Prebióticos: o que são e para que servem

Probióticos e Prebióticos: o que são, para que servem e os cuidados a ter

Prebióticos: o que são e para que servem

De acordo com a Organização Mundial de Gastrenterologia, “os probióticos são micróbios vivos que podem ser incluídos na preparação de uma ampla gama de produtos, incluindo alimentos, medicamentos, e suplementos dietéticos.

As espécies de Lactobacillus e Bifidobactérias são as mais comumente usadas como probióticos, mas o fermento Saccharomyces cerevisiae, e algumas espécies de E. coli e Bacillus, também são utilizadas como probióticos.

As bactérias ácido-lácticas, entre as quais se encontra a espécie Lactobacillus que fora utilizada para a conservação de alimentos por fermentação durante milhares de anos, podem exercer uma função dupla, atuar como agentes fermentadores dos alimentos e também gerar efeitos benéficos à saúde.

Em termos estritos, no entanto, o termo “probiótico” deveria ser reservado para os micróbios vivos que, em estudos humanos controlados, demonstraram produzir benefícios à saúde”.

Onde os podemos encontrar?

Os probióticos podem-se encontrar em vários tipos de alimentos fermentados, como é o caso dos leites fermentados, o iogurte e outras bebidas lácteas acidificadas e o kefir. Estes são por excelência a fonte de probióticos.

No entanto, também os queijos de pasta dura (que apresentam maior grau de fermentação) e preparações culinárias onde a fermentação natural é utilizada, são boas fontes de probiótico.

É o caso dos pickles fermentados em água e sal marinho, chucrute fermentada não pasteurizada ou soja fermentada que se encontra na sopa de miso ou no tempeh.

Quais os principais benefícios?

A sua presença contribui para a modulação da microbiota intestinal, através do desenvolvimento das bactérias benéficas, que atuam impedindo a proliferação das bactérias patogénicas (prejudiciais). Este processo promove a natural barreira defensiva intestinal.

  • Contribuem para o reequilíbrio intestinal após a toma de alguns medicamentos, tais como antibióticos;
  • Contribuem para o controlo da diarreia causada por vírus e bactérias;
  • Contribuem para a diminuição da atividade da Helicobacter pilori (bactéria responsável por doenças gástricas, tais como gastrite, úlceras e cancro);
  • Diminuem a ação das bactérias prejudiciais através da produção de substâncias protetoras, de que são exemplo as infeções urogenitais femininas;
  • Melhoram a digestão da lactose e promovem a absorção nutricional;
  • Aumentam a imunidade, podendo estar associados a diminuição de reações alérgicas;
  • Previnem/controlam a obstipação.

Quais os cuidados a ter?

Os probióticos, naturalmente presentes nos alimentos devem fazer parte da alimentação equilibrada de crianças e adultos, no entanto o aumento da sua ingestão ou suplementação, podem temporariamente provocar sinais de desconforto abdominal associado à produção de gás, distensão abdominal e flatulência. Em algumas situações, antes de se identificarem os seus benefícios, podem ser identificados os seus efeitos secundários.

Estes efeitos secundários têm maior expressão quanto menor for a imunidade do organismo hospedeiro. Assim crianças pequenas e idosos, bem como doentes oncológicos sob tratamentos agressivos, doentes com infeções graves ou doenças terminais, só devem utilizar probióticos sob a forma de suplementos, quando recomendados ou prescritos.

O que são prebióticos?

Os prebióticos são substâncias alimentares (consistem fundamentalmente em polissacarídeos não-amido e oligossacarídeos mal digeridos pelas enzimas humanas) que nutrem um grupo seleto de microorganismos que povoam o intestino. Favorecem mais a multiplicação das bactérias benéficas do que das prejudiciais.

Os prebióticos mais conhecidos são:

  • Oligofrutose
  • Inulina
  • Galactooligossacarídeos
  • Lactulose
  • Oligossacarídeos do leite de peito

Quais os principais benefícios?

Os prebióticos devem fazer parte da alimentação diária, por terem efeitos benéficos locais (no cólon e também no intestino delgado) e sistémicos (no organismo de forma geral).

Entre os benefícios destacam-se o alívio dos sintomas de obstipação, a diminuição do risco de doenças do cólon, o aumento da imunidade do organismo, contribuindo ainda para a absorção de cálcio e para a regulação da produção e absorção de triglicerídeos.

Onde se encontram?

Os prebióticos podem ser encontrados em cereais, tais como centeio, cevada, trigo e em legumes e frutas, entre os quais alcachofra, alho, alho-francês, banana, cebola, chicória, espargo, tomate. Também podem ser encontrados isoladamente sob a forma de suplementos alimentares.

O que são alimentos prebióticos?

Prebióticos: o que são e para que servem
Imagem de Stephanie Studer em Unsplash

Os prebióticos são partes dos alimentos que ingerimos que não são digeridas, e por isso servem de alimento para os micro-organismos benéficos do intestino.

Consumir alimentos prebióticos é importante para a manutenção da microbiota intestinal, para o sistema imune e para o organismo como um todo.

De acordo com estudo publicado na revista Scielo, prebióticos são carboidratos não-digeríveis, que afetam positivamente a saúde por estimularem seletivamente a proliferação e/ou atividade de populações de bactérias desejáveis no cólon.

Por que ingerir alimentos prebióticos?

Os prebióticos são substâncias que os humanos não conseguem digerir, mas que são digeridas pelas bactérias benéficas do nosso intestino.

Essas bactérias desempenham funções importantes no corpo, como proteger o aparelho digestivo do ataque de fungos e bactérias nocivos, enviar sinais para o sistema imunológico e ajudar a regular a inflamação (confira estudos sobre o tema aqui: 1, 2).

Além disso, algumas bactérias benéficas do intestino formam vitamina K e ácidos graxos de cadeia curta.

Os ácidos graxos de cadeia curta são a principal fonte de nutrientes das células que revestem o cólon. Eles promovem uma barreira intestinal que ajuda a impedir a entrada de substâncias nocivas, vírus e bactérias. Isso também reduz a inflamação e pode reduzir o risco de câncer (estudo a respeito aqui: 3).

  • Mais da metade do nosso corpo não é humano

A diferença entre probióticos, prebióticos e simbióticos

É comum haver confusão com os termos “prebióticos” e “probióticos”, mas eles são bem diferentes. Enquanto os prebióticos se referem a substâncias alimentares não digeridas pelo organismo e aproveitadas por micro-organismos benéficos, os probióticos são os próprios micro-organismos benéficos encontrados nos alimentos.

Ambos (probióticos e prebióticos) são importantes para a saúde humana. Por sua vez, os alimentos simbíoticos são compostos por prebióticos e probióticos.

Quais alimentos são prebióticos?

Além de serem encontrados em suplementos, os prebióticos são encontrados naturalmente em muitos alimentos, incluindo:

  • Brasil precisa diversificar consumo de feijão, diz Ibrafe

Quais alimentos são probióticos?

Alimentos fermentados são ótimas opções de alimentos probióticos, uma vez que contêm bactérias benéficas que se desenvolvem nos açúcares ou nas fibras encontrados naturalmente nos alimentos. Mas é preciso cuidado para evitar intoxicação alimentar.

Exemplos de alimentos probióticos fermentados incluem:

  • Chucrute;
  • Kimchi;
  • Kombucha;
  • Kefir (lácteos e não lácteos);
  • Alguns tipos de picles (não pasteurizados);
  • Outros legumes em conserva (não pasteurizados).

Se for ingerir alimentos fermentados por seus benefícios probióticos, certifique-se de que eles não sejam pasteurizados, pois esse processo mata as micro-organismos (para saber mais sobre os alimentos probióticos, dê uma olhada na matéria: “O que são alimentos probióticos?”).

Alguns desses alimentos também podem ser considerados simbióticos, porque eles podem conter micro-organismos benéficos e servirem como prebióticos para as bactérias se alimentarem. Um exemplo de comida simbiótica é o chucrute.

Como os alimentos afetam a microbiota intestinal?

A comida que você ingere desempenha um papel importante no equilíbrio de micro-organismos bons e ruins do intestino. Uma dieta rica em açúcar e gorduras, por exemplo, influencia negativamente as bactérias do intestino, permitindo que as espécies nocivas cresçam excessivamente (confira aqui estudos a respeito: 4, 5, 6).

Uma vez que você alimenta regularmente as bactérias erradas, elas podem crescer rapidamente e colonizar o intestino mais facilmente, sem tantas bactérias úteis para impedi-las de fazer isso (confira aqui estudos a respeito: 7, 8). As bactérias nocivas também podem fazer com que você absorva mais calorias do que pessoas com uma microbiota intestinal saudável (confira aqui estudo a respeito: 9).

Além disso, alimentos tratados com pesticidas, como o Roundup, podem ter efeitos negativos sobre as bactérias intestinais (confira aqui estudos a respeito: 10, 11, 12).

Estudos mostraram que os antibióticos podem causar mudanças permanentes em certos tipos de bactérias, especialmente quando tomados durante a infância e adolescência.

Como o uso de antibióticos é tão difundido, os pesquisadores estão avaliando como isso pode causar problemas de saúde nas pessoas mais tarde durante a vida (confira aqui estudos a respeito: 13, 14).

Uma das coisas que as boas bactérias intestinais fazem com a fibra prebiótica é transformá-la em um ácido graxo de cadeia curta chamado butirato.

O butirato demonstrou ter efeitos anti-inflamatórios no interior do cólon.

Além disso, ele também pode influenciar a expressão gênica, bloquear o crescimento de células cancerígenas e ajudar a fornecer combustível às células saudáveis ​​para que elas possam crescer e se dividir normalmente.

E quanto aos suplementos probióticos?

Suplementos probióticos são comprimidos, cápsulas ou líquidos que contêm bactérias benéficas para o organismo.

Eles são muito populares e fáceis de encontrar, mas nem todos têm os mesmos tipos de bactérias ou as mesmas concentrações. Eles também geralmente não vêm com fontes de alimento fibroso para as bactérias comerem, por isso, é recomendado consumir alimentos prebióticos minutos antes de ingerir esses suplementos.

Entretanto, existem algumas pessoas que não devem tomar probióticos, ou que podem apresentar sintomas agravados se o fizerem, como pessoas com supercrescimento bacteriano no intestino delgado (SCBID) ou pessoas sensíveis aos ingredientes do suplemento.

Por outro lado, as cepas de certos probióticos podem ser incrivelmente benéficas para algumas pessoas.

Manter suas bactérias intestinais equilibradas é importante para muitos aspectos da saúde. Para fazer isso, coma muitos alimentos prebióticos e probióticos, pois eles ajudarão a promover o equilíbrio ideal entre bactérias boas e ruins do intestino.

Veja também:

Cadastre-se e receba nosso conteúdo em seu email. Comunicar erro

Источник: https://www.ecycle.com.br/6706-prebioticos.html

Prebióticos e probióticos. Como é que nos beneficiam?

Prebióticos: o que são e para que servem

De certeza que costuma incluir produtos com pré ou probióticos no seu carrinho de compras por saber que são benéficos para a saúde.

Mas tem noção de que não são a mesma coisa nem atuam da mesma forma? Dizemos-lhe tudo o que deve saber sobre cada um deles para que possa fazer as melhores escolhas.

No mercado português, já há uma grande oferta de alimentos que muitos denominam como funcionais.

Estes alimentos que, para além das suas propriedades, beneficiam uma ou mais funções do organismo, melhorando a saúde ou reduzindo o risco de doença.

Os alimentos que incluem ingredientes pré e probióticos são, sobretudo, iogurtes, bolachas, sumos, pães, refeições infantis ou leites.

Para além destas qualidades, não têm contraindicações, pelo que podem ser tomados em qualquer momento da vida.

Mas cada um atua de forma diferente na promoção da nossa saúde, algo que é preciso ter sempre em linha de conta. A  principal diferença é que os alimentos probióticos devem os seus efeitos saudáveis aos microorganismos vivos que contêm, enquanto que nos prebióticos os benefícios advêm da presença de uma fibra que favorece, in situ, o desenvolvimento de uma flora intestinal benéfica.

Tome-os regularmente

No que diz respeito às quantidades recomendadas de pré e probióticos é difícil generalizar. É dever das marcas que os comercializam indicá-las.

Mas, por  exemplo, para que os efeitos favoráveis dos probióticos sejam apreciáveis e duradouros, é necessário ingerir estas bactérias de forma regular e continuada, já que se limitam a passar pelo trato intestinal sem chegar a fazer parte da flora intestinal.

Para além disso, depois de se deixar de ingerir o produto, o seu efeito vai desaparecendo progressivamente.

A chave é a fibra

Os prebióticos são ingredientes não digeríveis (fibra) dos alimentos que afetam beneficamente o organismo através de um estímulo seletivo do crescimento e/ou atividade de uma ou de um grupo limitado de bactérias no cólon.

Entre os prebióticos há diferentes tipos de fibra, nomeadamente a solúvel e os oligossacarídeos não digeríveis como, por exemplo, a inulina ou os fruto-oligossacarídeos (FOS) que se acrescentam a produtos como leite, iogurtes, pudins, bolachas ou margarinas.

Estes compostos servem de substrato às bactérias que colonizam o intestino grosso, que fabricam ácido lático e ácidos gordos de cadeia curta, os quais, por sua vez, estimulam o crescimento das bifidobactérias, equilibrando a flora intestinal. Por outro lado, também diminuem o pH (acidez), inibindo assim o crescimento de inúmeras bactérias patogénicas como a clostridium e coliformes, com o que nos protegem de determinadas doenças.

As vantagens dos alimentos prebióticos

Os prebióticos são hidratos de carbono presentes naturalmente em vegetais como a chicória, o alho, a cebola, o alho-francês, os espargos, as alcachofras, o tomate, as bananas.

Mas também se acrescentam a outro tipo de produtos como pães, bolachas, cereais, sumos ou laticínios. É o caso da inulina que se extrai da raiz da chicória.

Estes são alguns dos benefícios deste tipo de alimentos:

– Estimulam a produção da flora bacteriana, favorecendo a saúde intestinal e o seu correto funcionamento.

– Promovem uma evacuação intestinal regular.

– Contribuem consideravelmente para a redução do risco de doenças cardiovasculares e diabéticas, já que regulam os níveis de colesterol e triglicéridos no sangue.

– Ajudam a evitar o inchaço abdominal, causado pela prisão de ventre e pelo excesso de gases.

– Acidificam o pH intestinal que impede a proliferação de microorganismos patogénicos.

– Protegem o organismo de possíveis infeções, já que estimulam o sistema imunitário intestinal.

Os micro-organismos bons

Por seu lado, os probióticos são os alimentos que contêm microorganismos vivos que, ao serem ingeridos em quantidades suficientes, exercem um efeito positivo na saúde que vai além dos efeitos nutricionais tradicionais. Nesta denominação incluem-se, para além dos microorganismos do iogurte (lactobacillus bulgaricus e streptococcus thermophilus), os de outros leites fermentados de nova geração.

É o caso das variantes com bifidobacterium lactis e l. casei, entre outras que foram surgindo nos últimos anos. Convém lembrar que para que um alimento possa ser considerado probiótico, os seus microorganismos devem estar vivos e em quantidades suficientes, devem ser estáveis e viáveis até à caducidade do produto e devem oferecer benefícios para a saúde de quem os ingere.

Os benefícios dos alimentos probióticos

Os principais probióticos são bactérias lácticas usadas tradicionalmente em fermentações alimentares, pertencentes aos géneros das bifidobactérias e dos  lactobacilos. Encontram-se principalmente nos iogurtes e em bebidas com leite fermentado.

Também podem ser adicionados a outro tipo de alimentos como a comida infantil, leite, sumos, iogurtes ou, inclusive, podem ser consumidos sob a forma de comprimidos (suplementos alimentares).


As vantagens dos probióticos também têm sido apontadas:

– Atenuam a intolerância à lactose.

– Têm efeitos preventivos e terapêuticos contra a diarreia.

– Atuam eficazmente contra a prisão de ventre e regulam o trânsito intestinal.

– Produzem substâncias antimicrobianas e impedem o desenvolvimento de patogénios alimentares.

– Podem atuar sobre os mecanismos naturais de defesa do organismo. Estimulam a atividade dos macrófagos (células do sistema imunitário) e favorecem a  produção de anticorpos.

– Diminuem o risco de contrair cancro do cólon e outras doenças intestinais, como a doença de Chron e a colite ulcerosa.

– Favorecem a absorção de vitaminas K e do grupo B, bem como nutrientes e  minerais, como cálcio, magnésio, zinco e ferro.

– Melhoram os sintomas da síndrome do intestino irritável.

– Influenciam positivamente o desenvolvimento do sistema imunitário do bebé.

Texto: Madalena Alçada Baptista com Florbela Mendes (nutricionista)

Источник: https://lifestyle.sapo.pt/saude/peso-e-nutricao/artigos/prebioticos-e-probioticos

Prebióticos para a pele: o que são, para que servem e onde encontrar – Beleza com Saúde

Prebióticos: o que são e para que servem

Você conhece os benefícios dos prebióticos para a saúde da pele? Esses componentes estimulam as defesas cutâneas, protegendo e devolvendo a sua homeostase.

Atualmente o uso de pré/pro/pós bióticos nas terapias vêm ganhando destaque devido a diferentes benefícios oferecidos por essas substâncias ao organismo.

De tratamentos do trato digestivo aos cuidados com a pele, os pré/pro/pós bióticos vem sendo empregados para a manutenção da saúde de diferentes formas, podendo ser utilizados de forma oral ou tópica, aplicando-se diretamente sobre a pele.

O Beleza com Saúde da ADCOS selecionou alguns dermocosméticos com prebióticos que você tem que conhecer. Confira!

O que são prebióticos?

Os prebióticos são componentes alimentares não metabolizados pelo organismo que incentivam o crescimento e a proliferação de bactérias boas.

Esse desenvolvimento gera inúmeros benefícios à pele, pois ajuda a controlar os micro-organismos e substâncias prejudiciais, protegendo e estimulando as defesas da pele, devolvendo força e ajudando na recuperação imunológica cutânea. Essas bactérias boas servem para defender a pele e estimular nosso sistema imunológico.

Isso porque alguns hábitos, como o de higienizar a pele muitas vezes ao dia, acabam desequilibrando a flora bacteriana. Dessa forma, é necessário recompor e estimular as defesas naturais da pele.

Alguns dermocosméticos com ativos prebióticos são recomendados para tratar a pele, aumentar o poder de hidratação e a proteção cutânea. A ADCOS possui alguns produtos que contam com esses ativos. Nesse post você conhecerá mais sobre alguns deles!

Os prebióticos presentes nos produtos ADCOS são oligossacarídeos que estimulam seletivamente o crescimento da flora microbiana benéfica da pele por meio de bioseletividade e bioestimulação.

Protegem e estimulam a primeira barreira de defesa da pele, prevenindo contra a colonização por bactérias indesejáveis, patogênicas ou oportunistas.

Além de manter o equilíbrio do microbioma normal, os prebióticos protegem o mecanismo de defesa natural pela estimulação de antimicrobianos naturais na epiderme, ajudando a proteger e fortalecer a integridade da barreira cutânea.

Para saber mais sobre a diferença entre os prebióticos e os probióticos, além dos benefícios de cada um, clique aqui!

Dermocosméticos com prebióticos: praticidade

A ADCOS conta com dermocosméticos com prebióticos em sua composição. Um deles, o Aqua Pro.

Bio, que é perfeito para o tratamento de recuperação de peles sensíveis e sensibilizadas, além de estimular o crescimento da flora benéfica naturalmente encontrada na pele, reduzindo as bactérias capazes de gerar doenças.

Devido à sua concentração de ativos e prebióticos, ela regenera, reforça a barreira biológica e estimula as defesas da pele e do cabelo, deixando-a forte, luminosa e macia.

A Aqua Pro.Bio pode ser usada a qualquer hora do dia para repor a hidratação, proteger o corpo e o rosto contra o estresse ambiental e restaurar a imunidade da pele. Seu formato em spray é prático e permite a aplicação fácil em qualquer momento.

Outra opção prática é a Água Micelar, que demaquila, limpa, tonifica, purifica, reequilibra, hidrata, regenera, acalma e protege a pele, além de ser uma solução não oleosa e de rápida absorção. Sua composição conta com prebióticos que protegem e estimulam as defesas da derme.

Invista nessa dupla e tenha uma pele hidratada e protegida!

Prebióticos: múltiplos benefícios

Como explicamos nesse post, os prebióticos são essenciais para reforçar as defesas naturais da pele. Mas saiba que não é apenas a face que precisa desses cuidados! Muito pelo contrário: os cuidados corporais também são essenciais para a saúde da pele.

Por isso, aposte na Loção Anti-Aging Corporal, um dermocosmético que também conta com prebióticos em sua formulação, fortalecendo as barreiras naturais de proteção da pele, auxiliando na melhora da hidratação e da elasticidade. Indicado para todos os tipos de pele, especialmente as desvitalizadas, o produto é um anti-idade corporal que conta com Ácido Hialurônico e Vitamina C, prevenindo os sinais do envelhecimento precoce.

Esse dermocosmético promove hidratação contínua e prolongada por até 24 horas, melhorando a elasticidade e a firmeza da pele. A Loção Anti-Aging Corporal é fácil de espalhar, tem rápida absorção e sua fórmula ainda conta com mica, manteiga de karité, cera de soja e glicerina. Ela pode ser usada até duas vezes ao dia: aplique o hidratante anti-idade após o banho, com a pele já seca.

Prebióticos no tratamento da acne

Você sabia que os prebióticos também auxiliam no tratamento da acne? Por proteger e estimular as defesas naturais da pele, esses componentes estimulam a proliferação das bactérias boas que habitam nossa pele, combatendo as bactérias responsáveis pela acne.

Ideal para a higienização, o Sabonete Antiacne é o primeiro sabonete que possui prebióticos. Esse lançamento da ADCOS é perfeito para quem possui pele acneica, pois ele limpa a pele profundamente, enquanto previne e trata a acne, controla a oleosidade, reduz e desobstrui os poros e ainda esfolia a pele suavemente, sem ressecar excessivamente.

O dermocosmético tem em sua composição ácido salicílico, um ativo que ajuda a diminuir as imperfeições, desobstrui os poros e melhora a textura da pele.

O ideal é que ele seja utilizado duas vezes ao dia sobre a pele umedecida. Em seus cuidados diários, aplique o Sabonete Antiacne, massageie suavemente e deixe agir por um minuto. Depois, enxague com água e não deixe de aplicar um filtro solar específico para o seu tipo de pele. Para saber como escolher o protetor solar ideal para pele com acne, clique aqui!

O que são probióticos?

Por definição os probióticos são microrganismos vivos que em equilíbrio e administrados em quantidades adequadas, conferem benefícios à saúde do hospedeiro.

  Já os prebióticos são substâncias que estimulam seletivamente a proliferação ou atividade de populações de bactérias desejáveis, chamadas “bactérias boas”, beneficiando dessa forma o indivíduo hospedeiro e até diminuindo a proliferação das bactérias ruins e patogências.

Os pósbióticos por sua vez são substâncias produzidas pelas bactérias “boas” e que trazem benefícios importantes para o organismo.

A pele, como órgão mais exposto do corpo humano, está constantemente exposta a fatores externos que podem impactar em suas funções e na comunidade microbiológica que convive em harmonia, chamado de microbioma cutâneo.

O microbioma cutâneo é vital para que a pele exerça suas funções, principalmente a função barreira de proteção do organismo.

Os “bons” mico-organismos produzem substâncias que favorecem a barreira natural cutânea, auxiliando na recuperação da pele quando é danificada, impedindo a proliferação de micro-organismos patogênicos/oportunistas e, consequentemente, auxiliando positivamente nos tratamentos de doenças como dermatite atópica, rosácea e acne vulgar. Quanto maior a diversidade biológica do microbioma, maior o equilíbrio entre os micro-organismos e mais saudável é a pele.

O estado de desequilíbrio desses microrganismos é definido como disbiose, situação que apresenta uma origem multifatorial, podemos destacar a idade, gênero, uso de medicamentos, estilo de vida e os hábitos de alimentação e higiene como alguns dos fatores que favorecem essa desordem.  A disbiose é caracterizada pela baixa diversidade de micro-organismo que leva a uma propensão a doenças de pele.

Assim, para a manutenção das funções vitais da pele, bem como integridade da função barreira cutânea, é fundamental que haja um equilíbrio entre os microrganismos que na pele habitam, além de uma condição favorável para o seu desenvolvimento. Resultando em uma pele saudável, hidratada, fortalecida em plenitude nas suas funções.

O que são pós bióticos?

Os pós bióticos utilizados em dermocosméticos são substâncias extraídas de cultura dessas bactérias do microbioma cutâneo, por biotecnologia. Rico em minerais essenciais para manter a saúde da pele (manganês, ferro, zinco, cobre e silício), o pós biótico restaura o brilho e aparência saudável, hidrata e reforça também a barreira da pele.

Источник: https://www.lojaadcos.com.br/belezacomsaude/prebioticos-beneficios-pele/

Para que servem os probióticos e quais os benefícios?

Prebióticos: o que são e para que servem

Os probióticos são micro-organismos vivos benéficos para a saúde humana. Quando estão em equilíbrio, ajudam a manter a microbiota intestinal saudável e, assim, colaboram para o bom funcionamento do corpo. 

Ainda, os probióticos melhoram diferentes sistemas, como o digestivo e o imunológico. Por isso, são reconhecidos por muitos especialistas como “bactérias do bem”.

A origem do termo

Há bibliografias que apresentam o termo como originário do latim, que significa “a favor da vida”: pro (a favor) e bios (vida). Neste caso, torna-se o oposto de antibiótico (no qual “anti” significa “contra”), medicamentos utilizados para eliminar as bactérias que estão causando uma doença.

Os probióticos e a microbiota

Para entender essa relação, é importante saber que a microbiota intestinal aloja micro-organismos considerados benéficos e maléficos. 

Além deles, existem também bactérias “indecisas” e influenciáveis pela condição mais propícia. Assim, quando o organismo está em desequilíbrio, as bactérias indecisas jogam no time de quem está ganhando, ou seja, se unem às bactérias que prejudicam a saúde.

Para reverter esse jogo, é recomendado consumir probióticos para modular a microbiota intestinal, fortalecer as bactérias saudáveis e promover a estabilidade.

Para que servem os probióticos?

Os probióticos servem para regular a microbiota intestinal, equilibrar distúrbios gastrointestinais, prevenir e tratar doenças, e, também, atuam como imunomoduladores.

Contudo, o nosso corpo pode ser “abastecido” de probióticos através de suplementos ou manipulados. Também na ingestão de alimentos que contam com algum tipo de probiótico na composição, como: iogurte, kefir e missô.

Principais benefícios dos probióticos

  • Ajudam a controlar a microbiota intestinal; 
  • atuam na recuperação da microbiota intestinal após o uso de antibiótico;
  • fortalecem as atividades gastrointestinais;
  • combatem organismos que causam doenças, através de compostos antimicrobianos; 
  • estimulam o sistema imunológico; 
  • promovem o alívio em casos de constipação; 
  • são indicados para lidar com diarreia e outros; 
  • ajudam na absorção de micronutrientes importantes, como minerais e vitaminas.

Estudos sobre probióticos

Existem pesquisas que evidenciam outros benefícios dos probióticos para funcionalidades mais específicas. Veja abaixo e consulte aqueles nos quais você tem interesse:

Qual a diferença entre probióticos e prebióticos?

A grafia engana, mas probióticos e prebióticos são elementos diferentes, por mais que ambos estejam associados à microbiota intestinal. Resumidamente, os prebióticos são as fibras que alimentam os probióticos. 

Enquanto os probióticos são micro-organismos vivos que beneficiam a saúde do hospedeiro, os prebióticos são carboidratos não digeríveis que servem de “comida” e estimulam o crescimento das bactérias do bem (como os probióticos).

Probiótico pode ser recomendado para crianças?

Essa é uma dúvida muito comum de pais que percebem algum problema digestivo em seus filhos, principalmente, durante a primeira infância. 

Diante disso, é importante saber que se a necessidade for identificada por algum profissional da saúde, sim, o probiótico pode ser recomendado.

Para ampliar a discussão, um estudo evidenciou que os probióticos melhoram o quadro de crianças com diarreia e infecções respiratórias, por exemplo. Ainda, outra pesquisa identificou que os micro-organismos aliviam a cólica infantil e gastroenterite aguda.

Como incluir probióticos no dia a dia?

Para reforçar o funcionamento do organismo com probióticos, o primeiro passo é consultar seu médico ou nutricionista. Ao seguir a recomendação indicada pelo profissional, é possível incluir probióticos naturais na rotina através de alimentos ou opções manipuladas.

Alimentos ricos em probióticos

  • Leite fermentado
  • Kombucha
  • Azeitonas em conserva
  • Queijo
  • Kefir
  • Iogurte
  • Picles
  • Coalhada
  • Missô
  • Shoyo

Probióticos manipulados

Outra opção para incluir as “bactérias do bem” no dia a dia e na dose certa é apostar em suplementos ou probióticos manipulados. Geralmente, são compostos por cepas bacterianas que promovem determinados benefícios para o corpo. 

Veja algumas delas abaixo:

Cepa bacterianaAplicação
Lactobacillus caseiEnvolvido na inibição de bactérias nocivas, tratamento de diarreia, alergia, imunomodulação, redução do colesterol e glicemia, doença inflamatória intestinal.

Possui estudos também mostrando efeito anti-hipertensivo e antiobesidade, como adjuvante para erradicação do H. pylori e também para a prevenção de infecções comuns em atletas.

Lactobacillus acidophilusTratamento e prevenção de diarreia associada ao antibiótico, síndrome do intestino irritável, redução do colesterol, triglicerídeos e aumento do HDL.
Lactobacillus plantarumReduz colesterol, glicose e peso.
Bifidobacterium lactisAumenta a resposta imune.
Bifidobacterium bifidumReduz a frequência de episódios de diarreia.
Bifidobacterium infantisAlivia alguns sintomas da síndrome do intestino irritável.
Bifidobacterium animalisAlivia a constipação intestinal.
Aumenta a sensibilidade à insulina.
Bifidobacterium longumRedução dos sintomas de ansiedade.
Lactobacillus gasseriPerda de peso.
Lactobacillus reuteriPrevenção da perda óssea, redução de cólicas do recém-nascido, terapia adjuvante para erradicação do H. pylori, redução da glicose.
Lactobacillus paracaseiTratamento de diarreia aguda e rinite alérgica.
Saccharomyces boulardiTratamento de diarreia causada por Clostridium e por antibióticos; terapia adjuvante para erradicação do H. pylori.
Streptococcus thermophilusReduz a frequência de episódios de diarreia e os sinais associados com a má digestão da lactose. Alivia alguns sintomas da síndrome do intestino irritável.
Enterococcus faeciumTratamento de diarreia aguda e causada por antibiótico.

Vale destacar que existem também os probióticos tópicos, indicados para tratar acne, dermatite, eczema, cicatrizações e ressecamento.Quer saber mais sobre este assunto? Leia o artigo “Probióticos para a pele” e conte com a Essentia Pharma para tirar dúvidas sobre os temas apresentados.

Postado 21 jan, 2021  |  Atualizado 22 jan, 2021  |  Tempo de leitura 7 min

Источник: https://essentia.com.br/conteudos/probioticos/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: