O que não comer na Diverticulite

Diverticulite: alimentos que devem ser evitados

O que não comer na Diverticulite

A diverticulite é um transtorno no qual o revestimento do cólon sai para a parte externa como se fossem pequenas bolsinhas ou pelos, o que gera mal-estar e dor ao ingerir determinados tipos de alimentos. Conheça neste artigo quais alimentos devem ser evitados por aqueles que sofrem com esta disfunção.

O que saber sobre a diverticulite?

Como dito no início, a diverticulite é a presença de pequenas bolsas, hérnias ou avultamento no intestino, mais precisamente no trecho que corresponde ao cólon.

É uma afecção muito comum que não apresenta sintomas, exceto se os dejetos ou partículas de alimentos ficarem “presos” nestas protuberâncias ou divertículos, o que faz com que as bactérias se proliferem.

Dessa forma, é neste momento que começam as dores na parte baixa e esquerda do abdômen, sendo este o primeiro sinal. Também temos que prestar atenção se sofremos com diarreias seguidas de prisão de ventre, febre, náuseas ou vômitos, por exemplo.

Uma vez que aconteçar um episódio de diverticulite, há um risco de até 45% de que aconteça novamente. Os médicos aconselham alguns alimentos que não podem ser consumidos ou, ao menos, evitados para que o quadro não piore.

Leia também: 6 sinais de que seu intestino está doente.

Grãos

Evite comer produtos derivados de cereais, como é o caso da pipoca, pães de milho, aveia ou qualquer alimento que seja feito com farelo ou arroz integral. Todos eles contêm muita quantidade de fibras difíceis de digerir e que poderiam ficar presos nos divertículos, agravando o quadro.

Para substituí-los, prefira grãos refinados, como massas, arroz branco, alimentos assados ou biscoitos de farinha branca refinada.

Frutos e vegetais

É verdade que não podemos viver sem consumir estes alimentos, mas, ao menos, durante o momento em que se manifesta o quadro, aconselha-se não consumi-los.

Evite consumir os frutos secos, como as uvas passas, pois têm muita fibra. Afaste-se das bagas, ou seja, mirtilos, framboesas etc., pois suas sementes são difíceis de ingerir, assim como também os vegetais crucíferos como o brócolis, o repolho e a couve-flor.

Não beba sucos com polpa e certifique-se de que todos os vegetais que você consumir estejam cozidos, assim você amolecerá as fibras e conseguirá digeri-las com mais facilidade.

Evite, por sua vez, quase todas as frutas cruas, com exceção dos pêssegos, abacate, melão e banana.

Carnes e proteínas

Escolha os cortes de carne mais finos ou picados, os peixes (de qualquer espécie) e os ovos para que sejam suas principais fontes de proteína. Estes alimentos não irritam o cólon e são fáceis de diferir.

Não consuma queijos fortes porque eles contêm uma grande dose de caseína, ruim para a diverticulite. Retire de seu menu todos os pratos que contenham sementes ou nozes, como as manteigas de amendoim, por exemplo. Reduza as porções de feijões, ervilhas e legumes porque é sabido que são uma grande fonte de fibras.  

Cascas e especiarias

Estes alimentos também estão proibidos porque causam mais inflamação da que já se manifesta nesta doença. Isso quer dizer que tanto as frutas, verduras ou carnes não devem ter pele nem casca. As especiarias muito picantes também são ruins para o organismo.

Bebidas energéticas

Neste grupo estão o café, chá, mate, chocolate e refrigerantes ou bebidas com gás, pois irritam o intestino.

No caso da cafeína, incluída em quase todos estes, contraem os músculos do cólon, tem a capacidade de eliminar a água que as fezes contêm e de causar a prisão de ventre. Se é difícil deixar o café, comece a tomar o descafeinado, mas procure aos poucos deixá-lo.

Leia também: Quando café podemos tomar diariamente?

Dicas, conselhos e remédios para a diverticulite

  • Beber muita água (entre seis a oito copos por dia);
  • Ir ao banheiro apenas quando sentir vontade e não segurar quando tiver necessidade porque pode agravar a situação;
  • Faça exercícios para beneficiar os músculos das pernas, do quadril e os do cólon, para facilitar as evacuações;
  • Não use laxante ou enemas se sofre de prisão de ventre, porque podem irritar ainda mais seus intestinos e criar a dependência, já que não há um funcionamento correto do aparelho excretor;
  • Evitar consumir alimentos que sejam muito processados ou com gordura, assim como os picantes, os açúcares e as frituras;
  • Evitar alimentos que contenham sementes. Mastigar bem antes de engolir porque os fragmentos podem se alojar entre os divertículos causando dor e inflamação;
  • Comer papas ou purês de vegetais ou frutas cozidas. Você pode preparar batidas sem polpa também para estimular à cura durante seu tratamento.

As plantas recomendadas para tratar a diverticulite são: 

  • Camomila: reduz a inflamação e traz alívio. Consuma, ao menos, um chá de camomila por dia.
  • Hortelã: serve para aliviar o inchaço no abdômen, as dores, as náuseas e os gases. Beba até 3 xícaras por dia.
  • Orégano: reduz a inflamação no cólon.
  • Tomilho: é uma grande fonte de fibras e de compostos analgésicos antiespasmódicos e anti-inflamatórios. Você pode usá-lo como condimento para sopa, molhos ou saladas.
  • Cúrcuma: é um anti-inflamatório natural que se usa para qualquer tipo de inflamação e para reduzir os divertículos.

Imagens cortesia de Hey Paul Studios, Orin Zebest, Memi Beltrame e woodleywonderwork.

Источник: https://melhorcomsaude.com.br/diverticulite-alimentos-evitados/

Tem diverticulite? Saiba mais sobre o que você (não) deve comer

O que não comer na Diverticulite

Baseie a sua alimentação em alimentos in natura ou minimamente processados, aposte nas fibras e beba mais água.

Você já ouviu falar na diverticulite? O nome parece estranho, mas essa doença pode estar cada vez mais ligada ao estilo de vida moderno.

Isso porque, além dos fatores genéticos, os hábitos alimentares ruins aumentam as chances do surgimento dessa doença, conforme afirma o médico Sérgio Lima, Coordenador do Serviço de Coloproctologia do Hospital Universitário João De Barros Barreto, ligado a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH).

Em entrevista ao Saúde Brasil, ele explica alguns pontos sobre a doença e como é possível evitar que ela apareça. Mas antes de falar sobre tratamento e prevenção, vamos explicar o que são os divertículos e a diverticulite.

Afinal, o que são os divertículos? Todo mundo tem?

Tudo começa com o surgimento dos divertículos, que são pequenas bolsas que podem aparecer em qualquer parte do tubo digestivo, sendo mais comum no intestino grosso, também conhecido como cólon, conforme explica o Blog da Saúde. Como o próprio nome sugere, diverticulite nada mais é que a inflamação de um dos divertículos.

Mas o médico lembra que nem todo mundo tem essas pequenas bolsas no intestino grosso. Elas podem se desenvolver ao longo do tempo, tendo uma prevalência de 30% aos 60 anos e 65% ou mais aos 80 anos.

Como identificar a diverticulite?

Segundo Sérgio Lima, a maioria dos pacientes apresentam dor abdominal, especialmente no canto inferior esquerdo. Sentir dor ao apertar o abdome também é um sinal de algo não vai bem. Ainda de acordo com  a reportagem feita pelo Blog da Saúde, outros sintomas comuns da doença são febre e diarreia.

Em caso de suspeita da doença, o exame indicado para o diagnóstico é a tomografia de abdome, afirma o médico. E ele alerta que, em situação de crise, a colonoscopia deve ser evitada, pois pode agravar o quadro inflamatório.

Como o estilo de vida pode influenciar a diverticulite?

Nas últimas décadas, o Brasil passou por diversas mudanças políticas, econômicas, sociais e culturais que evidenciaram transformações no modo de vida da população. Nesse contexto, o setor saúde tem importante papel na promoção da alimentação adequada e saudável, compromisso expresso na Política Nacional de Alimentação e Nutrição e na Política Nacional de Promoção da Saúde.

Existem três fatores que podem ser associados ao surgimento dos divertículos e, consequentemente, da diverticulite: a predisposição genética, idade e os hábitos alimentares.

Segundo Sérgio Lima, a ingestão de água e alimentos ricos em fibras, além da prática de atividade física, podem evitar o surgimento da doença.

Vale ressaltar que a obesidade pode favorecer as complicações da diverticulite. 

O Guia Alimentar para a População Brasileira é um documento oficial que aborda os princípios e as recomendações de uma alimentação adequada e saudável, configurando-se como instrumento de apoio às ações de educação alimentar e nutricional no Sistema Único de Saúde (SUS) e também em outros setores.

Saiba mais Como tomar mais água

O que você não deve comer?

Alguns estudos mostram um risco aumentado de desenvolvimento da doença diverticular associado à dieta rica em carne vermelha e gordura, conforme afirma o médico Sérgio Lima.

Ele explica ainda que beber pouca água e comer alimentos com pouca fibra provoca a constipação intestinal, causando o aumento da pressão no interior do cólon, o que força a mucosa da região e contribui para a formação dos divertículos.

Alimentos como legumes, verduras e frutas são excelentes fontes de fibras, vitaminas, minerais e de vários compostos que contribuem para a prevenção de muitas doenças. Os ultraprocessados, como biscoitos recheados, salgadinhos “de pacote”, refrigerantes e macarrão “instantâneo”, são nutricionalmente desbalanceados e podem ser muito pobres em fibras.

Por conta de sua formulação e apresentação, eles tendem a ser consumidos em excesso. Já a falta de fibras decorre da ausência ou da presença limitada de alimentos in natura ou minimamente processados nesses produtos.

Além disso, alguns medicamentos como os anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), que é caso do paracetamol, podem provocar a diverticulite, segundo o médico.


Leia também: Excesso de carne com gordura eleva problemas de saúde

E ainda: Sal, açúcar, gorduras: os riscos do excesso

Por que consumir fibras é importante?

Segundo o livro Desmistificando dúvidas sobre alimentação e nutrição, de autoria do Ministério da Saúde em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a inclusão de fibras na dieta tem impacto positivo na normalização das concentrações de lipídeos sanguíneos, redução dos níveis glicêmicos, aumento do bolo fecal e melhoria do trânsito intestinal. Efeitos que evitariam a formação dos divertículos, explica o médico.

Xô, intestino preso 

A publicação explica ainda que as fibras insolúveis (não solúveis em água) aumentam a capacidade de retenção de água do material não digerido e, por isso, ocorre o aumento do volume fecal e a diminuição do tempo do trânsito intestinal, aumentando a frequência das evacuações.

Fontes de fibra insolúvel: grãos (feijão, grão de bico, soja, lentilha), cereais integrais (arroz, centeio, trigo e farelos), vegetais e talos de vegetais (brócolis, couve-flor), verduras folhosas, cascas e bagaços de frutas.

Inspire-se Com casca ou sem casca? Razões para nunca mais deixar de aproveitar os alimentos

Conheça Suco rico em fibras: 5 receitas para misturar frutas e vegetais

Qual o tratamento para a diverticulite?

O tratamento é clínico em casos mais leves, combinando medicamentos e dieta, conforme explica o médico. Em casos mais intensos e graves, pode ser preciso internar o paciente e até mesmo realizar uma intervenção cirúrgica.

Источник: http://saudebrasil.saude.gov.br/eu-quero-me-alimentar-melhor/tem-diverticulite-saiba-mais-sobre-o-que-voce-nao-deve-comer

ProGastro

O que não comer na Diverticulite

Áreas fracas ou bolsas pequenas na parede do intestino (cólon) são chamados divertículos. As bolsas são geralmente na parte do intestino chamado o cólon (intestino grosso). As bolsas parecem com os polegares pequenos ou balões pequenos brotando do lado do cólon. Se você tem essas bolsas, você tem diverticulose.

A diverticulose é uma condição comum. Surge com a idade e cerca de metade das pessoas com mais de 60 anos de idade têm divertículos.

Como isso ocorre?

Acredita-se que a causa principal de divertículos é a baixa ingesta de fibra na dieta. As fibras alimentares vem das frutas, vegetais e grãos que o corpo não consegue digerir.

Como não são digeridas, as fibras ajudam a tornar as fezes macias e fáceis de passar. Ela ajuda a prevenir a constipação. Quando você tem a constipação, você que fazer muito esforço para evacuar.

A alta pressão causada por este esforço faz os pontos fracos no cólon, geralmente onde os vasos se inserem, inchar e se tornar divertículos.

Quais são os sintomas?

Normalmente diverticulose não causa sintomas. Quando ocorrem sintomas, dor abdominal é o mais comum. A dor é geralmente na parte inferior do abdómen do lado esquerdo.

Diverticulose também pode causar sangramento, por ruptura dos vasos do divertículo. Este sangramento é menos comum que outros sintomas e é geralmente indolor.

Quando a inflamação ou infecção ocorre em um divertículo, é chamado de diverticulite.

Como é feito o diagnóstico?

Os divertículos podem ser vistos com um enema com contraste. Na verdade, a diverticulose geralmente é descoberta quando você faze exames para algum outro problema médico.

A colonoscopia pode ser feita em vez do enema com para a pesquisa de divertículos, que além de fazer o diagnóstico pode ser utilizada para o tratamento de sangramento digestivo causado por divertículos.

Como é o tratamento para diverticulose?

Você precisa ter mais fibra em sua dieta. Você pode fazer isso comendo mais produtos com grãos integrais, como pães de trigo integral e farelo, e cereais. Também comer mais frutas e vegetais. Além disso, suplementos dietéticos de fibras podem ser úteis.

Não há nenhuma evidência científica de que quaisquer alimentos causam sintomas ou diverticulose, mas você pode querer evitar comer alimentos que irritam os divertículos, como grãos de pipoca, sementes de gergelim e de tomate. Se esses alimentos não parecem causar dor abdominal, você pode comê-los.

Se você tem diverticulose, você deve sempre prestar atenção para os sintomas da diverticulite. Consulte o seu médico imediatamente se tiver febre e dor abdominal.

Quanto tempo os efeitos duram?

Os diverticulos são permanentes. Os sintomas causados podem ir e vir. Quando você tem sintomas, eles podem durar alguns dias ou mais. Muitas vezes, os sintomas podem ser evitados através de uma dieta saudável, muita água e atividade física suficiente.

Como posso ajudar a prevenir a diverticulose?

A melhor maneira de tentar evitar diverticulose é ter um bom hábito intestinal.

  • Comer uma dieta saudável, com muita fibra.
  • Beber muita água.
  • Fazer exercício regularmente.

Como é uma dieta para prevenção da diverticulose?

Uma dieta para prevenir a diverticulose é basicamente uma dieta rica em fibras. Os médicos recomendam de 20 a 35 gramas de fibra por dia para um intestino saudável. Você deve aumentar a carga de fibras em sua dieta lentamente. Aumentá-la muito rapidamente pode causar gases e diarréia. Comer mais fibras pode ajudar nas evacuações. Beber bastante água também é fundamental.

Como faço para aumentar a fibra em minha dieta?

A forma mais simples de ter mais fibra em sua dieta é comer mais frutas frescas, vegetais frescos, grãos e produtos integrais. Isso significa comer frutas e legumes todos os dias. Frutas e vegetais crus são melhores, mas cozidos, frutas enlatadas, ou secas e vegetais também são bons.

Os cereais integrais são mais fáceis de comer. Farelo de aveia, ou farinha de trigo integral pode ser cozido em pães ou biscoitos. Você pode salpicar flocos de farelo sobre outros alimentos, como saladas, iogurte ou cereal.

Se, por algum motivo, como alergias alimentares, você não pode comer bastante alimentos ricos em fibras, você pode obter fibra de outras fontes como suplementos industriais que contem fibras. Muitos destes produtos estão agora disponível em bolachas e barras de cereais, que são mais saborosas e mais fáceis de comer.

Источник: http://www.progastrojoinville.com.br/enciclopedia/diverticulose

O que comer na crise de Divertilite

O que não comer na Diverticulite

A dieta durante uma crise de diverticulite deve ser feita inicialmente apenas com líquidos claros e de fácil digestão, como caldos de galinha, sucos de frutas, água de coco e gelatinas. De início é importante realizar esse tipo de alimentação porque é necessário acalmar o intestino, mantê-lo em repouso e evitar ou diminuir a formação das fezes.

A crise de diverticulite surgem quando os divertículos do cólon, que correspondem a bolsas anormais que são formadas na parede o intestino que podem inflamar ou ser infectadas, levando ao aparecimento de alguns sintomas como dor abdominal, náusea, vômitos e prisão de ventre. Por isso, os alimentos a serem consumidos devem ser de fácil digestão e com baixo teor de fibras.

À medida que as crises de diverticulite melhoram, a dieta também deve ser adaptada, passando de líquida para uma dieta do tipo purê, até que seja possível consumir alimentos sólidos. A partir daí é importante aumentar o consumo de alimentos ricos em fibras e de água, evitando o surgimento de outra crise.

No início, a dieta para diverticulite deve ter poucas fibras e conter apenas alimentos de fácil digestão.

Para observar a tolerância por via oral, é recomendado iniciar a dieta com líquidos claros, que deve incluir sucos de frutas coados, além de poder ser consumida maçã, pêra e pêssego.

Além de também ser indicado caldo de galinha e chá de camomila ou tília. Esse tipo de alimentação deve ser mantido por cerca de 24 horas.

Uma vez que a crise vai sendo aliviada, é feita a mudança para uma dieta líquida em que devem ser incluídos suco de fruta coado, sopa coadas com verduras (abóbora, aipo, inhame), vegetais cozidos (abobrinha ou berinjela) e frango ou peru. Além disso, pode também ser consumido creme de arroz sem leite, iogurte natural, gelatina sem açúcar e chás de camomila ou tília. No geral, essa alimentação deve ser mantida por cerca de 24 horas.

À medida que as dores diminuem e o intestino volta a funcionar melhor, a dieta deve progredir para ter alimentos como arroz branco bem cozido, purê de batata, macarrão, pão branco e biscoitos sem fibras e sem recheio.

Nesta fase também pode-se introduzir ovos, peixes e laticínios, sempre observando a digestão e se ocorre ou não o aumento da produção de gases.

Uma vez que a crise está resolvida, já pode voltar a ter uma dieta completa que inclua a ingestão de fibras e líquidos.

O que não deve ser consumido

Durante a crise devem ser evitadas frutas com casca, vegetais crus, carnes vermelhas, alimentos que provocam gases, leite, ovos, refrigerantes, comidas prontas, comidas congeladas e feijão.

Além disso, a dieta deve ser baixa em gordura, evitando o consumo de frituras, embutidos, molhos e queijos amarelos. Veja mais sobre o que não comer na diverticulite.

Após a crise de diverticulite, é importante voltar a incluir os alimentos ricos em fibras progressivamente no dia a dia com o objetivo de provocar gases ou dor abdominal, devendo ter início com o consumo de uma porção de fruta e de vegetais crus por dia e depois progredindo para o consumo de farinhas e cereais integrais. Além disso, deve aumentar o consumo de água e beber por pelo menos 2 L por dia.

Incluir fibras e beber água em quantidades adequadas é importante para as pessoas que possuem diverticulite porque evita a prisão de ventre, melhorando o trânsito intestinal e fazendo com que as fezes sejam mais moles. Quando as fezes são compactadas no intestino e demoram para sair, pode fazer com que os divertículos inflamem ou sejam infectados, dando origem a outras crises.

Cardápio durante a crise de diverticulite

A tabela a seguir indica um cardápio de exemplo de 3 dias com alimentos que permitam acalmar o intestino durante uma crise de diverticulite.

RefeiçãoDia 1 (líquidos claros)Dia 2 (liquefeito)Dia 3 (branco)Dia 4 (completa)
Café da manhãSuco de maçã coadoCrema de arroz + 1 copo de suco de maçãPapa de maisena + 1 copo de suco de pêssego1 copo de leite desnatado + pão branco com queijo ricota + 1 copo suco de laranja
Lanche da manhãSuco de pêra + 1 xícara de chá de tílio1 copo de gelatina sem açúcar1 pêra cozida com 1 colher de chá de canelaBolacha de água e sal
Almoço/ jantarSopa de frango desfiadoSopa de vegetais coado90 gramas de frango desfiado + 4 colheres de purê de abóbora + espinafre cozido + 1 maçã cozida90 gramas de peixe grelhado + 4 colheres de sopa de arroz + salada de brócolis com cenoura + 1 colher de sopa de azeite de oliva + 1 banana
Lanche da tarde1 copo de gelatina sem açúcar + 1 chá de camomila sem açúcar1 xícara de chá de camomila + 1 copo de suco de pêssego1 iogurte natural1 maçã de cáscara

As quantidades incluídas no cardápio variam de acordo com a idade, gênero, atividade física e se possui alguma doença associada ou não, por isso o ideal é procurar orientação de um nutricionista para que seja feita uma avaliação completa e seja elaborado um plano nutricional de acordo as suas necessidades.

Também é importante lembrar que, em alguns casos, a crise de diverticulite leva ao internamento hospitalar, onde a dieta será prescrita pelo nutricionista, podendo ser necessário o paciente fazer alimentação pela veia, para que o intestino consiga recuperar mais facilmente da inflamação.

Veja que alimentos deve comer e quais os que deve evitar na diverticulite:

Источник: https://www.tuasaude.com/dieta-para-diverticulite/

Alimentos que fazem mal para diverticulite – O que provoca? Quais os perigos?

O que não comer na Diverticulite

A diverticulite é uma inflamação no intestino, caracterizada por pequenas bolsas que ficam localizadas nas paredes internas do órgão. Muitas pessoas com essa condição não apresentam sintomas, no entanto, outras sentem inchaço na região, náuseas, calafrios, sensibilidade ao toque, febre e outros.

Portadores dessa condição devem cuidar a alimentação. É indicado o consumo de fibras, verduras, legumes, frutas e muita água ao longo do dia. Um estilo de vida saudável ajuda a melhor formar o bolo fecal, promovendo uma rápida eliminação das toxinas.

O que provoca a Diverticulite?

As causas da diverticulite não são totalmente conhecidas, entretanto, os especialistas afirmam que o aumento da pressão no cólon e no intestino pode causar a formação dessas bolsas.

A perda da elasticidade da musculatura intestinal, com o avanço da idade, também é apontada como uma causa do aparecimento dessas saliências intestinais, além, é claro, da predisposição genética.

A questão é que a diverticulite é originada da junção de pedaços de fezes que ficam presas nessas bolsas, com isso ocorre a inflamação.

Para evitar a condição, é importante manter uma dieta equilibrada, pois o tratamento é baseado em dieta líquida e medicamentos que possam conter os sintomas e a inflamação.

Alguns chás calmantes como o de camomila também podem ser usados para amenizar a situação.

É necessário que o portador dessa condição tenha a consciência de que as saliências só sairão do intestino com cirurgia, no entanto, elas podem ficar adormecidas e não atrapalhar a qualidade de vida se o indivíduo mantiver um estilo de vida regrado.

Quais os perigos da diverticulite?

Dependendo da quantidade de bolsas presentes no intestino, essa condição pode gerar diversos riscos, entre eles:

  • Sangramento ou hemorragia no intestino – pode ocorrer com ou sem os divertículos inflamados;
  • Abscessos;
  • Fístulas;
  • Perfuração;
  • Obstrução intestinal.

Se houver sinais de muita gravidade do problema, é necessário realizar cirurgia para retirada da parte do intestino comprometida pelas saliências.

Diante de um cenário preocupante de dores intensas e sangramentos, um médico deve ser consultado com urgência.

O que não comer na diverticulite?

A escassez de fibras na alimentação é uma das causas mais recorrentes da diverticulite. Infelizmente, o excesso de consumo de produtos industrializados, ultraprocessados e farinhas refinadas tem provocado muitos males à saúde.

Uma alimentação saudável pode prevenir problemas como esse, dando preferência por produtos que que são ricos em fibras, pois eles ajudam na formação do bolo fecal, melhorando o funcionamento do intestino, e evitam novas crises inflamatórias.

Portanto, é fundamental fazer uso de fibras solúveis e insolúveis como frutas, cereais, verduras hortaliças e grãos integrais. Quanto mais natural for a alimentação, melhor. Mas, jamais deve-se esquecer de aliar tudo isso à atividade física e boa ingestão de água.

Quem tem diverticulite deve evitar alguns alimentos, são eles:

  • Gordura em excesso – frituras por imersão e carnes com gordura aparente.

    Vale lembrar que gorduras boas, vindas do abacate, ômega 3 e azeite de oliva, são positivas para a saúde, portanto, podem ser consumidas;

  • Açúcar – bolos, balas, chocolates e sobremesas em geral devem ser ingeridas com parcimônia;
  • Refrigerantes;
  • Farinha branca (pães, bolachas, massas);
  • Alimentos prontos de supermercado;
  • Fast Foods.

Durante as crises, os cuidados devem ser redobrados. Geralmente, os especialistas indicam uma dieta mais líquida até que a situação melhore. Além disso, alimentos considerados de difícil digestão devem ser evitados.

Antigamente, acreditava-se que alimentos como sementes poderiam impactar ainda mais no problema, entretanto, alguns especialistas afirmam que isso não tem relação, pois um dos fatores apontados para o problema é a pressão dentro do intestino, que tem relação com consistência das fezes.

Portadores de diverticulite que sofrem de crises recorrentes devem ter acompanhamento médico, pois já existem medicamentos que ajudam na redução das crises.

Além disso, é preciso ter em mente que a constipação é a grande inimiga do hábito intestinal saudável. As fezes nunca podem estar ressecadas, mas sim hidratadas, para facilitar a sua eliminação. Isso só se consegue com uma alimentação rica em fibras, atividade física e boa hidratação.

Isso vale não só para casos de diverticulite, mas também para as hemorroidas, que são lesões causadas pelo endurecimento das fezes.

O médico especialista no diagnóstico e tratamento da diverticulite é o gastroenterologista.

Источник: https://dreduardofonseca.com/alimentos-que-fazem-mal-para-diverticulite-o-que-provoca-quais-os-perigos/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: