Flatulência na Gravidez

Gravidez: reconheça os 20 sintomas mais e menos comuns

Flatulência na Gravidez

Basta a menstruação de uma mulher falhar um mês, ela se sentir enjoada, ficar com mais sono ou mais fome do que o normal ou tudo isso junto para alguém logo dizer que ela está grávida.

 Se a suspeita se confirmar, ela sabe que possivelmente vai apresentar nos próximos nove meses outros sinais que indicam que há um bebê se desenvolvendo no seu útero, o inchaço dos pés, por exemplo. Mas existem alguns que dão as caras em número menor de gestantes e, por isso, não são conhecidos por muita gente.

Faz parte da turma que está preparando o enxoval da maternidade? Então conheça a lista dos sintomas que provavelmente estarão presentes na sua rotina e aqueles com os quais você corre um risco menor de lidar, mas que nem por isso são menos importantes.

Os mais comuns

Náuseas, vômitos e tonturas: eles aparecem em mais da metade das gestantes especialmente nos três primeiros meses e são provocados por alterações hormonais. Podem ser combatidos com mudanças na alimentação, como uma dieta mais fracionada e a diminuição na ingestão de alimentos muito gordurosos.

Azia: também está ligada a atuação de hormônios que agem nessa fase da vida e deixam a digestão mais lenta e ao acúmulo de gases no estômago. Podem ser tratadas com a ajuda de alterações alimentares e com o uso de um travesseiro mais alto. 

Salivação em excesso: muitas gestantes nem se dão conta do que exatamente está acontecendo, mas se sentem incomodadas com o excesso de líquido acumulado na boca. Trata-se de mais um quadro que pode ser beneficiado com refeições menores e mais frequentes, aliadas à ingestão de líquidos frios e em pequenas doses.

Flatulência e constipação: o excesso de gases surge por causa da ação de hormônios que deixam o funcionamento intestinal mais lento e a redução na ingestão de verduras e legumes crus fora de casa por causa do risco da toxoplasmose e na realização de atividades físicas. Já a dificuldade de evacuar acontece porque o útero dilata, comprimindo o intestino e a progesterona deixa o funcionamento intestinal mais lento.

Cólicas e dores abdominais: se a intensidade do incômodo for leve, não há razão para preocupação, pois elas normalmente são provocadas pelo aumento do tamanho do útero e o acúmulo de líquidos no órgão. Mas se elas forem muito frequentes ou fortes ou simplesmente estiverem sendo razão de preocupação, valem uma conversa com o médico.

Problemas urinários: é normal que o número de vezes que a mulher vá ao banheiro aumente com o crescimento do feto e a consequente compressão da bexiga, mas dor ou sangue ao urinar, assim como a elevação exagerada das micções com pequenas quantidades de urina são fatos que devem ser reportados ao especialista.

Dor ou tensão nas mamas: elas são comuns desde o início da gestação em graus variáveis por causa do aumento de circulação na região e, consequentemente, do seu maior volume.

Recomenda-se usar sutiã com boa sustentação e no caso de persistência ou dúvida conversar com o profissional.

Também não se espante se a cor das auréolas ficar mais escura, o que costuma ser amenizado após o parto.

Corrimento vaginal: se ele for leitoso, sem cheiro e sem cor é normal por causa das alterações hormonais e o aumento de fluxo sanguíneo nessa parte do corpo durante a gestação. Se apresentar outras características, é bom falar com o seu médico.

Inchaço nas pernas e pés: as mudanças hormonais alteram o retorno venoso durante a gravidez, o que leva à elevação na retenção de líquidos. Além disso, há o aumento do tamanho do útero, o que comprime os vasos da região pélvica, piorando o quadro.

Dor nas costas: elas aparecem especialmente por causa do aumento do peso da barriga e a mudança no eixo de gravidade do corpo. Usar sapato de salto baixo e tomar cuidado com a postura ajuda a evitá-la. Na crise, compressas quentes são bem-vindas.

Os menos comuns

Hemorroidas: elas acontecem em 15% das gestantes e são provocadas pela compressão dos vasos sanguíneos da região pélvica causada pela expansão do útero. Ao mesmo tempo, a maior produção de progesterona pode levar à prisão de ventre, o que favorece o seu aparecimento.

Falta de ar: é decorrente do aumento uterino ou mesmo da ansiedade exagerada da gestante. Em pequena quantidade é normal, mas se ficar muito intensa ou atrapalhar a rotina, o obstetra deve verificar se não está sendo causada por outro problema.

Sangramento gengival: ele costuma acontecer porque as grávidas têm mais tendência a desenvolver gengivite por causa do aumento dos níveis hormonais, o que torna os tecidos gengivais mais suscetíveis às irritações provocadas pela placa bacteriana.

Varizes: trata-se de mais um sintoma causado pelo aumento do abdômen da mulher que faz mais pressão sobre os vasos da pelve, provocando o seu aumento e, por tabela, alterando os vasos das pernas. A elevação na circulação sanguínea característica da gestação e o ganho excessivo de peso podem piorar o problema. 

Manchas escuras no rosto: conhecidas como cloasmas gravídicos, elas aparecem porque os hormônios da gravidez deixam a pele mais sensível à pigmentação quando é exposta ao sol, especialmente sem protetor adequado.

Câimbras: elas costumam surgir a partir do segundo trimestre, quando a barriga já está maior e pesa sobre os músculos. No terceiro trimestre o feto ainda utiliza o cálcio da mãe para construir o seu esqueleto, o que piora o quadro. Alongar e massagear o músculo contraído alivia o incômodo.

Estrias: o estiramento rápido e excessivo da pele e as alterações hormonais da gestação podem romper as fibras de colágeno da pele, o que provoca as marcas. Hidratar bem o tecido e evitar ganhar muito peso durante os nove meses ajuda a evitar o problema.

Anemia: alterações no volume e na composição do sangue favorecem o surgimento dessa doença. Mudar o cardápio acrescentando mais alimentos que são fontes de ferro e investir na reposição desse mineral pode corrigí-la.

Desmaio e sensação de fraqueza: esses sintomas podem surgir quando a gestante fica muito tempo sem comer ou faz movimentos muito bruscos. Na hora da crise o ideal é sentar-se com a cabeça baixa ou deitar-se do lado esquerdo e respirar profundamente.

Fontes: Claudio Basbaum, ginecologista e obstetra do corpo clínico do Hospital São Luiz e da Clínica Pró-Matrix, ambos em São Paulo, e Marcello Valle, ginecologista e especialista em reprodução humana diretor da Clínica Origen, no Rio de Janeiro. 

Fonte: Especial para Terra

Источник: https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/gestacao/gravidez-reconheca-os-20-sintomas-mais-e-menos-comuns,be7e365d3f83c410VgnVCM10000098cceb0aRCRD.html

Gases na Gravidez: Causas e Como Amenizar

Flatulência na Gravidez

É claro que gases, flatulência e arrotos são um tanto constrangedor. A maioria das pessoas passam por isso entre 10 a 20 vezes ao dia em média. E, durante a gravidez, esse número parece aumentar muito. Mas não se preocupe! Vamos entender o porquê os gases na gravidez aumentam, e encontrar maneiras de reduzir esse problema.

Por Que Ocorrem os Gases na Gravidez?

O aumento dos níveis de progesterona durante a gravidez relaxa todos os músculos do corpo, incluindo os do aparelho digestivo. Isso diminui a digestão e os gases se acumulam no sistema, levando a eructações (arrotos), inchaço e flatulência.

Inchaço Abdominal

O inchaço ocorre no final da gravidez devido ao aumento do útero e aumento hormonal. A cavidade uterina ocupa mais espaço na cavidade abdominal, empurrando ainda mais o estômago e afetando a digestão.

Isso faz com que a mulher se sinta mais inchada após as refeições. Como resultado, ela também experimentará azia, acidez ou constipação

Causas dos Gases na Gravidez?

Além dos níveis crescentes de progesterona e do útero em crescimento, existem outros fatores que causam inchaço, a flatulência e os gases na gravidez.

Constipação

A comida viaja através do trato digestivo e permanece no intestino por um longo tempo. Isso ajuda o bebê a absorver todo o conteúdo nutricional, incluindo água. No entanto, a absorção resulta em fezes secas que levam mais tempo para atingir o reto, e o bolo fecal construído aumentará o inchaço e os gases na gravidez.

Sensibilidade alimentar

Certos alimentos são mais susceptíveis a causar gases do que outros. Por exemplo, mulheres com intolerância à lactose ao ingerir produtos lácteos, como o leite, podem sofrer de gases na gravidez.

Isso acontece porque o corpo não pode produzir lactase suficiente para quebrar a lactose (presente em produtos lácteos).

Bactérias no cólon

Durante a gestação, se houver uma variação no equilíbrio bacteriano no cólon, o resultado será inchaço, flatulência e uma maior produção de gases na gravidez.

Ganho de peso

Com a gravidez, é provável que o nível de fome possa subir e a mamãe costuma comer mais. Ter uma alimentação mais nutritiva juntamente com suplementos vitamínicos aumentam as calorias, o que faz com que a mulher grávida fique mais letárgica e menos ativa. Portanto, é provável que ela sinta mais gases na gravidez, além de se sentir inchada e desconfortável.

Como o Gás é Produzido No Corpo

O gás é encontrado no trato digestivo de duas maneiras: quando a pessoa engole o ar ou quando as bactérias quebram o alimento não digerido no intestino.

Geralmente a maior parte desses gases é liberado do estômago por eructações. E a flatulência ocorre como resultado do gás que viaja até o cólon (intestino grosso).

Os carboidratos produzem muitos gases, ao contrário das proteínas e das gorduras. As gorduras podem diminuir o processo de digestão, pois eles levam tempo para esvaziar o estômago e isso pode levar a inchaço.

Além dos nutrientes essenciais acima mencionados, existem certos alimentos que devem ser evitados para evitar gases e inchaço.

Quais Alimentos Causam Gases na Gravidez?

Alguns alimentos têm maior probabilidade de causar gases na gravidez. Para saber quais são é ideal testar um por um, para identificar o que está causando o problema.

Manter um diário de alimentos pode ajudar a descobrir se certos alimentos parecem causar mais gases do que outros.

Principais Alimentos que Causam Gases

De início, comece cortando alimentos que são os mais comuns de gerar gases:

  • Legumes como couve, couve-flor, feijão, cebolas, brócolis, alcachofras e aspargos contêm carboidratos não absorvíveis, que não podem ser digeridos. Isso pode portanto, produzir gases cheios de enxofre, resultando em mau cheiro.
  • Legumes como grão-de-bico, lentilhas e ervilhas são excelentes fontes de fibra. Mas a ingestão excessiva de alimentos ricos em fibras podecausar gases ao estômago. No entanto, em alguns indivíduos, a dieta de fibra pode ajudar a aliviar os gases e o inchaço.
  • Sementes como o girassol, a papoula e o funcho também produzirão gases no cólon levando a flatulência.
  • Frutas como maçãs, manga, passas, ameixas, cerejas, melancia e pêssegos também contêm carboidratos não absorvíveis. O corpo não pode digeri-los e eles passam para o colón causando flatulência junto com os gases.
  • Os refrigerantes, o vinho e a cerveja podem causar eructações à medida que liberam dióxido de carbono na barriga.
  • Frutose, contida nos sucos de frutas também causam gases na gravidez.
  • Trigo, farelo de trigo e produtos de trigo podem levar à fermentação no intestino grosso, causando inchaço e gases na gravidez.
  • O sorbitol, um edulcorante artificial encontrado em alguns alimentos e bebidas, pode desencadear a formação de gases.

Na maioria dos casos, os gases na gravidez não precisam de nenhum tratamento, porque logo após o nascimento do bebê, eles tendem a desaparecer.

Como Amenizar os Gases na Gravidez

Além de melhorar a alimentação, a gestante poderá utilizar algumas dessas sugestões:

  • Não coma grandes refeições. Em vez disso, é melhor comer pequenas refeições ao longo do dia.
  • Não tenha pressa! Mastigue bem os alimentos e tente não falar enquanto está comendo.
  • Corte alimentos fritos. Os alimentos fritos podem não liberar gás no estômago, mas eles podem diminuir o processo de digestão, levando ao inchaço.
  • Aumente a ingestão de líquidos. Beba muita água para manter-se hidratada, além disso, inclua sucos de frutas frescas na dieta. Eles ajudam a eliminar toxinas do corpo e evitar inchaço e constipação.
  • Beba direto no copo. Evite beber em uma garrafa pois é mais fácil engolir ar, o que dará mais gases.
  • Não tome bebidas que contenham gás carbônico como os refrigerantes por exemplo.
  • Evite chicletes
  • Corte açúcar e refinados. Doce durante a gravidez é comum, mas é preciso controlar o desejo de consumir açúcares refinados.

Mantenha um diário alimentar. Acompanhe os alimentos que consome e a sensação de gases que é sentido dentro de seis horas após cada refeição. Mantenha um diário alimentar para descobrir os alimentos que estão causando uma reação.

Existe Algum Medicamento Para Tratar os Gases na Gravidez?

Se essas dicas não ajudaram, o ideal é perguntar ao médico se é possível tomar algum remédio para gases que contenha Simeticona.

Quando os Gases na Gravidez Podem Ser Motivo de Preocupação?

O inchaço e os gases na gravidez são bastante comuns. Mas se eles estiverem gerando um desconforto acima do normal é importante entrar em contato com o médico o mais breve possível. Fique atenta aos sintomas:

  • Muita dor abdominal e cólic
  • Sangue nas fezes
  • Contrações doloridas e ritmadas antes das 36 semanas de gravidez
  • Constipação e diarreia severas
  • Vômitos graves e náuseas

Não espere. Apesar de serem comuns, os gases na gravidez podem ser um sinal de que algo não anda bem.

Veja Também: Azia é Sintoma de Gravidez?
Fotos: Nikon D610

Источник: https://www.famivita.pt/gases-na-gravidez/

Gases (Flatulência): Remédios, Chás, Sintomas e na Gravidez

Flatulência na Gravidez

Flatulência é um acúmulo de gás no sistema digestivo que pode levar ao desconforto abdominal. A maioria das pessoas experimenta flatulência.

A flatulência excessiva pode causar desconforto e desconforto. Frequentemente ocorre como resultado de comer certos alimentos, mas pode ser um sinal de uma condição mais séria.

Na maioria dos casos, uma mudança de dieta e estilo de vida pode ajudar a controlar o excesso de gás.

Como o Gás é Produzido no Corpo?

O gás é capturado no trato digestivo de duas maneiras – quando você engole ar e quando as bactérias quebram o alimento não digerido no intestino. Você libera a maior parte desse gás do seu estômago por arrotos. E flatulência ocorre como resultado de gás que viaja até o cólon (intestino grosso).

Os carboidratos produzem muito gás, ao contrário das proteínas e gorduras. As gorduras podem retardar o processo de digestão, pois levam tempo para esvaziar o estômago e isso pode levar ao inchaço.

Além dos nutrientes essenciais acima, existem certos alimentos que devem ser evitados para evitar gases e inchaço.

Gases Durante a Gravidez

Gás durante a gravidez é uma ocorrência frequente, o que também significa que o gás durante a gravidez é uma preocupação comum. A pessoa típica vai passar gás aproximadamente 18 vezes por dia. A razão para isso é que a pessoa média produz até 4 litros de gás por dia.

O acúmulo de gás acontece se você está grávida ou não. No entanto, você pode descobrir mais desafios com o gás quando descobrir que está grávida. Um dos principais fatores que contribuem para experimentar mais gases durante a gravidez é o aumento dos níveis de progesterona. A progesterona é um hormônio que faz com que os músculos do corpo relaxem.

Quais são os Sintomas dos Gases?

Às vezes, o gás intestinal associado ao inchaço pode ser acompanhado por:

Alimentos que causam flatulência tendem a ser aqueles altos em certos polissacarídeos, particularmente oligossacarídeos, como a inulina. A inulina pertence a uma classe de fibras alimentares conhecidas como frutanos.

Alguns alimentos podem causar gases fedorentos em algumas mulheres grávidas.

Vegetais como repolho, couve-flor, feijão, couve de Bruxelas, cebola, brócolis, alcachofra e aspargo contêm carboidratos inabsorvíveis, que não podem ser digeridos. Isto poderia, portanto, produzir gases cheios de enxofre, resultando em mau cheiro.

Alimentos como grão de bico, lentilhas, grama verde e guandu são ótimas fontes de fibra. Mas a ingestão excessiva de alimentos ricos em fibras pode levar ao estômago gasoso. No entanto, em alguns indivíduos, a dieta com fibras pode ajudar a aliviar o gás e o inchaço.

Sementes como girassol, papoula e erva-doce também produzem gás no cólon, levando à flatulência.

Frutas como maçãs, manga, passas, ameixas, cerejas, melancia e pêssegos também contêm carboidratos inabsorvíveis. Seu corpo não pode digeri-los e eles passam para o cólon causando flatulência junto com o gás.

Refrigerantes, vinho e cerveja podem causar arrotos, pois liberam dióxido de carbono em sua barriga.

Sucos de frutas contendo frutose também causam gases e inchaço. Trigo, farelo de trigo e produtos de trigo podem levar à fermentação no intestino grosso, causando gás e inchaço.

Sorbitol, um adoçante artificial encontrado em alguns alimentos e bebidas, poderia desencadear a formação de gás.

Na maioria dos casos, você não precisa de nenhum tratamento, pois o gás e o inchaço desaparecem logo após o nascimento do bebê. Além disso, existem alguns remédios caseiros e maneiras que podem ajudá-lo a gerenciar o sentimento desconfortável e inchado.

Medicamentos Para o Tratamento de Gases

Os medicamentos abaixo só devem ser tomados sob prescrição médica:

  • OTC Simethicone (Mylicon, Gas-X) para alívio imediato de gás.
  • Antiácidos com baixo teor de sódio para estômago inchado e refluxo ácido.

Chás de ervas que podem ajudar com os gases

Chá de hortelã

Hortelã-pimenta, conhecida pelo nome científico Mentha piperita, é uma erva da família das mentas que é valorizada tanto pela sua fragrância como pelas propriedades medicinais. Os caules e folhas da planta de hortelã-pimenta contêm mentol, o composto responsável por suas propriedades curativas e cheiro característico.

O chá de hortelã-pimenta tem efeitos analgésicos calmantes que o tornam inestimável para o tratamento de problemas digestivos como gases e inchaço. De acordo com o Centro Médico da Universidade de Maryland, a hortelã-pimenta alivia os músculos tensos do trato digestivo, permitindo que o gás seja dissipado de forma mais rápida e fácil.

Para fazer um chá revigorante de hortelã-pimenta, basta adicionar 1 colher de chá. folhas secas de hortelã a uma xícara de água fervente por cinco a dez minutos, coe e beba. Pessoas com refluxo gastroesofágico (DRGE) devem evitar o chá de hortelã-pimenta, pois ele pode relaxar o esfíncter esofágico e permitir que o ácido do estômago entre no esôfago mais prontamente.

Chá de cidreira

Outro membro da família das mentas, erva-cidreira (Melissa officinalis) tem sido usado desde a Idade Média como um remédio para insônia, ansiedade, desconforto digestivo e baixo apetite.

 Ele contém óleos voláteis chamados terpenos que conferem à planta suas propriedades curativas.

 Eugenol – o principal composto ativo da erva-cidreira – é responsável por grande parte de sua capacidade de anestesiar a dor e aliviar espasmos musculares no trato digestivo, criando um ambiente menos propício para o gás.

Para um chá relaxante, adicione 1 a 1,5 colher de chá. erva-cidreira deixa a uma xícara de água quente, íngreme por 10 minutos e beber. Erva-cidreira pode causar sonolência indesejada, que pode ser agravada pelo álcool. Evite beber álcool e tomar outros depressores enquanto estiver usando chá de erva-cidreira, pois os efeitos combinados podem resultar em sedação perigosa.

Chá de Semente de Funcho

Semente de funcho vem da planta de erva-doce (Foeniculum vulgare). Semente de funcho é um carminativo, promovendo a digestão, impedindo a formação de gás e auxiliando na passagem do gás.

 Misturado com bicarbonato de sódio, semente de anis e endro, a semente de erva-doce é um dos ingredientes tradicionais da gripe water, um medicamento natural usado no tratamento de cólicas e flatulência em lactentes.

Para fazer chá a partir de sementes de funcho, despeje uma xícara de água fervente sobre 1 colher de sopa. sementes de funcho esmagadas ou feridas, tensão e bebida. As pessoas com epilepsia devem evitar tomar erva-doce, pois isso pode aumentar o risco de convulsões. Em casos raros, podem ocorrer reações alérgicas que requerem atenção médica imediata.

Chá de Raiz Dente-de-Leão

Feito a partir das raízes de uma erva comum, o chá dente de leão é um remédio eficaz para o inchaço e outros sintomas digestivos. Ele pode ser usado como um substituto saudável para o café devido ao seu sabor rico e terroso e tem sido usado medicinalmente para aliviar gases, inchaço e outras queixas digestivas.

De acordo com a Universidade de Maryland Medical Center, dandelion atua como um diurético, aumentando a micção e diminuindo a retenção de água causada por flutuações hormonais e outros fatores.

 Também é útil para o tratamento de sintomas decorrentes da má digestão e contém potássio, um mineral que muitas vezes é deficiente em pessoas que tomam diuréticos.

 É uma fonte rica de muitos nutrientes, incluindo vitaminas A, complexo B, C e D, bem como minerais como magnésio, cálcio e ferro.

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES

Receba nossos novos artigos em seu e-mail e fique sempre informado, é grátis!

Источник: https://opas.org.br/gases-flatulencia-remedios-chas-sintomas-e-na-gravidez/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: