Como tomar suplementos de ferro para anemia

Anemia não é só deficiência de ferro | Alimente-se com Ciência

Como tomar suplementos de ferro para anemia

A anemia é definida como a redução, abaixo dos valores de referência, na concentração de hemoglobina, a proteína que transporta o oxigênio pelo sangue. Esse fenômeno pode estar associado ou não à diminuição no número de hemácias (as células vermelhas) circulantes.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, os limites mínimos de hemoglobina para pessoas que vivem ao nível do mar são 13 gramas por decilitro (g/dL) para homens adultos, 11 g/dL para mulheres e 12 g/dL para gestantes.

A anemia, na verdade, é uma síndrome, que pode acompanhar várias doenças.

O processo de oxigenação depende da hemoglobina, que fica na hemácia, além da respiração e da circulação em si, podendo haver algum tipo de compensação entre esses componentes em situações de um problema mais discreto.

O fato é que uma quantidade de hemoglobina abaixo do normal reduz a capacidade de o sangue carrear oxigênio, o que ativa uma série de mecanismos de correção.

As manifestações da anemia refletem justamente esses ajustes do organismo, assim como os efeitos da falta de oxigênio às células. Falamos de taquicardia (aceleramento dos batimentos do coração), hiperpneia (respiração curta e rápida), aceleração do fluxo sanguíneo…

A quantidade de oxigênio liberada em um tecido por um determinado volume de sangue depende da concentração de hemoglobina, do grau de saturação de oxigênio da hemoglobina, da afinidade da molécula da hemoglobina pelo oxigênio e da tensão de oxigênio no tecido. E o número de hemácias presentes na circulação decorre de um equilíbrio dinâmico entre a produção, distribuição na circulação e sua remoção mais tarde.

Assim, a anemia pode ser decorrente de alterações na produção de hemácias, da destruição precoce dessas células, de perda de sangue ou de um misto desses fatores.

Dentre as anemias relacionadas a problemas de produção, merecem destaque as anemias nutricionais, sobretudo as causadas por deficiência de ferro e aquelas provocadas pela falta de vitamina B12 e (ou) ácido fólico. Elas são conhecidas, respectivamente, por anemia ferropriva e anemia megaloblástica.

A deficiência de ferro

O ferro é um mineral vital para quase todos os organismos. É essencial, entre outras coisas, à produção das células do sangue e pelo transporte do oxigênio.

Continua após a publicidade

O corpo de um ser humano possui entre 3 e 4 gramas de ferro. Destes, cerca de 2 gramas estão no sangue, justamente nas moléculas de hemoglobina. A deficiência de ferro pode ocorrer como resultado de uma ingestão inadequada do nutriente, má absorção, perda crônica ou aumento da demanda pelo organismo.

De fato, há um aumento na necessidade de ferro durante alguns períodos da vida: na fase da amamentação, na adolescência, na gravidez, na menstruação…

Diante da suspeita de um quadro de anemia, a investigação se inicia com exames clínicos e laboratoriais. É por meio deles que se apura a concentração de hemoglobina e a situação das hemácias. Outros testes verificam como andam os compartimentos de ferro no corpo (seu estoque, transporte, função…).

As principais fontes de ferro na dieta vêm de alimentos de origem animal, tais como a carne bovina e os ovos. Mas o elemento também é encontrado em vegetais, com destaque para as folhas verde-escuras (agrião, espinafre…), brócolis, ervilhas, feijões e certas sementes, como gergelim e girassol.

A deficiência de vitamina B12 e ácido fólico

A anemia também pode estar associada à carência de duas vitaminas: a B12 e o ácido fólico (ou folato). A deficiência de tais nutrientes é capaz de acarretar uma síntese inadequada do DNA, prejudicando o processo de multiplicação das células, a divisão celular.

Para suprir os níveis dessa vitamina, os seres humanos dependem da dieta. As principais fontes são produtos de origem animal, como carnes, peixes, lácteos e ovos. A B12 é estável e resiste ao processo de cozimento em altas temperaturas. Mas pode ficar inativa em contato com a vitamina C e destruída em meios bastante alcalinos.

Já o folato é encontrado praticamente em todos os tipos de alimentos: hortaliças, lácteos, aves, carne bovina, frutos-do-mar, frutas, grãos, cereais e oleaginosas (noz, avelã…).

No entanto, aparece em alta concentração mesmo em espinafre, lima, fígado, feijão, brócolis, amendoim e couve-de-bruxelas.

O déficit da vitamina está relacionado geralmente a uma dieta pobre e pouco diversificada — idosos e alcoólatras, por exemplo, estão mais sujeitos.

A exemplo da anemia por ferro, a condição causada pela falta de B12 ou folato é diagnosticada por meio de uma avaliação clínica do paciente e confirmada por testes laboratoriais, como exame de sangue e dosagem das respectivas vitaminas.

* Ricardo Fock é farmacêutico, professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP), diretor do Laboratório de Análises Clínicas do Hospital Universitário da USP e membro da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição (SBAN)

Continua após a publicidade

Источник: https://saude.abril.com.br/blog/alimente-se-com-ciencia/anemia-nao-e-so-deficiencia-de-ferro/

Quem deve tomar um suplemento alimentar de ferro?

Como tomar suplementos de ferro para anemia
Rédaction Supersmart.

2020-10-21Comentários (0)

Teoricamente, o ferro necessário para a boa saúde do organismo é fornecido pela alimentação.

As miudezas, a carne vermelha, as aves, o peixe e os frutos do mar contêm quantidades variáveis mas suficientes de ferro (teoricamente) para assegurar o funcionamento correto do organismo.

Por seu lado, os legumes secos, os frutos secos, os legumes verdes e as nozes contêm também quantidades relevantes de ferro, mas este tipo de ferro é mais difícil de assimilar pelo organismo.

De facto, o ferro de origem animal é absorvido 5 vezes mais facilmente pelo organismo do que o ferro de origem vegetal! De notar também que a vitamina C propicia a absorção do ferro pelo corpo humano.

Contudo, por questões de ordem genética ou conjunturais, inúmeras pessoas sofrem de uma carência de ferro. Nos países desenvolvidos, são maioritariamente:

  • as crianças com menos de 4 anos;
  • os adolescentes;
  • as mulheres em idade fértil;
  • os desportistas de alto nível;
  • os veganos;
  • e as pessoas que sofrem de úlceras digestivas

… que são afetados pela anemia.

Os primeiros porque estão em plena fase de crescimento, elas devido às perdas menstruais (que podem ter um impacto considerável nos níveis de ferro no sangue) ou ainda porque o crescimento da placenta e do feto consome ferro, e os últimos em virtude dos esforços intensos que realizam.

Ora, a carência de ferro provoca inúmeros sintomas (1-2):

  • fadiga;
  • palidez;
  • palpitações;
  • diminuição dos desempenhos intelectuais;
  • enfraquecimento da função imunitária, etc.

Os suplementos alimentares de ferro – uma resposta performante

Para compensar estes efeitos, uma cura de suplementos alimentares de ferro proporciona uma resposta particularmente performante amplamente prescrita pelos médicos em inúmeras ocasiões da vida.

Por isso, é frequente propor-se uma cura com suplementos de ferro às grávidas e aos recém-nascidos.

Na sequência de vários estudos que tendem a demonstrar uma melhoria dos desempenhos nos desportistas de alta competição, os médicos que os acompanham prescrevem-lhes frequentemente a toma de um suplemento de ferro.

Por último, a toma de um suplemento é muitas vezes proposta às crianças e aos adolescentes para melhorar os respetivos desempenhos intelectuais.

Isto por uma razão simples. Os suplementos alimentares de ferro, por muito baixa que seja a sua dose no mínimo 2,1 mg de ferro por 100 g (como é o caso do nosso suplemento de ferro Iron Bisglycinate) contribuem, de facto para (3):

  • o metabolismo energético normal;
  • as funções intelectuais normais;
  • a síntese da hemoglobina e dos glóbulos vermelhos;
  • o transporte do oxigénio no corpo;
  • o funcionamento normal do sistema imunitário;
  • reduzir a fadiga;
  • o desenvolvimento intelectual normal das crianças;
  • a divisão celular.

Isto mesmo quando a anemia medida aquando da análise ao sangue é moderada. A toma de um suplemento de ferro permite, por conseguinte, resolver muitos problemas e propicia inúmeros benefícios.

Excesso de ferro – Atenção! Perigo

Embora a carência de ferro (a anemia) esteja na origem de inúmeras patologias e deva ser compensada com a toma de um suplemento adequado, o excesso de ferro no organismo pode também ser perigoso para a saúde.

Na verdade, o ferro acumula-se no organismo e pode, por conseguinte, provocar uma intoxicação moderada a grave, em função das quantidades absorvidas:

  • dores abdominais;
  • obstipação;
  • diarreias;
  • náuseas;
  • vómitos;
  • dores articulares, etc.

Por isso, é primordial não se basear exclusivamente nos sintomas da carência de ferro para tomar suplementos alimentares de ferro; estes sintomas são comuns a inúmeras outras carências!

A toma de um suplemento de ferro deve ser indicada na sequência de uma análise sanguínea que permita verificar a quantidade de ferro existente no sangue. Ou seja, é indispensável uma opinião médica para iniciar uma cura de ferro.

Se tem dificuldade em concentrar-se e sente uma fadiga crónica, considere também optar por suplementos alimentares de vitamina C (por exemplo, tomando Liposomal Vitamin C).

Seguindo a mesma ordem de ideias, pode igualmente optar por complexos multivitaminados (como Daily 1®), que podem conter vitamina C, mas também inúmeros outros nutrientes, como magnésio e selénio.

Источник: https://www.supersmart.com/pt/blog/reforco-organismo/quem-deve-tomar-um-suplemento-alimentar-ferro-s269

Suplemento de ferro manipulado nas farmácias de manipulação – Dúvidas

Como tomar suplementos de ferro para anemia

O ferro é um mineral essencial para a saúde, sendo o principal responsável pelo transporte do oxigênio por todo o corpo. Esse mineral também é importante para a síntese de DNA e para o metabolismo energético. Além disso, estudos indicam que o ferro ajuda na conversão de caroteno em vitamina A e na detoxificação de drogas no fígado.

Como é encontrado em todas as células, o ferro está presente em todos os tipos de alimento, mas as principais fontes são as carnes e vísceras, leguminosas, grãos, cereais e folhas. Além de ser obtido na alimentação, o ferro pode ser encontrado em formato de suplementos, feito nas farmácias de manipulação.

Mas de que forma esses suplementos funcionam no corpo? Quais as melhores opções? Para que serve? Tem algum efeito colateral? Neste post, vamos responder essas e outras dúvidas frequentes sobre o assunto. Confira.

Quais os tipos de suplementos?

O ferro na forma elementar, oxida facilmente e por isso é encontrado geralmente na forma de complexos como sulfato ferroso, gluconato ferroso ou hidróxido de ferro Além disso, alguns suplementos podem ainda ser encontrados englobados em lipossomas, uma espécie de cápsula formada por uma bicamada lipídica, que o impedem de reagir com outras substâncias.

Todos eles contêm o mesmo tipo de ferro, no entanto, podem apresentar uma biodisponibilidade diferente, o que significa que são absorvidos ou interagem com alimentos de forma diferente. Além disso, alguns complexos podem apresentar mais efeitos colaterais que outros, principalmente a nível gastrointestinal.

Os suplementos orais de ferro estão disponíveis em várias doses, em comprimidos ou em solução e dependendo da dose, pode ser necessário receita médica para os obter, no entanto deve-se sempre falar com o médico antes de decidir tomar um suplemento com ferro, de forma a escolher o mais adequado para cada situação.

O suplemento mais conhecido é o sulfato ferroso, que deve ser tomado em jejum, porque interage com alguns alimentos e pode provocar efeitos colaterais como náuseas e azia, mas existem outros que podem ser tomados juntos com as refeições, como é o caso do gluconato ferroso, em que o ferro está ligado a dois aminoácidos que o impedem de reagir com alimentos e outras substâncias, tornando-o mais biodisponível e com menos efeitos colaterais.

Existem ainda suplementos que contêm ferro associado a outras substâncias como ácido fólico e vitamina B12, que também são vitaminas muito importantes para combater a anemia.

Leia também: Cinco dicas de como encontrar uma farmacia de manipulação confiável

Como tomar e por quanto tempo?

A dose recomendada de suplementos de ferro e a duração do tratamento varia de acordo com a idade e a gravidade da anemia, mas normalmente a dosagem recomendada de ferro elementar é:

  • Adultos: 120 mg de ferro;
  • Crianças: 3 a 5 mg de ferro/kg/dia, não podendo ultrapassar 60 mg/dia;
  • Bebês de 6 meses a 1 ano: 1 mg de ferro/kg/dia;
  • Gestantes: 30-60 mg de ferro + 400 mcg de ácido fólico;
  • Mulheres que amamentam: 40 mg de ferro.

O ideal é que o suplemento de ferro seja tomado junto com uma fruta cítrica, como laranja, abacaxi ou tangerina, para potencializar a absorção do ferro.

Para curar a anemia ferropriva é necessários pelo menos 3 meses de suplementação de ferro, até que os estoques de ferro do organismo sejam repostos. Assim, é recomendado fazer um novo exame de sangue após 3 meses do início do tratamento.​

 O que a falta de ferro pode causar?

 A anemia ferropriva ou por deficiência de ferro é o tipo mais comum de manifestação de doença causada pela ausência de ferro no corpo.

Ela é causada quando o corpo não apresenta ferro suficiente para produzir a hemoglobina, resultando na diminuição dos glóbulos vermelhos.

Quando não há hemoglobina suficiente, o transporte de oxigênio e outros nutrientes para os tecidos do corpo é prejudicado.

As crianças são as mais sujeitas a sofrerem de anemia. Isso ocorre porque a maioria das crianças, principalmente as com menos de três anos de idade, não recebem ferro suficiente através da dieta.

Além disso, mulheres com períodos menstruais intensos também podem sofrer de deficiência de ferro, já que o nutriente pode ser perdido pelo sangue menstrual.

Mulheres grávidas também podem sofrer com esta anemia já que o volume de sangue aumenta muito durante a gravidez, o que aumenta também a necessidade de ferro.

Medicamentos mais usados para combater a anemia ferropriva

1. Combiron

O Combiron ou Combiron fólico é um medicamento comumente usado para tratar anemia causada por deficiência de ferro e também por deficiência de ácido fólico. Ele pode ser composto por ferrocarbonila, sais de glicinato férrico ou outros sais de ferro que servem para aumentar a produção de hemoglobina no organismo.

O seu principal efeito é proporcionar o aumento de ferro no organismo e normalizar também os níveis de ácido fólico. Um medicamento similar que pode ser receitado pelo médico é o Neutrofer.

 2. Noripurum

 O Noripurum ou Noripurum fólico é um dos remédios para anemia ferropriva e para deficiência em ácido fólico. O seu princípio ativo é a ferripolimaltose, que apresenta benefícios em relação aos suplementos de sulfato ferroso por apresentarem menos efeitos colaterais.

Pode ser prescrito em casos de anemia profunda, já que proporciona uma reposição rápida de ferro. O remédio apresenta ferro III, que é essencial para a formação da hemoglobina, facilitando então o transporte de oxigênio e nutrientes para as células. Pode ser usado durante a gravidez.

Outros remédios para anemia com ferripolimaltose que podem ser prescritos pelo médico incluem o Ultrafer e o Endofer.

3. Ferronil

O ferronil é um suplemento de sulfato ferroso usado no tratamento de diversos tipos de anemia resultantes de deficiências nutricionais. Um medicamento similar presente no mercado é o anemifer, também composto por sulfato ferroso.

Existem ainda outros destes remédios para anemia que são usados para tratar a deficiência em ferro, como o Hemototal, Fervit, Fetrival, Iberol e Vitafer.

Quais são os efeitos colaterais?

Os efeitos colaterais variam dependendo do tipo de complexo de ferro usado, sendo os mais comuns:

  • Azia e queimação no estômago;
  • Náuseas e vômitos;
  • Gosto metálico na boca;
  • Sensação de estômago cheio;
  • Fezes escurecidas;
  • Diarreia ou prisão de ventre.

As náuseas e desconforto gástrico podem aumentar com a dose do medicamento, e costumam ocorrer de 30 a 60 minutos depois da ingestão do suplemento, mas podem desaparecer após os 3 primeiros dias de tratamento.

Para diminuir a prisão de ventre causada pelo medicamento, deve-se aumentar o consumo de fibras presentes em frutas e verduras, fazer atividade física e, se possível, tomar o suplemento junto às refeições. Veja O que fazer para combater a prisão de ventre.

Já tem uma fórmula manipulada para seus suplementos de ferro? Faça uma cotação gratuita na Manipulaê! Em seguida, nossas farmácias de manipulação parceiras vão lhe enviar orçamentos direto para o seu e-mail. Assim, fica muito mais fácil de você comparar e comprar pelo melhor preço o produto manipulado!  http://bit.ly/cotar-produtos-manipulados

Leticia Saifert Picoli
23/04/2019

Источник: https://www.manipulae.com.br/artigos/suplemento-ferro-manipulado

Efeitos colaterais dos suplementos de ferro

Como tomar suplementos de ferro para anemia

Você conhece os principais efeitos colaterais dos suplementos de ferro? Eles são indicados para a prevenção e o tratamento da anemia por deficiência de ferro. Eles também são usados ​​em algumas situações em que o corpo exige maiores concentrações desse mineral, como durante a infância e a gestação.

No caso da anemia, o tratamento não se baseia apenas na ingestão de suplementos de ferro. Geralmente eles sãocombinados com uma dieta rica em ferro e, em alguns casos mais graves, pode ser necessária uma transfusão de sangue.

Tipos de suplementos de ferro

O ferro em sua forma elementar é um metal instável que enferruja facilmente. Por esse motivo, geralmente é encontrado na forma de complexos, como sulfato ferroso, fumarato ferroso e gluconato ferroso, que o tornam mais estável.

Todos os suplementos contêm o mesmo tipo de ferro; o que pode variar é como eles são absorvidos ou como interagem com os alimentos. Além disso, alguns suplementos de ferro podem ter mais efeitos colaterais do que outros, principalmente no sistema gastrointestinal.

Existem vários tipos de suplementos de ferro. A diferença está na maneira como eles são absorvidos e interagem com os alimentos.

O suplemento mais conhecido é o sulfato ferroso, que deve ser tomado com o estômago vazio. Isso pode causar efeitos colaterais como náuseas e azia.

No entanto, existem outros suplementos de ferro que podem ser tomados durante as refeições. Nesses, o ferro é preparado de forma a não interagir com alimentos e outras substâncias. Por esse motivo, ele é mais biodisponível e tem menos efeitos colaterais.

Também existem suplementos de ferro associados a outras substâncias, como ácido fólico e vitamina B12. Apesar de as doses serem de 325 mg para os três, o fumarato ferroso tem uma maior disponibilidade (33%).

Descubra: Tipos de dieta que podem ajudar a tratar a anemia

Como esses suplementos de ferro funcionam?

Nosso organismo só é capaz de absorver uma determinada quantidade de ferro instantaneamente. Portanto, é recomendável dividi-lo em várias doses diáriase não tomá-lo uma única vez. Desta forma, a sua assimilação também será mais fácil.

O ferro é melhor assimilado com o estômago vazio, por isso é aconselhável tomá-lo 1 hora antes das refeições. É muito importante que o ferro não interaja com outros medicamentos; portanto, ele deve ser tomado pelo menos 2 horas antes ou depois de tomar outro medicamento, especialmente se forem suplementos com cálcio, zinco ou ácido fólico.

Lembre-se de que os suplementos de ferro podem interagir com outros medicamentos. Portanto, eles não devem ser tomados em horários próximos.

Para uma maior absorção,tome o ferro junto com um copo de suco de laranja ou tomate, pois eles têm vitamina C e favorecem a sua assimilação. Embora existam várias causas de anemia, geralmente ela é o resultado de uma deficiência sustentada de ferro.

A prática generalizada para a prevenção ou tratamento da anemia nas mulheres é a administração diária de suplementos de ferro, embora às vezes eles sejam combinados com ácido fólico, outras vitaminas e minerais por três meses.

No entanto, a suplementação diária de ferro costuma ser associada a efeitos colaterais, como náuseas e prisão de ventre. Nesses casos, a administração uma, duas ou três vezes por semana foi proposta como uma opção eficaz e mais segura do que as doses diárias.

Possíveis efeitos colaterais dos suplementos de ferro

Os efeitos colaterais variam de acordo com o tipo de complexo de ferro usado, sendo os mais comuns:

  • Azia e queimação estomacal.
  • Náuseas e vômitos.
  • Sabor metálico na boca.
  • Sensação de estômago cheio.
  • Fezes escuras.
  • Diarreia ou prisão de ventre.

As náuseas e o desconforto gástrico podem aumentar com a dose dos complexos de ferro. Esses desconfortos geralmente aparecem de 30 a 60 minutos após a ingestão. No entanto, eles podem desaparecer após os primeiros 3 dias de tratamento.

Para reduzir a prisão de ventre causada pelo medicamento, é conveniente adotar hábitos saudáveis, como aumentar o consumo de fibras presentes nas frutas e vegetais e fazer atividade física regularmente.

Tente tomar o suplemento junto com as refeições sempre que isso for possível. Algumas versões também podem conter ácido fólico e vitamina B12, que também ajudam a combater a anemia.

Não deixe de ler: O que causa o sabor metálico na boca?

Conclusão sobre os efeitos colaterais dos suplementos de ferro

Recomenda-se tomar suplementos de ferro somente quando houver indicação médica. Embora a deficiência de ferro possa ser estabilizada em dois meses, o organismo leva entre 6 meses e um ano para se recuperar totalmente.

Pode interessar a você…

Источник: https://melhorcomsaude.com.br/efeitos-colaterais-dos-suplementos-de-ferro/

Anemia por Carência de Ferro (anemia ferropriva)

Como tomar suplementos de ferro para anemia

Existem três grupos de células circulando em nosso sangue: glóbulos vermelhos (hemácias), glóbulos brancos (leucócitos) e plaquetas.

Anemia é nome dado quando há diminuição do número de glóbulos vermelhos circulantes no sangue.

A anemia ferropriva, chamada em Portugal de anemia ferropénica, é a anemia provocada pela carência de ferro. Essa forma de anemia é a mais comum em todo mundo.

O ferro é um mineral essencial para a produção da hemoglobina, proteína dos glóbulos vermelhos responsável pelo transporte de oxigênio pelo nosso organismo. Quando há carência de ferro, a medula não consegue produzir hemácias em quantidades adequadas.

Vamos explicar essa relação com mais detalhes.

Relação entre ferro e anemia

Os glóbulos vermelhos, também chamados de hemácias ou eritrócitos, são as células do sangue responsáveis pelo transporte de oxigênio. São as hemácias que captam o oxigênio inspirado pelos pulmões e o leva até todas as células do nosso corpo.

Chamamos de anemia quando a concentração de hemácias do sangue está reduzida. Para um melhor entendimento do que é uma anemia, sugiro a leitura do nosso texto: ANEMIA – Sintomas e Causas.

O principal componente da hemácia é a hemoglobina, uma proteína que necessita de ferro para ser formada. Quando ocorre uma deficiência de ferro no organismo, há falta de matéria-prima para a formação da hemoglobina e, consequentemente, para a formação das hemácias. A incapacidade de produzir hemácias provoca a anemia.

Portanto, toda vez que os estoques de ferro do organismo estão baixos, nós desenvolvemos uma anemia ferropriva ou anemia por carência de ferro.

O corpo controla seus estoques de ferro de modo preciso, mantendo-o sempre estável. Quando estamos com o estoque completo, o intestino para de absorver o ferro dos alimentos, deixando-o ser excretado nas fezes. Se os níveis de ferro baixam, o intestino delgado volta a absorver o ferro dos alimentos, repondo nossos estoques.

O ferro absorvido no intestino é estocado no fígado, “empacotado” em uma proteína chamada ferritina. Quando temos níveis baixos de ferritina, significa que os nossos estoques de ferro estão baixos (leia: EXAMES DE SANGUE | VHS, PCR, LDH, Ferritina e CK).

Geralmente, da quantidade total de ferro existente no nosso corpo, metade fica dentro das hemácias e metade estocada em forma de ferritina.

Ainda há uma pequena fração ligada à transferrina, uma proteína que transporta o ferro dos estoques em direção à medula óssea, onde são produzidas as novas hemácias.

Geralmente, adultos saudáveis não precisam de muito ferro na dieta, pois o ferro já presente no organismo é constantemente reciclado.

Quando uma hemácia torna-se velha e é destruída (mais ou menos com 120 dias de vida), o seu ferro é captado pela transferrina e levado de volta à medula óssea, sendo reaproveitado na formação de uma nova hemácia.

Portanto, são precisos muitos anos com uma baixa absorção de ferro para que haja uma deficiência nos estoques corporais.

O grande risco de uma alimentação pobre em ferro se dá naqueles indivíduos que estão precisando de mais ferro do que o existente nos estoques.

Dois exemplos fáceis de se entender são as crianças e as grávidas. O primeiro grupo está constantemente em crescimento e, portanto, necessitando de quantidades cada vez maiores de ferro. As crianças de 6 meses a 3 anos são as mais propensas a desenvolverem carência de ferro, pois apresentam grande demanda e ainda não tiveram tempo para criarem seus estoques.

As grávidas geralmente apresentam bons estoques de ferro, todavia, passam a gastá-lo de forma rápida na formação de um novo ser. Nestes dois grupos, uma dieta rica em ferro é essencial para se manter os estoques em níveis adequados.

Dieta

Como já explicado, uma deficiência simples de ferro na dieta é atualmente uma causa rara de anemia ferropriva em adultos saudáveis. A dieta da maioria das pessoas contém quantidades suficientes de ferro para compensar as pequenas perdas que ocorrem ao longo do tempo.

A não ser em pessoas com desnutrição por falta de alimentação, não é preciso haver muita preocupação com a dieta, pois a maioria das carnes têm quantidades suficientes de ferro. Mesmo os vegetarianos são capazes de ingerir boas quantidade de ferro, já que alimentos como espinafre, ovos, creme de trigo, feijão e cereais contêm bastante ferro.

Má absorção

A deficiência de ferro e a anemia ferropriva podem surgir em pacientes com doenças do trato gastrointestinal que impeçam a absorção de ferro cronicamente, como nos casos de gastrite atrófica ou doença celíaca (leia: DOENÇA CELÍACA | Enteropatia por glúten). Esse pacientes podem ingerir até bastante ferro, mas não conseguem absorvê-lo, impedindo-os de repor seus estoques quando necessário.

Perdas de sangue

A principal causa de anemia ferropriva é perda de sangue. Quando perdemos sangue, perdemos junto o ferro que estava dentro das hemoglobinas, obrigando o organismo a lançar mão dos seus estoques na produção de novas hemácias.

Quando o sangramento é visível, como nos casos de vômitos com sangue, sangue nas fezes (leia: SANGUE NAS FEZES | Principais causas de hemorragia digestiva) ou traumatismos com sangramentos, por exemplo, a causa da anemia torna-se óbvia, pois há perdas agudas de grande volume de hemácias.

Nestes casos, até há uma grande perda de ferro, mas a causa da anemia é uma perda imediata de sangue, sem que haja tempo hábil para o organismo produzir mais hemácias. Mulheres com períodos menstruais muito fortes também podem desenvolver anemia ferropriva.

A anemia ferropriva é mais difícil de ser identificada quando há pequenos sangramentos, mas de forma constante. Esses quadros são comuns em úlceras de estômago, tumores do intestino e hemorroidas (leia: HEMORROIDAS | SINTOMAS E TRATAMENTO).

Muitas vezes o paciente nem sequer nota a presença de sangue nas fezes.

A quantidade de sangue perdida é pequena para causar uma anemia imediata, mas a longo prazo faz com que o organismo tenha que estar sempre usando seus estoques de ferro para compensar as hemácias perdidas nos sangramento.

Nestes casos, a quantidade de ferro na dieta pode ser menor do que a necessária para repor os estoques, fazendo com que o paciente esgote suas reservas e desenvolva anemia ferropriva ao longo do tempo.

Portanto, atualmente, qualquer anemia ferropriva, a não ser que haja uma causa óbvia, deve indicar a investigação de uma fonte de sangramento oculta.

Sintomas

Os sintomas da anemia ferropriva são os mesmos dos de qualquer anemia: cansaço, palidez da pele, falta de ar, intolerância ao exercício, taquicardia (coração acelerado).

Todavia, a anemia ferropriva pode causar alguns sintomas que não são comuns em outras anemias, como perversão do apetite (também chamado de pica), que é o desejo de comer não-alimentos, como gelo, terra, papel, concreto, etc.

A síndrome das pernas inquietas é também um achado comum. Um outro sinal típico da anemia ferropriva é a presença de uma urina muito avermelhada após a ingestão de beterraba.

Diagnóstico

O diagnóstico de anemia é feito através do hemograma, que é o exame de sangue que nos mostra os valores da hemoglobina e do hematócrito (percentual de hemácias no sangue).

Em geral, dizemos que há anemia quando o hemograma mostra:

  • Hematócrito menor que 41% nos homens ou 35% nas mulheres.
  • Hemoglobina menor que 13 g/dL nos homens ou 12 g/dL nas mulheres.

O hemograma estabelece o diagnóstico da anemia, mas não é capaz de nos dizer a sua causa. Os valores do VCM (volume corpuscular médio) e HCM (hemoglobina corpuscular média), que também são avaliados no hemograma, costumam estar reduzidos na anemia ferropriva, mas a confirmação da carência de ferro precisa ser feita com outras análises.

Explicamos os resultados do hemograma com mais detalhes no artigo: HEMOGRAMA | Entenda os seus resultados.

Avaliação dos estoques de ferro corporal

No seguimento da investigação da anemia devemos dosar a quantidade de ferro no sangue, a ferritina e a saturação de transferrina, que são exames que basicamente nos dizem como estão os estoques de ferro no organismo.

Estando estes valores baixos na presença de anemia, pode-se dizer que há uma anemia por carência de ferro.

Se não houver causas óbvias para a anemia ferropriva, tipo gravidez ou hemorragias visíveis, o indicado é investigar perdas sanguíneas ocultas do trato digestivo. Os dois exames mais utilizados para esse fim são a endoscopia digestiva e a colonoscopia.

Tratamento

O tratamento da anemia ferropriva é feito com reposição de ferro. Os comprimidos de sulfato ferroso geralmente têm até 6x mais ferro do que obtemos em uma dieta normal. Se a anemia ferropriva for causada por gravidez ou por um fluxo menstrual mais forte, geralmente a reposição de ferro é suficiente.

O ferro é melhor absorvido se tomado em jejum e junto com vitamina C ou suco de laranja. A reposição de ferro pode causar alguns efeitos colaterais, sendo os mais comuns, náuseas e azia. Fezes com uma coloração bem escura também são comuns, mas isso é só uma questão estética, sem maior relevância clínica.

Se a causa da anemia ferropriva não estiver clara, não se deve apenas repor ferro, é preciso também investigar a causa.

Prescrever ferro sem realizar uma investigação de sangramentos ocultos pode até corrigir temporariamente a anemia, mas não irá tratar a doença de base. Se a causa for um tumor do intestino, por exemplo, apenas repor ferro, sem ir à procura da origem da perda sanguínea, irá atrasar o diagnóstico, diminuindo as chances de tratamento curativo da lesão.

Alimentos ricos em ferro

Apesar da dieta ser importante, as pessoas com deficiência de ferro costumam precisar de mais ferro do que podem consumir através da sua alimentação.

Em uma dieta normal de 2000 calorias, existe, em média, cerca de 10 mg de ferro elementar. Já um único comprimido de sulfato ferroso 325 mg contém 65 mg de ferro elementar.

Portanto, o aumento do consumo de ferro na dieta não é normalmente recomendada como único tratamento para uma anemia por deficiência de ferro. Isso não significa, porém, que uma dieta rica em ferro não possa ajudar. Quanto mais ferro o paciente conseguir consumir em sua dieta, menor será a necessidade de repor ferro com suplementos.

Em geral, os alimentos mais ricos em ferro são:

  • Carne vermelha.
  • Gema de ovo.
  • Farinha de peixe (farinha de pescado).
  • Folhas verde escuras, como espinafre e couve.
  • Frutas secas, como ameixa e passas.
  • Cereais e grãos enriquecidos com ferro (verifique os rótulos).
  • Moluscos (ostras, mariscos e vieiras).
  • Miúdos de peru ou frango.
  • Feijão, lentilha, grão ervilhas e soja.
  • Fígado.
  • Alcachofras.

Referências

Источник: https://www.mdsaude.com/hematologia/anemia-ferropriva/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: