Fimose: o que é, como identificar e tratamento

Fimose: saiba o que é e os principais tratamentos

Fimose: o que é, como identificar e tratamento

Tempo de leitura: 5 minutos

Fimose é o excesso de pele que impede, parcial ou totalmente, a exposição da glande peniana. As causas para essa condição podem ser de ordem fisiológicas ou congênitas.

A fimose é comum em bebês e a orientação é que seja tratada ainda nos primeiros meses. No entanto, se isso não acontece, à medida que a criança envelhece, os problemas vão surgindo. Fato é que o excesso de pele pode causar uma série de patologias sérias, além do incômodo estético.

Neste post a gente vai explicar tudo o que você precisa saber para tratar a fimose, tanto ainda na infância como depois de adulto, visto que há muitos mitos sobre o problema que precisam ser tirados. Confere o conteúdo e tire todas as suas dúvidas sobre o tema!

Afinal, o que é a fimose?

O prepúcio é uma pequena prega que fica na glande (cabeça) do pênis. Quando o excesso de pele nessa região, pode haver a dificuldade de “abrir” o pênis para urinar, manter relações sexuais ou, até mesmo, realizar a higiene íntima.

É exatamente para esse quadro que damos o nome de fimose. Há casos onde a glande fica totalmente coberta e outros há a cobertura apenas de uma parte do pênis.

LEIA TAMBÉM: Infertilidade masculina: das causas às soluções

Tipos de fimose

A medicina classifica a fimose em dois tipos: fimose fisiológica (fimose primária) e fimose secundária (congênita).

A fimose fisiológica é mais comum. É aquela que surge desde o nascimento. Já a fimose secundária surge em qualquer fase da vida. Ela geralmente aparece a partir de infecções ou traumatismo na região peniana.

A Fimose fisiológica deve ser tratada nos primeiros anos da criança.

Além dos dois tipos acima, a fimose pode se desenvolver em até cinco graus:

  • Grau 5: quando não há nenhuma retração do prepúcio. Nesse grau a abertura é mínima, dificultando totalmente o manejo do pênis para urinar, fazer higiene, etc;
  • Grau 4: a retração é mais leve, com a pele ainda cobrindo o orifício urinário, mas sendo elevada com mais facilidade;
  • Grau 3: a retração do prepúcio é parcial. O orifício urinário fica descoberto, mas a glande ainda se mantém encoberta com o excesso de pele;
  • Grau 2: há uma retração maior do prepúcio e a glande fica quase que totalmente exposta;
  • Grau 1: há uma retração total do prepúcio, mas a base da glande ainda fica envolta por um volume maior de pele.

O que causa a fimose?

Apesar de não haver nenhum estudo que comprove a ligação do surgimento da fimose com a genética, há muitas defesas para essa ideia quando se trata da fimose fisiológica ou primária. O que acontece, na verdade, é que esse tipo de fimose surge ainda quando o feto está em desenvolvimento e pode ocorrer, de fato, uma incidência do problema em pais e filhos.

No caso da fimose fisiológica, não há uma causa determinada. Todo bebê nasce com uma aderência do prepúcio à glande. Essa formação é necessária para que o pênis do recém-nascido fique protegido. Com o passar dos anos essa pele deve se retrair naturalmente e, caso isso não ocorra, é que a criança tem o problema confirmado.

Segundo o Ministério da Saúde, 20% dos bebês já possuem o prepúcio retrátil aos seis meses de idade. Aos três anos, esse número aumenta para 50% e, aos 17, chega a 99%.

No caso da fimose secundária, o quadro muda um pouco de contexto. Ela surge no decorrer da vida e, normalmente, é associada a infecções e outros traumas. É muito importante, ao diagnosticar alguma infecção de risco à fimose, o paciente trate preventivamente, de forma que o excesso de pele não apareça.

Como saber se é, realmente, fimose?

Existem diferentes tipos de tratamento para a Fimose.

O diagnóstico da fimose deve ser feito apenas por um urologista. Nem todo excesso de pele deve ser considerado anormal, pois como citamos anteriormente, com o passar dos anos o quadro pode mudar naturalmente.

O exame para atestar a fimose é físico e o médico constata que a glande não é exposta naturalmente ou ao retrair a pele. Caso haja necessidade, é indicado o tratamento.

Qual o tratamento?

O tratamento para fimose consiste em três procedimentos:

  • Aplicação de pomadas: as pomadas são à base de corticoide e têm ação anti-inflamatória e antibiótica. A função é amolecer mais o tecido em excesso do prepúcio, de forma que a pele fique bem mais fina, não comprometendo o deslizamento pela glande.
  • Exercícios: esse processo é mais indicado para crianças com mais de 5 anos. Consiste em realizar movimentos com o prepúcio, de forma que ele deslize pela glande sem causar dores.
  • Cirurgia: a cirurgia de circuncisão ou postectomia é indicada para casos mais graves ou quando os dois tratamentos anteriores não ofereceram melhoras para o paciente. Na ocasião, o médico retira a pele ao redor do anel prepucial, deixando a glande exposta.

Há complicações?

A falta de tratamento pode, de fato, aumentar complicações no homem à medida que os anos passam.

A fallta de tratamento pode gerar algumas complicações nos pacientes.

Esse excesso de pele ainda é um dos maiores fatores de risco para o câncer de pênis, por exemplo. Além dessa patologia, podem surgir outros problemas:

  • Infecção urinária;
  • Desconforto durante as relações sexuais;
  • Mais chance de infecção por DST e HPV;
  • Risco elevado de desenvolvimento de parafimose. 

Agora que você já descobriu o que é fimose e outros detalhes sobre o problema, compartilhe este post em suas redes sociais! Aproveita e acompanha nossas postagens no e Instagram!

Источник: https://saobernardo.com/blog/fimose-o-que-e/

Fimose

Fimose: o que é, como identificar e tratamento

Higiene local é a melhor maneira de prevenir a fimose e evitar as postites (infecção ou inflamação do prepúcio).

Fimose é a dificuldade ou impossibilidade de expor a glande (a cabeça do pênis) porque o estreitamento do prepúcio (prega de pele que envolve a glande) impede a passagem. Nos primeiros meses de vida, existe uma aderência natural do prepúcio à glande. Porém, até os 5 anos, essa aderência desaparece na maioria dos meninos.

Veja também: Higiene íntima masculina requer cuidados que muitos não têm

Causas de fimose

As principais causas da fimose são assaduras e cicatrizes que retraem a pele, deixando o anel do prepúcio mais estreito.

Falta de higiene adequada também pode ser responsável pela incidência de inflamações ou infecções que estreitam a abertura do prepúcio.

Sintomas de fimose

  • Impossibilidade de expor totalmente a glande ao puxar o prepúcio para trás;
  • Dor durante relações sexuais.

Prevenção da fimose

Higiene local é a melhor maneira de prevenir a fimose e evitar as balanopostites (infecção ou inflamação do prepúcio).

Exercícios ou massagens para arregaçar o prepúcio devem ser evitados, pois além de causar dor, podem provocar sangramentos e, como consequência, a formação de cicatrizes que reduzem ainda mais o orifício por onde a glande deve passar.

Tratamento da fimose

Se a retração normal não ocorrer até os 5 anos, vale solicitar orientação médica. A retração pode ocorrer mais tardiamente, mas recomenda-se acompanhar de perto se não ocorrer até essa idade.

Quando é indicado tratamento, ele pode ser medicamentoso, com o uso de cremes corticosteoides que, aplicados na região, ajudam a deixar a pele mais flexível e permitir a retração normal. O uso deve ser exclusivamente mediante prescrição médica, pois essa classe de medicamentos não pode ser usada por

Caso o medicamento não seja suficiente, lança-se mão de procedimento cirúrgico (postectomia ou circuncisão), que consiste na retirada do prepúcio ou em cortes na pele de forma que permitam a passagem da glande.

O ideal é que a cirurgia seja realizada entre 7 e 10 anos de idade. A criança sai no mesmo dia do hospital e, em cerca de 4 dias, pode retomar as atividades normais. Exercícios físicos, porém, devem ser evitados durante 3 semanas aproximadamente.

Quando se trata de adultos, é recomendado não ter relações sexuais com penetração por pelo menos 1 mês.

Tratar a fimose é fundamental para facilitar a higiene do pênis, diminuir o risco de balanopostites, corrigir a parafimose (estrangulamento da glande pelo prepúcio) e permitir relações sexuais mais confortáveis na vida adulta.

Recomendações caso seu filho tenha fimose

  • Não force a pele da glande nem faça massagens para aumentar a abertura do prepúcio. Isso pode provocar microtraumatismos e, posteriormente, cicatrizes que reduzem o diâmetro do anel prepucial;
  • Procure realizar a higiene do pênis com atenção e cuidado;
  • Trate as assaduras que por ventura ocorram na glande e no prepúcio para evitar infecções e cicatrizes;
  • Leve seu filho ao médico ao primeiro sinal de inflamação ou infecção na cabeça do pênis e/ou na pele que a recobre;
  • Não adie a realização da cirurgia de fimose. Aceite-a com naturalidade e procure tranquilizar seu filho caso ela lhe seja indicada.

Perguntas frequentes sobre fimose

Até que idade é normal ter fimose?

Em geral, é normal ter algum grau de fimose até os 5 anos de idade. A retração pode acontecer naturalmente muitos anos depois, até na adolescência, mas a partir dos 5 anos recomenda-se ficar de olho junto com o pediatra para decidir sobre o início de algum tratamento.

A cirurgia de fimose é oferecida pelo SUS?

Sim, o Sistema Único de Saúde realiza a cirurgia gratuitamente segundo indicação médica.

Aderência é o mesmo que fimose?

Não, mas são problemas parecidos. Na aderência, a pele do prepúcio fica “colada” à glande, o que também impede a retração. Porém, assim como ocorre com a fimose, geralmente essa aderência cede naturalmente com o passar dos anos. No acompanhamento com pediatra, o especialista irá orientar caso seja necessário tratar.

Existe fimose em mulheres?

É uma condição muito mais rara que a masculina, mas existe. Nesse caso, os pequenos lábios ficam aderidos, o que bloqueia a abertura do canal vaginal. O tratamento inclui cremes que auxiliam na separação dos lábios.

Источник: https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/fimose/

Fimose – O que é – Doenças Urológicas

Fimose: o que é, como identificar e tratamento

A fimose é um estreitamento do prepúcio, pele que cobre a glande ou cabeça do pênis, dificultando ou impossibilitando que esta fique exposta. Este estreitamento pode ser leve ou causar uma dificuldade maior de expor a glande, causando desconforto e dor durante as relações sexuais.

Nos primeiros meses de vida, há uma aderência natural do prepúcio à glande. Essa aderência, normalmente, diminui naturalmente até os 3 anos de idade na maioria dos meninos.  Aos 6 meses, somente 20% dos meninos conseguem expor totalmente a glande, mas quase 90% já o conseguem aos 3 anos.

Quando não ocorre naturalmente, o tratamento é cirúrgico e visa facilitar a higiene, diminuir o risco de doenças e evitar dores durante relações sexuais.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito apenas pelo exame físico. É possível detectar a não exposição da glande pela retração do prepúcio. 

A fimose deve ser diferençada de outras condições que afetam o pênis. Um médico pediatra, cirurgião pediátrico ou urologista pediátrico, no caso de crianças, deve ser consultado.

Fatores de risco

Na infância, a fimose é causada pela falha no prepúcio em se soltar durante o crescimento. No adulto, pode se manifestar como um quadro discreto que passou despercebido na infância. Pode ainda ser consequência de inflamações, infecções como a balanite, deformidades causadas por traumas e/ou doenças dos órgãos genitais.

Prevenção

A fimose que se manifesta na infância não pode ser prevenida. No entanto, ao longo da vida os cuidados com a higiene do pênis são fundamentais para evitar o acúmulo de sujeiras e secreções que acarretam a fimose.

Para evitar o problema, é preciso lavar o pênis todos os dias com água e sabão neutro. Além disso, é importante ir ao urologista regularmente.

Sintomas

A fimose, geralmente, é uma condição indolor. No entanto, ela pode dificultar a higiene e provocar alguns sintomas como vermelhidão e inchaço. Um prepúcio muito apertado também pode provocar incômodos durante a micção e relação sexual.

Outros sintomas são:

  • Dor durante a ereção
  • Dificuldade em controlar a vontade de urinar durante a noite
  • Secreções no pênis, com mau cheiro
  • Sangramento

Apesar de não comprometer o crescimento e desenvolvimento do pênis, a fimose deve ser tratada para evitar complicações graves.

Tratamento

Quando o descolamento do prepúcio não ocorre na primeira infância, o tratamento geralmente é cirúrgico. A correção é importante para facilitar a higiene do pênis, diminuir o risco de balanopostites (infecções do prepúcio e da glande), corrigir a parafimose (estrangulamento da glande pelo prepúcio) e permitir relações sexuais mais confortáveis na vida adulta.

O tratamento também pode iniciar com aplicação de pomadas que atuam amolecendo o tecido do prepúcio e afinando a pele ou exercícios no prepúcio, que devem ser indicados pelo pediatra ou urologista.

A cirurgia, também conhecida como circuncisão ou postectomia, consiste na retirada do excesso de pele para facilitar a higienização e diminuir o risco de infecções. Ela dura cerca de uma hora, com aplicação de anestesia, e é recomendada para crianças entre 7 e 10 anos. O paciente pode voltar à rotina 3 ou 4 dias depois do procedimento.

Perguntas frequentes

Qual a idade ideal para a cirurgia de fimose?

Em casos não complicados, aguarda-se até os 7 a 10 anos de idade para verificar se não ocorre o deslocamento natural do prepúcio.  É importante que seja antes da adolescência, já que nessa fase as ereções são mais frequentes e podem tornar o pós-operatório mais doloroso.

A cirurgia precoce é recomendada quando há o que os especialistas chamam de balanopostites de repetição, que são infecções da pele que cobre a glande.

Como preparar os filhos para a cirurgia?

Primeiro, os pais devem ser orientados pelo cirurgião sobre o procedimento. Entendendo como ocorrerá, os pais podem explicar com mais segurança para o filho. É importante não esconder da criança o que será realizado, mas tomar cuidado com a forma como será explicado. Usar a palavra “cortar”, por exemplo, pode assustá-lo.

Como é feita a cirurgia?

A não ser que o paciente tenha outras doenças ou que os pais prefiram, a cirurgia será feita em regime ambulatorial, ou seja, a criança não necessitará permanecer internada durante um dia todo ou mesmo passar a noite no hospital – evitando assim uma maior separação do ambiente familiar e diminuindo os riscos de infecção hospitalar.

Quanto à técnica cirúrgica e o quanto de pele deverá ser retirada, há variações de acordo com a idade do paciente, a intensidade da fimose e a experiência do cirurgião.

A anestesia é local ou geral?

Na infância, e mesmo na adolescência, se prefere a anestesia geral, geralmente precedida pelo uso de um sedativo e de um analgésico. É um procedimento muito seguro: o risco de complicações severas é inferior a 1 em cada 5.000 anestesias e o risco de óbito ao redor de 1 em cada 200.000 anestesias.

Qual é o tempo de cicatrização?

Em cerca de dez dias geralmente todos os pontos já caíram e o inchaço desapareceu. A partir desse período, o menino pode voltar às atividades normais. No entanto, é aconselhável evitar por mais algumas semanas atividades que ofereçam risco de contusões, como andar de bicicleta por exemplo.

Quais os cuidados com a higiene após a cirurgia?

Após o procedimento, é necessário passar uma pomada cicatrizante e não aderente para tentar conter o inchaço. Em alguns casos, recomenda-se o uso de analgésicos via oral.

Depois da operação, a criança pode sentir dor ao urinar?

Não, não dói para urinar. O que ocorre é um desconforto, que acontece porque a ponta do pênis, sem a pele sobre ela, fica mais exposta e, assim, mais sensível.

Источник: https://www.ladoaladopelavida.org.br/fimose-o-que-e-doencas-urologicas

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: