O que pode ser e como tratar a ferida na boca

Contents
  1. Feridas e lesões na boca: quais são as mais comuns, por que acontecem, sintomas e como tratar cada uma
  2. 1. O que são aftas?
  3. 1.1. Sintomas e causas das aftas
  4. 1.2. Como tratar aftas?
  5. 2. O que é o câncer bucal?
  6. 2.1. Sintomas do câncer de boca
  7. 2.2. Como diferenciar aftas e câncer bucal
  8. 3. O que é herpes labial?
  9. 3.1. Sintomas do herpes labial
  10. 3.2. Tratamentos para herpes labial
  11. 5. O que é candidíase bucal ou oral? É diferente do sapinho?
  12. 5.1. Sintomas da candidíase bucal
  13. 5.2. Tratamentos para candidíase bucal
  14. 6. Tenho uma ferida ou lesão que não some, o que devo fazer?
  15. Veja os 5 problemas na língua mais comuns e suas causas
  16. 1. Língua pilosa
  17. 2. Afta
  18. 3. Macroglossia
  19. 4. Sapinho
  20. 5. Câncer bucal
  21. Ferida na boca: descubra as causas e como tratar!
  22. Sintomas de ferida na boca
  23. Causas das feridas
  24. Herpes
  25. Aftas
  26. Estomatite herpética
  27. Candidíase oral
  28. Doença de mão, pé e boca
  29. Gengivite
  30. Líquen plano bucal
  31. Leucoplasia
  32. Língua preta
  33. Câncer de boca
  34. Como cuidar
  35. Importância de buscar ajuda
  36. Aftas na Boca e na Língua – Causas e tratamento
  37. Causas
  38. Tratamento
  39. Remédios para afta
  40. Tratamento caseiro
  41. Quando se preocupar com uma afta?
  42. Quais são as doenças que cursam com aftas ou lesões semelhantes?
  43. Dúvidas mais comuns
  44. Referências bibliográficas:
  45. Bicarbonato de sódio cura afta? Entenda o que é e como tratar a lesão
  46. Oque é a afta?
  47. Oque causa a lesão?
  48. Abacaxiprovoca afta?
  49. Em quantotempo a ferida desaparece?
  50. Énormal ter aftas frequentes?
  51. Comotratar?
  52. É possível prevenir as aftas?
  53. Úlceras orais: tratamentos e causas
  54. Tipos
  55. Causas
  56. Fatores de risco
  57. Sintomas de Úlceras orais
  58. Buscando ajuda médica
  59. Na consulta médica
  60. Diagnóstico de Úlceras orais
  61. Tratamento de Úlceras orais
  62. Medicamentos para Úlceras orais
  63. Referências

Feridas e lesões na boca: quais são as mais comuns, por que acontecem, sintomas e como tratar cada uma

O que pode ser e como tratar a ferida na boca

Saiba tudo sobre as principais lesões e feridas que aparecem na região bucal e como tratar cada uma delas

Bolhas, feridas avermelhadas, aftas… São muitas as lesões que podem afetar nossa saúde bucal.

Como, muitas vezes, os problemas podem ter sintomas parecidos, é importante conhecer os mais comuns para procurar o tratamento adequado.

Lembre-se: a prevenção é a melhor forma de manter a saúde da boca e do organismo em dia! Listamos aqui algumas das feridas mais comuns, as doenças relacionadas a elas e seus sintomas, além de possíveis tratamentos. Confira!

1. O que são aftas?

As aftas, também conhecidas como estomatite aftosa recorrente (EAR), são as famosas – e doloridas – pequenas feridas brancas na boca. Com certeza, você e muitas pessoas sabem como a lesão pode atrapalhar o dia a dia.

1.1. Sintomas e causas das aftas

O principal sintoma da afta é, com certeza, a ferida esbranquiçada com a borda avermelhada, que pode aparecer na língua ou em outras áreas de mucosa na boca. As causas podem estar relacionadas a traumas na região ou até mesmo algumas ocorrências do dia a dia, como:- consumir alimentos cítricos em excesso;

– estresse e fatores emocionais;

– hereditariedade;- deficiência de ferro ou vitaminas do complexo B;

– distúrbios gastrointestinais.

1.2. Como tratar aftas?

É normal apostar em soluções caseiras para as aftas, como o bicarbonato de sódio – afinal, queremos nos livrar do incômodo o mais rápido possível. A longo prazo, no entanto, essa não é a melhor opção para sua saúde bucal.

Se você sofre com aftas de forma recorrente, o ideal é procurar um estomatologista, especialista nesse tema.

Ele irá indicar os melhores tratamentos para seu caso, como uma dieta balanceada e a higienização correta dos dentes e da língua.

2. O que é o câncer bucal?

Lesões e feridas – principalmente aquelas que parecem não desaparecer por conta própria, mesmo depois de alguns dias – também podem indicar que algo não está certo em seu organismo. As úlceras podem também ser sinais de um câncer bucal que, apesar de não ser o tipo mais frequente, afeta milhares de pessoas todos os anos.

2.1. Sintomas do câncer de boca

A chave para o sucesso do tratamento do câncer de boca é a prevenção. Por isso, fique atento a alguns sintomas da doença:- úlceras indolores, mas que não cicatrizam;- feridas em forma de bolinhas esbranquiçadas na boca;

– nódulos e caroços na língua ou na boca.

2.2. Como diferenciar aftas e câncer bucal

Apesar de o sinal inicial ser o mesmo – uma ferida branca com toques avermelhados – é importante saber diferenciar quando sua ferida se trata de uma afta ou de um possível câncer bucal. Fique atento à duração da lesão, especialmente se for maior do que sete dias.

Além disso, alterações de cor – como manchas enegrecidas – e caroços também podem ser indícios da doença.
É importante lembrar também que o câncer está relacionado ao estilo de vida do paciente, incluindo hábitos como fumar.

Ah, e nada de negligenciar as idas ao dentista ou o autoexame bucal – quando se trata de casos de câncer, a prevenção e a descoberta precoce da doença são essenciais para maiores chances de sucesso no tratamento.

3. O que é herpes labial?

O herpes labial é uma doença viral e contagiosa, que pode se manifestar nos lábios, na língua ou nas gengivas. A principal manifestação do vírus HSV do tipo 1 é uma ferida avermelhada em uma dessas regiões e, acredite, ele é bem mais comum do que se imagina. Estima-se que 90% da população mundial lide com o problema!

3.1. Sintomas do herpes labial

O principal sinal do vírus HSV são as feridas e bolhas na boca, geralmente doloridos.

A contaminação ocorre pela saliva ou o contato com essas lesões, que podem demorar um pouco a se manifestar no infectado.

É importante lembrar o vírus do herpes se esconde entre as células nervosas, se reativando periodicamente – momentos de baixa imunidade, por exemplo, costumam ser acompanhado pela erupção das bolhas.

3.2. Tratamentos para herpes labial

O herpes labial, infelizmente, ainda não tem cura – mas é possível controlar o aparecimento das feridas com alguns cuidados e mudanças na rotina:- proteger bem a pele os lábios do sol;- evitar o estresse;- dormir bem;- manter uma dieta balanceada;- lavar bem as mãos antes e depois de mexer nas áreas lesionadas;

– evitar beijos e relações sexuais durante os surtos da doença.

Para as feridas, um dermatologista ainda pode indicar tratamentos com medicamentos e a suplementação ou o consumo de alimentos que contém o aminoácido lisina, que ajuda a prevenir os surtos.

5. O que é candidíase bucal ou oral? É diferente do sapinho?

A candidíase é a infecção fúngica mais comum na cavidade bucal e afeta, principalmente, as crianças. Nessa fase, ela também é conhecida como sapinho. O problema se manifesta por pequenas aftas esbranquiçadas na boca e na língua.

5.1. Sintomas da candidíase bucal

Além das manchas brancas, a candidíase também pode provocar ardência e dificuldades para engolir. Os sintomas aparecem, principalmente, nos momentos em que nosso organismo apresenta baixa imunidade. O uso prolongado de antibióticos, corticóides, imunosupressores também pode influenciar o aparecimento das lesões.

5.2. Tratamentos para candidíase bucal

O tratamento para a candidíase oral é feito com antifúngicos, mas pode necessitar de alguns complementos dependendo da gravidade das lesões. É importante consultar um estomatologista para ter as soluções mais adequadas para seu caso!

6. Tenho uma ferida ou lesão que não some, o que devo fazer?

Você esperou um tempinho, depois um pouco mais e, mesmo assim, nada da ferida chata e incômoda sumir. Nessa situação, o primeiro passo sempre deve ser consultar um profissional de confiança. Ele irá examinar as feridas e sua gravidade, diagnosticar o problema e, se necessário, te encaminhar para um especialista.

Источник: https://www.sorrisologia.com.br/noticia/feridas-e-lesoes-na-boca-quais-sao-as-mais-comuns-por-que-acontecem-sintomas-e-como-tratar-cada-uma_a9194/1

Veja os 5 problemas na língua mais comuns e suas causas

O que pode ser e como tratar a ferida na boca

A língua é um músculo muito importante para o funcionamento correto do corpo humano. É por meio dela que podemos sentir o sabor de nossas comidas preferidas, conversar com os amigos e digerir os alimentos corretamente. Entretanto, essa parte do corpo também sofre com problemas e doenças e, para mantê-la saudável, é preciso ficar atento a alguns cuidados.

Além de doenças específicas no músculo, a língua também pode sinalizar outros problemas triviais como febre, anemias, gastrite e diabetes. Por isso, é necessário dar atenção à sua aparência e textura para identificar sinais estranhos e alterações.

Neste post, vamos apresentar a você os problemas na língua mais comuns, suas causas, como tratar e as melhores formas de prevenção. Quer entender melhor o assunto? Então confira na leitura!

1. Língua pilosa

A língua pilosa não é um problema grave. Ela acontece quando existe um acúmulo de ceratina, fungos ou bactérias nas papilas gustativas, que ficam mais alongadas, dando uma aparência de pelos na língua. Esse tipo de alteração pode estar associado ao escurecimento das papilas, também conhecido como língua pilosa negra.

O problema pode ser causado por má higiene, tabagismo, infecções e reação adversa a alguns medicamentos. Seu tratamento é simples, sendo necessário apenas focar na higiene bucal, suspender o uso de tabaco e consultar um médico para substituir medicamentos, caso essa seja a causa.

Melhorando a higiene da língua, os sintomas devem desaparecer após uma semana. No entanto, caso persistam, procure um estomatologista para verificar a necessidade de recorrer a medicamentos antifúngicos ou antibióticos.

2. Afta

A afta é outro problema bastante comum, que afeta tanto a língua, quanto a boca por completo. É caracterizada por pequenas lesões arredondadas que causam muita dor e, muitas vezes, dificultam a alimentação e a fala. Seu aparecimento pode estar relacionado a fatores como:

  • consumo de alimentos cítricos como abacaxi e limão;
  • alteração do pH da boca, causado pela má digestão;
  • carência de vitaminas;
  • mordida na língua;
  • alergias alimentares;
  • estresse;
  • doenças autoimunes;
  • uso de aparelho.

Normalmente, as aftas desaparecem de forma espontânea após 7 ou 10 dias, sem deixar cicatrizes.

Durante esses dias, algumas dicas podem ajudar a lidar com o desconforto. É útil, por exemplo, aplicar uma pedra de gelo diretamente sobre a lesão para anestesiar e utilizar um enxaguante bucal sem álcool com regularidade para eliminar os germes, melhorando a cicatrização.

3. Macroglossia

Pacientes com macroglossia apresentam aumento das dimensões da língua, podendo sofrer com dificuldades na respiração, fala, mastigação e lacerações devido ao constante trauma dos dentes com a borda do músculo.

A condição, mais frequente em crianças e adultos jovens, pode estar associada a vários fatores como:

  • tumores na língua;
  • más-formações congênitas;
  • síndrome de Down;
  • alergias;
  • diabetes neonatal;
  • disfunções da glândula tireoide.

O diagnóstico é feito por exame clínico e investigação de outras doenças associadas ao problema. Já o tratamento depende da gravidade do caso. Casos muito brandos não exigem nenhum tratamento, enquanto outros, mais graves, podem demandar aparelhos ortodônticos e até cirurgias.

4. Sapinho

O sapinho ou candidíase oral é uma doença caracterizada pelo surgimento de placas esbranquiçadas na língua e interior da boca, vermelhidão, sensação de ardência e sabor desagradável. Ela ocorre devido a uma infecção causada por fungos e não é contagiosa.

Alguns fatores como falta de higiene, fumo e uso de medicamentos podem favorecer o desenvolvimento da doença.

No entanto, alguns grupos de pessoas são mais suscetíveis ao problema. É o caso de bebês recém-nascidos, usuários de drogas, pessoas em tratamento com antibióticos, com alimentação inadequada ou sistema imunológico debilitado (caso, por exemplo, de pacientes com HIV e transplantados).

O tratamento é feito com remédios antifúngicos em forma de gel ou creme aplicados de forma tópica. Após o início do tratamento, os sintomas devem desaparecer em duas semanas. No caso do sapinho causado por medicamentos, é preciso conversas com seu médico para verificar a possibilidade de mudar a dosagem ou substituir a medicação.

Apesar de ser uma doença que não causa grandes complicações, é preciso ficar atento quando a candidíase oral acontece em bebês. Isso porque a infecção pode gerar dificuldades na ingestão de alimentos, levando a perda de peso e prejudicando a saúde. Portanto, caso note os sintomas, é preciso procurar um médico para evitar outros danos.

>>Fique por dentro dos principais benefícios da ortodontia preventiva! Clieque aqui

5. Câncer bucal

Mais grave que os anteriores, o câncer bucal também é um problema que pode afetar essa parte da boca. É mais frequente em homens com mais de 40 anos e tem como principais fatores de risco o consumo excessivo de álcool e fumo, combinados.

Esse tipo de câncer pode ser fatal, caso não seja diagnosticado de maneira precoce, e nem sempre é possível identificar os primeiros sinais. Entre os sintomas, estão:

  • feridas e lesões em todo o interior da boca que não apresentam melhora;
  • dificuldade de mastigar e engolir;
  • caroços ou inchaços na bochecha;
  • falta de sensibilidade ou sensação de dormência;
  • manchas brancas ou vermelhas;
  • dor sem motivo aparente;
  • mudança na voz.

Apesar de, muitas vezes, os sinais passarem batidos, o dentista está apto a detectar os primeiros sintomas do câncer, por isso, caso note alguma alteração, é preciso que você relate ao profissional.

Após o diagnóstico da doença, uma equipe, incluindo o cirurgião dentista, desenvolverá um plano de tratamento que consiste em cirurgia, seguida de radioterapia ou quimioterapia. Durante o tratamento, é necessário manter a saúde bucal, evitar o fumo, o álcool e o consumo de alimentos ásperos e secos.

Nossa língua, assim como todo o corpo, também está passível de sofrer com doenças. No entanto, para prevenir a maioria delas, basta manter uma boa higiene bucal e evitar maus hábitos como o fumo. Não esqueça que a língua também deve ser escovada para complementar a limpeza dos dentes e faça isso de maneira suave, com movimentos para trás e para frente.

Visitar um dentista com regularidade também é fundamental para garantir a saúde da sua boca e, assim, evitar problemas que podem gerar transtornos. Ao notar qualquer alteração na aparência e textura da língua, não hesite em procurar um profissional qualificado.

Você já conhecia alguma dessas doenças? Como são os seus hábitos de higiene bucal? Fale um pouco a respeito nos comentários!

Источник: https://blog.odontocompany.com/veja-os-5-problemas-na-lingua-mais-comuns-e-suas-causas/

Ferida na boca: descubra as causas e como tratar!

O que pode ser e como tratar a ferida na boca
6 minutos para ler

Quase todo mundo já teve algum tipo de ferida na boca, sendo esse um problema comum ao longo da vida. Tais lesões podem aparecer em qualquer um dos tecidos moles da região, incluindo lábios, bochechas, gengivas, língua, o piso e o céu da boca. Também pode-se desenvolver feridas no início do esôfago, o tubo que leva ao estômago.

Se você está sofrendo desse problema e tem dúvida sobre se deveria ou não buscar ajudar, leia este post! Nele, explicamos um pouco sobre as feridas na boca, suas causas e como cuidar e também mostramos por que é importante tratar delas. Boa leitura!

Sintomas de ferida na boca

Na maioria dos casos, as feridas na boca causam vermelhidão, inchaço e dor, principalmente quando algo toca a região. Elas também geram uma sensação de queimação ou formigamento ao redor da área afetada. A depender do tamanho, gravidade e localização, dificultam comer, beber, engolir, conversar e até respirar. As feridas também podem desenvolver bolhas, manchas e sangramentos.

Em casos de complicações ou em situações mais graves, os seguintes sintomas podem surgir:

  • lesões com mais de 1 centímetro de diâmetro;
  • surtos frequentes de feridas na boca;
  • erupções cutâneas;
  • dores nas articulações;
  • febre;
  • diarreia.

Causas das feridas

Diferentes condições podem provocar feridas na boca, desde machucados devido ao uso deaparelho fixo até determinadas doenças. Conheça algumas das causas possíveis!

Herpes

Surge com uma bolha vermelha, dolorosa e cheia de líquido perto dos lábios. O local afetado costuma formigar ou queimar antes de a ferida se tornar visível. Os surtos também podem ser acompanhados por sintomas leves, semelhantes aos da gripe, como febre baixa, dores no corpo e linfonodos inchados.

Aftas

Muito conhecidas, as aftas são pequenas úlceras dolorosas, de formato oval, que costumam aparecer na parte interna da boca, tendo cor vermelha, branca ou amarelada. Elas, geralmente, são inofensivas e se curam sozinhas em algumas semanas.

Todavia, úlceras recorrentes podem ser um sinal de outras enfermidades, como doenças de Crohn ou celíaca, deficiência de vitaminas e HIV.

Estomatite herpética

A estomatite herpética é uma infecção comum, frequentemente observada em crianças. Produz feridas nas gengivas ou no interior das bochechas. Similares às aftas, são acinzentadas ou amareladas por fora e vermelhas no centro.

Também causa sintomas leves, semelhantes aos da gripe. Pode levar ao excesso de saliva,mau hálito e dor ao mastigar.

Candidíase oral

Forma pequenas úlceras dolorosas, de formato oval, na parte interna da boca, de cor vermelha, branca ou amarela. Afeta, principalmente, pessoas com o sistema imune debilitado ou com risco para o crescimento de fungos, como utilização de prótese dentária e máhigiene bucal.

Úlceras recorrentes podem ser um sinal de outras enfermidades, como doença de Crohn ou celíaca, deficiência de vitaminas e HIV.

Doença de mão, pé e boca

É uma doença contagiosa que geralmente afeta crianças menores de 5 anos. Seus sintomas incluem bolhas dolorosas e vermelhas na boca, língua e gengivas. Também ocorrem manchas vermelhas planas ou elevadas localizadas nas palmas das mãos e nas solas dos pés. Ainda podem aparecer manchas nas nádegas ou na área genital.

Gengivite

Quando a gengiva inflama, as bactérias na placa acumulam-se na região. A gengivite é uma das principaisdoenças da gengiva. Os sintomas incluem vermelhidão, inchaço e sangramento.

A higiene bucal adequada pode ajudar a prevenir doenças periodontais. Cigarro, má alimentação e estresse tendem a piorar a situação.

Líquen plano bucal

O líquen plano é uma doença inflamatória que provoca o surgimento de lesões brancas ou avermelhadas. A causa é desconhecida, mas, normalmente, não precisa de tratamento. Em caso de dor ou úlceras, pode ser tratado com medicação oral e tópica.

Leucoplasia

A leucoplasia causa placas brancas e grossas na língua e no revestimento da boca que podem estar elevadas, duras ou espessas. É mais comumente vista em fumantes.

Geralmente, é um problema inofensivo, que desaparece por conta própria; entretanto, casos mais graves podem estar relacionados ao câncer oral. Uma boaassistência odontológica pode avaliar e ajudar a prevenir recorrências.

Língua preta

Essa condição indolor ocorre quando as pequenas elevações da língua crescem, e as bactérias que vivem na boca ficam presas — deixando o local preto e, às vezes, com aparência peluda. Entre as causas, estão uso de antibióticos, falta de higiene oral, tabagismo, consumo excessivo de chá ou café ou produção insuficiente de saliva.

A escovação correta e o uso de um raspador de língua geralmente são tudo de que você precisa para tratá-la, embora, algumas vezes, seja necessário tomar medicamentos.

Câncer de boca

Esse câncer afeta qualquer parte da boca ou da cavidade oral, incluindo lábios, bochechas, dentes, gengivas, frente da língua, teto e assoalho da boca. Os principais sinais são úlceras — manchas brancas ou vermelhas — que não cicatrizam. Perda de peso,sangramento na gengiva, dor no ouvido e gânglios linfáticos inchados no pescoço são outros sintomas.

As causas podem incluir tabagismo, excesso de álcool, superexposição ao sol e histórico familiar. Também tem sido associado ao papilomavírus humano, ou HPV. O câncer bucal detectado precocemente é tratável e, normalmente, curável.

Como cuidar

Pequenas feridas, normalmente, desaparecem dentro de 10 a 14 dias, mas podem durar até 4 semanas. Algumas soluções caseiras simples ajudam a reduzir a dor e acelerar o processo de cicatrização, como:

  • evitar alimentos quentes, condimentados, salgados, cítricos e com alto teor de açúcar;
  • evitar tocar ou apertar as feridas e bolhas;
  • aplicar uma pasta fina de bicarbonato de sódio e água;
  • evitar tabaco e álcool.

Importância de buscar ajuda

Normalmente, sozinhos, conseguimos identificar uma ferida na boca. Todavia, ao visitar um dentista de confiança, ele fará uma avaliação detalhada e, se necessário, prescreverá medicamentos para dor ou anti-inflamatórios. 

Durante a visita, o profissional realizará um exame completo da sua boca, língua e lábios. Caso as lesões sejam em decorrência de uma infecção viral, bacteriana ou fúngica, depois do diagnóstico, que poderá ou não depender de exames, ele fornecerá recomendações para tratar o problema.

Como você viu, existem muitas causas para as feridas na boca. Quando surgem, geralmente, são dolorosas e podem dificultar as atividades cotidianas, como escovar os dentes e comer. Felizmente, na maioria das vezes, desaparecem sozinhas, mas é possível que demandem tratamento médico.

Gostou do post? Leia, também, nosso texto sobresaúde dos dentes e como ela afeta a saúde geral do organismo.

Источник: https://blog.goldencross.com.br/ferida-na-boca/

Aftas na Boca e na Língua – Causas e tratamento

O que pode ser e como tratar a ferida na boca

A afta, também chamada de úlcera aftosa ou estomatite aftoide, é uma pequena úlcera que pode surgir em praticamente qualquer ponto da cavidade oral: língua, lábios, gengiva, garganta, úvula, etc. São lesões ovais, esbranquiçadas (às vezes amareladas), rasas e limpas, ou seja, não apresentam pus, bactérias ou outros sinais de infecção. Podem ser únicas ou múltiplas, pequenas ou grandes.

As aftas são muito dolorosas e frequentemente atrapalham atividades simples, tais como falar, comer e beijar. Felizmente, as lesões são benignas e não costumam causar maiores problemas além desse desconforto.

Porém, algumas doenças mais graves da cavidade oral podem se manifestar com lesões ulceradas muito semelhantes, o que pode causar alguma confusão.

Um exemplo é o câncer da cavidade oral, que nas fases inicias pode se parecer com uma afta.

Todo mundo já teve pelo menos uma afta ao longo da vida e 20% da população sofre com aftas recorrentes. São mais comuns em pré-adolescentes, adolescentes e adultos jovens, tendendo a diminuir sua incidência com o passar do anos.

A maioria das aftas dura, em média, de uma a duas semanas e costuma curar sem deixar cicatriz. As aftas que demoram mais tempo para curar são aquelas que surgem em locais onde há contato constante com os dentes ou com alimentos, sofrendo traumatismos repetidos ao longo do dia.

Algumas pessoas apresentam aftas grandes, chamadas de aftas major, maiores que 1 cm e profundas. Estas demoram até seis semanas para desaparecer e podem deixar cicatriz.

Existe ainda a afta herpetiforme, formada por múltiplas úlceras pequenas que se juntam e transformam-se em uma lesão grande.

 Estas aftas podem vir acompanhadas de linfonodos no pescoço (ínguas) e, por vezes, de febre baixa e mal estar.

Por maior e mais numerosas que sejam, as aftas não costumam provocar mau hálito.

Se você não sabe diferenciar uma afta de uma lesão provocada pelo herpes labial, leia o seguinte artigo: DIFERENÇAS ENTRE AFTA E HERPES LABIAL

Causas

As aftas não são contagiosas, mas as suas causas não estão completamente esclarecidas. Parecem ser provocadas por desbalanços no sistema imune. Alguns dos gatilhos conhecidos são:

  • Traumas locais, como mordidas acidentais.
  • Estresse psicológico.
  • Poucas horas de sono.
  • Helicobacter pylori, a mesma bactéria que causa úlcera gástrica.
  • Algumas pastas de dentes que contenham sódio-lauril-sulfato.
  • Refluxo gastroesofágico.
  • Comidas, como chocolate, café, refrigerantes, tomate e abacaxi.
  • Cigarro.
  • Alterações hormonais durante o ciclo menstrual.
  • Deficiência de algumas vitaminas e minerais, tais como vitamina B12, vitamina C, zinco, ferro ou ácido fólico.
  • Medicamentos: anti-inflamatórios, rapamicina, captopril, metotrexato, aspirina e atenolol.

Duas aftas no lábio inferior provocadas por traumatismo (mordida acidental)

Algumas pessoas que tenham o costume de deitar pouco tempo depois da última refeição, podem apresentar aftas recorrentes. Este fato provavelmente está relacionado a algum grau de refluxo gastroesofágico, que leva ao aumento da acidez da cavidade oral. As aftas costumam aparecer um ou dois dias depois, fazendo com que os pacientes, muitas vezes, não relacionem um fato ao outro.

Uma predisposição genética para o desenvolvimento das aftas recorrentes é fortemente sugerida pelo fato de 40% dos pacientes terem histórico familiar positivo, com aftas frequentes desde a infância.

Tratamento

Não existe remédio milagroso para afta. Nenhuma substância cura a úlcera de um dia para o outro. Como a afta costuma durar até duas semanas, os tratamentos atuais visam acelerar o processo de cicatrização da lesão.

É importante distinguir as pomadas que contenham apenas anestésicos, que servem apenas para alívio sintomáticos, daquelas com corticoides e anti-inflamatórios em sua fórmula, que efetivamente podem acelerar a cicatrização.

Remédios para afta

Os dois medicamentos mais usados para acelerar a cicatrização das aftas são:

  • Amlexanox (Aphthasol® ou Aftaid®).
  • Acetonido de triancinolona (OMCILON- A ®).

O Amlexanox é o que tem apresentado os melhores resultados nos trabalhos científicos. Infelizmente, até a última atualização deste artigo, eu não encontrei nenhuma farmácia que vendesse o Amlexanox no Brasil. Aparentemente, o medicamento ainda não está disponível no país. Em Portugal, o medicamento já está à disposição e é vendido sob o nome comercial Aftaid.

A cauterização da afta com nitrato de prata é uma outra opção capaz de reduzir a dor que a lesão provoca.

Todos os outros remédios vendidos nas farmácias contra aftas são basicamente uma variação de anestésicos tópicos com bicarbonato e antibióticos.

Os fármacos que têm anestésicos, como lidocaína, benzocaína ou procaína, podem ajudar, pois eles conseguem eliminar a dor temporariamente, o que pode ser útil para os pacientes cujas aftas causam dificuldade para comer.

Tratamento caseiro

Na Internet é muito fácil achar inúmeras receitas caseiras para tratar as aftas. Deve-se ter cuidado com o que se aplica na lesão para não aumentar a inflamação e piorar o quadro.

O problema dos tratamentos caseiros é que boa parte deles nunca foi estudada em trabalhos científicos, não tendo, portanto, nenhuma comprovação científica da sua eficácia ou segurança.

Algumas opções aceitáveis são:

  • Bochechar solução feita com uma colher de leite de magnésia ou bicarbonato de sódio diluído em um copo de água.
  • Diluir água oxigenada em água comum e aplicar com cotonete diretamente na afta.
  • Misturar Difenidramina (Benadryl®) com leite de magnésia e bochechar.

Evite contato direto de substâncias abrasivas puras, como álcool, sal ou bicarbonato em pó.

Enxaguantes bucais com álcool também podem irritar a afta e piorar o quadro. Quando usar diluições para bochechos, sempre cuspa o líquido no final, nunca o engula.

Pasta de dente não servem para tratar as aftas e ainda podem piorá-las, pois várias marcas contém sódio-lauril-sulfato.

Quando se preocupar com uma afta?

Apesar de benigna na imensa maioria dos casos, a afta pode ser uma manifestação de doenças sistêmicas ou pode ser confundida com lesões graves, como neoplasias da cavidade oral.

Uma consulta com o dentista ou médico estomatologista deve ser avaliada quando:

  • A afta for excepcionalmente grande.
  • As aftas forem recorrentes, com surgimentos de novas lesões logo após a cicatrização das primeiras.
  • A afta demorar mais de três semanas para cicatrizar.
  • Houver sinais de infecção na área da afta.
  • Houver sintomas sistêmicos, ou seja: febre, cansaço, mal-estar, perda de peso, perda do apetite ou qualquer outro sintoma que sugira a presença de alguma doença por trás das aftas.
  • Houver úlceras também nos órgãos genitais.

Quais são as doenças que cursam com aftas ou lesões semelhantes?

Normalmente, as úlceras orais causadas por doenças sistêmicas são múltiplas e recorrentes. Elas costumam ter algumas características diferentes das aftas comuns e surgem acompanhados de outros sintomas. Alguns exemplos:

  • Nos pacientes com lúpus, as aftas costumam ser indolores e vêm acompanhadas de lesões de pele e dores nas articulações, além de alguns sintomas sistêmicos, tais como febre baixa e cansaço.
  • Na doença de Behcet, que também é uma doença autoimune, as aftas são múltiplas, recorrentes e costumam vir acompanhadas de úlceras nos órgãos genitais. Na doença de Behçet também é comum haver lesões nos olhos.
  • Na doença celíaca e na doença de Crohn, as aftas vêm em conjunto com sintomas intestinais, tais como diarreia e sangue nas fezes.
  • A neutropenia, que é a queda no número de neutrófilos (um tipo de glóbulo branco) no sangue, também é uma causa de úlceras orais. Normalmente, a neutropenia surge como efeito colateral da quimioterapia, mas ela pode ocorrer em algumas doenças que ataquem o sistema imunológico.
  • Alguns cânceres da cavidade oral podem se apresentar como ulcerações, sendo inicialmente confundidos com aftas comuns. Por isso, toda afta que demora a cicatrizar deve ser avaliada por um médico, principalmente se o paciente for fumante.

Várias infecções podem causar úlceras orais semelhantes às aftas, são alguns exemplos:

  • O vírus HIV pode causar úlceras orais em fases avançadas da doença, quando já há critérios para AIDS, mas também na fase aguda da infecção pelo vírus.
  • A infecção pelo Coxsackie virus (herpangina), muito comum em crianças, pode cursar com dores de garganta, febre, pequenas úlceras orais e lesões nas palmas das mãos e plantas dos pés.
  • A sífilis, tanto a fase primária como a secundária, pode cursar com úlceras orais. Normalmente, as aftas são múltiplas e demoram a cicatrizar.
  • O herpes labial apresenta-se como vesículas que podem virar pequenas úlceras após romperem-se. O aspecto não é muito parecido com afta, mas pode ser confundido por leigos. Apesar de ter lesões semelhantes, o herpes e a afta são duas doenças diferentes, com etiologias e tratamentos distintos.

Múltiplas aftas – pensar em causas secundárias

Dúvidas mais comuns

1. Tenho aftas recorrentes, isso significa que tenho alguma doença? 

Não. Até 20% da população sofre com aftas recorrentes sem que isso indique a presença de outra doença.

2. Todo mundo que costuma ter aftas apresenta problemas no estômago?

Não. Na verdade, apenas um pequena parte destas pessoas possui algum problema gástrico.

3. Estou com uma grande afta na boca e notei um gânglio aumentado no meu pescoço. Uma coisa está relacionada com a outra?

Pode estar. A presença de lesões na cavidade oral podem ser a causa de linfonodos aumentados no pescoço. O mesmo raciocínio vale para lesões na face e no couro cabeludo.

4. Toda vez que eu acidentalmente mordo meus lábios ou língua surge uma afta. Isto é normal?

Sim. Trauma na cavidade oral é uma das principais causas de aftas.

5. Ouvi falar que colocar bicarbonato na afta ajuda a cicatrizar a lesão. Isto procede?

Sim e não. Deve-se evitar colocar o bicarbonato em pó diretamente sobre a afta, pois isto pode causar irritação e aumentar a inflamação. Porém, bochechar com uma colher de chá de bicarbonato diluído em um copo de água é um dos tratamentos caseiros sugeridos.

6. Quais são os alimentos que devem ser evitados quando há um afta ativa?

Comidas ácidas, como sucos cítricos e refrigerantes, comidas com muito sal, condimento ou apimentadas. Procure também evitar alimentos muito duros que possam ferir e irritar ainda mais a afta enquanto se mastiga.

7. Passar pó Royal na afta ajuda a cicatrizá-la?

Não. Pelo contrário.

8. Passar pasta de dente na afta ajuda a cicatrizá-la?

Não. Na verdade, alguns tipos de pasta de dente podem até piorar as lesões.

9. Furar a afta com uma agulha ajuda na cicatrização

Não e pode piorar a situação.

10. Sempre que eu como abacaxi, tenho aftas. Isto faz sentido?

Pode ser que sim. Algumas pessoas têm uma espécie de alergia a certos alimentos, fazendo com que desenvolvam aftas. Os mais citados são noz, avelã, canela, abacaxi e outras frutas cítricas.

11. Afta pode causar febre?

Pode, mas nesses casos é sempre indicada uma avaliação médica para descartar outras causas, uma vez que a imensa maioria das aftas não causa febre.

12. Sempre que eu durmo de barriga cheia apareço com uma afta nos dias seguintes. Isto faz sentido?

Sim. Pessoas que têm refluxo gastroesofágico apresentam piora do quadro se deitarem logo após a alimentação. Isto pode aumentar a acidez da boca e provocar aftas.

13. A bactéria H.pylori pode causar aftas?

Sim.

14. A afta é transmitida pelo beijo? 

Não. Afta não é uma doença transmissível. Porém, algumas doenças infecciosas, como a sífilis, podem provocar úlceras orais contagiosas.

15. Estresse pode causar aftas?

Sim. É uma causa comum.

16. Quantos dias costuma durar uma afta?

Em média, 7 dias.

17. A presença de afta na boca aumenta o risco de transmissão de doenças sexualmente transmissíveis durante o sexo oral?

Teoricamente sim, porém, não há trabalhos que demonstrem efetivamente qual é o verdadeiro risco.

18. Uma afta pode ser confundida com herpes labial?

Não por médicos. As lesões costumam ser bem diferentes. Se você tem dúvidas em relação às diferenças da afta e do herpes labial, sugerimos a leitura do texto: Diferenças entre afta e herpes labial.

19. Fumar causa afta?

Sim, o cigarro favorece o aparecimento das aftas na boca e na língua. Algumas pessoas também têm aftas logo após parar de fumar, devido ao estresse que passam nos primeiros dias sem o cigarro.

20. Afta pode virar câncer?

Não. Porém, alguns cânceres de boca podem se manifestar como úlceras orais, semelhantes a aftas, que não cicatrizam.

Referências bibliográficas:

Источник: https://www.mdsaude.com/gastroenterologia/aftas-na-boca/

Bicarbonato de sódio cura afta? Entenda o que é e como tratar a lesão

O que pode ser e como tratar a ferida na boca

É só reclamar que uma dessas lesões doloridas apareceu na boca e logo surge alguém com o conselho: “passa bicarbonato de sódio!”.

Mas será que esse é mesmo um bom remédio para curar aftas? “De maneira geral, é melhor evitar receitas caseiras, que podem acabar queimando a mucosa bucal“, fala Denise Abranches, coordenadora do serviço de odontologia do Hospital São Paulo e professora da Unifesp.

A substância pode até aliviar a dor instantaneamente, mas depois ela tende a voltar mais forte. “Se a afta incomodar muito, seu dentista pode indicar um corticoide tópico. Caso o problema seja recorrente, pode ser o caso de usar um corticoide oral, mas cada caso deve ser avaliado individualmente”, complementa.

VEJA TAMBÉM:

Leite de magnésia e iogurte natural, que também costumam ser apontados como salva-vidas nessas horas, têm efeito semelhante ao do bicarbonato, ou seja, não são eficazes contra afta.

Usar sal, ainda que diluído em água para fazer bochecho, só vai levar o machucado a doer mais, sem curá-lo.

 Evite passar o dedo e nem pense em usar objetos pontiagudos ou cortantes na afta, que podem contaminar o local e piorar o problema.

Para evitar o aparecimento dessas feridas, o melhor é evitar alimentos muito condimentados ou cítricos e manter uma boa higiene bucal. Para o caso de aftas já existentes, o correto é esperar o processo natural de cicatrização da ferida, que pode demorar de cinco dias a duas semanas. Entenda mais sobre o que causa e como tratar esse incômodo.

O que é a afta?

Uma lesão dolorida, esbranquiçada e com a borda avermelhada, que se forma na mucosa da boca. Elas aparecem principalmente na língua, na gengiva, no céu da boca e na parte interna dos lábios e da bochecha.

 Algumas doenças que se desenvolvem na língua, na bochecha, nos lábios e na gengiva podem ser inicialmente confundidas com aftas, como é o caso da estomatite herpética (associada ao herpes), da mucosite oral (que acomete pacientes em tratamento oncológico) e do câncer de boca.

Por isso é importante procurar um dentista se a lesão for muito dolorida, recorrente ou durar mais de duas semanas para cicatrizar.

O que causa a lesão?

Não se sabe exatamente, mas é notável que o aparecimento de aftas está relacionado a alterações no sistema imunológico, mudanças hormonais, refluxo gastroesofágico e estresse.

Alguns alimentos e medicamentos também têm relação com o aumento de ocorrência das feridas, além de deficiências nutricionais como de ferro e de vitamina B12. Pessoas que param de fumar também podem ter mais lesões, já que o cigarro contém substâncias que inibem o desenvolvimento delas.

Além disso, pequenos traumas, como quando você morde a bochecha ou a língua sem querer ou machuca a gengiva enquanto escova os dentes, podem desencadear o problema.

Abacaxi provoca afta?

Para algumas pessoas, sim, comer a fruta é sinônimo de ter afta. Isso não ocorre por causa da acidez do abacaxi, mas devido à presença da enzima bromelina, que ajuda na digestão de proteínas e pode causar essas lesões na boca de quem apresenta mais sensibilidade à substância.

Em quanto tempo a ferida desaparece?

Em geral, sem nenhum tratamento, entre cinco dias e duas semanas, sem deixar cicatriz. Caso a dor permaneça por mais de 15 dias, é recomendável procurar um dentista para uma avaliação detalhada, já que a afta pode ser sintoma de outras doenças.

É normal ter aftas frequentes?

Se você percebe que essas lesões aparecem em intervalos curtos, incomodam bastante ou duram muito tempo para cicatrizar, vale a pena consultar um dentista para que investigue as causas. Apresentar muitas lesões ao mesmo tempo também pode ser um sinal de alerta para outras enfermidades.

Como tratar?

O principal cuidado é manter uma boa higiene bucal e evitar alimentos cítricos, quentes, ásperos, crocantes, muito condimentados ou com alta concentração de sal, que costumam piorar o incômodo. De modo geral, isso é suficiente para que a afta desapareça em pouco tempo.

 Nos casos em que a lesão é muito dolorida, o dentista pode receitar pomadas ou remédios específicos. Há, ainda, a opção de tratamento com laser, que é rápido e indolor.

Na Unifesp, por exemplo, essa terapia é oferecida gratuitamente e recomendada para pacientes com imunidade debilitada por conta de tratamentos de saúde como a quimioterapia.

É possível prevenir as aftas?

Como elas são bastante frequentes em situações de baixa imunidade, a recomendação é manter uma boa alimentação e, sempre que possível, evitar situações de estresse. Durante a escovação dos dentes, prefira uma escova com cerdas macias.

Evite alimentos muito quentes ou duros, que podem machucar o interior da boca, assim como ficar mordendo as bochechas. Quem usa dentadura deve cuidar para fazer ajustes a fim de evitar que a peça provoque lesões.

Obturações ásperas, que raspam na bochecha, também precisam ser consertadas. 

Fontes: Denise Abranches, coordenadora do serviço de odontologia do Hospital São Paulo e professora da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo); e Beatriz Bussab, cirurgiã-dentista da Clínica Dental Saúde; com recomendações do Ministério da Saúde e do NHS (serviço nacional de saúde do Reino Unido).

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
 ? Instagram ? 

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2018/10/04/bicarbonato-de-sodio-curaafta-entenda-como-tratar-a-lesao.htm

Úlceras orais: tratamentos e causas

O que pode ser e como tratar a ferida na boca

Úlceras orais são pequenas lesões que ocorrem na boca, no interior das bochechas ou na base das gengivas. Elas não são contagiosas e normalmente desaparecem dentro de até duas semanas, mas causam desconforto para comer, beber ou falar.

Tipos

Os principais tipos de úlceras orais são:

  • Úlceras menores: Com cerca de 2 a 8 milímetros de diâmetro e que levam de 10 a 14 dias para se curarem
  • Úlceras principais: Estas são maiores e mais profundas, muitas vezes com uma borda elevada ou irregular. Este tipo de úlcera pode levar várias semanas para curar e há o risco de deixarem uma cicatriz na boca
  • Úlceras herpetiforme: Este tipo de úlcera é um conjunto de dezenas de feridas menores do tamanho de cabeças de alfinete.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Causas

Não existe uma causa exata para as úlceras orais. Contudo, alguns fatores podem levar ao problema. São eles:

  • Lesões menores causadas por fio dental, escovar os dentes com força, morder a parte interna da bochecha e lesões por esportes
  • Pastas de dente ou enxaguantes bucais que contenham laurel sulfato de sódio
  • Sensibilidade a alimentos ácidos, como limão, abacaxi e outros
  • Resposta alérgica a bactérias da boca
  • Falta de vitaminas essenciais, como a vitamina B12
  • Mudanças hormonais devido ao ciclo menstrual
  • Estresse
  • Infecções bacteriana, virais ou fungicas.

As úlceras na boca também podem ser um sintoma de problemas mais graves e que requerem tratamento médico, são eles:

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

  • Doença celíaca
  • Doença inflamatório no intestino
  • Doença de Bechet
  • Problemas no sistema imunológico
  • HIV.

Ao parar de fumar as pessoas podem desenvolver as úlceras orais com maior frequência durante certo tempo. Alguns medicamentos, incluindo analgésicos comuns, beta-bloqueadores e alguns voltados para casos de dor no peito podem causar úlceras orais.

Fatores de risco

Mulheres e pessoas com histórico familiar de úlceras orais correm mais risco de desenvolver o problema.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Sintomas de Úlceras orais

Alguns sintomas de que você tem úlceras orais são:

  • Ferida dolorosa dentro da boca, na língua, parte de trás do céu da boca ou bochechas
  • Feridas na boca que são redondas, brancas ou de cor cinza, com borda vermelha
  • Febre
  • Lentidão física
  • Inchaço nos gânglios linfáticos.

Buscando ajuda médica

Busque ajuda médica se a úlcera oral durar mais de três semanas, voltar com frequência, estiver muito grande, causar muita dor ou levar a uma febre alta.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar uma úlcera oral são:

  • Clínico geral
  • Cirurgião dentista
  • Gastroenterologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Há quanto tempo você tem a úlcera oral?
  • É a primeira vez que tem este problema?
  • Como são seus hábitos alimentares?
  • Você tem algum outro problema de saúde?
  • Você utiliza algum medicamento?

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Diagnóstico de Úlceras orais

O médico ou cirurgião dentista é capaz de diagnosticar as úlceras na boca somente com o exame visual. Caso elas sejam frequentes, a pessoa pode ser testada para outras condições.

Tratamento de Úlceras orais

As úlceras orais geralmente acabam sem necessidade de tratamento em até duas semanas. Contudo se a úlcera oral for persistente, dolorida ou grande algumas medidas podem ser tomadas:

  • Usar de bicabornato de sódio
  • Usar leite de magnésia na ferida
  • Usar benzocaína
  • Aplicar gelo no local
  • Usar enxaguatórios com esteroides
  • Usar pastas tópicas
  • Cauterização no local
  • Tomar suplementos nutricionais, se a causa for a carência de algum nutriente
  • Usar alguns remédios naturais como chá de camomila e alcaçuz.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Medicamentos para Úlceras orais

Uma úlcera oral pode ter diversas causas, de modo que o tratamento varia de acordo com o diagnóstico estabelecido pelo médico. Por isso, somente um especialista capacitado pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Os medicamentos mais comuns no tratamento de úlceras orais são:

Referências

Clínica Mayo

Источник: https://www.minhavida.com.br/saude/temas/ulceras-orais

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: