Sangramento Nasal: causas e tratamento

Sangramento Nasal: causas e tratamento

Sangramento Nasal: causas e tratamento

O sangramento nasal, chamado em medicina de epistaxe ou epistaxis, é um evento bastante comum. Mais de 60% da população já teve ou terá pelo menos um episódio de sangramento nasal em algum momento da vida.

Apesar de assustar, os sangramentos nasais raramente provocam alguma complicação relevante. Na imensa maioria dos casos, a perda de sangue pode ser facilmente controlada em casa, sem auxílio médico.

Tipos de epistaxe

A cavidade nasal é altamente vascularizada e seus vasos são relativamente superficiais, principalmente na região mais anterior do nariz.

Os sangramentos nasais são habitualmente classificados em epistaxe anterior e epistaxe posterior.

A epistaxe anterior é disparada a forma mais comum de sangramento do nariz. Ela surge quando há lesão dos vasos na região anterior da mucosa nasal, mais próxima das narinas. Nesta região, várias pequenas artérias se ligam, formando um emaranhado vascular conhecido como plexo de Kiesselbach, que é um sítio muito frágil, que sangra com facilidade.

Epistaxe – local do sangramento

A epistaxe posterior é mais rara, sendo responsável por apenas 5% dos casos de sangramento nasal. Apesar de ser menos comum, os sangramentos posteriores costumam ser mais volumosos e de difícil controle. Os poucos casos de epistaxe que necessitam de atendimento médico de urgência são geralmente aqueles que têm origem na região posterior da cavidade nasal.

A epistaxe é mais comum em crianças com menos de 10 anos e em adultos com mais de 45.  Isso não significa, de modo algum,  que adolescentes e adultos jovens não possam ter sangramentos pelo nariz.

Quais são as causas de sangramento do nariz?

A maioria dos casos de epistaxe surge por traumas na mucosa nasal. O ato de colocar o dedo dentro do nariz para tirar meleca é a principal causa.

Outras situações que também aumentam o risco de sangramento nasal são:

Ar ressecado

Quando a umidade do ar encontra-se muito baixa, a mucosa nasal fica mais ressecada e irritada, fazendo com que lesões no local tornem-se mais fáceis de ocorrer. Pessoas que passam o dia em locais fechados com ar-condicionado ou aquecimento ligado são as mais susceptíveis a apresentarem sangramentos pelo nariz.

Irritação da mucosa nasal

Infecções das vias aéreas ou quadros alérgicos que provoquem irritação da mucosa nasal e rinite também são fatores de risco para a epistaxe.

História de trauma nasal

Pessoas que sofreram traumatismo na face, como em acidentes de automóvel ou agressões físicas, podem passar a ter sangramentos do nariz de forma intermitente. Pacientes com desvio de septo também costumam ter mais episódios de perda de sangue nasal.

Corpo estranho na cavidade nasal

Em crianças pequenas, a presença de um corpo estranho (tipo grão de arroz ou feijão) inoculado dentro do nariz sem o conhecimento dos pais pode ser a causa do sangramento. A dica é a presença de sangue acompanhado de secreção purulenta.

Medicamentos que interferem com a coagulação

Pacientes  em uso de medicamentos que interferem na coagulação sanguínea, como os anticoagulantes heparina ou varfarina também apresentam maior risco de epistaxe. Drogas usadas para diminuir a ação das plaquetas, como a Aspirina (AAS) ou clopidogrel também aumentam o risco de sangramentos, mas não tanto quanto os anticoagulantes.

Corticoides intranasais

Pacientes que fazem uso crônico de corticoides intranasais também estão sob maior risco. Do mesmo modo, o uso excessivo de descongestionantes nasais também pode irritar a mucosa do nariz,  favorecendo a epistaxe.

Cocaína

Usuários de cocaína por via inalatória frequentemente apresentam lesão da mucosa nasal e sangramentos pelo nariz.

Tumores

Tumores da cavidade nasal costumam provocar sangramentos, mas felizmente, eles respondem apenas por uma minoria dos casos de epistaxe.

Causas menos comuns de sangramento nasal frequente incluem as doenças da coagulação, como hemofilia ou doença de von Willebrand, e má-formações dos vasos da cavidade nasal, como ocorre na doença de Osler-Weber-Rendu.

Apesar de popularmente aceito, a hipertensão arterial parece não ser causa de epistaxe.

Não há consenso na literatura médica, mas a tendência atual é de não considerar a hipertensão como fator desencadeante dos sangramentos nasais.

O que ocorre frequentemente é a elevação da pressão após o início do sangramento, devido à ansiedade que a perda de sangue, às vezes volumosa, provoca no paciente.

O que fazer quando o nariz sangra?

A grande maioria dos sangramentos do nariz é autolimitada e pode ser controlada em casa.

Enquanto tenta-se estancar o sangramento é importante evitar que o sangue reflua posteriormente, indo em direção à faringe, o que favorece a sua deglutição ou até a a sua aspiração pelos pulmões, se o sangramento for muito volumoso.

Portanto, o ato de levantar a cabeça ou deitar-se com a narina tampada por uma compressa de pepel higiênico, algodão ou gaze está errado. Isso não acelera a cicatrização e ainda pode levar o paciente a deglutir o ou aspirar sangue, principalmente no caso das crianças.

Modo correto de estancar sangramento nasal

O modo correto de estacar um sangramento nasal é sentar-se, inclinar levemente o tronco e a cabeça para frente e com os dedos polegar e indicador apertar as narinas pelo lado do fora, de forma a tapar a saída de sangue.

Mantenha o nariz apertado por pelo menos 5 minutos ininterruptos. Não fique tirando a pressão dos dedos a toda hora para ver se o sangramento ainda persiste. Compressas frias pelo lado de fora no nariz também podem ser usadas.

Se após 5 minutos o sangramento persistir, repita a operação, agora mantendo a pressão por 10 a 15 minutos.

Após a cessação do sangramento, fique em repouso por pelo menos uma hora. Não assoe o nariz e não faça esforço físico pelo resto do dia. Procure manter a cabeça acima do nível do coração (não deite nem ponha a cabeça entre as pernas) para reduzir a pressão sanguínea nos vasos do nariz.

Se após 20 minutos de compressão nasal o sangramento persistir, ou se houver hemorragia nasal, com sangramento for muito volumoso desde o início, procure ajuda médica.

Outros motivos para procurar ajuda médica devido a sangramentos nasais são:

  • Epistaxe que surgem após traumas da cabeça.
  • Epistaxes recorrentes, que vão e voltam ao longo do dia, por vários dias seguidos.
  • Pacientes em uso de anticoagulantes que apresentam sangramento nasal devem procurar atendimento médico para avaliar a possibilidade de intoxicação pelos coagulantes.
  • Se o paciente tiver sido submetido a algum procedimento cirúrgico na face recentemente.
  • Sangramentos do nariz que surgem junto com febre e/ou dor de cabeça.

Tratamento

Quando o paciente se depara com uma das situações listadas acima, um tratamento mais especializado passa a ser necessário para o controle dos sangramentos nasais. Os tratamentos mais usados para o controle do sangramento são:

Cauterização química

A cauterização química é um processo no qual o médico usa substâncias químicas para “queimar” os vasos sangrantes e estancar a perda de sangue pelo nariz.

Inicialmente, coloca-se na cavidade nasal um algodão embebido com anestésico local e uma substância vasoconstritora para diminuir o sangramento.

Depois, usamos um algodão embebido com ácido tricloroacético ou nitrato de prata para cauterizar a região sangrante e seus arredores.

Cauterização elétrica

A cauterização elétrica é habitualmente utilizada quando a cauterização química não consegue estancar totalmente o sangramento nasal. É um procedimento mais doloroso que precisa ser feito com adequada anestesia local.

Cauterização endoscópica

Com o uso de endoscópio é possível visualizar diretamente os pontos sangrantes dentro do nariz. Ambas as formas de cauterização podem ser usadas (química ou elétrica). É uma forma mais efetiva de controlar os epistaxes mais posteriores.

Tampão nasal anterior

Se as técnicas de cauterização descritas acima falharem, o médico lançará mão dos tampões nasais para interromper a perda  e sangue pelo nariz.

Os tampões são umas espumas sintéticas, feitas especialmente para absorver sangue e estancar sangramentos.

Depois de implantados dentro da cavidade nasal, o tampão pode ser enchido com soro, de forma a se expandir e comprimir as paredes dos vasos com sangramento. O tampão costuma ser retirado após 48-72 horas.

Cirurgia

Se tudo falhar, a cirurgia para ligadura (geralmente por via endoscópica) ou embolização de artérias que nutrem a cavidade nasal é a alternativa que resta.

Referências

Источник: https://www.mdsaude.com/otorrinolaringologia/sangramento-nasal/

Sangramento nasal nem sempre tem relação com tempo seco; veja outras causas

Sangramento Nasal: causas e tratamento

Quando falamos em sangramento nasal, é comum associar o problema ao tempo quente e seco. Realmente, a baixa umidade do ar provoca o ressecamento das vias aéreas e é responsável por grande parte dos casos de rompimento dos vasinhos nasais. Porém, doenças, traumas e hábitos ruins também podem estar por trás da condição, mesmo quando a umidade do ar está alta, acima de 60%.

Existem dois tipos de epistaxe ou hemorragia nasal.

A anterior ao nariz, que é a mais comum e ocorre à frente dele, onde é grande a concentração de vasos sanguíneos frágeis, e a posterior ao nariz, mais no fundo dele e com efeitos mais sérios, pois nessa região ficam artérias grandes que se relacionam com o restante da face e que ao se romperem pulsam e jorram tanto sangue que a pessoa, por falta dele, pode precisar de uma transfusão.

“Na epistaxe anterior, o sangue sai pelas narinas e depois de alguns minutos para espontaneamente. Já na posterior, sente-se o sangue escorrer por dentro da garganta de maneira mais intensa, causando desconfortos e mal-estar”, explica Cícero Matsuyama, otorrinolaringologista do Hospital Cema, em São Paulo.

Doenças, traumas e hábitos ruins

Independente de sexo ou idade, qualquer um está sujeito a ter um sangramento nasal por fratura; esforço excessivo ao assoar o nariz; exposição prolongada ao tempo seco ou ao ar-condicionado; deformidades anatômicas (como desvio de septo, que deixa as mucosas nasais mais finas e ressecadas e os vasos mais expostos, podendo causar sangramento); inalação acidental ou constante de produtos químicos; inflamações secundárias a infecções do trato respiratório por doenças de origem viral ou bacteriana, além de processos alérgicos.

Em se tratando de crianças, 30% das que têm entre 2 e 5 anos e 56% entre 6 e 10 anos estão propensas a terem sangramentos nasais, ao menos, uma vez por ano.

É que na infância, além de haver muitos vasinhos em formação dentro do nariz, também é grande o risco deles se romperem por inflamações respiratórias causadas por gripes, sinusites e rinites, além de traumas por quedas e brincadeiras e introdução de dedos e objetos estranhos nas narinas.

Na fase adulta, outras causas, além das já citadas, incluem hipertensão arterial descontrolada, insuficiência cardíaca, tumores cancerígenos e doenças que comprometem a coagulação do sangue, como hemofilia, leucemia, insuficiências hepática e renal e linfomas.

Sangramentos relacionados a alterações sanguíneas podem ocorrer ainda por uso diário ou doses elevadas de anti-inflamatórios, como aspirina, e de outros medicamentos que aumentem a circulação, ou por alcoolismo severo, que provoca deficiência de vitamina K, responsável pela coagulação.

Por falar em excessos e dependências, usuários de drogas inalantes, como cocaína, também estão suscetíveis a sofrerem lesões nas mucosas, que podem criar crostas, infeccionar e sangrar.

“Outras substâncias que oferecem risco às narinas são os descongestionantes nasais, que não devem ser usados por crianças e adultos por mais de cinco dias.

Tanto os de uso local como de uso oral apresentam reações adversas que predispõem a ruptura de vasos sanguíneos” explica Cristiane Adami, médica otorrinolaringologista do Hospital Paulista, em São Paulo.

Como conter o sangramento?

Se o sangramento ocorrer na parte anterior do nariz, ou seja, próximo da ponta dele, deve se inclinar um pouco a cabeça para frente, para que o sangue saia totalmente pela narina e não seja engolido, evitando engasgos.

Nesse momento, também é recomendado pressionar o nariz com uma pedra de gelo envolvida em uma toalha, pois assim a temperatura local diminui, e estancar o vaso rompido com um pedaço de algodão. Adami acrescenta que se a pessoa quiser pode pingar um pouco de remédio vasoconstritor no vasinho para que ele se contraia e feche.

Cícero Matsuyama aconselha que, ao se ter um sangramento nasal desse tipo pela primeira vez, a pessoa procure um médico especialista em otorrinolaringologia em vez de um clínico geral, devido à necessidade de se fazer uma avaliação e um diagnóstico com instrumentos especiais e precisos para visualização da cavidade nasal. Depois é só tratar a causa.

As mais simples, como processos inflamatórios ou alérgicos, podem ser controladas apenas com uso de medicação, hidratação nasal com solução fisiológica e mudança de hábitos, como usar máscara ao lidar com substâncias químicas.

Porém, quando há suspeita de trauma ou sangramento acompanhado de sintomas, como aumento da frequência cardíaca, sensação de desmaio, cansaço e pressão baixa, a pessoa deve ir direto ao pronto-socorro.

Se for constatada uma emergência, ao mesmo tempo em que se tenta conter o sangramento devem ser verificados os sinais vitais, para que se a pressão estiver fora do normal possa ser estabilizada, até mesmo para poder operar, se for necessário.

Objetos estranhos introduzidos nas narinas são retirados com pinças e depois as eventuais lesões tratadas com medicamentos. Também podem ser pinçados vasos que se romperam ou até mesmo cauterizá-los elétrica e quimicamente.

“Outros métodos para conter sangramentos nasais incluem inserir tampões nas narinas, fazer embolizações e até ligaduras arteriais.

Depois, com o paciente estabilizado e fora de risco, o passo seguinte é investigar a causa desse problema e tratá-lo”, afirma José Ricardo Testa, médico otorrino do Hospital 9 de Julho, em São Paulo.

Podcasts do UOL
Ouça o podcast Maratona, em que especialistas e corredores falam sobre corrida. Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Источник: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2019/12/06/sangramento-nasal-nem-sempre-tem-relacao-com-tempo-seco-veja-outras-causas.htm

Sangramento Nasal: Principais causas e O que fazer

Sangramento Nasal: causas e tratamento

O revestimento do nariz contém vasos sanguíneos minúsculos que ficam perto da superfície e que, por isso, podem ser facilmente danificados, causando sangramento. Por esse motivo, a hemorragia nasal é mais comum após cutucar o nariz ou devido a alterações na qualidade do ar, que, caso esteja seco, pode deixar as membranas nasais mais suscetíveis.

Porém, além destes fatores, existem outras causas e doenças que podem estar na origem do sangramento nasal e se corretamente diagnosticadas, podem ser facilmente tratadas, corrigindo o problema da hemorragia.

1. Trauma

Caso ocorra uma lesão no nariz, como uma pancada muito forte ou mesmo se o nariz quebrar, isso geralmente causa sangramento.

A fratura acontece quando há a quebra do osso ou cartilagens do nariz e geralmente, para além do sangramento, podem também ocorrer outros sintomas como dor e inchaço no nariz, aparecimento de manchas roxas em volta dos olhos, sensibilidade ao toque, deformidade do nariz e dificuldade para respirar pelo nariz. Veja como reconhecer se tem o nariz quebrado.

O que fazer: geralmente o tratamento deve ser feito no hospital e consiste no alívio dos sintomas com analgésicos e anti-inflamatórios e depois numa cirurgia para realinhamento dos ossos.

A recuperação costuma ocorrer em cerca de 7 dias, mas, em alguns casos, outras cirurgias podem ser feitas pelo otorrino ou cirurgião plástico para correção total do nariz.

Saiba mais sobre o tratamento do nariz quebrado.

2. Pressão arterial alta

Normalmente, pessoas que têm a pressão arterial alta não apresentam sintomas, a não ser que a pressão esteja superior a 140/90 mmHg.

Nesses casos podem-se manifestar sintomas como enjoos e tonturas, dor de cabeça forte, sangramento pelo nariz, zumbido nos ouvidos, dificuldade para respirar, cansaço excessivo, visão embaçada e dor no peito.

Conheça outros sintomas e saiba quais as causas da hipertensão.

O que fazer: o melhor a fazer caso a pessoa descubra que tem pressão alta através de uma medição simples, é ir ao médico, que pode apenas aconselhar uma dieta mais adequada, pobre em sal e gorduras, ou em casos mais severos pode receitar remédios que ajudam a baixar a pressão arterial.

3. Presença de corpo estranho no nariz

Por vezes, principalmente em bebês e crianças, o sangramento pode ser causado por objetos colocados no nariz, como pequenos brinquedos, pedaços de alimentos ou sujeira. Além do sangramento é comum que surjam outros sintomas como desconforto no nariz e, até, dificuldade para respirar, por exemplo.

O que fazer: deve-se tentar assoar suavemente o nariz ou tentar remover o objeto com uma pinça, por exemplo, mas com muito cuidado, pois este processo pode fazer com que o objeto fique ainda mais preso no nariz.

Caso nenhuma destas dicas resulte em poucos minutos, deve-se ir à urgência, para que um profissional de saúde retire o objeto com segurança.

Entretanto, deve-se tentar acalmar a pessoa e pedir para respirar pela boca, de forma a evitar que o objeto entre mais para dentro do nariz.

É ainda muito importante evitar ter objetos pequenos ao alcance de bebês e crianças e estar sempre um adulto a vigiar, principalmente durante as refeições.

4. Plaquetas baixas

Pessoas que têm as plaquetas baixas, têm uma maior tendência a sofrer sangramentos, porque apresentam maior dificuldade em fazer a coagulação do sangue e, por isso, podem apresentar sintomas como manchas roxas e avermelhadas na pele, sangramento das gengivas e do nariz, presença de sangue na urina, sangramento nas fezes, menstruação volumosa ou feridas com sangramento de difícil controle. Saiba quais o que pode causar diminuição das plaquetas.

O que fazer: o tratamento para a diminuição de plaquetas no sangue deve ser feito conforme a causa do problema, devendo, assim, ser avaliado por um clínico geral ou hematologista. O tratamento pode incluir apenas o uso de remédios ou até transfusão de plaquetas. Veja mais sobre o tratamento desta condição.

5. Desvio do septo nasal

O desvio do septo nasal pode ocorrer devido a traumatismos no nariz, inflamações locais ou ser apenas um defeito de nascença, e provoca diminuição do tamanho de uma das narinas, podendo causar dificuldade em respirar, sinusite, cansaço, sangramento nasal, dificuldade para dormir e ronco.

O que fazer: geralmente é necessário corrigir o desvio através de uma cirurgia simples. Entenda melhor como é feito o tratamento.

6. Hemofilia

A hemofilia é uma doença genética e hereditária, que causa alterações na coagulação do sangue, podendo causar sintomas como manchas roxas na pele, inchaço e dor nas articulações, sangramentos espontâneos na gengiva ou nariz, hemorragias difíceis de parar após um simples corte ou cirurgia e menstruação excessiva e prolongada.

O que fazer: embora não tenha cura, a hemofilia pode ser tratada com a reposição dos fatores de coagulação que estão em falta, como o fator VIII, no caso da hemofilia tipo A, e o fator IX, no caso da hemofilia tipo B. Saiba mais sobre o tratamento da hemofilia e que cuidados deve ter.

7. Sinusite

A sinusite é uma inflamação dos seios nasais que pode causar sintomas como sangramento nasal, dor de cabeça, corrimento nasal e sensação de peso no rosto, especialmente na testa e nas maçãs do rosto.

Geralmente, a sinusite é provocada pelo vírus Influenza, sendo muito comum durante crises de gripe, mas também pode ser causada pelo desenvolvimento de bactérias nas secreções nasais, que ficam presas no interior dos seios nasais.

O que fazer: o tratamento deve ser realizado por um clínico geral ou otorrinolaringologista e consiste no uso de sprays nasais, analgésicos, corticoides orais ou antibióticos, por exemplo. Saiba mais sobre as opções de tratamento.

8. Uso de medicamentos

O uso frequente de alguns tipos de medicamentos, como sprays nasais para alergias, anticoagulantes ou aspirina podem dificultar a coagulação do sangue e, por isso, causar hemorragias mais facilmente, como por exemplo no nariz.

O que fazer: se o sangramento do nariz causar muito desconforto ou for muito frequente, o ideal é falar com o médico, de forma a medir os benefícios e os ricos do medicamento em questão, e se se justificar, fazer a sua substituição.

Assista o vídeo seguinte e confira estas e outras dicas sobre o que fazer se o seu nariz continuar sangrando:

Источник: https://www.tuasaude.com/sangramento-nasal/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: