Mulheres Grávidas Podem Menstruar?

Grávida Menstrua?

Mulheres Grávidas Podem Menstruar?

Grávida menstrua? Dúvida de nove entre dez tentantes, o sangramento de implantação pode confundir muitas mulheres com um inicio de menstruação.

Essa é a maior confusão de muitas mulheres que disseram que menstruaram na gravidez.

Grávida não menstrua! O que a nova grávida pode ter é um sangramento por uma descamação parcial do endométrio na gravidez ou menstruação na gravidez bem no inicio.

O sangramento que muitas têm no início da gestação, ainda na fase pré-atraso ou mesmo com pouco atraso menstrual é a famosa nidação, esse sangramento de implantação que é tão falado e confundido com uma possível menstruação.

O segredo é saber como e quando ele acontece para não deixar dúvidas que a mulher não menstruou e sim teve um escape do endométrio devido à fixação do feto dentro do útero. Difícil? Mais ou menos, mas então como aprender a diferenciar o sangramento de menstruação do sangramento de implantação ou até mesmo de um sangramento arriscado para a evolução da gravidez?

Posso Estar Grávida Menstruando? Como Diferenciar?

Normalmente o sangramento mínimo que dá sinal de que a menstruação está chegando, pode ser bem parecido com o sangue que mostra que a nidação aconteceu. A grande diferença entre eles para saber se está grávida e menstruando (perdendo sangue) é a quantidade de sangue e sintomas.

Os sintomas hormonais (aumento de progesterona após a ovulação) são bem parecidos com os de gravidez, causas náuseas, cólicas e tonturas e ai podem confundir ainda mais. Porém, a quantidade do sangue que sai da vagina pode matar a charada!

O sangramento menstrual tem um fluxo que a nidação não tem, esse fluxo enche o absorvente e algumas vezes têm pedaços, coágulos. O sangue menstrual é muito mais vermelho, tem cores vivas e pode até ser marrom, se tiver uma quantidade significativa então, a gravidez é descartada.

Por que Grávida Não Menstrua?

E você sabe porque grávida não menstrua, precisa do endométrio para que o bebê se fixe e cresça saudável e se esse endométrio sair não tem onde o bebê se firmar para a gravidez ir a diante. Por outro lado, a mulher pode pensar que pode estar grávida e menstruando devido à baixa de progesterona que pode vir a ter.

Essa deficiência hormonal pode causar um sangramento, pois é o hormônio responsável pela permanência desse endométrio intacto para a evolução da gravidez. Se há falta de progesterona, o endométrio está arriscado a sair e a gravidez não ir à diante.

Diferença de Sangramento de Implantação X Menstruação

Outro aspecto que diferencia a o sangramento de implantação de uma menstruação menor ou inicial é a cor, normalmente o sangramento de implantação costuma ser um vermelho mais aguado e amarronzado, apenas uma melequinha que pode vir durante dois ou três dias e parar.

Menstruação com significativa alteração de estrogênio também podem apresentar essas características, mas ai vale a mesma regra do fluxo, quantidade suficiente para encher o absorvente ou passar da calcinha para roupa, não é sangramento de implantação a menos que esteja com baixa de progesterona e ai tem que repor com medicação para não acontecer um micro aborto. Nesse caso apenas se detecta a gravidez com um teste de HCG, seja de farmácia ou de sangue, um beta HCG.

Sangramento com Suspeita de Gravidez

O sangue mais viscoso amarronzado pode ser também de implantação, esse acontece pelo excesso de muco hormonal na cérvix da mulher, igualmente o estrogênio em menstruação inicial, portanto, ter cautela e bom senso na hora da suposição é a melhor coisa. Três perguntas a se fazer quando está sangrando e se suspeita de que grávida menstrua:

  1. A quantidade de sangue que está saindo é de grande fluxo?
  2. A cor é viva e de cor vibrante como sangue normal?
  3. A intensidade é a mesma de sempre ou só um pouco reduzida?
  4. Os sintomas estão na intensidade de sempre?

Se todas as respostas forem sim então, é provável que você esteja mesmo menstruando, mas claro, não é 100% provado que não esteja grávida.

O que esse método ajuda é a desvendar um mistério que ronda tentantes, o sangramento menstrual ou de implantação.

Podemos concluir então que – grávida menstrua? Não, elas podem ter apenas um sangramento por implantação ou baixa progesterona. Na dúvida faça um teste e consulte seu médico e só providencie uma ultrassom se ele solicitar.

Faça do seu médico o seu melhor amigo!

Tem como grávida menstruar?

Mesmo com todos os esclarecimentos, muitas leitoras possuem essa dúvida pela quantidade de relatos de mulheres que afirmam ter menstruado durante a gravidez.

E a resposta definitivamente é NÃO! Grávida não menstrua já que com o óvulo fecundado não ocorre a eliminação da descamação uterina.

Caso aconteça sintomas parecidos com o de menstruação durante a gravidez é considerado sangramento e deve ser procurado um hospital com urgência.

Tem como a menstruação atrasar e não estar grávida?

Sim, o atraso menstrual não ocorre somente devido a uma gestação. Pode acontecer devido a problemas hormonais, doenças no sistema reprodutor feminino, devido a ingestão de alguns medicamentos e até mesmo por problemas emocionais.

Tem como ficar grávida após a menstruação?

É uma situação considerada rara mas sim pode acontecer principalmente para aquelas que possuem o ciclo menstrual mais curto, já que para acontecer a gravidez é necessário que a ovulação ocorra logo após o sangramento menstrual.

Veja também: Como Fazer o Teste de Gravidez? A Melhor Maneira Para Evitar Erros

Foto: Alissa Plant

Источник: https://www.famivita.pt/gravida-menstrua-qual-diferenca-entre-implantacao-e-menstruacao/

Mulheres Grávidas Podem Menstruar?

Mulheres Grávidas Podem Menstruar?

Não. Menstruação e gravidez são dois eventos incompatíveis entre si. Quem está grávida não menstrua e quem está menstruada não pode estar grávida. Não há exceções.

No entanto, é importante deixar claro que dizer que grávidas não podem menstruar não significa dizer que grávidas não possam ter episódios frequentes de sangramento vaginal durante a sua gestação. A questão é que esses sangramentos podem ter várias causas, mas, com certeza, a menstruação nunca será uma delas.

Essa informação é de extrema importância porque se uma grávida está tendo sangramento suficiente para ser confundido com menstruação, existe chance dela estar tendo alguma complicação na gravidez.

Apesar de existirem causas benignas de sangramento vaginal durante a gestação, o ideal é que todo e qualquer sangramento seja comunicado ao obstetra.

É ele quem tem que decidir se o a perda de sangue é ou não relevante.

Se você não só acha que é plenamente possível uma gestante menstruar, como ainda é capaz de citar casos pessoais nos quais essa situação tenha ocorrido, sugiro que leia esse texto com atenção, pois ele irá sanar todas as suas dúvidas.

Para que você possa entender o motivo da total incompatibilidade entre a gravidez e a menstruação, precisamos primeiro explicar o que é a menstruação e como ela ocorre.

Neste artigo vamos falar do ciclo menstrual de forma resumida; se você deseja informações mais detalhadas, não deixe de ler também o seguinte texto: Ciclo menstrual – Como ocorre a menstruação.

O que é a menstruação?

A camada mais superficial da parede do útero chama-se endométrio. A cada ciclo menstrual, o endométrio se prepara para receber um possível embrião. Esse processo se dá através da proliferação das células do endométrio e do desenvolvimento de vasos sanguíneos, que serão responsáveis pelo fornecimento de fluidos e nutrientes para o futuro feto.

A preparação do útero para a gravidez ocorre todo mês e inicia-se no primeiro dia do ciclo menstrual, sendo primeiramente estimulado pelo hormônio estrogênio e posteriormente pelo hormônio progesterona.

Se fizermos um ultrassom nos primeiros dias do ciclo menstrual vamos ver um endométrio fino, com uma camada única com menos de 0,4 cm de espessura, e pobre em vasos sanguíneos. Conforme passam-se os dias, a estimulação hormonal faz com que as células do endométrio se proliferem e novos vaso sanguíneos sejam criados.

Na fase final do ciclo, o endométrio torna-se espesso, com três camadas, viscoso, rico em vasos sanguíneos e com cerca de 1,5 cm de espessura, que é quase 4 vezes mais espesso que no início do ciclo.

Após a ovulação, se o óvulo não for fecundado em cerca de 24 horas, ele se degenera e o estímulo para a produção de estrogênio e progesterona acaba. Como já não há mais possibilidade de surgir uma gravidez neste ciclo, não há porque o organismo manter a preparação do útero para a implantação de um embrião.

Sem a presença dos hormônios estrogênio e progesterona, a espessa parede do endométrio perde o seu estímulo para se proliferar e o suprimento de sangue é subitamente cortado. Como efeito, a parede do endométrio começa a desabar, levando consigo tecido endometrial, muco, água e sangue.

A menstruação, então, nada mais é que o descolamento de parte expressiva da parede interna do útero, que ao longo do ciclo menstrual se preparou para receber um embrião que nunca foi gerado.

Portanto, para que exista a menstruação, a mulher precisa passar por duas fases:

1- Produzir estrogênio em ritmo crescente, de forma a induzir a ovulação e proliferar o endométrio.
2- Ovular e não ser fecundada, pois a ausência da fecundação e a degeneração do óvulo é que provoca o fim do estímulo hormonal, que, por sua vez, leva ao desabamento da parede uterina.

Obs: quando a mulher usa pílula anticoncepcional, ela utiliza hormônios para enganar o sistema reprodutor, fazendo com que o endométrio se prolifere, sem, porém, induzir a ovulação. Quando a pílula é interrompida, o endométrio desaba e a paciente menstrua.

Por que a menstruação não ocorre durante a gravidez?

Quando o óvulo é fecundado, em vez dos níveis de estrogênio e progesterona caírem rapidamente, tal como ocorre quando o óvulo não fecundado degenera, eles fazem o oposto, elevam-se, mantendo o endométrio espesso e apto para receber o embrião. Esse é o primeiro ponto, se a mulher menstruasse após a fecundação, o endométrio estaria descamado e não teria condições de receber nem manter viável o embrião que acabou de chegar.

O segundo ponto é que, uma vez que o embrião tenha se implantado e esteja a se desenvolver adequadamente no endométrio, um novo hormônio começa a ser produzido: a gonadotrofina coriônica humana, também conhecida pelo acrônimo hCG.

Um dos vários papéis do hCG é avisar ao organismo materno que há um bebê em desenvolvimento.

Isso significa, entre outras coisas, que o ovário é “orientado” a não mais maturar óvulos todo mês, o que, na prática, faz com que a mulher não ovule durante todo o período em que estiver grávida.

Portanto, como um dos requisitos básicos para haver menstruação é a ovulação, se a mulher não ovula nem tem as flutuações hormonais de estrogênio e progesterona que ocorrem ao longo do ciclo menstrual, ela não apresenta os estímulos necessários para que possa menstruar todo o mês.

Mas o principal motivo da incompatibilidade da gravidez com a menstruação é muito mais simples do que os mecanismos hormonais descritos acima.

Pense bem, se o embrião está fixado à parede do endométrio e é dele que a placenta recebe o sangue necessário para o seu desenvolvimento, caso a mulher menstruasse, ou seja, caso a parede do endométrio desabasse, como o embrião poderia permanecer inserido no útero? Não poderia. Assim como é impossível que um quadro permaneça pendurado a uma parede que tenha sido derrubada, um embrião não consegue permanecer fixado ao útero, caso a parede deste útero tenha sido arruinada.

Resumindo, a mulher grávida não tem nenhum dos estímulos necessários para que a menstruação ocorra, mas, mesmo que tivesse, isso significaria o término imediato da gravidez, pois, assim que ela menstruasse, o embrião seria expelido junto com o tecido endometrial que desabou.

Alguns de vocês devem estar pensando: mas eu conheço mulheres que sangravam durante a gravidez, como isso é possível?

Como já referido na introdução do texto, nem todo sangramento vaginal é menstruação. Existem diversas causas para sangramento na gestante, mas nenhuma delas é a menstruação.

Causas de sangramento vaginal na gravidez

Já falamos sobre as causas de sangramento na gravidez em um artigo à parte, que pode ser acessado através do seguinte link: Sangramento vaginal durante a gravidez.

Aqui, portanto, vamos apenas explicar de forma resumida os motivos pelo qual algumas mulheres apresentam sangramento vaginal durante a gestação.

São diversas as causas de sangramento durante a gravidez, sendo que até uma em cada cinco grávidas apresenta, pelo menos, um episódio de sangramento vaginal nas 12 primeiras semanas de gestação. Algumas dessas causas são inocentes, mas outras podem indicar problemas graves na gravidez, tais como risco de abortamento ou gravidez ectópica.

Entre as causas benignas de sangramento na gravidez está o chamado sangramento de implantação, que é uma discreta perda sanguínea que pode surgir quando o embrião se implanta na parede do endométrio.

Esse sangramento, apesar de ter um aspecto bem diferente da menstruação, é frequentemente confundido com o período, pois ele costuma ocorrer ao redor da 4ª semana do ciclo menstrual, época em que a mulher está à espera da sua menstruação.

Sangramentos sem relevância clínica podem ocorrer também após um exame ginecológico ou mesmo após relações sexuais.

Esses sangramentos ocorrem porque a vagina e o colo do útero encontram-se mais sensíveis, com alterações nos seus tecidos e com maior aporte de sangue durante a gravidez.

Mulheres com pólipos ou miomas uterinos também podem ter episódios de sangramento vaginal ao longo da gestação.

Entrando na área das doenças, as infecções ginecológicas, tais como gonorreia, herpes, clamídia, candidíase ou outras formas de vaginite, podem deixar a mucosa vaginal irritada, facilitando a ocorrência de sangramentos.

A partir da 20ª semana de gestação, a placenta prévia (implantação da placenta à frente do orifício de saída do útero) ou descolamento prematuro da placenta (quando a placenta solta-se do útero antes da hora do parto) são causas comuns e preocupantes de sangramento vaginal.

Sangramento na gravidez por uso da pílula anticoncepcional

Raramente, a mulher pode engravidar mesmo tomando a pílula anticoncepcional. Isso costuma ocorrer quando a pílula é tomada de forma errada.

Nesses casos, a mulher pode inadvertidamente permanecer tomando o anticoncepcional por vários meses. Por conta dos hormônios contidos no medicamento, ao final de cada cartela, a grávida pode apresentar uma pequena perda de sangue, tal como se fosse a menstruação.

Esse sangramento, porém, não é tecnicamente uma menstruação, e a perda de sangue costuma ser bem menor que a habitual.

Independentemente da causa, todo sangramento durante a gravidez deve ser prontamente avaliado pelo obstetra. Como já referido, não existe menstruação durante a gravidez. Se você está grávida e está a perder sangue pela vagina, mesmo em pequena quantidade, não assuma que está tudo bem. Entre em contato com o seu médico e deixe que ele decida se o sangramento é ou não preocupante.

Referências

Источник: https://www.mdsaude.com/ginecologia/menstruacao/menstruar-gravida/

Menstruar grávida: é possível que as duas coisas ocorram ao mesmo tempo?

Mulheres Grávidas Podem Menstruar?

Um caso inusitado chamou a atenção em Sorocaba, interior de São Paulo. No último sábado (22), uma jovem de 20 anos deu entrada na Unidade Pré-Hospitalar da cidade se queixando de dores fortes na lombar e no abdômen. Entretanto, descobriu que estava grávida e em trabalho de parto.

A mulher, que não foi identificada, afirmou que estava menstruando normalmente.

Afinal, isso é possível? As especialistas Mariana Rosário, ginecologista, obstetra e mastologista do Hospital Albert Einstein, e Juliana Pierobon, ginecologista e mastologista pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), explicam a situação.

É possível estar grávida e menstruar normalmente?

As especialistas garantem que não. A menstruação é a descamação do endométrio, a camada interna que reveste o útero e que, todo mês, se enche de sangue para receber um embrião.

“Quando a gente ovula e não há fecundação, esse 'colchão' do endométrio se desfaz com o óvulo não fecundado, aí vem o sangramento. Quando uma mulher está grávida, ela não ovula, não há alteração do endométrio e, portanto, não tem como haver menstruação”, explica Mariana.

O que ocorre é que, durante a gestação, a mulher pode ter sangramentos que se confundem com o ciclo menstrual.

Mas o que pode ser este sangramento na gravidez?

Existem algumas possibilidades que podem explicar as causas. “O sangramento pode acontecer quando embrião está se fixando no endométrio, e aí vem um corrimento leve com cor de borra de café. Mas também pode ser uma ameaça de aborto, com sangue mais intenso, o que é mais comum no primeiro trimestre da gestação”, diz Juliana.

No caso da menina de Sorocaba, especificamente, houve inserção baixa de placenta, que é quando ela é implantada muito próxima do colo do útero. “Isso causa sangramentos mais vivos, mais abundantes. Como o colo está bastante vascularizado, qualquer movimento intenso que a mulher faça pode causar sangramentos. Podem ser grandes ou só escapes, dependendo do nível do impacto”, diz Juliana.

Mas a inserção baixa é incomum: uma entre 200 mulheres tem a condição.

Sangramentos também podem ocorrer por outras razões no decorrer da gestação, como em decorrência de alguma infecção ou por descolamento de placenta.

  • Menstruação: dura entre 5 e 7 dias. O sangue tem cor vermelho vivo, às vezes com coágulos. Vem em abundância e depois vai diminuindo e escurecendo. Para quem faz uso do anticoncepcional, a cor e a quantidade de dias que a mulher fica menstruada pode variar. É igual ao sangramento da pausa da cartela de pílula anticoncepcional;
  • Sangramento de escape: acontece com mulheres que tomam a pílula anticoncepcional. O escape, ou “spotting”, vem no meio do ciclo, com cor escura e em pouca quantidade. Dura entre 2 e 3 dias –sem uma periodicidade;
  • Sangramento de implantação do embrião: também com cor de borra de café e vem em pequena quantidade, dura cerca de 2 dias –uma única vez em uma gestação;
  • Ameaça de aborto: pode ter variação de cor e quantidade. Para saber diferenciar, a mulher precisa estar ciente de que está grávida e, se isso acontecer, ela precisa urgente ir ao médico.

Mariana crê que muitas mulheres ainda não estão plenamente cientes de seu ciclo menstrual, seja por falta de informação ou por estarem acostumadas com o ciclo que o anticoncepcional proporciona.

“Existe muito, especialmente em pacientes jovens, a negação. Ela não quer nem pensar na possibilidade de estar grávida e confia muito na pílula, que pode falhar.

Eu acredito que a pessoa, muitas vezes, não tem percepção de que tem algo diferente acontecendo com ela.”

O ciclo menstrual costuma ter 28 dias. Mas isso não é regra. Há mulheres com ciclos regulares de 35 dias, por exemplo.

Também é comum mulheres com ciclos irregulares — para essas pode ser mais difícil monitorar a menstruação ou perceber os primeiros sinais da gravidez.

“Outras pessoas têm períodos menstruais muito curtos, de 2 ou 3 dias, e, por isso, podem confundir sua menstruação com os sangramentos da gravidez”, explica Mariana.

Como a mulher não percebe as mudanças no corpo?

Às vezes, a paciente não percebe as modificações do corpo, não tem os sintomas mais comuns e acha que está tudo normal. “Mulheres obesas costumam ter ciclos irregulares e, muitas vezes, não notam um aumento de peso.

Podem passar um tempão da gravidez sem saber”, diz. Atletas e mulheres muito magras podem parar de menstruar por conta do peso baixo.

E, assim, não perceberem que estão grávidas até o quinto, sexto mês, quando a barriga, enfim, fica evidente — ou até mesmo sem barriga.

Quais são os sintomas da gravidez?

Os sintomas mais comuns de gravidez são as náuseas, vômito, cólicas, inchaço e dor nos seios. Mas nem todas têm os sintomas, e eles também podem ser sinais de que a menstruação está para vir.

O que as especialistas recomendam é que, por precaução em caso de relação desprotegida, a mulher faça um exame de sangue para identificar o hormônio Beta HCG, que é capaz de apontar uma gestação logo no começo.

Usar a pílula anticoncepcional sem saber que estou grávida prejudica o bebê?

Não necessariamente. O que acontece é que a mulher está ingerindo mais hormônios do que precisa, mas não significa que o bebê terá algum tipo de má-formação.

Источник: https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2019/06/27/e-possivel-estar-gravida-e-menstruar-ao-mesmo-tempo.htm

16 sinais de que você pode estar grávida – Pais&Filhos

Mulheres Grávidas Podem Menstruar?

  • Confira alguns sintomas que podem indicar gravidez
  • Eles podem aparecer mesmo antes do atraso da menstruação
  • Na dúvida, procure um especialista

Está se perguntando se há um bebê a caminho? Preste muita atenção ao seu corpo.

Se você notar algum dos sintomas a seguir – e sua menstruação ainda não veio -, talvez seja a hora de comprar um teste ou marcar uma consulta com seu ginecologista.

“Os hormônios liberados assim que a concepção acontece podem começar a causar mudanças sutis, mesmo antes que elas sejam detectáveis em um teste de gravidez”, afirma a Dra. Melissa Goist, professora de obstetrícia e ginecologia do Centro Médico da Universidade de Ohio.

Infelizmente, muitos sinais, como seios doloridos ou inchaço, também acontece antes da menstruação, por isso, só é possível saber com precisão com um teste.

Fique atenta aos sintomas e procure um médico (Foto: Shutterstock)

1. Seios doloridos

É um sintoma muito comum na gravidez. O tecido das mamas é muito sensível a hormônios. A progesterona e o HCG aumentam o seu volume de sangue, o que faz com que seus seios inchem e fiquem mais pesados do que o habitual.

2. Cólica

Você pode sentir cólicas como quando está prestes a menstruar, mas este sinal da gravidez é acionado pela implantação do óvulo na parede uterina. Seu útero pode esticar um pouco agora (daí as cólicas) para preparar para sua enorme expansão ao longo dos próximos nove meses.

3. “Menstruação” diferente

Muitas mulheres confundem um sangramento leve com a menstruação regular, 25% costumam passar por isso na fase da implantação. Se você perceber que seu sangramento está mais curto ou diferente do habitual, pode ser um sinal de gravidez.

Existe o cansaço e existe isso: Tudo que você pode pensar no trabalho é tirar uma soneca ou você está exausta demais para realizar com as atividades cotidianas. “Mesmo nesta fase inicial da gravidez – no prazo de duas semanas de concepção – seu bebê está começando a utilizar suas calorias, o que pode acabar com suas reservas de energia muito rapidamente”, diz a Dra. Melissa.

5. Mamilo escurecido

Seus seios estão um pouco diferentes? Os hormônios de gestação também afetam a atividade dos melanócitos, células produtoras de melanina.

6. Náusea

Geralmente demora algumas semanas para acontecer, mas para algumas mulheres pode acontecer bem no começo da gestação.

7. Inchaço

Não está conseguindo fechar a calça jeans? Os níveis aumentados de progesterona podem desacelerar seu aparelho digestivo e deixar sua barriga mais inchada do que o normal. (Isso também acontece durante a TPM, mas o inchaço para quando a menstruação chega e a progesterona despenca). Se o inchaço não vai embora e seu período menstrual não vem, preste atenção.

8. Fazer xixi mais vezes ao dia

No começo, isso acontece porque os rins precisam expulsar os fluido de forma mais eficiente durante a gravidez.

9. Desejos

Seu corpo cansado pode exigir carboidratos extras agora, porque eles são facilmente metabolizados, o que ajuda a manter os níveis de energia.

10. Dores de cabeça

O aumento do volume de sangue pode desencadear dores de cabeça tensionais frequentes, mas leves, nas primeiras semanas de gravidez. Este sinal de gravidez deve ir embora conforme seu corpo se ajusta aos níveis hormonais elevados.

11. Constipação

Os mesmos hormônios responsáveis pelo inchaço também estão por trás de seus problemas intestinais, já que seu aparelho digestivo está mais lento, a comida pode não passar tão rapidamente. Este sintoma provavelmente vai aumentar ainda mais conforme a gravidez avança.

12. Oscilações de humor

Como está mais cansada, fica mais propensa a mudanças de humor. Além disso, a combinação de dores de cabeça, inchaço, constipação e seios doloridos não ajudam muito.

13. Temperatura basal

Quando você está ovulando, sua temperatura basal fica cerca de meio grau mais alta e permanece elevada até chegar o seu período menstrual.

Então, se você está mapeando e perceber que ela não diminuiu em mais de duas semanas, pode significar que você tem um bebê a caminho.

Dica: você vai precisar de um termômetro basal especial, mais preciso que os termômetros usados para medir a febre.

14. Corrimento mais espesso

Por conta das alterações hormonais, é comum que algumas mulheres apresentem esse sintoma, que geralmente, tem a cor mais esbranquiçada. Mas o corrimento também é um indicativo de outras questões, por isso vale sempre que perceber procurar um profissional e realizar os exames necessários.

15. Problemas com cheiros fortes

Mesmo que seja um odor agradável, a mulher pode se incomodar com alguns cheiros e até chegar a vomitar. Tudo isso, por conta de uma alteração que ocorre no olfato, que por vezes, também faz a mulher sentir o gosto dos alimentos de forma diferente.

16. Aumento da libido

Com o aumento da circulação sanguínea está ligado a maior vascularização na mulher, fazendo com que a vagina fique mais sensível nesse período, podendo aumentar o desejo sexual.

Источник: https://paisefilhos.uol.com.br/quero-engravidar/16-sinais-de-que-voce-pode-estar-gravida/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: