Tuberculose: 7 sintomas que podem indicar a infecção

Tuberculose: tipos, sintomas, transmissão e tratamento

Tuberculose: 7 sintomas que podem indicar a infecção

A tuberculose é uma doença infectocontagiosa causada pelo Mycobacterium tuberculosis, popularmente conhecido como bacilo de Koch, que entra no organismo por meio das vias aéreas superiores e se aloja no pulmão ou em outras partes do corpo, caracterizando a tuberculose extrapulmonar.

Assim, dependendo do local em que a bactéria se aloja, a tuberculose pode ser classificada em:

  • Tuberculose pulmonar: É a forma mais comum da doença e ocorre devido a entrada do bacilo nas vias respiratórias superiores e alojamento nos pulmões. Esse tipo de tuberculose é caracterizado por tosse seca e constantes com ou sem sangue, sendo a tosse a principal forma de contágio, já que as gotículas de saliva liberadas por meio da tosse contêm os bacilos de Koch, podendo infectar outras pessoas.
  • Tuberculose miliar: É uma das formas mais graves da tuberculose e ocorre quando o bacilo entra na corrente sanguínea e chega a todos os órgãos, havendo risco de meningite. Além do pulmão ser gravemente acometido, outros órgãos também podem ser.
  • Tuberculose óssea: Apesar de não ser muito comum ocorre quando o bacilo consegue penetrar e se desenvolver nos ossos, o que pode provocar dor e inflamação, que nem sempre é inicialmente diagnosticada e tratada como sendo tuberculose;
  • Tuberculose ganglionar: É causada pela entrada do bacilo no sistema linfático, podendo acometer os gânglios do tórax, virilha, abdômen ou, mais frequentemente, do pescoço. Esse tipo de tuberculose extrapulmonar não é contagioso e tem cura quando tratado da maneira correta. Entenda o que é tuberculose ganglionar, sintomas, contágio e como é feito o tratamento.
  • Tuberculose pleural: Ocorre quando o bacilo acomete a pleura, tecido que reveste os pulmões, causando intensa dificuldade em respirar. Esse tipo de tuberculose extrapulmonar não é contagioso, no entanto pode ser adquirido ao se entrar em contato com pessoa com tuberculose pulmonar ou ser uma evolução da tuberculose pulmonar.

Como é feito o tratamento

O tratamento para tuberculose é gratuito, e por isso, se a pessoa desconfia que está com a doença, deverá procurar o hospital ou posto de saúde imediatamente.

O tratamento consiste no uso de medicamentos do tipo tuberculostáticos por cerca de 6 meses seguidos ou de acordo com a orientação do pneumologista.

Em geral, o esquema de tratamento indicado para tuberculose é a combinação de Rifampicina, Isoniazida, Pirazinamida e Etambutol.

Nos 15 primeiros dias de tratamento, a pessoa deve ficar isolada, pois ainda pode transmitir o bacilo da tuberculose para outras pessoas. Após esse período pode voltar para a sua rotina normal e continuar usando os medicamentos. Entenda como é feito o tratamento da tuberculose.

Tuberculose tem cura

A tuberculose tem cura quando o tratamento é feito da maneira correta de acordo com as recomendações do médico.

 O tempo de tratamento é em torno de 6 meses consecutivos, o que quer dizer que mesmo que os sintomas desapareçam em 1 semana, a pessoa deverá continuar tomando os remédios até completar os 6 meses.

Caso isso não aconteça, pode ser que o bacilo da tuberculose não seja eliminado do organismo e a doença não ser curada, além disso, pode haver resistência bacteriana, o que torna o tratamento mais difícil.

Principais sintomas da tuberculose 

Os principais sintomas da tuberculose pulmonar são tosse seca e persistente com ou sem sangue, emagrecimento, perda de apetite e dificuldade respiratória.

No caso da tuberculose extrapulmonar pode haver perda de apetite, prostração, suor noturno e febre. Além disso, pode haver o aparecimento de sinais e sintomas no local em que o bacilo está instalado.

Veja quais são os 6 principais sintomas de tuberculose.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da tuberculose pulmonar pode ser feito com a realização de raio-x do tórax e exame do escarro com pesquisa do bacilo da tuberculose, também chamado de pesquisa de BAAR (Bacilo Álcool-Ácido Resistente).

Para diagnosticar a tuberculose extrapulmonar recomenda-se a realização de biópsia do tecido afetado. Pode-se ainda realizar um teste cutâneo de tuberculina, conhecido também por teste de Mantoux ou PPD, que é negativo em 1/3 dos pacientes.

Entenda como é feito o PPD.

Transmissão da tuberculose

A transmissão da tuberculose pode acontecer pelo ar, de pessoa para pessoa através da inspiração de gotículas infectadas liberadas através da tosse, espirro ou fala. A transmissão só pode acontecer se houver comprometimento pulmonar e até 15 dias após o início do tratamento. 

As pessoas que possuem o sistema imune comprometido por doenças ou devido à idade, que fumam e/ou consumem drogas possuem mais chances de serem infectadas pelo bacilo da tuberculose e desenvolverem a doença.

A prevenção das formas mais graves da tuberculose pode ser feita através da vacina BCG ainda na infância. Além disso recomenda-se evitar locais fechados, mal ventilados e com pouca ou nenhuma exposição solar, mas é essencial manter-se afastado de pessoas diagnosticadas com tuberculose. Veja como ocorre a transmissão da tuberculose e como se prevenir.

Ficou alguma dúvida? Clique aqui para ser respondido.

Источник: https://www.tuasaude.com/tuberculose/

Tuberculose: sintomas, transmissão, prevenção

Tuberculose: 7 sintomas que podem indicar a infecção

A tuberculose é uma doença infectocontagiosa transmitida pelo ar causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis, também conhecida como bacilo de Koch.

É uma doença grave que acomete todas as idades, mas apresenta maior incidência em crianças. Afeta, principalmente, os pulmões, desencadeando sintomas como tosse, febre e sudorese noturna.

Todavia, pode acometer outros órgãos, sendo esse caso mais comum em pessoas com sistema imunológico comprometido.

Exames bacteriológicos e por imagem podem ser realizados para confirmar o diagnóstico da doença, a qual é tratada utilizando-se quatro medicamentos distintos. Apesar de grave, a maioria dos casos consegue cura completa.

Apesar de curável, a tuberculose ainda mata cerca de 4,7 mil pessoas todos os anos no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde. A melhor forma de prevenção da doença é a vacinação.

O bacilo Mycobacterium tuberculosis afeta, principalmente, os pulmões.

A tuberculose é desencadeada pela bactériaMycobacterium tuberculosis, também chamada de bacilo de Koch. O bacilo recebeu esse nome em homenagem a Robert Koch, que identificou esse agente etiológico no ano de 1882.

A transmissão do Mycobacterium tuberculosis ocorre de uma pessoa para outra. Quando uma pessoa contaminada conversa, tosse ou espirra, as gotículas de saliva, onde estão presentes os bacilos, são lançadas no ar. Isso faz com que a transmissão ocorra de maneira relativamente simples, uma vez que a bactéria pode ser inalada facilmente por uma pessoa sadia.

O bacilo, quando inalado, pode ficar restrito ao sistema respiratório superior ou, então, atingir os alvéolos. Nesse último caso, inicia-se a infecção, com a multiplicação dessa bactéria e sua migração para todo corpo pela corrente sanguínea.

O sistema imune, por intermédio da ação dos macrófagos, pode manter a infecção sob controle, mas quando ele não consegue mais barrar a infecção, ocorre o desenvolvimento da tuberculose.

Estima-se que apenas cerca de 10% das pessoas infectadas pela bactéria desenvolvam a patologia, e isso pode ocorrer em qualquer fase da vida.

É importante dizer também que pessoas infectadas, mas que não apresentam os sintomas da doença, não são capazes de disseminá-la.

Leia também: Doenças causadas por bactérias

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade ;)

Sintomas da tuberculose

Qualquer órgão pode ser acometido pelo bacilo de Koch, entretanto há mais registros de envolvimento dos pulmões, pleura, rins, cérebro e ossos. Classificamos a tuberculose em duas formas básicas, a pulmonar e a extrapulmonar.

Quando a tuberculose é pulmonar, os sintomas clássicos são tosse persistente por três semanas ou mais (com ou sem catarro), febre vespertina sem calafrios, sudorese noturna e emagrecimento. À medida que a doença avança, pode evoluir para tosse com pus ou sangue.

Já na forma extrapulmonar, os sinais e sintomas da tuberculose estão ligados ao órgão acometido.

Diagnóstico da tuberculose

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde, estima-se que “cerca de 20% dos doentes não são diagnosticados, e muitos casos somente são descobertos após a internação ou óbito”.

Um diagnóstico precoce é a chave para um tratamento mais efetivo e também para interromper o ciclo de transmissão da doença, uma vez que um paciente com tuberculose pulmonar sem tratamento pode ser responsável por infectar até 15 pessoas.

A tosse persistente por várias semanas pode ser um sinal de tuberculose.

Para diagnosticar a doença, deve-se analisar os sintomas e realizar exames bacteriológicos, como a baciloscopia ou cultura.

Algumas vezes, solicita-se a realização de exames de imagem como um método auxiliar para o diagnóstico, uma vez que eles permitem a verificação da extensão do comprometimento do pulmão.

Em casos de suspeita de tuberculose pulmonar, deve-se fazer obrigatoriamente a radiografia do tórax.

Leia também: 5 problemas de saúde que mais matam no mundo

Tratamento da tuberculose

O tratamento é realizado por meio da administração diária de vários medicamentos por um período de aproximadamente seis meses.

Se feito corretamente e de acordo com as recomendações médicas, pode haver a cura total da doença.

Vale destacar que muitas pessoas, após algumas semanas de tratamento, sentem-se melhor e param de medicar-se, o que pode desencadear complicações.

O Ministério da Saúde salienta que é fundamental que o paciente seja orientado pelo profissional de saúde a realizar o tratamento até fim, independentemente da melhora clínica. É importante deixar claro que o tratamento da tuberculose é gratuito e disponibilizado no Sistema Único de Saúde (SUS).

Leia também: Superbactérias – entenda melhor esse gravíssimo problema de saúde pública

Prevenção da tuberculose

O melhor método de prevenção é a vacinação.

A vacina BCG (Bacillus Calmette-Guérin), que combate a tuberculose, deve ser aplicada em crianças, se possível, logo após seu nascimento, uma vez que não é eficiente em indivíduos já contaminados.

De acordo com o Ministério da Saúde, a vacina deve serdada às crianças ao nascer, ou, no máximo, até 4 anos, 11 meses e 29 dias. É importante destacar que a vacina protege contra as formas graves da doença, como a tuberculose meníngea, que afeta as meninges.

Além da vacinação, para se prevenir contra a tuberculose, deve-se evitar o contato íntimo com pessoas doentes e manter o ambiente sempre arejado e com a entrada de luz. Uma alimentação adequada e prática de exercícios também são formas de prevenção, uma vez que são práticas que garantem uma melhoria no nosso sistema imune.

Dia Mundial de Combate à Tuberculose

O Dia Mundial de Combate à Tuberculose é celebrado no dia 24 de março de cada ano. Essa data foi escolhida pela Organização Mundial de Saúde porque foi o dia em que Robert Koch descobriu o agente causador da tuberculose, em 1882. A data é um importante momento para se conhecer mais sobre a tuberculose e se engajar na luta contra essa doença.

Publicado por: Vanessa Sardinha dos Santos

Источник: https://mundoeducacao.uol.com.br/doencas/tuberculose.htm

10 SINTOMAS DA TUBERCULOSE

Tuberculose: 7 sintomas que podem indicar a infecção

A tuberculose é uma doença contagiosa causada por uma bactéria conhecida como bacilo de Koch (BK).

Apenas 10% dos indivíduos expostos ao bacilo de Koch desenvolverão sintomas de tuberculose. Nos 90% restantes, a bactéria é controlada pelo sistema imunológico, ficando inativada, incapaz de ser transmitida ou de provocar qualquer sinal de doença.

Esses pacientes infectados, porém assintomáticos, podem desenvolver tuberculose anos depois se houver alguma queda nas suas defesas imunológicas que permita a proliferação da bactéria.

Nos pacientes que desenvolvem tuberculose ativa, a grande maioria o faz através da tuberculose pulmonar. Porém, o bacilo de Koch pode acometer outros órgãos do corpo que não os pulmões, tais como nos casos de tuberculose ganglionar, óssea, de pele, intestinal e do sistema nervoso.

Explicamos as diversas formas de tuberculose com detalhes, assim como seu diagnóstico, transmissão e tratamento, no texto: Tuberculose – Sintomas e tratamento.

Sinais e sintomas de tuberculose

Neste artigo vamos abordar os mais comuns sinais e sintomas da tuberculose pulmonar e da tuberculose extrapulmonar. Como a forma pulmonar é a mais habitual, daremos ênfase aos seus sintomas.

Febre

A febre é um dos sintomas mais comuns da tuberculose, seja na forma pulmonar ou na tuberculose de outros órgãos. Em geral, a febre é alta, acima dos 38ºC, diária e com predomínio no final do dia, chamada de febre vespertina. Nos idosos, porém, a tuberculose pode surgir sem febre.

Suores noturnos

Outro sintoma de tuberculose muito comum. Além da febre vespertina, também é habitual os pacientes apresentarem suores noturnos. Em alguns pacientes com tuberculose, os suores noturnos podem ocorrer mesmo sem a presença da febre.

Tosse

A tosse é o sintoma mais comum da tuberculose pulmonar, mas não costuma estar presenta nas outras formas de tuberculose. Um paciente com tuberculose urinária ou gastrointestinal, por exemplo, só apresentará tosse se também tiver tuberculose pulmonar ativa.

A tosse da tuberculose pulmonar é crônica, com duração de semanas. Geralmente inicia-se como uma tosse seca, agravando-se ao longo dos dias, podendo evoluir para uma tosse purulenta, com expectoração amarelo-esverdeada.

A tosse com catarro da tuberculose é diferente da tosse da pneumonia, por ser um quadro mais arrastado, que evolui durante semanas.

Na pneumonia o quadro de febre alta e tosse evolui em poucas horas, fazendo com que o paciente procure ajuda médica em 24-48 horas.

Na tuberculose, o paciente só se sente suficientemente mal para procurar um médico vários dias, às vezes semanas, depois do início da doença.

Expectoração com sangue

Com o passar dos dias, a expectoração purulenta pode se transformar em expectoração sanguinolenta, que recebe o nome de hemoptise. A catarro com sangue é um sintoma típico da tuberculose em fases mais avançadas.

Falta de ar e cansaço

A falta de ar é um sintoma comum da tuberculose pulmonar e ocorre geralmente em fases mais avançadas, quando o acometimento do pulmão já é extenso. A falta de ar no início do quadro ocorre apenas durante o esforço, porém, com a evolução da infecção, passa a surgir mesmo em repouso.

A falta de ar também pode ser causada por acometimento da pleura do pulmão, provocando derrame pleural (água na pleura) ou pneumotórax (ar na pleura).

O cansaço, por outro lado, é diferente da falta de ar e ocorre em qualquer forma de tuberculose, sendo caracterizado por falta de forças, sensação de mal estar, vontade de ficar deitado o tempo todo e desânimo. O cansaço não é por acometimento pulmonar, mas sim pelo quadro de infecção grave.

Dor torácica

A dor na região torácica é outro sintoma comum da tuberculose pulmonar. Ela pode surgir por vários motivos, desde a lesão do pulmão pela própria tuberculose, quanto pelo esforço causado pela tosse crônica, ou mesmo pelo acometimento da pleura pela infecção, que se caracteriza por uma dor que surge durante a respiração profunda, chamada de dor pleurítica.

A dor torácica nos casos de infecção pulmonar pela tuberculose costuma ser na região das costas, geralmente do lado do pulmão mais acometido.

Perda de peso

A perda de peso e a falta de apetite ocorrem em todas as formas de tuberculose. É comum o paciente se apresentar ao médico assustado com uma perda de 5 a10 quilos nas últimas semanas.

Linfonodos aumentados

O aparecimento de um ou mais linfonodos aumentados e palpáveis pelo corpo é um sintoma típico da tuberculose ganglionar.

A apresentação mais comum é o surgimento de um único linfonodo aumentado, não doloroso, em um adulto jovem sem outros sintomas, como febre, perda de peso, tosse ou cansaço. Porém, não é incomum o paciente apresentar mais de um gânglio aumentado ou ter a forma pulmonar e ganglionar juntas, fazendo com que os sintomas descritos acima estejam presentes.

O exame do linfonodo revela uma massa endurecida e bem aderida. Em cerca de 70% dos casos o gânglio surge na região do pescoço.

Outros locais onde costumam surgir linfonodos na tuberculose ganglionar são a região das axilas, acima da clavícula, no cotovelo ou na virilha.

Exames radiológicos conseguem identificar linfonodos aumentados em regiões mais profundas, como na cavidade abdominal e no mediastino (região dentro do tórax).

Dor óssea

A tuberculose óssea costuma se manifestar como uma dor nos ossos, principalmente dor lombar, por acometimento das vértebras da coluna pela infecção (chamado de mal de Pott).

A tuberculose óssea não é uma forma muito comum e a dor costuma ser apenas leve a moderada no início do quadro.

Se não houver febre e perda de peso, o médico não costuma (nem deve) suspeitar inicialmente de tuberculose nos pacientes com queixas de dor na coluna.

A radiografia da coluna costuma ser normal nas fases inciais, sendo necessária a realização de tomografia computadorizada ou ressonância magnética para o diagnóstico precoce.

Sangue na urina

A tuberculose do sistema urinário costuma se apresentar como um quadro de infecção urinária que não cura com os antibióticos tradicionais e não é identificada pelas uroculturas.

A bactéria geralmente se aloja em um dos rins e provoca dor na região lombar associado a pus e sangue na urina, às vezes de forma microscópica, só detectável pelos exames de laboratoriais de urina. Se não tratada a tempo, leva a destruição dos rins.

Considerações finais

Mais de 90% dos pacientes infectados pelo bacilo de Koch vão desenvolver a forma pulmonar da doença, sendo a tosse, a febre e a perda de peso de evolução arrastada os sintomas mais típicos da doença.

Como as formas extrapulmonares são menos comuns, o diagnóstico pode ser mais difícil de ser estabelecido, principalmente se o paciente não tiver também os sintomas sistêmicos típicos da tuberculose, como perda de peso, febre e/ou cansaço.

Há dezenas de formas de tuberculose extrapulmonar, o que leva a dezenas de formas de apresentação clínica da doença.

Listamos acima apenas as formas mais comuns, mas pacientes com tuberculose do sistema nervoso central, dos intestinos, dos órgãos genitais, da pele, etc., podem ter sintomas completamente distintos aos descritos acima.

De comum, apenas a febre, o emagrecimento e o cansaço, que  não necessariamente estarão presentes em todos os casos.

Referências

  • Clinical manifestations and complications of pulmonary tuberculosis – UpToDate.
  • Tuberculosis (TB) – CDC – Division of Tuberculosis Elimination.
  • South-Paul JE, et al. Tuberculosis. In: Current Diagnosis & Treatment in Family Medicine. 4rd ed. New York, N.Y.: The McGraw-Hill Companies; 2015. 
  • Longo DL, et al., eds. Tuberculosis. In: Harrison’s Principles of Internal Medicine. 20th ed. New York, N.Y.: McGraw-Hill Education; 2018. 

Источник: https://www.mdsaude.com/pneumologia/sintomas-da-tuberculose/

Sobre a Medicina
Deixe uma resposta

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: