O que é e o que causa a piromania

O que é piromania? Conheça o termo

O que é e o que causa a piromania

O ser humano criou uma relação de medo e admiração com as chamas desde a descoberta do fogo. Alguns extrapolam a linha de segurança e passam a integrá-lo de forma compulsiva e perigosa em suas próprias vidas. Vamos entender melhor o que é piromania e como esse vício pode afetar a vida de todos.

O que é piromania?

Piromania é um transtorno psíquico no qual uma pessoa tende a provocar incêndios por prazer. Tudo lhe satisfaz, desde a preparação do incêndio, até o ambiente se reduzindo em cinzas. Ademais, a própria confusão envolvendo os bombeiros e moradores ao redor alimentam ainda mais sua tendência a atear fogo.

Essa mania em atear fogo é mais comum em crianças e adolescentes, de modo a desafiarem o poder dos pais. Entretanto, nada impede que tudo aconteça já na fase adulta. Ao contrário dos menores, os adultos necessitam e procuram por emoções mais fortes e vigorosas. Assim, ateiam fogo em casa ou matas próximas de si.

Cabe ressaltar que a piromania não é feita com o intuito de obter qualquer ganho financeiro com doações. Além disso, também não se encaixa nas pessoas que querem esconder suas atividades criminosas. O piromaníaco ateia fogo em objetos e locais por se satisfazer com o desenrolar das chamas em sua forma e intenção mais puras.

Quais as causas?

Até o momento não foi construída uma lista precisa com as motivações que levam ao surgimento da piromania. O transtorno é bastante complexo, seja em avaliação e até em estudo. Dada à forma como a sociedade se conduz, o problema pode ser confundido facilmente com ações criminosas e com vandalismos.

Entretanto, pesquisadores encontraram indícios de que a ausência de capacidades sociais contribui diretamente com o problema. Já que isso pode alterar a empatia, não existe a preocupação de que isso afetará alguém. O fogo em si serviria como a expressão da fúria interna que carrega diariamente.

Ademais, a necessidade de atenção frequente pode se manifestar no desejo incendiário. Em suma, o tamanho do estrago com as chamas refletiria diretamente a sua necessidade de ser visto. Tal atitude pode refletir até uma negligência durante a infância. Atear fogo em objetos mostra o quanto esse indivíduo precisa ser assistido.

Sintomas

Em geral, é bastante complexo fazer um retrato bem feito de quem possui piromania. Um indivíduo com esse transtorno procura não chamar atenção, ainda que guarde um desejo absurdo no interior. Ainda pode acontecer de toda a sua experiência com o fogo ficar represada, sendo acumulada. os pilares mais vistos são:

Relações incomuns com incêndios

Por mais que um indivíduo negue, fica bastante suspeito o seu envolvimento com episódios envolvendo o fogo. Para desviar a atenção, até se habilita e parece sensibilizado em ajudar. Todavia, o mesmo não pode conter o impulso e certamente se envolverá em um novo quadro pirotécnico.

Depressão

A ação de queimar objetos e lugares visa compensar um vazio existencial que esse indivíduo carrega. Quando os piromaníacos são pegos, uma avaliação mais completa detecta sinais depressivos em seu comportamento. A fim de preencher essa ausência, busca forma em se sentir vivo e com prazer, no caso, o fogo.

Irritabilidade e conflitos familiares

Por conta do estresse diário, um indivíduo pode se tornar uma pessoa bastante irritadiça. Como forma de escape, pode aflorar as suas tendências piromaníacas eventualmente. Sem contar que a criação de conflitos com quem está próximo também incide em seu comportamento. O fogo queima qualquer desavença.

Leia Também:  A Máquina de Brincar: breve resumo do livro

Tratamento

O tratamento para a piromania deve ser feito de forma personalizada, a fim de trabalhar os fatores problemáticos. Por meio de um psicoterapeuta, o paciente será submetido a uma entrevista para que se chegue a um entendimento da situação. Assim que a parte prática começar, será necessário:

Psicoterapia

Com a ajuda da psicoterapia, o indivíduo aprenderá a combater os impulsos em atear fogo. Em suma, ele saberá que tudo se trata de canalizações improvisadas para tudo o que guarda por dentro. Com isso, ele pode aprender a projetar o estresse de forma mais equilibrada, segura e saudável.

Medicamentos

Normalmente, também é indicado o uso de antidepressivos para lidar com os sintomas adjacentes do transtorno. A ideia é fazer uma compensação segura dos sintomas de modo a evitar reações exacerbadas e descontroladas. Assim, o indivíduo pode se concentrar em si mesmo e procurar outros objetos seguros para focar suas ações.

Na cultura pop

A piromania é objeto recorrente do entretenimento, servindo de base para alimentar o roteiro de diversas produções. Nos quadrinhos, foi usada em John Allerdyce, um antigo vilão das histórias dos mutantes X-men. John tinha a habilidade natural de manipular o fogo, dando forma, tamanho e intensidade a qualquer fagulha próxima a ele.

Ainda que o personagem seja pouco conhecido, John Allerdyce é a representação perfeita de um piromaníaco, se denominando Pyro. Sempre que manipulava as chamas, John demonstrava uma alegria pueril ao observar tudo queimar. Isso incluía seres vivos, de modo que o mesmo não esboçada qualquer reação, a não ser contentamento.

Exemplificando o que foi dito acima, Pyro também fora rejeitado, de modo a ficar deslocado socialmente, criando um vazio interno. Com isso, sua habilidade natural acabava por servir como válvula de escape às suas frustrações. Tudo fica bastante evidente quando o seu primeiro ato criminoso acaba sendo o assassinato de uma grande figura política.

Comentários finais sobre a piromania

A vontade em ver chamas dançando demonstra diretamente a força de um impulso interno que não é contido. A piromania faz com que uma pessoa externe suas angústias internas, de modo a incendiar o que estiver na frente. Desse modo, enquanto o fogo cresce, seus incômodos perdem força até aparentemente sumirem.

Já que certezas não podem ser levantadas, assim que desconfiar de alguma coisa, é necessário fazer uma intervenção. Por conta da forma como o problema se manifesta, não é tão provável que alguém possa assumir o controle sozinho. Uma ajuda especializada pode fazer com que recondicione seu comportamento a fim de evitar uma tragédia maior.

Para que compreenda melhor esse gatilho para a piromania, se inscreva em nosso curso 100% online de Psicanálise Clínica.

A psicoterapia pode fazer com que você enxergue melhor como os impulsos afetam diretamente o comportamento humano, seja o seu próprio ou o de outro indivíduo.

Sem contar que você aplica o aprendizado de maneira profissional, se quiser. Com o certificado de psicanalista, sua atuação sobre o mundo pode ser outra!

Источник: https://www.psicanaliseclinica.com/piromania/

Piromania: causas, sintomas e efeitos deste transtorno

O que é e o que causa a piromania

Pyrós. Esta palavra grega refere-se a um dos quatro elementos primordiais da natureza para os gregos, o fogo. Este elemento apresentou uma interessante dicotomia ao longo da história, sendo capaz de simbolizar energia, dinamismo, calor, afeição e paixão, mas também ódio, destruição e loucura.

O fogo tem sido desde a antiguidade um elemento que causou grande fascínio e respeito.

Porém, algumas pessoas têm uma fixação excessiva , precisando provocá-lo para tranquilizar sua tensão e ansiedade, acalmando seus impulsos independentemente dos graves efeitos que possa causar no ambiente ou em outras pessoas ou animais. Essas pessoas sofrem do distúrbio conhecido como piromania.

Piromania: uma desordem do controle de impulsos

A piromania é uma desordem do controle de impulsos , que se caracterizam pela presença de uma necessidade incontrolável de realizar um ato nocivo ou ilegal, sem levar em conta as repercussões disso.

Nesses tipos de distúrbios, de repente, surge um alto nível de tensão que eles precisam aliviar cometendo o ato em questão, depois do qual sentem um alto nível de bem-estar.

Este processo é em grande parte reminiscente do observado em transtornos de ansiedade, dependência e outros transtornos por uso de substâncias ou transtorno obsessivo-compulsivo.

No caso da piromania, o diagnóstico é realizado antes de indivíduos que deliberadamente atearam fogo em mais de uma ocasião, sentindo tensão antes de provocá-lo e produzindo uma sensação de bem-estar elevada após o início do incêndio ou depois de ver suas consequências . A provocação do incêndio não se deve à busca de um benefício econômico, pessoal ou social. Esses indivíduos apresentam em todos os momentos um grande fascínio, observando as chamas .

O que é e o que não é piromania

O fato de um ser humano causar um incêndio pode ser devido a um grande número de causas.

Por exemplo, incêndios não intencionais podem ocorrer e freqüentemente ocorrem devido a ações não cooperativas ou negligência, como deixar materiais inflamáveis, pontas de cigarros ou garrafas em áreas com vegetação.

Neste caso não nos depararíamos com um caso de piromania, já que seu diagnóstico requer que o fogo seja intencional .

Um dos rótulos que produzem mais confusão e que muitas vezes é confundido com a piromania é o de incendiário. Os incendiários são aqueles sujeitos que, como os incendiários, deliberadamente provocam um incêndio, mas, ao contrário dos últimos, o fazem com um objetivo claro, buscando um benefício específico ou causando danos a outra pessoa ou instituição.

A produção de fogo devido a outros transtornos mentais, como esquizofrenia, mania, demência ou intoxicação por substâncias, também não é considerada piromania, nem os incêndios são provocados por indivíduos com transtorno de personalidade anti-social (ou disocial em crianças).

Perfil do incendiário

Embora todas as pessoas sejam diferentes umas das outras, com grandes diferenças individuais que marcam a identidade, padrões comuns podem ser observados entre diferentes assuntos. Isso acontece tanto no nível da população não clínica quanto no nível clínico.

No caso de indivíduos que sofrem de piromania ou piromaníaco, é possível considerar a existência de um perfil típico. Cerca de 90% dos indivíduos que sofrem de piromania são homens jovens , que tendem a sofrer problemas emocionais e geralmente têm uma história cheia de frustrações em um nível pessoal, muitas vezes com um certo nível de ressentimento devido a isso.

Nesse distúrbio, prevalece a presença de uma personalidade anti-social, bem como um QI abaixo da média (embora isso não seja verdade em todos os casos). São sujeitos com um alto nível de frustração, uma sensação de vazio existencial, um alto senso de inferioridade que apresenta sentimentos de pouco controle, poder ou valor, que tentam substituir pelo poder do sentido ao provocar o fogo.

É também frequente que estes sujeitos provenham de famílias desfeitas , naqueles que sofreram abuso e / ou abuso sexual na infância. Da mesma forma, a ausência completa de uma figura paterna é observada em muitos casos.

No nível ocupacional, sua grande atração pelo fogo encoraja os incendiários a tentar vincular-se a obras relacionadas ou a partir das quais elas têm acesso a seu objeto de estimulação, o fogo.

Desta forma, é comum que eles tentem entrar em corpos de combate a incêndios, ou mesmo participar como voluntários em tarefas de combate a incêndios.

É comum que muitos deles acabem ajudando a extinguir os incêndios que provocam, como forma de poder observar em primeira mão os efeitos das chamas.

Comportamentos piromaníacos são, juntamente com os maus-tratos e mutilações de animais e ações extremamente violentas e a falta de empatia possíveis indicadores de psicopatia.

Etiologia (causas) do transtorno

Existem várias causas possíveis deste distúrbio.

Em um nível psicológico, a presença de um alto nível de busca de sensações é considerada , juntamente com a necessidade de poder e atenção derivada da falta de contato social e habilidades para criar ou manter vínculos com os outros pode ser a causa da piromania.

Também tem sido considerada a provocação de incêndios como forma de manifestar sentimentos profundos, como a raiva contra o sentimento de inferioridade.

Finalmente, modelos parentais que abundam em violência, abuso e negligência da criança, ou experiências traumáticas, como abuso sexual na infância, também podem levar a esse tipo de transtorno.

No nível neurobiológico, tem sido correlacionado, assim como o resto dos transtornos de impulso, com a presença de baixos níveis de serotonina no cérebro, bem como uma desregulação em dopamina e noradrenalina. A presença de hipoglicemia também foi observada em muitos piromaníacos.

Também o lobo temporal e o sistema límbico têm alguma participação nesse distúrbio, devido ao manejo de impulsos e emoções. O lobo frontal e o córtex orbitofrontal também estão envolvidos, falhando no processo de inibir o comportamento.

Tratamentos possíveis

A piromania é um distúrbio menos prevalente. Seu tratamento tem se concentrado predominantemente na terapia cognitivo-comportamental, embora os tratamentos tenham sido realizados a partir de outros aspectos teóricos, como a psicodinâmica.

O tratamento em questão baseia-se na promoção do controle de impulsos e do autocontrole através de técnicas de modificação de comportamento, técnicas de resolução de conflitos, autodetecção do nível de tensão e aplicação de técnicas de relaxamento como as da respiração.

Essas técnicas promovem que o indivíduo é mais capaz de lidar com os problemas, mas para que o tratamento seja eficiente, o empoderamento do paciente também deve ser trabalhado, ajudando a trabalhar a autoimagem e a autoestima, bem como as interações pessoais.

A empatia de trabalho também pode ser útil.

Deve-se ter em mente que o incendiário não costuma ir à consulta, geralmente sendo levado pelos parentes do paciente ou por ordem judicial, uma vez que a maioria deles geralmente não demonstra remorso por suas ações, apesar de estar ciente do fato. perigo que envolvem. Da mesma forma, é muito importante realizar tarefas de prevenção desde a infância.

Referências bibliográficas:

  • Associação Psiquiátrica Americana. (2002). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Texto revisado DSM-IV-TR. Masson Barcelona
  • Belloch, Sandín e Ramos (2008). Manual de psicopatologia. Madri MacGraw-Hill (vol 1 e 2). Edição revisada
  • Grant, J.E. & Won, K.S. (2007).

    Características clínicas e comorbidade psiquiátrica da piromania. J Clin Psychiatry. 68 (11): 1717-22

  • Santos, J.L; García, L.I .; Calderón, M.A. Sanz, L.J; de los Ríos, P; Esquerda, S. Román, P; Hernangómez, L; Navas, E. Ladrão, A e Álvarez-Cienfuegos, L. (2012). Psicologia clinica. CEDE Preparation Manual PIR, 02. CEDE.

    Madri

Transtorno do Impulso: Cleptomania (Março 2021)

Источник: https://pt.yestherapyhelps.com/pyromania-causes-symptoms-and-effects-of-this-disorder-11645

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: