O que pode causar a perda de peso rápido (e não intencional)

Perda de peso repentina: possíveis causas e soluções

O que pode causar a perda de peso rápido (e não intencional)

Uma perda de peso saudável define-se por uma perda ponderada ao longo do tempo, essencialmente, à base de massa gorda e muito pouco à base de massa muscular e água, a qual não deve comprometer a saúde nem o estado nutricional dos indivíduos.

Por outro lado, se for uma perda de peso repentina, ou seja, uma perda de 4kg ou mais ou demais de 5% do seu peso corporal habitual, não intencional, num período de 6 a 12 meses, esta perda pode não ser saudável.

Portanto, se não mudou os seus hábitos alimentares (não fez restrição alimentar) nem aumentou a carga de exercício físico semanal, deve tentar perceber o que pode estar na origem dessa situação.

As causas para a perda de peso repentina são diversas e podem ser tão simples como a ansiedade, insónias ou a dificuldade em mastigar por causa da colocação de um aparelho dentário, mas, podem também resultar de doenças graves como hipertiroidismo, cancro ou tuberculose.

CAUSAS DA PERDA DE PESO REPENTINA

Como referido anteriormente, a perda de peso repentina, quando é involuntária, deve ser aprofundada no sentido de perceber qual a causa subjacente a essa perda.

Esta situação é particularmente frequente no caso dos idosos, resultante da perda de apetite, da dificuldade de mastigação / deglutição ou da solidão, sendo um fator, em muitos casos, pouco valorizado pelos familiares.

Quando se trata de um adulto jovem as causas mais frequentes para uma perda de peso repentina são:

  • Hipertiroidismo – doença da tiroide que resulta numa sobreprodução de hormonas tiroideias que aceleram o metabolismo e promovem um gasto energético excessivo
  • Doença Celíaca – Esta doença auto-imune não só pode interferir com a capacidade de absorção dos nutrientes como vem muitas vezes acompanhada por diarreia, ou seja, perda de nutrientes
  • Diabetes – Também a diabetes, principalmente do tipo 1, sendo uma doença metabólica, pode conduzir a uma perda de apetite marcada e, consequentemente, a perda de peso repentina
  • Depressão – A depressão é outra das doenças que pode afetar de forma negativa o apetite e a vontade de comer e que pode conduzir a perda de peso involuntária
  • Cancro – afete ou não órgãos digestivos, o cancro pode também causar a perda de peso, sendo a desnutrição e a anorexia duas das consequências mais comuns dos tratamentos de cancro, nomeadamente da quimioterapia

Outras causas de perda de peso repentina podem ser:

  • Abuso de substâncias químicas (álcool e/ou drogas)
  • Abuso de medicamentos (anfetaminas, para tratar tiróide, laxantes, etc.)
  • Ansiedade
  • Aparelho dentário
  • Artrite reumatóide
  • Bulimia
  • Cirrose
  • Diarreia crónica
  • Demência
  • Desnutrição
  • Doença de Addison
  • Hepatite
  • Insónias
  • Lúpus
  • Úlceras orais
  • Sida
  • Tuberculose

COMO FAZER O DIAGNÓSTICO EM CASO DE PERDA DE PESO REPENTINA?

Numa situação como esta, dada a abrangência das possibilidades, faça uma revisão dos últimos tempos e registe quaisquer alterações nas suas rotinas ou sintomas que tenha sentido da forma mais específica possível para que, quando consultar um profissional de saúde, possa dar todas as informações e, assim, obter um diagnóstico mais rápido e exato.

Registe os seguintes fatores:

  • Quando começou a perder peso?
  • Quantos quilos já perdeu?
  • Quando começaram os sintomas?
  • Com que frequência faz exercício?
  • Medicação que esteja a tomar ou que tenha começado a tomar recentemente?
  • Quantidade de água que está a beber por dia?
  • Como se tem alimentado e o que mudou nos últimos tempos?
  • Tem dormido bem?

Para além disto, o seu médico pode também solicitar diversos exames para conseguir um diagnóstico mais exato, nomeadamente:

  • Exames de sangue
  • Teste de glicemia em jejum
  • Raios-X

COMO COMBATER A PERDA DE PESO REPENTINA?

Após descobrir a causa da perda de peso repentina ou mesmo que apenas se tenha devido a uma perda de apetite sem causas graves, deve atuar no sentido de combater essa perda.

Caso a causa seja algum dos problemas acima mencionados, descubra com o seu médico qual a melhor terapia para o solucionar.

Quando não haja nenhum problema subjacente, tente combater a perda de peso com hábitos saudáveis.

Em primeiro lugar, faça uma alimentação variada e equilibrada, distribuída ao longo do dia por 5 a 6 refeições e não salte nenhuma delas. Opte por alimentos de densidade nutricional e energética mais alta, como aveia, frutos secos oleaginosos, abacate, azeite, ovos, leguminosas, entre outros.

Depois, não descure a hidratação e beba muita água (1,5l/dia), faça exercício diário que fortaleça e preserve a massa muscular e durma, pelo menos, oito horas por dia. Evite ainda álcool, tabaco e qualquer tipo de droga que possa prejudicar o apetite.

Источник: https://www.vidaativa.pt/perda-de-peso-repentina/

Perda de peso não-intencional: tratamentos e causas

O que pode causar a perda de peso rápido (e não intencional)

Perda de peso não-intencional é definida como a diminuição involuntária do peso corporal. Emagrecer e perder o excesso de peso estão entre os principais objetivos de milhões de pessoas em todo o mundo – para atingir essa meta, muitos passam a fazer dietas e praticar exercícios.

Só que a perda de peso, às vezes, nem sempre acontece porque a pessoa quer. A esses casos nós chamamos de perda de peso não-intencional. Ou seja, é quando uma pessoa perde peso mesmo sem estar fazendo dieta ou praticando exercícios.

A perda de peso não-intencional pode ser resultado tanto de um metabolismo mais acelerado quanto um sinal de algum problema de saúde mais grave.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Causas

Inúmeras razões podem levar uma pessoa a emagrecer sem que haja o intuito de perder peso. Veja algumas das possíveis causas:

  • Metabolismo acelerado
  • Perda de apetite
  • Abuso de substâncias químicas, como álcool e drogas
  • Diarreia crônica
  • Distúrbios alimentares, como anorexia e bulimia, podem levar uma pessoa a perder mais peso do que ela de fato gostaria
  • Desnutrição
  • Uso de determinados medicamentos, como anfetaminas, o uso exacerbado de laxantes e medicamentos para tireoide
  • Resultado do tratamento de quimioterapia, utilizado para tratar alguns tipos de câncer
  • Depressão
  • Distúrbios graves do sono, como insônia
  • Câncer
  • Hipertireoidismo
  • Úlceras orais, que provocam dor
  • Uso de aparelhos odontológicos, que dificultam a alimentação
  • Perda de dentes
  • Cáries dentárias
  • Tabagismo
  • Aids

Buscando ajuda médica

Procure o auxílio de um médico se você ou uma pessoa próxima a você estiver perdendo peso sem que haja a intenção de emagrecer. Se você não está adotando nenhuma dieta específica, nem praticando exercícios físicos, mas mesmo assim está perdendo peso, é sinal de que alguma coisa não vai bem.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Marque uma consulta com um médico, também, se você tiver perdido muito peso nos últimos meses e não souber explicar a causa exata do emagrecimento. Além disso, fique atento a possíveis outros sintomas que possam surgir junto.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar a perda de peso não-intencional são:

  • Clínico geral
  • Endocrinologista
  • Metabologista
  • Oncologista
  • Gastroenterologista
  • Odontologista / dentista
  • Psiquiatra
  • Psicólogo
  • Médico do sono
  • Nutricionista
  • Imunologista
  • Neurologista

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

  • Quando os sintomas surgiram?
  • Quando você começou a perder peso?
  • Você fez ou está fazendo alguma dieta específica?
  • Você pratica exercícios físicos? Com que frequência?
  • Quantos quilos você já perdeu?
  • Você já foi diagnosticado com alguma condição médica? Qual?
  • Você faz uso de algum tipo de medicamentos? Qual?
  • Você está passando por algum tipo de tratamento?
  • Você fuma?
  • Você ingere bebidas alcóolicas?
  • Você faz uso de algum tipo de droga?
  • Você costuma perder peso naturalmente ou você acredita que algo esteja envolvido em sua perda de peso?
  • Como tem sido sua alimentação?
  • Você passou a comer alguma coisa específica? O quê?
  • Você bebe quantos litros de água por dia?
  • Você tem dificuldade para dormir?
  • Você tem estado muito cansado? Anda sem energia?
  • Quais outros sintomas você apresentou?

Referências

Ministério da Saúde

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Источник: https://www.minhavida.com.br/saude/temas/perda-de-peso-nao-intencional

Perda de peso rápida e sem dieta? Isso é sinal destas 6 doenças

O que pode causar a perda de peso rápido (e não intencional)

Subir na balança e perceber que alguns pesos foram eliminados sem esforço. Isso é um sonho para muitas pessoas. Porém, na verdade, pode ser um sinal de que algo não vai bem no organismo e indicar alguma doença.

Como saber se os quilos estão indo embora rapidamente e o corpo necessita de atenção? Inicialmente, é preciso reparar se entre um a três meses a pessoa perdeu mais de 5% do seu peso sem ter mudado a alimentação ou aumentado a atividade física. A partir daí, identificar outros sintomas, como fraqueza, queda de cabelos, tonturas, tremores, batimentos cardíacos acelerados, sudorese, sentir muita sede, urinar demasiadamente, alteração no padrão das fezes, entre outros.

Caso algum desses sinais se apresentem juntamente com a perda de peso rápida, o ideal é buscar a ajuda de algum médico para identificar se não há a presença de algum problema de saúde, como os seis que listamos abaixo.

Hipertireoidismo

Ocorre quando a tireoide produz excessivamente os hormônios tireoidianos (T3 e T4), que são responsáveis por regular o metabolismo. No hipertireoidismo, o excesso hormonal pode levar a um aumento do gasto calórico, tremores, irritabilidade e rápida perda de peso.

O diagnóstico da doença acontece por meio de exames de sangue que apontam os hormônios tireoidianos elevados e o TSH (hormônio produzido pela hipófise, glândula localizada no cérebro que controla a função da tireoide) baixo.

Após ser detectado o hipertireoidismo, é preciso descobrir sua causa, que em boa parte das vezes é a chamada doença de Graves. Nela, além de emagrecer, o paciente pode apresentar alterações nos olhos, que ficam mais “saltados”.

Outras causas possíveis do hipertireoidismo são nódulos ou inflamação da tireoide.

Já o tratamento, claro, depende da causa do problema, mas geralmente é feito com medicamentos, administração de iodo radioativo ou, em alguns casos, cirurgia. O tratamento, seja ele qual for, irá encerrar a perda rápida de peso.

No diabetes, as células têm dificuldade de usar a glicose como energia e passam a utilizar a gordura corporal como combustível

Imagem: iStock

Diabetes

Existem diversos tipos de diabetes, os mais comuns são o 1, 2 e gestacional.

A doença, independentemente do seu tipo, ocorre devido à falta, deficiência ou resistência da ação da insulina, que é um hormônio responsável por levar energia (glicose) para dentro da célula.

Sem conseguir usar a glicose como “combustível”, as células passam a utilizar a gordura corporal como fonte de energia, o que leva à perda de peso descompensada.

O diagnóstico do diabetes é feito pela dosagem de glicose no sangue. Quando a doença é detectada, o tratamento irá focar de início no equilíbrio do nível de glicose no sangue, por meio de de medicamentos orais ou injetáveis que estimulam ou facilitam a ação da insulina e a mudança de hábitos (dieta e exercício), dependendo do tipo de diabetes e cada paciente, claro.

Câncer

A doença por si só pode levar à redução de quilos na balança. No entanto, isso é mais comum quando o câncer está em estágio avançado ou metastático (já atingiu outras partes do corpo), ou então quando o tumor está localizado no pulmão, cabeça e pescoço ou no trato gastrointestinal, como no câncer de estômago, pâncreas e de esôfago.

A perda rápida de peso, no caso dos estágios avançados e metastáticos, se dá porque nesta situação o tumor libera substâncias chamadas de citocinas pró-inflamatórias, que aumentam o gasto energético do corpo e a perda de massa muscular, além de estimular a saciedade precoce e a anorexia, em que o paciente não tem fome ou vontade de comer.

Já quando a pessoa é diagnosticada com câncer de cabeça e pescoço, o processo de mastigação e deglutição pode estar alterado devido à localização do tumor, fazendo com que o paciente consuma alimentos mais pastosos ou até mesmo líquidos e que fornecem menos energia e proteína necessária para o dia.

Pacientes com câncer do trato gastrintestinal alto, principalmente esôfago e estômago, apresentam a perda de peso também pela própria localização do tumor que, se for no esôfago, pode dificultar a passagem do alimento. No estômago, a saciedade precoce pode acontecer, o que leva o indivíduo a consumir uma quantidade menor de alimentos.

O tratamento com suplementos alimentares e uma dieta equilibrada e balanceada pode ajudar a diminuir a perda de peso relacionada à doença em estágio avançado, assim como por conta da quimioterapia, imunoterapia ou das chamadas terapias alvos, que podem reduzir o peso da pessoa. Nos casos em que há obstrução mecânica do trato digestivo ou da cavidade oral, alguns procedimentos com prótese ou radioterapia local paliativa também podem ajudar a facilitar a passagem dos alimentos.

Problemas na região intestinal geralmente geram quadros de diarreia, o que prejudica a absorção de nutrientes no organismo e leva ao emagrecimento rápido

Imagem: iStock

Problemas na região intestinal

Intolerância à lactose, doença celíaca e doenças inflamatórias, como síndrome do cólon ou intestino irritável, doença de Crohn e retocolite ulcerativa, são os problemas mais comuns que podem levar à perda rápida de peso.

Muitos desses quadros geralmente são acompanhados de diarreia, o que faz com que o corpo não consiga absorver a quantidade suficiente de nutrientes necessários, o que leva a um déficit de energia.

Dor, distensão abdominal e febre também são sintomas de algumas dessas condições.

Os exames para diagnóstico e tratamento, obviamente, variam conforme a doença. Entre as principais soluções estão mudanças no cardápio —com restrição a nutrientes que geram o problema (lactose, glúten, gorduras etc.), bebidas gaseificadas, condimentos —; redução de estresse, uso de medicamentos anti-inflamatórios e cirurgia.

Depressão

O problema, que afeta 350 milhões de pessoas no mundo, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), pode causar a perda ou o aumento de apetite, dificuldade para realizar tarefas cotidianas, sentimentos de impotência e culpa e, em casos mais graves, até mesmo pensamentos e tentativas de suicídio.

O diagnóstico da depressão é clínico, ou seja, não necessita de exames, baseando-se no conjunto de sinais apresentados pela pessoa.

Os principais sintomas que indicam o quadro de depressão são alterações no humor —que pode ser caracterizado por sensação de tristeza e de angustia quase todos os dias —, perda da capacidade de sentir prazer nas coisas, alteração do apetite com consequente mudança no peso, alterações do sono e dificuldade na capacidade de tomar decisões.

O tratamento depende da gravidade. Depressões leves, por exemplo, podem ser tratadas com psicoterapia e a prática de atividades físicas.

A partir de depressões moderadas já pode ser necessário o uso de medicamentos que atuem no sistema nervoso central, como os antidepressivos, que agem na regulação de neurotransmissores (serotonina e noradrenalina).

Conforme o paciente vai melhorando, o que ocorre em algumas semanas após o início do tratamento, os sintomas da doença melhoram como um todo, inclusive o apetite.

Falta de apetite é um dos sintomas de depressão, problema que pode levar à perda de peso

Imagem: iStock

Doenças causadas por vermes

Alguns tipos específicos de parasitas, como ascaridíase, amebíase e giárdia, causam um processo infeccioso no organismo que resulta em desconfortos gastrointestinais e diarreia. Esses sintomas prejudicam a absorção de nutrientes e consomem muita energia do corpo, o que leva a perda de peso.

O diagnóstico é feito primeiramente por meio do histórico clinico do paciente, depois, são realizados exames laboratoriais das fezes para se chegar exatamente ao resultado preciso. O tratamento envolve, na maioria das vezes, o uso de remédios antivermes que eliminam os parasitas do corpo e contribuem para o processo de retomada do peso normal.

Fontes: Fabio Trujilho, vice-presidente do departamento de obesidade da Sbem (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia); Giuliano Mendes, cirurgião do aparelho digestivo e cirurgião oncológico, diretor do ECMI (Equipe de Cirurgias Minimamente Invasivas) e do Hospital Leforte, em São Paulo; Henrique Bottura, psiquiatra da Clínica Psiquiatria Paulista e do Hospital das Clínicas de São Paulo; Lívia Beraldo de Lima Basseres, psiquiatra pela Faculdade de Medicina do ABC, assistente da enfermaria de controle de impulsos do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo); Maria Fernanda Barca, doutora em endocrinologia pela Faculdade de Medicina da USP, membro da Sbem e da SEE (Sociedade Europeia de Endocrinologia); Paulo Olzon, clínico Unifesp (Universidade Federal de São Paulo); Ramon De Mello, oncologista clínico da Clinonco, em São Paulo e doutor em oncologia molecular pela Universidade do Porto, em Portugal; Renato Zilli, endocrinologista do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo; e Thaís Manfrinato Miola, nutricionista e supervisora de nutrição clínica do A.C.Camargo Câncer Center, em São Paulo.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
– Instagram –

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2019/06/21/perder-peso-rapida-e-sem-dieta-sintoma-pode-sinalizar-essas-6-doencas.htm

Perda de peso involuntária – causas

O que pode causar a perda de peso rápido (e não intencional)

A perda de peso corporal pode ser voluntária ou involuntária.

Doenças que causam a perda de peso
A redução do peso corporal pode ser causada por uma doença.

Às vezes, um paciente pode não saber a doença que está causando a perda de peso porque os sinais e sintomas não são evidentes.

A causa mais comum de perda de peso não intencional é a consequência de:

  • Falta de apetite,
  • Náusea,
  • Uma ingestão calórica restrita,
  • Má absorção.

Outra causa pode ser uma mobilidade reduzida que impede ou dificulta a preparação e o consumo de alimentos.
Em caso de perda súbita de peso, é necessário ir ao médico logo que possível, porque a razão pode ser uma doença grave.

Caquexia
A caquexia é um termo médico para indicar uma perda de peso severa e a perda muscular que ocorre nos seguintes casos:

Causas de perda de peso não intencional ou patológica

As doenças listadas abaixo são algumas das causas mais comuns de perda de peso. Nem todos os sintomas ou sinais clínicos listados podem ser evidentes. Existem outras causas que devem ser consideradas em casos de perda de peso inexplicável.

Toxicodependência
A perda de peso é uma característica comum da maioria dos tipos de dependência, incluindo:

  • Alcoolismo,
  • Abuso de medicamentos narcóticos.

A nicotina também pode causar uma diminuição do apetite.

Câncer
Um tumor maligno pode não ser visto até os estágios finais da doença.
A fadiga e perda de peso inexplicáveis podem ser os únicos sinais nas fases iniciais.
O emagrecimento ocorre mesmo comendo como antes, porque as células cancerígenas consomem muita energia para crescer.
Um tumor também pode causar sintomas como:

  • Febre,
  • Cansaço extremo (fadiga)
  • Perda de peso.

Diabetes
Seja o diabetes mellitus que o diabetes insipidus podem provocar uma perda de peso.
Pode ocorrer com outros sintomas, por exemplo:

  • Frequente/excessiva micção (poliúria);
  • Aumento da sede (polidipsia).

A metformina é um medicamento usado para tratar o diabetes; se for administrada regularmente, pode causar uma leve redução do peso corporal.

Transtornos alimentares
A perda de peso é uma característica comum na maioria dos transtornos alimentares, especialmente na anorexia nervosa.
Essa causa deve ser suspeitada em adolescentes e jovens, especialmente em mulheres.
Pode ocorrer juntamente com outros comportamentos, por exemplo:

  • Evitar os alimentos;
  • Compulsão alimentar;
  • Vômitos;
  • Falta de autoestima;
  • Obsessão com o peso do corpo ou com a forma.

Infecções gastrointestinais
Podem ser devidas a agentes infecciosos virais, fúngicos, bacterianos ou parasitários. Os parasitas intestinais humanos podem permanecer indetectados por longos períodos de tempo.
Os outros sintomas que causam gastroenterite são:

Problemas da vesícula biliar
Os cálculos biliares são depósitos de colesterol que se formam na vesícula biliar quando o fígado produz um excesso de:

A maioria das pessoas que desenvolvem cálculos biliares não tem sintomas, mas quando as vias biliares ficam bloqueadas, os sintomas são:

HIV/AIDS
A infecção com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) ou o aparecimento da AIDS podem causar perda de peso e caquexia visível nas últimas fases. Os outros sintomas da doença são:

Hipertireoidismo
Também chamada de tireotoxicose, a perda de peso é devida a uma tireoide hiperativa e a altos níveis de hormônios da tireoide que aumentam a taxa metabólica basal. Outros sintomas do hipertireoidismo são:

  • Intolerância ao calor;
  • Suor excessivo ou anormal;
  • Tremor;
  • Olhos salientes (exoftalmia);
  • Fadiga;
  • Irritabilidade;
  • Ansiedade;
  • Insônia.

Doenças mentais
Elas incluem:

  • Depressão,
  • Transtorno bipolar,
  • Esquizofrenia,
  • Demência.

As doenças mentais podem causar os seguintes sintomas:

  • Falta de autoestima,
  • Delírio,
  • Habilidades cognitivas ou percepção alteradas,
  • Comportamento irracional,
  • Padrões anormais de comportamento nas atividades diárias e interação social,
  • Apetite insuficiente ou excessivo.

Tuberculose
A perda de peso pode ser causada por uma infecção ativa por Mycobacterium tuberculosis.
A tuberculose afeta principalmente os pulmões, mas também pode afetar outros órgãos sem qualquer envolvimento pulmonar.

Entra os sintomas estão:

Estresse
A perda de peso pode ser causada por estresse mental ou emocional, devido à falta de apetite e à redução da ingestão de alimentos.

Geralmente a pessoa está preocupada com uma atividade ou um evento passado, mas também as causas hormonais (hormônios do estresse) podem estar envolvidas na falta de apetite.

Podem causar uma perda temporária de apetite e peso:

  • Estresse do trabalho,
  • Preocupações financeiras,
  • Eventos traumáticos recentes (tais como a morte ou divórcio),
  • Transtorno de estresse pós-traumático (guerra, atos de criminalidade).

Pode ocorrer com outros sintomas, por exemplo:

  • Irritabilidade;
  • Depressão;
  • Ataques de pânico;
  • Insônia;
  • Pesadelos.

Perda de peso e ciclo menstrual

As mulheres acima do peso não são as únicas que podem ter problemas com o ciclo menstrual.
Um atraso do ciclo menstrual que pode durar alguns meses pode ocorrer nas:

  • Mulheres com transtornos alimentares que causam a perda de peso extrema (por exemplo, anorexia nervosa),
  • Mulheres com baixo peso.

As mulheres com pouca gordura corporal podem ter um número menor de ciclos menstruais.
Uma dieta drástica pode causar o bloqueio da ovulação.

Fome, exercício extremo e estresse podem afetar a atividade do hipotálamo.
Algumas mulheres estão tão abaixo do peso que o corpo para de produzir os hormônios.

Além disso, a falta de gordura não permite que as células convertam o colesterol em estrogênio.

Efeitos colaterais da perda de peso muito rápida

Perda muscular
Um importante efeito colateral da perda súbita de peso é a redução do tecido muscular magro. Comer uma quantidade insuficiente de calorias leva a uma falta de energia para o corpo.

No caso de jejum, após as primeiras 24-48 horas, o corpo decompõe as gorduras e cria corpos cetônicos:

  • Ácido acetoacético,
  • Ácido beta-hidroxibutírico,
  • Acetona.

Muitas pessoas se preocupam porque acreditam que o jejum provoque a perda de massa corporal magra; em vez disso acontece o oposto porque, quando o corpo fica sem glicose, usa a gordura.
A perda de massa muscular pode ocorrer em caso de dieta de baixas calorias porque o corpo não produz corpos cetônicos, por isso pode também usar proteínas musculares.

Sentir frio
Um efeito colateral temporário mas desagradável da perda de peso muito rápida são os calafrios e a sensação de frio.
A gordura isola o corpo e evita a perda de calor do corpo.
A perda de peso rápida remove uma porção desse isolamento.
Pelo contrário, algumas pessoas com sobrepeso suam excessivamente.

Perda de cabelo
Outro efeito colateral da perda de peso rápida a curto prazo é a perda cabelo.

Geralmente, ocorre como resultado da ingestão insuficiente de proteínas; o corpo sacrifica algumas proteínas derivadas do cabelo para suportar outras funções importantes do corpo.

A boa notícia é que quando se volta a uma alimentação correta com uma quantidade adequada de proteínas, o cabelo cresce de novo.

Leia também

Источник: https://www.fisioterapiaparatodos.com/p/sintomas/perda-de-peso/

Estou perdendo peso. Por que será?

O que pode causar a perda de peso rápido (e não intencional)

Gostou do artigo? Compartilhe!

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Se você está perdendo peso intencionalmente porque está fazendo uma dieta, se dedicando a mais exercícios físicos ou até mesmo tomando remédios com esta finalidade, a resposta é óbvia. Se, por outro lado, a perda de peso é involuntária1 e de causa desconhecida, ela merece ser investigada.

A princípio você pode nem notar que está perdendo peso e a observação inicial pode partir de outras pessoas.

Mas pode ser que você mesmo esteja percebendo o fato, seja porque suas roupas estejam ficando mais folgadas, seja porque o espelho ou a balança estejam lhe mostrando evidências desse emagrecimento.

A perda involuntária1 de peso pode ocorrer após uma perda de apetite devido a causas emocionais ou físicas ou mesmo se você está consumindo a mesma quantidade de calorias2 que de costume. Seja como for, ela deve ser motivo de preocupação e investigação.

Saiba como está seu peso: “Cálculo3 do Índice de Massa Corporal4”. Veja também sobre “Calorias2”.

Por que será?

A perda de peso involuntária1 pode ser extremamente perturbadora, especialmente quando você perde uma quantidade significativa de peso, sem saber o porquê. No entanto, mesmo podendo ser um sinal5 de doença grave, ela também pode ser algo bem simples, como a diminuição do apetite em resposta a uma situação estressante.

A perda de peso não intencional é mais prevalente em pessoas com condições médicas pré-existentes. Frequentemente ela é o resultado de uma condição médica crônica subjacente.

Algumas pessoas que mostram este sintoma6 sofrem de doenças crônicas, chamadas às vezes de doenças consumptivas, incluindo, entre outras, o câncer7, a AIDS e a depressão.

No entanto, doenças de curto prazo, como a gripe8 ou o resfriado comum também podem levar à diminuição do peso.

As causas mais simples e mais comuns de perda de peso não intencional incluem depressão, diarreia9, úlceras10 orais e infecções11 virais. Outras causas mais sérias e menos comuns incluem o câncer7, o hipertireoidismo12, infecções11 abdominais, gastroenterite13, demência14, doença celíaca e AIDS.

A perda de peso também pode ser o resultado de um transtorno alimentar, como a anorexia15 mental ou bulimia16, por exemplo.

Leia sobre “Anorexia15 mental”, “Bulimia16 nervosa”, “Estresse”, “Depressão” e “Como lidar com o estresse”.

Quais são as principais características clínicas da perda de peso?

As consequências da perda de peso variam muito, dependendo do que a causou. Você pode notar que as roupas estão mais folgadas em seu corpo ou notar alguma mudança em sua aparência ou na forma de seu rosto. Algumas pessoas não se dão conta de estarem perdendo peso até que subam em uma balança.

As perdas de peso devidas a uma doença subjacente ocorrem juntamente com outros sinas e sintomas17, como febre18, perda de apetite, desconforto ou dor abdominal, diarreia9 ou constipação19 intestinal.

Certos medicamentos podem causar perda de peso, alguns tendo isso por objetivo, outros como efeito colateral20 indesejado. Quando a perda de peso se deve a um estresse emocional, a pessoa retorna ao peso normal quando o tenha ultrapassado. Aconselhamento e apoio psicológicos podem ser necessários para ajudar a chegar a esta fase de reequilíbrio.

Quando devida a uma doença, a recuperação ou não do peso depende da evolução da causa e das medidas adotadas no tratamento.

Saiba mais sobre “Controle do apetite”, “Dor abdominal”, “Diarreia9” e “Psicoterapias”.

Como evolui a perda de peso?

Algumas pessoas perdem peso com muita celeridade; outras, mais lentamente. Isso se deve, em parte, à natureza das condições subjacentes e ao metabolismo21 de cada indivíduo.

A perda de peso por períodos muito prolongados pode levar à desnutrição22, quando não se está consumindo uma quantidade adequada de nutrientes. Geralmente ela se faz acompanhar de anemia23, com deficiência de ferro e de vitamina24 B. Em casos graves, como na anorexia15 mental, a perda de peso pode ter repercussões fisiológicas25 intensas e mesmo letais.

Quando a perda de peso é conseguida voluntariamente, em esforços para emagrecer, ela é recebida com comemoração e euforia.

Veja mais sobre “Desnutrição22”, “Anemias”, e “Anemia ferropriva26”.

ABCMED, 2016. Estou perdendo peso. Por que será?. Disponível em: . Acesso em: 9 mar. 2021.

Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

1 Involuntária: 1.    Que se realiza sem intervenção da vontade ou que foge ao controle desta, automática, inconsciente, espontânea. 2.    Que se encontra em uma dada situação sem o desejar, forçada, obrigada.

2 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.

3 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.

4 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não.

Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.

5 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.

6 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença.

O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal.

A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.

7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).

8 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc.

Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.).

Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.

9 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.

10 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.

11 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.

12 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos.

Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas.

Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.

13 Gastroenterite: Inflamação do estômago e intestino delgado caracterizada por náuseas, vômitos, diarréia e dores abdominais. É produzida pela ingestão de vírus, bactérias ou suas toxinas, ou agressão da mucosa intestinal por diversos mecanismos.

14 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.

15 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.

16 Bulimia: Ingestão compulsiva de alimentos, em geral seguida de indução do vômito ou uso abusivo de laxantes. Trata-se de uma doença psiquiátrica, que faz parte dos chamados Transtornos Alimentares, juntamente com a Anorexia Nervosa, à qual pode estar associada.

17 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença.

Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal.

A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.

18 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.

19 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.

20 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.

22 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.

23 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.

24 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.

25 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.

26 Anemia Ferropriva: Anemia por deficiência de ferro. É o tipo mais comum de anemia. Há redução da quantidade total de ferro corporal até a exaustão das reservas de ferro. O fornecimento de ferro é insuficiente para atingir as necessidades de diferentes tecidos, incluindo as necessidades para a formação de hemoglobina e dos glóbulos vermelhos.

Gostou do artigo? Compartilhe!

Pergunte diretamente a um especialista

Источник: https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1283423/estou+perdendo+peso+por+que+sera.htm

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: