FOTOS DA DOENÇA GOTA

Ácido úrico em excesso: saiba tudo sobre sintomas, prevenção e tratamento

FOTOS DA DOENÇA GOTA

Sua articulação inchou, está vermelha e dolorida? Pode ser hiperuricemia, condição que ocorre quando a taxa de ácido úrico fica elevada.

Antes de tudo, é importante você saber que é normal ter ácido úrico no organismo. A substância é uma espécie de “resto”, material resultante do metabolismo de uma proteína chamada purina, presente em muitos alimentos. O problema é quando ela se acumula em grandes quantidades. Aí, pode gerar dores nas articulações, cálculos renais, hipertensão e até problemas cardiovasculares. 

Cerca de 40% das pessoas com excesso de ácido úrico apresentam histórico familiar do problema, o que permite afirmar que existe uma influência genética significativa. No entanto, outros fatores podem contribuir para seu surgimento, como alimentação, consumo excessivo de álcool, uso de certas medicaçõese a presença de outras doenças.

Os homens costumam ser os mais afetados pelo problema, pois o estrógeno (hormônio feminino) tem efeito uricosúrico — que estimula a eliminação do ácido úrico pela urina. Por isso, a hiperuricemia é rara em mulheres que ainda não estão na menopausa.

Algumas pessoas podem ter somente crises agudas de artrite, inflamação das articulações que causa dor e rigidez.

Em outros o excesso de ácido úrico gera um material parecido com um cristal que, ao ficar retido no corpo, dá origem a gota — problema em que, geralmente, punhos, cotovelos, tornozelos, joelhos ou dedos dos pés ficam muito doloridos, inchados, vermelhos e com aumento da temperatura na pele da região afetada.

Em excesso na urina, esses cristais ainda podem dar origem a alterações nas funções dos rins ou a cálculos renais, além de causar hipertensão, artrite e problemas cardiovasculares.

Quando se preocupar com o ácido úrico?

O paciente com hiperuricemia deve ser tratado sempre que tiver alguma doença relacionada ao surgimento de cristais de urato. Só indicado tratamento para pessoas sem qualquer sintoma (como gota e artrite) quando os valores sanguíneos de ácido úrico ficam, de forma persistente, acima de 13 mg/dl nos homens ou 10 mg/dl nas mulheres.

Pessoas do sexo masculino com índice maior do que 7,0 mg/dl e do sexo feminino acima de 6,0 mg/dl já devem tomar certas precauções para que a taxa da substância no organismo não aumente.

As principais medidas são: evitar alimentos ricos em purina, como bacon e outras carnes de porco, peixes e frutos do mar, vísceras (coração de galinha, rim, fígado, miolo etc.), embutidos, ovas de peixe e bebidas alcoólicas, especialmente a cerveja.

O paciente também precisa beber de um e meio a dois litros de água por dia e, se estiver com sobrepeso, emagrecer. 

Como manter o ácido úrico sob controle?

A principal recomendação é ter um estilo de vida saudável: praticar atividades físicas regularmente, evitar o sobrepeso e manter uma alimentação equilibrada.

Também é importante maneirar no consumo de bebidas alcoólicas.

Todas essas atitudes ajudam a controlar os fatores de risco para o ácido úrico e ainda trazem um melhor controle metabólico, reduzindo o risco de outras doenças e melhorando sua qualidade de vida de maneira geral.

O que é gota?

A principal consequência do nível elevado de ácido úrico é a artrite gotosa, conhecida popularmente como gota. Ela pode ser dividida em primária e secundária.

A primária acontece por um erro inato do metabolismo das purinas no organismo (um defeito enzimático específico).

Nesse caso, há a superprodução de ácido úrico e/ ou “falha” na excreção renal de urato –o mais comum.

Já a gota secundária é aquela que surge durante o desenvolvimento de algumas doenças, como leucemia, linfoma, anemia hemolítica, psoríase, hiperparatireoidismo, entre outras.

Também pode ser gerada pelo uso de medicamentos diuréticos, ácidos salicílicos e L-dopa.

Ou ainda quando o indivíduo segue uma dieta rica em purinas, fica debilitado por falta de alimentação ou sofre desidratação grave.

Quais são os sintomas de gota?

A gota pode ser dividida em três momentos: a artrite gotosa aguda, os períodos intercríticos e a gota crônica. A fase de artrite gotosa aguda é caracterizada por uma crise súbita de dor articular. Ela costuma comprometer uma única articulação, associada a calor, rubor e edema local.

A parte do corpo mais afetada costuma ser o dedão do pé, mas pode atingir as articulações dos outros dedos também, além do dorso, tornozelos, joelhos, punhos, mãos ou cotovelos. Durante uma crise aguda de gota, podem ocorrer febre e calafrios. A duração varia de horas a poucos dias.

Finalizada a crise aguda de gota, o paciente passa para o período intercrítico, quando não tem sintomas. A duração varia bastante, tanto que uma segunda crise de gota aguda pode acontecer no período de seis meses a dez anos. Porém, na maioria dos casos, ocorre entre seis e 24 meses após a primeira crise.

Se a gota não for tratada adequadamente, tende a favorecer ataques subsequentes mais graves e prolongados, além de reduzir o período intercrítico. Isso faz com que os sintomas não se resolvam completamente, havendo o comprometimento de mais de uma articulação. É aí que a pessoa chega à fase de gota crônica.

Nela, os períodos livres de sintomas desaparecem, e o paciente apresenta quadro de dor contínua em mais de uma articulação, associada a outros sinais de inflamação, como edema e calor, que levam a deformidades e ao surgimento de tofos (nódulos resultantes do acúmulo de cristais de ácido úrico).

Geralmente, os tofos são indolores, mas podem surgir em várias partes do corpo e limitar a mobilidade da articulação perto de onde se localizam, além de ulcerar e drenar uma secreção que lembra pó de giz molhado. Durante toda a evolução da gota, o aumento do ácido úrico no sangue (hiperuricemia) pode causar dano aos rins.

Como é o tratamento da gota?

Em princípio, o tratamento tem como principal objetivo controlar a crise aguda de gota e prevenir que ela retorne. Para isso, são utilizados medicamentos que amenizam a dor e inflamação das articulações, aliados a recomendações de repouso e compressas de gelo.

Também são indicados, pelo médico, remédios que reduzem o nível de ácido úrico no organismo, conhecidos como hipouricemiantes –que podem diminuir a produção de ácido úrico ou ainda aumentar a excreção da substância pela urina. 

A escolha do medicamento depende de fatores como idade, função renal, presença de cálculos nos rins e do histórico de alergias. Medidas de incentivo para que o paciente adote mudanças de hábitos de vida mais saudáveis devem sempre ser adotadas.

Qual especialista procurar?

O reumatologista é o profissional que possui especialização mais apropriada para diagnosticar e acompanhar pacientes com gota. Além do diagnóstico adequado, é igualmente importante uma visão global da doença, assim como do comprometimento articular, pois ela afeta o corpo todo, não sendo apenas um “tipo de artrite”.

Tanto nas fases de artrite gotosa aguda quanto na de gota crônica, uma avaliação cuidadosa é importante para afastar ou identificar outras enfermidades que possam se associar ou serem confundidas com a gota, como infecção da articulação (artrite séptica) e osteoartrite, além de doenças relacionadas à alteração de metabolismo de outros tipos de cristais, como a condrocalcinose.

Fontes: Ana Beatriz de Azevedo, reumatologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo (SP); e Roberto Bernd, Presidente da Comissão de Gota da Sociedade Brasileira de Reumatologia.

SIGA O VIVABEM NAS REDES SOCIAIS

: https://www..com/VivaBemUOL/
Instagram: https://www.instagram.com/vivabemuol/
Inscreva-se no nosso canal no : http://goo.gl/TXjFAy

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2018/02/27/quais-sao-os-sintomas-de-acido-urico.htm

Gota: da prevenção ao tratamento

FOTOS DA DOENÇA GOTA
Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Em geral, o inchaço e a dor atingem primeiro o dedão do pé  Foto: Gustavo Arrais/SAÚDE é Vital

Inchaço e dores intensas nas juntas, sobretudo no dedão do pé, são os principais sinais da gota, doença inflamatória causada por uma sobrecarga de ácido úrico no sangue – condição que os médicos chamam de hiperuricemia. Quando o excesso de produção dessa substância não é eliminado pelos rins, ela acaba se acumulando nas articulações. Nesses pontos, o depósito dá origem a cristais de urato, despertando os surtos dolorosos da doença, um tipo de artrite.

O DNA está por trás da encrenca. Algumas pessoas produzem ácido úrico aos montes ou não conseguem eliminá-lo adequadamente pelos rins – daí porque ele aparece em alta concentração no sangue, contribuindo para o surgimento da gota.

De onde vem tal ácido úrico?

Ele surge no organismo a partir da decomposição de uma substância chamada purina. Esta, por sua vez, tem duas fontes. A primeira, interna, deve-se a um processo natural de renovação das células.

Quando uma delas morre, seu DNA se desintegra, dando origem a moléculas de purina. Esse mecanismo responde por 80% do ácido úrico no corpo.

Os outros 20% vêm dos alimentos ricos na substância, entre eles carnes vermelhas, anchovas, aspargos, cogumelos e pães doces.

Hábitos que levam à obesidade e à síndrome metabólica – quadro marcado por problemas como hipertensão, colesterol alto e diabetes – elevam o risco de ter gota. O abuso de medicamentos como diuréticos e ácido acetilsalicílico são outros fatores desencadeadores do sofrimento.

Onde a dor pega

A gota, em geral, afeta uma articulação por vez, começando preferencialmente pelo dedão do pé e se expandindo para as juntas do joelho, tornozelo e atingindo até mão, punho e cotovelo.

A frequência e a duração dos episódios variam de pessoa para pessoa. Algumas podem ter uma crise súbita que desaparece para nunca mais voltar.

Mas, na maioria das vezes, o problema tem início com surtos de curta duração – uma semana, em média – e que demoram a reaparecer.

Se a gota não for tratada, as dores e o inchaço vão ficando cada vez mais corriqueiros, com impacto negativo na qualidade de vida dos pacientes.

Sinais e sintomas

– Dor nas articulações, sobretudo no dedão do pé– Inchaço– Vermelhidão na pele– Rigidez nas articulações

– Elevação de temperatura

Fatores de risco

– Homens são mais propensos a ter gota do que mulheres– O distúrbio aparece, em geral, entre os 40 e os 50 anos de idade

– Excesso de carne, peixes e frutos do mar na dieta aumentam o risco da doença

– Ingestão exagerada de álcool (sobretudo cerveja, que tem alta concentração de purina)
– Alto consumo de refrigerante– Abuso de medicamentos como diuréticos e ácido acetilsalicílico– Obesidade– Colesterol alto

– Predisposição genética

A prevenção

Como cerca de 20% do ácido úrico no corpo vem da alimentação, quem tem predisposição à gota deve pegar leve na ingestão de itens que aumentam a formação da substância, como carnes, peixes e frutos do mar, embutidos, feijão e grão-de-bico.

Continua após a publicidade

O álcool também deve ser evitado, porque reduz a eliminação do ácido úrico pelos rins. A cerveja é uma das bebidas que mais exigem moderação nesse caso: além de álcool, ela tem cevada, cereal repleto de purina, a molécula cuja decomposição estimula a produção do ácido.

A melhor sugestão é optar por um menu equilibrado, farto em vegetais e não tão carregado desses itens perigosos. Refrigerantes e sucos industrializados integram a lista dos malfeitores.

A atividade física também é bem-vinda, porque ajuda na manutenção do peso e na prevenção das desordens que intensificam o risco de aparecimento das dores nas juntas – durante as crises, claro, é preciso suspender a malhação.

O diagnóstico

Em primeiro lugar, é bom esclarecer: nem todo mundo com alto nível de ácido úrico no sangue vai necessariamente ter gota. A carga genética que atua na capacidade de eliminação do excesso pela urina determina o aparecimento (ou não) da doença. Além disso, os problemas nas articulações podem ser consequência de outros distúrbios, como reumatismo e artrose.

Na consulta, o reumatologista vai levantar a história clínica do paciente, informando-se de eventuais casos de gota na família – este, sim, um fator de risco relevante. Um exame de sangue apontará se as taxas de ácidos úrico estão altas.

A questão é que, algumas vezes, mesmo durante as crises, os índices estão dentro da faixa normal. Então o médico pode solicitar que seja colhido o líquido da articulação alterada.

O material será analisado para detectar a presença de cristais, achado que contribui para fechar o diagnóstico.

O tratamento

Não há cura para a gota, mas a doença pode ser controlada. Repouso e uso de bolsas de gelo no local afetado são providências bem-vindas para atenuar as dores, normalmente bastante intensas. Também como forma de reduzir o martírio, o médico receita anti-inflamatório e analgésico.

Para direcionar o tratamento com foco na prevenção de novas crises, o reumatologista investigará se a doença é causada pela hiperproduçãode ácido úrico, forma mais rara do distúrbio. Nesse caso, ele vai prescrever remédios para baixar a síntese da substância pelo organismo.

Se o acúmulo de ácido úrico se deve a falhas na sua eliminação pela urina, causa mais frequente da gota, a receita indicará um medicamento capaz de estimular esse processo.

Em ambos os casos, os comprimidos devem ser tomados diariamente, e surtos graves e frequentes exigem que o tratamento se estenda pela vida toda – sempre com acompanhamento do especialista para ajustar a dosagem e contornar efeitos colaterais dos medicamentos.

Aos remédios se juntam as recomendações sobre dieta, com ênfase na moderação de alimentos repletos de purina. Pacientes acima do peso serão orientados ainda a adotar hábitos capazes de eliminar os quilos extras, apostando em cardápios mais leves e aderindo a um programa de exercícios físicos adequado ao seu perfil.

Continua após a publicidade

Источник: https://saude.abril.com.br/medicina/gota-da-prevencao-ao-tratamento/

Gota – Sociedade Brasileira de Reumatologia

FOTOS DA DOENÇA GOTA

Baixe o material sobre Gota em formato PDF

Download do arquivo

A gota é uma doença inflamatória que acomete sobretudo as articulações e ocorre quando a taxa de ácido úrico no sangue está em níveis acima do normal (hiperuricemia).

O que causa a gota?

O aumento nas taxas de ácido úrico no sangue pode ocorrer tanto pela produção excessiva quando pela eliminação deficiente da substância. É importante saber que nem todas as pessoas que estiverem com a taxa de ácido úrico elevada (hiperucemia) desenvolverão a gota.

A maioria dos portadores de gota é composta por homens adultos com maior incidência entre 40 e 50 anos e, principalmente em indivíduos com sobrepeso ou obesos, com vida sedentária e usuários de bebidas alcoólicas com freqüência.

As mulheres raramente desenvolvem gota antes da menopausa e geralmente tem mais de 60 anos de idade quando a desenvolvem.

Quais são os sintomas?

Com o aumento da concentração de ácido úrico no sangue, ocorre a deposição de cristais nos tecidos, principalmente nas articulações, causando inflamação e consequentemente dor e inchaço acometendo principalmente as articulações do dedão, tornozelos e joelhos.

A gota é caracterizada, inicialmente, por ataques recorrentes de artrite aguda, provocados pela precipitação, nos espaços articulares, de cristais de ácido úrico. O quadro clássico consiste em dor que freqüentemente começa durante a madrugada e é intensa o suficiente para despertar o paciente.

Embora qualquer articulação possa ser afetada, sobretudo as dos membros inferiores, o hálux (dedão) é a articulação mais frequentemente envolvida na primeira crise. Além da dor a articulação comumente apresenta-se inflamada com presença de calor, rubor (vermelhidão) e inchaço.

Também pode haver formação de cálculos, produzindo cólicas renais e depósitos de cristais de ácido úrico debaixo da pele, formando protuberâncias localizadas nos dedos, cotovelos, joelhos, pés e orelhas (tofos).

O que pode desencadear as crises de gota?

Alguns fatores podem desencadear uma crise de gota em pessoas hiperuricêmicas como ingestão de álcool, principalmente vinho tinto e cerveja, dieta rica em determinados tipos de alimentos (ricos em purina), trauma físico, cirurgias, quimioterapia e uso de diurético.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da gota é feito sobretudo após um história clínica bem feita asssociada aos exames mostrando níveis elevados de ácido úrico no sangue. Outros exames podem ser solicitados como radiografias e dosagem de ácido úrico na urina.

Qual é o tratamento?

Não há cura definitiva para a gota. O tratamento visa diminuir a dor e inflamação nas crises agudas e a correção da hiperuricemia subjacente com o objetivo de prevenir episódios futuros e evitar lesões nas articulações.

É necessário evitar os fatores desencadeantes ou que propiciam a formação de ácido úrico, além de um aumento na ingestão de líquidos para otimizar a taxa de fluxo urinário. A crise aguda de gota pode ser controlada com o uso de colchicina, antiinflamatórios ou a associação de ambos com alívio em geral após 2 horas da dose inicial.

Essas medicações devem ser usadas sempre sob prescrição médica e com cautela em pacientes com insuficiência renal, hipertensão, ulceração péptica ou gastrite. Medicações com objetivo específico de diminuir os níveis de ácido úrico também devem ser iniciadas e mantidas a longo prazo, com o cuidado de se aguardar a resolução completa da crise aguda para o seu início.

Quando a presença de tofos prejudica a função articular a retirada cirúrgica também pode ser indicada. É importante frisar que a gota não é uma doença incapacitante e quando tratada adequadamente não interfere na qualidade de vida.

E se eu não tratar?

Sem tratamento as crises leves geralmente desaparecem depois de um ou dois dias, enquanto as crises mais graves evoluem rapidamente para uma dor crescente em algumas horas e podem permanecer nesse nível durante uma semana ou mais. O desaparecimento completo dos sintomas pode levar várias semanas.

Após a primeira crise em geral o paciente volta a levar uma vida normal, o que geralmente faz com que ele não procure ajuda médica imediata. Uma nova crise pode surgir em meses ou anos e a mesma ou outras articulações. Sem tratamento, o intervalo entre as crises tende a diminuir e a intensidade a aumentar.

O paciente que não se trata pode ter suas articulações deformadas e ainda apresentar depósitos de cristais de monourato de sódio em cartilagens, tendões, articulações e bursas.

Recomendações para os portadores de gota:

  • Evitar o consumo de frutos do mar, sardinha, miúdos (rim e fígado), excesso de carne vermelha e pele de aves quando os níveis de ácido úrico estiverem altos porque você pode desencadear uma crise. Sob tratamento, esses alimentos podem ser ingeridos sem exagero
  • O consumo de bebidas alcoólicas também pode ser feito sem exageros quando os níveis de ácido úrico estiverem controlados
  • Evitar uma dieta hipercalórica, pois leva à obesidade que é um fator de risco para os portadores de gota além do excesso de peso sobrecarregar as articulações inflamadas
  • Aumentar a ingesta hídrica
  • Procure o tratamento e acompanhamento médico adequado caso haja doenças associadas como hipertensão arterial, diabetes, etc.

Источник: https://www.reumatologia.org.br/doencas-reumaticas/gota/

Gota: o que é, causas, sintomas e tratamento

FOTOS DA DOENÇA GOTA

A gota ou artrite gotosa, chamada popularmente de reumatismo nos pés, é uma doença inflamatória causada pelo excesso de ácido úrico no sangue, situação chamada de hiperuricemia em que a concentração de urato no sangue é superior a 6,8 mg/dL, que causa muita dor nas articulações. Os sintomas incluem o inchaço, a vermelhidão e a dor ao movimentar uma articulação, sendo que a mais afetada, geralmente, é a do dedão do pé, que fica dolorido, principalmente ao caminhar.

É importante salientar que nem todas as pessoas que possuírem a taxa de ácido úrico elevado irão desenvolver a gota, já que a doença é dependente de outros fatores.

As crises da gota têm melhora, e o que se pode fazer é melhorar a alimentação para reduzir os níveis de ácido úrico no sangue e o uso de medicamentos anti-inflamatórios para controlar a dor e a inflamação, como o Ibuprofeno, o Naproxeno ou a Colchicina. No entanto, é importante controlar os níveis de ácido úrico no sangue para evitar que aconteçam crises de gota e que surjam complicações que são irreversíveis, como deformações nas articulações.

Para controlar os níveis de ácido úrico no sangue, o reumatologista ou o clínico geral pode indicar o uso de remédios para bloquear a produção de ácido úrico, como o Alopurinol, ou remédios para ajudar os rins a eliminar o ácido úrico pela urina, como a Probenecida.

Os sintomas de gota surgem como consequência da deposição de cristais de ácido úrico nas articulações, resultando em dor intensa na articulação que dura alguns dias e que piora com o movimento, além de aumento da temperatura local, edema e vermelhidão.

A dor, que na maioria das vezes começa na madrugada, é intensa o suficiente para acordar o paciente e dura cerca de 12 a 24 horas, no entanto, após a dor a pessoa pode sentir desconforto na articulação afetada, principalmente ao mover, que pode durar alguns dias a semanas, principalmente no caso da gota não ser devidamente tratada.

Qualquer articulação pode ser afetada, no entanto a gota é mais frequente nos membros inferiores, principalmente dedão do pé. Também pode haver a formação de cálculos renais e deposição de cristais de ácido úrico debaixo da pele, formando protuberâncias nos dedos, cotovelos, joelhos, pés e orelhas, por exemplo.

Saiba reconhecer os sintomas de gota.

Como é o diagnóstico

O diagnóstico da gota é realizado de acordo com a história clínica do paciente, exame físico e exames complementares, como dosagem de ácido úrico no sangue e na urina, além de radiografias.

O padrão ouro para diagnóstico da gota é a observação de cristais de urato através da microscopia.

Causas da gota

A gota acontece como consequência da hiperuricemia, que corresponde ao aumento da quantidade de ácido úrico no sangue, que pode acontecer tanto devido ao aumento da produção de ácido úrico como também por deficiência da eliminação dessa substância. Outras causas de gota são:

  • Ingestão inadequada de medicamentos;
  • Uso exagerado de diuréticos;
  • Abuso do álcool;
  • Consumo exagerado de alimentos ricos em proteínas, como as carnes vermelhas, miúdos, frutos do mar e leguminosas, como ervilhas, feijão ou lentilha;
  • Diabetes;
  • Obesidade;
  • Hipertensão arterial não controlada;
  • Arteriosclerose.

Devido às grandes quantidades de ácido úrico circulantes, há deposição de cristais de urato monossódico, que é a forma sólida do ácido úrico, nas articulações, principalmente dedão no pé, tornozelo e joelhos.

A ocorrência da gota é mais comum em pessoas com sobrepeso ou obesas, que possuem vida sedentária e que são portadores de doenças crônicas que não estão sendo muito bem controladas. Além disso, a gota é mais comum de acontecer em homens entre 40 e 50 anos e mulheres após a menopausa, geralmente a partir dos 60 anos.

Como é feito o tratamento

O tratamento da gota basicamente divide-se em duas etapas: manejo da crise aguda e terapia de longo prazo.

O tratamento para as crises de gota envolve remédios anti-inflamatórios que devem ser recomendados pelo médico, como Ibuprofeno ou Naproxeno, por exemplo, para aliviar a dor e a inflamação da articulação.

Outro remédio anti-inflamatório muito utilizado para controlar a dor e a inflamação é a Colchicina, que atua também ao nível do ácido úrico.

Os remédios corticoides, como a Prednisona, também podem ser usados para tratar a dor e a inflamação da articulação, no entanto esses remédios só são utilizados quando a pessoa não pode tomar os outros anti-inflamatórios ou quando estes não possuem o efeito desejado.

Além destes remédios, o reumatologista ou o clínico geral também pode prescrever remédios para controlar os níveis de ácido úrico no sangue para evitar novas crises e prevenir complicações, como o Alopurinol ou a Probenecida. Veja mais sobre o tratamento para gota.

É importante também mudar os hábitos alimentares, uma vez que pode influenciar diretamente na quantidade de ácido úrico circulante e, consequentemente, na deposição de cristais na articulação, e tratar doenças de base que também pode favorecer a ocorrência da gota quando não tratadas, como hipertensão e diabetes, por exemplo.

Como deve ser a alimentação

Para aliviar os sintomas de gota e evitar novas crises, é importante alterar os hábitos alimentares para que os níveis de ácido úrico sejam regularizados.

Desta forma, a pessoa deve diminuir ou evitar a ingestão de alimentos ricos em purinas, como queijo, lentilhas, soja, carnes vermelhas ou frutos do mar, pois eles aumentam os níveis de ácido úrico no sangue, e beber cerca de 2 a 4 litros de água por dia, pois a água ajuda a remover o excesso de ácido úrico pela urina.

Saiba quais os alimentos que deve ou não comer na gota no vídeo a seguir:

Источник: https://www.tuasaude.com/gota/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: