Melhores Anticoncepcionais Durante a Amamentação

Anticoncepcional durante amamentação: 5 dúvidas mais comuns

Melhores Anticoncepcionais Durante a Amamentação

Hoje vamos falar sobre anticoncepcional durante amamentação. Um assunto cercado de mitos e medos: a amamentação é mesmo um contraceptivo natural? Será que a pílula anticoncepcional pode fazer mal para o bebê? Anticoncepcional seca o leite? Esse artigo vai responder estas e outras dúvidas comuns sobre o tema.

Mas antes de mergulhar no assunto, é preciso entender o período pós parto.

Muitas vezes este pode ser um momento onde todos os olhares se voltam  para o bebê, no entanto, é muito importante lembrarmos que essa fase é, sobretudo, uma experiência da mulher: um momento de encontro e reencontro.

Encontro com este novo e pequenino ser humano que acaba de nascer, e o reencontro com o seu próprio corpo, que deixou de ser abrigo para tornar-se colo.

Entre os inúmeros desafios dessa fase, o resgate da individualidade e os cuidados com a saúde feminina são questões que merecem mais visibilidade, uma vez que é essencial levar em conta o bem-estar da maior cuidadora do recém-nascido: a mãe.

Puerpério

Também conhecido como puerpério, os primeiros meses de pós  parto trazem inúmeras transformações: físicas e psicológicas.

São muitas mudanças e todas elas acontecendo em um curto espaço de tempo.

Juntas, alterações hormonais e psíquicas podem aumentar a insegurança da mãe em relação aos cuidados necessários para garantir a saúde do seu bebê e a dela própria. ¹

O puerpério tem início logo após o nascimento do bebê, com o descolamento da placenta, e permanece por mais ou menos 6 semanas, por isso ele é popularmente chamado de quarentena. Como requer cuidados especiais, ele também é conhecido como resguardo.

É importante lembrar que o puerpério pode durar mais tempo, isso acontece porque enquanto a mulher amamenta, ela continua sofrendo modificações corporais.

Para contribuir com a reflexão sobre as necessidades da mulher e o fortalecimento de sua saúde física e emocional, vamos desmistificar algumas crenças sobre a pílula anticoncepcional pós parto:

1 – Amamentação é um anticoncepcional natural?

Antes de tudo é preciso levar em conta duas coisas: o que muda no corpo da mulher ao fim de uma gestação, e de que forma a amamentação mexe com o organismo feminino.

Primeiramente vamos falar sobre as mudanças no corpo da mulher que acaba de ganhar bebê. Durante os primeiros 40 dias após o parto, a mulher não ovula. Porém, ao fim desse período, a capacidade reprodutiva é retomada e caso a mulher não deseje uma nova gravidez, será necessário fazer uso de métodos contraceptivos. ²

Mas será que a amamentação não dá conta desse recado? Ela não serve como anticoncepcional natural? Bem, quando o bebê mama várias vezes ao dia, com frequência e muita intensidade de sucção, o organismo da mulher pode não liberar os hormônios necessários para a maturação de um novo óvulo, que permitiria a ovulação e as condições favoráveis para uma gravidez.

Por isso, é verdade que em alguns casos a amamentação pode funcionar como método anticoncepcional, isso normalmente acontece se o bebê estiver em aleitamento materno exclusivo, sem ingerir nenhum outro tipo de alimento ou mamadeira. Acontece que a prolactina, o hormônio responsável pela produção de leite no organismo feminino, inibe a gravidez, mas não se sabe até que ponto.

Por isso, os médicos não indicam a amamentação como anticoncepcional, simplesmente porque este não é um método garantido. Se você não deseja engravidar imediatamente, o melhor a fazer é escolher um anticoncepcional, mesmo que ainda esteja na fase de amamentação. ³

2 – Anticoncepcional durante amamentação faz mal para o bebê?

Aqui é preciso entender de que forma as pílulas anticoncepcionais funcionam. A medicação inibe a ovulação, ou seja, a mulher naturalmente não passa mais pelo período fértil. O anticoncepcional também impede a formação de muco do colo do útero, e isso dificulta a entrada de espermatozoides o útero.

A pílula anticoncepcional durante a amamentação é segura e não faz mal para o bebê. No entanto, é importante que sua fórmula seja composta apenas pelo hormônio progesterona para que isso não altere a produção de leite, que é a principal fonte de nutrição do bebê, falaremos mais sobre isso no próximo tópico.

Por enquanto, é importante lembrar que a função do anticoncepcional é prevenir uma nova gestação. Este tipo de anticoncepcional hormonal tem 98% de eficácia, mas para funcionar como o esperado, precisa ser tomada regularmente, como veremos em breve.

A medicação também não causa infertilidade na mulher, porém, caso haja o desejo de engravidar novamente, é só parar a medicação que a ovulação e o útero retornam a suas funções normais sem prejuízo nenhum. 4

3 – Anticoncepcional seca o leite?

Se a sua intenção é continuar com o aleitamento materno (recomendado pela Organização de Saúde até os 2 anos de idade), basta pedir ao seu médico de confiança a indicação de um anticoncepcional recomendado para tomar durante a amamentação. O ginecologista, clínico geral ou mesmo o pediatra do seu bebê, provavelmente irão fazer a orientação de medicamento levando em conta àqueles que mais se adaptam às necessidades da mulher que amamenta.

Os profissionais irão evitar a prescrição de pílulas que contenham estrogênio, já que esse hormônio, presente na maioria dos anticoncepcionais comuns, pode sim prejudicar a produção do leite materno.

No entanto, hoje já existem pílulas bastante seguras, criadas especialmente para que não interfiram na quantidade e qualidade da amamentação.

Os anticoncepcionais a base de progestagênio (um tipo de progesterona sintética) – também conhecido como progestina, são os mais indicados, pois além de não interferirem na produção do leite, são capazes de impedir a ovulação e reduzir a quantidade e a elasticidade do muco cervical (líquido produzido pelo colo do útero) tornando-o pouco útil para conduzir o esperma para dentro do útero.

Também vale lembrar que o que mantém a produção de leite é o ato de sugar do bebê, por isso, enquanto a mulher desejar prosseguir com o aleitamento, é importante dar de mamar ao bebê com a frequência adequada. 5

4 – Anticoncepcional aumenta o apetite?

Na verdade, a amamentação por si só costuma abrir o apetite. Isso acontece porque na fase de aleitamento, o corpo feminino precisa de muita energia para produzir o leite, então é super natural que as mulheres sintam mais sede e mais fome nesse período.

Por outro lado, embora seja raro, a progesterona do comprimido pode aumentar a fome. Mas é importante lembrar que o anticoncepcional durante amamentação, por si só, dificilmente irá contribuir para o ganho de peso. Isso  porque é comum que eles tenham baixa dose de hormônios. É o famoso “anticoncepcional fraquinho”.

Quanto mais moderno o medicamento, menos hormônio ele terá. Por isso é importante consultar o médico, apenas ele poderá indicar um anticoncepcional que se encaixe bem com seu organismo e seu estilo de vida. Isso vai evitar que você administre uma pílula com excesso de hormônios, que por vez, poderá favorecer a retenção de líquidos e o inchaço do corpo.

A boa notícia é que amamentar gasta muitas calorias! Então, se você tem tendência ou medo de ganhar peso, pode ficar um pouco mais aliviada ao saber que o gasto calórico estimado gira entre 700 e 1.

000 calorias por dia. Por outro lado, se você gostaria de ganhar peso ou manter o seu peso atual, vale a pena investir num cardápio mais calórico, mas ainda assim saudável e nutritivo.

 5

Nós também não podemos esquecer que a alimentação equilibrada e balanceada, além de ser saudável para você e seu bebê, irá evitar o ganho de peso indesejado e diminuir a vontade de comer doces e alimentos ricos em gorduras.

Para ver como transformar seus hábitos alimentares, clique aqui.

5 – Qual o melhor horário para tomar o anticoncepcional durante a amamentação?

Ao optar pela pílula anticoncepcional como forma de evitar uma gravidez, a mulher precisa ter em mente que a regularidade e a rotina são importantes aliados para contribuir com a eficácia do medicamento.

Esquecer de tomar o remédio ou tomá-lo com atraso superior a 12 horas pode comprometer a confiabilidade do método. Como na maioria das vezes os anticoncepcionais tomados durante a amamentação são de baixa dosagem, uma oscilação de horários pode afetar os níveis hormonais no organismo.

Logo, tenha em mente que o anticoncepcional indicado pelo médico é um compromisso muito importante. Como já explicamos, o corpo da mulher passa por muitas mudanças após o parto.

Nesse caso, o comprimido anticoncepcional deve ser usado com ainda mais atenção e seriedade.

Isso para que não haja uma oscilação ainda maior dos hormônios que já estão um pouco bagunçados por conta da gestação recente.

Para além dessas recomendações, não existe um horário mais indicado para tomar o anticoncepcional, apenas é importante evitar tomar a medicação em jejum.

O melhor horário para tomar a pílula vai depender muito da sua rotina. Logo, a recomendação é que ele seja tomado quando achar que é uma hora fácil de lembrar.

Por exemplo, se você tem o costume da lanchar sempre no mesmo horário, pode se programar para tomá-lo sempre depois do lanche.

Como na vida de  mãe, a rotina pode ser um tanto imprevisível, pode ser difícil conseguir manter um horário fixo, mas algumas estratégias podem ajudar:

Dicas para não esquecer de tomar o anticoncepcional

  • Escolha um horário em que você já está habituada a fazer alguma outra atividade, assim você relaciona aquela situação ao horário de tomar o medicamento;
  • Coloque alarmes no seu celular. Se estiver ocupada, não desative o alarme, simplesmente, coloque-o em modo soneca e só desligue o alarme depois de tomar o anticoncepcional;
  • Guarde o comprimido na bolsa, assim, caso você esteja fora de casa, não corre o risco de perder o horário de tomar o anticoncepcional.

Agora que você já sabe tudo sobre o uso do anticoncepcional durante a amamentação, lembre-se de seguir essas dicas na hora de usar o método.

Compartilhe esse conteúdo para ajudar outras mamães que estão procurando apoio!

Colaborou com esse artigo:Dra. Karen Rocha De PauwGinecologista – CRM-SP 106923

Site: www.doutorakaren.com

Источник: https://superafarma.com.br/anticoncepcional-durante-amamentacao-5-duvidas-mais-comuns/

Anticoncepcional na Amamentação – Quais os Mais Comuns e Quando Iniciar

Melhores Anticoncepcionais Durante a Amamentação

Anticoncepcional é sempre a melhor opção para quem está de volta à atividade sexual, logo após o nascimento do bebê. Quando o resguardo termina e o sexo volta para a vida da “puerperante”, deve-se tomar todas as precauções possíveis para evitar sustos e também a temida gravidez emendada.

A amamentação é a fase mais importante para mamãe e bebê. Além de fortalecer sem igual o bebê, a mulher tem a recuperação do parto favorecida. Mas, você sabe qual é o anticoncepcional para quem amamenta?

Medicamento Ideal

Em primeiro lugar devemos lembrar que toda e qualquer medicação, inclusive o anticoncepcional pós-parto, deve ser sob orientação médica. Mas para quem está nesta fase ter uma ideia do que a espera, vamos listar os anticoncepcionais mais apropriados na amamentação.

O anticoncepcional na amamentação é indicado com a formulação de apenas um hormônio, a grande maioria deles é a base de progesterona sintética.

Esse hormônio natural do corpo da mulher e o qual previne a gravidez mas também é o ideal para colaborar para a continuidade do leite materno até quando a mulher deseje amamentar.

Ele é seguro e também de fácil acesso, porém, a forma com que se toma é diferente e indicada por cada médico que acompanha a mulher.

Anticoncepcionais mais conhecidos e usados:

Cerazette: Pílula continua sem pausas à base de progesterona sintética. O principio ativo dessa pílula é o progestágeno isolado desogestrel.

Micronor: À base de Noretisterona, também uma derivada da progesterona, traz em sua cartela 21 pilulas e é indicada a pausa de 7 dias durante o seu uso. A Micronor é apropriada para quem deu a luz recentemente e está retomando a contracepção pois é uma pílula de baixa dosagem hormonal.

Minipil: Também a base de progesterona, a Minipil é relativamente nova no mercado mas tem ganhado cada vez mais adeptas pela sua eficiência e baixo custo. Além disso, também é indicado para parturientes e lactantes.

Depo Provera: Não confunda com a Provera! Esse é um medicamento injetável e também a base de progesterona como a Provera, porém é de efeito prolongado. A Depo Provera dura cerca de três meses no organismo.

Seus prós prometem superar os contras, porém deve ser uma escolha em conjunto com seu medico para medir o “custo”x benefícios.

Como todo medicamento injetável, a Depo Povera não pode ser interrompida no meio do tratamento caso alguma coisa saia do controle, deve-se esperar o prazo recomendado e então retomar com outra formulação ou forma de contracepção.

Os Prós e Contras dos Anticoncepcionais na Amamentação

Como qualquer outro anticoncepcional, o anticoncepcional para lactantes em forma de pílulas ou injetáveis podem trazer efeitos colaterais como sonolência, aumento das mamas sensibilidade, aumento de peso e também escapes. Aliás, o escape é o mais comum dos efeitos colaterais de qualquer pílula à base de progesterona.

Efeitos Colaterais

O seu excesso ou diminuição, podem causar esses borrões marrons por alguns dias.

Caso seja persistente o médico deve ser consultado para reajuste da dosagem ou troca da marca do anticoncepcional para lactante.

Esse ajuste costuma surtir efeito quando o escape é persistente. Os demais sintomas são variáveis e só podem ser sentidos de organismo para organismo.

Dores nas pernas, sensação de peso e inchaço abdominal são também recorrentes. A diferença de aceitação da progesterona e também da dosagem (a progesterona para quem está amamentando costuma ser em doses bem baixas, servem apenas para inibir a ovulação) pois, cada organismo precisa de uma quantia mínima de medicamento para funcionar.

IMPORTANTE: Não é aconselhado utilizar o mesmo anticoncepcional de uma amiga, conhecida ou familiar que esteja amamentando. Ele pode não ser o ideal para você pela dosagem da progesterona e a variação do processamento do hormônio ainda na fabricação.

Indicação do Obstetra

Os cuidados a se tomarem na época em que se retoma a vida sexual é retornar ao obstetra que fez o seu parto e solicitar a medicação ideal para o seu corpo. Após isso, tomar pelo menos 20 dias o anticoncepcional mesmo na amamentação, antes de ter relações desprevenidas e liberar geral.

O corpo leva um tempo para reagir à medicação contraceptiva e o ideal é esperar ou tomar cuidados nestes primeiros dias com a nova medicação.

 Há mulheres que se adaptam muito bem à esse tipo de anticoncepcional na amamentação, porém outras tem efeitos colaterais como dores e cabeça, inchaço, cólicas e outros problemas, porém em de um modo geral é bem aceito e tolerado pelo organismo.

Vale à pena conversar com seu medico também sobre formas anticoncepcionais como o DIU hormonal ou não e até mesmo um implante.

Devemos lembrar que quem amamenta tem menores chances de engravidar rapidamente, no primeiro e segundo mês pós parto, mas ainda sim é possível que aconteça! Anticoncepcional trará à sua vida nova sexual mais tranquilidade, aproveite com segurança e sem grilos!

Veja também: Anticoncepcional Injetável – Mais Benefícios ou Desvantagens?

Foto: The Parasite, Amy S.Martins

Источник: https://www.famivita.pt/anticoncepcional-na-amamentacao-quais-os-mais-comuns-e-quando-iniciar/

Anticoncepcional para quem amamenta: uma ginecologista esclarece tudo

Melhores Anticoncepcionais Durante a Amamentação

iStock

Por Fernanda Mocki Colombo                                
Em 20.10.20

Se você tem dúvidas sobre o uso de anticoncepcional para que amamenta, esse é seu dia de sorte! A ginecologista e obstetra Karina Tafner (CRM-SP 118066) tirou nossas dúvidas sobre o assunto para você saber exatamente o que fazer. Olha só:

Quem está amamentando pode tomar anticoncepcional?

Karina aponta que o início da contracepção durante o período pós-parto é muito importante para prevenir uma nova gravidez.

Portanto, o uso de anticoncepcionais, mesmo entre mulheres que amamentam, pode ser realizado e é fundamental para evitar outra gestação nesse momento.

“A anticoncepção deverá ser iniciada a partir de 6 semanas após o parto, sendo aconselhável que não ultrapasse o período de 6 meses sem uso de proteção (tempo de aleitamento materno exclusivo)”, indica a médica.

Em mulheres que estão amamentando exclusivamente, a amenorreia lactacional pode ser um método contraceptivo eficaz, mas, para isso, a amamentação deve ser praticada nas 24 horas do dia, com cerca de 6 ou mais mamadas e duração média de, pelo menos, 15 minutos para que se mantenha o bloqueio da ovulação. A partir do momento que o bebê começar a dormir mais e mamar em menor frequência, a mãe já corre o risco de engravidar.

Veja também 30 coisas que você não deve dizer a uma gestante

Em mulheres com aleitamento artificial, a primeira ovulação pós parto ocorre após 6 semanas do nascimento. Nesses casos, o início da contracepção deve ser após a terceira semana do parto.

Efeitos colaterais

Durante o período de lactação, deve-se atentar aos possíveis efeitos que a contracepção escolhida possa ter sobre a lactação e o recém-nascido. Assim, qualquer método que potencialmente interfira na amamentação é preocupante.

O risco aumentado de tromboembolismo venoso (TEV) entre as mulheres no pós-parto, particularmente nas primeiras 6 semanas, contraindica qualquer método contraceptivo que contenha estrogênio, pois o mesmo causaria um risco adicional às chances de TEV. Além disso, podem diminuir a produção do leite. Portanto, as lactantes devem escolher contraceptivos que possuam apenas progesterona.

Quais anticoncepcionais são recomendados para quem amamenta?

iStock

A ginecologista e obstetra indicou os tipos de mini pílulas anticoncepcionais disponíveis no Brasil que seguem a orientação médica para as lactantes. Dá uma olhada em quais são elas:

Veja também 15 fatos interessantes sobre amamentação

  • Hormônio Noretisterona: encontrado nos medicamentos Norestin e Micronor (350 mcg/dia);
  • Hormônio Linestrenol: encontrado na pílula Exluton (500 mcg/dia);
  • Hormônio Desogestrel: encontrado em Cerazette, Nactali e Juliet (75 ug/dia).
  • Além do anticoncepcional constituído por apenas progesterona, os contraceptivos indicados durante a amamentação são os de barreira, como a camisinha, os dispositivos intra-uterinos (DIUs), implantes hormonais e métodos hormonais injetáveis que contenham unicamente progesterona, como aponta Karina.

    Experiência de quem já usou e mais informações

    Para entender mais sobre o assunto, solte o play na sequência de vídeos! São informações profissionais e experiências de outras mulheres que podem te ajudar. Acompanhe!

    Opções de contracepção pós parto

    Nesse vídeo, uma médica ginecologista e obstetra nos informa sobre o período pós-parto, além de opções de métodos contraceptivos para as mamães. Entenda qual o melhor para cada mulher e como lidar com o período de lactação. Confira!

    Veja também 20 fotos emocionantes de mães amamentando seus bebês

    Experiência de quem usa anticoncepcional e amamenta

    Se você busca pela experiência de quem passou por essa fase, acompanhe o vídeo! Nele, você descobre como foi para uma mãe que usou uma das opções indicadas de anticoncepcional para quem amamenta. Dá uma olhadinha!

    Como foi tomar anticoncepcional amamentando

    Para conferir mais uma experiência de lactante que usou a pílula anticoncepcional, clique no vídeo! Você vai descobrir se o anticoncepcional secou o leite e se engordou a mamãe. Além de tirar outras dúvidas.

    Veja também 10 hábitos que irão fortalecer o relacionamento com seus filhos

    Conseguimos sanar suas dúvidas sobre o anticoncepcional para quem amamenta? Aproveite as informações e cuide de você e do seu pequeno, lembrando de sempre consultar um médico para saber o que é mais indicado para vocês. Para um momento mais especial, confira também dicas sobre poltrona de amamentação!

Источник: https://www.dicasdemulher.com.br/anticoncepcional-para-quem-amamenta/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: