Para que serve a suplementação

Contents
  1. Glutamina não melhora imunidade e resultado do treino; conheça o suplemento
  2. O que é?
  3. Para que a glutamina é indicada?
  4. Como tomar glutamina?
  5. Quanto devo consumir?
  6. É melhor tomar antes ou depois do treino?
  7. Tem efeitos colaterais?
  8. Quem não pode tomar?
  9. Quais os perigos do excesso de glutamina?
  10. Glutamina melhora o resultado na musculação?
  11. Glutamina tem sabor? O gosto é ruim?
  12. Glutamina tem glúten?
  13. Tem açúcar ou carboidrato? Tem calorias?
  14. Faz emagrecer?
  15. Faz crescer ou cair cabelo?
  16. Glutamina engorda?
  17. Quem tem diabetes ou amamenta pode tomá-la?
  18. Suplementos alimentares: para que servem e quando tomar
  19. Suplementos alimentares para ganhar massa muscular
  20. Suplementos alimentares para emagrecer
  21. Suplementos mais populares:
  22. Suplementos podem substituir a alimentação?
  23. Cuidados necessárioscom suplementos alimentares
  24. Suplementos alimentares – os benefícios para a saúde
  25. O que são suplementos alimentares e para que servem?
  26. Quem pode tomar suplementos alimentares?
  27. As vantagens dos suplementos alimentares
  28. Probióticos
  29. Vitaminas
  30. Ferro
  31. Magnésio
  32. Cálcio
  33. Proteína
  34. O que é suplementação nutricional e para que serve?
  35. Afinal, o que é a suplementação nutricional?
  36. Como os suplementos foram criados?
  37. Qual a importância da suplementação nutricional?
  38. Para quem é indicado esse tipo de tratamento?
  39. Quais os riscos de suplementar sem um acompanhamento?
  40. Como deve ser feita uma boa suplementação?
  41. Complementa uma alimentação saudável
  42. Ajuda o processo de emagrecimento
  43. Contribui para a regulação hormonal
  44. Aumenta o ganho de massa muscular
  45. Aprimora o desempenho esportivo
  46. Como a farmácia de manipulação pode ajudar?

Glutamina não melhora imunidade e resultado do treino; conheça o suplemento

Para que serve a suplementação

A glutamina é um suplemento em alta entre os praticantes de atividades físicas. Basta passar um tempinho nas redes sociais para logo encontrar alguém falando sobre os “benefícios” do suplemento, que muitas vezes é um dos ingredientes do que essas pessoas batizaram de “shot da imunidade” —também composto por água morna, limão, própolis e o que mais a criatividade permitir.

Mas, apesar de estar na moda e muitas pessoas acreditarem que funciona, estudos mostram que a suplementação de glutamina, substância naturalmente produzida pelo organismo, pouco contribui para melhorar o desempenho físico ou a imunidade de pessoas saudáveis. Entenda melhor o que é a glutamina e em que casos o produto deve ser usado.

O que é?

A glutamina ou L-glutamina é o aminoácido mais abundante no corpo humano. Trata-se de uma das moléculas que forma a proteína necessária para nutrir e reparar tecidos diversos (pele, unha, músculos, órgãos).

Mas a substância também realiza várias outras funções no organismo. Para se ter ideia, ela promove o transporte de amônia e nitrogênio entre os tecidos, mantém o equilíbrio entre ácido/básico, além de contribuir para a absorção dos nutrientes e servir como fonte energética para as células do sistema imune presentes no intestino se multiplicarem.

Como grande parte da glutamina (cerca de 80%) é produzida pelo organismo, ela é classificada como um aminoácido não essencial. Já os outros 20% vêm da alimentação, por meio do consumo de proteínas (carne, frango, leite, ovo, leguminosas), garantindo quantidades necessárias para que todas essas funções sejam cumpridas.

Para que a glutamina é indicada?

Apesar de bastante procurada pela turma que pratica exercício físico devido à ideia de que ela potencializaria o sistema imunológico, o aumento de massa magra e o desempenho nos exercícios, não existem evidências científicas que confirmem esses benefícios para uma pessoa saudável ou mesmo esportistas de esportes de longa duração (como corrida, triatlo e ciclismo), em que a atividade física prolongada afeta a imunidade.

Um dos trabalhos que reforça isso é uma revisão de 25 pesquisas publicada no European Journal of Clinical Nutrition. A conclusão da análise mostra que suplementar a glutamina não melhora o sistema imunológico, nem a composição corporal de atletas e também não influencia no desempenho aeróbico.

Provavelmente, isso acontece por conta da produção suficiente dos estoques do aminoácido no organismo que corpo durante o período descanso, quando o corpo reestabelece suas funções.

Por outro lado, outros estudos mostram que o suplemento pode apresentar benefícios na imunidade de atletas com quadros de overtraining —quando há um excesso de treino maior do que o corpo consegue se recuperar. Mesmo assim, a glutamina apenas contribuiria para melhorar a resposta imunológica, mas não seria suficiente para devolver o atleta para as atividades.

A suplementação desse aminoácido também é indicada para pacientes com quadros de catabolismo severo (perda de massa magra), como acontece em pacientes com queimaduras graves, que realizaram cirurgias grandes ou têm alguns tipos de câncer. Nesses casos, a glutamina é ministrada no hospital via oral em doses elevadas ou endovenosa.

Como tomar glutamina?

Se você optar por consumir a glutamina mesmo sabendo que ela não traz benefícios para a prática esportiva e a melhora da imunidade em pessoas saudáveis, pode comprar o suplemento em pó ou em cápsulas. Ele pode ser consumido com água ou misturado a algum outro tipo de bebida, como sucos e isotônicos. Assim como qualquer suplemento, a glutamina deve ser ingerida sob orientação de um nutricionista.

Quanto devo consumir?

Devido à ausência de comprovação dos benefícios da glutamina para pessoas saudáveis, não existe uma recomendação diária definida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Por isso é importante consumi-la apenas sob recomendação de um profissional especializado, sendo que a dose indicada desse tipo de suplemento pode variar entre 5 g e 20 g por dia.

É melhor tomar antes ou depois do treino?

Alguns nutricionistas indicam consumir o suplemento após os exercícios ou à noite, momento em que o corpo vai trabalhar no reparo dos tecidos e na recuperação das diversas funções do organismo.

Tem efeitos colaterais?

Trabalhos publicados pela USP (Universidade de São Paulo) mostram que o consumo crônico de glutamina e em grandes doses pode levar a um quadro de resistência à insulina, que se assemelha à diabetes tipo 2.

Além disso, o consumo prolongado do suplemento pode diminuir a produção natural de glutamina pelo organismo, já que o corpo percebe que não precisa “gastar esforços” para fabricar a substância —mas essa produção volta ao normal um tempo após a suplementação ser interrompida.

Quem não pode tomar?

Por precaução, a Anvisa não recomenda o consumo de glutamina por menores de 18 anos, gestantes e mulheres que estão amamentando. Além disso, o suplemento não deve ser consumido por pessoas sedentárias, afinal, não há motivos para investir no suplemento caso seja um indivíduo saudável.

Quais os perigos do excesso de glutamina?

Além da possibilidade de desenvolver um quadro de resistência à insulina, consumir doses excedentes de glutamina pode levar à sobrecarga renal como qualquer outro suplemento de proteína. Daí a importância de se consultar com um nutricionista esportivo para avaliar a real necessidade de consumi-la.

Glutamina melhora o resultado na musculação?

Não. Como já falamos, até o momento nenhum estudo relevante mostrou que a glutamina aumenta o desempenho na atividade física.

Apesar de esse aminoácido participar do processo de síntese proteica que repara tecidos e leva à construção de fibras musculares, não há comprovação científica de que a suplementação do aminoácido otimize esse processo em pessoas saudáveis, nem contribui para o ganho de força ou para um melhor desempenho no esporte. Nesse caso, seria preferível aumentar o consumo de proteína, que agrega vários outros aminoácidos.

Glutamina tem sabor? O gosto é ruim?

Em geral, esse tipo de suplemento não possui sabor na forma isolada, permitindo que seja facilmente misturado a outras bebidas. No entanto, algumas marcas saborizam o produto para deixá-lo mais palatável.

Glutamina tem glúten?

Por se tratar de um aminoácido derivado da proteína, a glutamina não possui glúten. No entanto, ela pode sofrer contaminação cruzada caso seja processada em equipamentos que fabricam e embalam outros produtos com glúten. Por isso fique de olho nos rótulos.

Tem açúcar ou carboidrato? Tem calorias?

A glutamina na forma isolada não possui açúcar, nem carboidrato e, geralmente, é baixíssima em calorias. Mas, caso o fabricante acrescente sabor e açúcar para torná-la uma bebida mais agradável, com certeza esses números vão subir um pouco.

Faz emagrecer?

Esse aminoácido não tem função termogênica no organismo, ou seja, não acelera o metabolismo, nem a queima de gordura.

No entanto, pessoas que usaram o suplemento tiveram uma pequena redução de peso segundo a revisão de estudos publicada no European Journal of Clinical Nutrition, apesar de não terem sua composição corporal alterada, o que sugere que ocorreu uma perda tanto gordura quanto de massa magra. Dessa maneira, mais estudos precisam ser realizados para entender esse mecanismo. E o suplemento não deve ser consumido com a proposta de emagrecimento.

Faz crescer ou cair cabelo?

Não existe nenhuma relação entre o consumo de glutamina com possíveis efeitos nos fios de cabelo, seja para estimular seu crescimento ou acelerar o processo de queda.

Glutamina engorda?

Por se tratar de aminoácidos e não conter açúcar quando isolado, o suplemento de glutamina não soma caloria na sua dieta, portanto, não engorda. No entanto, seu consumo crônico e em doses altas pode levar a um quadro de resistência à insulina, deixando o corpo mais propenso a acumular gordura.

Quem tem diabetes ou amamenta pode tomá-la?

Pacientes com diabetes devem consultar um médico e um nutricionista antes de ingerir o suplemento, devido à possibilidade do seu consumo levar a um quadro resistência à insulina, que se assemelha ao diabetes tipo 2, o que poderia piorar o quadro.

Além disso, a Anvisa não recomenda que grávidas ou mulheres que amamentam consumam o suplemento.

Mas, em casos de gestantes com o sistema imunológico fragilizado isso pode ser reavaliado pelo corpo médico ou nutricionista, já que o suplemento funciona como nutriente para o sistema imune.

Fontes: João Felipe Mota, professor doutor da UFG (Universidade Federal de Goiás e coordenador do Labince (Laboratório de Investigação em Nutrição Clínica e Esportiva); Antonio Herbert Lancha Junior, coordenador do Laboratório de Nutrição e Metabolismo da Escola de Educação Física e Esporte da USP (Universidade de São Paulo); Matheus Meneguzzi Brambilla nutricionista especialista em nutrição esportiva, de São Paulo (SP).

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2020/02/26/glutamina-o-que-e-e-quando-tomar-o-suplemento-melhora-mesmo-a-imunidade.htm

Suplementos alimentares: para que servem e quando tomar

Para que serve a suplementação

Segundo os especialistas, isso é um erro, já que a suplementação causa efeitos a longo prazo, e não imediato. Por isso, vamos analisar cada tipo de produto e como eles devem ser consumidos.

Suplementos alimentares para ganhar massa muscular

Se o objetivo é ficar com mais músculos, o ideal mesmo é pegar no pesado. Não existe milagre. “Embora muitos suplementos falem do benefício de ganhar massa muscular, a única coisa que efetivamente aumenta os músculos é o treinamento.

Uma alimentação adequada para o pré e pós-treino é o suficiente para atingir essa meta”, explica. Consumir suplementos de proteína pode ajudar. Mas só quando existe uma deficiência do nutriente no organismo ou quando a pessoa não consegue adequar sua alimentação, por ocorrências do dia a dia, por exemplo.

Vale lembrar que só uma nutricionista pode fazer esse diagnóstico.

Já o personal trainer Ivaldo Larentis afirma que os suplementos também podem ser bem eficientes.

“Existem pessoas que não conseguem consumir a quantidade necessária de proteínas no dia a dia, seja por restrições alimentares ou pela falta de tempo, por isso que os suplementos, como o Whey Protein, podem apresentar resultados positivos”, diz o especialista. “Sempre que meus alunos apresentam dificuldade na hora de ganhar músculos, sugiro uma consulta a um nutricionista”, diz.

Suplementos alimentares para emagrecer

Alguns suplementos podem ajudar a acelerar o metabolismo do corpo, o que aumenta o processo de perda de peso.

“Alguns nutrientes, presentes em determinados suplementos, ajudam a acelerar o metabolismo, graças a quantidade de pó de guaraná ou cafeína, mas vale lembrar que essa mesmo substância exige moderação.

Consumida em excesso, pode levar a doenças graves”, explica a nutricionista Camila Garcia, da equipe do setor de Nutrição Preventiva do Hospital do Coração, de São Paulo.

Ainda assim, o tempo que cada pessoa leva para perder peso, mesmo com o adicional dos suplementos, depende exclusivamente da alimentação e da carga de exercícios que ela apresenta.

O Institute for Nutrition and Psychology da University of Göttingen Medical School, na Alemanha, afirma que existem diversos tipos de suplemento alimentar para emagrecer, que prometem perda de peso.

Porém, poucos desses suplementos foram submetidos a testes clínicos para determinar se eles realmente têm algum benefício e, por isso, os usuários não devem esperar grandes resultados.

O melhor, realmente, é focar esforços nos treinos e na reeducação alimentar para atingir seus objetivos.

Suplementos mais populares:

Whey Protein: O Whey protein é um suplemento proteico normalmente feito a base da proteína extraída do soro do leite. Este suplemento é utilizado para ganhar massa muscular.

Isto porque suas proteínas de alto valor biológico contribuem para a reparação do músculo, que sofre microlesões durante a prática de exercícios. Com a ajuda da proteína do Whey Protein, a fibra muscular é reparada e fica maior e mais forte.

Confira os benefícios, quantidade recomendada e como consumir o Whey Protein.

BCAA: O BCAA é formado por três aminoácidos essenciais que não são produzidos pelo organismo, são eles: L-Valina, L-Leucina e L-Isoleucina. Esses aminoácidos essenciais ajudam as células a produzirem proteínas.

Eles participam do processo de produção de energia durante a prática de atividade física, principalmente de exercícios de longa duração e, assim, evitam a fadiga central. Veja os benefícios e como tomar o BCAA.

Creatina: A creatina é um aminoácido e está presente tanto nos alimentos de origem animal quanto no organismo humano, que o produz. Suplementos de creatina são especialmente bons para praticantes de atividades físicas de alta intensidade. Veja para que serve, como tomar e efeitos colaterais da Creatina.

Suplemento vitamínico mineral (polivitamínicos, multivitamínicos)

Aliadas da boa saúde e do bom funcionamento do sistema imunológico, as vitaminas não podem faltar na dieta. Porém, segundo o IBGE, 98% da população brasileira não ingere a quantidade ideal de vitaminas por dia e 92% não come frutas com frequência.

Outro dado alarmante, divulgado pela Organização Mundial da Saúde, é de que mais de 190 milhões de pessoas sofrem com carência de vitamina A, o que pode causar cegueira, baixa imunidade e falta de proteção contra radicais livres – responsáveis pelo envelhecimento das células.

É muito comum pensarmos que nossa dieta está adequada e nosso organismo está 100%.

No entanto, existe a chamada fome oculta, uma síndrome que atinge muitas pessoas e é caracterizada por uma deficiência nutricional que não apresenta sintomas claros, mas que em longo prazo pode causar consequências à saúde.

Para evitar essa carência, é possível recorrer ao uso de suplementos de vitaminas e minerais, que oferecem complementação de uma série de nutrientes. Para aprofundar melhor este assunto tão delicado, o nutrólogo Roberto Navarro nos explicou:

Consideramos uma dose complementar de vitaminas e/ou minerais apenas uma pequena quantidade que completa aquilo que o paciente pode estar deixando de ingerir no dia a dia, por uma alimentação desequilibrada ou insuficiente.

Para compensar esta possível insuficiência de minerais e vitaminas numa alimentação desbalanceada surgiram polivitamínicos compostos por vários minerais e vitaminas, porém todos em doses pequenas, apenas para completar o que faltou na alimentação.

Vou dar exemplos de situações onde são indicados complementos, suplementos ou megadoses de vitaminas:

Indivíduos que fazem atividade física intensa e com frequência devem tomar doses suplementares de vitamina C (até 500 mg/dia), pois durante a atividade física intensa há produção endógena excessiva de radicais livres (estresse oxidativo) e deverá haver uma produção compensatória de enzimas antioxidantes, entrando aí a vitamina C com esta finalidade, já que a mesma é utilizada para a produção destas enzimas. Neste mesmo grupo de pessoas também pode ser interessante tomar doses complementares de vitaminas do grupo B, como tiamina, riboflavina, niacinamida, ácido pantotênico e piridoxina, pois todas elas são utilizadas intensamente pelas células na produção de energia, o que ocorre mais intensamente durante atividades físicas extenuantes.

Mulheres que pretendem engravidar devem fazer uso prévio de doses suplementares de ácido fólico (5 mg/dia) já alguns meses antes de iniciar a gestação, com orientação do ginecologista/obstetra, já que isto diminui o risco de malformação fetal. Já as gestantes devem fazer uso de suplementos de ferro para evitar a anemia durante a gestação, pois ficam vulneráveis à esta condição.

Vegetarianos estritos devem tomar doses complementares de vitamina B12 para evitar a carência a longo prazo deste nutriente.

Mulheres que entram na menopausa devem fazer uso de doses complementares de cálcio e vitamina D para diminuírem o risco de osteoporose.

Crianças que nascem de mães desnutridas ou em regiões de população de baixo nível econômico e endêmicas para deficiência de vitamina A devem receber injeção intramuscular de megadoses desta vitamina, para evitar deficiência imunológica e perda da visão dos recém nascidos.

Carências específicas de determinadas vitaminas ou minerais, por baixa ingesta, interação medicamentosa ou por doenças específicas devem ser avaliadas e tratadas após avaliação médica especializada.

Fica então claro, por tudo visto acima, que o uso de vitaminas e minerais deve ser orientado por profissionais especializados.

Doses complementares podem ser prescritas por nutricionistas e médicos, porém doses mais altas – suplementares ou megadoses – por serem consideradas doses medicamentosas, devem somente ser prescritas por médicos após avaliação individualizada de cada paciente, definindo a dose adequada, o tempo de uso e até mesmo respeitar as contraindicações, quando existirem, pelo risco de efeitos colaterais, como qualquer medicamento.

Suplementos podem substituir a alimentação?

Os suplementos têm vitaminas e proteínas que fazem bem para o coração, rins, fígado e músculos. Mesmo assim, eles não substituem a alimentação.

Os suplementos prontos e já industrializados se apresentam como uma saída segura e bem mais acessível para quem busca equilíbrio e melhora da imunidade corporal.

Um suplemento alimentar, por melhor que seja, jamais substituirá uma boa dieta alimentar ou um tratamento médico específico.

Afinal, como o próprio nome diz, suplemento é algo que existe para completar, portanto é um complemento alimentar, e nunca um substituto.

“Os suplementos funcionam como um complemento da alimentação.

Na maioria dos casos, são indicados para pessoas que apresentam uma carência muito grande de determinado nutriente”, explica a nutricionista Camila Garcia, da equipe do setor de Nutrição Preventiva do Hospital do Coração, de São Paulo. “Mas, em geral, uma alimentação equilibrada já faz esse papel, seja para prática de exercícios ou para o dia a dia.”

Mas, em alguns casos, eles precisam estar presentes. “Faz menos de um ano que comecei a fazer uso do suplemento BCAA. Ele protege meu sistema imunológico e ajuda a manter a massa muscular, graças à quantidade de vitaminas e proteínas. Minha alimentação é regulada, mas resolvi incrementar a dieta já que alguns nutrientes e vitaminas estavam apresentando queda”, afirma a nutricionista Camila.

Cuidados necessários com suplementos alimentares

Quando se busca uma suplementação alimentar, é importante saber a qualidade do que se está consumindo, assim como é importante saber escolher os alimentos que se vai consumir.

O uso ideal dos suplementos alimentares é consumi-los com indicação e dose correta, seja para complementar a falha na alimentação ou suplementar nos casos de necessidade nutricional aumentada. A dose e a recomendação devem ser prescritas por um médico ou nutricionista.

Um alerta também para os excessos, já que exagerar na dose pode trazer consequências ao organismo. No caso das proteínas, por exemplo, o exagero pode causar sobrecarga nos rins.

Источник: https://www.hcor.com.br/imprensa/noticias/suplementos-alimentares-para-que-servem-e-quando-tomar/

Suplementos alimentares – os benefícios para a saúde

Para que serve a suplementação

A suplementação, quando tomada de forma adequada, pode aumentar a imunidade e a sensação de bem-estar.

Num mundo ideal, uma alimentação variada e completa, aliada a um estilo de vida saudável, deveria ser o suficiente para fornecer ao corpo humano todos os nutrientes de que ele precisa para se manter num nível ótimo de funcionamento.

No entanto, com a evolução da civilização ao longo das últimas décadas, foram introduzidos no nosso quotidiano muitos alimentos processados, industrializados e pobres em nutrientes.

É, por isso, relativamente comum ver-se pessoas com carências ao nível de alguns nutrientes básicos para o funcionamento do corpo humano, como o ferro, o magnésio, o potássio e algumas vitaminas.

A vitamina A é conhecida pela sua composição antioxidante e serve para reforçar o sistema imunitário

Para colmatar estas carências entram em cena, muitas vezes, os suplementos alimentares.

Alguns deles são muito populares entre os desportistas, mas os seus benefícios vão além do mundo do fitness e os ganhos em saúde podem verificar-se em qualquer um de nós.

A partir dos 50 anos, altura em que algumas funções corporais se transformam, torna-se ainda mais importante considerar a toma de suplementos, sempre com a orientação de um médico.

O que são suplementos alimentares e para que servem?

Os suplementos alimentares são compostos de substâncias — normalmente vitaminas, minerais, fibras, ácidos gordos ou aminoácidos — que servem para suprir carências na alimentação ou simplesmente para aumentar a quantidade ingerida de um nutriente que, em determinadas condições de saúde, seja mais necessário.

Alguns destes suplementos, nomeadamente as vitaminas, são consumidos com o objetivo de melhorar o sistema imunitário quando, seja por razões etárias, genéticas ou por outras condições médicas, este se encontra enfraquecido.

Existem ainda os probióticos, suplementos alimentares microbianos que, quando ingeridos em quantidade adequada, têm um efeito benéfico para a saúde e bem-estar do hospedeiro, ou seja, têm um efeito positivo em determinada situação patológica. Os probióticos podem ainda ajudar a regenerar e restaurar uma quantidade equilibrada de bactérias benéficas, criando um ambiente mais saudável no trato intestinal.

Existe uma ampla oferta de suplementos polivitamínicos, mas também produtos que se focam numa vitamina em exclusivo

Quem pode tomar suplementos alimentares?

Os suplementos alimentares não são medicamentos, mas não é dispensável o aconselhamento médico antes de começar a tomá-los. Em alguns casos, é mesmo possível que seja o seu médico a recomendar este tipo de produto.

Regra geral, os suplementos alimentares destinam-se, nas suas várias categorias, a todos. Seja por serem necessários para suprir carências alimentares, para melhorar a flora intestinal, para reforçar a imunidade ou simplesmente para se sentir melhor, as vantagens destes compostos para a saúde em geral são muitas e, por vezes, os efeitos e a sensação de bem-estar surgem a curto prazo.

No caso dos desportistas, ou de pessoas com uma vida muito ativa, os suplementos alimentares são eficazes ao aumentar o rendimento e potenciar os resultados nos treinos, por exemplo. Já no que diz respeito a pessoas com restrições alimentares, esta suplementação pode ser crucial para a saúde.

As vitaminas B12 e D, por exemplo, são muitas vezes obtidas por via dos suplementos alimentares em pessoas de faixas etárias mais avançadas, visto que ajudam a fixar o cálcio, prevenindo a osteoporose e outras doenças dos ossos. Mesmo a ingestão de cálcio pode ser aumentada por via da suplementação.

Apesar das necessidades específicas de alguns grupos, a verdade é que pessoas saudáveis e de todas as idades podem usufruir dos benefícios de um suplemento alimentar.

Alguns destes suplementos, nomeadamente as vitaminas, são consumidos com o objetivo de melhorar o sistema imunitário

As vantagens dos suplementos alimentares

  1. Como o seu próprio nome indica, os suplementos alimentares têm como principal missão complementar a alimentação na ingestão de determinados nutrientes, sobre os quais exista carência.

    Mas é preciso ter em atenção que complementar não significa substituir, ou seja, o facto de tomar um suplemento alimentar não deve nem pode ser motivo para se descuidar no que diz respeito a uma alimentação equilibrada.

  2. Mesmo com uma alimentação correta nem sempre é possível dar resposta adequada a todas as necessidades de alguns nutrientes, nomeadamente as vitaminas e os minerais.

    Além disso, algumas doenças, como a celíaca e a de Crohn, por exemplo, podem ter como consequência uma maior dificuldade na absorção destes nutrientes, que são vitais para o bom funcionamento do corpo humano.

    Existem ainda casos em que a insuficiência de nutrientes é o resultado de dietas restritivas, devido a alergias ou opções alimentares, como o vegetarianismo ou o veganismo. Nestes casos, pode ser recomendada a suplementação com vitamina B12, D ou cálcio..

  3. Os nutrientes são o combustível de que o corpo humano precisa para funcionar. Os suplementos alimentares permitem equilibrar a ingestão diária destes nutrientes, o que tem efeitos na saúde em termos gerais.

    Uma suplementação adequada irá proporcionar-lhe mais energia, melhor disposição, bem-estar e um menor risco de doença, visto que o sistema imunitário sai fortalecido.

  4. Os suplementos alimentares são opção para muitos desportistas e para pessoas com vidas muito agitadas, porque melhoram o rendimento físico e mental, conferindo uma pitada de energia extra, muitas vezes fundamental. No caso dos desportistas, a alimentação regrada pode ser também um motivo para a aposta na suplementação.

    Os suplementos alimentares auxiliam ainda no consumo calórico, contribuindo para a perda ou ganho de peso, e têm um papel fundamental na reparação dos músculos após a atividade física,

Probióticos

Os probióticos têm por objetivo ajudar a regenerar e restaurar uma quantidade equilibrada de bactérias benéficas, criando um ambiente mais saudável no trato intestinal.

Segundo o site da Jaba Recordati, existem, contudo, condições para que um suplemento seja considerado um bom probiótico: resistência ao ácido gástrico, à bílis e às enzimas pancreáticas; aderência às células epiteliais; capacidade de colonização; produção de substâncias antimicrobianas; capacidade de modificar de modo sustentável; comprovados efeitos benéficos para a saúde (devidamente testado).

Vitaminas

No que diz respeito às vitaminas, existe uma ampla oferta de suplementos polivitamínicos, mas também produtos que se focam numa vitamina em exclusivo, para casos em que a carência está bem definida.

A vitamina A, por exemplo, é uma das mais importantes e também é conhecida por Retinol. É conhecida pela sua composição antioxidante e serve para reforçar o sistema imunitário e proteger a pele, além de melhorar a visão e favorecer a renovação celular.

Já a vitamina B é composta por vários tipos que vão do B1 ao B12, sendo muitas vezes apresentada como um complexo vitamínico, por vezes com a inclusão ainda da vitamina C. Os complexos de vitamina B servem para ajudar o corpo a metabolizar a glicose, os ácidos graxos e os aminoácidos.

Além disso, estas vitaminas também desempenham um papel importante na formação da mielina, que envolve as fibras nervosas e permite a comunicação entre os nervos.

Entre as vitaminas do tipo B destaca-se a B12, que existe em suplementos de forma isolada, por ter particular importância no desenvolvimento e manutenção do sistema nervoso.

A vitamina C, provavelmente a mais conhecida, tem um papel importante no sistema imunitário e promove a absorção do ferro. Os sintomas iniciais de défice de vitamina C incluem fadiga, mal-estar e inflamação das gengivas.

Muito comum em pessoas com mais de 50 anos é a carência de vitamina D, porque, ao contrário das outras, esta não se encontra na alimentação.

Este nutriente é produzido na pele por ação dos raios solares, e, por isso, muitos especialistas não a consideram, tecnicamente, uma vitamina, mas sim uma hormona.

A exposição solar é importante ou mesmo crucial para a obtenção de vitamina D, que ajuda a prevenir alguns tipos de cancro, a obesidade, a diabetes, protege a saúde cardiovascular, é anti-inflamatória, melhora o tónus muscular e tem um papel importante na fixação do cálcio nos ossos.

A vitamina E protege as células contra lesões causadas pelos radicais livres, que são subprodutos da atividade celular normal e que participam das reações químicas com as células.

Por fim, uma outra vitamina importante é a K, necessária para a síntese das proteínas que ajudam a controlar o sangramento (fatores de coagulação) e, por isso, para a coagulação normal do sangue. A vitamina K é também importante para a saúde dos ossos e de outros tecidos.

Ferro

O ferro é um mineral essencial, fundamental para o bom funcionamento celular e para a síntese de DNA e metabolismo energético. Na hemoglobina, o ferro tem a função de transportar oxigénio para os músculos em atividade. Atua também na fixação do oxigénio nas fibras musculares cardíacas e no músculo esquelético, para proteger de lesão muscular durante os períodos da privação de oxigénio.

Magnésio

O magnésio existe em abundância no nosso organismo e está presente em diversos alimentos, mas também está disponível sob a forma de suplemento alimentar para quem tem carências deste nutriente.

É um cofator de mais de 300 enzimas que regulam diversas reações químicas no organismo, incluindo a síntese proteica, função muscular e neural, controlo glicémico e pressão arterial. Além disso, o magnésio é ainda necessário para a produção de energia, fosforilação oxidativa e glicólise.

Contribui para o desenvolvimento ósseo e para a síntese de ADN, ARN.

Cálcio

A importância do cálcio para os ossos é amplamente conhecida, e os suplementos deste mineral são muitas vezes utilizados de forma preventiva a partir de uma determinada idade, com o objetivo de evitar ou reduzir os efeitos da osteoporose.

No entanto, o cálcio não é importante apenas para os ossos.

Os especialistas associam a ingestão de cálcio no dia a dia, em conjunto com outros minerais, à redução dos níveis de tensão arterial, pelo que este nutriente tem também benefícios para a saúde cardiovascular.

Proteína

Muito procurados por desportistas, os suplementos alimentares à base de proteína são utilizados antes e depois dos treinos para desenvolver e reparar os músculos, respetivamente.

No entanto, é muito importante saber como e quando tomar este tipo de suplementos, visto que o seu uso incorreto pode anular o benefício esperado.

Tomar suplementos proteícos sem consumir hidratos de carbono, por exemplo, pode ser um erro, visto que, após atividade física intensa, é importante repor a energia.

Outro erro é tomar este tipo de suplemento alimentar sem praticar exercício físico.

Fonte: in Forever Young | 31-07-2019

Источник: https://www.jaba-recordati.pt/noticias/suplementos-alimentares-os-beneficios-para-a-saude

O que é suplementação nutricional e para que serve?

Para que serve a suplementação

Com os avanços que a medicina e os conhecimentos científicos obtiveram nas últimas décadas, podemos, nos dias de hoje, ter o luxo de escolher muitas maneiras diferentes de promover a nossa saúde e o nosso bem-estar. Diante dessa realidade, compreender melhor o que é suplementação nutricional e quais as suas funções pode ser muito interessante.

Felizmente, esse é um mercado que vem ganhando espaço em todo o planeta, até mesmo porque proporciona excelentes resultados e pode ser benéfico para os mais diversos tipos de pessoas, inclusive aquelas que buscam um desempenho físico superior. Continue lendo este conteúdo e aprenda mais sobre o assunto!

Afinal, o que é a suplementação nutricional?

De uma maneira geral, podemos definir a suplementação nutricional como o uso adequado de suplementos alimentares para complementar a dieta de uma pessoa. Esses produtos são feitos com diversos tipos de substâncias, como os macronutrientes (carboidratos, proteínas e lipídeos), micronutrientes (vitaminas e minerais) e outros princípios ativos.

Há pouco tempo, essas preparações eram quase restritas ao uso de atletas e frequentadores de academias de ginástica, mas os seus benefícios são tão interessantes, quando prescritos por um médico ou um nutricionista, que o público em geral já as utiliza tanto para completar algo que esteja faltando no cardápio diário quanto para promover o próprio bem-estar.

Como os suplementos foram criados?

A origem do uso de suplementos nutricionais costuma remontar de tempos bem antigos. Pesquisadores afirmam que, desde a antiguidade, atletas e soldados faziam a utilização de complementos bastante curiosos, até mesmo como superstição, para atingir um nível de performance que os fizessem subjugar adversários e inimigos.

Algumas manias dietéticas eram relacionadas com características desejáveis para competições rudimentares ou batalhas, como uma forma de conseguir mais habilidade, velocidade, bravura e força. O mais habitual era o consumo de algumas partes específicas de animais, como coração, cérebro e fígado de leões, tigres e assim por diante.

As épocas mais modernas adotaram o estudo científico e o conhecimento da fisiologia e da nutrição humana. Isso foi potencializado no século passado e, em 1994, o FDA (Food and Drug Administration), que regulamenta e fiscaliza a indústria alimentícia e farmacêutica nos EUA, definiu o suplemento alimentar complementar à dieta.

Qual a importância da suplementação nutricional?

Da mesma forma que o passar do tempo na história da humanidade contribuiu para o aumento dos conhecimentos e a eliminação de muitas crendices relativas à dieta, as pessoas também se afastaram de muitas atividades naturais e, hoje em dia, uma alimentação balanceada e equilibrada é algo raro de se ver.

Nesse caso, um suplemento alimentar pode ser a função não apenas de melhorar a saúde global, como também de mandar adequados os níveis de micro e macronutrientes. Já para atletas ou pessoas em busca de um corpo mais atraente, esses produtos agem como um catalisador de resultados, ajudando a atingir o objetivo em questão.

Para quem é indicado esse tipo de tratamento?

Na realidade, os suplementos nutricionais, quando prescritos por um médico ou nutricionista, podem ser um coadjuvante interessante na promoção da saúde de qualquer pessoa do planeta. Por melhor que seja a nossa alimentação ou por mais saudável que seja o nosso estilo de vida, sempre há algo que pode ser melhorado e completado.

No entanto, logicamente, indivíduos com rotinas atribuladas ou com dietas pobres em variedade podem experimentar benefícios ainda melhores com a suplementação certa, assim como amadores que realizam exercícios com frequência, atletas profissionais, portadores de algumas patologias, idosos e assim por diante.

Quais os riscos de suplementar sem um acompanhamento?

Vendo como a suplementação nutricional pode ser benéfica para praticamente qualquer pessoa, é bem provável que você esteja ficando interessado em começar a investir nessa alternativa. Entretanto, é muito importante frisar que, no Brasil e em boa parte dos países, somente médicos e nutricionistas podem indicar o uso de suplementos.

Esses produtos podem até parecer inofensivos, mas o fato é que, quando administrados de maneira irregular e sem a devida indicação, eles podem trazer sérios riscos para a saúde. Pesquisas já apontaram, por exemplo, que excesso de certos nutrientes pode atrapalhar a ação de alguns tratamentos ou até mesmo potencializar seus efeitos adversos.

Como deve ser feita uma boa suplementação?

Antes de mais nada, a boa suplementação precisa respeitar a individualidade. Uma dose de um determinado produto que pode ser excelente para um homem ativo na faixa dos vinte anos, por exemplo, também pode proporcionar efeitos nada desejáveis para alguém em uma faixa etária distinta, com outras características e assim por diante.

Como dissemos, a consulta com um médico (preferencialmente um clínico, nutrólogo ou endocrinologista) ou mesmo com um nutricionista, é muito importante, pois esses profissionais saberão avaliar quais são as suas demandas nutricionais, cruzando essa informação com seus anseios, expectativas e objetivos em curto, médio e longo prazos.

Complementa uma alimentação saudável

Um dos principais e mais evidentes benefícios da suplementação nutricional é que ela complementa a alimentação de uma pessoa, ainda que ela seja balanceada e saudável. Também é uma maneira não apenas de tratar, mas de prevenir eventuais deficiências de nutrientes em uma variedade de situações clínicas específicas.

Isso quer dizer, por exemplo, que se você deseja ter mais disposição ou quer elevar os seus níveis de imunidade, você pode conversar com o seu médico ou nutricionista de confiança e buscar princípios ativos que ajam nesse sentido. As escolhas devem ser bem analisadas e mostrarem evidências científicas de segurança e efetividade.

Ajuda o processo de emagrecimento

O desejo de perder peso é recorrente em boa parte das pessoas ao redor do mundo, sobretudo no ocidente, visto que os países daqui acabam priorizando dietas muito ricas em gordura e carboidratos de alto índice glicêmico, que causam ganho de peso com mais facilidade e trazendo uma série de malefícios para a saúde. 

Diante dessa realidade, alguns suplementos podem ser bastante úteis, uma vez que ajudam não apenas a emagrecer, como também promovem a saúde global e podem contribuir para a saciedade. Vale dizer que isso não exclui a necessidade de seguir uma dieta hipocalórica e de realizar atividades físicas, sob supervisão adequada.

Contribui para a regulação hormonal

Esse é um tema bastante discutido entre os profissionais e entusiastas da suplementação, mas diversas pesquisas e estudos mostram que alguns princípios ativos podem ter uma ação específica sobre o sistema endócrino humano, contribuindo para que os níveis de um ou mais hormônios se mantenham em um parâmetro desejável.

Ao otimizar os índices hormonais, é possível buscar uma máxima performance do corpo, além de diminuir a oxidação das células e promover um envelhecimento saudável. Essas benesses podem incluir ainda um emagrecimento saudável e o ganho de massa muscular, melhorando o sono e o funcionamento intestinal, entre outros.

Aumenta o ganho de massa muscular

Definitivamente, o aumento de massa muscular merece um tópico individualizado entre os principais benefícios da suplementação nutricional. Esse é o desejo de muitas pessoas e é muito em função disso que vemos as academias de musculação cada vez mais cheias — até porque esse é um tecido nobre do organismo e que merece essa atenção.

Um músculo consome, proporcionalmente, muito mais calorias do que a gordura, o que faz com que a nossa taxa metabólica basal se eleve mesmo em repouso. Como se não bastasse, eles também promovem uma maior proteção mecânica, tornando a pessoa menos propensa a quedas e até mesmo agindo de barreira contra traumas e impactos.

Aprimora o desempenho esportivo

Como dissemos, a suplementação nutricional tem a sua origem entre os atletas e guerreiros da antiguidade, o que apenas reafirma a sua íntima relação com o desempenho e a prática desportiva. Não é difícil perceber, portanto, que muitos dos adeptos e consumidores desse tipo de produto estão em busca de uma performance melhor.

A nutrição esportiva engloba a alimentação e o uso de complementos, mais uma vez devendo ser prescrita apenas por médicos e nutricionistas. Há necessidades específicas para aqueles que fazem atividades de elite e em alto nível, visto que as suas recomendações diferem das que são feitas para a população média.

Como a farmácia de manipulação pode ajudar?

Depois de ler todo este conteúdo, você pôde conferir que a suplementação nutricional é um recurso muito interessante, que pode ajudar pessoas comuns e atletas a atingirem a excelência em sua saúde e seu desempenho. No entanto, para que isso aconteça, é preciso ter certeza de que os produtos têm um bom nível de qualidade.

Sendo assim, você não pode deixar de contar com uma farmácia de manipulação de confiança e com credibilidade no mercado. Somente esse tipo de empresa garante não apenas uma boa variedade de princípios ativos, como também a expertise para que eles tenha as apresentações, doses e demais características que você precisa!

Gostou de aprender o que é suplementação nutricional? Ficou interessado em adquirir produtos de alta qualidade, com uma empresa que oferece os melhores níveis de excelência nesse segmento? Então, visite o nosso site e conheça os nossos diferenciais!

Powered by Rock Convert

Источник: http://blog.medicinalnaweb.com.br/o-que-e-suplementacao-nutricional-e-para-que-serve/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: