O que fazer para combater a prisão de ventre

10 Remédios Naturais para Prisão de Ventre

O que fazer para combater a prisão de ventre

A prisão de ventre (constipação) é um problema extremamente comum. Ela pode ser causada pelo estilo de vida (má alimentação, sedentarismo, estresse e ansiedade), medicação ou alguma doença.

Para muitas pessoas, a causa de sua constipação crônica é desconhecida. E por isso acabam convivendo com o problema. O ideal é ir ao banheiro todos os dias.

Segundo alguns especialistas, para se ter saúde plena a defecação deve ser feita 3 vezes ao dia, realidade muito distante da maioria das pessoas.

É considerado constipação crônica quem vai ao banheiro menos de 4 vezes na semana.

A constipação envolve vários sintomas desagradáveis, como: desconforto ao ir ao banheiro, inchaço abdominal e dor (devido às fezes ficarem duras e secas). Infelizmente, a constipação pode ter um sério efeito negativo na qualidade de vida, bem como a sua saúde física e mental.

Antes de avaliar remédios ou laxantes — altamente agressivos para o intestino —, existem muitas maneiras naturais para ajudar a aliviar a constipação. Confira alguns remédios caseiros naturais — alguns “óbvios”, outros nem tanto — para aliviar melhorar a prisão de ventre. Procure fazer testes e descobrir o que melhor se adéqua ao seu caso.

1. Beba mais Água!

Tomar água adequadamente é o melhor remédio para seu intestino funcionar bem. A água ajuda a distender as paredes dos órgãos envolvidos na digestão, incentivando-os a entrar em ação.

O simples ato de tomar bastante água no seu dia pode revolucionar a saúde do seu intestino e melhora de uma vez por todas o problema de prisão de ventre. Essa é a medida #1 para se tentar. Experimente também a água com gás ou chás.

2. Coma mais Fibra

As fibras vegetais sugam o líquido para o intestino e, consequentemente, as fezes ficam mais hidratadas e aumentam de volume, favorecendo os movimentos que empurram o alimento para a frente durante a digestão. Beba um copo ao acordar para regular seu intestino.

Fibra e água é uma a combinação perfeita para o intestino.

Alimentos ricos em fibras são conhecidos por estimularem o intestino: não pense em vegetais e frutas como meros acompanhamentos, mas como partes cruciais de qualquer refeição equilibrada.

Esses alimentos não apenas aliviarão a constipação intestinal, como também promoverão a saúde digestiva através da melhora na dieta. Confira alguns exemplos de alimentos com bastante fibras:

  • Abacates, feijões, brócolis, couves, ervilhas e lentilhas.
  • Cereais, aveia, chia, arroz marrom e sementes de linhaça.
  • Framboesa, amoras, morangos, mirtilo e laranjas.
  • Alface, rúcula, agrião e couve-flor.
  • Amêndoas, figos secos, ameixa preta, uva passas e olivas.
  • Mamão, pêssego, abacaxi, coco e pera.

3. Faça Exercícios

Os exercícios físicos proporcionam movimentos no intestino grosso e mudanças hormonais, que provocam efeitos mecânicos no intestino. Isso facilita muito o peristaltismo, que é o movimento feito pelo intestino para empurrar o bolo alimentar.

Outra boa relação entre exercícios e o fim da prisão de ventre é que atividade física melhora o tônus das musculaturas pélvica e abdominal, o que ajuda no processo. É possível também que o alto gasto de energia aumente a necessidade de ingestão de calorias, o que pode influenciar na quantidade total de fibra consumida.

4. Coma Mamão Diariamente

O mamão é famoso como um dos principais alimentos para combater a prisão de ventre. É rico em fibras, sais minerais e tem alto teor de betacaroteno, um antioxidante responsável pela obtenção indireta da vitamina A. Além de dar aquela força para a saúde do intestino, o mamão tem propriedades calmantes e atua como ótimo amigo daqueles que têm um estômago sensível.

O mamão pode ser incluído nas vitaminas, com outras frutas e granola, no suco verde, picadinho com as castanhas e linhaça triturada e batido com ameixa preta e biomassa de banana-verde.Saiba mais sobre os benefícios do mamão.

5. Beba mais Café

Se engana quem acha que ele só serve como aditivo milagroso para manter o corpo acordado e disposto por mais tempo. As propriedades químicas da bebida também são capazes de estimular a movimentação do bolo fecal.

Para muitas pessoas (cerca de ⅓ da população), o café pode aumentar muito a vontade de ir ao banheiro. Isto é porque o café estimula os músculos em seu sistema digestivo. O café também pode conter pequenas quantidades de fibras solúveis que ajudam a prevenir a constipação, melhorando o equilíbrio de suas bactérias intestinais.

6. Ingira Probióticos

Os probióticos podem ajudar a prevenir a constipação crônica. Quando o intestino não funciona muito bem, uma das causas mais comuns é desequilíbrio de bactérias da flora. Os probióticos ajudam equilibrar as bactérias boas e ruins, regulando o intestino.

Os probióticos parecem tratar constipação funcional, aumentando a frequência de evacuações e melhorando a consistência das fezes.

Para incluir probióticos em sua dieta, tente incluir mais alimentos fermentados, iogurte , chucrute e kefir, que contêm bactérias vivas, amigáveis.

Outra ideia é tomar suplementos probióticos. Não se esqueça também dos prebióticos, que são os alimentos para as bactérias como: biomassa de banana verde, frutas, folhas verdes, grãos, fibras. Saiba mais sobre probióticos e prebióticos.

7. Experimente com Suplementação de Magnésio

Infelizmente, no Brasil, há um problema generalizado de deficiência de magnésio no solo, então muitas vezes a suplementação desse mineral é necessária.

O cloreto de magnésio está intimamente relacionado com a digestão e com a capacidade de combater a prisão de ventre.

Além do magnésio ser benéfico para vários problemas de saúde, também ajuda melhorar o funcionamento do intestino.

Isso porque o cloreto de magnésio melhora a digestão, ajuda no peristaltismo intestinal e colabora para que os músculos e o sistema digestivo relaxem. Saiba mais sobre defiência e suplementação com magnésio.

8. Coma Mais Ameixas Pretas

A Ameixa preta seca é um santo remédio para constipação. Além das fibras, ameixas contem o laxante natural sorbitol, um álcool de açúcar com efeito laxante. Essa propriedade laxativa vem principalmente da casca e da polpa, ambas também úteis para desinchar a barriga.

A ameixa preta e o suco de ameixa são potentes estimuladores da motilidade intestinal, pois contêm o ácido diidroxifenil isatina. Além disso, ela contém sorbitol. Uma substância com efeito de absorver mais água do organismo, e isso, aliado às fibras, acelera o trânsito intestinal. A quantidade ideal é de duas ameixas frescas ou quatro ameixas secas ao dia.

9. Abacate

Além de vitaminas e minerais, a principal vantagem do abacate são suas gorduras boas, e por isso mesmo são as responsáveis por todos os benefícios da fruta para a saúde, inclusive as propriedades laxativas. Essas gorduras monoinsaturadas podem auxiliar muito na lubrificação das fezes. Essa lubrificação impede o principal efeito da constipação e ajuda na hora de evacuar.

O abacate é uma fruta muito versátil e pode ser usado de varias maneiras, em pratos salgados, doces ou in natura (como por exemplo em uma deliciosa batida de abacate com cacau).

10. Linhaça

O segredo da semente de linhaça está nas altas quantidades de mucilagem (fibras solúveis).

Quando as sementes de linhaça entram em contato com a água, elas liberam estas fibras fazendo com que os líquidos circundantes vão adquirindo uma característica mais espessa.

As fibras solúveis das sementes são capazes de reter as toxinas no organismo e expulsá-las com as fezes muito antes que sejam absorvidas pelo intestino.

A melhor maneira de usar a semente de linhaça é triturar as sementes e acrescentar em iogurtes, frutas, sucos ou vitaminas. Nunca consuma a semente inteira pois, sozinha, ela desidrata o copo (retém água já existente).

Se a constipação é um problema para você, experimente essas dicas ou procure um médico e tente resolver seu problema, intestino funcionando bem te deixa mais saudável e feliz!

E você, tem alguma dica especial para compartilhar?

Источник: https://belezaesaude.com/remedios-naturais-prisao-ventre/

Prisão de ventre: causas e como combater esse mal tão comum

O que fazer para combater a prisão de ventre

Foto: iStock

Só a existência de produtos de mercado desenvolvidos para acabar com a prisão de ventre já deveria servir de indicativo do quanto o problema é comum. Mesmo assim, o assunto segue sendo tabu, com muita gente deixando de buscar tratamento ou mesmo sem saber que sofre com a condição.

“Prisão de ventre, ou constipação intestinal, diferente do que muitos imaginam, não é apenas o fato de evacuar poucas vezes por dia ou não evacuar todos os dias. Quem possui dificuldade persistente para evacuar, com fezes endurecidas, dor, ou necessita realizar muito esforço também é considerado constipado”, esclarece o Dr. Marcos Belotto, gastrocirurgião do Hospital Sírio Libanês.

Causas

Foto: iStock

A constipação tem a ver com o movimento intestinal que, por sua vez, está diretamente ligado ao bom (ou mau) funcionamento do organismo. Por isso mesmo, a prisão de ventre costuma estar associada a diversos fatores, sendo os principais deles comportamentais, de acordo com o especialista. Confira abaixo os mais importantes:

  • Dieta com escassez de fibras: encontradas em verduras, frutas e cereais, as fibras são essenciais para a formação do bolo fecal.
  • Baixa ingestão de água: enquanto as fibras auxiliam na formação do bolo fecal, a água é fundamental para hidratá-lo, evitando seu ressecamento e garantindo um melhor trânsito intestinal.
  • Sedentarismo: atividades físicas, com destaque para as aeróbicas, estimulam o movimento peristáltico. Sua ausência, portanto, pode estar por trás do intestino preguiçoso.
  • Deixar de atender à urgência para evacuar: toda vez que deixamos de ir ao banheiro por vergonha ou por preguiça, alteramos o hábito intestinal, deixando-o mais lento. Além disso, atrasar a ida ao banheiro favorece o ressecamento das fezes, causando dificuldade e dores na evacuação.
  • Uso de alguns medicamentos: antidepressivos que desaceleram os processos normais do corpo podem desacelerar também a musculatura do intestino.
  • Ansiedade, estresse e depressão: retardam o trânsito intestinal devido à conexão entre o sistema nervoso central e o sistema nervoso entérico, rede de neurônios do sistema digestivo ligada às funções intestinais.

Além dessas causas, o Dr. Marcos Belotto menciona que a prisão de ventre também pode estar associada a problemas mais sérios de saúde. “Ela pode ser secundária a alterações anatômicas, doenças próprias do intestino, metabólicas e neurológicas.

Uma causa muito frequente é a síndrome do intestino irritável”, diz. Sendo assim, se você mantém hábitos saudáveis e mesmo assim sofre com a constipação, o ideal é procurar um médico a fim de descartar a possibilidade de doenças mais graves.

Sintomas

Foto: iStock

Apesar de ser um problema bastante comum, que atinge cerca de 30 % dos brasileiros, muita gente não sabe ou não admite possuir intestino preso. Isso se deve em grande parte por conta da vergonha de tocar em um assunto tido como escatológico, mas também pela falsa ideia de que só pode ser considerado constipado quem nunca vai ao banheiro.

“O ideal é que a frequência de evacuações seja de 3 a 12 vezes por semana, mas ainda que esteja dentro desses valores, pode ser considerado constipado aquele que necessita realizar um esforço muito importante ou pouco produtivo para evacuar”, diz o Dr. Marcos Belotto.

Para acabar com as dúvidas, ele lista os principais sintomas associados à constipação:

  • 2 ou menos evacuações semanais
  • Fezes ressecadas e pouco volumosas
  • Desconforto para evacuar
  • Distensão abdominal
  • Gases em excesso
  • Sensação de esvaziamento incompleto após a evacuação

Embora esses sintomas sejam forte indicativo de prisão de ventre, o médico ressalta que “não existe uma regra.

O importante para diferenciar se é uma variação normal ou anormal do ritmo intestinal é a alteração do ritmo padrão individual e o bem estar do paciente”, diz.

No entanto, ele alerta que sintomas adicionais como mal estar, dores fortes e sangramentos devem sempre ser investigados o mais rápido possível.

Tratamentos

Foto: iStock

Por não ser uma doença propriamente dita, a constipação não costuma requerer um tratamento específico. “A grande maioria dos pacientes se beneficia ao realizar mudanças no estilo de vida”, explica o especialista. Confira abaixo os principais tratamentos para diferentes quadros de prisão de ventre.

  • Apostar em alimentos que são laxantes naturais: acrescentar frutas como ameixa e mamão, além de farelos ricos em fibra, é uma forma de estimular o funcionamento do intestino.
  • Aumentar o consumo de água: seguir a clássica orientação de beber dois litros de água por dia já ajuda a amenizar o problema.
  • Supositórios e enemas: exclusivos para os casos mais graves de prisão de ventre, esses dois medicamentos facilitam a eliminação das fezes.
  • Intervenção cirúrgica: o gastrocirurgião diz que apenas casos mais restritos podem necessitar de intervenção, mas afirma que eles são bem pouco frequentes.

Segundo os especialistas, remédios laxantes devem ser utilizados apenas sob orientação médica, visto que agem de maneira muito pontual, irritam o intestino e, a longo prazo, podem até piorar o quadro de constipação.

Receitas caseiras para combater a prisão de ventre

Foto: iStock

Para quem convive diariamente com o intestino preso, mesmo adotando hábitos de vida saudáveis, a boa notícia é que alguns remédios caseiros naturais podem ajudar a melhorar o trânsito intestinal. Veja abaixo duas opções recomendadas pelo especialista.

    Ingredientes:
    • 1 copo de água
    • 2 colheres de sopa de semente de linhaça

    Modo de preparo:

    1. À noite, antes de dormir, coloque as duas colheres de semente de linhaça em um copo com água e reserve;
    2. Tome a água na manhã seguinte. A receita pode ser consumida diariamente.

    Ingredientes:

    • 1 copo de água
    • 3 ameixas
    • Suco de 1 laranja

    Modo de preparo:

    1. Coloque as ameixas em um copo com água antes de dormir e deixe a mistura descansar até a manhã seguinte;
    2. Bata a água e as ameixas no liquidificador;
    3. Acrescente o suco de laranja ou meio copo de suco integral de uva.
    4. Beba a mistura em seguida.

    A vantagem dessas duas receitas é que, por serem leves e naturais, elas não possuem efeitos colaterais, como irritação do intestino. Procure fugir de chás que prometem solução imediata a não ser que consumidos sob orientação médica.

    Grupos de risco

    Foto: iStock

    Seja em razão de uma viagem ou por alguma mudança temporária na alimentação, é possível que todo mundo apresente ao menos um episódio de constipação uma vez na vida. No entanto, por motivos hormonais, químicos, físicos ou mesmo sociais, alguns grupos estão mais sujeitos à prisão de ventre crônica. São eles:

    Mulheres: de acordo com o especialista, a grande razão para as mulheres estarem no grupo de risco são as mudanças hormonais, que influenciam os movimentos peristálticos.

    Além delas, os médicos também apontam o fato de mulheres crescerem com a ideia de que evacuar é algo feio, o que nos leva a não utilizar o banheiro no trabalho, faculdade, na casa de amigos, etc, facilitando o ressecamento das fezes e o atraso no hábito intestinal.

    Idosos: ao envelhecer, nossos movimentos se tornam mais lentos, incluindo os movimentos da musculatura intestinal, responsável pela condução e eliminação do bolo fecal.

    Pessoas acamadas: tanto pela restrição de movimentos quanto pela baixa ingestão de água que geralmente apresentam, pessoas internadas ou em constante repouso devem dar atenção redobrada à prisão de ventre.

    Lembrando que, mesmo fora do grupo de risco, qualquer pessoa pode se tornar constipada dependendo dos hábitos adotados no dia a dia.

    Como prevenir

    Foto: iStock

    Conforme levantado pelo especialista anteriormente, o intestino preso é sinal de que algo não vai bem no organismo. Por isso, não tem jeito. Mais do que fazer receitas que amenizem o problema, a solução para evitar a prisão de ventre é manter hábitos saudáveis na rotina e não somente em momentos de crise. Veja a seguir como prevenir o quadro de maneira duradoura:

    Praticando atividades físicas: exercícios aeróbicos estimulam os movimentos peristálticos, facilitando o trânsito intestinal.

    Aumentando a ingestão de fibras: frutas, verduras e legumes ricos em fibra vão auxiliar na formação do bolo fecal. Algumas frutas, inclusive, funcionam como laxantes naturais.

    Bebendo mais líquidos: para hidratar o bolo fecal, o ideal é beber mais água, mas também vale apostar em sucos ou chás que não sejam diuréticos.

    Atendendo aos chamados da natureza: brincadeiras e eufemismos à parte, evacuar quando sentir vontade é fundamental para não ressecar as fezes e para não retardar o hábito intestinal.

    Gerenciando o estresse: nossas emoções também estão ligadas ao funcionamento do intestino. Por isso, procure relaxar, investindo em atividades que dão prazer no dia a dia.

    Outra dica para prevenir a prisão de ventre é tentar regular o intestino para ir ao banheiro sempre no mesmo horário, o que pode ser feito com a ajuda de laxantes naturais, como mamão ou iogurtes com probióticos. Assim, você consegue escolher um horário em que costuma estar disponível e à vontade para evacuar.

    O que comer (e o que evitar) para não sofrer com o intestino preso

    Foto: iStock

    Que manter uma dieta adequada é essencial para manter o bom funcionamento do organismo não há dúvidas, mas o que exatamente comer e o que evitar para conseguir manter o trânsito intestinal em dia?

    Aposte nestes alimentos…

    • Frutas laxativas: ameixa e mamão possuem um alto teor de fibras, além de, respectivamente, sorbitol e papaína, substâncias que estimulam o peristaltismo.
    • Linhaça: possui fibras solúveis e insolúveis que ajudam a aumentar o bolo fecal e a melhorar o trânsito do intestino.
    • Abóbora: quando consumida no mínimo três vezes por semana, ela ajuda a equilibrar a flora intestinal graças à alta concentração de fibras, ferro, zinco e potássio.
    • Verduras de folhagem escura: alface, rúcula, couve e agrião são ricas em fibras insolúveis que facilitam a formação do bolo fecal;
    • Frutas com o bagaço: a maior concentração de fibras nas frutas está na casca e no bagaço. Por isso, opte por frutas em que é possível comer essas partes, como é o caso da laranja com bagaço.
    • Cereais integrais: por possuírem muito mais fibras do tipo insolúveis que suas versões refinadas, também auxiliam na formação do bolo fecal e no trânsito intestinal.

    E fique longe desses…

    • Alimentos industrializados: biscoitos, refrigerantes e outras guloseimas possuem baixo teor de fibras, mas são ricos em carboidratos e açúcares, que impedem a atuação de bactérias benéficas ao funcionamento do intestino.
    • Cereais refinados: farinha de trigo branca, arroz branco e outros cereais refinados são pobres em fibras e contribuem para a contração intestinal, além de fermentarem, produzindo gases.
    • Goiaba: apesar de ser pouco calórica e rica em fibras, suas fibras são do tipo solúvel, conhecidas por retardarem o funcionamento intestinal, principalmente quando há baixo consumo de água.
    • Maçã: assim como a goiaba, é rica em fibras solúveis, que podem absorver a água do bolo fecal, gerando retardo intestinal.
    • Alimentos gordurosos: além de possuírem baixo teor de fibras, alimentos como salgados fritos deixam o pH do intestino mais ácido, dificultando seu funcionamento.
    • Alimentos condimentados: frequentemente pobres em fibras, eles ainda irritam a mucosa intestinal.

    “E o café?” você pode estar se perguntando.

    Embora muita gente relate sentir o intestino soltar após o seu consumo – fato explicado pela ciência pela presença da gastrina, hormônio que estimula a atividade motora do intestino – seu consumo em excesso pode ter efeito diurético, provocando desidratação, o que, por sua vez, favorece a prisão de ventre.

    Embora não seja uma doença, a prisão de ventre gera muitos desconfortos e, se não tratada, pode levar a problemas mais sérios como as hemorroidas. Por isso, identificar e buscar tratamento para o intestino preso é fundamental para ter uma vida mais saudável e com maior qualidade de vida.

As informações contidas nesta página têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Источник: https://www.dicasdemulher.com.br/prisao-de-ventre/

Os alimentos que ajudam a combater a prisão de ventre

O que fazer para combater a prisão de ventre

No início de 2019, a atriz e apresentadora Maisa Silva, de 17 anos, revelou, em tom de desabafo, que dava para contar nos dedos quantos dias do mês seu intestino funcionava direito.

“Uma coisa que me choca são pessoas que conseguem fazer cocô rápido”, escreveu em uma rede social. Embora nem todos falem sobre o tema abertamente, a prisão de ventre é bem comum.

Segundo o gastroenterologista Ricardo Barbuti, do Hospital das Clínicas de São Paulo, estima-se que entre 20 e 30% da população brasileira sofra de constipação.

Tradicionalmente, uma pessoa é considerada constipada quando evacua menos de três vezes por semana. Mas, para Barbuti, a frequência não é mais tão relevante assim. “O importante mesmo é estar satisfeito com seu ritmo”, diz.

A médica Elaine Moreira, da Federação Brasileira de Gastroenterologia (G), concorda: “Se a pessoa vai todos os dias ao banheiro, mas passa muito tempo sentada, faz bastante força e as fezes saem em bolinhas, já dá para pensar em constipação”.

Por outro lado, caso a visita ao vaso ocorra duas vezes na semana, mas não há esforço nem dor e as fezes saem bem constituídas, provavelmente está tudo bem.

Após relatar os apuros com o intestino, Maisa recebeu todo tipo de conselho — a jovem, que começou sua carreira na infância, soma cerca de 6 milhões de seguidores só no , onde rolou a confissão. O correto, no entanto, é marcar uma consulta. “É preciso investigar se existe alguma doença por trás da constipação”, avisa Elaine.

Não custa checar. Mas, de acordo com o gastro Sergio Alexandre Liblik, professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, o mais corriqueiro é que o trânsito travado seja resultado de hábitos de vida inadequados, com destaque para uma dieta pobre em fibras e água, além de sedentarismo.

“Mexer na alimentação é a grande chave para quase todos os constipados”, afirma Liblik. Por isso, o ideal é ter a orientação de um profissional — nada de apostar em dicas da internet e dos vizinhos.

“Muitas receitas miraculosas são baseadas em substâncias irritantes da mucosa intestinal”, aponta a nutricionista Ana Luísa Faller, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

“Elas até têm capacidade de aumentar a velocidade de funcionamento do órgão e favorecer a evacuação, mas são agressivas e podem gerar danos às células”, justifica Ana. Entre os desfechos estão entraves na absorção de nutrientes e eliminação excessiva de água nas fezes, um passo para a desidratação.

Melhor testar saídas consagradas, como elevar o consumo de certos alimentos e maneirar no de outros — ou investir em estratégias para transformar itens pró-constipação em parceiros do intestino. Abaixo, mostramos o que entra nesse menu desentupidor. E, se quiser, clique aqui para ver os alimentos que podem causar a prisão de ventre.

Legumes e hortaliças

Estão aí alimentos lotados de fibras, substâncias que resistem à digestão e, como consequência, auxiliam na constituição do bolo fecal e na labuta do intestino. “O ideal é manter a casca de legumes como berinjela, pepino, beterraba, tomate e companhia”, sugere Fabiana. Afinal, é aí que boa parte do conteúdo fibroso se acumula.

Outra coisa: de olho nessa substância, não deixe faltar vegetais folhosos, ou seja, o time representado por rúcula, alface, almeirão, acelga, espinafre etc. Se der para comê-los crus, melhor ainda.

Recentemente, Maisa relatou que, após virar vegetariana, visita o banheiro todo dia. Não é coincidência.

Café e chás preto, verde e mate

Essa seleção de bebidas apresenta uma coisa em comum: cafeína. Considerada estimulante, ela não acorda só a mente. O intestino também recebe um chacoalhão. “A substância incentiva os movimentos peristálticos”, reforça Barbuti. Ou seja, dá aquele gás para que o bolo alimentar finalmente avance pelo tubo digestivo.

Para Fabiana, a estratégia pode dar uma força, mas não deve ser considerada o foco das ações. “O excesso é capaz de causar alguns problemas, como azia e refluxo, além de prejudicar a absorção de minerais”, observa.

“O café faz bem, mas com moderação”, concorda Liblik.

Água e sucos naturais

A nutricionista Mariana Del Bosco, de São Paulo, conta que a água torna o bolo fecal mais viscoso. Sem ela, o cocô fica ressecado. “Aí é preciso fazer muita força para evacuar”, nota. Por isso, não adianta se entupir de fibras se os goles do líquido não seguirem o ritmo. Na verdade, isso até piora o quadro, tornando cada ida ao banheiro um martírio.

“Se eu pudesse dar apenas um conselho para a pessoa constipada, seria: beba mais água”, salienta Elaine. Ela costuma indicar 30 mililitros por quilo de peso. Para alguém de 70 quilos, dá 2,1 litros por dia.

Continua após a publicidade

Sucos naturais de frutas dão sua contribuição — mas não entram no cálculo da água pura, tá?

Sementes

A nutricionista Andrea Esquivel é fã de linhaça e chia. Isso porque elas concentram um tipo de fibra que tem capacidade de absorver água e não soltar mais — perfeita para fabricar um cocô macio e deslizante.

Mas, para tirar proveito dessa característica, tem que investir na ingestão hídrica em paralelo. Ou adicionar esses alimentos a receitas como sopas e sucos, que levam água.

“Também dá para usar a farinha das sementes”, sugere Andrea. Uma ideia é engrossar o caldo de feijão com o ingrediente.

Frutas

Outro grupo que é reduto fibroso. Algumas variedades têm uma aura de laxativas, como mamão e ameixa, mas a realidade é que qualquer fruta se mostra aliada. Pasme: até a maçã. Se comer com a casca, o intestino agradece.

Segundo Mariana, um bom número são três porções ao dia — de preferência, alternando os tipos. Só evite a fruta ainda verde. Aí pode travar.

Cereais integrais

Arroz integral, trigo em grãos, milho em espiga, aveia… Essa turma é exímia fonte de fibras. Mas, para Andrea, a posição de mais prestígio dentro do grupo é ocupada pela aveia. “É barata e fácil de usar”, elogia.

Vai bem crua ou cozida, em salgados e doces. “O mais vantajoso é colocar em sopas e mingaus, receitas que já têm água”, frisa. Aí, duas questões são resolvidas.

Iogurte com probióticos

É assim que são chamadas as bactérias consideradas benéficas ao aparelho digestivo. “Caso esses micro-organismos de fato colonizem o intestino, irão contribuir no processo de digestão e na fermentação das fibras da alimentação”, esclarece Ana Luísa.

No fim das contas, seriam capazes de melhorar inclusive a prisão de ventre. “Mas sua introdução não deve ser realizada a qualquer custo, sem o monitoramento do paciente”, pondera Maria Tereza.

Leguminosas

A família composta de feijão, ervilha, grão-de-bico, soja e lentilha também é de grande valia para os donos de um intestino pouco ativo, já que reúne belas doses de fibras.

“Esses alimentos podem, no entanto, gerar gases em quem não está acostumado a consumi-los. Mas isso não piora a constipação”, esclarece Ana Luísa.

Entre os truques para escapar da flatulência estão deixar os grãos de molho antes de cozinhar, usar folha de louro no preparo do feijão, mastigar bem e evitar líquidos no momento da refeição.

Laxantes e suplementos: quando usar?

Esses recursos podem ter muita utilidade se o intestino é devagar-quase-parando. O gastro Rodrigo Surjan explica que eles costumam entrar em cena quando mudanças de hábito não são suficientes para normalizar a evacuação. Porém, quem define que chegou esse momento é o médico.

“Quando falamos em laxantes, há um leque imenso de opções”, justifica Liblik. E, dependendo do paciente, algumas delas serão mais eficientes do que outras. O mesmo raciocínio cabe para os suplementos de fibras.

“Certos produtos contêm laxativos. Então, precisamos ter cuidado com o conteúdo e a procedência”, pontua.

A questão psicológica por trás do intestino preso

Não adianta incorporar hábitos anticonstipação se, na hora em que o intestino dá o sinal de que engatou, você freia esse impulso. Aí o órgão acaba aprendendo a ficar estacionado. Logo, não se reprima.

Segundo Barbuti, certas táticas ajudam a garantir um funcionamento apropriado à sua rotina. “O mais fisiológico é evacuar após uma refeição do dia”, nota.

Por isso, ao incluir determinados itens no desjejum, como café, sobe a chance de a visita ao vaso ocorrer de manhã, antes de ir ao trabalho.

Continua após a publicidade

  • Alimentação
  • Fibras
  • Intestino solto
  • Prisão de Ventre
  • Saúde – Gastrointestinal

Источник: https://saude.abril.com.br/alimentacao/os-alimentos-que-ajudam-a-combater-a-prisao-de-ventre/

Saiba como acabar com a prisão de ventre no dia a dia em 7 passos

O que fazer para combater a prisão de ventre

Para funcionar adequadamente, o aparelho digestivo deve cumprir de forma equilibrada e sequencial todas as suas funções.

A viagem dos alimentos desde a ingestão até à evacuação assegura a absorção dos nutrientes pelo organismo. É um processo que demora algum tempo a chegar ao fim. E, tal como na vida, tudo está bem quando acaba bem. O pior é que nem sempre acaba com facilidade. A culpada tem nome e chama-se prisão de ventre.

Será prisão de ventre? O despiste

Segundo a nutricionista Mariana Abecassis, “considera-se que estamos num quadro de obstipação ou prisão de ventre quando há dificuldade na regular evacuação ou quando há uma incapacidade total em evacuar. Geralmente, este quadro faz-se acompanhar de dores, desconforto intestinal e sensação de inchaço, afetando a qualidade de vida.”

Não ir à casa de banho todos os dias não é sinónimo de preocupação ou de mau funcionamento do intestino. Desde que esta frequência não seja acompanhada de desconforto – Mariana Abecassis, nutricionista

A tendência para prisão de ventre varia com as características, alimentação e estilo de vida de cada pessoa, entre outros fatores. Há quem raramente tenha prisão de ventre. Por outro lado, há quem sofra constantemente dessa condição.

No que diz respeito à evacuação, não há regras nem predefinições. A nutricionista explica que “a frequência com que se vai à casa de banho não define um quadro de prisão de ventre.” Importa sobretudo falar de padrões individuais e observar eventuais alterações.

Mariana Abecasis refere que “ser regular significa evacuar todos os dias, contudo há pessoas para quem o ser regular é evacuar de dois em dois ou de três em três dias. Portanto, não ir à casa de banho todos os dias não é sinónimo de preocupação ou de mau funcionamento do intestino. Desde que esta frequência não seja acompanhada de desconforto.”

Esteja atenta. “Duas ou menos evacuações por semana deve ser sinal de alerta ou quando há uma redução recente significativa do número de evacuações habitual”, avisa a nutricionista.

É prisão de ventre! Causas e sintomas

“A prisão de ventre pode afetar pessoas de todas as idades, o grau varia de pessoa para pessoa e pode ter diversas causas. Geralmente, apesar de causar desconforto, não evolui para situações graves ou severas”, informa Mariana Abecasis.

“Pode derivar de situações crónicas, como acontece quando há uma motilidade intestinal mais lenta (movimentos naturais do intestino lentos) ou em casos como megacólon (intestino maior do que o normal).”

A mudança de estilo de vida deve ser sempre a primeira opção – Mariana Abecassis

Por outro lado, refere a nutricionista, “pode ter causas temporárias, afetando por um período de tempo curto e temporário, como acontece devido a uso de alguma medicação ou suplementação, mudanças na alimentação, mudança de ambiente, gravidez ou outras situações.”

Os intestinos são sensíveis. Devem ser tratados com a máxima das atenções e o maior dos cuidados. Certamente, ninguém deseja os problemas que a prisão de ventre pode originar. De acordo com a nutricionista, se não for tratada, a obstipação “pode causar hemorroidas, fissuras anais, incontinência fecal ou impactação fecal, isto é, acumulação de fezes secas e duras no reto.”

Sintomas a que deve estar atenta:

 Redução significativa do número de evacuações;
 Dores ao defecar;
 Existência de sangue nas fezes;
 Fezes duras e fragmentadas;
 Sensação persistente de mal-estar;
 Desconforto no abdómen.

O que fazer e o que comer?

Não é o fim do mundo, embora em certos momentos possa parecer. O problema, com algum empenho e força de vontade, vai acabar por desaparecer. Está sempre a tempo de alterar hábitos.

Para Mariana Abecasis, “a mudança de estilo de vida deve ser sempre a primeira opção.” Se a sua vida é tendencialmente sedentária, isso vai ter de mudar. O primeiro passo pode ser… dar muitos passos. “Fazer exercício e caminhadas ajuda a aumentar o peristaltismo intestinal”, refere a nutricionista.

A ingestão de água ao longo do dia também facilita o trabalho dos intestinos. Para Mariana Abecasis, ingerir “bebidas quentes, como chás e infusões também ajuda muito e facilita a motilidade intestinal. Uma alimentação rica em fibras, principalmente em fibras solúveis” pode fazer a diferença.

Alimentos ricos em fibra:

Os cereais integrais, o pão integral, os frutos secos e as sementes contêm muita fibra, assim como algumas frutas, como a ameixa, papaia, kiwi, pêssego, laranja e manga.

Também legumes e leguminosas, como espinagres, grelhos, couves, grão, feijão, ervilhas e favas são bons exemplos de alimentos ricos em fibra.

Uma última recomendação da nutricionista: “o excesso de fibras, principalmente insolúveis, como o caso dos cereais integrais, dos frutos secos e das sementes, quando não é ingerida água suficiente, pode agravar o quadro de obstipação.

Ou seja, as fibras contribuem para o aumento do volume das fezes, mas depois, devido à falta de água, estas têm dificuldade em ser expelidas.” Por todas as razões,  para evitar prisão de ventre.

Siga as dicas alimentares da nutricionista Mariana Abecasis no combate à obstipação.

7 passos para combater a obstipação no dia a dia

1. Comece o dia com um copo de água morna e um kiwi em jejum;

2. Ao pequeno-almoço, ingira uma taça com papaia, iogurte natural e duas colheres de sobremesa de linhaça moída;

3. Deixe duas ameixas secas de molho num copo de água durante a noite e, de manhã ao acordar, beba essa água e coma as ameixas;

4. Coma um iogurte magro ou leite magro/bebida vegetal com uma porção de Weetabix;

5. Coma papas de aveia com kiwi;

6. Comece o almoço e o jantar sempre com sopa de legumes;

7. Acompanhe as refeições com esparregado de espinafres ou de grelos.

Se quiser outras sugestões de receitas para uma alimentação amiga dos seus intestinos, espreite a página de Instagram da Mariana Abecasis.

4 receitas funcionais para um intestino saudável

A nutrição funcional é uma excelente aposta para quem sofre de prisão de ventre. Na verdade, “não somos aquilo que comemos, mas sim aquilo que o nosso intestino decide absorver”, como afirma a nutrionista Maria Inês Antunes e autora do livro Receitas para um Superintestino.

Siga estas receitas e ponha o intestino a funcionar bem.

• Pasta de Tomate probiótica

• Queques de Urtigas

• Minipizzas de batata-doce

•  Vichyssoise simbiótica

Agora que já conhece formas de combater a prisão de ventre, saiba como perder a barriga e ficar em forma.

Источник: https://www.saberviver.pt/bem-estar/saude/acabe-de-vez-com-prisao-de-ventre/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: