Pepsina: o que é, para que serve e qual a sua função

Pepsina – O Que é e Para Que Serve

Pepsina: o que é, para que serve e qual a sua função

Os alimentos que consumimos todos os dias são formados por grandes moléculas que precisam ser quebradas em partículas menores para que estas possam entrar nas células, onde irão ocorrer diversos processos metabólicos. As enzimas digestivas fazem parte do grupo das substâncias que são responsáveis por quebrar os principais nutrientes que são os carboidratos, as proteínas e as gorduras.

  Continua Depois da Publicidade  

Vamos conhecer o que é a pepsina, saber para que serve esta substância e entender as inúmeras funções e aplicações da mesma.

O que é uma enzima?

Existem substâncias complexas dentro das células do organismo que funcionam como catalisadoras de diversas reações. Estas substâncias são chamadas de enzimas e podem ser definidas como substâncias orgânicas que são formadas dentro das células, porém podem atuar nos ambientes externos a elas.

As enzimas foram inicialmente descobertas no século XIX, aparentemente por Louis Pasteur, que verificou que a fermentação do açúcar em álcool pela levedura era catalisada por fermentos contendo enzimas.

No grupo das enzimas digestivas estão presentes as amilases, que digerem os hidratos de carbono (carboidratos), as lipases, que são responsáveis pela quebra das gorduras durante o processo de digestão, e as proteases, que são as enzimas responsáveis pela quebra das proteínas. Estas enzimas são encontradas desde a saliva até o intestino, sendo naturalmente produzidas pelo corpo humano. Alguns alimentos também são fontes de enzimas digestivas naturais, ajudando na melhoria da saúde de forma geral.

As proteínas são macronutrientes e são as macromoléculas orgânicas mais abundantes das células, possuindo inúmeras funções na formação da estrutura e das funções celulares.

As proteínas são classificadas, basicamente, em dois grandes grupos, dependendo da sua função no organismo, podendo estar no grupo das proteínas dinâmicas (que estão relacionadas às funções de defesa do organismo, transporte de substâncias, controle do metabolismo) ou no grupo das proteínas estruturais (que têm como principal função a estruturação das células e dos tecidos no corpo humano).

As proteínas exercem inúmeras funções no organismo, ajudando no fornecimento de energia, na estruturação das células, no transporte e no armazenamento de substâncias, na regulação de processos biológicos, participando como catalisador de funções biológicas, atuando na defesa do organismo, na construção e na reparação de tecidos, na produção de hormônios e de neurotransmissores, além de muitas outras funções.

Estas proteínas são formadas por diversos aminoácidos ligados entre si através de ligações peptídicas que, de forma total ou parcial, sofrem um processo de hidrólise durante a digestão gástrica e intestinal. Este processo de hidrólise consiste no rompimento destas ligações, promovendo a liberação de grupos amino e grupos carboxila dos aminoácidos envolvidos na ligação.

A reação de hidrólise catalítica ocorre no corpo humano através da ação de enzimas, entre elas a pepsina, que está presente no suco gástrico e a erepsina, que está presente no suco pancreático.

O que é e para que serve a pepsina?

A pepsina é a principal enzima produzida pelo estômago, fundamental durante o processo de digestão das proteínas presentes em alimentos como ovos, carnes e proteínas vegetais, entre outros.

  Continua Depois da Publicidade  

Ela foi estudada pela primeira vez em 1836, depois da retirada de uma parede estomacal pelo fisiologista alemão Theodor Schwann. Em 1929, a cristalização e a natureza proteica desta enzima foram relatadas pelo bioquímico americano John Howard Northrop, que recebeu alguns anos depois uma parte do Prêmio Nobel de Química de 1946 por seu trabalho de purificação de enzimas.

A pepsina é produzida pelas paredes do estômago e sua ação é controlada pela gastrina, um hormônio também produzido pelo estômago. Inicialmente, as glândulas no revestimento da mucosa do estômago produzem e armazenam uma forma de proteína inativa chamada de pepsinogênio.

Alguns estímulos nervosos e secreções hormonais de gastrina e secretina estimulam a liberação desta proteína inativa no estômago. Apenas quando esta entra em contato com o ácido clorídrico, ela se transforma em uma forma ativa, sendo rapidamente convertida na enzima pepsina.

O poder digestivo da pepsina é maior em ambientes ácidos, na presença do suco gástrico com pH entre 1,5 e 2,5.

No intestino, quando os ácidos gástricos são neutralizados, o pH pode atingir o valor de 7, deixando o ambiente neutro – e neste caso, a pepsina não é mais eficaz.

No trato digestivo, esta enzima afeta apenas a degradação parcial de proteínas que são, então, absorvidas no intestino e vão para a corrente sanguínea.

Esta enzima pode ser extraída do estômago de bovinos e suínos, sendo posteriormente utilizada na produção de coagulantes de leite e de amaciantes de carne pela indústria de alimentos.

A pepsina pode ser também aplicada no tratamento de problemas digestivos que estão relacionados à deficiência de secreção gástrica e, na indústria farmacêutica, pode ser utilizada na produção de antiulcerativos.

A pepsina é importante porque catalisa a quebra das ligações peptídicas das proteínas, transformando as moléculas grandes em proteínas de cadeias peptídicas. O alimento pode ficar até 4 horas no estômago sofrendo a ação tanto da pepsina quanto da amilase e da lipase. Após este processo, o bolo alimentar se transforma em quimo e irá seguir para o intestino delgado.

Quais as diversas aplicações da pepsina?

A importância da pepsina para o organismo é enorme. Com o passar dos anos, a secreção hidroclórica pode ser reduzida, causando a redução dos níveis naturais de pepsina.

Quando estes níveis estão muito abaixo, o corpo passa a ter dificuldades de realizar a digestão de forma completa e adequada.

Esta situação pode causar inúmeros problemas estomacais e intestinais, gerando sintomas de azia, indigestão, gases, refluxo, entre muitos outros.

Nestes casos, o médico pode recomendar o uso da pepsina, que pode ser comprada em farmácias especializadas, vendida sob a forma de cápsulas ou como solução oral. O valor deste produto é em torno de 30 reais, podendo variar conforma a empresa, a apresentação e a quantidade de produto.

Em geral, recomenda-se o uso de 1 a 2 cápsulas ao dia, após as principais refeições, ou, no caso da solução oral, recomenda-se diluir de 30 a 40 gotas com água, após as principais refeições.

  Continua Depois da Publicidade  

O uso da pepsina é indicado para o tratamento da insuficiência digestiva gástrica, da gastrite e da gastrenterite crônica. Pode também ser usada como redutora de gases intestinais e no tratamento auxiliar de dispepsias. Vale lembrar que este produto é um medicamento e que só deve ser utilizado com a orientação de um médico.

O uso inadequado de pepsina pode causar alguns efeitos colaterais como tremores, prisão de ventre e tonturas. O seu uso também é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer componente da fórmula. Além disso, mulheres grávidas não devem fazer uso desta substância sem a indicação de um médico.

Além disto, a pepsina pode ter algumas aplicações na indústria de alimentos.

Muitas destas enzimas são utilizadas em produtos para amaciamento de carnes, na clarificação de sucos de frutas, na produção de xaropes e nos setores de produção de álcool e derivados, de amidos e açúcares, óleos e gorduras, laticínios e derivados, panificação, vinicultura, sucos de frutas, entre muitos outros. A pepsina também é usada na indústria de queijos para realizar a hidrólise da caseína.

Conclusão

No grupo das enzimas digestivas estão as amilases, que digerem os carboidratos, as lipases, que são responsáveis pela quebra das gorduras durante o processo de digestão, e as proteases, que são as enzimas responsáveis pela quebra das proteínas.

As proteínas são formadas por diversos aminoácidos ligados entre si que sofrem um processo de hidrólise durante a digestão gástrica e intestinal. A pepsina é importante porque catalisa a quebra das ligações peptídicas das proteínas, transformando as moléculas grandes em proteínas de cadeias peptídicas.

Você já tinha ouvido falar na pepsina e para que serve essa substância em nosso organismo? Já precisou tomar um suplemento com esta enzima por algum motivo? Comente abaixo!

(4 votos, média: 4,75 de 5)
Loading…

Источник: https://www.mundoboaforma.com.br/pepsina-o-que-e-e-para-que-serve/

Betaína HCL – 5 dúvidas frequentes sobre o assunto

Pepsina: o que é, para que serve e qual a sua função

Problemas no estômago são comuns em todas as idades. Dificilmente, alguém passa um longo período de tempo sem ter algum tipo problema, como a má digestão ou azia. Muitas vezes, estes sintomas estão relacionados a má alimentação ou consumo excessivo de gorduras e açúcares.

Por outro lado, às vezes, estes sintomas não estão associados diretamente a alimentação e começam a ser frequentes, atrapalhando o dia-a-dia das pessoas. Quando problemas gástricos surgem, é importante entender a causa e começar o tratamento adequado.

Um dos elementos mais usados para tratar problemas gastrointestinais é a betaína HCL.

Muitos dos problemas relacionados ao sistema digestivo tem a ver com a pouca produção de ácido gástrico. A betaína serve justamente como suplemento para auxiliar em uma melhor digestão.

Quando há baixa produção de ácido estomacal, além dos problemas já mencionados, o organismo se torna mais suscetível a bactérias e infecções intestinais. Manter o estômago com os níveis adequados de ácido é fundamental para garantir qualidade de vida e saúde.

betaína HCL é muito recomendada por médicos como meio de tratamento. Para entender melhor o seu funcionamento, benefícios e onde adquiri-la confira nossas 5 dicas:

1) O que é betaína HCL

betaína HCL, também chamada como cloridrato de betaína, é um ácido hidroclorídrico muito conhecido. Sua ação tem efeitos redutores nos problemas de azia, refluxo, gases entre outros problemas relacionados ao sistema digestório.

Quem tem deficiência na produção de suco gástrico precisa de auxílio para que a pepsina funcione. Pepsina é uma enzima produzida no estômago que auxilia no desdobramento de proteínas durante a digestão. No entanto, a pepsina só age em contato com ácido.

Quando há ausência de ácido no estômago problemas digestivos começam a aparecer. Usada para auxiliar a produção de ácido gástrico, a HCL em contato com a pepsina funciona como um tônico estomacal. Por isso, sua ação nos pacientes costuma ter efeitos imediatos.

Vale a pena reforçar que os sintomas mais comuns de quem tem baixa produção de teor ácido são queimação, peso no estômago e náuseas. Prisão de ventre, diarreia, mau hálito e gases intestinais também podem ser sinal de deficiência.

Outros sintomas, como unhas fracas e carência de ferro no organismo, também são alertas mais silenciosos. Frequentemente, pessoas tratam de forma errônea esses tipos de sintomas, identificando os problemas como excesso de suco gástrico.

Para ter o diagnóstico correto e não tomar medicamentos que possam afetar de forma negativa o funcionamento do sistema gástrico procure um médico. 

Além do uso específico para os problemas de estômago, a betaína HCL tem também ação liotrópica, ajudando a prevenir que haja acúmulo de gordura no fígado. E vem sendo usada também para tratar alergias alimentares e auxiliar na produção de dióxido de carbono.

Aqui você encontra a bula online da betaína HCL.

2) Quem pode ingerir betaína HCL

A betaína é recomendada para quem sofre de problemas estomacais e intestinais. O correto é que qualquer tipo de medicamento seja administrado apenas após consulta e prescrição de um médico.

A recomendação geral mais frequente é que os comprimidos de betaína HCL não sejam consumidos por pessoas de estômago vazio.

As cápsulas devem ser tomadas no máximo até três vezes ao dia e sempre acompanhadas de um refeição.

Se ao fazer uso da betaína HCL uma sensação de queimação no estômago for detectada é recomendado que o uso seja suspenso ou, pelo menos, feito em menor quantidade. 

Mulheres que estiverem tentando engravidar, que já estejam grávidas ou que estejam no período de amamentação só devem fazer uso da betaína mediante recomendação médica.

Pacientes em fase de tratamento com qualquer tipo de anti-inflamatórios não devem fazer uso de HCL.

Pessoas que sofrem com problemas de úlceras ou que estejam tomando medicamentos que possam causar úlceras também não devem fazer uso da betaína HCL.

3) Quais são os benefícios

O corpo humano com a quantidade adequada de ácido gástrico consegue destruir bactérias sozinho.

Quem sofre com a falta ou redução de ácido estomacal tem maior probabilidade de desenvolver doenças e problemas gástricos.

As pessoas que sofrem com má digestão, por exemplo, podem notar melhoras logo no ínicio do tratamento com a betaína, já que a HCL é também uma fonte adicional de ácido hidroclórico. 

betaína HCL tem resultados imediatos em diversas circunstâncias. O uso de HCL gera impactos no combate a azia e ao refluxo, e também diminui os gases. HCL revela melhorias significativas na regularização dos níveis de suco gástrico.

O uso funciona também como uma forma de apoio para uma melhor absorção de vitamina B12. Outro benefício da betaína é na ajuda da digestão de alimentos ricos em proteína. Um dos principais pontos positivos do uso da betaína é que a sua ação ajuda na prevenção do acúmulo de gordura no fígado.

Promovendo assim a desintoxicação de resíduos metabólicos do organismo e auxiliando, inclusive, na perda de peso.

4) Quais são os efeitos colaterais

Não é comum que as pessoas apresentem efeitos colaterais ao fazer uso de betaína HCL. Os incômodos que podem surgir, geralmente, são pequenos e referentes a apresentação de desconforto estomacal, gases, diarreia e sensação de queimação. Caso sintomas sejam observados e tenham persistência o uso deve ser suspendido e o auxílio de um médico buscado.

5) Onde encontrar betaína HCL

betaína HCL pode ser encontrada em drogarias, farmácias de manipulação e sites de venda online. Ao fazer a compra de medicamentos deve-se sempre levar em consideração a procedência e o local em que o produto é adquirido. Cápsulas e comprimidos, assim como outros tipos de remédios, precisam de armazenamento adequado, sem incidência de calor ou luz solar. 

Se a HCL for recomendado como fórmula a ser manipulada, a Manipulaê conta com um sistema de cotação que pode ser muito útil.

Ao fazer a cotação em nosso site, através deste link, nós selecionamos todas as farmácias de manipulação com o produto disponível.

Ao fazer essa pesquisa, criamos uma lista com os endereços das farmácias juntamente com os valores, e enviamos diretamente para o e-mail de quem nos solicitou. Teste nossa ferramenta de cotação e aproveite nossa praticidade!

Leticia Saifert Picoli
12/12/2018

Источник: https://www.manipulae.com.br/artigos/betaina-hcl:-5-duvidas-frequentes

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: