Parotidite infecciosa: Sintomas e Tratamento

Caxumba (papeira)

Parotidite infecciosa: Sintomas e Tratamento

Caxumba é uma doença que provoca inflamação nas glândulas parótidas, submaxilares e sublinguais. Geralmente, a infecção se manifesta na infância, nos meses de inverno e início de primavera. 

Caxumba é uma doença infecciosa causada por um vírus da família dos Paramyxovirus, que provoca  inflamação não só nas glândulas parótidas, mas também nas glândulas submaxilares e sublinguais.

Na maior parte das vezes, a infecção se manifesta na infância, nos meses de inverno e no começo da primavera.

Embora seja uma enfermidade de evolução benigna, em alguns casos podem ocorrer as seguintes complicações: inflamação dos testículos e dos ovários (que pode resultar em esterilidade), meningite asséptica, pancreatite, neurite e surdez.

O período de incubação varia de 14 a 25 dias. A transmissão se dá pelo contato direto com as secreções das vias aéreas superiores da pessoa infectada, a partir de dois dias antes até nove dias depois do aparecimento dos sintomas.

Raros são os casos de reinfecção pelo vírus da caxumba. Em geral, uma vez infectada, a pessoa adquire imunidade contra a doença. No entanto, se a infecção se manifestou apenas de um lado, o outro pode ser afetado em outra ocasião.

Sintomas da caxumba

São sintomas da infecção, menos intensos nas crianças do que nos adultos:

  • Inchaço e dor na parótida e nas outras glândulas salivares infectadas (localizadas embaixo da mandíbula);
  • Dor muscular e ao engolir;
  • Febre;
  • Mal-estar;
  • Inapetência.

Os seguintes sinais sugerem complicações da doença e exigem assistência médica imediata:

  • Dor e inchaço nos testículos (orquite) e na região dos ovários (ooforite);
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Dor no abdômen superior (pancreatite);
  • Rigidez na nuca;
  • Dor de cabeça;
  • Prostração (meningite).

Veja também: Aprenda com mais detalhes como conhecer os sintomas de caxumba

Diagnóstico de caxumba

O diagnóstico é basicamente clínico. Entretanto, há exames de sangue que ajudam identificar a presença de anticorpos contra o vírus vaso seja necessário estabelecer o diagnóstico de certeza.

Vacina contra caxumba

A vacina contra caxumba é produzida com o vírus vivo atenuado da doença e faz parte do Calendário Nacional de Vacinação. Pode ser aplicada isoladamente.

No entanto, em geral, está associada às vacinas contra sarampo e rubéola. As três juntas compõem a vacina tríplice viral.

A primeira dose deve ser administrada aos 12 meses e a segunda aos 15 meses.

Exceção feita aos imunodeprimidos e às gestantes, adultos que não foram infectados nem tomaram a vacina na infância e adolescência devem ser imunizados.

Tratamento da caxumba

Não existem drogas específicas. A doença é autolimitada e o tratamento, sintomático com analgésicos, antitérmicos. O doente deve permanecer em repouso enquanto durar a infecção.

Recomendações para lidar com a caxumba

  • Mantenha o doente em repouso até que tenham desaparecido os sintomas;
  • Ofereça-lhe alimentos líquidos ou pastosos, que são mais fáceis de engolir;
  • Lembre-se: adultos que não foram vacinados ou não tiveram a doença podem ser infectados pelo vírus da caxumba e por isso devem ser vacinados;
  • Atenção mulheres que nunca tiveram caxumba, nem tomaram a vacina: procurem um posto para serem vacinadas antes de engravidar. Na gestação, a doença pode provocar abortamento.

Perguntas frequentes sobre caxumba

É verdade que a caxumba pode “descer”?

Sim. O vírus pode atingir testículos nos homens e ovário nas mulheres, provocando inflamação e, sem tratamento, infertilidade.

Caxumba é perigosa na gravidez?

Sim. A doença pode provocar abortamento espontâneo, principalmente nas 12 primeiras semanas de gestação. Porém. não há evidências de que ela pode causar má-formações ou prejudicar o bebê de qualquer forma.

Grávidas podem se vacinar contra a caxumba?

Não, a vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola é contraindicada para gestantes.

É possível pegar mais de uma vez?

É raro, mas pode acontecer.

Источник: https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/caxumba-papeira/

Caxumba: sintomas, tratamento e diagnóstico

Parotidite infecciosa: Sintomas e Tratamento

Caxumba (CID 10 – B26) é uma infecção viral que afeta principalmente glândulas que produzem saliva, chamadas de parótidas e situadas entre as orelhas e à frente delas. Contudo, a doença também pode afetar outras glândulas próximas aos ouvidos e é contagiosa.

Assim, não há inflamação só nas glândulas parótidas, mas também nas glândulas submaxilares e sublinguais.

A caxumba é muito mais comum em crianças e pode afetar uma das glândulas ou todas elas. As complicações são raras e geralmente acontecem quando a pessoa contrai a doença na vida adulta.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Atualmente não há tratamento específico para caxumba, e por isso, é importante prevenir seu aparecimento com a vacinação.

A caxumba era mais comum no Brasil antes da vacina ser inventada. Após as vacinas serem incorporadas ao calendário dos postos de saúde, o número de casos reduziu-se drasticamente.

A caxumba é uma doença contagiosa. O vírus causador da caxumba (Paramyxoviridae rubulavirus) é transmitido quando inalamos gotículas de espirro ou tosse de quem está contaminado, ou seja, pela saliva.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Entre o contato com esse agente infeccioso e o surgimento do inchaço nas glândulas salivares, geralmente decorre um período de 14 a 21 dias.

corbac40 (Shutterstock)

A transmissão da caxumba, que ocorre pela saliva, pode ocorrer antes da manifestação dos sintomas pela pessoa contaminada até aproximadamente uma semana depois que o quadro se instalou.

Inicialmente, é possível que apenas um lado das glândulas seja afetado, mas, passados alguns dias, o outro lado também pode acabar inflamado, mas isso varia de pessoa a pessoa.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Causas

A caxumba é causada por um vírus, que se espalha de pessoa para pessoa por meio de saliva infectada. Se você não tomou a vacina, pode contrair caxumba ao conversar muito próximo da pessoa infectada, beijá-la ou então compartilhar utensílios como talheres, copos e pratos.

Caxumba provoca inchaço doloroso das glândulas salivares

Uma vez infectada com caxumba, a pessoa pode contaminar outros no período entre seis dias antes do início dos sintomas até cerca de 9 dias após início dos sintomas. O período de incubação (tempo até o início dos sintomas) pode ser de 14 a 25 dias, sendo mais comum ocorrer entre 16 a 18 dias.

O ser humano é o único hospedeiro natural da caxumba. Isso quer dizer que só é possível contrair pelo contato com outra pessoa infectada, não sendo possível contraí-la de animais ou plantas.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Fatores de risco

A caxumba faz parte das chamadas “doenças comuns da infância”, pois acomete, principalmente, crianças e adolescentes em idade escolar, dos 5 aos 16 anos.

Além disso, existe a possibilidade de os rapazes infectados desenvolverem também inflamação dos testículos, denominada orquite, mas, ao contrário do que se diz, é muito incomum a doença causar esterilidade. Entre as garotas, uma parcela está igualmente sujeita a ter inflamação dos ovários, a ooforite.

Saiba mais: Caxumba: 6 dúvidas sobre a doença em adultos

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A caxumba pode, ainda, atingir o pâncreas e o sistema nervoso central, provocando processos inflamatórios que, contudo, evoluem de forma benigna.

Sintomas de Caxumba

Algumas pessoas podem ter a doença sem apresentar qualquer sintoma, ou então sinais muito brandos da doença. Quando os sintomas de caxumba se desenvolvem, usualmente aparecem após 2 ou 3 semanas do contato com o vírus.

Saiba mais: Sintomas de caxumba podem se manifestar até três semanas depois da contaminação

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O primeiro e mais importante sintoma é o inchaço das glândulas salivares. Elas ficam localizadas no interior e ao redor da cavidade bucal, em torno dos ouvidos. Como o nome sugere, são responsáveis pela produção e secreção da saliva.

  • Inchaço e dor nas glândulas salivares (paroditite), podendo ser em ambos os lados ou em apenas um deles
  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Fadiga e fraqueza
  • Perda de apetite
  • Dor ao mastigar e ao engolir

Buscando ajuda médica

O momento de buscar ajuda médica depende da intensidade dos sintomas de caxumba: afinal, não há um critério único.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Se qualquer um dos sintomas citados acima atingir um grau de incômodo importante, o paciente ou a família deve buscar auxílio médico.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar a caxumba são:

  • Clínico geral
  • Pediatra
  • Infectologista

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Diagnóstico de Caxumba

Além da análise clínica, caso haja suspeita de caxumba o medico coletará uma amostra de sangue para investigar a presença da doença. Isso porque seu sistema imunológico produz anticorpos para combater a infecção, e estes circulam pelo seu sangue.

Então, se você tem caxumba, o exame de sangue irá mostrar que os anticorpos estão sendo produzidos para combater o vírus.

Exames

A confirmação da doença pode ser feita por exames de sangue para identificar a presença de anticorpos contra esse paramixovírus e, assim, excluir a hipótese de outras enfermidades que se manifestam de forma semelhante.

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA… TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Tratamento de Caxumba

O tratamento de uma criança ou de um adulto com caxumba visa, apenas, a aliviar os sintomas com o uso de analgésicos e antitérmico.

Assim como a maioria das infecções virais, a caxumba é tratada naturalmente pelo organismo. Portanto, a maioria dos adultos e crianças se recupera da caxumba sem grandes complicações em duas semanas.

De qualquer modo, recomenda-se repouso até a melhora dos sintomas, boa higiene bucal e alimentação líquida ou semi-sólida, que são mais fácil de engolir.

Deve se evitar ainda a ingestão de alimentos ou sucos ácidos, bem como de alimentos muito condimentados, pois esses alimentos provocam o aumento da secreção da parótida e, consequentemente causar dor.

De forma geral, você não é considerado mais contagioso uma semana após o diagnóstico e pode retornar às atividades cotidianas. Após a doença ser curada, a pessoa é considerada imune à caxumba.

Medicamentos para Caxumba

Não existe um tratamento específico para caxumba. Por isso, deve-se acompanhar o quadro do paciente, com medicamentos sintomáticos e repouso, para que se evitem suas complicações.

Caxumba tem cura?

O corpo elimina o vírus da caxumba com o passar dos dias, portanto ficar em repouso e seguir o tratamento recomendado pelo médico proporcionará a cura completa da doença.

Complicações possíveis

As complicações da caxumba são potencialmente sérias, mas raras. A maioria das complicações da caxumba envolvem inflamação e inchaço em alguma parte do corpo.

  • Inchaço dos testículos
  • Inchaço do pâncreas, causando náusea a vômitos
  • Inchaço dos ovários e seios
  • Inchaço do cérebro, podendo se tornar grave
  • Meningite, que pode ocorrer se o vírus da caxumba se espalha através de sua corrente sanguínea para infectar o seu sistema nervoso central

Outras complicações incluem:

  • Perda de audição em um ou ambos os ouvidos, em casos raros
  • Complicações fetais, caso uma mulher grávida contraia a doença no primeiro trimestre de gestação

Procure seu médico se a criança apresentar:

  • Febre a partir de 39º C
  • Problemas para comer ou beber
  • Confusão ou desorientação
  • Dor abdominal
  • Dor e inchaço dos testículos

Convivendo/ Prognóstico

Se você ou seu filho tem caxumba, o tempo e o repouso são os melhores tratamentos. Você pode tomar algumas medidas para aliviar a dor e desconforto e evitar que a doença se espalhe:

  • Fique na cama até que a febre vá embora
  • Mantenha você ou seu filho em isolamento para evitar que a doença seja transmitida a outras pessoas
  • Em caso de dor, verifique com seu médico o uso de medicamentos analgésicos, como paracetamol
  • Faça uma compressa quente ou fria para aliviar a dor
  • Evite alimentos que exigem muita mastigação: em vez disso, tente sopas ou alimentos macios, como purê de batata
  • Evite alimentos ácidos, como frutas cítricas ou sucos, que estimulam a produção de saliva
  • Beba muito líquido

Referências

Celso Granato, assessor médico em infectologia do laboratório Fleury Medicina e Saúde

Ministério da Saúde

Mayo Clinic

Centers for Disease Control and Prevention (CDC)

Источник: https://www.minhavida.com.br/saude/temas/caxumba

Caxumba: saiba como prevenir e tratar | MinhaSaúde

Parotidite infecciosa: Sintomas e Tratamento

A caxumba é uma doença benigna, mas pode acontecer algumas complicações

A caxumba, também chamada de papeira ou parotidite,é uma doença provocada por um vírus da família paramyxovirus. É caracterizada principalmente pelo inchaço das glândulas que produzem saliva, que ficam nas laterais do pescoço e abaixo da mandíbula. A doença geralmente é benigna, mas pode haver complicações.

Como ocorre a transmissão

Altamente contagioso, o vírus da caxumba, é transmitido por contato direto com gotículas de saliva ou perdigotos (ao falar, tossir ou espirrar) de pessoas infectadas, a partir de dois dias antes até nove dias depois do aparecimento dos sintomas. Costumam ocorrer surtos da doença no inverno e na primavera, e as crianças são as mais atingidas.

Sintomas da caxumba

A doença tem um período de duas a três semanas entre o contágio e o aparecimento dos primeiros sinais que são: febre, calafrios, dores de cabeça, musculares e ao mastigar ou engolir, além de fraqueza.

Os sintomas mais característicos da doença são o inchaço e dor nas laterais do pescoço, logo abaixo do maxilar. Isso porque o vírus da caxumba provoca inflamação nas glândulas responsáveis pela produção de saliva, que ficam na região. Essas glândulas são as parótidas, as submandibulares e as sublinguais.

Complicações podem ocorrer

Apesar de raras, as complicações que podem ocorrer são: meningite (rigidez na nuca, dor de cabeça e prostração), orquite (inflamação dos testículos) e ooforite (inflamações dos ovários), que pode resultar em esterilidade.

A caxumba também pode levar à surdez, embora os casos sejam muito raros. Vale lembrar que as complicações da doença exigem assistência médica imediata.

Diagnóstico

O diagnóstico é basicamente clínico. Entretanto, há exames de sangue que ajudam identificar a presença de anticorpos contra o vírus da caxumba. Eles devem ser realizados quando for necessário estabelecer o diagnóstico de certeza.

Tratamento

Não há remédios específicos para a caxumba. O tratamento basicamente consiste emaliviar os sintomas de dor e mal estar com analgésicos e antitérmicos. Permanecer em repouso enquanto durar a infecção também é importante.

Prevenção

A prevenção contra a caxumba é simples: vacinação!

A imunização correta pode evitar essa doença. Primeira dose da tríplice viral deve ser ministrada aos 12 meses de idade. Aos 15 meses, uma dose da vacina tetraviral(sarampo, caxumba, rubéola e varicela), que corresponde à segunda dose da vacina tríplice e uma dose da varicela (catapora).

Caso haja atraso na vacinação, crianças até quatro anos de idade ainda poderão receber a vacina com o componente varicela. A partir de cinco até os 29 anos de idade, deverão ser administradas duas doses com a vacina tríplice viral. Pessoas de 30 a 49 anos de idade devem receber uma dose.

Quem já tomou as duas doses da vacina não precisa se imunizar de novo ao longo da vida. São raros os casos de reinfecção pelo vírus da caxumba. Em geral, uma vez infectada, a pessoa adquire imunidade contra a doença.

Apesar de uma terceira dose não ser recomendação expressa dos especialistas, quem não tem certeza se foi vacinado duas vezes, pode tomar por precaução. Só é possível ter certeza com o registro na carteira de vacinação.

Cuidados

Caso uma pessoa seja afetada, ela não deve comparecer à escola ou ao trabalho durante nove dias após início da doença. É preciso, ainda, desinfetar os objetoscontaminados com secreções do nariz, da boca e da garganta do doente.

Recomendações

• Não se automedique, nem medique a criança antes de consultar um médico e ter o diagnóstico de certeza de caxumba, doença também conhecida como parotidite infecciosa ou papeira; • Mantenha o doente em repouso até que tenham desaparecido os sintomas; • Ofereça-lhe alimentos líquidos ou pastosos, que são mais fáceis de engolir; • Lembre-se: adultos que não foram vacinados ou não tiveram a doença podem ser infectados pelo vírus da caxumba e por isso devem ser vacinados;

• Atenção mulheres que nunca tiveram caxumba, nem tomaram a vacina: procurem um posto para serem vacinadas antes de engravidar. Na gestação, a doença pode provocar abortamento.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e receba gratuitamente informações da PROTESTE!

Источник: https://minhasaude.proteste.org.br/conheca-o-tratamento-da-caxumba-e-como-prevenir-se/

CAXUMBA – Transmissão, sintomas e tratamento

Parotidite infecciosa: Sintomas e Tratamento

A caxumba, também conhecida como parotidite infecciosa, parotidite epidêmica ou papeira, é uma infecção viral, muito comum na infância, que é transmitida pela via respiratória e que ataca preferencialmente a glândula parótida.

A glândula parótida, ou simplesmente parótida, é a maior das três glândulas que compõem a glândula salivar, responsáveis pela produção de saliva. O vírus da caxumba se aloja na parótida, fazendo com que a mesma fique inchada e dolorosa. A caxumba também pode acometer as outras glândulas salivares.

Neste texto vamos abordar os principais aspectos da caxumba, incluindo transmissão, sintomas, complicações, tratamento e vacinação.

Transmissão

A parotidite infecciosa é transmitida de uma pessoa para outra através das secreções das vias aéreas, de modo semelhante a que ocorre com outras viroses respiratórias como a gripe ou resfriado. O vírus da caxumba é altamente contagioso, sendo facilmente transmitido para pessoas susceptíveis.

O período de incubação da caxumba varia entre 14 e 25 dias. Entre 3 e 5 dias antes do aparecimento dos sintomas típicos da caxumba, o paciente apresenta o que chamamos de pródromos, sintomas inespecíficos que podem ser confundidos com um início de gripe, como dor de cabeça, febre baixa, perda do apetite, mal estar e dor muscular.

O paciente contaminado já é capaz de transmitir o vírus três dias antes dos sintomas prodrômicos surgirem, mantendo-se contagioso por até 5 dias após o aparecimento dos sintomas típicos da caxumba, sendo este o tempo indicado de isolamento dos pacientes.

Sintomas

Nem todas as pessoas contaminadas pelo vírus da caxumba irão desenvolver sintomas. Cerca de 20 a 30% não costumam apresentar sintomatologia, no máximo queixas inespecíficas que passam praticamente despercebidas.

Nos pacientes sintomáticos, 95% apresentam a parotidite, com dor e edema (inchaço) das glândulas parótidas, provocando a clássica manifestação clínica da caxumba.

A parotidite costuma ser bilateral, mas eventualmente pode acometer apenas um lado. Este inchaço no rosto costuma durar até 10 dias.

Além do edema da parótida, a parotidite infecciosa também provoca os seguintes sintomas:

  • Febre.
  • Cansaço
  • Dor muscular pelo corpo
  • Fraqueza
  • Mal-estar.
  • Boca seca.

Principais sintomas da caxumba

O diagnóstico pode ser confirmado pela sorologia, porém o quadro clínico costuma ser tão típico que esta confirmação laboratorial não precisa ser feita obrigatoriamente.

Complicações

As complicações da caxumba são raras, porém costumam ser graves. A maioria delas ocorria antes do advento da vacina, mas ainda podem ser encontradas em adultos nos dias de hoje.

O fato das complicações poderem ocorrer mesmo naqueles pacientes que não desenvolvem parotidite é uma importante causa de atraso no diagnóstico correto da caxumba.

Entre as complicações mais relevantes, podemos citar:

Orquite

O acometimento dos testículos pelo vírus é a mais famosa e mais comum complicação da caxumba. É uma complicação que ocorre em até 40% dos homens que contraem caxumba após o início da adolescência. Alterações na fertilidade ocorrem em até 13% dos pacientes com orquite, entretanto, a esterilidade é rara.

Os sintomas da orquite pela caxumba são febre alta, dor testicular (leia: DOR NOS TESTÍCULOS | Principais causas) e edema na bolsa escrotal. O intervalo entre a parotidite e a orquite costuma ser de 10 dias.

Ooforite

Analogamente ao que ocorre com os homens, a caxumba nas mulheres pode atacar os ovários, causando a ooforite. É uma complicação menos comum e ocorre em aproximadamente 7% das mulheres em idade pós-puberal.

Meningite

Ocorre em menos de 10% dos casos e, ao contrário da meningite bacteriana, costuma ter bom prognóstico, com resolução espontânea e sem deixar sequelas. A encefalite, infecção do cérebro, é uma complicação rara. Para saber mais sobre meningite e suas causas, leia: MENINGITE | Sintomas, Transmissão e Vacina.

Surdez

Antes da vacina, a caxumba era uma importante causa de surdez infantil. Atualmente é uma complicação rara.

Aborto

A infecção por caxumba no primeiro trimestre é um importante fator de risco para aborto. Entretanto, quando a gravidez consegue seguir seu curso, não parece haver maior risco de má-formações.

Outras complicações mais raras da parotidite infecciosa incluem:

Vacina

A imunização contra caxumba faz parte do atual calendário de vacinação, sendo administrada através da vacina tríplice viral, chamada MMR, que protege contra caxumba, sarampo e rubéola.

Todos os adultos não imunizados contra a parotidite infecciosa durante a infância podem receber a vacina, principalmente se houver pessoas próximas com a doença. As contra-indicações incluem gravidez, pacientes com imunossupressão e pessoas alérgicas ao antibiótico neomicina.

A eficácia da vacina está acima dos 96% e pacientes recém imunizados não transmitem o vírus vacinal, por isso não precisam evitar contato com nenhum grupo de pacientes.

Referências

Источник: https://www.mdsaude.com/doencas-infecciosas/caxumba/

Parotidite Infecciosa

Parotidite infecciosa: Sintomas e Tratamento

Reproduzido de:

DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS – GUIA DE BOLSO – 8ª edição revista [Link Livre para o Documento Original]

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Secretaria de Vigilância em Saúde

Departamento de Vigilância Epidemiológica

8ª edição revista

BRASÍLIA / DF – 2010

Parotidite Infecciosa

CID 10: B26

Descrição

Doença viral aguda, caracterizada por febre e aumento de volume de uma ou mais glândulas salivares, geralmente a parótida e, às vezes, glândulas sublinguais ou submandibulares.

Em homens adultos, ocorre orquiepididimite em aproximadamente 20 a 30% dos casos; em mulheres, pode ocorrer ooforite com menor frequência, acometendo cerca de 5% dos casos. Aproximadamente, 1/3 das infecções pode não apresentar aumento, clinicamente aparente, dessas glândulas.

O sistema nervoso central, com frequência, pode estar acometido sob a forma de meningite asséptica, quase sempre sem sequelas. Mais raramente, pode ocorrer encefalite.

Agente Etiológico

Vírus da família Paramyxoviridae, gênero Paramyxovirus.

Modo de Transmissão

Via aérea, através da disseminação de gotículas, ou por contato direto com saliva de pessoas infectadas.

Período de Transmissibilidade

Varia entre 6 a 7 dias antes das manifestações clínicas até 9 dias após o surgimento dos sintomas. O vírus pode ser encontrado na urina até 14 dias após o início da doença.

Diagnóstico Diferencial

Calculo de dutos parotidianos, hipersensibilidade a drogas (iodetos, fenilbutazona, tiouracil, dentre outras), ingestão de amidos, sarcoidose, cirrose, diabetes, parotidite de etiologia piogênica, inflamação de linfonodos, tumores parenquimatosos, hemangioma, linfangioma.

Características Epidemiológicas

Estima-se que, na ausência de imunização, 85% dos adultos têm Parotidite Infecciosa e 1/3 dos infectados não apresentam sintomas. A doença é mais severa em adultos. As estações com maior ocorrência de casos são o inverno e a primavera. Costuma apresentar-se sob a forma de surtos, que acometem mais as crianças.

Objetivos

Reduzir as taxas de incidência pela vacinação de rotina; investigar surtos para a adoção de medidas de controle.

Notificação

Não é doença de notificação compulsória. Os surtos devem ser notificados.

MEDIDAS DE CONTROLE

     Vacinação – está indicada antes da exposição.

–      Esquema vacinal básico – utiliza-se a vacina tríplice viral (Sarampo, caxumba e Rubéola) aos 12 meses de idade, com uma dose adicional entre 4 e 6 anos.

As contraindicações ao uso dessa vacina são: antecedente de reação anafilática sistêmica após ingestão de ovo de galinha; gravidez e administração de imunoglobulina normal, sangue total ou plasma nos três meses anteriores.

Recomenda-se às mulheres vacinadas evitar a gravidez por 30 dias após a aplicação. No entanto, se alguma gravida for inadvertidamente vacinada, não há indicação de interrupção da gravidez.

     Ações de educação em saúde – Informar a população quanto às características da Parotidite Infecciosa e a possibilidade de complicações, devendo ser orientada quanto à busca de assistência médica adequada, quando necessária (orquites, mastites, meningite, encefalite), e para a importância de vacinar as crianças.

SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO

Consta no documento:

“Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”

O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.

Источник: http://medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/1814/parotidite_infecciosa.htm

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: