O que é o H. pylori, como se pega e tratamento

Gastrite por Helicobacter pylori: sintomas, tratamentos e causas

O que é o <i>H. pylori</i>, como se pega e tratamento” width=”300″ height=”225″ class=”alignleft size-medium” /></p><p>Gastrite por Helicobacter pylori é um tipo de gastrite causada pela bactéria Helicobacter pylori, responsável pela ocorrência da maioria das úlceras e da gastrite crônica – quando ocorre a inflamação do estômago.</p><p>A infecção pela bactéria Helicobacter pylori é muito comum durante a infância, e a maioria das pessoas estão infectadas nem desconfiam, pois geralmente são assintomáticas.</p><h3> Causas</h3><p>A gastrite por Helicobacter pylori acontece quando a bactéria invade o organismo, provoca uma ativação do sistema imunológico com a infiltração do estômago por células inflamatórias, responsáveis pela gastrite, e enfraquece o revestimento que protege o estômago, permitindo que os sucos digestivos produzidos dentro dele corroam as paredes e deem origem a erosões (feridas) e úlceras.</p><p>NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE <img src=

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A bactéria é transmitida de pessoa para pessoa via contato com saliva, vômito ou material fecal, além de poder ser passada também por meio de comida e água contaminados.

Fatores de risco

A infecção pela bactéria Helicobacter pylori geralmente acontece durante a infância, mas alguns fatores são considerados de risco para a infecção por esta bactéria:

  • Viver em um local com muitas pessoas
  • Viver em um local onde não há fornecimento de água potável e filtrada
  • Viver em um local onde não há condições sanitárias adequadas
  • Viver junto com uma pessoa que tenha contraído a doença
  • Não praticar hábitos adequados de higiene

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Sintomas de Gastrite por Helicobacter pylori

A maioria das pessoas infectadas por Helicobacter pylori nunca manifestará quaisquer sinais ou sintomas de gastrite, enquanto que outras pessoas terão complicações graves. Essa diferença na expressão da doença envolve o tipo de cepa de H. pylori e fatores relacionados ao paciente, como variações genéticas, hábitos alimentares, estresse emocional e uso de medicamentos.

Os sinais e sintomas da infecção por H. pylori podem incluir:

  • Dor ou queimação no abdômen
  • Náuseas
  • Perda de apetite
  • Arrotos frequentes
  • Inchaço
  • Perda de peso não intencional.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Buscando ajuda médica

Procure ajuda médica se você notar o aparecimento de sangue nas fezes, se sentir dor abdominal, tiver indigestão ou azia contínuas, ou qualquer um dos outros sintomas mencionados acima.

Procure ajuda imediata, também, caso estiver vomitando sangue. Você deve consultar um gastroenterologista.

Na consulta médica

Anote todos os seus sintomas para não esquecer e descreva-os ao médico com detalhes. Isso o ajudará a realizar corretamente o diagnóstico.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Aproveite, também, para tirar todas as suas dúvidas e responder objetivamente as perguntas que o médico poderá lhe fazer. Veja alguns exemplos:

  • Quando seus sintomas começaram?
  • O que parece melhorar os sintomas?
  • Você já apresentou esses sintomas em outras ocasiões?
  • O que parece piorar os sintomas?
  • Seus sintomas são frequentes ou ocasionais?
  • Você fez uso de algum medicamento para aliviar dores?
  • Você perdeu peso recentemente?

Diagnóstico de Gastrite por Helicobacter pylori

Exames simples de sangue, de respiração e de fezes podem determinar se alguém foi infectado com Helicobacter pylori.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A maneira mais precisa de diagnosticar esse tipo de gastrite é por meio da endoscopia digestiva alta do esôfago, estômago e duodeno. Por ser muito invasivo, este procedimento é geralmente recomendado somente para pessoas com maior possibilidade de ter úlcera e outras complicações causadas pela bactéria, como câncer de estômago.

Tratamento de Gastrite por Helicobacter pylori

O tratamento de gastrite por Helicobacter pylori é feito, geralmente, com dois antibióticos usados em conjunto.

O tratamento dura, em média, de sete a 14 dias, e o médico ainda deverá receitar outros medicamentos para suprimir a produção de ácido pelo estômago e, assim, promover a cura das feridas causadas pela bactéria.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Medicamentos para Gastrite por Helicobacter pylori

Os medicamentos mais usados para o tratamento de gastrite por H. pylori são:

  • Amoxilina
  • Amoxil BD
  • Cipro
  • Ciprofloxacino
  • Esomeprazol Magnesio
  • Omeprazol

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Complicações possíveis

Complicações associadas com a infecção por H. pylori incluem:

  • Úlceras: a bactéria causadora da gastrite pode danificar o revestimento protetor do estômago e do intestino delgado, o que permite que o ácido do estômago lesione a parede do órgão, dando origem a uma ferida aberta (úlcera)
  • Câncer de estômago: infecção por H. pylori é um forte fator de risco para certos tipos de câncer de estômago, inclusive linfoma gástrico.

Gastrite por Helicobacter pylori tem cura?

O tratamento dura de semanas a meses e costuma ser bastante eficaz. Uma vez que a bactéria Helicobacter pylori é eliminada de seu corpo, devem ser mantidas precauções para evitar a reinfecção.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Referências

Federação Brasileira de Gastroenterologia

Источник: https://www.minhavida.com.br/saude/temas/gastrite-por-helicobacter-pylori

Helicobacter Pylori (H.pylori): sinais e tratamento

O que é o <i>H. pylori</i>, como se pega e tratamentoInformações em vídeo

Antes de seguirmos em frente, assista a esse curto vídeo que resume as principais informações sobre a bactéria H.pylori.

Transmissão

O modo de contágio da H.pylori ainda não é plenamente conhecido. Sabemos que a transmissão pode ocorrer de uma pessoa contaminada para uma pessoa sadia através do contato com vômitos ou fezes, este último geralmente sob a forma de águas ou alimentos contaminados.

Os seres humanos parecem ser o reservatório principal da bactéria, no entanto, a H.pylori já foi isolado em outros primatas, ovelhas e em gatos domésticos, sugerindo que a transmissão destes para os seres humanos possa ocorrer.

A água contaminada, principalmente nos países em desenvolvimento, costuma servir como uma fonte de bactérias. A H.pylori consegue permanecer viável na água por vários dias.

Nos países ainda sem saneamento básico universal, a maioria das crianças é infectada antes dos 10 anos e a prevalência na população adulta chega a ser maior que 80%. Nos países desenvolvidos, como Estados Unidos e na Europa, a contaminação em crianças é incomum, porém a transmissão na vida adulta é frequente, onde mais de 50% da população acima de idade 60 anos encontra-se infectada.

Quando um membro da família se infecta com o Helicobacter pylori, o risco de transmissão para os filhos e conjunge é altíssimo. Esta transmissão é comum mesmo em casas com boas condições de higiene, o que coloca em dúvida se a transmissão ocorre sempre pela via fecal/oral.

A transmissão através da saliva ainda não está comprovada. A H.

pylori pode ser encontrado na boca, principalmente nas placas dentárias, porém, sua concentração parece ser baixa demais para haver transmissão.

Um dado que fala contra esta forma de transmissão é o fato de dentistas não apresentarem maiores taxas de contaminação do que outros profissionais que não lidam constantemente com saliva e placas bacterianas.

Doenças causadas pela Helicobacter pylori

Como já foi referido no início deste artigo, a H.pylori costuma se alojar na parede do estômago, logo abaixo da camada protetora de muco. Essa camada é essencial para proteção do estomago, impedindo que o ácido clorídrico agrida a sua mucosa.

O problema é que a H.pylori produz uma série de enzimas, algumas delas diretamente irritantes para as células do estômago, outras ativas contra a camada de muco, tornando-a mais fraca, o que deixa a parede do estômago desprotegida contra o conteúdo ácido.

Estas ações provocam inflamação da mucosa do estômago, levando à gastrite e, em alguns casos, à formação de úlcera péptica e até de tumores

Resumindo, a presença da Helicobacter pylori causa lesão no estômago e no duodeno e está associada a um maior risco de:

  • Gastrite.
  • Duodenite (inflamação do duodeno).
  • Úlcera do duodeno.
  • Úlcera do estômago.
  • Câncer do estômago.
  • Linfoma do estômago (linfoma MALT).

Sintomas

A grande maioria dos pacientes contaminados pela H.pylori não apresenta nenhum tipo de sintoma ou complicação. Há cepas da bactéria mais agressivas e há cepas mais indolentes, o que explica, em parte, a ocorrência de sintomas apenas em poucas pessoas contaminadas.

É importante salientar que o Helicobacter pylori em si não causa sintomas. Os pacientes contaminados com H.pylori que apresentam queixas o fazem pela presença de gastrite ou úlceras pépticas provocadas pela bactéria. Nestes casos, os sintomas mais comuns são:

  • Dor ou desconforto, geralmente tipo queimação e na parte superior do abdômen (leia: Principais causas de dor abdominal).
  • Sensação de inchaço na barriga.
  • Saciação rápida da fome, geralmente depois de comer apenas uma pequena quantidade de alimento.

Esse conjunto de sintomas recebe o nome de dispepsia.

No caso de úlceras, além dos sintomas acima, também são comuns:

  • Náuseas ou vômitos.
  • Fezes escuras.
  • Anemia.

Se o paciente não apresenta gastrite nem úlceras, a simples presença da H.pylori não pode ser responsabilizada por sintomas como dores estomacais.

Apenas como exemplo, estudos mostram que somente 1 em cada 14 pacientes com queixas de queimação estomacal, sem gastrite ou úlcera documentadas na endoscopia, apresentam melhora com o tratamento para a H.pylori.

A H.pylori também parece ser responsável pelo aparecimento de aftas recorrentes em alguns pacientes, mas esta associação ainda não está comprovada.

Diagnóstico

Atualmente existem vários métodos para se diagnosticar a presença da bactéria H.pylori. Entretanto, mais importante do que diagnosticar a bactéria é saber em quem se deve pesquisar a sua presença.

Como em alguns locais até 90% da população apresenta-se contaminada pela bactéria, os testes serão positivos em quase todo mundo. Portanto, não faz sentido solicitar pesquisa de H.

pylori em pessoas sem queixas específicas.

Antigamente a pesquisa da H.pylori era feita somente com endoscopia digestiva, através de biópsias do estômago. Hoje em dia há testes não invasivos, através das fezes, sangue ou da respiração.

Porém, nos pacientes que se queixam de dores estomacais, a endoscopia é importante para avaliar o estado do estômago, servindo também para o diagnóstico de gastrites, úlceras ou tumores.

Por isso, muitos dos diagnósticos de Helicobacter pylori ainda são feitos pela endoscopia digestiva, através a biópsia e do teste da urease.

Os testes não invasivos acabam sendo mais utilizados após o tratamento, como forma de confirmar a eliminação da bactéria.

Pacientes com menos de 55 anos, que apresenta queixas de queimação estomacal, sem sinais que possam indicar um tumor ou úlceras ativos (sangramento, anemia, saciedade precoce, perda de peso inexplicada, vômitos recorrentes, história familiar de câncer gastrointestinal, etc.) podem ser submetidos a um teste não invasivo, visando tratamento caso sejam positivos para H.pylori. A endoscopia fica indicada apenas se não houver melhora dos sintomas com o tratamento.

Relação do H.pylori com câncer do estômago

Sabemos que a maioria da população encontra-se colonizada pela H.Pylori, porém, apenas uma pequeníssima parte desenvolve câncer de estômago. Logo, podemos concluir que a H.pylori aumenta o risco de câncer, mas não é o único fator.

Portanto, não está indicado tratamento para todo mundo que tenha a bactéria. Apenas os pacientes com história familiar de câncer gástrico devem se preocupar com a presença assintomática da H.pylori. Nestes, mesmo que o paciente não apresente nenhum sintoma, indica-se a pesquisa da bactéria e o tratamento visando erradicá-la.

O H.pylori está relacionado ao surgimento de um tipo específico de linfoma do estômago, chamado de MALT. A relação é tão forte que o tratamento deste tumor é feito com antibióticos e a erradicação da bactéria leva à cura desta neoplasia.

Tratamento

Recentemente as indicações para tratamento da H.pylori foram expandidas, englobando grupos que até pouco tempo atrás não eram habitualmente tratados.

As atuais indicações para tratamento da Helicobacter pylori são:

  • Gastrite.
  • Úlcera gástrica e/ou duodenal.
  • Linfoma MALT gástrico.
  • Parentes de primeiro grau de pacientes com câncer gástrico.
  • Anemia por carência de ferro sem causa aparente.
  • Púrpura trombocitopênica idiopática.
  • Pacientes em terapia de longo prazo com anti-inflamatórios, que têm sangramento gastrointestinal e/ou úlcera péptica.

O tratamento é habitualmente feito com 3 fármacos por 7 a 14 dias com:

  • Um inibidor da bomba de prótons (Omeprazol, Pantoprazol ou Lanzoprazol) + dois antibióticos, como Claritromicina e Amoxicilina ou Claritromicina e Metronidazol.

Após 4 semanas do fim do tratamento, o paciente pode realizar os testes não invasivos para confirmar a eliminação da bactéria.

Reinfecção pela H.pylori

Ao contrário do que se pensava antigamente, a reinfecção pela H.pylori após o tratamento correto e bem sucedido é pouco comum. Em geral, quando o paciente é tratado, e tempos depois descobre que ainda tem a bactéria, é porque o tratamento não foi bem sucedido e não levou à completa erradicação da H.pylori.

O risco de reinfecção é maior em áreas com saneamento pobre e águas impróprias para consumo ou banho.

Pesquisa para cirurgia bariátrica

Apensar de ainda não haver um consenso, a maioria dos médicos solicita uma pesquisa de H.pylori, e o trata em caso de resultado positivo, para os pacientes obesos que serão submetidos à cirurgia bariátrica.

Esta conduta parece diminuir os riscos de lesões do estômago, como úlceras, no pós-operatório.

Referências

Источник: https://www.mdsaude.com/gastroenterologia/helicobacter-pylori/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: