Diferenças entre antibiótico e anti-inflamatório

Tipos de remédio: saiba quais são as diferenças entre eles!

Diferenças entre antibiótico e anti-inflamatório

É bem comum que as pessoas não saibam as diferenças entre os tipos de remédio, pois alguns nomes são difíceis ou bastante parecidos. Sem falar nas dúvidas sobre medicamento genérico ou de referência. A confusão aumenta quando percebemos que muitos deles são utilizados para mais de uma finalidade ou, ainda, em conjunto.

Esse é o caso dos antibióticos, dos anti-inflamatórios e dos analgésicos. O ácido acetilsalicílico, por exemplo, apresenta estas duas últimas propriedades, além de ser um antitérmico.

Com o intuito de acabar de vez com essa dúvida, elaboramos este artigo para você! Continue conosco e entenda como se diferenciam os tipos de remédio!

Quais são as diferenças entre analgésico, antibiótico e anti-inflamatório?

Os remédios são auxiliadores no restabelecimento da saúde, porém, devem ser utilizados corretamente. Para isso, é importante saber as diferenças entre os principais tipos e em quais casos são usados. Resumimos de forma bem simples essas características. Veja só.

Antibióticos

Os antibióticos são medicamentos usados no tratamento de infecções causadas por bactérias, como pneumonia, infecção urinária, tuberculose, abcessos, intoxicação alimentar, entre muitas outras. Alguns matam diretamente as bactérias; outros impedem sua multiplicação, permitindo ao organismo dar conta de eliminá-las.

Entre os mais comuns estão amoxicilina, azitromicina, ampicilina e tetraciclina. Todos os antibióticos têm uso controlado e podem ser prescritos apenas pelos médicos. Vale lembrar que essa classe de remédio não tem eficácia em doenças ou infecções causadas por vírus.

Analgésicos

Analgésicos são os medicamentos que eliminam ou diminuem as dores. Circulando na corrente sanguínea, eles identificam o local onde estão sendo produzidas as prostaglandinas — substâncias sintetizadas pelas células lesionadas. Essa substância é a responsável por sinalizar a dor para o cérebro.

O princípio ativo do analgésico bloqueia os receptores sensoriais, fazendo com que o cérebro deixe de reconhecer o incômodo, seja uma dor de cabeça, seja uma dor nas costas.

Existem três tipos de analgésicos:

  • comuns — podem ser comercializados livremente sem receita, a exemplo da dipirona e do paracetamol;
  • anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) — sim, alguns anti-inflamatórios têm ação analgésica, por isso estão aqui. São frequentemente utilizados para aliviar as dores provocadas por inflamações, como diclofenaco, ibuprofeno e ácido acetilsalicílico;
  • opioides — são analgésicos sintéticos (como o tramadol) e a morfina (derivada do ópio). São indicados para tratar dor crônica ou severa (em casos de câncer ou após uma cirurgia) e precisam de prescrição médica.

Anti-inflamatórios

Por sua vez, os anti-inflamatórios são administrados para combater uma inflamação, que pode ser decorrente de uma lesão ou, também, da reação exagerada do sistema imunológico a alguma condição — isso é o que acontece nas doenças autoimunes e nas alergias.

Eles agem inibindo a produção das substâncias que desencadeiam a reação inflamatória. Há dois tipos de remédios anti-inflamatórios:

  • anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) — mais indicados para tratar dores leves a moderadas que são oriundas de inflamação, mas não regridem com a ação dos analgésicos. Nimesulida, diclofenaco, ibuprofeno e ácido acetilsalicílico são exemplos;
  • corticoides — são amplamente utilizados no tratamento de alergias, doenças autoimunes, doenças crônicas e para evitar a rejeição em caso de transplante de órgãos. Dexametasona, betametasona, triancinolona e prednisolona são exemplos.

Esses medicamentos podem ser administrados juntos?

Esses tipos de remédio podem ser administrados juntos, pois atuam no corpo de diferentes formas, fazendo frentes variadas ao combate do quadro clínico. Porém, por mais comum, simples e corriqueiro que seja o uso de um medicamento, é essencial consultar o médico de sua confiança para saber dos riscos de interação medicamentosa.

O paracetamol, por exemplo, pode causar graves danos ao fígado se combinado com um anti-inflamatório.

Quais são os riscos da automedicação?

Além da interação medicamentosa, a dosagem dos medicamentos, bem como o tempo de uso, conferem altos riscos à saúde. Doses elevadas de paracetamol danificam o fígado, enquanto o uso prolongado de anti-inflamatórios sobrecarrega os rins, por exemplo.

Por isso, a automedicação nunca é recomendada, mesmo que muitos desses tipos de remédio sejam comprados livremente nas farmácias. Sempre consulte o seu médico antes de tomar qualquer medicamento.

Nosso artigo foi informativo para você? Então, siga-nos nas redes sociais e acompanhe de perto as nossas publicações. Estamos no e no Instagram!

Conheça mais sobre o Prosaúde Integrado da Cemig e ganhe prêmios. É só acessar: Instituto Cemig Saúde.

Источник: https://vivamais.cemigsaude.org.br/tipos-de-remedio/

Tipos de analgésicos: reconheça as diferenças

Diferenças entre antibiótico e anti-inflamatório

Os medicamentos analgésicos são todos aqueles capazes de reduzir ou aliviar a dor. Estes fármacos organizam-se em 2 grupos: analgésicos opiáceos (associados à morfina) e analgésicos não opiáceos (classe composta por medicamentos que atuam contra a dor e/ou febre mas sem capacidade de combater a inflamação e medicamentos anti-inflamatórios não esteroides).

Analgésicos opiáceos

São medicamentos sujeitos a receita médica. Todos os analgésicos opiáceos estão quimicamente relacionados com a morfina (substância que deriva do ópio). Muito eficazes no controlo da dor, podem ser obtidos de forma natural ou sintetizados laboratorialmente.

A grande desvantagem do uso dos opiáceos reside no risco de dependência. Os efeitos secundários mais comuns são obstipação, sonolência, náuseas, estados de euforia/disforia (sensação de ansiedade e de desânimo), prurido, hipotensão e broncoconstrição.

O consumo excessivo de opiáceos poderá levar a uma depressão respiratória grave, que pode conduzir ao coma ou à morte.

A toma destes medicamentos envolve várias precauções. Estes medicamentos podem interagir com outros, o que pode comprometer o seu efeito e conduzir a reações indesejadas. Deverá ler sempre o folheto informativo do medicamento e, em caso de dúvida ou persistência dos sintomas, deve consultar o seu médico ou farmacêutico.

Analgésicos não opiáceos

O ácido acetilsalicílico, o paracetamol e o ibuprofeno, que integram o grupo de analgésicos não opiáceos, são, de acordo com a consultora norte-americana IMS Health, os medicamentos de venda livre mais consumidos em Portugal. Contudo, segundo o Infarmed, a partir de determinadas dosagens, os 2 últimos só deverão ser vendidos mediante a apresentação de receita médica.

Os analgésicos não opiáceos são eficazes ao nível da dor muscular, dor óssea, dor de dentes e dor de cabeça, mas nem todos combatem a inflamação, nomeadamente o paracetamol (analgésico e antipirético).

Analgésicos e antipiréticos

Usados em caso de febre e no alívio de dores, como dor de dentes, cefaleias ligeiras ou dores musculares. Um exemplo é o paracetamol, analgésico não opiáceo menos agressivo, estando nomeadamente recomendado a pessoas com doença gástrica. Pode atuar contra a febre mas não combate a inflamação. Em doses excessivas pode provocar danos hepáticos, pelo que a dose diária máxima é 4 gramas.

Anti-Inflamatórios Não Esteroides (AINEs)

Constituem uma das classes de medicamentos mais utilizadas em todo o mundo, sendo o principal tratamento para a dor leve a moderada. Atuam contra a dor, a febre e a inflamação, sendo a osteoartrose, a artrite reumatoide e a dismenorreia (dores menstruais) os principais motivos da sua utilização.

Incluem-se nesta classe de medicamentos o ácido acetilsalicílico (o anti-inflamatório não esteroide mais consumido mundialmente) e o ibuprofeno.

O ácido acetilsalicílico está indicado em casos de febre e síndromes dolorosos agudos (cefaleias, dores de dentes, dores artríticas e reumáticas, nevralgias, gripes e constipações). Combate a agregação de plaquetas sanguíneas que formam coágulos nas artérias, sendo por isso utilizado na prevenção secundária de acidentes trombóticos vasculares, como o Acidente Vascular Cerebral – AVC.

O ibuprofeno atua contra a febre, a dor e a inflamação e é usado em doenças do foro reumatológico, em dor pós traumática (como entorses e fraturas), dor resultante de uma cirurgia e dor ligeira a moderada.

A toma prolongada de anti-inflamatórios não esteroides provoca o aumento dos valores tensionais, pelo que, quando a toma excede os período indicado (entre 7 a 10 dias) a tensão arterial deve ser vigiada.

Estes medicamentos podem também agravar o quadro clínico de doentes renais, insuficientes cardíacos, diabéticos e doentes com cirrose hepática.

Dado que estes fármacos afetam os mecanismos de proteção natural da parede gástrica, a principal limitação são os seus efeitos gastrointestinais: náuseas, dor abdominal e úlceras gástricas.

Qual a Diferença entre Anti-inflamatórios e Antibióticos Medicamentos –

Diferenças entre antibiótico e anti-inflamatório

Muitas pessoas ainda confundem os medicamentos ANTI-INFLAMATÓRIOS com os ANTIBIÓTICOS. Pode ser por terem nomes com o mesmo prefixo (anti) ou por serem, muitas vezes, utilizados em conjunto.

Anti-inflamatórios

Os medicamentos anti-inflamatórios são utilizados quando há um processo de inflamação no organismo.

A inflamação é uma resposta normal de proteção às lesões teciduais causadas por trauma físico, agentes químicos ou microbiológicos nocivos.

A inflamação é a tentativa do organismo de inativar ou destruir os organismos invasores, remover os irritantes e preparar o cenário para o reparo tecidual (cicatrização).

Ou seja, a inflamação nem sempre é um processo ruim, é uma reação natural do organismo contra agressões que tem como objetivo a cicatrização das lesões.

A inflamação pode levar a estes sintomas:

Quando há uma resposta exagerada do nosso corpo a uma agressão externa há a necessidade de utilizar um medicamento anti-inflamatório ou para aliviar os sinais e sintomas caudados pela inflamação.

Se há uma INFECÇÃO causada por agentes microbiológicos como BACTÉRIAS o corpo responde com uma INFLAMAÇÃO na tentativa de eliminar essas bactérias (agentes estranhos), porém nem sempre conseguimos eliminar as bactérias sem a ajuda dos medicamentos ANTIBIÓTICOS ou ANTIMICROBIANOS.

Entenda:

A INFECÇÃO LEVA A INFLAMAÇÃO, MAS NEM TODA INFLAMAÇÃO É UMA INFECÇÃO

♦ Se você está andando e vira o pé, o seu tornozelo irá inchar, ficar vermelho, quente e você sentirá dor podendo ficar até sem andar por alguns momentos. Esses sintomas indicam que houve uma lesão no seu tendão e essa lesão desencadeou um processo inflamatório, mas não houve uma Infecção.

Quais são os medicamentos Anti-inflamatórios?

Os medicamentos anti-inflamatórios são divididos em:

  1. AINEs (Anti-inflamatórios não esteroidais) e os Coxibes;
    • Alguns exemplos dos Anti-inflamatórios da classe dos AINEs mais comumente utilizados são: Ibuprofeno, Nimesulida, Naproxeno, Cetoprofeno, Aceclofenaco, Diclofenaco. Um coxibe conhecido é o Celecoxibe.
  2. Anti-inflamatórios Glicocorticoides;
    • Os Glicocorticoides podem ser representados pelos exemplos: Hidrocortisona, Prednisona, Prednisolona, Betametasona, Dexametasona, entre outros.
  3. Fármacos Anti-reumáticos Modificadores da Doença- FARMDs
    • Exemplo mais comum: Metotrexato.

A palavra BIO deriva do grego e significa vida, ANTI=contra → Antibiótico=”contra ser vivo”

Os antibióticos são medicamentos que atuam combatendo infecções causadas por seres vivos. Na atualidade o termo ANTIBIÓTICO tem sido utilizado para definir os medicamentos que combatem bactérias e os medicamentos que combatem outros micro-organismos levam os nomes de Antiparasitários, Antifúngicos, Antivirais, etc…

Alguns exemplos de doenças causadas por bactérias são a Pneumonia, Sinusite Bacteriana, Meningite, Sífilis, Erisipela, Faringite, entre outras.

O sufixo “ite” como já vimos no artigo: Termos Técnicos Utilizados em Farmácia e na área de saúde designa doenças de natureza inflamatória. Veja que as infecções causadas por bactérias levam a processos inflamatórios.

Classificação dos Antibióticos

O medicamento antibiótico pode ser: bactericida, quando tem efeito letal sobre a bactéria ou bacteriostático, se interrompe a sua reprodução ou inibe seu metabolismo.

  • Antibióticos Bactericidas são antibióticos que matam as bactérias, por meio de diversos mecanismos, destruição da parede celular, inibição da síntese proteica ou inibição na síntese do ácido fólico.
  • Antibióticos Bacteriostáticos inibem o crescimento de determinadas bactérias, dificultando sua proliferação e deixando ao sistema imunológico a tarefa de eliminar as bactérias que já estão presentes no organismo.

Para a maioria das infecções, ambos os tipos de antibióticos parecem igualmente eficazes; porém, se o sistema imunológico está enfraquecido ou a pessoa tem uma infecção grave, como uma endocardite bacteriana ou uma meningite, um antibiótico bactericida costuma ser mais eficaz.

Os Antibióticos são divididos em FAMÍLIAS ou CLASSES de acordo com os seus mecanismos de ação:

A tabela abaixo traz uma visão geral das Classes de antibióticos e seus mecanismos de ação.

Imagem: Livro Rang & Dale Farmacologia 7ª Edição / Reprodução

Agora que você já sabe a Diferença entre os Anti-inflamatórios e Antibióticos lembre-se de que o uso racional destes medicamentos, principalmente os antibióticos, é fundamental para evitar a resistência microbiana. Por isso os antibióticos, hoje em dia, são medicamentos controlados que só podem ser vendidos sob retenção da receita médica.

Fontes:

  • Katzung, B.G. Farmacologia Básica e Clínica. 10ª ed. Rio de Janeiro: Artmed/McGraw-Hill, 2010.
  • Rang, H.P., Dale, M.M., Ritter, J.M., Flower, R.J., Henderson, G. Farmacologia. 7ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.
  • Wikipédia
  • Manual MSD

Источник: https://farmaceuticodigital.com/2016/09/diferenca-entre-anti-inflamatorios-antibioticos.html

Diferença entre antibiótico e anti-inflamatório

Diferenças entre antibiótico e anti-inflamatório

Muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o que é o antibiótico e o que é o anti-inflamatório. Mas além disso, ainda há quem pense que os dois medicamentos são a mesma coisa. Isso causa uma enorme confusão nos pacientes, pois é bem comum que eles pensem que estão tomando antibiótico quando, na verdade, estão tomando um anti-inflamatório, ou vice-versa.

Com o objetivo de acabar com essa dúvida de uma vez por todas, o blog da POP preparou este artigo para explicar quais são as diferenças entre os antibióticos e os anti-inflamatórios. Se ao fim da leitura você ainda estiver com dúvidas, pode colocar sua pergunta no campo de comentários, abaixo do texto!

Источник: https://drogariapop.com.br/diferenca-entre-antibiotico-anti-inflamatorio/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: