Toxoplasmose: transmissão, sintomas e tratamento

Toxoplasmose: transmissão, sintomas, tratamento

Toxoplasmose: transmissão, sintomas e tratamento

A toxoplasmose é uma doença causada por um protozoário parasita intracelular obrigatório chamado Toxoplasma gondii.

É uma infecção observada em todo o mundo, apesar de ser mais encontrada em regiões de clima tropical. Essa doença destaca-se, na maioria dos casos, por não desencadear sintomas.

Devido a esse motivo e a outros, é perigosa em gestantes, por poder causar a morte fetal, e em pacientes imunocomprometidos.

Transmissão

A principal forma de adquirir a toxoplasmose é ingerindo os oocistos liberados pelos felinos. Esses oocistos podem contaminar a água e o alimento, por exemplo, desenvolvendo a doença quando ingeridos. Pode-se adquirir a toxoplasmose também ingerindo carne com os cistos teciduais.

Não podemos esquecermo-nos de citar ainda a transmissão da doença de forma congênita. Nesse caso, a mãe passa a toxoplasmose para o bebê durante a gravidez. Transfusão de sangue e transplantes de órgãos são formas raras de transmissão, mas podem ocorrer.

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade ;)

Sintomas

Geralmente a toxoplasmose é uma doença que não provoca sintomas.Apesar disso, esses podem ocorrer em alguns indivíduos. Veja a seguir algumas dessas possíveis manifestações:

Manifestações clínicas
Febre baixa
Mal-estar
Dor de cabeça
Dor nos músculos
Erupções cutâneas
Linfonodos aumentados
Dor ao engolir
Aumento do fígado e baço

Apesar de ser uma condição mais rara, em pacientes imunocomprometidos, pode-se observar ainda sintomas como encefalite, pneumonite e miocardite. A encefalite pode ser definida como uma inflamação no cérebro, já a pneumonite é uma inflamação do pulmão, enquanto a miocardite é uma inflamação do miocárdio.

Toxoplasmose ocular

A toxoplasmose ocular é uma condição que provoca uma redução da visão e é consequência da infecção por Toxoplasma gondii. Normalmente a toxoplasmose ocular manifesta-se como uma inflamação do segmento posterior da camada intermediária do olho (úvea).

O paciente com esse problema queixa-se geralmente de visão turva, dores e irritação nos olhos, e presença de moscas volantes, que podem ser definidas como manchas na visão.

Tratamento

A toxoplasmose é uma doença que tende a não apresentar tratamento para pessoas imunocompetentes (pessoas com sistema imunológico respondendo normalmente).

Mulheres grávidas, no entanto, necessitam de tratamento, o qual é feito geralmente com espiramicina ou sulfadiazina, pirimetamina e ácido fólico.

Atenção especial é também dada a pacientes com complicações ou com problemas relacionados à imunidade.

Toxoplasmose na gravidez

Na gestação a toxoplasmose pode ser perigosa, portanto é fundamental a realização de exames nesse período.

Quando a gestante é infectada, o risco de passar a infecção para o bebê é de 40%.

Essa infecção na gestante pode causar aborto, retardo no crescimento uterino, prematuridade e comprometimento ocular e neurológico do feto.

É recomendado que durante a gestação a mulher não faça a limpeza das fezes do gato.

Vale destacar que a doença é mais grave ao bebê quando ele é infectado no primeiro trimestre de gravidez e mais leve quando ele é infectado durante o terceiro trimestre. A chance de infecção congênita, no entanto, aumenta significativamente de acordo com a idade gestacional, sendo menor no primeiro trimestre do que no segundo e no terceiro.

A maioria dos recém-nascidos que foram infectados (toxoplasmose congênita) não apresenta manifestações clínicas ao nascer.A toxoplasma congênita não tratada, no entanto, pode gerar sequelas.

Leia também: Gravidez

Prevenção

A toxoplasmose pode ser prevenida adotando-se medidas simples. Veja a seguir algumas dicas importantes para evitar-se a infecção por Toxoplasma gondii:

  • Lavar sempre as mãos antes das refeições e após manipular os alimentos;
  • Cozinhar bem os alimentos;
  • Evitar o consumo de carne crua ou malpassada;
  • Congelar a carne, uma vez que o congelamento ajuda a eliminar cistos teciduais;
  • Beber água tratada ou fervida;
  • Sempre higienizar frutas, legumes e verduras;
  • Ter cuidado com os utensílios domésticos, nunca utilizando os mesmos utensílios (facas e tábuas, por exemplo) da preparação de carnes para a preparação de vegetais;
  • Ter cuidado ao manusear as fezes dos felinos e trocar a areia da caixinha dos gatos diariamente. Mulheres grávidas não devem efetuar a limpeza;
  • Após manipular areia que teve contato com fezes de gato, lavar as mãos;
  • Utilizar luvas para fazer jardinagem;
  • Não deixar os gatos domésticos alimentarem-se de carne crua ou malpassada, para que eles não corram o risco de ser infectados. É importante alimentar esses animais com ração.

Ciclo de vida

O ciclo do Toxoplasma gondii, uma espécie de protozoário, é um ciclo de vida em que há a participação de um hospedeiro definitivo e de um hospedeiro intermediário. O hospedeiro definitivo são os felinos, em especial o gato doméstico, enquanto o hospedeiro intermediário inclui aves e mamíferos, como o ser humano.

A toxoplasmose envolve hospedeiro definitivo e hospedeiro intermediário.

O ciclo de vida do Toxoplasma gondii inclui três formas infectantes:

  • Oocistos: contêm os esporozoítos e são estágios que se formam no trato intestinal dos felídeos, sendo, portanto, dependes, obrigatoriamente, do hospedeiro definitivo;
  • Taquizoítos: são observados na fase aguda da infecção;
  • Bradizoítos: são observados nos cistos teciduais que se formam na fase crônica da doença.

Iniciaremos o ciclo com a contaminação dos felinos. Estes se infectam, geralmente, quando consomem tecido de animais que foram infectados, como quando comem um roedor que está com cistos com bradizoítos. Eles podem contaminar-se também por meio de oocistos presentes no ambiente.

Quando se alimentam de tecido de um animal contaminado, os cistos rompem-se no tubo digestório, liberando os bradizoítos. Estes invadem a mucosa do intestino, diferenciam-se e reproduzem-se, sendo essa a fase sexuada do ciclo.

Nesse processo são formados os oocistos, os quais são eliminados nas fezes do animal e contaminam o ambiente. Nesse período o oocisto é considerado imaturo e apenas se torna infectante quando passa por um processo denominado esporulação.

Os oocistos, bem como tecidos contaminados, podem contaminar o hospedeiro intermediário. Quando o hospedeiro intermediário o consome, tal forma libera esporozoítos.

Já quando o hospedeiro alimenta-se de cistos teciduais, observa-se a liberação dos bradizoítos.

Essas formas liberadas invadem células nucleadas e, no interior das células, transformam-se em taquizoítos.

Os taquizoítos dividem-se várias vezes de maneira assexuada, desencadeando o rompimento da célula que está sendo parasitada. Os taquizoítos liberados migram e afetam vários órgãos do indivíduo.

Quando o hospedeiro intermediário começa a desenvolver imunidade, observa-se a transformação dos taquizoítos em bradizoítos, os quais apresentarão divisão mais lenta e formarão cistos teciduais.

Publicado por: Vanessa Sardinha dos Santos

Источник: https://mundoeducacao.uol.com.br/doencas/toxoplasmose.htm

Toxoplasmose: sintomas, transmissão, na gravidez

Toxoplasmose: transmissão, sintomas e tratamento

A toxoplasmose é uma doença causada por um protozoário, o Toxoplasma gondii, o qual apresenta felinos como hospedeiro definitivo e o homem, além de alguns outros animais vertebrados, como hospedeiros intermediários.

É uma doença com distribuiçãogeográficamundial, sendo uma zoonose bastante difundida.

Geralmente, é uma doença assintomática em pacientes sem imunidade comprometida, entretanto, mostra-se especialmente perigosa em casos de gravidez.

Leia também: Doenças causadas por protozoários

Ciclo de vida do Toxoplasma gondii

O Toxoplasma gondii é um protozoário que infecta diferentes tipos de animais homeotérmicos, incluindo aves e mamíferos. Felinos, por exemplo, o gato doméstico, são seus únicos hospedeiros definitivos, porém outras espécies de vertebrados podem atuar como hospedeiros intermediários, sendo esse o caso do homem.

Durante o ciclo do Toxoplasma gondii, observamos três estados infectantes: oocistos, taquizoítos e bradizoítos.

Os oocistos, que contêm os esporozoítos, são estágios formados no ciclo intestinal do protozoário que ocorre no trato intestinal dos felídeos. O estágio de taquizoíto é encontrado durante a fase aguda da infecção.

Já o estágio de bradizoítos é encontrado dentro de cistos teciduais na fase crônica da doença.

Os felinos são os únicos hospedeiros definitivos do Toxoplasma gondii, portanto, desempenham um papel fundamental na transmissão da toxoplasmose.

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade ;)

Os felinos são infectados, geralmente, quando ingerem tecidos do hospedeiro intermediário, como roedores e aves, com bradizoítos ou ainda quando ingerem oocistos esporulados de ambientes contaminados. No tubo digestório dos felinos, os cistos teciduais são rompidos e os bradizoítos liberados.

Posteriormente, os bradizoítos invadem a mucosa do intestino, diferenciam-se e reproduzem-se. O oocisto é formado e eliminado de forma imatura nas fezes. Logo após eliminado, inicia-se o processo de esporulação, que resulta no oocisto infectante.

Os hospedeiros intermediários infectam-se ao ingerir o oocisto o qual pode estar contaminando o solo ou alimento. O hospedeiro intermediário pode também ingerir tecido de hospedeiros intermediários contaminados.

As formas parasitárias ingeridas rompem-se e liberam esporozoítos (quando foi ingerido oocisto) ou bradizoítos (quando foi ingerido tecido com cistos teciduais) que invadem células nucleadas.

Cada parasita no interior da célula é um taquizoíto. O taquizoíto, então, divide-se várias vezes de forma assexuada até ocasionar o rompimento da célula. Esse processo ocorre sucessivas vezes e os taquizoítos migram para vários órgãos pelo sistemavascular.

Observe a invasão do Toxoplasma na célula e sua posterior replicação.

A formação dos bradizoítos ocorre quando o hospedeiro intermediário começa a desenvolver imunidade. Com o desenvolvimento da resposta imunológica, os taquizoítos transformam-se em bradizoítos e apresentam uma divisão mais lenta e passam a formar os cistosteciduais.

Leia também: Protozoários

Transmissão da toxoplasmose

A toxoplasmose é transmitida para o homem, principalmente, devido à ingestão de oocistos, os quais podem estar presentes no solo, água e alimentos de origem vegetal, ou por meio da ingestão de carne apresentando cistos teciduais. No caso do homem, não podemos deixar de citar que a transmissão pode ser também congênita, ou seja, passada da mãe para o bebê durante a gestação.

As fezes do gato são responsáveis por liberar oocistos no meio ambiente.

Sintomas da toxoplasmose

Na maioria dos casos, a toxoplasmose é uma doença assintomática, ou seja, que não causa sintomas. Entretanto, em uma menor quantidade de indivíduos, podem ocorrer algumas manifestações clínicas, como fraquezasemfebre e linfadenopatia (alteração nos linfonodos).

A linfadenopatia pode ser acompanhada de febre, dor muscular, mal-estar, dor de cabeça, dor durante a deglutição do alimento, irritação na pele e hepatoesplenomegalia (aumento do fígado e baço).

Em pacientes imunocomprometidos, podem ser observadas a encefalite (inflamação no cérebro), miocardite (inflamação no músculo do coração) e pneumonite (inflamação no pulmão).

Toxoplasmose ocular

A toxoplasmose ocular é ocasionada pelo Toxoplasma gondii ao infectar a região do olho. O que se observa muitas vezes nessas situações é que o protozoário ao infectar essa área desencadeia cicatrizes que resultam em uma diminuição da clareza da visão (reduz a acuidade visual).

O indivíduo com toxoplasmose ocular pode apresentar ainda dor nos olhos e ter a pressãointraocularelevada, além do surgimento das moscasvolantes (manchas na visão). Vale salientar que, algumas vezes, a toxoplasmose ocular manifesta-se de maneira atípica, o que pode dificultar o disgnóstico correto. O tratamento depende da lesão no olho e da saúde do paciente.

Toxoplasmose na gravidez

Na gravidez, a infecção por Toxoplasma gondii pode causar sérios problemas para a criança, uma vez que a mãe pode infectar o feto. Na toxoplasmose congênita, o Toxoplasma gondii é passado por transferênciatransplacentária ao bebê, desencadeando uma série de problemas, principalmente, naqueles infectados nas fases iniciais da gestação.

Estima-se que aproximadamente 40% das gestantes que apresentam toxoplasmose aguda transmitem o Toxoplasma ao bebê.

A toxoplasmose congênita pode desencadear, por exemplo, anormalidades visuais e neurológicas, restrição do crescimento intrauterino, prematuridade, macro ou microcefalia, icterícia, entre outros problemas. Vale salientar que a maioria dos bebês com toxoplasmose congênita nasce sem sintomas, porém, sequelas tardias são frequentes na toxoplasmose congênita que não foi tratada.

Devido aos riscos que a toxoplasmose pode causar na gravidez, é essencial realizar exames durante o pré-natal. Esses exames permitem a detecção do problema e a realização de um tratamento que pode evitar a contaminação do feto.

Leiatambém: Microcefalia

Tratamento da toxoplasmose

A toxoplasmose não é tratada em pacientes que não apresentam a saúde debilitada. Em gestantes, faz-se o uso da espiramicina, que reduz as chances de transmissão de toxoplasmose para o bebê.

Quando há a confirmação da infecção fetal, o tratamento é baseado no uso de sulfadiazina, pirimetamina e ácido folínico.

Pacientes com a imunidade comprometida ou que desenvolveram complicações também necessitam de atenção especializada.

Prevenção da toxoplasmose

Durante a gestação, recomenda-se que a mulher não limpe a caixinha de areia com fezes do gato.

A toxoplasmose pode ser prevenida com algumas medidas bastante simples, tais como:

  • Higienizar bem as frutas, legumes e verduras.
  • Beber água tratada ou fervida.
  • Cozinhar bem os alimentos.
  • Não comer carne crua ou malpassada.
  • Congelar a carne a uma temperatura interna de -12º C.
  • Não utilizar os mesmos utensílios domésticos utilizados em carne para preparar vegetais.
  • Evitar contato com fezes de felinos.
  • Alimentar felinos com ração para evitar infecção. É importante nunca alimentar gatos com carne crua ou malpassada.
  • Mudar a caixinha de areia dos gatos diariamente.
  • Grávidas e indivíduos com a imunidade debilitada devem manusear o solo apenas com luvas.
  • Lavar sempre bem as mãos após manipular areia e gatos.

Por Ma. Vanessa Sardinha dos Santos

Источник: https://brasilescola.uol.com.br/doencas/toxoplasmose.htm

Toxoplasmose: o que é, transmissão, tipos e como prevenir

Toxoplasmose: transmissão, sintomas e tratamento

A toxoplasmose, popularmente conhecida como doença do gato, é uma doença infecciosa provocada pelo protozoário Toxoplasma gondii (T. gondii), que possui como hospedeiro definitivo os gatos e intermediários as pessoas.

Na maioria das vezes, a infecção não provoca sintomas, no entanto caso a pessoa possua o sistema imunológico comprometido, é possível que apresente sinais e sintomas da infecção e exista maior risco de desenvolver formas mais graves da doença.

A doença é transmitida principalmente pela ingestão de alimentos contaminados pelos cistos do parasita ou por meio do contato com as fezes de gatos infectados. Além disso, a toxoplasmose pode ser transmitida de mãe para filho, no entanto isso só acontece quando a doença não é diagnosticada durante a gravidez ou o tratamento não é feito corretamente.

Apesar de não provocar sintomas, é importante que a toxoplasmose seja identificada e tratada corretamente de acordo com a orientação do médico para evitar que surjam complicações, como cegueira, convulsões e morte, por exemplo.

Como acontece a transmissão

A toxoplasmose pode ser transmitida através do consumo de alimentos crus e mal higienizados, como carne crua ou mal cozida, que estejam contaminados com fezes de gatos infectados ou consumo de água contaminada por cistos do parasita.

O contato com os gatos infectados não é suficiente para que haja transmissão do Toxoplasma gondii, é preciso que a pessoa tenha contato com as fezes desses gatos para que aconteça a contaminação, isso porque a contaminação pode acontecer por meio da inalação ou ingestão da forma infectante do parasita. Assim, durante a limpeza da caixa de areia do gato sem medidas de proteção é possível que haja contato com a forma infectante do parasita.

Devido ao fato da forma infectante de T. gondii poder permanecer infectante no solo por longos períodos, alguns animais como carneiro, bois e porcos, por exemplo, também podem ser infectados pelo parasita, que entra nas células do intestino desses animais.

Assim, ao consumir carne mal cozida, a pessoa também pode ser contaminada pelo Toxoplasma gondii.

Além do consumo de carne crua, o consumo de carne defumada ou embutidos que não foram processados de acordo com as condições de higiene adequadas, ou de água contaminada também podem ser consideradas formas de transmissão do parasita.

A transmissão da toxoplasmose também pode acontecer durante a gravidez através da passagem do parasita pela placenta.

No entanto, a transmissão depende do estado imunológico da gestante e fase da gestação: quando a mulher está no primeiro trimestre da gravidez e possui sistema imune comprometido, há maior chance de transmissão da doença para o bebê, no entanto as consequências são consideradas mais leves. Veja mais sobre a toxoplasmose na gravidez.

Ciclo de vida do Toxoplasma gondii

Nas pessoas o T. gondii possui dois estágios evolutivos, que são chamados de taquizoítos e bradizoítos, que é a forma evolutiva que é encontrada na carne crua dos animais. As pessoas podem adquirir a infecção ao entrar em contato com os cistos do parasita presente nas fezes de gatos ou por meio do consumo de carne crua ou mal cozida contendo bradizoítos.

Tanto os cistos quanto os bradizoítos liberam esporozoítos que penetram as células do intestino e sofrem processo de diferenciação em taquizoíto.

Esses taquizoítos reproduzem-se e rompem as células, podendo se espalhar pelo corpo e invadir outros tecidos, formando cistos que contém diversos taquizoítos.

Nas grávidas, após rompimento das células, os taquizoítos podem atravessar a placenta e atingir o bebê, resultando em infecção.

Principais sintomas

Na maioria dos casos, a toxoplasmose não causa sintomas, no entanto quando a imunidade da pessoa encontra-se em baixa é possível que surjam sintomas semelhantes aos de outras doenças infecciosas, como gripe e dengue, por exemplo, sendo os principais:

  • Ínguas pelo corpo, principalmente na região do pescoço;
  • Febre;
  • Dor muscular e nas articulações;
  • Cansaço;
  • Dor de cabeça e de garganta;
  • Manchas vermelhas pelo corpo;
  • Dificuldade para enxergar.

Os sintomas surgem mais frequentemente nas pessoas que possuem o sistema imunológico mais enfraquecido, como aquelas que fazem quimioterapia para o câncer, que foram submetidos recentemente a transplantes, são portadores do vírus HIV, ou em mulheres que contraem a infecção durante a gravidez.

Em casos mais graves, a toxoplasmose pode prejudicar o funcionamento de órgãos como pulmões, coração, fígado e cérebro, e normalmente os sintomas da forma grave são cansaço forte, sonolência, delírios e diminuição da força e dos movimentos do corpo. Saiba identificar os sintomas de toxoplasmose.

Tipos de toxoplasmose

O Toxoplasma gondii pode se espalhar pela corrente sanguínea, principalmente quando a pessoa possui o sistema imunológico mais enfraquecido ou quando o tratamento para a infecção não é inciado ou feito corretamente. Assim, o parasita pode atingir um ou mais órgãos, dando origem a algumas complicações e consequências da infecção, como:

1. Toxoplasmose ocular

A toxoplasmose ocular acontece quando o parasita atinge o olho e afeta a retina, causando uma inflamação que pode levar à cegueira se não for tratada a tempo. Essa doença pode afetar os dois olhos, e os prejuízos na visão podem ser diferentes para cada olho, podendo haver diminuição da visão, vermelhidão e dor no olho.

Essa complicação é mais comum de acontecer como consequência da infecção durante a gravidez, no entanto pode também acontecer em pessoas com o sistema imunológico mais comprometido, apesar de ser pouco frequente.

2. Toxoplasmose congênita

A toxoplasmose na gravidez provoca a toxoplasmose congênita, que é quando o bebê é infectado por essa doença ainda no útero da mãe. A toxoplasmose na gravidez pode levar a consequências graves, como malformações do feto, baixo peso ao nascer, parto prematuro, aborto ou morte do bebê ao nascer.

As consequências para o bebê variam de acordo com a idade gestacional em que aconteceu a infecção, havendo maior risco de complicações quando a infecção acontece mais perto do fim da gestação, existindo maior risco de inflamações oculares, icterícia intensa, aumento do fígado, anemia, alterações cardíacas, convulsões e alterações respiratórias. Além disso, pode haver alterações neurológicas, retardo mental, surdez, micro ou macrocefalia, por exemplo.

3. Toxoplasmose cerebrospinal ou meningoencefálica

Esse tipo de toxoplasmose é mais frequente em pessoas diagnosticadas com AIDS e normalmente está relacionada com a reativação dos cistos de T. gondii em pessoas que possuem a infecção latente, ou seja, que foram diagnosticadas e tratadas, mas o parasita não foi eliminado do organismo, permitindo que se deslocasse até o sistema nervoso.

Os principais sintomas desse tipo de toxoplasmose são dor de cabeça, febre, perda da coordenação muscular, confusão mental, convulsões e cansaço excessivo. Caso não seja identificada e tratada, a infecção pode levar ao coma e morte da pessoa.

Como é feito o tratamento

O tratamento da toxoplasmose só é feito quando a pessoa possui sintomas da doença, uma vez que os medicamentos indicados podem ser tóxicos quando usados de forma frequente. Assim, o tratamento só é recomendado nos casos sintomáticos e nas gestantes diagnosticadas com a doença.

O tratamento da toxoplasmose deve ser iniciado logo que a doença seja identificada, sendo o diagnóstico feito através de um exame de sangue que identifica a existência de anticorpos IgG e IgM no corpo, que são produzidos para combater o protozoário causador da doença.

Prevenção da toxoplasmose

Para prevenir a toxoplasmose é importante ter alguns cuidados, como por exemplo:

  • Consumir água potável, filtrada ou mineral;
  • Cozinhar bem as carnes e evitar o consumo de carnes mal passadas em restaurantes;
  • Evitar o contato com gatos desconhecidos e lavar bem as mãos se tocar em animais que não conhece;
  • Usar uma luva ao limpar a caixa de areia e ao recolher as fezes dos gatos.

Pessoas que têm animais domésticos devem levá-los ao veterinário para fazer exames que seja feito exame para identificação do parasita da toxoplasmose e a desparasitação do animal, evitando a possível transmissão da toxoplasmose e de outras doenças.

Источник: https://www.tuasaude.com/toxoplasmose/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: