Seroma: o que é, sintomas e tratamento

Seroma: o que é, sintomas e tratamento

Seroma: o que é, sintomas e tratamento

O seroma é uma complicação que pode surgir após qualquer cirurgia, sendo caracterizada pelo acúmulo de líquido abaixo da pele, próximo à cicatriz cirúrgica.

Este acúmulo de líquido é mais comum após cirurgias em que houve corte e manipulação da pele e do tecido gorduroso, como após cirurgias plásticas, abdominoplastia, lipoaspiração, cirurgias da mama ou após a cesárea, por exemplo, sendo resultado da inflamação no causada pelo procedimento e reações de defesa do corpo.

O seroma pequeno pode ser reabsorvido naturalmente pela pele, resolvendo-se após cerca de 10 a 21 dias, entretanto, em alguns casos, é necessária a realização de uma punção com seringa pelo médico.

Para diminuir essa complicação, é indicado utilizar cintas ou curativos compressivos após a cirurgia, além de cuidados para facilitar a cicatrização.

Confira cuidados essenciais que se deve ter com a cicatriz de cesárea.

O seroma pode ser identificado a partir dos seguintes sinais e sintomas:

  • Saída de líquido claro ou transparente pela cicatriz;
  • Inchaço local;
  • Flutuação no local da cicatriz;
  • Dor na região da cicatriz;
  • Pele avermelhada e aumento da temperatura ao redor da cicatriz.

Além disso, pode haver coloração avermelhada ou marrom quando o seroma estiver misturado com sangue, o que é mais comum logo após a cirurgia, e tende a ficar mais claro à medida que a cicatrização continua.

Assim que forem notados sinais do seroma é importante consultar o médico para que possa ser feito uma avaliação e, dependendo da gravidade, iniciado o tratamento.

Quando surge seroma

O seroma costuma surgir durante as primeiras 1 a 2 semanas do pós-operatório, e acontece devido ao acúmulo de líquido no espaço morto entre as camadas da pele. Após o surgimento de sintomas que indicam seroma, é necessário conversar com o cirurgia que avaliará a necessidade de realização do tratamento.

Quando o seroma não é tratado, o acúmulo de líquido que não é removido pode endurecer, formando um seroma encapsulado, deixando a cicatriz feia. Além disso, o tratamento também é importante porque o seroma pode infeccionar, formando um abcesso na cicatriz, com libertação de pus, que é tratado com antibióticos.

O tratamento do seroma só é necessário quando existe um grande acúmulo de líquidos ou surge dor, pois, nos casos mais leves, o corpo é capaz de absorver o excesso de líquido.

Porém, quando é necessário, o tratamento é feito com a remoção do líquido com uma agulha e seringa ou colocação de um dreno, que é um pequeno tubo inserido na pele diretamente até ao seroma, permitindo que o líquido saia.

Entenda melhor para que serve o dreno e como cuidar.

Caso seja necessário aliviar a dor, o médico pode ainda prescrever remédios analgésicos e anti-inflamatórios como Paracetamol ou Ibuprofeno, por exemplo.

Já o tratamento do seroma encapsulado é mais complicado, podendo ser necessária a aplicação de corticóides ou de cirurgia para a sua remoção. A ultracavitação também é um método que pode ser utilizado, pois se baseia em um ultrassom de alta potência, que são capazes de atingir a região a ser tratada e formar reações que estimulam a eliminação do líquido.

Nos casos em que o seroma infecciona, o tratamento geralmente é feito com antibióticos prescritos pelo médico. Já no caso de seroma encapsulado, o médico poderá recomendar a cirurgia para remoção do líquido e para deixar a cicatriz mais bonita.

Opções caseiras

O tratamento caseiro tem como objetivo evitar que o seroma surja e combatê-lo logo nos primeiros sinais. Uma das opções caseiras é o uso de cintas compressivas a depender do tipo de cirurgia, sendo normalmente indicado o uso após cirurgias de abdômen e cesárea. Veja como se recuperar da cesariana mais rápido.

Além disso, é importante perguntar ao médico sobre compressas ou pomadas que podem ser colocadas na cicatriz, já que aceleram o processo de cicatrização e reduzem o inchaço que normalmente surge após o procedimento cirúrgico. É importante também alimentos que estimulem e facilitem a cicatrização, como a laranja, o abacaxi e a cenoura, por exemplo. Confira uma lista completa dos alimentos que aceleram a cicatrização.

O que pode causar o seroma

Os seromas podem surgir após qualquer cirurgia, dependendo da forma como o corpo de cada pessoa recupera. No entanto, este problema é mais comum em:

  • Cirurgias extensas, como remoção da mama em caso de câncer;
  • Casos que necessitam de drenos após a cirurgia;
  • Cirurgias que provocam lesões em vários tipos de tecidos;
  • Pessoas que têm histórico anterior de seroma.

Embora seja uma complicação bastante comum, pode ser evitada com alguns cuidados simples como utilizar uma cinta por cima do local da cicatriz e evitar fazer exercício intenso sem indicação do médico.

Além disso, no caso de existir risco aumentado de desenvolver um seroma, normalmente o médico coloca um dreno durante a cirurgia para que o líquido acumulado possa sair enquanto a ferida cicatriza. Confira os principais cuidados que se deve ter após uma cirurgia abdominal para acelerar a recuperação.

Источник: https://www.tuasaude.com/seroma/

Fibrose pós-operatório – Tratamento Lisboa

Seroma: o que é, sintomas e tratamento

A fibrose pós-operatório constitui um processo normal, porém muito perigoso para o bom resultado da cirurgia, especialmente quando falamos em cirurgias estéticas.

Resultante do processo de cicatrização do tecido lesado, a fibrose ocorre devido ao acúmulo crónico de proteínas que interferem com o bom funcionamento dos fibroblastos – responsáveis pela cicatrização – resultando no excesso e retenção de colagénio, dando assim origem aos acúmulos, durões, ondulações, dor, aderências e aparência inestética da pele nova em formação. A fibrose pode aparecer entre uma a três semanas pós-cirúrgico, ou seja, a medida que o edema diminui, tornam-se mais nítidas as fibroses e que resulta numa aparência pouca estética da zona tratada, sendo por isso uma palavra muito temida pelos cirurgiões plásticos e para os pacientes que se submetem as intervenções cirúrgicas.

É fundamental apostar em bons procedimentos pré e pós-operatórios de forma a evitar o “insucesso” das cirurgias estéticas. O tratamento pós-cirúrgico é longo e deve ser iniciado o quanto antes. É de extrema importância seguir as recomendações feitas pelo médico cirurgião, para uma cirurgia e pós-operatório bem-sucedidos.

Formas de tratamento da Fibrose

Um grande erro que ocorre muitas vezes por parte dos pacientes que submeter-se-ão à uma cirurgia estética é a falta de planeamento, quer do período pré-cirúrgico como do pós-cirúrgico.

Deve informar-se com o seu cirurgião plástico ou com especialistas em pré e pós-cirúrgico sobre todos os cuidados que deve ter, inclusive a dietética mais adequada para garantir a melhor e mais breve recuperação após a cirurgia, pois uma alimentação específica favorece o restabelecimento do organismo de forma a contribuir favorável e brevemente para a diminuição dos edemas, das equimoses (manchas roxas) e melhora da cicatrização.

Na SP Clinic dispomos de tratamentos pré e pós-cirúrgicos especializado naturais e manuais, além dos produtos da marca GERnétic, a mais utilizada e recomendada pelos cirurgiões estéticos em Portugal devido a elevadíssima qualidade e tecnologia dos laboratórios GERnétic, o que garante o êxito total na recuperação, cicatrização e renovação da pele.

Algumas das modalidades terapêuticas executadas na firbose pós-operatório:

  • Drenagem linfática Manual;
  • Termoterapia;
  • Eletroterapia;
  • Vacuoterapia;
  • Cosmetologia especializada;
  • Dietética & Nutrição.

Agendar Consulta

Drenagem Linfática Manual e/ou Terapia Vacuumlinfática Manual no Pré e Pós-Operatório

A Drenagem Linfática Manual (DLM) ou a Terapia Vacuumlinfática Manual (TVM), pode e deve ser aplicada tanto no pré-operatório para preparar o tecido e área a ser tratada como no pós-operatório no alívio do desconforto, equimoses, edemas (inchaço) e na remoção dos detritos celulares resultantes do trauma da cirurgia. A Drenagem Linfática Manual é imprescindível para o descongestionamento do sistema linfático e circulatório.

Porque fazer Drenagem Linfática Manual após a cirurgia estética?

Conforme já mencionamos, é natural que ocorram edemas (inchaço), equimoses (manchas roxas na pele) durões ou nódulos nas áreas submetidas ao ato cirúrgico, especialmente após a lipoaspiração e quando combinadas com outras técnicas e procedimentos estéticos.

Não se preocupe, trata-se de uma reação normal e natural do seu corpo. Este Linfedema pós-cirúrgico é causado pela inflamação e trauma derivados dos instrumentos cirúrgicos abaixo da pele, originando acúmulo de fluídos e o respetivo inchaço dos tecidos.

A Drenagem Linfática Manual favorece a drenagem dos fluídos, fazendo-os retornar aos vasos linfáticos, reduzindo o edema, inchaço e o desconforto. Sem a ajuda da Drenagem Linfática Manual a inflamação pode desenvolver para fibrose ou seroma.

Muitos cirurgiões prescrevem Drenagem Linfática Manual após a cirurgia plástica de forma a garantir o melhor resultado possível ao procedimento cirúrgico.

Drenagem Linfática Manual é uma massagem profunda?

A Drenagem Linfática Manual é suave, rítmica e com o objetivo de encaminhar a linfa dos tecidos para o sistema linfático e circulatório.

Favorece o desaparecimento dos edemas e equimoses, fortalece o sistema imunológico na defesa do organismo, melhora a recuperação em casos pós-operatório e cicatrização.

Quando surgem fibrose e seroma, a técnica para os desfazer pode ser mais incisiva, mas somente poderá ser realizada quando já não houver riscos com a cicatrização, neste caso o profissional terá que avaliar qual o melhor momento para iniciar com as técnicas especificas.

Independentemente do tempo em que persiste, a fibrose tem tratamento. São utilizadas técnicas manuais específicas de reorganização do tecido cicatricial.

Quantos tratamentos são necessários?

São inúmeros os fatores que podem influenciar o processo de recuperação de um pós-operatório, sendo por isso bastante variável o número de sessões/tratamento em cada caso. O ideal é realizar pelo menos 5-10 sessões de Drenagem Linfática Manual tão logo o cirurgião a recomende.

O número de sessões por semana também pode ser variável, em média são realizadas 2-3 sessões por semana até que se atinja o efeito desejado, reduzindo nessa altura a periodicidade dos tratamentos.

Importante salientar de que quanto antes atuar na recuperação, melhor será a resposta do organismo.

Entende-se por recuperação o período de cuidados especiais com a alimentação, repouso, higiene, cintas elásticas, drenagem linfática e utilização de produtos específicos e especializados para garantir a cicatrização corretamente.

Como é feita a Drenagem Linfática Manual pós cirurgia?

É uma técnica de drenagem linfática realizada através de movimentos específicos que atuam de maneira muito eficiente sobre o sistema linfático e circulatório.

A correta estimulação dos principais centros de gânglios linfáticos ativa todo o sistema linfático, essa estimulação favorece o sistema imunológico e nervoso, produzindo um efeito terapêutico e relaxante. Talvez seja por isso que muitas pessoas adormeçam durante a sessão.

A Drenagem Linfática Manual pós-cirurgia tem diferentes fases de tratamento, numa primeira etapa poderemos atuar distalmente à zona que teve a intervenção cirúrgica, passando à intervenção local de acordo com a evolução do quadro clínico pós-cirúrgico.

Источник: https://www.spclinic.pt/tratamento-fibrose-pos-operatorio/

Cicatriz cirúrgica vazando líquido? Pode ser um seroma. Você sabe o que é?

Seroma: o que é, sintomas e tratamento

Gostou do artigo? Compartilhe!

terça-feira, 28 de maio de 2013 – Atualizado em 30/08/2019

O seroma pode acontecer em qualquer cirurgia. É a complicação pós-cirúrgica que consiste no acúmulo excessivo de líquido próximo à cicatriz1 cirúrgica, causando inflamação2. Ocorre após alguns dias da cirurgia e pode demorar semanas para desaparecer totalmente. É o extravasamento de um líquido semelhante ao plasma3, que se acumula abaixo da pele4, na região da cicatriz1 cirúrgica.

Quais são as causas do seroma?

Em geral, o seroma é devido a uma pré-disposição genética e ao não uso de uma cinta ou curativo compressivo após a cirurgia. Ocorre principalmente nas cirurgias que envolvem grandes deslocamentos de tecidos, como as abdominoplastias5.

Quais são os principais sinais6 e sintomas7 do seroma?

Os principais sinais6 e sintomas7 do seroma são:

  • Inchaço8 e flutuação locais.
  • Abaulamento9 da cicatriz1.
  • Dor.
  • Pele4 avermelhada.
  • Aumento da temperatura local.

Ocorre principalmente em cirurgias cesáreas ou abdominoplastias5. Pode drenar-se espontaneamente através da cicatriz1 cirúrgica, ocasionando um grande susto aos pacientes.

Como o médico trata o seroma?

O tratamento do seroma é feito através da punção do líquido por meio de agulhas e drenos, usando-se anestesia10 local para evitar a dor que o procedimento poderia causar.

Além disso, o médico usa analgésicos11 e anti-inflamatórios, na medida da necessidade e poderá usar antibióticos preventivamente, uma vez que o seroma é um excelente meio de cultura para bactérias.

Devem ser mantidos ou instituídos, se não existirem, curativos compressivos e o uso de uma cinta compressiva.

Como evolui o seroma?

Os líquidos acumulados são fluidos normais e não ocasionam nenhum mal, mas podem deformar as cicatrizes12 e torná-las pouco estéticas.

Se não for espontaneamente reabsorvido ou não for drenado, o seroma torna-se encapsulado e depois da formação de uma cápsula envolvendo-o, o tratamento adequado tem de ser cirúrgico.

ABCMED, 2013. Cicatriz cirúrgica vazando líquido? Pode ser um seroma. Você sabe o que é?. Disponível em: . Acesso em: 9 mar. 2021.

Nota ao leitor:
As notas acima são dirigidas principalmente aos leigos em medicina e têm por objetivo destacar os aspectos mais relevantes desse assunto e não visam substituir as orientações do médico, que devem ser tidas como superiores a elas. Sendo assim, elas não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação nem para subsidiar trabalhos que requeiram rigor científico.

1 Cicatriz: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.

2 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.

Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).

3 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).

4 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.

5 Abdominoplastias: Cirurgia plástica para retirar o excesso de gordura e de flacidez do abdome.

6 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.

7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença.

Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal.

A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.

8 Inchaço: Inchação, edema.

9 Abaulamento: 1. Ato, processo ou efeito de abaular. 2. Convexidade que se dá a diversas superfícies (ruas, estradas, coberturas etc.) para facilitar o escoamento de águas pluviais. 3. Em forma de curva, arqueada ou convexa.

10 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.

11 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.

12 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.

Gostou do artigo? Compartilhe!

Pergunte diretamente a um especialista

Источник: https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/356004/cicatriz+cirurgica+vazando+liquido+pode+ser+um+seroma+voce+sabe+o+que+e.htm

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: