono ano de 2018 aos médicos recém-formados,que apontou que surpreendentes 69% de um total de 3174 participantes, nãosabiam as diretrizes para uma correta aferição da pressão arterial1.Não obstante, um ano antes, em 2017, a AmericanMedical Association (AMA) havia publicado um estudo que corroborava aconstatação do CREMESP, no qual reuniu 159 estudantes de medicina onde apenas 1deles executou corretamente todos os elementos em um teste de verificação dapressão arterial².

LEIA:Apenas 1 em cada 159 estudantes de medicina sabe aferir a pressão corretamente

Na sétima Diretriz Brasileira de HipertensãoArterial, elaborada pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), encontramosas recomendações para que se realize uma correta aferição da pressão arterial.

Podemos distingui-la em dois momentos, sendo o primeiro de preparo do paciente e o segundo de realização da medição, tendo em cada um deles diferentes etapas aserem seguidas conforme transcritas abaixo:

Preparo do paciente:

  1. Explicar o procedimento ao paciente e deixá-lo em repouso de 3 a 5minutos em ambiente calmo. Deve ser instruído a não conversar durante amedição. Possíveis dúvidas devem ser esclarecidas antes ou depois do procedimento.
  2. Certificar-se de que o paciente não está com a bexiga cheia, praticouexercícios físicos há pelo menos 60 minutos, ingeriu bebidas alcoólicas, café, alimentosou se fumou nos 30 minutos anteriores.
  3. O paciente deve estar sentado, com pernas descruzadas, pés apoiados nochão, dorso recostado na cadeira e relaxado. O braço deve estar na altura docoração, apoiado, com a palma da mão voltada para cima e as roupas não devemgarrotear o membro.
  4. Medir a PA na posição de pé, após 3 minutos, nos diabéticos, idosos e emoutras situações em que a hipotensão ortostática possa ser frequente oususpeitada.

Etapas para a realização da medição

  1. Determinar a circunferência do braço no ponto médio entre acrômio eolécrano;
  2. Selecionar o manguito de tamanho adequado ao braço (vide quadro maisabaixo);
  3. Colocar o manguito, sem deixar folgas, 2 a 3 cm acima da fossa cubital;
  4. Centralizar o meio da parte compressiva do manguito sobre a artériabraquial;
  5. Estimar o nível da pressão arterial sistólica (PAS) pela palpação dopulso radial*;
  6. Palpar a artéria braquial na fossa cubital e colocar a campânula ou odiafragma do estetoscópio sem compressão excessiva*;
  7. Inflar rapidamente até ultrapassar 20 a 30 mmHg o nível estimado da PASobtido pela palpação*;
  8. Proceder à deflação lentamente (velocidade de 2 mmHg por segundo)*;
  9. Determinar a PAS pela ausculta do primeiro som (fase I de Korotkoff) e,após, aumentar ligeiramente a velocidade de deflação*;
  10. Determinar a pressão arterial diastólica (PAD) no desaparecimento dos sons (fase V de Korotkoff)*;
  11. Auscultar cerca de 20a 30 mmHg abaixo do último som para confirmar seu desaparecimento e depoisproceder à deflação rápida e completa*;
  12. Se os batimentospersistirem até o nível zero, determinar a PAD no abafamento dos sons (fase IVde Korotkoff) e anotar valores da PAS/PAD/zero*;
  13. Realizar pelo menosduas medições, com intervalo em torno de um minuto. Medições adicionais deverãoser realizadas se as duas primeiras forem muito diferentes. Caso julgueadequado, considere a média das medidas;
  14. Medir a pressão emambos os braços na primeira consulta e usar o valor do braço onde foi obtida amaior pressão como referência;
  15. Informar o valor dePA obtido para o paciente;
  16. Anotar os valoresexatos sem “arredondamentos” e o braço em que a PA foi medida.

* Itens realizados exclusivamente na técnicaauscultatória. Reforça-se a necessidade do uso de equipamento validado e periodicamentecalibrado.

A diretriz pondera ainda algumas observaçõespertinentes a grupos especiais como crianças, idosos, gestantes e obesos:

  • Crianças: é recomendada a verificação da pressão arterial comoparte do atendimento pediátrico primário em toda avaliação clínica após os trêsanos de idade, pelo menos anualmente, devendo respeitar as padronizaçõesestabelecidas para os adultos, porém a interpretação dos valores obtidos devem consideraridade, sexo e altura, conforme tabelas específicas;
  • Idosos: alterações próprias do envelhecimento, como odesaparecimento dos sons durante a deflação do manguito, resultam em valoresfalsamente baixos para a PAS ou falsamente altos para a PAD, provocando umavariação da PA neste grupo, sendo a Monitorização Ambulatorial da PressãoArterial (MAPA) uma ferramenta muito útil em uma análise ao longo de 24 horas;
  • Gestantes: segue a mesma metodologia recomendada para adultos,reforçando que ela também pode ser medida no braço esquerdo na posição dedecúbito lateral esquerdo em repouso, não devendo diferir da obtida na posiçãosentada e considerar o quinto ruído de Korotkoff para a PAD;
  • Obesos: para não haver superestimação da PA nesse grupo, seorienta utilizar manguitos mais longos e largos e, em braços com circunferênciasuperior a 50 cm, onde não há manguito disponível, pode-se fazer a medição noantebraço com ausculta do pulso radial.

Mediante essas observações, percebemos que há umequipamento apropriado para cada paciente dependendo do grupo que estejainserido (etapa 2 da realização da medição). O quadro abaixo destaca melhoresses detalhes:

Dimensões do manguito de acordo com a circunferência do membro.

Fonte: (Sociedade Brasileira de Cardiologia – SBC, 2016)

Evidentemente que as recomendações citadas atéaqui referem-se ao procedimento de rotina, no consultório, mas existem tambémprotocolos específicos para a aferição da pressão arterial fora do consultóriocomo a Medição Residencial da Pressão Arterial (MRPA) e o MAPA que não vou meaprofundar, porém recomendo fortemente a consulta à diretriz da SBC³ para mais detalhes.

É praxe que os pacientes/clientes passem pela triagem antes de serem atendidos no consultório e sua pressão arterial já tenha sido aferida por outro profissional, entretanto, o médico não pode ser omisso e desprezar esse procedimento, pois muitas vezes faz-se necessária sua comprovação, comparação ou até mesmo a própria obtenção, uma vez que nem sempre contará com o auxílio de outro profissional. Ressalto que, mais que aferir respeitando a diretriz da SBC, o importante é não chegar a valores que não correspondam a real condição do paciente, que podem induzir, inclusive, ao erro de conduta.

Quer saber mais sobre as bases do ensino médico? Confira nosso Manual de Semiologia Médica!

Confira o vídeo:

Источник: https://www.sanarmed.com/afericao-da-pressao-arterial-voce-esta-fazendo-isso-certo-colunistas

Pressão arterial: o que é e como medir corretamente

Como medir a pressão arterial corretamente?

A pressão arterial é o valor que representa a força que o sangue faz contra os vasos sanguíneos à medida que é bombeado pelo coração e circula pelo corpo.

A pressão considerada normal é aquela que está perto dos 120×80 mmHg e, por isso, sempre que está acima desse valor é considerado que a pessoa está hipertensa e, quando está abaixo, a pessoa está com hipotensão. Em qualquer um dos casos, a pressão deve ser corretamente regulada, para garantir o bom funcionamento de todo o sistema cardiovascular.

Para medir a pressão arterial podem ser utilizadas técnicas manuais, como o esfigmomanômetro, ou aparelhos digitais, que são vendidos em farmácias e algumas lojas de produtos médicos e que são fáceis de utilizar em casa. Assista nesse vídeo os passos necessários para medir a pressão corretamente:

A pressão arterial não deve ser medida com os dedos ou relógio de pulso, pois esse método só ajuda a medir a frequência cardíaca, que é o número de batimentos do coração por minuto. Veja também como avaliar a frequência cardíaca corretamente.

Quando medir a pressão arterial

A pressão arterial deve ser medida idealmente:

  • No período da manhã e antes de tomar qualquer remédio;
  • Depois de urinar e de descansar por, pelo menos, 5 minutos;
  • Sentado e com o braço relaxado.

Além disso, é muito importante não tomar café, bebidas alcoólicas ou fumar 30 minutos antes, assim como, manter a respiração normal, não cruzar as pernas e evitar falar durante a medição.

A braçadeira também deve estar adequada ao braço, não sendo muito larga ou apertada. No caso de pessoas obesas, a alternativa para a aferição da pressão pode ser por meio da colocação da braçadeira no antebraço.

Alguns aparelhos também conseguem aferir a pressão arterial nos dedos, no entanto não são confiáveis e, por isso, não devem ser utilizados em situações mais sensíveis, pois a pressão arterial nas extremidades é diferente da pressão no resto do corpo.

Além disso, a medição da pressão arterial na coxa ou na panturrilha só é recomendada quando a pessoa possui alguma contraindicação para fazer a medição nos membros superiores, como ter algum tipo de cateter ou ter feito cirurgia de remoção de gânglios linfáticos.

1. Com o aparelho digital

Para medir a pressão arterial com o aparelho digital, deve-se colocar a braçadeira do aparelho 2 a 3 cm acima da dobra do braço, apertando-a, de forma que o fio da braçadeira fique por cima do braço, como mostra a imagem. Depois com o cotovelo apoiado na mesa e a palma da mão virada para cima, ligar o aparelho e esperar até que ele faça a leitura da pressão arterial.

Existem aparelhos digitais com uma bomba, por isso, nestes casos, para encher a braçadeira, deve-se apertar a bomba até os 180 mmHg, esperando depois que o aparelho faça a leitura da pressão arterial. Se o braço for muito grosso ou muito fino, poderá ser necessário utilizar uma braçadeira maior ou menor.

2. Com o esfigmomanômetro

Para medir a pressão arterial manualmente com esfigmomanômetro e estetoscópio deve-se:

  1. Procurar sentir o pulso na dobra do braço esquerdo, colocando a cabeça do estetoscópio nesse local;
  2. Colocar a braçadeira do aparelho 2 a 3 cm acima da dobra do mesmo braço, apertando-a, de forma que o fio da braçadeira fique por cima do braço;
  3. Fechar a válvula da bomba e com o estetoscópio nos ouvidos, encher a braçadeira até aos 180 mmHg ou até deixar de ouvir sons no estetoscópio;
  4. Abrir a válvula lentamente, ao mesmo tempo que se olha para o manômetro. No momento em que se ouve o primeiro som, deve-se registar a pressão indicada no manômetro, pois é o primeiro valor da pressão arterial;
  5. Continuar a esvaziar a braçadeira até se deixar de ouvir som. No momento em que se deixa de ouvir sons, deve-se registar a pressão indicada no manômetro, pois é o segundo valor da pressão arterial;
  6. Juntar o primeiro valor com o segundo para obter a pressão arterial. Por exemplo, quando o primeiro valor é 130 mmHg e o segundo é 70 mmHg, a pressão arterial é de 13 x 7.

Medir a pressão arterial com esfigmomanômetro não é simples e pode resultar em valores errados. Por esse motivo, muitas vezes, este tipo de medição é feita apenas por profissionais de saúde, como enfermeiros, médicos ou farmacêuticos.

3. Com aparelho de pulso

Para medir a pressão arterial sozinho pelo pulso deve-se colocar o aparelho no pulso esquerdo com o monitor virado para dentro, como mostra a imagem, apoiando o cotovelo na mesa, com a palma da mão voltada para cima e esperando que o aparelho faça a leitura da pressão arterial. É importante que o punho seja posicionado na altura do coração para que o resultado seja mais confiável.

Este aparelho não deve ser usado em todos os casos, como no caso de aterosclerose. Desta forma, antes de comprar um aparelho deve aconselhar-se junto de um farmacêutico ou enfermeiro. 

Quando se deve avaliar a pressão

A pressão deve ser medida:

  • Em pessoas com hipertensão pelo menos uma vez por semana;
  • Em pessoas saudáveis, uma vez por ano, pois a pressão alta nem sempre gera sintomas;
  • Quando existem sintomas como tonturas, dor de cabeça ou visão, por exemplo.

Em alguns casos, o enfermeiro ou médico pode indicar uma medicação mais regular, sendo importante que a pessoa registre os valores obtidos para que o profissional de saúde consiga comparar.

Onde se deve medir a pressão

A pressão arterial pode ser medida em casa, em farmácias ou no pronto-socorro, sendo que, em casa, deve-se optar por medir a pressão arterial com um aparelho digital em vez de medir manualmente, por ser mais fácil e rápido.

Источник: https://www.tuasaude.com/como-medir-a-pressao/

Como usar o aparelho de pressão digital corretamente?

Como medir a pressão arterial corretamente?

Como usar o aparelho de pressão digital corretamente? Esta é uma dúvida comum para muitas pessoas que fazem uso deste tipo de aparelho corriqueiramente.

Se você precisa monitorar a sua pressão arterial diariamente, já deve ter percebido que em algumas situações ela pode variar bastante.

Para quem tem problemas cardíacos, o menor esforço já pode alterar a pressão arterial e provocar falsos diagnósticos e tratamentos errados para o real problema.

Por isso, monitorar a pressão arterial com aparelhos digitais é indispensável para quem quer resultados mais precisos. 

Confira o nosso artigo e saiba como medir a sua pressão arterial com aparelho digital corretamente!

O que é o aparelho de pressão digital?

O aparelho de pressão digital nada mais é que uma pulseira com um sistema que permite a leitura da pressão arterial por sensores.

A pulseira é composta por uma pulseira inflável e um sistema automático, que enche a pulseira de ar e esvazia, o suficiente para concluir a leitura.

Existem ainda os aparelhos que possuem uma pequena bomba de ar para insuflar a pulseira até o ponto certo para a leitura da pressão arterial.

Em ambos os modelos, a medição é feita no pulso do paciente, diferentemente do esfigmomanômetro analógico, em que a braçadeira precisa estar um pouco acima dos cotovelos.

Os sensores contidos no aparelho farão a leitura da pressão sanguínea máxima e mínima, que aparecerá na tela do sensor. Alguns aparelhos ainda entregam os resultados da frequência cardíaca junto com o resultado.

Os aparelhos automáticos se esvaziam logo após a leitura da pressão arterial. Já os aparelhos manuais precisarão ser esvaziados após o uso.

O aparelho de pressão digital é uma pulseira com um sistema que permite a leitura da pressão arterial por sensores.

Como o aparelho de pressão digital funciona?

O aparelho de pressão funciona, basicamente, interrompendo o fluxo sanguíneo para que seja possível a leitura da pressão diastólica e sistólica do paciente.

Na leitura analógica, feita com esfigmomanômetro e estetoscópio, a leitura é feita através do som. A braçadeira interrompe o fluxo e é chegada a hora de colocar a audição em ação.

À medida que a pressão na braçadeira é liberada, o sangue começa a fluir novamente e o médico pode ouvir o fluxo no estetoscópio. 

O número no qual o sangue começa a fluir (normalmente em 120 mm Hg) é a medida da pressão máxima de saída do coração (leitura sistólica). O médico continua liberando a pressão no manguito e escuta até que não haja som. 

Esse número (normalmente em 80 mm Hg) indica a pressão no sistema quando o coração está relaxado (leitura diastólica).

Já nos leitores digitais, a leitura é feita através de um sensor. A primeira leitura é realizada assim que o fluxo sanguíneo começa a circular novamente.

O segundo valor é medido quando o sensor para de “sentir” esse fluxo, obtendo assim a pressão diastólica e sistólica do paciente.

Como usar o aparelho de pressão digital corretamente para aferir a pressão?

Os aparelhos digitais automáticos precisam de pouco para se obter uma leitura correta. Basta encaixá-lo no pulso ou braço, diretamente sobre a pele, e apertar o botão “start” para começar a leitura.

O apareço irá insuflar sozinho, realizar a leitura e se esvaziar, deixando os resultados exibidos na tela do aparelho.

Como usar o aparelho de pressão manual para aferir a pressão?

Já para verificar a pressão arterial sem o auxílio de um aparelho digital automático, uma pessoa precisará de vários itens médicos. Esses são:

  • Um estetoscópio;
  • Um manguito de pressão arterial com um balão que pode ser espremido;
  • Um monitor aneroide, que possui um mostrador numerado para ler as medições.

Para verificar a pressão sanguínea manualmente, sente-se em uma posição relaxada com o braço em repouso sobre uma mesa. Prenda o manguito no bíceps e aperte o balão para aumentar a pressão.

Observe o monitor aneroide e aumente a pressão para cerca de 30 mm Hg acima da pressão arterial normal ou para 180 mm Hg, se isso não for conhecido. 

Quando o manguito estiver inflado, coloque o estetoscópio logo abaixo da dobra do cotovelo embaixo do manguito.

Esvazie lentamente o balão e ouça através do estetoscópio. Quando as primeiras batidas forem atingidas, anote o número no monitor aneroide. Essa é a pressão sistólica.

Continue ouvindo até que o som constante do batimento cardíaco pare e grave o número no monitor aneroide. Esta é a pressão diastólica. Esses dois números são a leitura da pressão arterial.

Cuidados ao verificar a pressão arterial em casa

Ao verificar a pressão arterial em casa, é importante lembrar:

  • As braçadeiras manuais são fornecidos em tamanhos diferentes, dependendo do tamanho do braço. Usar o tamanho certo garante a leitura mais precisa;
  • O manguito deve sempre estar colocado sobre a pele nua, nunca sobre blusas ou segunda pele;
  • Respire fundo algumas vezes e relaxe por até 5 minutos antes de medir a pressão arterial;
  • Evite falar durante o teste;
  • Coloque os pés no chão e sente-se direito enquanto mede a pressão arterial;
  • Evite verificar a pressão arterial em uma sala fria;
  • Apoie o braço o mais próximo possível do nível do coração;
  • Meça a pressão sanguínea em alguns momentos diferentes durante o dia;
  • Evite fumar, beber e exercitar-se por 30 minutos antes de medir a pressão arterial;
  • Esvazie a bexiga antes de fazer um teste de pressão arterial. Uma bexiga cheia pode fornecer uma leitura incorreta da pressão arterial.

Conheça os números do aparelho de pressão digital

Você sempre se pergunta o que significam os seus números de pressão arterial? Os médicos chamam sistólica (o número superior) e diastólica (o número inferior) pressão arterial.

Quando o coração bate, ele aperta e empurra o sangue através das artérias para o resto do corpo. 

Essa força cria pressão sobre os vasos sanguíneos, e essa é a sua pressão arterial sistólica.

  • Uma pressão sistólica normal é inferior a 120;
  • Uma leitura de 120-129 é elevada;
  • 130-139 é o estágio 1  da pressão alta (também chamada de hipertensão);
  • 140 ou mais é hipertensão estágio 2;
  • 180 ou mais é uma crise hipertensiva.

A leitura diastólica, ou o número inferior, é a pressão nas artérias quando o coração descansa entre os batimentos. 

Este é o momento em que o coração se enche de sangue e recebe oxigênio.

Uma pressão arterial diastólica normal é menor que 80. Mas, mesmo que seu número diastólico seja menor que 80, você pode ter pressão arterial elevada se a leitura sistólica for 120-129.

No monitor do aparelho de pressão digital é comum encontrar as indicações SIS, DIA e PUL. 

O SIS indica a pressão sistólica (menor valor), o DIA indica a pressão diastólica (maior valor) e a indicação PUL indica a pulsação do paciente.

O SIS indica a pressão sistólica, o DIA indica a pressão diastólica e a indicação PUL indica a pulsação do paciente.

Qual o melhor: aparelho de pressão digital ou analógico?

A verdade é que não existe melhor ou pior entre os aparelhos de pressão digital e analógico.

A única diferença entre eles, está na facilidade de leitura. Os aparelhos digitais oferecem números mais exatos, o que pode ser perdido facilmente na leitura analógica.

Para os profissionais de saúde que precisam de mais agilidade, os aparelhos digitais com bomba manual pode ser considerado “melhor” pela praticidade.

Já os aparelhos de pressão para uso doméstico os automáticos são os “melhores”, já que eles garantem a leitura correta, até para quem nunca aferiu pressão arterial antes.

Em ambos os casos, é necessário seguir as regras básicas para aferir a pressão.

Como calibrar o aparelho de pressão digital?

Por ser mais sensível que os outros aparelhos de pressão, os aparelhos de pressão digitais precisam ser calibrados pelo menos uma vez por mês ou logo após acidentes, como quedas.

Para calibrar o seu aparelho de pressão digital, você deve procurar por profissionais qualificados. Caso contrário, comprometerá todas as próximas leituras de pressão arterial.

A calibragem é feita por meio do monitoramento dos parâmetros, utilizando equipamentos de rastreio aprovados pelo INMETRO.

Clique aqui para saber mais sobre como calibrar o seu aparelho de pressão digital corretamente para obter leituras sempre precisas.

Conclusão

Para quem precisa monitorar a pressão arterial constantemente, ter um aparelho de pressão digital pode ser a solução.

Com um painel que permite uma leitura mais fácil e opções automáticas no mercado, o aparelho de pressão digital pode garantir uma leitura mais precisa, até mesmo para quem não é da área da saúde.

No entanto, como todo aparelho de pressão, o aparelho de pressão digital também possui algumas orientações de uso que devem ser seguidas, para evitar falsos diagnósticos.

  • Aferir a pressão após repouso mínimo;
  • Não utilizar o aparelho por cima da roupa, e;
  • Não manusear o aparelho com o braço de aferição.

Esses são exemplos de alguns cuidados para usar o aparelho de pressão digital corretamente.

Também é importante ficar de olho na rotina de manutenção recomendada pelo fabricante, para que a leitura seja sempre precisa.

Fale com os nossos consultores e saiba mais sobre a rotina de manutenção, calibragem e quais os melhores aparelhos disponíveis no mercado.

Conte com a Mobiloc e tenha os melhores aparelhos de pressão digital do mercado!

Источник: https://www.mobiloc.com.br/blog/aparelho-de-pressao-digital/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: