Doença de Peyronie: o que é, causas e tratamento

Doença de peyronie – Informações, especialistas e perguntas frequentes

Doença de Peyronie: o que é, causas e tratamento

A doença de Peyronie é uma doença inflamatória de causa desconhecida, que produz um endurecimento (maior consistência) da túnica albugínea (camada que envolve os corpos cavernosos, que são aqueles que contêm tecido erétil do pênis), afetando uma área variável do mesmo.

Isto pode se manifestar como:

  • Ereção dolorosa
  • Curvatura do pênis ereto (“dobrada” do pênis)
  • Um caroço ou nódulo no pênis
  • Disfunção erétil, perda de rigidez ou de uma curva muito acentuada.

A doença é conhecida desde os tempos antigos. Apesar de ter sido descrita em 1561 pelo anatomista italiano Fallopio, foi lançado em 1743, quando um cirurgião do rei Louis XV da França, François de la Peyronie, apresentou um documento para a Academia Francesa de Cirurgia Real em que ele descreveu três pacientes que tinha uma deformidade do pênis ereto.

Este problema geralmente afeta adultos do sexo masculino entre 40 e 60 anos e é a causa mais comum de curvatura peniana (cerca de 1% dos homens). Se a distorção é grave, pode dificultar a penetração ou tornar o ato sexual insatisfatório.

Notar um nódulo no pênis pode ser uma experiência muito perturbadora. Os homens a quem isso sucede freqüentemente se preocupam com a possibilidade de ter câncer desenvolvido.

Na verdade, câncer de pênis é muito raro, enquanto a doença de Peyronie é de longe a causa mais comum desses problemas.

Se você encontrar um nódulo, é importante consultar um médico, mas não deve temer que haja uma causa séria.

Que é a causa da doença de Peyronie?

O pênis é composto basicamente de três cilindros cobertos por várias camadas de tecido (os corpos cavernosos e a área onde está alojado na uretra) e, finalmente, a pele.

Os corpos cavernosos do tecido erétil  se enchem de sangue durante a ereção e agem como o aro de um pneu. Eles são cercados pela túnica albugínea, uma faixa grossa de tecido fibroso que pode ser comparado com o pneu.

Qualquer processo que altera a deformação dinâmica do pênis ocorre no momento da ereção.

A doença de Peyronie  aparecem nódulos espontaneamente na túnica albugínea e são conhecidos como nódulos moles (placas) de tamanho variável, especialmente na linha média do dorso do pênis. Quando o pênis está ereto, ele infla de forma desigual e tende a curva em uma direção, fazendo com que a aparência deformada seja característica  da doença de Peyronie.

Especialistas não tem certeza por que alguns homens desenvolvem a doença de Peyronie e outros não. Sua origem é desconhecida, mas vários fatores têm sido implicados:

  • Uretrite – infecção específica.
  • Lesões, particularmente o microtrauma que ocorrem durante a relação sexual. Também ocorre mais freqüentemente em homens em quem foram administradas injeções penianas para o tratamento da disfunção erétil (impotência).
  • Fatores genéticos: ocasionalmente, a doença tende a ocorrer em famílias (herdada ou predisposição genética), mas não frequentemente. Você pode encontrar também a associação dessa doença que afeta outros tecidos do corpo de origem semelhante à do albugínea como esclerodermia, doença de Dupuytren …
  • Hipertensão e uso de beta-bloqueadores como o propranolol.
  • Distúrbios circulatórios: Muitos homens que sofrem de doença de Peyronie sofreram pressão arterial elevada (hipertensão) e endurecimento das artérias (aterosclerose), indicando que estas condições podem estar envolvidas no seu desenvolvimento.
  • Fatores endócrinos, tais como diabetes.

Quais são os sintomas?

A doença de Peyronie pode ocorrer a qualquer momento após a adolescência, mas geralmente ocorre em homens com idade entre 40 a 60 anos. Ela afeta 1 em 100 (0,4 a 1,0%) homens de meia idade.

A doença tem muitas causas diferentes e diferentes graus de tensão e desconforto. Alguns homens quase não se importam, enquanto para outros a relação sexual fisicamente impossível. As razões que dão origem à consulta são:

Curvatura durante a ereção:

sempre na direção da placa, sendo geralmente dorsal ou dorsolateral. Durante os 12 a 18 meses que a placa ou nódulo está desenvolvendo, a deformidade do pênis ereto pode mudar: piora em 30-40% dos casos, melhora em 10-20% e permanece inalterada em 50%.

Dor no pênis em ereção:

na maioria dos casos, diminui gradualmente e desaparece sem tratamento dentro de meses.

Placa, endurecimento ou nódulo no pênis:

pode se desenvolver lentamente ao longo de vários meses e leva entre 12 e 18 meses para alcançar sua extensão máxima.

Encurtamento do pênis:

ocorre em estágios avançados da doença, quando chega a todos as fibras dos corpos cavernosos.

Alguns homens irão desenvolver diferentes graus de disfunção eréctil (impotência), como resultado da doença de Peyronie.

Ela pode variar de completa incapacidade de atingir ou manter uma ereção adequada para a experiência sexual satisfatória para uma ligeira redução na rigidez peniana.

Normalmente, o pênis flácido não é deformado. É importante lembrar que o normal é  para cima (cabeça) do pênis ereto.

Como é diagnosticada a doença de Peyronie?

Diagnosticada com base na história clínica e exame do pênis.

De 10 a 25% dos homens com a doença de Peyronie tem doença de Dupuytren, uma anormalidade em que o dedo mindinho, dedo anelar e às vezes os outros dedos se dobram como uma garra para a palma da mão.

É interessante ter registros fotográficos que documentam a curva e é importante para a avaliação do problema também com o casal.

Ultra-som pode ser usado para avaliar o tamanho exato e a posição do pênis, mas geralmente não é necessário.

O que você pode fazer?

Se você acha que pode ter a doença de Peyronie, você deve consultar um urologista.

  • O médico vai querer saber como se desenvolveu o problema e como isso afeta você e examiná-lo.
  • Se há muito tempo que o problema está presente, não muda e não causa muito desconforto, o médico pode aconselhar nenhum tratamento e simplesmente pedir para voltar quando a doença começar a piorar.
  • Se este tem sido o problema e causa dificuldades sexuais (impotência ou a penetração com dor durante as relações sexuais em casais), você pode precisar de um tratamento cirúrgico para corrigir a deformidade. É insensato insistir em cirurgia por razões estéticas somente.
  • Se o problema apareceu recentemente, particularmente se é doloroso, seu médico pode considerar o começo para um tratamento.

Homens que recebem injeções no pênis para tratar a disfunção eréctil podem reduzir o risco da doença de Peyronie se uma técnica cuidadosa for usada para injetar e variar o local da injeção.

O que pode o médico fazer?

É importante compreender que a doença de Peyronie pode, no decorrer de vários meses, melhorar ou progredir, por isso precisamos de um período de espera entre o seu surgimento e a necessidade de estabelecer tratamento definitivo.

Há apenas evidências limitadas da eficácia do tratamento medicamentoso. No entanto, este tratamento é útil em homens cuja doença de Peyronie está em estágios iniciais ou são ativos, ou seja, quando a massa está se expandindo ou é doloroso. O objetivo é reduzir a dor, o tamanho do nódulo e a deformação, o mais possível.

Vários tratamentos têm sido utilizados com resultados ruins:

  • Vitamina E e PABA: tem sido demonstrado que essas drogas melhoram a dor em 30-60% dos homens afetados, embora eles parecem reduzir o tamanho do nódulo ou deformação do pênis ereto.
  • Tamoxifeno: um estudo mostrou que o tamoxifeno  não só melhorou a dor em 80% dos homens afetados, mas também reduziu o tamanho do nódulo e a tensão em 30% dos casos. O estudo foi realizado em homens nos quais a doença estava nos estágios iniciais e tinha placas moles. Nenhuma evidência de benefício em homens que tiveram a doença por um longo tempo. O tamoxifeno é usado para tratar câncer de mama, e embora não seja licenciado para uso na doença de Peyronie, alguns especialistas recomendam.
  • Injeções de esteróides: vários estudos foram analisados, mas os resultados têm sido decepcionantes.
  • Verapamil injeções: um estudo com um grupo muito pequeno de homens mostrou que repetidas injeções de verapamil em placa de Peyronie melhorou a dor, deformidade e tamanho fixo. Dado que a injeção peniana é uma possível causa da doença de Peyronie se deve esperar para ter mais evidências de estudos maiores a longo prazo antes de recomendar este tratamento.
  • Ondas de choque e terapia extracorpórea (litotripsia): estudos no Reino Unido e Alemanha têm mostrado que as ondas de choque extracorpóreas dirigida a placas de Peyronie podem reduzir a pressão sobre uma doença estabelecida e estabilizar. O tratamento é feito ao longo de várias sessões em ambulatório. Esta técnica ainda está sendo pesquisada e não é generalizada.

Outros tratamentos têm sido propostos, nenhuma evidência clara das declarações (radiação, etc) ..

Cirurgia

Porque o desenvolvimento da doença de Peyronie varia muito de paciente para paciente, é conveniente adotar uma abordagem conservadora para o tratamento e evitar a cirurgia nos estágios iniciais.

Cirurgia só deve ser usada para corrigir a deformidade em homens que têm um grau de curvatura que impede a relação sexual, ter tido a doença por um período superior a um ano de evolução e estar  estabilizada por pelo menos três meses.

É essencial que a doença se estabilize e o homem esteja inativo antes de tentar a cirurgia, caso contrário, poderia continuar a progredir após a operação.

Embora o paciente muitas vezes anseie por recuperar o pênis que tinha antes da doença, é importante compreender que a cirurgia pode endireitar o pênis apenas o suficiente para ter uma relação normal e manter a qualidade da ereção nos níveis de antes da cirurgia.

O sucesso da cirurgia é geralmente medido com a correção da deformidade, mas não há garantia de que o pênis estará de volta, perfeitamente reto após a cirurgia. Além disso, alguns homens desenvolvem a disfunção erétil ou mesmo adormecimento do pênis após a operação, este não é um tratamento que deve se contemplar, sem cautela.

Excisão (remoção) da placa e enxerto

Uma maneira de tratar a doença de Peyronie parece simplesmente remover a placa da túnica albugínea e preencher o defeito com enxerto de veia, fáscia ou material sintético. No entanto, os resultados não são muito animadores, tanto na resolução da curvatura e do número de homens com disfunção erétil após a cirurgia.

Incisão (corte) da placa e enxerto

A incisão da placa, ou com um bisturi ou laser, e depois preencher a lacuna com um enxerto tem a vantagem de manter  o comprimento do pênis. Embora os resultados do estudo pareçam melhor do que a excisão da placa, investigaram-se apenas alguns casos e precisa-se de mais informações para confirmar a segurança ea eficácia deste método.

Plicatura do corpo:

plicatura do corpo cavernoso (em palavras simples, fazer um vinco pequeno) no lado oposto da placa pode melhorar a deformidade, mas encurta o comprimento do pênis ereto. Com esta técnica, a taxa de sucesso de 50-80%.

Operação de Nesbit:

Esta operação envolve a remoção de uma parte do corpo cavernoso do lado oposto à placa e em seguida, costura-se as pontas. Isso corrige a deformidade, mas, novamente, encurta o pênis. Com esta técnica, a taxa de sucesso é de 80%.

Este procedimento normalmente é praticado na circuncisão, e após esta operação os homens que são circuncidados tem problemas prepúcio (inchaço ou edema).

Previsão

A doença de Peyronie se desenvolve de forma muito variável. Muitos homens com a doença de Peyronie não necessitam de tratamento ou não querem e desfrutam do sexo de forma satisfatória, apesar da forma incomum de seu pênis.

Источник: https://www.doctoralia.com.br/doencas/doenca-de-peyronie

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: