Grávida pode tomar omeprazol?

Omeprazol: eficaz no controle da acidez estomacal, ele pode levar à anemia

Grávida pode tomar omeprazol?

Quem tem problemas digestivos conhece bem o omeprazol, o primeiro inibidor da bomba de prótons utilizado para controle da acidez gástrica. No mercado desde o final da década de 1980, ele revolucionou o tratamento de vários problemas gastrointestinais.

O que é o omeprazol?

Trata-se de um medicamento que faz parte do grupo dos inibidores da bomba de prótons cuja ação é reduzir a produção de ácido no estômago.

Em quais situações ele deve ser usado?

Esse medicamento só pode ser vendido sob prescrição médica. Dada a ampla utilização desse fármaco, ele é considerado muito seguro. Contudo, é importante que você faça o uso racional desse remédio, ou seja, utilize-o de forma apropriada, na dose certa e por tempo adequado.

O omeprazol é indicado para o tratamento dos seguintes sintomas e condições:

  • Úlceras gástricas (do estômago)
  • Úlceras duodenais (do intestino)
  • Refluxo gastroesofágico (retorno do suco gástrico do estômago para o esôfago)
  • Dispepsia (caracterizada por azia, arroto, indigestão e maior acidez)
  • Doença de Zollinger-Ellison (rara, ela causa a produção em excesso de ácido)

Esta medicação também poderá ser prescrita para o tratamento de pacientes graves, quando haja risco de sangramento gástrico, bem como na terapia de combate a infecções pelo Helicobacter pylori. Nesse último caso, seu uso será combinado a algum antibiótico.

Entenda como ele funciona

O omeprazol possui excelente farmacocinética, ou seja, é absorvido principalmente pelo intestino delgado e metabolizado pela via hepática. Ao finalizar sua tarefa, ele é excretado pela via renal e fecal.

Quanto à sua farmacodinâmica, ou seja, seu mecanismo de ação, ele age inibindo a enzima H+/ K+ ATP (bomba de prótons), última etapa da produção do ácido gástrico.

Conheça as apresentações disponíveis

As marcas de referência do omeprazol são o Losec® e o Peprazol®. Mas você pode encontrar as versões genéricas. Confira as apresentações disponíveis, que podem ter a forma sódica ou magnésica (o medicamento é estável nesses dois tipos de sais):

  • Cápsula – 10mg, 20mg e 40mg
  • Comprimido – 20mg e 40mg
  • Pó injetável – 40mg

Em geral, o remédio começa a fazer efeito a partir de 1 hora de seu uso, atingindo seu ponto máximo em até 4 horas. O controle da acidez pode durar por cerca de 72 horas.

O tratamento com o omeprazol deve ocorrer somente sob orientação médica. A depender da doença que se está tratando, as doses e o tempo da terapia serão diferentes. E pode até ocorrer de ser necessário o ajuste de doses nesse período. Por isso, evite a automedicação. A explicação é da gastroenterologista Elaine Moreira, membro da G e da Comissão G Mulher.

Quais são as vantagens e desvantagens desse medicamento?

A grande vantagem desse fármaco é o baixo custo e a acessibilidade. Cristina Ostrowski Sales, farmacêutica, docente da disciplina de farmacologia dos cursos de medicina, farmácia e odontologia da PUC-PR, acrescenta que embora já existam outras opções de fármacos do mesmo tipo, ele continua sendo efetivo.

Contudo, ela destaca a maior desvantagem do omeprazol: por ser tão acessível, a automedicação é muito comum. “Em vez de controlar a dieta, as pessoas abusam dela e, depois, tomam o omeprazol por tempo indeterminado, sem ter noção dos riscos que correm, como a perda da capacidade de absorção de vitaminas, que pode levar à anemia, e até à osteoporose”, completa.

Não, no entanto, consta da Rename (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais), por isso tem distribuição gratuita em todas as UBS (Unidades Básicas de Saúde). Para ter acesso a ela, basta apresentar a receita médica.

Quais são as contraindicações do omeprazol?

O omeprazol não pode ser usado por pessoas que sejam alérgicas (ou tenham conhecimento de que alguém da família tenham tido reação semelhante) ao seu princípio ativo ou a qualquer outro componente de sua fórmula. Lembre-se de falar sobre isso com seu médico antes de usar esse medicamento.

A indicação do fármaco também deve ser mais cuidadosa na presença das seguintes condições:

  • Doença hepática ou histórico dela no passado
  • Gravidez
  • Diabetes
  • Uso de medicamentos para tratamento do HIV

Crianças e idosos podem usá-lo?

Sim. Esse medicamento é bem tolerado e considerado seguro para esses grupos, desde que o tratamento ocorra sob rigorosa supervisão médica.

A razão para isso é que somente o profissional da saúde pode avaliar os riscos e benefícios da adoção da terapia com o omeprazol. A orientação é de Amouni Mourad, farmacêutica, professora do curso de farmácia da Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP).

Entre os pequenos, a ressalva é que o medicamento seja usado somente após o 1º ano de vida.

Estou grávida? Posso usar o omeprazol?

Como não existem estudos que avaliaram os potenciais riscos para o bebê do consumo desse fármaco, ele só poderá ser utilizado após a avaliação de seus riscos e benefícios pelo médico.

Lactantes devem evitar seu consumo, já que o medicamento pode ser secretado por meio do leite materno. O conselho médico é evitar a automedicação e comunicar a gravidez ou o aleitamento ao especialista, antes de iniciar o tratamento com o omeprazol.

Qual é a melhor forma de consumi-lo?

Ele deve ser usado de 30 a 60 minutos antes das refeições, preferencialmente pela manhã. Para esse fim, prefira água.

Há risco de interação alimentar?

Não existem relatos de que algum tipo de alimento possa alterar a ação do omeprazol.

Evite o consumo de álcool. Ele faz que seu estômago produza mais ácido, o que pode irritar, ainda mais, as paredes estomacais, o que leva ao agravamento dos sintomas.

Existe uma melhor hora do dia para usar esse medicamento?

Não. O importante é que o omeprazol seja ingerido na forma e tempo indicados pelo médico.

O que faço quando esquecer de tomar o remédio?

Tome assim que lembrar e reinicie o esquema de uso do medicamento. É desaconselhado tomar doses em dobro de uma vez para compensar a dose que foi esquecida.

Se você é daqueles que sempre se esquecem de tomar seus remédios, use algum tipo de alarme para lembrar-se.

Quais são os possíveis efeitos colaterais?

Este medicamento é considerado bem tolerado, seguro e eficaz, mas alguns indivíduos podem apresentar as seguintes reações, que poderão desaparecer ao final do tratamento:

Comuns

Incomuns e raros

  • Insônia
  • Sonolência
  • Coceira
  • Mal-estar
  • Agitação
  • Boca seca
  • Dor nas articulações
  • Dor muscular
  • Dificuldade para respirar

Marcos Machado, farmacêutico, bioquímico e presidente do CRF-SP, observa que é preciso estar mais atento aos idosos, crianças e pessoas com doenças do coração, nos rins, fígado, diabetes e enfermidades que causam convulsões, além de indivíduos que façam uso diário de muitos medicamentos (polifármácia).

“Para esses grupos, o risco de efeitos colaterais é ainda maior”, diz o especialista.

Interações medicamentosas

Alguns medicamentos não combinam com o omeprazol, e podem alterar ou reduzir seu efeito. Mesmo assim, eventualmente, ele precisará ser usado de forma combinada com outros fármacos. Nessas situações, seu médico avaliará a necessidade de alterar as doses já prescritas.

Fale com o profissional da saúde, caso faça uso frequente de substâncias como álcool ou tabaco, bem como alguns dos seguintes fármacos:

  • Antirretrovirais – usados para tratar o HIV
  • Cilostazol – trata doenças arteriais e previne AVC
  • Clopidogrel – antiagregante plaquetário
  • Digoxina – indicado para doenças do coração
  • Fenitoína – antiepilético
  • Itraconazol – antifúngico
  • Metotrexato – combate tumores e doenças autoimunes como a artrite reumatoide
  • Rifampicina – antibiótico
  • Varfarina – anticoagulante

E atenção: as medicações acima listadas são apenas alguns exemplos de interações medicamentosas. Verifique a bula do omeprazol e fale com seu médico para saber se algum dos medicamentos que usa de forma contínua pode alterar ou reduzir o seu efeito.

Antes de iniciar seu tratamento com esse medicamento, comunique ao médico o uso contínuo de algum tipo de fitoterápico, suplementos —como os ácidos graxos poli-insaturados ômega 3, ou vitaminas, especialmente a Vitamina B12 (cianocobalamina), Vitamina C (ácido ascórbico) e Vitamina D3 (colecalciferol), cujas absorções podem ser prejudicas.

Há interação com testes laboratoriais?

Não existem relatos de que o omeprazol possa alterar exames que buscam avaliar funções hepáticas ou renais. Contudo, antes de fazer esses testes, fale com seu médico ou comunique ao laboratório sobre o uso desse medicamento.

Por outro lado, já foram observadas alterações em exames diagnósticos de tumores neuroendócrinos, estímulo de secretina e triagem de urina para tetraidrocanabinol (THC).

Caso tenha de se submeter a uma endoscopia, fale com seu médico para saber se seria necessário interromper o tratamento.

Em casa, coloque em prática as seguintes dicas:

  • Fique atento à validade do medicamento, que é de 24 meses. Considere que, após aberto, essa validade é ainda menor;
  • Mantenha o medicamento sempre dentro da própria embalagem e nunca descarte a bula até terminar o tratamento;
  • Leia atentamente a bula ou as instruções de consumo do medicamento;
  • Utilize o medicamento na posologia indicada;
  • Ingira os comprimidos inteiros. Evite esmagá-los ou cortá-los ao meio –eles podem ferir sua boca ou garganta. A exceção é a indicação médica;
  • Escolha um local protegido da luz e da umidade para armazenamento. Cozinhas e banheiros não são a melhor opção. A temperatura ambiente deve estar entre 15°C e 30°C;
  • Guarde seus remédios em compartimentos altos ou trancados. A ideia é dificultar o acesso das crianças;
  • Procure saber quais locais próximos da sua casa aceitam o descarte de remédios. Algumas farmácias e indústrias farmacêuticas já têm projetos de coleta;
  • Evite o descarte no lixo caseiro ou no vaso sanitário. Frascos vazios de vidro e plástico, bem como caixas e cartelas vazias podem ir para a reciclagem comum.

O Ministério da Saúde mantém uma cartilha (em pdf) para o Uso Racional de Medicamentos, mas você pode complementar a leitura com a Cartilha do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos – FIOCRUZ) (em pdf) ou do Conselho Regional de Farmácia de São Paulo (também em pdf). Quanto mais você se educa em saúde, menos riscos você corre.

Fontes: Marcos Machado, presidente do CRF-SP (Conselho Regional de Farmácia em São Paulo), farmacêutico e bioquímico especialista em análises clínicas; Amouni Mourad, farmacêutica, professora do curso de farmácia da Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP) e assessora técnica do CRF-SP; Fernanda Cristina Ostrowski Sales, farmacêutica, bioquímica, mestre em tecnologia em saúde pela PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) e professora da disciplina de farmacologia dos cursos de nedicina, farmácia e odontologia da mesma instituição e Elaine Moreira, gastroenterologista, membro da G (Federação Brasileira de Gastroenterologia) e da Comissão G Mulher. Revisão Técnica: Amouni Mourad.

Referências: ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária); ACS (American Chemical Society); Shah N, Gossman W. Omeprazole. [Atual. 2020 Fev 18]. In: StatPearls [Internet].

Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020 Jan-. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK539786/; H P Rang, R G Hill. Omeprazole (Losec). Drug Discovery and Development (Second Edition).

2003.

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2020/07/07/omeprazol-eficaz-no-controle-da-acidez-estomacal-ele-pode-levar-a-anemia.htm

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: