O que pode ser a vermelhidão no pênis e o que fazer

Candidíase no Homem: Sintomas e Tratamento

O que pode ser a vermelhidão no pênis e o que fazer

A Candida é um gênero de fungos que pode ser naturalmente encontrado na pele, boca, órgãos genitais ou trato gastrointestinal em até 80% da população. A espécie mais comum de Candida é a Candida albicans.

Em situações normais, a simples presença da Candida no nosso organismo não representa nenhum perigo. O nosso sistema imunológico é bastante eficaz em controlar a população desse fungo, fazendo com que ele exista apenas em pequena quantidade.

O problema com o fungo Candida surge quando o nosso sistema imunológico encontra-se enfraquecido e/ou quando há uma súbita alteração na flora natural de bactérias da nossa pele, como nos casos de uso prolongado de antibióticos.

Essas alterações tornam o nosso organismo um ambiente mais propício para a proliferação da Candida, que passa a se reproduzir sem limitações, podendo infestar a pele e invadir tecidos mais profundos, provocando intensa reação inflamatória.

Candidíase é o termo que usamos para designar a inflamação provocada pela invasão do fungo Candida. Ter Candida na pele de forma assintomática é, portanto, diferente de ter a doença candidíase.

A candidíase pode acometer diversos órgãos diferentes, sendo a pele, os órgãos genitais e a boca os sítios mais comuns. Em casos mais graves, o ocorre habitualmente em pacientes com imunossupressão severa, a Candida pode acometer órgãos internos, como esôfago, laringe, rins, coração e até o sistema nervoso central.

Nesse artigo vamos falar somente sobre candidíase peniana, que se manifesta como uma infecção da glande ou do prepúcio, chamadas, respectivamente, de balanite ou balanopostite por cândida.

Se você quiser mais informações sobre outras formas de candidíase, leia: CANDIDÍASE – Sintomas, Tipos e Causas.

Fatores de risco

Na imensa maioria dos casos, a candidíase não é uma doença adquirida através de outras pessoas. A candidíase surge porque o seu organismo perde a capacidade de controlar o crescimento da população de Candida que normalmente vive na sua pele. Isso explica por que bebês, freiras e mulheres sem atividade sexual podem desenvolver candidíase na região genital.

Em alguns casos, porém, principalmente na candidíase peniana, a Candida pode ser transmitida por via sexual. Se a vagina da mulher estiver colonizada com grandes populações de Candida, durante o ato sexual uma quantidade relevante do fungo pode ser transferida para o pênis, aumentando o risco de balanite.

Cerca de 15 a 25% dos homens apresentam colonização do pênis pela Candida. 1/3 desses apresenta sinais de candidíase.

O desenvolvimento ou não da candidíase peniana vai depender da capacidade do sistema imunológico do homem em lidar com essa grande população de fungo recém adquirida. Portanto, não basta ter a Candida na genitália, é preciso que o fungo se sinta livre para se multiplicar.

Alguns fatores aumentam o risco do surgimento da candidíase peniana, são eles:

  • Diabetes mellitus.
  • Parceiras com múltiplos episódios de candidíase vaginal.
  • Uso de fraldas (seja em bebês ou idosos).
  • Uso recente de antibióticos (antibióticos matam apenas bactérias, que são germes que competem por alimentos com os fungos).
  • Má higiene do pênis.
  • Doenças imunossupressoras, como HIV.
  • Uso de glicocorticoides ou outras fármacos imunossupressores.
  • Quimioterapia.
  • Desnutrição.
  • Uso de drogas pesadas.

O risco de balanite por Candida parece ser menor em homens circuncidados (leia: CIRCUNCISÃO – Riscos e Benefícios).

Sintomas

Como já referido, a infecção peniana pela Candida se manifesta habitualmente como uma balanite ou balanopostite, que é a infecção da glande e do prepúcio.

Os sintomas mais comuns da candidíase no homem são a vermelhidão, inchaço e a dor na glande. Placas brancas, semelhantes às que ocorrem na língua na candidíase oral, também são comuns no pênis.

As lesões podem causar coceira e frequentemente há ardência após o ato sexual. Também é comum o surgimento de pequenas bolhas, úlceras, feridas, descamação da pele ou corrimento purulento pela uretra.

Nos paciente não circuncidados, pode haver também um secreção espessa e com odor desagradável sob o prepúcio.

O diagnóstico da candidíase pode ser confirmado através da raspagem de uma pequena amostra da lesão, que levada ao microscópio permite a identificação das leveduras da Candida.

Tratamento

O tratamento da candidíase em homens pode ser feito com antifúngicos em creme ou pomada. As melhores opções são o Clotrimazol 1% ou o Miconazol 2%, duas vezes ao dia, por 1 a 3 semanas.

Uma opção mais simples consiste no fluconazol, comprimido de 150 mg, tomado em dose única.

Em alguns casos, a candidíase peniana pode ser o primeiro sintoma de um diabetes mellitus se instalando. Se o paciente não apresenta nenhum fator de risco óbvio para a candidíase, uma avaliação da sua glicose sanguínea deve ser solicitada.

Referências

Источник: https://www.mdsaude.com/urologia/candidiase-em-homens/

Candidíase masculina: o que é e como tratar

O que pode ser a vermelhidão no pênis e o que fazer
Imagem redimensionada de Francisco Gonzalez, está disponível no Unsplash

Pouco se fala sobre a candidíase masculina, mas o fungo Candida albicans, causador da candidíase, pode afetar qualquer pessoa, em várias regiões do corpo – incluindo o pênis, a mucosa vaginal, as vias orais, a pele e o intestino.

  • Candidíase: conheça causas, sintomas, tipos e saiba como tratar

Se não tratada, a candidíase masculina pode causar sintomas dolorosos, desconfortáveis ​​e muitas vezes embaraçosos. Também pode levar a complicações graves se a infecção se disseminar para a corrente sanguínea.

Causas

A candidíase masculina é causada pelo fungo Candida Albicans. Esse fungo costuma estar presente no organismo em pequenas quantidades, mas quando há baixa na imunidade ou outras condições favoráveis ao fungo, ele pode apresentar um crescimento excessivo e causar uma infecção, a candidíase.

Apesar de não ser considerada uma doença sexualmente transmissível (DST), uma relação sexual desprotegida com outra pessoa que tenha candidíase pode favorecer o desenvolvimento de candidíase no pênis.

Má higiene; excesso de umidade (como uso de sunga molhada durante muitas horas); roupa apertada; alergias e dieta rica em açúcar, glúten, fermentados, refinados e álcool, são um cenário perfeito para a proliferação da candidíase.

Diagnóstico

O médico examinará os genitais da pessoa com suspeita de candidíase e diagnosticará seus sintomas. As placas brancas que se formam no pênis podem ser examinadas no microscópio ou cultivadas para confirmar o tipo de fungo que causou os sintomas.

Se você não conseguir ajuda médica, considere uma visita a um centro de atendimento de urgência ou até mesmo à sala de emergência. Quanto mais cedo o problema for diagnosticado e o tratamento começar, maior a probabilidade de evitar complicações.

Não diagnostique e inicie o tratamento por conta própria. Se você desconfia que está com candidíase, consulte um médico ou médica.

Complicações

Uma das complicações potenciais da candidíase masculina é a balanite. A balanite é uma inflamação do prepúcio ou da cabeça do pênis. A diabetes pode aumentar o risco de balanite.

Se a balanite não for tratada de forma eficaz, pode ocorrer cicatrização do prepúcio. A condição pode ser dolorosa e tornar a micção mais difícil. Se não tratada, a balanite pode causar inchaço nas glândulas, dor, fraqueza e fadiga.

A candidíase pode se espalhar para a corrente sanguínea. Esse quadro é conhecido como candidemia ou candidíase invasiva, sendo mais comum no homem que demora muito para realizar o tratamento da candidíase no pênis ou que tem o sistema imunológico enfraquecido.

Se você esteve em um hospital e usou um cateter para urinar, é mais provável que você enfrente a candidíase invasiva. Esta forma avançada de infecção por fungos é muito grave. Medicamentos antifúngicos orais podem ser necessários por várias semanas. Em alguns casos, os medicamentos são administrados por via intravenosa.

Duração

Se a sua candidíase no pênis é tratada precocemente e responde bem à medicação antifúngica, ela pode desaparecer dentro de uma semana. Se você é sexualmente ativo, sua parceira ou parceiro também deve receber o tratamento para candidíase para evitar a reinfecção. A pessoa que mantém relações sexuais com você deve ser tratada independente de a infecção ter sido transmitida ou não.

Se você tem candidíase recorrente e descarta causas como higiene e contato sexual, converse com seu médico sobre outras possíveis causas. Você pode ter uma condição de saúde subjacente, como diabetes, alergia ou intolerância a alimentos que contenham glúten ou outras substâncias.

Homens são geralmente muito menos propensos do que as mulheres a desenvolver candidíase, mas é importante saber como tal infecção pode se desenvolver e como reconhecer seus sintomas.

Prevenção

Evite o contato sexual com uma pessoa que tenha candidíase. Você também deve evitar fazer sexo quando estiver com candidíase. Do contrário, você passa a candidíase para a pessoa e ela retorna para você.

Para evitar a candidíase no pênis:

  • Use preservativo;
  • Evite alimentos que facilitam a proliferação de fungos, como pão, doces, álcool e cerveja;
  • Pratique a monogamia sexual para reduzir riscos;
  • Pratique uma boa higiene e mantenha seu pênis limpo e seco;
  • Limpe bem a região do prepúcio com bastante água depois de manter relações sexuais.

Alimentação

O principal é não alimentar o fungo da candidíase. Esse fungo se alimenta de tudo o que você come. E ele adora massas como pães, álcool, doces e alimentos que demoram para ser digeridos como a proteína de glúten.

Portanto, procure matar a candidíase de fome consumindo alimentos probióticos e prebióticos, e evite açúcar, refinados, massas, glúten e fermentados como a cerveja. Se você tem diabetes, com ajuda médica, procure controlar os níveis de açúcar no sangue e cuide da sua imunidade.

Tome chá de barbatimão e utilize sabonete feito com esta planta. Na medicina popular, ele é muito utilizado como fitoterápico natural no tratamento de gonorreia, leucorreia, úlceras, diarreia e candidíase.

A casca do caule e as folhas possuem propriedades anti-inflamatórias, cicatrizantes, hemostáticas, antissépticas, antibacterianas, antifúngicas e adstringentes.

Por isso, pode ajudar no tratamento de feridas, infecções e outros problemas de pele.

A atividade farmacológica da planta se deve sobretudo ao seu alto teor de taninos, mas o barbatimão também apresenta outros compostos benéficos à saúde, como alcaloides e flavonoides.

Conheça a melhor forma de se alimentar para espantar a candidíase na matéria: “Candidíase: conheça alimentação que funciona como remédio natural”.

Veja também:

Cadastre-se e receba nosso conteúdo em seu email. Comunicar erro

Источник: https://www.ecycle.com.br/6815-candidiase-masculina.html

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: