Equoterapia: o que é e benefícios

Saiba quais são os benefícios da equoterapia

Equoterapia: o que é e benefícios

Muitos estudos foram desenvolvidos para a identificação dos benefícios da equoterapia.

Este tipo de terapia é voltada para pessoas com deficiência que utiliza cavalos e realiza exercícios focados em fortalecimento da postura, coordenação motora e para promover mais interação social.

A seguir você poderá entender um pouco mais sobre a metodologia, que já é um destaque na área médica.

Benefícios da equoterapia: saiba mais sobre a terapia com equinos

Para quem não sabe o que é equoterapia, trata-se de uma terapia de reabilitação para deficientes utilizando cavalos.

As atividades equestres e as técnicas de equitação proporcionam maior consciência corporal e o fortalecimento da postura.

Além dos benefícios físicos, é importante mencionar o fato de que a equoterapia oferece ganhos psicológicos bastante significativos, os praticantes se tornam mais seguros de si. Abaixo elaboramos uma lista com os principais benefícios da metodologia.

Equilíbrio

A terapia com cavalo para deficientes oferece o fortalecimento do equilíbrio corporal devido ao movimento realizado pelo equino em seu deslocamento. A constância das atividades equestres melhora também o tônus muscular.

Aumento da força muscular

Atividades equestres realizadas de forma segura promovem o aumento da força muscular por conta do esforço necessário para conduzir o cavalo.

Estímulo para os órgãos internos

Mais um dos benefícios da equoterapia é proporcionado pela intensificação da coordenação motora, os órgãos internos se mantêm em movimento durante o deslocamento sobre o equino.

Coordenação motora

O fato de estar em cima de um cavalo faz o indivíduo trabalhar a sua noção de coordenação motora. Pessoas com deficiências precisam ter uma compreensão ampla do funcionamento dos seus corpos para entenderem quais engrenagens precisam fazer girar para cada movimento desejado, algo que se torna mais simples com a prática da equoterapia constantemente.

Melhora da confiança

O equino se torna um verdadeiro amigo ao contribuir para os movimentos do indivíduo em tratamento. Com o passar do tempo, o paciente vai adquirindo mais confiança em si mesmo e no mundo à sua volta.

Melhora da autoestima

A possibilidade de realizar movimentos antes muito difíceis e a observação do progresso gradual oferecido pela terapia, contribui para o fortalecimento da autoestima e motivação para prosseguir.

Sociabilidade

Outro benefício interessante oferecido pela equoterapia diz respeito à sociabilidade dos pacientes, em muitos casos, eles têm uma postura mais agressiva no início.

O contato com o animal torna essa irritabilidade menos pronunciada e, aos poucos, reduz o sentimento de revolta por uma determinada condição física.

O dia a dia de interação com o equino permite construir padrões de comportamento mais agradáveis em relação ao mundo.

Aumento da sensação de bem-estar

Manter contato com animais em seu dia a dia permite se manter com uma maior sensação de bem-estar. Aliás, pode ser interessante adotar um animal de estimação também. Quanto mais o paciente for estimulado a se manter aberto para relações efetivas de carinho, melhor será.

Melhora de aspectos da fala e orientação espacial e temporal

Essa terapia permite trabalhar questões relativas à fala, compreensão da linguagem, lateralidade, orientação espacial e temporal, memória, entre outros aspectos cognitivos.

Como são as sessões de equoterapia?

Geralmente, as sessões de equoterapia são realizadas individualmente e têm duração de meia hora, os pacientes utilizam sela para equoterapia para montar no equino.

O tratamento dura em média dois anos, porém, pode ser reduzido ou estendido de acordo com as respostas do indivíduo.

Os cavalos utilizados são escolhidos de acordo com um conjunto de características físicas e de comportamento, visando atender às demandas de cada paciente. Os resultados geralmente levam algum tempo para serem notados.

Cada caso é um caso

A melhor forma da equoterapia ser utilizada no tratamento de reabilitação de pacientes com deficiência é a compreensão de que cada caso é um caso. Sendo assim, é interessante fazer uma avaliação avançada do indivíduo, determinando as suas principais limitações e dificuldades. Os exercícios devem ter foco no desenvolvimento dessas características.

Para quem a equoterapia é indicada?

Essa terapia pode ser utilizada no tratamento de comprometimentos de ordem motora, como paralisia cerebral, comprometimentos de ordem social, como autismo, psicoses, problemas de percepção e comprometimentos mentais, como Síndrome de Down. Pode ser efetivo ainda para pacientes que sofrem de insônia e estresse.

Equoterapia tem contraindicações?

A terapia com cavalo para deficientes tem algumas contraindicações, tornando necessário que o paciente seja submetido a uma avaliação e liberação médica. O indivíduo deve atender a um conjunto de exigências físicas e psicológicas para ter acesso aos benefícios da equoterapia.

Não é indicado, por exemplo, para pessoas que não gostam de animais, apresentam restrições ortopédicas específicas ou reações alérgicas ao contato com os equinos. Essa análise deve ser feita por uma equipe formada por profissionais multidisciplinares, assim será mais fácil assegurar a assertividade dessas atividades terapêuticas.

Gostou de saber mais sobre a equoterapia e como ela pode ter um impacto positivo na reabilitação de pacientes com deficiência? Deixe seus comentários e compartilhe!

Источник: https://blog.rodeowest.com.br/animais/saiba-quais-sao-os-beneficios-da-equoterapia/

Entenda o que é equoterapia, como ela funciona e seus benefícios – Blog Meu Pé de Conforto

Equoterapia: o que é e benefícios

Postado em 08/05/2018

Quem tem ou já teve algum bicho de estimação sabe: viver com animais pode trazer diversos benefícios à saúde. A convivência pode ajudar na redução da ansiedade e do estresse, da letargia e até mesmo dos sintomas da depressão, e é tão positiva que alguns tipos de terapias utilizam animais em seus tratamentos.

Agora, você sabe o que é equoterapia? Se tem interesse por cavalos, você vai gostar de saber que algumas pessoas utilizam o animal para mais do que a prática de esportes. Montar pode ser um verdadeiro processo terapêutico.

Que tal descobrir mais sobre essa modalidade de tratamento que tem ajudado diversas pessoas de um modo totalmente natural? Confira abaixo tudo o que a equoterapia pode proporcionar.

O que é equoterapia?

Ainda pouco conhecida pelo público em geral, a equoterapia é um importante método de tratamento para pessoas com deficiência por meio do uso de cavalos. Utilizando o animal em diversas abordagens interdisciplinares, o tratamento trabalha em prol da reabilitação física e mental dos pacientes.

De forma geral, o público da equoterapia são pessoas com alguma disfunção mental, sensitiva ou motora, que apresentam problemas de movimento, na postura ou até mesmo em seu comportamento visceral.

O contato com o cavalo oferece melhoras também àqueles com algum tipo de distúrbio neurológico, sendo recomendado a portadores da síndrome de Down, esclerose múltipla e autismo. Auxilia ainda no tratamento de crianças com hiperatividade ou muito agitadas, assim como daquelas com dificuldade de concentração.

Como funciona o tratamento?

A prática de equoterapia se dá sobre o cavalo em movimento, precedida por algumas sessões de reconhecimento do animal.

Montado no cavalo, o praticante — termo que designa a pessoa em atividade equoterápica — começa a sofrer em seus músculos os mesmos estímulos que usaria para andar.

Isso acontece porque, quando o animal realiza movimentos, esses são transmitidos para a pessoa montada, gerando um mecanismo de resposta. E, apesar de serem feitos rapidamente, o cérebro humano ainda consegue captá-los e processá-los.

Da mesma forma, é preciso que o praticante mantenha o equilíbrio sobre a cela, forçando uma postura mais correta — o que corrige certos problemas de coluna.

É claro que, para as sessões, o praticante deve ser acompanhado por um terapeuta — nesse caso, pode ser um psicomotricista, um fonoaudiólogo ou um fiseoterapeuta especializado — e pelo treinador do cavalo, que lhe darão instruções. O animal, por sua vez, deve ser manso e dócil e a prática deve ocorrer em local específico.

Quais os seus benefícios?

Utilizada como um importante recurso terapêutico, a equoterapia pode proporcionar diversos benefícios posturais graças às ações do trote do cavalo no organismo do paciente.

Semelhante a outras formas de fisioterapia, a equoterapia também busca a reabilitação do praticante por meio de exercícios físicos. Nesse caso, o cavalo aparece como um facilitador da atividade, mas a prática ainda exige esforço físico e um grande trabalho muscular. 

Como resultado, o praticante observa uma melhora em sua coordenação e equilíbrio, desenvolve a noção de lateralidade e desenvolve maior percepção sobre o próprio corpo.  

Da mesma forma, a equoterapia trabalha aspectos sociais e emotivos, atingindo excelentes resultados em pacientes com condições como o autismo, por exemplo. Isso porque, em contato com o animal, o praticante pode superar alguns medos, com melhoras significativas na área emocional e na interação social.

De forma geral, bastam poucas sessões para se obter resultados. E como acontece fora de um consultório tradicional, permitindo contato com o ambiente externo e com o animal, o tratamento pode ser visto como uma atividade lúdica.

Assim, melhora também o ânimo e a sensação geral de bem-estar — tanto do paciente quanto de seus acompanhantes.

Como é possível perceber, esse tratamento é completamente natural e aproveita os benefícios da relação entre o corpo e as sensações do paciente em harmonia com a movimentação do cavalo. Desse modo, a prática vai além de simplesmente montar. Ela aproveita o melhor que a conexão entre humanos e animais pode proporcionar.

Agora que você já sabe o que é equoterapia, que tal aprender ainda mais sobre saúde e bem-estar? Assine nossa newsletter e descubra diversas dicas para melhorar sua qualidade de vida. 

Источник: https://doctorshoes.com.br/blog/calcados/entenda-o-que-e-equoterapia-como-ela-funciona-e-seus-beneficios/

Equoterapia: Benefícios e Estágios de Evolução | Blog do Secad

Equoterapia: o que é e benefícios

O cavalo sempre é um velho parceiro do homem. Embora bastante utilizado com finalidades laborais ou desportivas, o animal também pode exercer uma atuação importante na área da saúde como instrumento terapêutico, a chamada equoterapia.

A técnica consiste no manejo dos cavalos para melhorar a coordenação motora, a cognição e a socialização de pessoas portadoras de certas enfermidades. Também chamado de hipoterapia ou equitação terapêutica, a equoterapia tem apresentado resultados favoráveis em pacientes com Síndrome de Down e enquadrados no espectro autista, entre outros.

Os primeiros registros da equoterapia remontam à Grécia Antiga. No século 4 a.C., o sábio Hipócrates – considerado uma das figuras mais importantes da história da medicina – já atestava a eficácia da prática com cavalos na regeneração da saúde e no tratamento da insônia.

“A relação com o ser vivo combina benefícios terapêuticos, psicossociais e de autoconfiança. É uma atividade lúdica que soma muito”, assegura a fisioterapeuta Paula Chagas, Doutora em Ciências da Reabilitação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Conheça dos Programas de Atualização em Fisioterapia Neurofuncional desenvolvida pela ABRAFIN.

As evoluções e a importância da equipe

A aplicação da equoterapia requer uma série de cuidados. O primeiro deles é a formação de uma equipe multidisciplinar, composta por fisioterapeuta, instrutor de equitação, auxiliar-guia, auxiliar lateral e veterinário.

Outro quesito importante está relacionado à escolha do animal. A preferência é por machos castrados, dóceis e com idade acima de 10 anos. Os cavalos também precisam apresentar estrutura física simétrica e altura inferior a 1,50m.

A partir do preenchimento desses requisitos, a equipe responsável pelas sessões traçará a estratégia de acordo com as necessidades dos pacientes. Uma das principais abordagens do programa diz respeito às fases de evolução da terapia. A Associação Nacional de Equoterapia (Ande-Brasil) divide a técnica em quatro estágios:

  • Fase 1: Hipoterapia – o paciente não possui condições físicas de se manter sozinho sobre o animal (agente cinesioterapêutico), necessitando da companhia de um terapeuta na montaria e de um auxiliar-guia.
  • Fase 2: Educação/reeducação equestre – registra a montaria individual e uma menor dependência do auxiliar.
  • Fase 3: Pré-esportiva – contempla pacientes com domínio pleno do cavalo. Aqui, a equipe atua orientando técnicas de inserção social do cavaleiro através do animal.
  • Fase 4: Esportiva paraequestre – o paciente é encaminhado a uma escola de paraequitação e pode participar de competições.

A fisioterapeuta Paula Chagas explica o processo no artigo Equoterapia para o tratamento de pacientes pediátricos com disfunções neuromotoras. 

“A evolução vai depender do próprio paciente. Ele pode continuar na primeira fase pelo resto da vida, por exemplo”, explica ela, que também é professora adjunta da Faculdade de Fisioterapia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Em média, as sessões duram entre 30 e 45 minutos.

Evidências e indicações da Equoterapia

Independentemente do estágio, os praticantes podem colher uma série de benefícios com a equoterapia. A melhoria do equilíbrio, o aumento da força motora e o refinamento de aspectos psicológicos e pedagógicos estão entre eles.

Diversos estudos constataram efeitos positivos em crianças com disfunções neuromotoras. Uma pesquisa realizada pela Tokyo University of Agriculture, do Japão, demonstrou que sessões orientadas de equoterapia diminuíram sintomas clínicos e aprimoraram o equilíbrio da marcha em pacientes com Transtorno de Déficit de Atenção (TDAH).

A equoterapia é bem indicada para pacientes com déficits de mobilidade, incoordenação motora, falhas na integração sensorial e distúrbios de comportamento e aprendizado. Em alguns casos de paralisia cerebral e de doenças instáveis, como crise convulsiva, hipertensão ou cardiopatias graves, o tratamento não deve ser prescrito.

Essa é uma área rica em possibilidades e requer um profundo conhecimento dos profissionais interessados em desenvolvê-la. “Os candidatos precisam buscar formação e cursos especializados para conhecer os cavalos e as minúcias do tratamento”, aconselha a Dra. Paula. “A técnica é bastante promissora”.

Источник: https://secad.artmed.com.br/blog/fisioterapia/equoterapia-beneficios-e-evolucao/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: